Qual o melhor sistema de arquivos para usar dentro de uma máquina virtual

Dentro de uma máquina virtual, você provavelmente terá um ou mais discos virtuais. Cada qual, com uma ou mais partições.
Quanto mais for otimizado uso dos recursos de hardware/software, melhor será o desempenho do trabalho e das tarefas executadas dentro das VMs, lógico.
Este assunto pode suscitar várias dúvidas — por isto sugiro, dar uma olhada na tag #sistema-de-arquivos, deste blog — onde você poderá encontrar artigos complementares.

É um tema muito vasto e eu não sou o dono da verdade — por isso, sinta-se à vontade para comentar sobre a sua experiência no assunto.

Neste post, vou discutir especificamente qual o mais recomendado para formatar os discos rígidos (ou SSD) virtuais usados em máquinas virtuais (ou VMs).
No contexto deste artigo, uso algumas máquinas virtuais Debian 9 “Stretch” testing. O drive físico, em que se encontram instaladas, é um HDD (disco rígido).


Se você está com pressa e usa Linux, a resposta rápida (e mais segura), para a pergunta do título, é: formate com o ext4! 😉
Caso você tenha 2 ou 3 minutos (a depender da velocidade com que você consegue ler), posso explicar melhor as vantagens e desvantagens do ext4 e de outros sistemas de arquivos — e isto pode levar a outras respostas…

Em que casos o ext4 é perfeito para formatar um HD dentro de uma máquina virtual

O ext4 está para ser substituído, no universo GNU/Linux, há um bom tempo.
Este processo está em curso há mais ou menos uma década e pode levar outra para ser concluído. Sistema de arquivos é uma coisa séria e precisa de muitos testes para se provar confiável, seguro, eficiente.
O ext4 ou fourth extended filesystem (quarto sistema de arquivos extendido) teve sua primeira versão estável lançada em Outubro de 2008 — o que lhe dá, aproximadamente, 10 anos de estrada.

É o mais jovem (e, possivelmente, último) de uma linhagem, iniciada em 1992, com o ext — criado pelo desenvolvedor Francês, Rémy Card.

Este fato eleva o tempo de experiência do sistema, como um todo, para aproximadamente 25 anos.
Por isto é que o ext4 satisfaz as condições de segurança e eficiência.
Ele incorpora, inclusive, recursos modernos e avançados para manipular dados eficientemente em unidades SSD.

Se você tem dúvidas e precisa decidir rapidamente, opte pelo ext4.

virtualbox snapshot list
A falta de suporte nativo a snapshots no ext4, dentro do contexto de uma máquina virtual, pode ser um ponto a favor: por que o torna mais leve.
Para quem pretende rodar máquinas virtuais dentro do Virtual Box ou qemu, por exemplo, o suporte já está incluído no programa — o que o torna dispensável dentro do sistema de arquivos hóspede.

Outro argumento a favor do ext4: se o host (máquina hospedeira), já usa um sistema de arquivos com suporte a snapshots (como o BTRFS ou o ZFS), não há necessidade para a redundância.

O que os outros sistemas de arquivos oferecem a mais

Testar outras opções é sempre o melhor caminho para descobrir o que se adequa às suas necessidades.
Se as VMs estão em um host com SSDs, certamente é mais benéfico usar um sistema de arquivos construído do zero para este tipo de tecnologia.
Os sistemas de arquivo BTRFS e ZFS podem oferecer melhor performance dentro das seguintes situações, entre outras:

  • As VMs estão em um host equipado exclusivamente com SSDs.
  • Por alguma razão, você necessita do suporte a snapshots dentro do sistema de arquivos hóspede.
  • Os sistemas de armazenamento dos hóspedes são realmente grandes, você pretende usar RAID, pools etc.

Referências

Conteúdo relacionado pelo Google

Qual é a distribuição Linux que tem mais pacotes em seus repositórios oficiais?

A resposta curta é: OpenSUSE, na data deste post!
No decorrer deste texto vou mostrar como obter suas próprias respostas e, com certeza, mais atualizadas.
No momento em que escrevo, a distro “do camaleão” é a que tem a maior quantidade de softwares disponíveis para a instalação — se você a sincronizar com todos os seus possíveis repositórios.
Por anos, a Debian foi a distro conhecida por ter a maior quantidade de pacotes em seus repositórios. Mas estas coisas mudam com mais frequência que a gente imagina.
Portanto, se quiser saber qual a distro Linux com mais aplicativos disponíveis, vai ter que fazer uma contagem.

Há alguma maneira “racional” de contar quantos pacotes de aplicativos estão disponíveis para uma distro?

Como contar os programas disponíveis em uma distribuição Linux

Esta pergunta pode ser respondida em 2 fases:

  1. primeiro você obtém a lista e
  2. depois, se estiver em formato texto simples, com um pacote relacionado a cada linha, basta contar as linhas da lista.

Não é difícil encontrar as listas de pacotes disponíveis para as distribuições, mas precisamos prestar atenção a algumas variáveis que as influenciam:

  • Versões alfa do sistema operacional podem ter uma lista num dia e outra em outro — softwares entram e saem todos os dias nesta fase de uma distribuição.
  • Diferentes plataformas demandam softwares específicos às vezes. Portanto a lista do Arch Linux para a plataforma ARM é uma e a lista do mesmo sistema operacional para a plataforma PC 64 bit é outra.

É difícil fazer comparações objetivas entre uma distro e outra, por que precisamos levar estes e outros fatores em conta.

A lista de softwares disponíveis para uma distro vai muito além dos repositórios oficiais. Elas aumentam significativamente, ao acrescentar outros repositórios, backports, PPAs etc.

Onde encontrar a relação de softwares do Ubuntu

A relação atual de softwares disponíveis, da distribuição Ubuntu que se encontra instalada no seu computador, depende dos repositórios incluídos no arquivo de configuração /etc/apt/sources.list.
Para obter a relação use os seguintes comandos:


sudo apt update
apt list | wc -l

WARNING: apt does not have a stable CLI interface. Use with caution in scripts.

69323

O resultado, acima, se refere à minha máquina Ubuntu 16.04 Xenial Xerus, com a minha configuração atual do sources.list.
O comando responde à pergunta sobre a quantidade de softwares disponível para a instalação local e atual do Ubuntu.
É importante dizer que a lista inclui 6 linhas de cabeçalho — que precisam ser excluídas da conta, para obter um resultado exato.


E se eu não tiver o Ubuntu instalado? E se eu quiser obter o número e a relação para uma versão diferente da que tenho instalada?
Quando a lista que você deseja não está presente no seu sistema, o jeito é buscar a informação online.
A lista de pacotes disponíveis para Ubuntu pode ser encontrada a partir do site http://packages.ubuntu.com/.
site com lista de versões do Ubuntu
O site permite escolher exatamente qual distro/versão ou repositório a ser pesquisado.
Para este artigo, vou escolher a relação allpackages do Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus.
Se você quiser, pode acessar a lista aqui: http://packages.ubuntu.com/xenial/allpackages?format=txt.gz.
O cabeçalho da lista tem informações importantes, como a data em que ela foi gerada — que ajuda a estabelecer se é atual.
Eu preferi baixar o arquivo compactado com o wget.
Depois de baixado, descompactei o arquivo e alterei o nome (apenas por comodidade). Veja os meus procedimentos:


wget http://packages.ubuntu.com/xenial/allpackages?format=txt.gz

gunzip allpackages?format=txt.gz

mv allpackages\?format\=txt xenial64bit-desktop.txt 

Se quiser “passear” dentro do arquivo, use o comando less:


less xenial64bit-desktop.txt

Como você pode ver, cada programa ocupa uma única linha. Basta determinar quantas linhas há no arquivo (subtraídas as 6 linhas do cabeçalho), para obter a minha resposta. Para isto, use o comando wc:

wc -l xenial64bit-desktop-allpackages.txt

69323 xenial64bit-desktop-allpackages.txt

A resposta, neste caso, é 69.317 pacotes de software no Ubuntu 16.04 LTS Desktop 64 bit — já descontadas aquelas linhas iniciais.

Como obter a relação de pacotes do Arch Linux

A lista oficial pode ser encontrada fácil no site da distribuição.
arch linux lista de pacotes do repositório
Por sorte, o site tem um contador, do lado esquerdo superior à relação.
Você encontra a informação atualizada neste link: https://aur.archlinux.org/packages/?O=0&SeB=nd&K=&SB=n&SO=a&do_Search=Go.

Como determinar a quantidade de pacotes do Debian

O procedimento para obter esta informação do Debian é semelhante ao Ubuntu.
Se você usa Debian, pode ir para o terminal e obter o número de pacotes disponíveis para instalação, de acordo com a configuração do sources.list.
No meu sistema Debian 9 Stretch, obtive o seguinte resultado:

apt list | wc -l

WARNING: apt does not have a stable CLI interface. Use with caution in scripts.

51750

Os sites contendo as relações de pacotes são https://packages.debian.org/testing/allpackages?format=txt.gz (testing) e https://packages.debian.org/stable/allpackages?format=txt.gz (stable).
Você pode salvar o conteúdo desta página, direto do seu navegador, com CTRL+S (o que te poupa o trabalho de descompactar e renomear o arquivo posteriormente).
Eu salvei a página (do stable) com o nome de Jessie.txt e executei o wc no arquivo:

wc -l jessie.txt 
57286 jessie.txt

De forma que a nossa resposta é: 57.280 pacotes — descontadas as 6 linhas do cabeçalho.
Para a lista online do Stretch, obtive o resultado seguinte:

wc -l stretch.txt 
68675 stretch.txt

… o que dá 68.669 pacotes.

Por curiosidade, fui verificar também a quantidade atual de pacotes no Sid ou unstable:

wc -l sid.txt 
103440 sid.txt

O número é expressivo mas, sabemos que nada é definitivo no unstable.

Quantos pacotes de software estão presentes no Trisquel Linux

Derivado direto do Debian, podemos usar um método semelhante para obter esta informação.
A página com a relação de pacotes do Belenos é esta: http://packages.trisquel.info/belenos/allpackages?format=txt.gz.

wc -l belenos.txt 
52753 belenos.txt

Como resultado, obtive, então 52.747 pacotes, nesta versão do Trisquel GNU/Linux.

Quantos pacotes há no Fedora?

O Fedora 26 alpha apresentava uma relação de mais de 57 mil pacotes, como é possível observar nos meus exemplos abaixo. Até o lançamento, o número deve mudar.
Na linha de comando, você pode inquirir os repositórios com o comando yum ou dnf.
fedora 26 alpha running under VirtualBox
Veja como fazer com o comando yum:


yum list | wc -l

57219

Antes de rodar o comando dnf, optei por atualizar/sincronizar o sistema com os repositórios — para obter um número mais atual, claro:


dnf update
dnf list | wc -l

57222

Como determinar a quantidade de pacotes de softwares disponíveis nos repositórios do OpenSUSE

O OpenSUSE permite o uso do yum — mas tem que ser instalado — nos mesmos moldes que já mostrei neste texto.
O ideal é usar o zypper para obter a informação.


zypper packages | wc -c

69367

Conclusão

A quantidade de softwares disponíveis para instalar e usar no seu sistema operacional é um fator de escolha importante para algumas pessoas ou empresas.
A outras, basta que tenha o que precisa ser usado (eu).
Quando temos a tarefa de indicar distribuições para outras pessoas, contudo, pode ser interessante levar em conta este número — principalmente se você não tem certeza sobre como a pessoa vai usar o computador.
Somado a isso, a lista de possibilidades é muito flexível em qualquer distro Linux.
É muito raro um aplicativo estar disponível para uma distro e “ser impossível” de instalar em outras. Se o código fonte estiver disponível, o impossível perde seu significado.
Por fim, a wikipedia tem um tópico comparativo entre as diversas distribuições e que vale a pena consultar sempre. Veja o link abaixo!

Referências

https://en.wikipedia.org/wiki/Comparison_of_Linux_distributions#Package_management_and_installation.

Conteúdo relacionado pelo Google

Qual a diferença entre o Ubuntu que vem instalado nos equipamentos da DELL e o da Canonical?

A Dell e a Canonical trabalham em conjunto para prover os melhores drivers e a máxima compatibilidade entre seus produtos nos laptops e PCs que vêm com o Ubuntu pré-instalado.
Se você quiser ter certeza de que o seu novo equipamento Dell terá compatibilidade com o Ubuntu da Canonical, antes de comprar, verifique a página de certificações oficial da Canonical, no endereço abaixo:
https://certification.ubuntu.com/certification/make/Dell/
Nesta página da Internet, a Canonical exibe os detalhes de hardware (GPU, HDD/SSD, placa de rede etc.) de cada modelo certificado e sua situação em relação ao Ubuntu.
Acontece que equipamentos Dell, certificados pela Canonical, são vendidos com uma versão customizada do Ubuntu pré-instalado — trata-se de uma versão certificada que, garantidamente, irá funcionar naquele equipamento.
de fazer o que quiser com as coisas que comprou.
Este direito se estende, naturalmente, ao seu computador.

O Ubuntu 16.04 LTS Trusty Tahr, que você pode baixar do site da Canonical, não é “exatamente” o mesmo que vem embarcado nos computadores da Dell.
As diferenças estão nos detalhes da configuração do sistema, no kernel e nos drivers que vêm junto.

Em resumo, há diferenças significantes entre os 2 sistemas operacionais:

  • Ubuntu certificado pela Canonical ou Dell OEM Ubuntu para rodar em equipamentos específicos da Dell.
    A Canonical também certifica e modifica o Ubuntu para a instalação em equipamentos de outras fabricantes — como a HP, IBM, Lenovo, Acer etc.
    Entre as várias configurações específicas, o /etc/apt/sources.list aponta para alguns repositórios da Dell.
  • Ubuntu padrão, que baixamos direto da página oficial da Canonical, com configurações genéricas.
    É possível usá-lo em qualquer equipamento, mas você pode ter que se dedicar bastante para conseguir fazê-lo rodar perfeitamente em seu notebook ou laptop Dell.

Para alguns modelos da Dell, a Canonical claramente adverte que não irão funcionar ou irão funcionar mal com a versão padrão do Ubuntu (ou não-certificada).
Nestes casos, não é recomendado trocar o sistema operacional.

Durante a primeira inicialização dos computadores da Dell, com o Ubuntu, o sistema irá pedir um pendrive para gravar o sistema de recuperação.
Com isso, será possível testar outros sistemas e, se você não ficar satisfeito com as mudanças, sempre poderá voltar ao padrão da fábrica.

Veja a animação da pré-instalação do Ubuntu 14.04 LTS em laptops Dell

Conclusão

É da natureza do usuário do Linux querer sempre mais e não se satisfazer com o básico.
Acredito que você tem o direito de instalar o sistema operacional que quiser em seu computador.
Mas prepare-se para ter um trabalho extra para configurar o seu sistema, caso não queira fazer uso do Ubuntu que veio pré-instalado nele.

Conteúdo relacionado pelo Google

Quais as diferenças entre o modo portátil e o modo de armazenamento interno, no Android?

Alguns aparelhos, dependendo das escolhas feitas pelos seus fabricantes têm suporte ao modo de armazenamento interno, em adição ao modo tradicional de armazenamento.
android robot and an SD card in black and white picture
Dezenas de dúvidas sobre o modo de armazenamento interno (também chamado, em inglês, de adoptable mode) foram sanadas no artigo perguntas e respostas sobre o modo de armazenamento interno no Android — sugiro fortemente a sua leitura.

Neste post, vamos abordar o assunto por outro ponto de vista: o da escolha por um ou outro método de armazenamento em smartphones ou tablets Android.

Ao inserir um cartão novo no seu celular Android, a partir da versão 6.0 Marshmallow — se o dispositivo tiver suporte ao recurso — o dono se depara com a pergunta sobre se deseja usá-lo sob um dos 2 modos de armazenamento.
inserting an SD card in a reader
Quando é mais conveniente usar um ou outro, é o assunto neste artigo.
Neste sentido, espero que a tabela, abaixo, ajude você a identificar exatamente em que grupo se encontram as suas necessidades e como você pode aproveitar melhor o seu cartão de memória:

Armazenamento portátil Armazenamento interno
Selecione o modo portátil se você costuma guardar, em um mesmo cartão SD, arquivos de mais de um dispositivo (entre câmera, laptop, celular etc.) ou o usa apenas para armazenar mídia (fotos, músicas, vídeos etc.) Selecione o modo de armazenamento interno se você quer estender completamente o espaço de armazenamento do seu dispositivo e vai precisar do cartão para gravar aplicações grandes, jogos e dados de jogos.
Se você tem um cartão de memória não muito atual, de classe 2, 4 ou 6, opte pelo modo portátil. Se tem um cartão de alta velocidade (high-speed), UHS-1 ou classe 10, é possível optar pelo modo interno, sem sofrer com lentidão.
Se você costuma ou tem a pretensão de trocar cartões de memória com frequência ou usá-los para transferir conteúdo entre dispositivos. Se você planeja manter o cartão sempre dentro do dispositivo, baixar jogos pesados e está sempre tendo problemas de falta de espaço — use um cartão de grande capacidade e formate-o no modo interno.
Se os seus aplicativos junto com seus dados são sempre armazenados na memória interna e não podem ser transferidos para o cartão, opte pelo armazenamento tradicional. Se você sabe que os seus aplicativos favoritos podem ser transferidos para um cartão, junto com seus arquivos de dados.
Em tempo, quem decide se os aplicativos e/ou seus dados podem ser transferidos para o cartão é o desenvolvedor.
Se o cartão vai ser usado e lido por outros dispositivos (outro telefone, desktop (Mac ou PC), câmera digital. Se você planeja manter o cartão sempre dentro deste aparelho.
Se você não quiser criptografar o cartão. Se você não se importa de criptografar o cartão.
O modo portátil não requer a formatação automática do cartão. Para usar este modo, o cartão terá que ser formatado e criptografado.

Leve também em conta que a Lenovo/Motorola recomenda formatar seu cartão no modo interno quando o seu dispositivo tem 8 GB ou menos espaço na memória interna nativa dele.
samsgung 64 GB PRO card
Para ter mais informações, antes de decidir, não se esqueça de ler os artigos:

  1. Perguntas e respostas sobre o armazenamento interno.
  2. Como formatar o cartão no modo interno.
  3. Passo a passo para formatar o seu cartão SD no modo interno (explica a mesma coisa que o segundo artigo, com uma abordagem diferente).

Use também a caixa de busca do site, para obter mais informações sobre o assunto.

Conteúdo relacionado pelo Google

7 lojas alternativas de onde você pode baixar milhares de apps para seu dispositivo Android

A Google Play Store é muito boa e recheada de opções de softwares incríveis.
Infelizmente, nem todos os desenvolvedores têm produtos que se encaixam dentro das regras do Google para expor na vitrine oficial da empresa.
Além disto, tanto a lojinha do Google quanto a da Apple (neste caso, ainda tem) já tiveram restrições à softwares livres, sob a licença GPL.
repositório loja android jogos apkpure
Por outro lado, algumas das lojas ou repositórios de softwares de que vamos falar neste artigo, têm restrições talvez até mais rígidas que as da Apple ou do Google para permitir a distribuição de apps. Por exemplo, não aceitar softwares com DRM — que traz sérios riscos de segurança aos clientes.

O problema das grandes lojas não é com o software livre per se. Mas com o fato de que a licença GPL não lhes permite adicionar mais restrições aos usuários.

Não se esqueça que é necessário liberar a instalação de APKs externos no seu smartphone antes de poder instalar qualquer coisa.

É seguro baixar apps de repositórios ou lojas alternativas?

A segurança é sempre relativa e eu não afirmo que é seguro baixar software de lugar algum.
Quando uma grande distribuidora de apps admite a presença de DRM ou, mesmo, softwares proprietários (não-livres) em seus repositórios, fica difícil alegar segurança.
A única maneira de saber se um software é seguro ou não para você, é analisar ou auditar seu código fonte — o que só pode ser feito em apps com licenças de código aberto ou livre.
Softwares proprietários não podem ser auditados.
Se você não vai perscrutar o código de um programa que adquiriu, então terá que confiar cegamente nas pessoas/empresas que o forneceram.

Em resumo, o problema da segurança (ou da falta dela) não está na loja ou no repositório de softwares — mas na possibilidade que você tem ou não de fazer auditorias nos apps que adquire.

Para usuários comuns esta questão pode ser trivial.
Empresários ou gestores de TI, contudo, só deveriam permitir a aquisição de softwares 100% auditáveis, contudo.
Poderíamos nos estender mais sobre o assunto, mas precisamos falar das outras lojinhas…
captura de tela loja repositorio

As grandes lojas de apps do mercado

Entre as grandes lojas do mercado, dá para citar algumas que você certamente, já conhece.
Ao comprar um smartphone ou tablet novo, você provavelmente se deparou com o ícone da lojinha oficial do seu fabricante e, diferente, do Play Store ou da App Store, comumente só são acessíveis através do próprio dispositivo com o app exclusivo. Ou seja, não dá para chegar lá pela web.

  • Samsung Galaxy Apps — loja voltada para todo o universo de aparelhos vendidos pela Samsung, o que inclui smartphones, smartTVs etc.
  • Lenovo/Motorola — na linha de celulares Moto G, o App Box substitui o repositório de apps nacionais (brasileiros), o BR Apps. Nele é possível encontrar muita coisa voltada para a realidade brasileira, especificamente.
  • Amazon — possui sua loja, que vai além de apenas livros digitais, filmes e músicas.

Como você já deve imaginar, LG, Philco e quase todas as outras marcas também têm seus repositórios de softwares para atender a seus clientes.
Além disto as lojas não atendem apenas a quem tem aparelhos com o sistema operacional Android — se estendem a usuários do Windows, WebOS, Bada etc.
O foco deste artigo, contudo, são lojas ou repositórios de apps Android.
Vamos conhecer algumas…

Repositório de apps F-Droid

O foco específico do F-Droid é fornecer softwares de código aberto ou livre, para a plataforma Android.
Os aplicativos são exibidos de maneira bem organizada e é possível fazer buscas dentro do repositório por softwares do seu interesse.
É possível encontrar uma enorme coletânea de apps que obedecem a exigências de não rastrear seus usuários, não exibir propagandas e não requerer dependências.
f-droid logo
A gente conta mais sobre ele e ensina como instalar neste artigo, aqui.
Com certeza vale instalar e conhecer melhor.

AppsLib

A biblioteca de aplicativos AppsLib, conta com aproximadamente 40 mil títulos. Muitos destes mantém seu foco nos clientes que possuem tablets Android.
appslib
Boa parte dos softwares desta loja online não se encaixa nos termos do Google Play Store.
Conheça a loja neste link: http://appslib.com/download,

APKPure

O APK Pure tem uma enorme coletânea de apps para Android — a grande quantidade de jogos é um dos destaques.
apkpure captura de tela web
Segue o link para o site APKPure: https://apkpure.com/apkpure-app.html

MoboGenie

Esta alternativa é interessante, entre outras coisas, por que oferece uma grande coleção de apps curados — de certa, forma selecionados para cada usuário.
O Mobogenie tem um mecanismo inteligente de recomendação de apps, que analisa suas preferências e é capaz (alegadamente) de fazer sugestões pertinentes.
captura de tela web mobogenie
Além de loja de apps, o Mobogenie oferece outros serviços:

  • Sistema de gestão de seus arquivos locais.
  • Permite baixar conteúdo, como papéis de parede, ringtones, livros e vídeos do youtube.

Você vai encontrar muitos apps que também estão presentes na Play Store — é interesse dos desenvolvedores divulgar e colocar seu trabalho a mostra em todos os lugares possíveis.
Uma surpresa agradável é ver que a interface foi traduzida para o português, o que pode ajudar você a selecionar melhor o que quer instalar.
Site do Mobogenie em português: http://www.mobogenie.com/pt/.

Conheça o Itch.io

Como mercado de games, que usa a plataforma web, oferece um espaço muito apreciado por desenvolvedores de jogos independentes (ou indie game developers).
captura de tela itch.io
Há uma área do site destinada exclusivamente a clientes Android, que facilita a aquisição de aplicativos para esta plataforma.
Use os filtros e a caixa de busca para encontrar mais rápido os tipos de games que você deseja obter.
Segue o site, para você conhecer: https://itch.io/.

O Slide Me tem tradição online

Trata-se de um dos mais antigos serviços de distribuição e venda de apps online — é anterior à Play Store, inclusive.
screenshot slide me
Tem maior flexibilidade de pagamentos e um grande acervo.
Visite o site: http://slideme.org.

GetJAR

Disponibiliza uma vasta gama de apps para downloads (pagos e gratuitos).
Fácil de fazer buscar ou de filtrar resultados. Infelizmente ou felizmente, muito do que se encontra aqui, também se encontra na Play Store.
getjar screenshot web
Se você tem algum celular mais antigo (com sistema operacional Symbian, por exemplo), este é o lugar para encontrar apps feitos em Java, para rodar no seu aparelho.
Conheça o site: https://www.getjar.com/mobile-apps/.

Mobile9

Junto com o Slide Me e o GetJar, o Mobile9 está há um bom tempo no mercado, oferecendo opções de papéis de parede, ringtones, apps para as mais diversas plataformas etc.
screenshot mobile9 site web
Atualmente, foi construída uma rede social em torno do site, de forma que se cadastrar nele e baixar o app da lojinha pode trazer uma boa fonte de entretenimento.
Não perca este site: www.mobile9.com.

Mobango, a força da Índia

Os apps não são necessariamente da Índia, apesar da reconhecida qualidade dos programadores daquele país.
mobango screenshot site web
Ele se destaca pelo grande acervo de jogos, separados por categoria (collections) e vídeos gratuitos para download.
O site é este: www.mobango.com.

Opera Mobile Store não é só para quem tem navegador Opera

A loja do Opera atende a, pelo menos, 7 plataformas — o que inclui o Android, com certeza.
screenshot opera10
Quem usa o navegador Opera dispõe das vitrines da loja de dentro do próprio aplicativo, claro.
Quem usa outros navegadores, pode acessar a loja pelo site: http://android.oms.apps.opera.com/en_br/

Referências

https://forums.developer.apple.com/thread/18922.
https://theappsolutions.com/blog/marketing/alternative-android-app-stores/.
https://www.androidpit.com/best-google-play-store-alternative-app-stores.

Conteúdo relacionado pelo Google