Como checar se a versão do Ubuntu é desktop ou server

Quem atua no suporte técnico pode ter a necessidade de saber, de maneira simplificada, se a versão do Ubuntu que se encontra à sua frente é uma versão para desktop ou para servidor — com todos os pacotes e configurações inerentes àquela distribuição.
Ninguém quer nada complicado — portanto vou mostrar 2 opções do comando dpkg (que podem ser copiados e colados) a ser executados no seu terminal e que vão mostrar o que você tem pra brincar.

Liste os pacotes com dpkg

O comando dpkg permite listar os pacotes instalados no seu sistema, com o parâmetro -l:

dpkg -l *buntu-desk*
Desired=Unknown/Install/Remove/Purge/Hold
| Status=Not/Inst/Conf-files/Unpacked/halF-conf/Half-inst/trig-aWait/Trig-pend
|/ Err?=(none)/Reinst-required (Status,Err: uppercase=bad)
||/ Nome           Versão       Arquitectura Descrição
+++-==============-============-============-=================================
ii  xubuntu-deskto 2.180        i386         Xubuntu desktop system

No exemplo acima, o comando mostra que o sistema instalado é Xubuntu-desktop. Se fosse servidor, a saída, na última linha teria a string -server.
Outra forma de usar o comando, envolve o uso do comando grep (vale a pena aprender a usá-lo!):

dpkg -l xubuntu* | grep desktop

dpkg -l xubuntu* | grep desktop
Note que eu usei a string xubuntu, porque esta é a distro que eu estou usando aqui. Você deve adequar o comando à sua situação aí.
Enfim, se ao fazer a busca pela palavra desktop, o retorno foi zero, tente fazer a busca pela palavra server.

LEIA MAIS

10 coisas para fazer depois de instalar o Xubuntu

Após a instalação de um sistema operacional, sempre há ajustes a fazer e aplicativos a instalar para tornar o uso mais seguro e confortável.
Vou relacionar as minhas 10 dicas de ajustes pós instalação para o Xubuntu e alguns softwares que considero úteis ou fundamentais para tornar a experiência de usuário mais agradável.

Se você usa o Ubuntu (puro), pode achar interessante ler o artigo feito para a sua distro.
Este texto aborda a versão 14.04 Trusty Tahr LTS do Xubuntu, que terá suporte oficial da Canonical até 2019.

Atualize o sistema

É possível haver, nos repositórios, atualizações disponíveis para o seu sistema — correções, atualizações de segurança, novos recursos etc.
Vamos atrás delas! 😉

Abra um terminal (Ctrl + Alt + T) e digite os seguintes comandos (ou copie e cole, para evitar erros):


sudo apt-get update
sudo apt-get upgrade

Daqui, pra frente, mantenha sempre o seu sistema atualizado.

Para facilitar as coisas, o Xubuntu 16.04 aceita o uso do apt, como ferramenta padrão de gestão de pacotes.
Se você usa esta versão (ou superior), pode passar a usar o apt, em substituição ao apt-get, daqui pra frente. Veja como:


sudo apt update
sudo apt upgrade

Se quiser entender melhor o funcionamento do utilitário apt, leia este artigo.

LEIA MAIS:

Atualização do Xubuntu 14.04 LTS
Clique para ampliar.

Navegadores

O navegador padrão, no Ubuntu e no Xubuntu, é o Mozilla Firefox. Se você prefere o Chromium, instale-o assim (no terminal):


sudo apt-get install chromium-browser

Se você gosta do Firefox e quiser melhorar o seu desempenho, leia o artigo “como melhorar o desempenho do Firefox“, com técnicas simples para tunar o seu navegador.

Instale os codecs e outros softwares restritos

Até agora, você pode fazer tudo, no seu computador, menos (talvez) assistir aos seus filmes em DVD, ver sites em Flash e assistir a alguns vídeos.

O que acontece é que o Ubuntu (e seus derivados e spins) não poderia ser legalmente distribuído em um DVD, nos Estados Unidos e em outros países, com a inclusão destes softwares e codecs. Por isto é que são chamados restricted — e são distribuídos em um pacote separado.

Para obter este pacote extra, no Xubuntu, use o seguinte comando no terminal:


sudo apt-get install xubuntu-restricted-extras

Qual o conteúdo do ubuntu-restricted-extras?

O pacote xubuntu-restricted-extras contém:

  • suporte a MP3 e a DVDs não encriptados
  • Microsoft TrueType core fonts
  • plugin Flash
  • codecs para arquivos comuns de áudio e vídeo

Para poder assistir aos seus DVDs, rode os comandos abaixo, para instalar pacotes necessários e configurar o sistema:


sudo apt-get install libdvdread4 libdvdnav4
sudo /usr/share/doc/libdvdread4/install-css.sh

Para instalar o flash, no seu navegador, execute o seguinte comando:


sudo apt-get install flashplugin-installer

Mais softwares úteis

Em alguns momentos, o rar poderá ser necessário, para compactar/descompactar ou, eventualmente, fazer algum backup.
Muitos arquivos, baixados da internet, vêm empacotados com este aplicativo.


sudo apt-get install rar

Se você precisa do Java, instale-o assim:


sudo apt-get install icedtea-7-plugin openjdk-7-jre

Programas adicionais

A lista de programas, que segue, trata apenas de algumas sugestões (você pode adicionar as suas, nos comentários — tenho certeza de que será útil a outros leitores).
Se você pretende editar imagens, o Gimp é um dos aplicativos mais elogiados da área:


sudo apt-get install gimp

Tem muito mais sobre o GIMP, aqui.

Se você pretende editar arquivos de áudio, para criar toques de celular, por exemplo, o Audacity é uma excelente pedida:


sudo apt-get install audacity

Para assistir a filmes e qualquer outro tipo de vídeo, sugiro o mplayer e o vlc:


sudo apt-get install mplayer vlc

Isto encerra a minha lista de “coisas” para fazer, após instalar o Xubuntu.
Longe de ser uma lista definitiva, ela pode ser complementada com suas sugestões, nos comentários.
Outras leituras, podem complementar este artigo, se você se interessar:

Divirta-se!

Como ocultar arquivos no Linux

Ocultar arquivos no Linux é relativamente simples e pode ser feito com uma simples renomeação do arquivo.
Esta ação não garante segurança extra. Apenas deixa os arquivos menos óbvios.

exibir ocultar arquivos ubuntu linux
Clique para ampliar

No gerenciador de arquivos da interface gráfica (GUI), usa-se o ^H (Ctrl + H) para ligar/desligar a exibição dos arquivos ocultos.
Você pode ocultar um arquivo qualquer através da renomeação — basta acrescentar um ponto ao início de seu nome.
Na GUI, selecione um arquivo e tecle F2, para alterar o seu nome.
renomear arquivos no ubuntu linux
Clique para ampliar.

Como ocultar e listar arquivos ocultos, no terminal

Na CLI (linha de comando), use o mv para alterar nomes de arquivos:


mv nome_do_arquivo.txt .nome_do_arquivo.txt

Para listar os arquivos ocultos use o ls com a opção ‘-a’:


ls -a

list hidden files in Linux
Como listar arquivos ocultos no Linux.

Quer saber como alterar as cores dos nomes dos arquivos? Então leia sobre o dircolors. 😉

Qual Ubuntu escolher?

O Ubuntu é um sistema operacional, de código aberto, com mais de 20 milhões de usuários, ao redor do mundo.
Ao acessar o site de download do Ubuntu no Brasil ou o site internacional, uma versão do Ubuntu é apresentada por padrão. Mas, será que ela é a mais indicada para você?
qual ubuntu escolher
Este texto é orientado a ajudar as pessoas escolher a versão mais adequada do Ubuntu para instalar.

Qual o melhor Ubuntu para máquinas mais antigas?

A cada 6 meses, uma versão nova do Ubuntu é lançada – tradicionalmente, nos meses de Abril e Outubro. Desta forma, você sempre tem uma versão atualizada para instalar e usar.
Não importa se sua máquina é nova ou velha — instale sempre a versão mais atual do Linux. As versões atualizadas vem sempre com correções de erros e melhorias pro seu hardware. Se a sua máquina for antiga, há uma probabilidade crescente de ela ser contemplada com uma maior quantidade de melhorias e correções de erros conhecidos.
Se você acredita que os recursos visuais das novas versões tornam a máquina mais lenta, há meios para desligá-los. Não faz sentido optar por uma versão velha e ultrapassada do Linux.
Se a sua máquina tem recursos muito restritos, então você talvez deva considerar instalar outra distro Linux ou uma das variações do Ubuntu para máquinas com recursos limitados — mas siga a regra: opte sempre pela mais atual.

O que é Ubuntu LTS?

LTS, em inglês, quer dizer Long Term Support — “suporte prolongado“, em português.
Para quem usa um computador em produção, para trabalho e necessita de mais estabilidade e confiabilidade, há as versões LTS do Ubuntu, nas quais a Canonical refreia seu ímpeto para empacotar os softwares mais novos e que ainda não foram suficientemente testados.
As versões LTS são voltadas ao público corporativo, profissionais liberais ou qualquer outra pessoa que precise privilegiar a estabilidade e a confiabilidade.
A Canonical tem atualizado as versões LTS a cada 2 anos. Cada uma delas tem 5 anos de tempo de suporte. Ou seja, A LTS mais estável, hoje, é a 12.04 — com suporte previsto até 2017.
Desta forma, sempre haverá 2 LTS disponíveis: uma estável e outra mais estável ainda.
Se você acha que a estabilidade não é tão importante e prefere ter os programas mais atualizados instalados em sua máquina, vá para a versão mais nova que houver disponível no site, independente de ser LTS ou não.
Em ambiente de produção, a versão LTS mais estável é a mais recomendada.
Aqui a regra sobre optar pela mais atual deve ser quebrada, caso você tenha uma necessidade maior de estabilidade. Pela lógica, a versão LTS anterior (no caso, a 12.04) tem mais tempo de estrada que a 14.04 — e, portanto, é a opção recomendada.

Ubuntu Alpha e Beta

Estas versões são o oposto das LTS: são versões de teste, que usam as últimas versões dos softwares disponíveis e com muito pouca estabilidade.
Se você tiver mais de um computador, pode separar uma máquina exclusiva para testes — e, nela, pode experimentar a versão Beta ou Alpha do Ubuntu.
As versões Alpha precedem as Beta e são, portanto, mais instáveis.

Por que eu deveria instalar Ubuntu Alpha ou Beta?

Em primeiro lugar, você não deve instalar software beta em máquinas de produção. Neste estágio, os programas ainda são muito instáveis e podem atrapalhar mais do que ajudar.
Há basicamente 2 motivos para instalar versões de teste de softwares:

  • Conhecer o que há de mais novo no desenvolvimento daquele software. Quando a versão estável for lançada, você já terá mais intimidade com ele do que a maioria das pessoas;
  • Ajudar no desenvolvimento — os beta-testers são muito bem vindos na comunidade Ubuntu. Uma das melhores maneiras de ajudar a sua distro favorita é usar sua versão beta e dar retorno sobre o que achou, como funcionou, os problemas que teve etc.
    Alguns projetos dão créditos aos seus beta-testers mais ativos.

Ubuntu 32-bit ou 64-bit?

A versão 32-bit é a escolha mais segura para quem tem máquina com recursos limitados.
Os desenvolvedores já portaram seus softwares ou os tem reescrito para o ambiente 64-bit — que aproveita muito melhor a capacidade e os recursos de seu hardware.
Se o seu sistema de hardware é 64-bit e você não tiver algum “motivo especial” para usar uma versão 32-bit, vá de 64-bit.

Ubuntu, Kubuntu, Xubuntu ou Lubuntu

A relação de derivados ou spins do Ubuntu é bem grande.
Como é impossível um único sistema operacional satisfazer a toda a sua base de usuários, desenvolvedores criam customizações a partir da distro original, para atender a usuários com necessidades diferenciadas.
O assunto merece um post exclusivo — por isto, vou procurar ser o mais sucinto possível aqui.
Instalar uma distro Linux em um pendrive, para testar, é sempre um bom ponto de partida, para começar a conhecer as opções que você tem.
Tanto o Ubuntu quanto o Kubuntu são opções com bastante recursos visuais. O ambiente gráfico do Ubuntu usa o Unity, que tem uma concepção bem moderna e que se integra bem a dispositivos com tela de toque.

LEIA MAIS:

O Xubuntu e o Lubuntu são voltadas para quem prefere mais simplicidade, menos recursos visuais e um ambiente mais rápido e ágil. São ótimas para quem tem uma máquina mais antiga ou para quem usa netbooks.
Espero ter conseguido demonstrar as qualidades e as diversas possibilidades do Ubuntu. Se você tiver alguma dica ou experiência pessoal, sinta-se à vontade para compartilhar com a gente, nos comentários.

As novidades pro Xubuntu e Lubuntu em 2014

Em Abril próximo (2014), teremos a chegada da nova versão do Ubuntu 14.04 LTS, de codinome Trusty Tahr. Trata-se de uma versão de suporte estendido (até 2019), voltada para usuários corporativos, ou não, que precisam menos de novidades e mais de performance, eficiência e estabilidade.
Conhecidas como spin offs, as distros derivadas, Lubuntu e Xubuntu, são voltadas para um grupo de usuários mais restrito – entre os quais, uns querem mais performance, outros mais estabilidade ainda. Estas distros conseguem satisfazer a estes dois grupos, entre os quais, há proprietários de PC mais antigos que não suportam o peso dos recursos do Ubuntu “tradicional”.
Eu fui escarafunchar os foruns dos desenvolvedores para ver o que eles têm preparado para nós. Eu não esperava muita coisa… e me surpreendi.

O que esperar do Xubuntu 14.04 LTS?

A equipe de desenvolvedores já passou por um processo de brainstorming, em Outubro; concluiu o projeto do que vai ser o Xubuntu 2014 em Novembro e estão a todo vapor para lançar o produto em Abril – até o momento, ninguém tem data marcada. Sabemos que ainda é cedo.
As maiores mudanças de que se tem notícia em relação ao visual do Xubuntu é a presença confirmada do xfdesktop 4.11, o gerenciador do Xfce e a chegada do Light-locker. Mas, quando se trata de uma versão LTS, o que as pessoas mais perguntam é “o que tem embaixo deste capô?”.
A equipe de desenvolvimento se concentra sobretudo no que pode aumentar a estabilidade e a eficiência do sistema. Neste ponto se destacam as seguintes correções e melhorias no xfdesktop:

  • Correção de problemas relacionados a memory leaking ou vazamento de memória
  • Mudanças de papéis de parede
  • Suporte a renomear múltiplos ícones ao mesmo tempo
  • Suporte a dispositivos removíveis adicionais
  • Correção de alguns problemas com o esvaziamento da lixeira

Há ainda planos fazer as seguintes mudanças:

  • Adicionar o Mugshot — um aplicativo de configuração das informações sobre o usuário
  • Substituição do editor de menus Alacarte, pelo MenuLibre
  • Uso do Light-locker, no lugar do xscreensaver

Mudanças visuais

xfce 4 whisker menuHá propostas de incluir o Whisker Menu, um poderoso lançador de aplicativos (app launcher). Visualmente, este aplicativo tem algo do menu Iniciar (Windows), do menu do Cinnamon (Linux Mint) e do lançador Kickoff (KDE).

O que esperar do Lubuntu 14.04 LTS?

É interessante ressaltar que a equipe de desenvolvedores do Lubuntu irá lançar o seu primeiro LTS — a adição de novos recursos e incrementos visuais andam a passos lentos, nesta distro. De fato, as prioridades continuam a ser a correção de bugs e tornar o sistema mais eficiente.
Segundo desenvolvedores, o projeto já está delineado e, exceto pelo pcmanfm (gerenciador de arquivos), todos os componentes estão “congelados” e não sofrerão mais modificações nos próximos meses – em outras palavras, só correção de bugs e atualizações nas traduções, até a data de lançamento.

Mudanças visuais

lxde qt razor-qt desktop
O LXqt – uma mescla do Razor-qt e o LXDE é a tendência da nova interface visual, desde o ínicio de 2013, e deve estar presente na versão final, em 2014.
Em vez de migrar do Gtk 2 para Gtk 3, os desenvolvedores decidiram-se pelo uso da bibloteca Qt, para sustentar o gerenciador de janelas. Parece que foi uma decisão acertada.