Conheça 7 plugins do wordpress que o seu site precisa ter

Para gerenciar qualquer negócio na era digital, em que todas as pessoas utilizam a internet para encontrar produtos e serviços, é necessário ter um site, comprar domínio e também investir em um bom serviço de web host

Ter um site significa que você proporciona para o seu negócio algo muito valioso nesses tempos de internet: a presença digital.

Além do mais, construir e gerenciar um site há tempos deixou de ser uma missão exclusiva apenas para os profissionais da área da programação. Uma das culpadas por isso é a plataforma WordPress.

O WordPress é um CMS intuitivo que possibilita a qualquer pessoa criar e administrar facilmente um site ou blog, independente do nível de conhecimento em programação. Mas e quanto aos plugins, quais são os melhores em se tratando de WordPress?

Para saber mais sobre isso, acompanhe esse artigo e conheça os plugins mais interessantes dessa plataforma.

Imagem: rosygown/Pixabay

O que é um plugin do WordPress?

Um plugin é uma extensão, um programa que confere para o seu site em WordPress algumas características a mais. Tais características consistem em funções adicionais que possuem o intuito de melhorar o desempenho do site ou blog.

Em outras palavras, os plugins servem para turbinar o seu projeto na internet. Eles possuem funções específicas, que vão desde mensurar a quantidade de acessos, incluindo também a criação de formulários ou até mesmo áreas diferentes para o site.

Para você compreender melhor a importância dos plugins, é importante conhecer algumas das principais vantagens que eles disponibilizam. Uma delas é proporcionar mais velocidade de carregamento das páginas.

Um site lento não agrada os usuários e, por isso, não é bem visto nem mesmo pelos algoritmos do Google. Sendo assim, um site pesado perde a oportunidade de conquistar espaços de destaque nas páginas de resultado.

Se você já ouviu falar nas técnicas de SEO sabe o quanto é importante conquistar um bom ranqueamento do Google. Por isso, existem alguns plugins que conferem um melhor desempenho e mais velocidade para o site.

Há também plugins que viabilizam a conversão dos usuários os mantendo mais tempo em sua página. Para isso, essas extensões complementam a estratégia de conteúdo, incluindo botões, faixas promocionais, formulários, chatbots e outros recursos.

Porém, apesar de benéficos, é um equívoco instalar em seu site WordPress todos os plugins que encontrar. Plugins em demasia tornam o site pesado, lento e com algumas funcionalidades prejudicadas.

Conheça os 7 plugins que são fundamentais para o bom funcionamento do seu site

Um plugin é pouco, dois, três são bons, mas muitos plugins são demais. O ideal é ter em seu site apenas aqueles que realmente vão acrescentar vantagens e estão de acordo com os objetivos dos seus negócios.

Posto isso, para você instalar apenas os que realmente são importantes, confira as características básicas de cada um deles a seguir. 

1 – Yoast SEO

Está aí um plugin muito importante para quem está construindo uma estratégia para o blog baseada em SEO. Ele atua por meio de um mecanismo que analisa o seu conteúdo e destaca alguns pontos que podem ser melhorados.

Sendo assim, ele avalia a construção do título, da meta-descrição e também a quantidade de termos de busca utilizados.

Além do mais, o plugin possibilita a configuração de breadcrumbs com o objetivo de otimizar a experiência de navegação e inserir URLs adequadas para impedir conteúdo duplicado.

O Yoast SEO pode ser adquirido em uma versão gratuita, porém a versão premium tem algumas funções bem interessantes. Uma delas é a capacidade de limpar ou redirecionar links permanentes, organizar o seu XML Sitemap e mais uma série de recursos úteis.

Akismet é um plugin eficiente para barrar spam na sua sessão de comentários.

2 – Akismet

A seção de comentários de um blog é uma das mais delicadas quando o assunto é gerenciamento. Em muitos casos a parte dos comentários é um terreno fértil para spams. 

Nesse caso, a Akismet é uma ferramenta anti-spam gratuita. Ela facilita o trabalho de quem tem um site. É importante contar com ele, ainda mais pelo fato de que os comentários em um blog são elementos práticos para a interação com os leitores e visitantes.

3 – Disqus

Ainda falando sobre os comentários, outro plugin interessante é o Disqus. Uma das principais vantagens dele é a integração com as redes sociais.

Sendo assim, ao efetuar a instalação do Disqus, é possível usar um sistema de comentários eficiente, além de recursos para a moderação e administração da comunidade. 

Se você pretende ter uma alternativa ainda mais personalizável, poderá usar uma das APIs disponíveis para o Disqus.

O Jetpack é um conjunto de ferramentas de segurança, marketing e estatísticas para o seu site.

4 – Jetpack

A questão da segurança é uma parte importante de qualquer projeto online. Qualquer tipo de transtorno relacionado com invasão de hackers tira totalmente a credibilidade do seu negócio.

É por isso que um plugin como o Jetpack é essencial para o seu blog ou site. Ele possui várias funcionalidades, entre elas está a proteção contra ataques, bem como filtro de spam e filtro de malwares.

Devido a essas características, ele é eficiente para sites, blogs e até para quem gerencia uma loja virtual. Ele também traz outros recursos que o tornam um dos mais requisitados.

O Jetpack é capaz de monitorar o Uptime do seu serviço de web host, traz ferramentas de subscrição de postagens e também recursos que viabilizam o carregamento rápido das páginas.

5 – Broken Link Checker

A criação e a utilização de links é um recurso importante para as postagens do seu blog. Postagens que trabalham bem a quantidade de links externos e também internos já é uma das práticas de SEO bem conhecidas.

Por isso, quando surgem os links quebrados, que não funcionam e não levam o visitante para lugar nenhum, o seu blog não está valorizando a boa Experiência do Usuário.

Mas convenhamos, quem aí tem tempo de ficar catando links defeituosos nas páginas de um blog? Felizmente existe o Broken Link Checker, plugin que realiza essa função.

6 – Rankie

Esse plugin aponta quais os conteúdos estão bem posicionados no Google. Por isso, ele é essencial para quem quer postar assuntos capazes de atrair e fidelizar leitores. 

O Rankie avalia sua colocação em cada termo de busca e ainda sugere ideias de palavras que os usuários estão utilizando para encontrar o seu site.

7 – EWWW Image Optimizer

Imagens são importantes para complementar um conteúdo em um site ou blog, não há dúvidas disso. No entanto, imagens de alta resolução interferem na velocidade de carregamento e deixa o seu site lento. 

Isso é prejudicial para a satisfação dos visitantes e no ranqueamento do seu projeto nas páginas de resultado. É por isso que o Eww Image Optimizer se torna a opção mais segura e eficiente para a otimização das imagens.

Os plugins são ferramentas essenciais para o sucesso do seu projeto na web

Mas é bom ficar atento também no serviço de web host que você contratou para o seu site, pois ele também influencia no desempenho. Na realidade, o serviço de hospedagem de sites diz muito sobre a qualidade do seu site.

Com os plugins corretos, e na quantidade adequada, o seu projeto online tem tudo para ser bem sucedido e atrair uma boa audiência de público, tornando a marca do seu negócio mais visível e conquistando mais engajamento do público.

Portanto, quando se trata de plugins, vale aquela máxima que diz: “quantidade não é qualidade”.

Autor: Joel Gomes.

Edite suas fotos com o Photoflare

O Photoflare é um software de edição de imagens leve e simplificado, com uma edição livre e de código aberto (community edition).

Neste post, vou abordar a instalação, quais os meus primeiros ajustes e fazer uma análise geral do aplicativo.

A versão que usei para escrever este texto foi a 1.5.7 Community Edition, instalado via apt, no meu Debian 10 stable. Portanto, se você usa Ubuntu ou uma versão mais atual de sistema operacional do que eu, provavelmente vai encontrar uma versão mais atual para instalar.

Tela “about” com informações gerais sobre a versão atual do Photoflare.

Instalação do Photoflare no Linux

O aplicativo tem versão para Windows, que pode ser encontrada no site oficial (link no final do texto, pessoal!) e algumas versões para Linux.

As versões para Linux incluem a instalação a partir do código fonte, através de PPAs ou pelo sistema de instalação de software padrão da sua distro favorita.

Se você usa Linux, recomendo usar o sistema de instalação padrão da sua distro — que é sempre o melhor método (rápido e seguro).

No Debian, eu uso o velho e bom apt (no terminal, mesmo…):

sudo apt install photoflare

Para quem usa uma versão stable do Debian, pode ser viável a instalação de uma versão mais atual através dos backports. Usualmente, eu evite este tipo de procedimento.

A interface gráfica do Photoflare e os meus ajustes iniciais

O aplicativo contém uma série de ajustes que você pode acessar a partir de botões, na interface principal. É bem intuitivo e fácil de usar.

Além da simplicidade, um dos pontos fortes do programa, pode ser a aplicação rápida de filtros, que podem dar às suas imagens um caráter único nas suas redes sociais e te ajudar a obter mais destaque.

Para configurar e ajustar o aplicativo às suas necessidades, acesse o painel Preferences, dentro do menu Tools, na borda superior.

Para mim, os melhores ajustes iniciais são os que seguem:

O Photoflare aceita gravar (salvar) suas imagens em diversos formatos, inclusive os populares jpeg e png (padrão)

O formato padrão do aplicativo é o PNG (Portable Network Graphics). Mas, se você preferir, pode escolher aqui o bom e velho JPEG. Tanto faz…

Relação entre o tamanho e a qualidade da imagem final.

O padrão do Photoflare, é gravar suas imagens com 90% na relação compressão/qualidade. Mas, se você pretende postar nas redes sociais, vale a pena ser um pouco mais agressivo, aqui. Pode “descer” até 75%, para obter imagens menores — e economizar espaço e tempo para upload. Além do fato de que ninguém irá notar qualquer perda de qualidade.

Claro que isso depende muito da rede social de que estamos falando… Para Facebook e Instagram, eu experimentaria até 60%, se o tamanho da imagem em KB fosse muito importante. Para o Flickr ou o Smugmug, acima de 90% talvez seja o ideal.

Lembre-se que a qualidade/compressão só vale para as imagens salvas em JPEG. Não se aplica ao PNG.

Imagem gravada em JPEG com 65% de compressão.
Mauricio Pacheco, músico da banda da Vanessa da Mata, tocando guitarra no palco.

Antes de prosseguir, vale chamar a atenção para o fato de que o “nome correto” desta opção talvez fosse “quality” em vez de “compression“. Quanto o maior o valor, nesta régua, maior será a qualidade final (e o tamanho do arquivo) e menor a compressão. Meio confuso, não é? Eu também achei… 😉

Na última guia do menu de preferências, fica a primeira “má notícia” do aplicativo. Ele não tem a opção de Português na versão que instalei e usei. Quem sabe, nas próximas versões…

No momento em que testei, não havia a opção “Português” entre os idiomas do aplicativo.

Nesta mesma tela, eu ativei o “Maximize on Startup“, que maximiza a janela do app, quando ele for iniciado. Isto me permite trabalhar com menos distrações.

Conclusões sobre o Photoflare

Dentro da proposta de ser simples, rápido e fácil de usar, o Photoflare se sai muito como programa de edição.

Ele vai além do básico, oferecendo ferramentas de healing, entre outras que permitem corrigir imperfeições na pele etc.

Recomendo experimentar, para ver se serve para você. O Ctrl+Z funciona muito bem e ajuda a desfazer eventuais erros de edição.

Outro atalho útil é usar a tecla Ctrl (teclado) com a rodinha do mouse para dar zoom em alguma área da imagem.

Site oficial do Photoflare: https://photoflare.io

Onde encontrar o código fonte: https://launchpad.net/~photoflare/+archive/ubuntu/photoflare-daily (versão dev/daily)

Por que é importante fazer backup do seu site


Por Alan Medeiros.

Você certamente já ouviu falar por aí que é muito importante contar com um plano B. Pois bem, no caso de um projeto na internet, o backup do seu site é o plano B mais eficiente.

Saber como criar um site é importante para quem vai dar início a um projeto na web. A notícia boa é que diante das atuais plataformas, o processo de criação se torna rápido e fácil.

No entanto, não basta apenas colocar um site na web, é preciso contar com procedimentos que possam proteger os seus arquivos diante de algum imprevisto. E é aí que entra em cena a importância do backup.

Uma definição bem clara do termo pode ser a de que o backup é uma cópia extra, assegurando a você que caso ocorra algum problema, os arquivos e demais dados não serão perdidos.

O backup do seu site e a hospedagem de sites

Uma boa hospedagem de sites confere para o seu trabalho uma série de benefícios, tais como mais espaço em disco, mais de uma conta de e-mails e mais processamento de memória.

Dependendo dos objetivos do seu site, da empresa que oferece o serviço e do tipo de plano de hospedagem, o seu projeto poderá contar com os serviços de backups.

Geralmente os serviços de hospedagem Cloud ou hospedagem VPS possuem planos que oferecem backups semanais ou até diários.

Esses tipos de hospedagem são importantes para sites de grande porte e de lojas virtuais, por isso é importante que disponibilizem para os usuários a possibilidade de backup.

Além disso, caso o seu plano já não esteja aguentando a alta demanda de acessos e visitas, a mudança para um tipo de hospedagem com mais recursos se faz necessária.

Para evitar que qualquer problema possa trazer prejuízos para o seu site durante o processo de mudança de hospedagem, a realização de um backup é muito bem-vinda.

Erros de gerenciamento e o backup salvando seu dia

Saber como criar um blog ou um site implica no uso e no gerenciamento de determinadas plataformas. Apesar das facilidades que as atuais plataformas de criação oferecem, não é impossível que um usuário inexperiente delete arquivos importantes.

Até mesmo, devido a uma desatenção, é possível alterar alguma importante configuração, resultando assim em erros no seu projeto web.

Em tais situações, o usuário certamente vai erguer suas mãos aos céus e abençoar a presença do backup. Por meio dele, o trabalho de dias, quem sabe meses ou anos inteiros, poderá ser salvo.

E quando o assunto é CMS’s, as boas empresas de web hosting disponibilizam para os seus clientes a hospedagem WordPress, que é totalmente configurada e otimizada para essa plataforma.

Alguns planos mais avançados voltados para esse tipo de hospedagem disponibilizam a realização de backups diários entre os seus benefícios.

Além disso, qualquer site está suscetível a ser atacado por pragas virtuais espalhadas pela web. Um vírus ou um malware pode atingir o seu site, corromper arquivos, dados e prejudicar o seu trabalho.

Por isso, além de contar com meios de proteção eficientes, realizar backups periodicamente é uma ótima maneira para identificar e até prevenir esse tipo de imprevisto.

Backup – Quando fazer?

Muitos usuários se perguntam qual é a frequência ideal para a realização de backups. Será que backups diários são necessários? E seu eu fizer uma vez por semana ou, quem sabe, uma vez por mês?

As respostas para tais indagações vão depender do seu tipo de site e do propósito dele.

Se o seu projeto consiste em um site de grande porte, como, por exemplo, uma loja virtual, ou um blog que conta com muitos acessos e possui muitos dados de imagens, vídeos e textos, então backups semanais ou diários são altamente recomendados.

E não esqueça também que o backup bem feito inclui todos os arquivos fundamentais para que o site mantenha sempre um bom desempenho.

O armazenamento do backup

Ao realizar o backup de um site, a cópia deve ficar localizada em uma máquina diferente do servidor onde está hospedado o seu site.

Por isso, o método mais usual para a realização de backups é justamente efetuar uma cópia dos arquivos que estão localizados no servidor de hospedagem para o seu computador.

Nesse caso, a transferência pode ser realizada por meio do painel de controle cedido pela sua empresa de hospedagem de sites. Também há a alternativa de utilizar um programa de FTP, como o Filezilla, por exemplo.

Ao utilizar um programa de FTP a transferência de arquivos será feita de um modo mais rápido e com mais facilidade.

Conclusão

Vivemos na era digital e cada vez mais as profissões utilizam a internet. Por isso, não é exagero afirmar que em um site ou blog estão armazenados boa parte do seu dia a dia profissional.

Por fim, tão importante quanto ter um site, ter um nome de domínio e um bom serviço de hospedagem, é pertinente também providenciar o backup para evitar dores de cabeça.

Meus 3 primeiros ajustes no app YouTube Music

Logo após a instalação, antes de conferir as novidades em títulos do serviço de streaming, gosto de ir às configurações do app, para fazer meus primeiros ajustes iniciais.

Estas dicas de configuração, tomam no máximo 1 minuto do seu tempo e podem enriquecer ainda mais a sua experiência de uso do aplicativo.

Tenha em mente que escrevo este post baseado na versão Android do app, mas creio que a do Apple deve ser bem parecida (ou igual). Me avise, nos comentário, se não for!

Conjunto de opções de economia de dados

Eventualmente, você achar interessante ouvir alguma coisa pela rede móvel (como os podcasts).

O problema é ser pego de surpresa, com gastos que você nem sabia que estava fazendo.

Por isso, você tem 3 ajustes importantes a serem feitos, no menu de configurações do aplicativo:

  • Streaming só por Wi-Fi — se estiver ligada, esta opção corta a possibilidade de conexão quando você não estiver usando um Wi-Fi. Neste caso, o app irá avisar que você está desconectado e você pode optar por se conectar à rede móvel mesmo assim ou apenas ouvir o conteúdo que já foi baixado.
  • Limitar o uso de dados da rede celular — Se você optar por seguir em frente, conforme a opção acima, o app só irá permitir fluxo de conteúdo em baixa definição.
  • Qualidade do áudio na rede móvel — Ainda, quando você tiver optado por prosseguir no uso da rede celular, o áudio será fornecido em baixa definição (qualidade de rádio).
Minhas configurações atuais sobre o fluxo de mídias no YouTube Music.

Qualidade do streaming de áudio do YouTube Music e opções de armazenamento

Ainda na seção anterior, seleciono a opção “Sempre alta”, dentro do item Qualidade do áudio no Wi-Fi.

Em seguida, cabe retirar o armazenamento da mídia da memória interna e passar tudo para o cartão SD (aqui vale a pena ter um cartão com 128 GB de capacidade de armazenamento ou superior).

Para isso, ligue a opção Usar cartão SD.

Se houver algum conteúdo na memória interna, o app vai levar algum tempo para fazer a transferência. Você pode seguir usando enquanto isso é feito.

Ligue a opção Fazer download somente por Wi-fi para se certificar de que a atividade não ocorrerá durante o uso da rede celular, acarretando gastos imprevisíveis para você.

Ajuste o item Qualidade do áudio para “sempre alta”, o que irá prevenir o app de baixar conteúdo de baixa qualidade para o seu dispositivo. Claro que isto trará um aumento na ocupação do seu espaço de armazenamento. Fique atento(a).

Minhas opções referentes a downloads e armazenamento.

Configure a sua mixtape

A mixtape é um recurso do aplicativo, para baixar uma série de músicas (de acordo com o que ele acha que vai te agradar), para você ouvir a qualquer momento.

Eu gosto do recurso.

O item Fazer o download de uma mixtape off-line garante que eu possa sempre ouvir músicas quando estou desconectado de qualquer rede Wi-Fi (no carro, por exemplo).

Configurações referentes à sua mixtape.

Conclusão

Estas opções podem ajudar a melhorar sensivelmente a sua experiência de uso do aplicativo de streaming de músicas do YouTube (Google).

Fique à vontade para compartilhar comigo e com os outros leitores as suas próprias opções no YouTube Music.

Review do YouTube Music para Android

Aproveitando o período do final do ano, resolvi experimentar gratuitamente, por 30 dias o serviço de streaming de músicas (do Google) YouTube Music.

O serviço não é tão bom, ainda, quanto o do Spotify, do qual também sou assinante, mas o seu uso foi interessante o suficiente para me fazer estender um pouco mais o período de análise.

Depois de quase 3 meses de doce procrastinação, decidi, finalmente, fazer o review e contar o que achei do YouTube Music.

A interface gráfica do YouTube Music

Até o momento, o serviço só pode ser acessado via web, pelo endereço https://music.youtube.com — ou pelo app no dispositivo móvel.

Ainda não há aplicativos para o desktop.

Este post se baseia no app do YouTube Music para Android, que pode ser baixado na loja oficial do Google Play.

A interface pode impressionar os novatos, que estão começando a usar este tipo de serviço. Usuários experientes do Spotify, entre outras plataformas de streaming, vão perceber que ainda há muita coisa para ser feita.

De cara, salta aos olhos a falta de espaço para a sinopses e descrições completas das bandas e dos álbuns.

Eu espero que, quando você estiver lendo este texto, muitas coisas tenham melhorado, contudo.

A presença do ícone Hotlist, no rodapé do aplicativo, leva a uma página cheia de “hits do momento”. Acho isso um desperdício completo de espaço no aplicativo — pois creio que a maioria dos assinantes de serviços de streaming de música está fugindo do jabaculê (jabá) ou das porcarias que estão saturando as rádios.

Vai por mim, você provavelmente não vai querer tocar ali…

Catálogo e buscas de títulos no YouTube Music

Alguns usuários (entre novatos e avançados) têm o hábito de reclamar das plataformas, quando não encontram exatamente as músicas que desejam.

Isso não resiste a um exercício básico de lógica: é interesse da plataforma oferecer a maior quantidade de títulos possível, incluindo todos aqueles de que você gosta.

Mas, aqui e ali, vão esbarrar nas restrições mais estapafúrdias da indústria dos direitos autorais — tem música que pode tocar em uma região e em outra não — qualquer que seja o motivo.

Tem clipes que você pode ver tranquilamente no YouTube normal, mas não consegue encontrar a música (o áudio) no app.

Nestes casos, o YouTube consegue contornar o problema, permitindo ouvir apenas o áudio do clipe (poupando, inclusive, a banda da sua conexão).

Do lado da qualidade do áudio, pode deixar a desejar para os ouvidos mais sensíveis ou exigentes, por enquanto.

O mixtape

O recurso que eu mais gostei foi o “mixtape”.

Trata-se de uma seleção feita pelo app, baseado no seu gosto. No meu caso, o mixtape quase sempre acertava, trazendo títulos incríveis, que eu ainda não conhecia.

O mixtape é renovado a cada 24h, desde que você esteja conectado e fica disponível offline, para você ouvir a qualquer momento.

E este é um dos principais motivos de usar serviços de streaming, para mim: conhecer artistas (entre novos e antigos) que ainda não conheço

Conectividade

Este é um dos itens mais importantes a analisar, principalmente se você vai ouvir suas músicas (ou podcasts) no carro ou em outro dispositivo de som — via bluetooth, inclusive.

O app não tem recursos de conectividade próprios, mas tem suporte a Apple AirPlay e ao Google Chromecast, além do bluetooth do seu próprio celular ou tablet.

Eu tive dificuldades para conectar ao bluetooth do carro, no começo, por que os apps de música do meu celular ficavam “brigando entre si”, pela atenção da conexão.

Se você pretende fazer a sua própria análise do app não se esqueça — de contar o que achou, ali embaixo! — desativar ou desinstalar os outros aplicativos concorrentes.

Vale a pena pagar pelo serviço?

Na mesma faixa de preço dos concorrentes, o produto ainda é imaturo e, na versão que usei, ainda era um pouco instável.

Se você pretende começar a pagar por um serviço de streaming, pode ser uma boa opção, se adquirido dentro do plano YouTube Premium, por que vai te livrar das propagandas em todas as sessões do YouTube, além de dar acesso a conteúdo exclusivo.

Mas não concordo que, no momento, valha a pena sair de outros serviços concorrentes para adotar este, para quem só quer streaming de músicas.