5 razões para usar o GNOME

O GNOME é um ambiente desktop completo para sistemas operacionais das famílias GNU/Linux e UNIX.
Surgiu pouco tempo depois do lançamento do KDE, com a proposta de ser um projeto de código aberto e 100% livre (que ainda não era o caso do KDE).

Atualmente, as comunidades de desenvolvedores do KDE e GNOME trabalham juntas em alguns projetos e trocam informações — e ninguém desconfiaria que em algum momento da história as duas tiveram uma forte rivalidade.

Pessoalmente, gosto muito dos dois ambientes e não saberia escolher um em detrimento do outro.

Já transitei muito entre o KDE, o GNOME, o XFCE e o LXDE. Atualmente, estou muito satisfeito com o GNOME, de acordo com o que vou relatar abaixo.

É possível instalar o KDE e o GNOME na sua estação de trabalho — o que permite alternar entre um e outro, além de rodar os aplicativos nativos de cada um em qualquer um dos ambientes.

As boas práticas de uso do sistema operacional, contudo, recomendam optar pela instalação de apenas um dos dois.

Pra ficar claro, o propósito deste post não é fazer você desistir de usar o KDE, o XFCE ou qualquer outro desktop environment para começar a usar o GNOME.

Na verdade, já fiz um post semelhante a este, ressaltando as qualidades do KDE.

Visual minimalista

Classificar o GNOME como minimalista, pode soar ambicioso (uma “forçação de barra”). Há outros que cumprem melhor esta função.

Contudo, o GNOME tem um design mais sóbrio do que o KDE e tem menos opções de customização visual (ou “perfumaria”) do que muitos desktops gráficos.

Ele é projetado para o foco imediato, ou seja, começar a trabalhar logo após a instalação — e é exatamente isso que ocorre.

No KDE, a tentação para personalizar e brincar com as inúmeras opções de efeitos e exibições é enorme e constante.

Opções de customização na Internet

Com uma rápida configuração no Firefox ou qualquer outro navegador, é possível ajustar o GNOME a partir da página do projeto na Internet.

A possibilidade de baixar, instalar, ativar ou desativar as extensões do GNOME a partir do navegador é muito útil e permite que se tenha um conjunto de software um pouco mais enxuto.

Otimização do espaço da tela

O projeto do GNOME já deu tchau ao excesso de itens na tela, como barra de tarefas/programas e menu nos cantos.
Tal como no Unity, a gente dispara o Dash (com a tecla Super) e digita o nome do aplicativo que deseja.

A versão customizada padrão do GNOME, no Ubuntu 18.04 LTS, usa como legado do Unity, uma doca do lado esquerdo, com os ícones de execução dos aplicativos mais frequentes.

A doca não está presente na versão padrão do GNOME do Debian (e outras distribuições). Contudo, o usuário pode configurar uma, se quiser.

A consistência de cores

Esta característica é muito pessoal e, além disso, é fácil modificar para quem não gosta.

O tema padrão do GNOME, para Debian, é (na minha humilde opinião) neutro e (talvez) um pouco sem graça. Mas, como eu disse, aqui, tudo é ajustável.

Na versão customizada do Ubuntu, o tema segue as cores tradicionais da Canonical.

O GNOME tem áreas de trabalho dinâmicas

Em outras palavras, quando você envia um aplicativo para uma nova área de trabalho, o GNOME cria a nova área virtual sob demanda, para abrigar o aplicativo que você deseja enviar para lá.

A área de trabalho expira automaticamente, quando o último aplicativo, dentro dela, é encerrado.

Isto tem um impacto muito positivo na economia de recursos de memória e processamento da sua máquina.

Como expliquei neste texto, não uso este recurso, mas o vejo como positivo.

A maturidade do projeto

O GNOME, como projeto, teve início em Agosto de 1997 e, portanto, tem aproximadamente 22 anos de estrada.
Muita inovação foi feita, mas atualmente, percebe-se que há mais investimento na estabilidade do software.

Atualmente, uso a versão de testes do GNOME, no Debian testing e, simplesmente, não dá problema. Tudo roda super bem e rápido.

O que eu melhoraria na interface do GNOME

Na interface gráfica, eu gostaria muito de ver a integração das janelas à barra superior padrão do ambiente. Ou seja, quando uma janela estivesse maximizada, suas barras e bordas desaparecem, permitindo a integração completa à interface — como no Unity e no MacOS.

O nome deste recurso é GNOME Global Menu e existe um projeto em andamento neste sentido. Infelizmente, até o momento, ainda não viu a luz da maturidade — e talvez nem da puberdade.

Fora isso, acredito que seja um projeto de interface gráfica vencedor, de inúmeras outras qualidades e pouquíssimos defeitos.

Se quiser, por favor, comente sobre o que você gosta (ou não) no GNOME e que recursos o projeto poderia incorporar futuramente.

O GVim é o editor Vim para quem não abre mão do ambiente gráfico

O editor Vim ou Vi, como projeto de software livre, tem várias ramificações ou branches.
Isto significa que o projeto inicial acabou dando origem a diversos outros softwares semelhantes e compatíveis entre si.

Atualmente, no Linux e no Mac, é possível executar o Vim, como editor de textos de linha de comando padrão.
Em muitos servidores e provedores de internet, o Vim ou o vi estará disponível para seu uso, assim que você se conectar.

Saber usar o Vim, significa nunca ficar sem um editor de textos.
Entre os projetos, derivados do original, há uma versão voltada para rodar em servidores gráficos.

Neste texto, vamos tratar do GVim — veremos como instalar (isto é fácil!) e faremos um rápido passeio pela sua interface.
O pacote de instalação do GVim contém arquivos compartilhados por todas as variantes do vim com interface gráfica disponível no seu sistema operacional.
Pode ser instalado pela CLI mas, já que estamos aqui, vamos usar apenas a interface gráfica.
Debian Ubuntu Instalar programas

Abra o aplicativo de instalação de softwares/programas da sua distro e procure pelo GVim. Em seguida, clique em “Instalar”.

Uma vez instalado, já é possível fazer uso de todos os recursos do Vim, com a possibilidade de usar nativamente o mouse.

O poder do Vim está em ser um editor que dispensa o uso do mouse para realizar todas as tarefas de que ele é capaz.

Sempre haverá algumas tarefas em que é mais fácil usar o mouse ou o touchpad, contudo. Para estes casos, você tem o suporte completo no GVim a estes dispositivos.

A interface gráfica botões práticos para realizar tarefas triviais, de abrir e gravar arquivos.

Além disto, permite refazer e desfazer ações ao toque de botões.

gvim editor
A versão GUI do Vim, tem botões de busca e substituição de palavras e strings, que podem ser mais cômodos.

Os menus dão acesso a inúmeras outras funções do editor, sem desabilitar os comandos de teclado.

Referências

O que você pensa desta versão do Vim? Acha que vale a pena substituir a versão CLI por ela? Ou dá para usar as duas?

Leia mais sobre o Vim:
Como ajustar esquemas de cores automaticamente, em função do horário do dia.

Os meus 5 primeiros ajustes pós-instalação do Ubuntu 18.04

Para os meus padrões de uso, o Ubuntu 18.04 já vem pronto pra batalha — isso, por que sempre instalo a versão mínima do sistema, para ir adicionando sob demanda, à medida do necessário, o software que preciso para trabalhar.
O GIMP, o DarkTable, o Audacity, o VLC etc… tudo é instalado depois, com calma, quando chega o momento da necessidade (ou do desejo).

Nem lembro se o módulo de ajustes avançados — também conhecido como GNOME Tweak Tools — já vem instalado por padrão na versão completa do Ubuntu. Contudo, ele será necessário aqui.
Se não vier, é fácil encontrar e instalar o pacote, conforme as imagens abaixo.

Ubuntu ajustes do gnome

A ferramenta de instalação vem em pacote compacto e de rápida instalação.
Ubuntu painel de instalação

O utilitário de ajustes do GNOME

O GNOME Tweak Tools — ou “Ajustes do GNOME” — é um painel completo de possibilidades de configuração para o ambiente gráfico GNOME.

Neste post, vou fazer um rápido tour por algumas das seções do utilitário, aonde faço alguns dos meus ajustes iniciais — apenas o suficiente para garantir mais eficiência ao início do meu fluxo de trabalho.
janela sobre o ajustes do gnome

Sinta-se à vontade para fazer os seus próprios ajustes e, se quiser, recomendar ou dar suas dicas nos comentários.

As minhas sugestões de ajustes se aplicam ao meu notebook de trabalho — em que escrevo posts para o site e alguns scripts. Me acompanhe! 🙂

Configurações da barra superior da interface do GNOME

A seção de ajustes da “barra superior” se refere à parte superior da tela, onde ficam os ícones do relógio, data, status de conexão etc.

Ajustes da barra superior

Aqui, gosto de deixar ligados a exibição do “menu de aplicativos” e da “porcentagem da bateria” — para não ser pego desprevenido pela descarga da bateria no laptop.

Em seguida, ligo a exibição completa da data.

Os espaços de trabalho do GNOME

Como comportamento padrão, o GNOME vai criar os espaços de trabalho sob demanda — ou seja, à medida em que se vai precisando, novas áreas de trabalho virtuais são oferecidas pelo sistema.

Eu prefiro ter um número estático/fixo de 2 espaços de trabalho virtuais — para poupar memória e bateria, além de me forçar a ser mais organizado.

configuração de áreas de trabalho virtuais no GNOME

Configuração dos botões e das ações das janelas do Ubuntu

Eu prefiro manter esta seção da interface o mais limpa possível.

Minimizar e maximizar janelas, não faz parte do meu workflow no laptop e, portanto, estes 2 botões são os primeiros a cair.
Além disso, é possível configurar o GNOME para realizar estas ações com toques ou gestos no touchpad.

ajustes gnome janelas

O primeiro ajuste realizado aqui é direcionar o “clique no botão do meio” do mouse (ou toque simultâneo de 3 dedos no touchpad) para ação de minimizar a janela. Com 2 toques na barra de títulos, é possível maximizar uma janela.

Em seguida, eu “desligo” a exibição dos botões correspondentes às ações de maximizar e minimizar.

O terceiro ajuste é deslocar os botões de ações das janelas para a esquerda.

A área de trabalho

Esta é uma das partes do sistema operacional que quase nunca vejo — pois sempre há janelas abertas e, usualmente, maximizadas.

Para manter esta área limpa e economizar um pouco mais de memória do sistema, costumo desligar a exibição de todos os itens desta seção.
ajustes da área de trabalho

Esteticamente, acho o posicionamento de elementos na área de trabalho do sistema operacional “um tanto demodê”… (a cara do Windows 3.11)

É claro que ainda farei vários outros ajustes na interface do sistema, mas estes são aqueles principais — sem os quais, nenhum trabalho pode ser feito.

Todo o restante pode ser configurado on the go, ou seja, durante o uso diário do laptop.

Controle recursos básicos e avançados de reprodução de vídeos com o painel do Youtube Control Center

O Youtube Control center é um plug in produzido pela inBasic (não é oficial do Google, portanto) que tem o objetivo de dar um pouco mais de controle ao usuário sobre o modo como seus vídeos tocam.
Eu testei o plug in usando o Google Chrome 70.0 beta (versão para desktop) — e tem versão para Firefox também. Links para download ao final do artigo.

Se você usa outra versão ou outro navegador e teve problemas ou algum outro tipo de comportamento do software, conta pra gente, nos comentários.

O que é o YouTube Control Center

O plugin é parte de um projeto de código aberto para melhorar a experiência de uso do Youtube para o usuário final (expectador), oferecendo mais controles para a reprodução de seus vídeos.

A interface é simples, leve e muito pouco invasiva.

Dá para ajustar a qualidade padrão ou mínima para a exibição dos seus vídeos, escolher a cor dos controles do player e da barra de progresso — bem como pular as propagandas (mas isto é ruim para os vloggers que você gosta).

O que o Youtube Control Center pode fazer por você

A lista de configurações permitidas pelo add on é grande.
Segue uma relação mais resumida:

  • Definir a qualidade de reprodução preferida para todos os vídeos
  • Definir o volume de reprodução de vídeo preferido para todos os vídeos [apenas na versão XUL]
  • Controlar o comportamento de reprodução automática do player do YouTube
  • Controlar o comportamento do autobuffer do player
  • Pausar automaticamente todos os players do YouTube quando um novo começa [apenas versão XUL]
  • Mostrar anotações de vídeo no player
  • Mostrar controles de vídeo no player [apenas na versão XUL]
  • Ocultar automaticamente os controles de vídeo depois que um vídeo começar a ser reproduzido [apenas na versão XUL]
  • Reproduzir um único vídeo no modo loop [apenas na versão XUL]
  • Alterar o tema do player de vídeo [apenas na versão XUL]
  • Ocultar / Mostrar painel “comentários de vídeo”
  • Ocultar / Mostrar painel “Informações de visualizações de vídeos”
  • Ocultar / Mostrar painel de “botões de ação” (“como”, “não gostar”, “compartilhar”, … botões)
  • Ocultar / Mostrar detalhes “painel (informações publicadas, comprar vídeo, …)
  • Mostrar controles de vídeo, mesmo no modo de tela inteira
  • Desativar a reprodução automática da próxima faixa da lista de reprodução

Algumas opções têm efeito imediato. Outras requerem que você recarregue a página do vídeo ou reinicie o navegador.

Referências

Você pode baixar e instalar o plugin/addon Youtube Control Center nestes links:

  1. Para Firefox: https://addons.mozilla.org/en-US/firefox/addon/youtube-control-center/
  2. Para Chrome: https://chrome.google.com/webstore/detail/youtube-control-center/boplfaeblpnpahldaijlikpgdbgdmhko

Razões para editar vídeos na linha de comando.

Certas situações podem parecer coisa de maluco, quando ouvimos pela primeira vez.
Ao olhar por outra perspectiva, é possível descobrir que fazem mais sentido que inicialmente.

O Linux é um ambiente estável, poderoso e amigável para softwares de edição de vídeo.
Algumas ferramentas de edição GUI (interface gráfica) já foram usadas em produções cinematográficas importantes.

E é comum apenas pensarmos em softwares GUI para realizar este tipo de trabalho. Afinal você “precisa ver o que está sendo feito no seu vídeo”, não é?

Uma das maiores justificativas para se usar o ambiente gráfico é o WYSIWYG (What You See Is What You Get), ou seja, “o que você vê é o que vai obter”.
O meu argumento, neste texto, é que se você já sabe de antemão o resultado do procedimento ou deseja ter várias mídias produzidas simultaneamente e rapidamente, a CLI (linha de comando, terminal) é a melhor resposta.

Nem sempre as ferramentas GUI exibem em tempo real os procedimentos aplicados ao seu trabalho. Além disso, elas podem ser bastante lentas — por que toda a interface gráfica do programa está disputando recursos e tempo de processamento preciosos com as tarefas que você precisa realizar.

Ao exportar um arquivo de mídia, fazendo conversão de formatos, usualmente, a interface fica “congelada” na janela da barra de progresso.

A depender da complexidade da tarefa, todo o seu sistema pode ficar indisponível até a devida conclusão da tarefa.

Se eu preciso citar um caso real, lá vai…

Recentemente eu queria obter um trecho de vídeo em câmera lenta. Só que não sabia se o ideal seria 25%, 50% ou algum outro valor intermediário em relação à velocidade original.

Portanto, eu queria 3 amostras de vídeo — inclusive para enviar pelo Telegram e obter outras opiniões.

Queria também reproduzir todos os 3 vídeos simultaneamente, lado a lado, na minha tela, para analisar e, eventualmente, fazer minha escolha.

Geralmente, para produzir 2 (ou mais) vídeos com velocidades de reprodução variadas, em uma ferramenta gráfica, será necessário fazer um de cada vez.

Neste caso, a CLI permite a abertura de vários terminais e você pode executar as tarefas simultaneamente, cada qual em seu terminal.

Na CLI, o seu sistema dificilmente ficará indisponível, enquanto você converte um ou mais vídeos.

É possível criar scripts ou arquivos em lote (batch files) com as sequências de comandos necessárias.

No final, você pode ter inúmeros resultados para analisar detalhadamente e decidir o que te agrada mais — e, se quiser, apagar o restante.

Não precisa ser radical, claro…

Use as duas metodologias para solucionar seus problemas.
Use a GUI aonde sente que ela pode ser mais produtiva. E use a CLI aonde ela couber melhor.

Às vezes a CLI é apenas o jeito mais divertido de executar o trabalho.
E quando a diversão entra por uma porta, a produtividade sai pela janela… sei como é isso. 🙂

Embora eu faça muito pouca edição de vídeo (e nem sou profissional desta área tão fascinante), os 2 casos que citei são aqueles em que (atualmente) mais uso a CLI: aplicar o slow motion em vídeo e fazer a conversão.

Nestes e em muitos outros casos, a CLI me ajuda a obter rapidamente vários arquivos finais — para que eu possa fazer as minhas escolhas.

Como sugestão final, guarde exemplos de comandos em um arquivo texto, que você possa copiar e colar no terminal — fazendo apenas a substituição dos nomes dos arquivos e dos parâmetros de execução dos procedimentos.