Como instalar suporte a Flatpak em 10 distribuições Linux

O Flatpak traz para o Linux o mesmo conceito dos pacotes SNAP da Canonical (Ubuntu).
Trata-se de uma opção, disponível para várias distribuições GNU/Linux, incluindo o Ubuntu.

Em geral, o Flatpak convive bem com o SNAP e não há problemas de usar os dois.

Pessoalmente, como usuário do Debian, instalo meus programas preferencialmente via APT.
Eventualmente, uso pacotes Flatpak, quando não há opção de instalação via repositórios oficiais.

Nos outros sistemas operacionais (Linux/Unix), mantenho o mesmo hábito: Instalo os softwares preferencialmente através do gerenciador de pacotes padrão da distro e, quando não há opção dentro dos repositórios oficiais, vou para o SNAP ou Flatpak.

Não uso e não recomendo usar PPAs para instalar seus programas.

Segue a relação de 10 distribuições Linux, nas quais você pode instalar o suporte ao Flatpak, junto aos procedimentos de configuração, no terminal.

Encontre a sua distro e, quando terminar de configurar, vá a até o site Flathub, para ver os aplicativos disponíveis para baixar e instalar.

Como instalar suporte a Flatpak no Ubuntu e POP!_OS

No momento, o suporte a Flatpak é configurável somente através da instalação de pacotes vindos de uma PPA.

Antes de continuar, eu gostaria de deixar a advertência de que as PPAs não são o método mais seguro de buscar e instalar softwares em seu sistema.
O Ubuntu, bem como as outras distribuições baseadas nela(e) é mais eficiente, usando o SNAP.

Se você é usuário do Ubuntu, sugiro fortemente fazer uso dos pacotes SNAP, em vez de Flatpaks, como meio de instalação de programas.

Contudo, se você sabe o que está fazendo e deseja insistir, o procedimento para instalar suporte a Flatpak no Ubuntu é o que segue:


sudo add-apt-repository ppa:alexlarsson/flatpak
sudo apt update
sudo apt install flatpak

A linha de comando, abaixo, é para quem usa o Ubuntu com interface GNOME (padrão). Não serve para Pop!_OS, portanto:


sudo apt install gnome-software-plugin-flatpak

Em seguida, adicione o suporte ao repositório do Flathub:


flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Agora, siga para o site do Flathub!

Suporte ao Flatpak em distribuições baseadas no Fedora, CentOS e no Linux Mint

Tanto o Fedora/CentOS quanto o Linux Mint, têm suporte nativo aos pacotes Flatpak, da mesma forma que o Ubuntu já trabalha naturalmente com os SNAP.
Para poder ter acesso facilitado à loja de aplicativos oficial (para quem usa o Fedora) — o Flathub — faça o download do arquivo repositório.

Agora, siga para o site do Flathub!

Suporte ao Flatpak no RedHat

Apesar da proximidade com o Fedora, o RedHat precisa destes 2 passos para ter suporte aos pacotes Flatpak e acesso ao Flathub:


sudo yum install flatpak

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Agora, siga para o site do Flathub!

Suporte ao Flatpak no OpenSuSE

As versões mais atuais podem ter suporte adicionado com o seguinte comando:


sudo zypper install flatpak

Em seguida, adicione o suporte ao repositório do Flathub:


flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Agora, siga para o site do Flathub!

Flatpak no Arch Linux

Para pode usar o gestor de pacote Flatpak no Arch, rode o seguinte comando:


sudo pacman -S flatpak

Após reiniciar o sistema, siga para o site do Flathub!

Flatpak no Debian

Autentique-se como root e rode a seguinte linha:


apt install flatpak

No Debian, com interface GNOME (padrão), acrescente:


apt install gnome-software-plugin-flatpak

Em seguida, adicione o suporte ao repositório do Flathub:


flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Após reiniciar o sistema, siga para o site do Flathub!

Configuração do Flatpak no Solus Linux

Para instalar o suporte ao Flatpak, aqui, use o eopkg:


sudo eopkg install flatpak xdg-desktop-portal-gtk

Em seguida, adicione o suporte ao repositório do Flathub:


flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Agora, siga para o site do Flathub!

Flatpak no Raspbian

Tal como no Debian, use o apt (com privilégios administrativos):


apt install flatpak

Em seguida, adicione o suporte ao repositório do Flathub:


flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Agora, siga para o site do Flathub!

Adicione suporte ao Flatpak no Elementary OS

Tal como no Ubuntu, precisamos novamente recorrer às PPAs — por favor leia as recomendações que fiz na seção do Ubuntu, ali em cima.
Segue o procedimento:


sudo apt install software-properties-common --no-install-recommends
sudo add-apt-repository ppa:alexlarsson/flatpak
sudo apt update
sudo apt install flatpak

Em seguida, adicione o suporte ao repositório do Flathub:


flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Agora, siga para o site do Flathub!

Flathub web site

Divirta-se!

Edite suas imagens com o Polarr

O Polarr é um aplicativo multiplataforma, para edição e manipulação de imagens, impressionante.
Por multiplataforma, entenda-se que roda em Windows, MacOS, Android, ChromeOS, Linux (yeah!) e como webapp, ou seja, no seu navegador.

A última opção permite acessar o programa sem instalar absolutamente nada — ou seja, você pode continuar a usar quando estiver fora de casa e no computador dos outros.
A versão para Linux é instalável a partir de um pacote snap e vai rodar em segurança, dentro de um contêiner. Se você não usa o Ubuntu, pode precisar instalar suporte ao snap na sua distro.

Licença de uso

Infelizmente, não se trata de software livre. É proprietário e não há acesso ao código fonte.
É gratuito, mas os membros pagantes têm acesso a alguns mimos.
O valor da licença mensal é (na data deste post) US$ 2,49. Se você contratar por um ano, o valor cai para US$ 1,99.
A diferença é de US$ 29,88 (plano mensal) e US$ 23,88 (plano anual).

Como instalar o Polarr

Usuários Android podem instalar o app direto da loja Play Google.

Quem usa o iOS, pode ir à loja da Apple.

O pessoal que usa Ubuntu Linux, irão encontrar o snap dentro da loja da sua distro ou no site SnapCraft.
instalar polarr
Em qualquer distro Linux, com suporte a snap, é possível instalar o app da linha de comando:


sudo snap install polarr

polarr snap install

Por fim, se preferir usar o Polarr como webapp, acesse o site: https://photoeditor.polarr.co/.

Se você usa o Google Chrome, como navegador, pode acessar uma versão feita para o ChromeOS, como plataforma, no link https://chrome.google.com/webstore/detail/polarr-photo-editor/djonnbgfieijldcieafgjcnhmpcfpmgg.

Acho estas 2 últimas opções excelentes, por que não penalizam o desempenho do sistema e mantém a agilidade e a estabilidade do programa.
Só que trabalhar com imagens grandes online pode ser trágico durante o processo de transferência de dados. Apenas tenha isso em mente.
Contudo, pequenas imagens, para compartilhar nas redes sociais, não são causa para preocupação neste sentido.

Conclusão

polarr file formats

O aplicativo (testei a versão para Linux, no Debian 10 e a ChromeOS) grava arquivos no formato JPEG, PNG e TIFF.
É claro que estes formatos de arquivos são padrões e, pelo menos, o TIFF e o PNG permitem trabalhar, importar e exportar arquivos sem perdas significativas de qualidade.
A falta de suporte a arquivos RAW torna difícil encarar o uso do produto para fins profissionais, contudo. Mas isso é um mero detalhe.

Leia mais sobre fotografia e edição de imagens.

Transforme rapidamente o Ubuntu 18.04 em uma estúdio de edição de imagens.

Os repositórios (ou a lojinha) de aplicativos do sistema operacional da Canonical, Ubuntu, estão repletos de ferramentas de edição e manipulação de fotos e imagens.
Se deixei algo importante de fora, neste artigo, use a sessão de comentários para dizer o que você que precisa ter na sua estação de trabalho.

Comece por abrir a loja de aplicativos do Ubuntu, e vamos começar a aventura.
instalar software no ubuntu

RawTherapee

Com um visual assemelhado ao do Lightroom da Adobe, o RawTherapee é uma ferramenta poderosa para editar imagens de diversos tipos e formatos.
O principal, contudo, é que ela trabalha com as imagens em formato “cru” ou raw de diversos fabricantes de câmeras.
ubuntu instalar rawtherapee

Não deixe de ler os meus artigos sobre o RawTherapee.

Darktable

Para trabalhar com arquivos raw, eu sempre instalo os dois: RawTherapee e o Darktable. Tenho uma leve preferência pelo segundo (por que ele me parece mais rápido para carregar), mas acho o RawTherapee mais completo para alguns tipos de edição.
Novamente, use os comentários para dar a sua opinião (se tiver alguma) sobre as suas preferências em termos de softwares.
darktable ubuntu instalar

Note que é possível aparecer mais de uma versão do Darktable como sugestão de instalação.
Alguns são snaps — que variam de versões estáveis à versões beta. Convém verificar cuidadosamente qual a versão que você deseja instalar.
Eu optei pela última da lista, com 5 estrelas, de acordo com as informações realçadas pelas setas, nas imagens abaixo.

tela de instalação do Darktable para Ubuntu
Clique para ver mais detalhes.

Detalhes da versão do Darktable
Detalhes da versão do Darktable

Não deixe de ler os meus artigos sobre o darktable.

GIMP

Depois que termino de fazer ajustes básicos nas fotografias, é muito comum ir para o GIMP para fazer mais algumas edições.
Atualmente, o Ubuntu permite instalar a versão mais atual do GIMP (2.10.0, à época deste post) via snap. Mas a versão padrão ainda é a 2.8.x
Fica para você a decisão sobre isso.

Não deixe de dar uma olhada nos meus posts sobre o GIMP.

Shotwell

O Shotwell é um programa de visualização de imagens, com benefícios.
Entre os recursos adicionais, gosto (e uso) muito de:

  1. A possibilidade de baixar diretamente da câmera ou do cartão de memória as minhas fotos e organizá-las em diretórios.
  2. Poder ver as imagens em raw — ele ainda extrai o JPEG embutido nas imagens cruas, o que torna a visualização ainda mais ágil.
  3. E, sim, o Shotwell também permite fazer edições nas imagens raw.

O aplicativo ainda permite compartilhar suas imagens direto nas redes sociais, logo após a edição.
Para mim, este é essencial.

Também tenho alguns textos sobre o Shotwell.

Hugin para fazer panorama

Criar imagens panorâmicas ou em 360 graus, pede um programa poderoso como o Hugin.
Algumas câmeras e smartphones possuem este recurso, outras não.
hugin instalação
Quando quero um trabalho melhor, com mais qualidade, sei que o Hugin pode se beneficiar de um processador bem mais poderoso no laptop, para criar imagens incríveis.

Escrevi sobre ele aqui.

Polarr em todo lugar

instalar polarr

Eu já usava o Polarr Photo Editor no celular e, mais recentemente, descobri que ele pode ser instalado no Ubuntu (via snap).
É ótimo para fazer retoques nas suas imagens também.
Vale, pelo menos, experimentar. E leia mais sobre o Polarr, aqui.

Entangle para tethering

Se você quer transformar seu PC ou laptop em uma Workstation adaptada para fotografar através da sua câmera profissional, experimente instalar o Entangle.

Eu escrevi sobre a minha experiência com o Entangle através da Canon EOS Rebel T6 e sobre este método de fotografia. Confira os links!

Conclusão

Se você usar o recurso de busca (Ctrl + F) na loja de aplicativos do Ubuntu, vai descobrir que muita coisa ficou de fora.
Este texto cobre apenas o básico, que atende a todos, de maneira genérica.

Escrevi um pouco mais sobre como transformar o Ubuntu em uma estação de edição de imagens digitais neste post, com dicas voltadas para a linha de comando.

Use Ubuntu para programar em Python

O sistema operacional GNU/Linux é, na minha humilde opinião, o mais adequado para a programação de computadores.
Neste sentido, qualquer uma das principais grandes distribuições do Linux pode satisfazer plenamente um(a) profissional de desenvolvimento.

Já escrevi sobre qual a melhor distro para programar — clique no link para saber qual a minha opinião sobre o assunto.

Neste post, vou mostrar como preparar o Ubuntu 18.04 LTS Bionic Beaver para desenvolvimento na linguagem de programação Python.
É claro que o Ubuntu, já na instalação mínima, vem com interpretadores, de sobra, para você começar a programar em Python. Mas algumas ferramentas adicionais podem tornar o ambiente ainda melhor para quem já é profissional ou, mesmo, para estudantes.

Python 2 ou Python 3

O Python 2 vem caindo gradualmente em desuso, mas ainda há aplicações importantes do sistema, escritas nesta versão da linguagem.
Por este motivo, softwares (interpretadores, bibliotecas etc.) voltados para as duas versões ainda são encontrados.
Neste texto, vamos nos concentrar na versão 3 da linguagem, contudo.

Você pode verificar quais versões do interpretador Python há no seu Linux, digitando ‘python’ e pressionando a tecla Tab logo em seguida.
As versões disponíveis serão exibidas no terminal.
O comando ls também pode ser usado, para obter esta informação:


ls /usr/bin/python*

/usr/bin/python            /usr/bin/python3
/usr/bin/python2           /usr/bin/python3.6
/usr/bin/python2.7         /usr/bin/python3.6m
/usr/bin/python2.7-config  /usr/bin/python3m
/usr/bin/python2-config    /usr/bin/python-config

interpretadores Python no Ubuntu

Apesar da quantidade “expressiva de pythons”, há apenas 3 versões instaladas no meu sistema (python2, python3 e python 3m). O restante é link simbólico para o programa correspondente.

Use o parâmetro ‘–version’ para saber qual a sua versão padrão:


 python --version

Python 2.7.15rc1

A série 2.x é padrão justamente por causa dos vários scripts do sistema que ainda a usam — e você não deve mudar isto.
Ensinei como contornar a situação, para quem só quer usar a versão 3, neste post.

Instale IDEs gráficas para Python

Basicamente, qualquer uma das grandes IDEs pode ser usada para programar em Python. Se você já tem a sua preferida, pode relaxar e continuar a usá-la.
Se quiser experimentar algo novo, sugiro algumas IDEs feitas pela comunidade de programadores(as) Python, que podem trazer recursos e benefícios interessantes para quem usa esta linguagem predominantemente.

Pressione a tecla Super e procure o “Ubuntu software”, para entrar na loja (interface GUI para os respositórios) do Ubuntu.
instalar software no ubuntu

Dentro da loja faça uma busca (Ctrl + F) por ‘python ide’, para ver as opções específicas que você tem.
Atualmente, no meu sistema, há:

  1. A série de PyCharm, com IDEs voltadas para aplicações comerciais, científicas, educacionais etc. A PyCharm Pro é projetada para profissionais desenvolvedores(as).
  2. A Eric Python IDE, também projetada pelo pessoal que programa em Python. É uma opção leve e ágil. Falei mais dela aqui.
  3. Por fim, Thonny é uma IDE com recursos úteis para quem está estudando a linguagem. Vem com um depurador embutido, capaz de visualizar todos os passos conceituais da execução de um programa Python.

ide para python

Não se prenda a estas opções.
Experimente outras buscas, como ‘ide devel’, para encontrar bem mais opções.

Sugiro a leitura do artigo 5 IDEs para programar no Linux, para obter mais opções de ferramentas para desenvolvimento.

Instale o PIP

O pip (não é picture in picture) é um gerenciador de pacotes e serve para instalar novos softwares, bibliotecas e ferramentas para Python.
No Ubuntu, use o apt para instalar o gerenciador:


sudo apt install python3-pip

Mesmo especificando a versão “3” do Python, na linha de comando (acima), o procedimento ainda instala o pip para a versão 2 da linguagem.
Desta forma, você terá à sua disposição o pip2 e o pip3:

pip2 --version

pip 9.0.1 from /usr/lib/python2.7/dist-packages (python 2.7)
pip3 --version

pip 9.0.1 from /usr/lib/python3/dist-packages (python 3.6)

Instale o bpython

Isto não é obrigatório.
Estudantes da linguagem podem gostar de usar uma shell com recursos de realce de sintaxe.
ubuntu loja

O aplicativo pode ser encontrado na lojinha do Ubuntu, ou pode ser instalado via linha de comando.

Você tem experiência em programação Python?! Quais aplicativos adicionais sugere para instalação no Ubuntu?

Mudanças cosméticas para fazer após instalar o Ubuntu 18.04

Segue minhas sugestões de ajustes na interface, para fazer logo após a instalação do Ubuntu 18.04 LTS, ou Bionic Beaver para os íntimos.
Pode parecer bobagem, mas há certos aspectos visuais do sistema operacional que podem facilitar muito a nossa vida.

O Bionic Beaver representa uma nova fase do sistema operacional da Canonical — que passou a usar o GNOME, como o seu principal ambiente desktop.
Justamente por usar um ambiente mais maduro e bem estabelecido (desde 1999), várias possibilidades se tornaram concretas para usuários mais exigentes.
Em resumo, dá para configurar e ajustar muita coisa aqui.

Neste texto, vou abordar o GNOME, como interface gráfica específica do Ubuntu. Se você tiver interesse, leia sobre as primeiras configurações do GNOME no Debian — um texto mais aberto/genérico.

Altere o papel de parede do Ubuntu

Vamos começar pelas coisas mais simples e banais. 😉
Toque com o botão direito do mouse sobre uma área vazia da área de trabalho e selecione “Alterar plano de fundo”.
ubuntu desktop wallpaper

A seguir, escolha o plano de fundo principal do sistema e plano de fundo da tela de autenticação.
ubuntu papel de parede

Configure a barra lateral (doca) do Ubuntu

Ainda dentro da janela de configurações, logo abaixo da aba “Plano de fundo”, clique/toque na aba “Doca” (veja a imagem abaixo).
ubuntu doca configuração

Destas 3 opções, gosto de ajustar as duas primeiras:

  1. “Ocultar Doca Automaticamente” — para ter mais espaço na área de trabalho, para visualizar suas imagens, editar seu código ou texto etc.
  2. “Tamanho do ícone” — para mim o tamanho ideal varia entre 32 e 36.
  3. “Posição no ecrã (na tela)” — Neste caso, mantenho o padrão à esquerda (left).

Notificações e privacidade

Logo abaixo da aba “Doca”, selecione “Notificações”.
Neste caso, eu costumo desligar a opção de “Notificações na tela de bloqueio”, para ter mais privacidade quando me afasto do laptop.
ubuntu notificações

Ajuste do som de notificação de erro

Na seção “Som”, dentro da aba “Efeitos de som”, prefiro usar, dentre as opções disponíveis, o som “Copo”.
ubuntu configurações de som e áudio.

Aumentar o volume do áudio além dos 100% pode resultar em danos ao hardware e perda na qualidade do som. Se você está insatisfeito com volume dos alto-falantes do seu laptop, usar um speaker, uma caixa de som externa ou fones de ouvido pode ser uma solução mais eficiente.

Se preferir personalizar mais ainda este item, leia Altere o som de alerta padrão do GNOME.

Configure o brilho padrão da tela do seu monitor

Mais abaixo, na aba lateral “Energia”, é possível selecionar o brilho padrão da tela do seu laptop, entre outros itens de economia de energia.
Eu uso muito o meu laptop ligado na tomada, portanto, as opções retratadas na imagem, abaixo, podem não ser as ideais para você.
ajuste do brilho do monitor no Ubuntu GNOME

Monitores e luz noturna

Se você tiver mais de um monitor, o Linux já deve ter reconhecido ambos e ajustado a tela para eles.
Caso isto não tenha ocorrido, vá para a aba lateral “Monitores” e faça os ajustes que julgar necessários.

O ajuste de luz noturna, do GNOME, é um recurso que pode trazer mais conforto para os seus olhos — principalmente se precisar usar o computador à noite.
ubuntu monitores

Ele “aquece” gradativamente as cores da tela, à medida em que vai entardecendo, com o por do sol.

O ajuste reduz a emissão de luz azul, o que pode preservar o seu sono e diminuir o cansaço, entre outros benefícios.
Ajuste da luz noturna no Ubuntu.

Se você não trabalha com edição de imagens fotográficas à noite, vale a pena experimentar o recurso.
A tela é autoexplicativa mas, se você tiver mais dúvidas, abordei o assunto com maior profundidade aqui.

Configurações do perfil do usuário

Lá na tela de autenticação, gosto de ter a minha foto ou uma imagem personalizada para me identificar — mesmo sendo a única pessoa a usar o meu laptop de trabalho.
Ainda dentro do painel de configurações, selecione a aba lateral “Detalhes” e, em seguida, “Usuários”.
Este painel de configuração permite adicionar novos usuários ao seu sistema e, entre outras coisas, trocar senhas e escolher uma imagem de identificação de cada usuário.
configurações de usuário

Alguns ajustes do painel podem requerer que se faça o desbloqueio, no canto superior direito da janela.

Quais são as configurações visuais que você costuma fazer, logo após a instalação do Ubuntu? 😉