7 lojas alternativas de onde você pode baixar milhares de apps para seu dispositivo Android

A Google Play Store é muito boa e recheada de opções de softwares incríveis.
Infelizmente, nem todos os desenvolvedores têm produtos que se encaixam dentro das regras do Google para expor na vitrine oficial da empresa.
Além disto, tanto a lojinha do Google quanto a da Apple (neste caso, ainda tem) já tiveram restrições à softwares livres, sob a licença GPL.
repositório loja android jogos apkpure
Por outro lado, algumas das lojas ou repositórios de softwares de que vamos falar neste artigo, têm restrições talvez até mais rígidas que as da Apple ou do Google para permitir a distribuição de apps. Por exemplo, não aceitar softwares com DRM — que traz sérios riscos de segurança aos clientes.

O problema das grandes lojas não é com o software livre per se. Mas com o fato de que a licença GPL não lhes permite adicionar mais restrições aos usuários.

Não se esqueça que é necessário liberar a instalação de APKs externos no seu smartphone antes de poder instalar qualquer coisa.

É seguro baixar apps de repositórios ou lojas alternativas?

A segurança é sempre relativa e eu não afirmo que é seguro baixar software de lugar algum.
Quando uma grande distribuidora de apps admite a presença de DRM ou, mesmo, softwares proprietários (não-livres) em seus repositórios, fica difícil alegar segurança.
A única maneira de saber se um software é seguro ou não para você, é analisar ou auditar seu código fonte — o que só pode ser feito em apps com licenças de código aberto ou livre.
Softwares proprietários não podem ser auditados.
Se você não vai perscrutar o código de um programa que adquiriu, então terá que confiar cegamente nas pessoas/empresas que o forneceram.

Em resumo, o problema da segurança (ou da falta dela) não está na loja ou no repositório de softwares — mas na possibilidade que você tem ou não de fazer auditorias nos apps que adquire.

Para usuários comuns esta questão pode ser trivial.
Empresários ou gestores de TI, contudo, só deveriam permitir a aquisição de softwares 100% auditáveis, contudo.
Poderíamos nos estender mais sobre o assunto, mas precisamos falar das outras lojinhas…
captura de tela loja repositorio

As grandes lojas de apps do mercado

Entre as grandes lojas do mercado, dá para citar algumas que você certamente, já conhece.
Ao comprar um smartphone ou tablet novo, você provavelmente se deparou com o ícone da lojinha oficial do seu fabricante e, diferente, do Play Store ou da App Store, comumente só são acessíveis através do próprio dispositivo com o app exclusivo. Ou seja, não dá para chegar lá pela web.

  • Samsung Galaxy Apps — loja voltada para todo o universo de aparelhos vendidos pela Samsung, o que inclui smartphones, smartTVs etc.
  • Lenovo/Motorola — na linha de celulares Moto G, o App Box substitui o repositório de apps nacionais (brasileiros), o BR Apps. Nele é possível encontrar muita coisa voltada para a realidade brasileira, especificamente.
  • Amazon — possui sua loja, que vai além de apenas livros digitais, filmes e músicas.

Como você já deve imaginar, LG, Philco e quase todas as outras marcas também têm seus repositórios de softwares para atender a seus clientes.
Além disto as lojas não atendem apenas a quem tem aparelhos com o sistema operacional Android — se estendem a usuários do Windows, WebOS, Bada etc.
O foco deste artigo, contudo, são lojas ou repositórios de apps Android.
Vamos conhecer algumas…

Repositório de apps F-Droid

O foco específico do F-Droid é fornecer softwares de código aberto ou livre, para a plataforma Android.
Os aplicativos são exibidos de maneira bem organizada e é possível fazer buscas dentro do repositório por softwares do seu interesse.
É possível encontrar uma enorme coletânea de apps que obedecem a exigências de não rastrear seus usuários, não exibir propagandas e não requerer dependências.
f-droid logo
A gente conta mais sobre ele e ensina como instalar neste artigo, aqui.
Com certeza vale instalar e conhecer melhor.

AppsLib

A biblioteca de aplicativos AppsLib, conta com aproximadamente 40 mil títulos. Muitos destes mantém seu foco nos clientes que possuem tablets Android.
appslib
Boa parte dos softwares desta loja online não se encaixa nos termos do Google Play Store.
Conheça a loja neste link: http://appslib.com/download,

APKPure

O APK Pure tem uma enorme coletânea de apps para Android — a grande quantidade de jogos é um dos destaques.
apkpure captura de tela web
Segue o link para o site APKPure: https://apkpure.com/apkpure-app.html

MoboGenie

Esta alternativa é interessante, entre outras coisas, por que oferece uma grande coleção de apps curados — de certa, forma selecionados para cada usuário.
O Mobogenie tem um mecanismo inteligente de recomendação de apps, que analisa suas preferências e é capaz (alegadamente) de fazer sugestões pertinentes.
captura de tela web mobogenie
Além de loja de apps, o Mobogenie oferece outros serviços:

  • Sistema de gestão de seus arquivos locais.
  • Permite baixar conteúdo, como papéis de parede, ringtones, livros e vídeos do youtube.

Você vai encontrar muitos apps que também estão presentes na Play Store — é interesse dos desenvolvedores divulgar e colocar seu trabalho a mostra em todos os lugares possíveis.
Uma surpresa agradável é ver que a interface foi traduzida para o português, o que pode ajudar você a selecionar melhor o que quer instalar.
Site do Mobogenie em português: http://www.mobogenie.com/pt/.

Conheça o Itch.io

Como mercado de games, que usa a plataforma web, oferece um espaço muito apreciado por desenvolvedores de jogos independentes (ou indie game developers).
captura de tela itch.io
Há uma área do site destinada exclusivamente a clientes Android, que facilita a aquisição de aplicativos para esta plataforma.
Use os filtros e a caixa de busca para encontrar mais rápido os tipos de games que você deseja obter.
Segue o site, para você conhecer: https://itch.io/.

O Slide Me tem tradição online

Trata-se de um dos mais antigos serviços de distribuição e venda de apps online — é anterior à Play Store, inclusive.
screenshot slide me
Tem maior flexibilidade de pagamentos e um grande acervo.
Visite o site: http://slideme.org.

GetJAR

Disponibiliza uma vasta gama de apps para downloads (pagos e gratuitos).
Fácil de fazer buscar ou de filtrar resultados. Infelizmente ou felizmente, muito do que se encontra aqui, também se encontra na Play Store.
getjar screenshot web
Se você tem algum celular mais antigo (com sistema operacional Symbian, por exemplo), este é o lugar para encontrar apps feitos em Java, para rodar no seu aparelho.
Conheça o site: https://www.getjar.com/mobile-apps/.

Mobile9

Junto com o Slide Me e o GetJar, o Mobile9 está há um bom tempo no mercado, oferecendo opções de papéis de parede, ringtones, apps para as mais diversas plataformas etc.
screenshot mobile9 site web
Atualmente, foi construída uma rede social em torno do site, de forma que se cadastrar nele e baixar o app da lojinha pode trazer uma boa fonte de entretenimento.
Não perca este site: www.mobile9.com.

Mobango, a força da Índia

Os apps não são necessariamente da Índia, apesar da reconhecida qualidade dos programadores daquele país.
mobango screenshot site web
Ele se destaca pelo grande acervo de jogos, separados por categoria (collections) e vídeos gratuitos para download.
O site é este: www.mobango.com.

Opera Mobile Store não é só para quem tem navegador Opera

A loja do Opera atende a, pelo menos, 7 plataformas — o que inclui o Android, com certeza.
screenshot opera10
Quem usa o navegador Opera dispõe das vitrines da loja de dentro do próprio aplicativo, claro.
Quem usa outros navegadores, pode acessar a loja pelo site: http://android.oms.apps.opera.com/en_br/

Referências

https://forums.developer.apple.com/thread/18922.
https://theappsolutions.com/blog/marketing/alternative-android-app-stores/.
https://www.androidpit.com/best-google-play-store-alternative-app-stores.

Instale o F-Droid para obter mais aplicativos para o seu smartphone.

O F-Droid é um dos mais conhecidos e respeitados repositórios de apps para Android.
Como não tem uma política tão restritiva quanto a Play Store, alguns projetos optam por distribuir seus softwares por este canal.
Não sei se é necessário dizer… mas vou dizer mesmo assim: seja cuidadoso com os seus downloads. Sempre existe o perigo de baixar programas com vírus, trojans e malwares.

Como baixar e configurar o F-Droid

Antes de baixar, o F-Droid, você precisa preparar o seu smartphone para receber aplicativos fora da Play Store.
Para isto siga o procedimento descrito neste link:
https://coisasdogeek.com.br/doc/2016/08/19/como-instalar-apks-externos-no-android/
Para baixar o F-Droid, clique no link abaixo:
https://f-droid.org/FDroid.apk
… ou vá até o site do app:
https://f-droid.org/
O Android irá avisar que você está prestes a instalar uma APK externa e que isto não é confiável.
f-droid apk install
Leia atentamente os avisos na tela e prossiga.
Logo após a instalação, o F-Droid ainda exibirá uma lista de apps vazia. Aguarde um pouco, enquanto ele se atualiza em relação aos seus repositórios.
f-droid repositories
Após a instalação e atualização, pode ser interessante realizar alguns pequenos ajustes no painel de configurações do F-Droid.
As setinhas, abaixo apontam para as minhas 2 sugestões de configuração (veja bem, são apenas sugestões).
f-droid configuration

  1. Wi-Fi — faz sentido ligar a opção para apenas fazer downloads e atualizações quando o Wi-Fi estiver disponível.
  2. Softwares “instáveis” — ao ligar a opção para receber sugestões de softwares instáveis, aplicativos em fase de desenvolvimento Beta ou Alpha serão exibidos na lista. Útil para quem gosta de viver “no limite” e prefere usar as versões mais atualizadas dos seus programas favoritos.
    Você pode sofrer com crashes eventuais, claro.
    Por outro lado, usar software Alpha/Beta é uma ótima forma de ajudar os desenvolvedores dos seus aplicativos favoritos.

Divirta-se!

Instale fácil o Google Earth no Linux

O site oficial do aplicativo Google Earth tem pacotes .deb e .rpm, adequados para a instalação tanto em distribuições derivadas do Debian, Ubuntu, Fedora, OpenSUSE etc.
Os exemplos deste texto, por exemplo, foram executados em uma máquina com o KDE Neon — distro criada sobre o Ubuntu 16.04 LTS.
google earth download
Faça o download do seu pacote de instalação no site oficial do Google Earth.
No meu caso, o pacote .deb (64 bit).
Você pode fazer o download simples deste pacote ou permitir que o navegador o abra diretamente no gerenciador do seu sistema.
Se vocẽ optar por baixar o pacote, execute o gerenciador da linha de comando.
Se for um pacote .deb:

sudo dpkg --install ~/Downloads/google-earth-stable_current_amd64.deb

Se optou por um pacote .rpm, execute o comando rpm com privilégios administrativos:

rpm -Uvh ~/Downloads/google-earth-stable_current_amd64.rpm

Após a instalação, o Google Earth já pode ser executado a partir do menu principal da sua distro ou através do Dash (GNOME ou Unity).

Use seu smartphone Android para ajudar projetos humanitários e científicos

A idéia é muito simples.
Ninguém está usando, 24 horas/dia, todo o poder de processamento de seu celular.
Nem quando você o está usando, não aproveita mais do que uma fração de sua capacidade de processamento.
Há horários em que você absolutamente não usa o seu celular — durante as horas em que está dormindo, por exemplo.
Se você costuma deixar o aparelho ocioso e carregando durante a noite, pode cedê-lo a um projeto de computação distribuída.

Não se preocupe, ninguém vai entrar na sua casa e no seu quarto para usar o seu celular, enquanto você estiver dormindo.

É possível instalar um app que irá receber instruções remotas de um projeto, à sua escolha, usar a CPU e a memória do seu aparelho para executá-las e, depois, enviar um relatório de volta — tudo de forma transparente.
A ideia é muito simples.
Há vários projetos científicos que precisam de grande poder de processamento para realizar cálculos, analisar dados dos mais variados tipos — e em enormes quantidades.
O problema é que este poder custa caro para adquirir e manter.
O conceito de computação distribuída permite usar vários computadores, de vários tipos, para executar como se fosse um só computador uma ou várias atividades.
O seu celular pode ser um, dentre milhões de pequenos computadores, a fazer parte de um grande projeto.
seti at home logo
Para citar um exemplo, conheça o projeto SETI@Home.
SETI, quer dizer Search for Extraterrestrial Intelligence — ou seja, busca por inteligência extraterrestre.
Consiste de um projeto científico de análise de dados vindo do espaço, o que inclui sinais de ondas curtas de rádio.
Este tipo de sinal é conhecido por não ocorrer naturalmente. Se detectado, representa evidência de tecnologia extraterrestre.
Desde 1995, o projeto faz uso de um supercomputador virtual, composto de um enorme número de dispositivos conectados à Internet.
O projeto SETI@Home foi lançado em Maio de 1999, por David Gedye, permitindo que mais pessoas comuns pudessem participar.
Hoje, este é o maior projeto de computação distribuída do planeta.

Em 2016, O SETI@Home tem mais de 1,6 milhões de pessoas cadastradas e mais de 4 milhões de dispositivos conectados.

Conheça o BOINC

Sigla para Berkeley Open Infrastructure for Network Computing ou infraestrutura aberta para computação de rede de Berkeley, é uma plataforma para projetos, tal como o SETI@Home, que faz uso de milhões de computadores de voluntários, constituindo um supercomputador paralelo.
O BOINC provê ferramentas para criar e gerenciar projetos de computação distribuída, sites de projetos, automatizar traduções etc.
Oferece, ainda, ferramentas da plataforma para os participantes dos projetos facilmente gerenciarem suas contas.
O projeto é de código aberto e, se você tiver interesse e conhecimento em linguagem C++ pode ajudar no seu desenvolvimento.
O BOINC tem suporte para Windows, Linux, UNIX, Mac OSX, Android etc.

Como instalar o BOINC no Android

A maneira mais fácil de usar o BOINC é através do seu smartphone.
O download e a instalação podem ser feitas através da página oficial do aplicativo na Play Store.
Após a instalação, escolha os projetos que deseja apoiar e faça seu cadastro (email e nome de usuário).
Ao conectar o seu aparelho à rede elétrica e, se houver conexão wi-fi, você já estará participando ativamente do projeto.
boinc-android-screen
Daqui pra frente, use os controles da tela, para obter informações e relatórios do andamento do projeto e dos progressos obtidos na área.

Referências

http://setiathome.berkeley.edu/sah_about.php.
https://boinc.berkeley.edu/wiki/How_BOINC_works.

Como mover apps da memória interna para o cartão SD

Uma das melhores coisas em um smartphone é a possibilidade de ampliar o seu espaço de armazenamento com mídias externas e removíveis — como os cartões de memória SD.
Entre os tipos de arquivos que mais ocupam espaço estão as fotos e os vídeos em alta resolução.
Aplicativos também consomem uma grande quantidade de memória.
Aparelhos mais populares costumam vir com menos de 8 GB de espaço interno para armazenar o sistema operacional, apps e arquivos.
Se descontar o espaço ocupado pelo Android, junto com aplicativos irremovíveis (bloatware), o que sobra para o usuário instalar seus próprios apps e guardar seus arquivos é muito pouco — não passa de 4 GB, em muitos casos.
Um cartão de memória parrudo pode resolver boa parte destes problemas — mas não todos.

Embora o Android permita ter aplicativos rodando a partir de uma mídia externa, nem todos os aplicativos podem ser movidos — isto depende do desenvolvedor do app.

Como mover um app para o cartão

Aparelhos rodando com Android 5.0 Lollipop, Android 6.0 Marshmallow ou superior permitem que você mova facilmente seus aplicativos da memória interna para o cartão — sem necessidade de rootear o aparelho ou instalar aplicativos de terceiros (não tenho nada contra).
Siga o passo a passo:

  • Abra o menu de configurações e selecione Aplicativos.
  • Em seguida, corra a tela para o app que você deseja mover e selecione-o.

As instruções que seguem, baseiam-se no mapa da figura abaixo.
android passo a passo para mover app para cartão SD
Com o painel de informações do app, que você deseja mover para o cartão SD, na tela, siga o passo a passo:

  1. Toque em Armazenamento para poder ver e editar as opções deste menu.
  2. Note que no canto superior direito da tela, o painel informa qual o local em que o aplicativo se encontra armazenado: Interno.
    Toque em Alterar para mudar isto.
  3. Agora, escolha o novo local de armazenagem: Interno ou Cartão SD.
  4. Leia o aviso com atenção e, se concordar, toque em Mover.
  5. Aguarde, enquanto o sistema reorganiza os arquivos.
  6. Quando o processo termina, ele volta ao painel de Armazenamento.
    Note que, no canto superior direito, ele atualizou o local em que o app se encontra guardado: Cartão SD.

Casos específicos e exceções

O aparelho usado nos testes que ilustram este post, é um Motorola Moto G 3, com Android 6.0 e com o cartão de memória formatado no adoptable mode.
O que vou dizer agora, vale para aparelhos Motorola — mas talvez se aplique a modelos de outras marcas.
Se você usava o Android Lollipop e fez o upgrade (via OTA) para o Marshmallow, as aplicações que você já tinha movido ou instalado no cartão SD, através do recurso padrão da Motorola continuarão a rodar do cartão.
Contudo, não será mais possível, no Android 6.0, mover novos apps para o cartão — e nem a Play Store irá fazer este tipo de instalação.
Para poder fazer este procedimento, será necessário formatar o cartão como armazenamento interno antes.

Quando o aplicativo não aceita ser movido para o cartão SD

Muitos apps não aceitarão ser movidos para o cartão.
Se você está com problema de falta de espaço, a coisa pode ficar ainda mais chata.
Alguns players de música, como o Tunein, Spotify, Deezer, Google Play Music etc. armazenam as músicas em formato criptografado dentro da memória principal — como procedimento padrão.
O problema disto é óbvio: a memória se esgota mais rápido — principalmente se você optou por baixar para ouvir offline ou desconectado da Internet.
Para poder ter o controle de enviar as músicas para o cartão, pode ser necessário adquirir a versão paga do aplicativo.