Como instalar fácil o Spotify no Ubuntu

Instalar o spotify no Ubuntu é muito fácil e pode ser feito com um clique, se você quiser.
A despeito de tudo o que já escrevi antes sobre como instalar o Spotify, o SNAP chegou para jogar o meu trabalho fora — ainda bem! 😉
Ubuntu logo
Sim! A partir do Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus, já é possível instalar o Spotify através do snap.
Isto vale para as distribuições derivadas dele também. Os exemplos deste artigo foram testados no KDE Neon 5.8 (derivado do Xenial).
Veja, a seguir, 2 métodos para instalar o Spotify Web Player através do snap: o primeiro envolve a instalação com um simples clique no seu navegador. No segundo, mostro como instalar através do terminal.
Fica a seu critério escolher o que achar melhor.

Instale o spotify com o comando snap

Para instalar o aplicativo, abra um terminal e execute o seguinte comando:

sudo snap install spotifywebplayer

É o suficiente para ter instalada a versão stable do aplicativo.

Como instalar o Spotify com 1 clique

Certifique-se de estar usando a versão mais atual do seu navegador.
No meu exemplo, o procedimento foi executado através do Google Chrome “Versão 56”.
Basta clicar na imagem abaixo, para fazer a instalação:
install icon
se aparecer uma janela de confirmação, selecione “Abrir xdg-open”.
chrome xdg open snap
Ao finalizar a instalação, é possível executar o player através do terminal ou pelo dash do Ubuntu — ou no menu do KDE!
Se preferir rodar o aplicativo a partir do terminal, execute o comando:

spotifywebplayer

spotify welcome screen

Como instalar aplicativos com o snap

O snap é uma nova abordagem para a instalação de aplicativos, lançada pela Canonical e disponível em sistemas operacionais baseados no Ubuntu 16.04 LTS (ou superior).
Terminal IBM3278
Para escrever este artigo, usei uma máquina com o KDE NEON User edition 5.8, baseado no Ubuntu 16.04 LTS.
A melhor maneira de entender o funcionamento do programa/comando snap é através de exemplos.

Como instalar aplicativos com o snap

No Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus, o programa snap já vem instalado como padrão.
E ele é responsável pela interação com os pacotes snaps nos repositórios.
Sua sintaxe é semelhante à do comando apt:

sudo snap install nome-do-aplicativo

Um exemplo da “vida real”… para instalar o cliente Twitter Anatine, use o comando assim:

sudo snap install anatine

Como encontrar snaps para instalar no sistema

Use o comando ‘find’, para encontrar novos snaps, prontos para instalar em seu sistema.
Funciona semelhante ao ‘apt search’.
O comando requisita informações da “loja” de snaps e retorna os pacotes disponíveis para instalação imediata ou para compra.
O seu uso básico:

snap find twitter

Como você pode ver, tal como o apt, o snap não precisa de privilégios especiais para fazer buscas nos repositórios. Veja o meu resultado:

Name          Version              Developer        Notes  Summary
anatine       1.0.0-2-gacbd796-J1  claudioandre-br  -      Pristine Twitter app
caddy-hduran  0.9.3                hduran           -      The HTTP/2 web server with automatic HTTPS

Como listar os snaps instalados

Use o comando ‘list’ para obter uma relação dos snaps atualmente instalados no seu sistema.
Veja um exemplo:

snap list
Name             Version              Rev  Developer        Notes
anatine          1.0.0-2-gacbd796-J1  9    claudioandre-br  -
hexchat          2.12.3               6    tingping         -
telegram-latest  0.10.19              3    pain7            -
ubuntu-core      16.04.1              423  canonical        -
vlc              daily                1    videolan         -

Como remover snaps do sistema

Use o comando ‘remove’ para apagar os aplicativos snap que você não mais deseja ter instalados no seu sistema:

sudo snap remove hexchat
[sudo] password for justincase: 
hexchat removed

Como remover o systemd do Ubuntu

No universo do Linux e do software livre, nada faz mais sentido do que ter liberdade de escolha.
No seu computador, só deve rodar software que você aprove.
O principal objetivo do software livre é dar ao usuário o controle sobre o que está rodando no seu hardware.
Se você, qualquer que seja o motivo, prefere o seu GNU/Linux sem o systemd, pode optar por usar uma das várias distribuições que vêm sem ele, ou removê-lo e instalar um outro init system para você.
O procedimento descrito é fácil e, de certa forma, muito simples. Por outro lado, ele pode deixar o seu sistema parcialmente inoperante — o que vai te obrigar a fazer alguns ajustes na linha de comando, depois.
Os comandos foram testados em uma instalação Ubuntu 16.04 LTS.
Siga em frente, por sua própria conta e risco.
Se tiver dúvidas, siga os links, no decorrer do texto ou na sessão de referências.

Instale o novo init system

Você não pode ficar sem um init system.
No nosso exemplo, vamos instalar o upstart — um init system mais atual do que o tradicional sysV e que concorre com o systemd.
Todos os comandos, que seguem, precisam de privilégios administrativos. É recomendado se autenticar como root.
Para instalar o upstart, rode o seguinte comando:

apt install upstart-sysv sysvinit-utils

Faça algumas configurações:

cp /usr/share/sysvinit/inittab /etc/inittab
update-initramfs -u

E reinicie o sistema:

shutdown -r now

Após iniciar o sistema, remova o systemd e seus arquivos de configuração:

apt purge systemd systemd:i386

Procedimentos complementares

O Debian e o Ubuntu estão se movendo rapidamente na direção da adoção do systemd.
Para evitar que o sistema continue tentando reinstalar pacotes relacionados ao systemd, rode a seguinte série de comandos:

echo -e 'Package: systemd\nPin: release *\nPin-Priority: -1' > /etc/apt/preferences.d/systemd
echo -e '\n\nPackage: *systemd*\nPin: release *\nPin-Priority: -1' >> /etc/apt/preferences.d/systemd
echo -e '\nPackage: systemd:amd64\nPin: release *\nPin-Priority: -1' >> /etc/apt/preferences.d/systemd
echo -e '\nPackage: systemd:i386\nPin: release *\nPin-Priority: -1' >> /etc/apt/preferences.d/systemd

Referências

http://askubuntu.com/questions/779640/how-to-remove-systemd-from-ubuntu-16-04-and-prevent-its-usage.
http://www.serverlab.ca/tutorials/linux/administration-linux/removing-systemd-from-ubuntu-15-2/.
https://www.howtoinstall.co/en/ubuntu/xenial/systemd?action=removehttps://www.howtoinstall.co/en/ubuntu/xenial/systemd?action=remove.

Como habilitar a opção de hibernação no Ubuntu

A opção de hibernação no menu principal do Ubuntu e no menu de desligamento é desativada para evitar incompatibilidades com alguns hardwares específicos.
Se o seu hardware segue padrões de mercado e é amigável com sistemas operacionais abertos, ele provavelmente suporta bem a função de hibernação e, portanto, nada mais justo do que você ter acesso a ela, a partir dos menus.
Ubuntu menu suspend
Se você quiser entender melhor as diferenças entre suspender, hibernar e suspender-híbrido, leia este artigo.
Este texto se baseia em uma máquina Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus, as instruções foram testadas em uma máquina Ubuntu 14.04 LTS e também no Xubuntu 16.04 LTS — com sucesso.
Se você ainda tiver algum problema, relate-o nos comentários.
Como forma de complementar este post, sugiro a leitura de Como configurar o notebook para suspender ou hibernar quando fechar a tampa no Debian e Ubuntu.
Aqui, vou abordar apenas a ativação da opção “Hibernar” nos menus de desligamento do Ubuntu.
Antes de partir para a solução, sugiro que você verifique se não tem problemas com hibernação no seu hardware.
Isto é muito fácil de se fazer.
Abra um terminal (Ctrl + Alt + T) e digite o comando abaixo, seguido de Enter:

sudo pm-hibernate

Aguarde o processo de hibernação se completar e ligue novamente a máquina.
Se você preferir, o artigo Como checar o suporte a hibernação, suspensão e suspensão híbrida, pode ajudar a verificar sem necessidade de desligar nada.
Se você teve problemas durante o processo, deve buscar formas de resolvê-los, antes de prosseguir.
Problemas na hibernação podem estar sendo causados pelo tamanho inadequado da partição de swap, no seu sistema. Leia mais sobre isto aqui.


Screenshot from 2016-04-28 19-43-11
Se tudo correu bem durante o teste, volte ao terminal para aplicar a solução relativa ao menu.
Como administrador do sistema abra o arquivo “/etc/polkit-1/localauthority/50-local.d/com.ubuntu.enable-hibernate.pkla”.
Se você não conseguir encontrar este arquivo, tente achá-lo em “var/lib/polkit-1/localauthority/50-local.d/com.ubuntu.enable-hibernate.pkla”.
Cole o texto que segue, dentro dele:

[Re-enable hibernate by default in upower]
Identity=unix-user:*
Action=org.freedesktop.upower.hibernate
ResultActive=yes

[Re-enable hibernate by default in logind]
Identity=unix-user:*
Action=org.freedesktop.login1.hibernate
ResultActive=yes

Salve e feche o arquivo.
Se achar mais confortável, você pode reiniciar o seu computador — mas encerrar a sessão do Ubuntu e se autenticar de novo já é o suficiente.
Note que a opção Hibernar, agora está lá, no menu.
hibernate-in-menu-ubuntu
Ao pressionar o botão de desligar do laptop, a opção Hibernar também se fará presente.
ubuntu desligar hibernar
Referências:

https://help.ubuntu.com/16.04/ubuntu-help/power-hibernate.html.
http://ubuntuhandbook.org/index.php/2014/04/enable-hibernate-ubuntu-14-04/.

10 exemplos de uso do comando APT no Debian e Ubuntu

Você pode usar o comando apt para instalar novos aplicativos no seu sistema Ubuntu, Debian e distribuições derivadas.
A ferramenta trabalha com o gestor de pacotes padrão do Debian, dpkg, e é usada também para manter o seu sistema atualizado.
O apt tem as mesmas funcionalidades que o aptitude e a apt-get.
Este texto se baseia na versão 1.2.9, presente no Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus. Vale destacar que o desenvolvimento do apt é um trabalho em progresso — e funcionalidades podem ser acrescentadas, modificadas ou retiradas em versões futuras — mas acho que isto vale para qualquer software.
Há 2 bons motivos para usar o apt, em vez das outras duas mais conhecidas:

  1. Você pode digitar menos, se optar pelo apt, na linha de comando.
  2. Esta será uma ferramenta padrão no Ubuntu, a partir da versão 16.04 LTS Xenial Xerus e no Debian.

A sigla APT, quer dizer Advanced Package Tool — ferramenta de pacotes avançada, numa tradução livre.
É constituída de uma séria de ferramentas, que fazem parte do núcleo do sistema Debian e Ubuntu.
O comando apt provê uma interface limpa e bonita, na linha de comando, com barra de progresso e cores para identificar itens da interface.

Use a ferramenta para instalar e atualizar aplicativos ou todo o sistema

A sintaxe do comando apt

Se você já conhece e usa o aptitude e o apt-get, será fácil se adaptar a esta ferramenta.
A sintaxe básica se resume a:
apt opções comando nome-do-pacote
ou (caso queira instalar mais de um pacote)
apt opções comando nome-do-pacote1 nome-do-pacote2
É possível usar curingas, para instalar múltiplos pacotes, com o mesmo prefixo:
apt install nome-do-pac*

O conjunto de ferramentas do APT, para realizar tarefas administrativas, requer privilégios. Portanto, você precisa se autenticar como superusuário (root) ou usar o sudo para executar o utilitário apt.

Se quiser entender a diferença entre o su e o sudo, leia este artigo.
Vamos aos exemplos práticos.

Como sincronizar pacotes com o apt

Para baixar informações sobre pacotes de todas as fontes configuradas, use apt update:

apt update

Este procedimento é recomendável antes de iniciar uma instalação ou um upgrade. Ou seja, antes de executar um install, use um update, conforme o exemplo anterior.
Ao final do relatório do comando, é possível localizar uma linha falando quantos pacotes (packages) há para ser atualizados.

Get:1 http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu xenial InRelease [247 kB]
Hit:2 http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu xenial-updates InRelease             
Hit:3 http://security.ubuntu.com/ubuntu xenial-security InRelease       
Hit:4 http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu xenial-backports InRelease    
Get:5 http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu xenial/universe amd64 Packages [7.392 kB]
Get:6 http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu xenial/universe i386 Packages [7.373 kB]
Get:7 http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu xenial/universe Translation-en [4.299 kB]
Fetched 19,3 MB in 10s (1.911 kB/s)                                            
Reading package lists... Done
Building dependency tree       
Reading state information... Done
156 packages can be upgraded. Run 'apt list --upgradable' to see them.

Como atualizar o sistema com o apt

Use o comando ‘upgrade’ para realizar a atualização de todos os pacotes atualmente instalados em seu sistema (desde que haja atualizações disponíveis).
Este comando segue algumas regras:

  • Ele instalará pacotes adicionais, que sejam requeridos para satisfazer as dependências.
  • Pacotes já existentes e instalados, não serão removidos pelo processo de upgrade.
  • Não instala a nova versão de algum pacote se houver a necessidade de remover outro pacote conflitante ou desatualizado.
apt upgrade

Se você preferir, pode optar pelo uso do ‘full-upgrade’ — que remove pacotes instalados, caso seja necessário para atualizar o sistema como um todo.

apt full-upgrade

A opção ‘full-upgrade’ é necessária para atualizar, por exemplo, o Ubuntu 16.04 para 16.04.1.
Ele não vai atualizar a sua distro de 16.04 para 16.10, contudo.
Se quiser apenas obter uma lista de pacotes que podem ser atualizados no seu sistema, use o comando assim:

apt list --upgradable

Como instalar novos pacotes de aplicativos

O comando ‘install’ realiza a instalação de novos pacotes no seu sistema.
Para instalar o editor de áudio Audacity, use o seguinte comando, por exemplo:

apt update
apt install audacity

Como remover pacotes de aplicativos do sistema

Para remover, use o ‘remove’:

apt remove audacity

ou

apt purge audacity

O ‘purge’ desinstala, além dos pacotes, seus arquivos de configuração.

Como encontrar o pacote de aplicativos que eu quero

Se você não sabe exatamente qual o nome de determinado pacote ou aplicação, use o mecanismo de busca do apt.
Com o comando ‘search’ é possível fazer busca por palavras dentro das descrições dos pacotes nos repositórios.

apt search audio

Você pode combinar o comando grep, para obter uma busca mais refinada:

apt search audio | grep -C 2 -i blue
WARNING: apt does not have a stable CLI interface. Use with caution in scripts.

  Bandlimited wavetable-based oscillator plugins for LADSPA hosts

bluedevil/xenial 4:5.5.4-0ubuntu1 amd64
  KDE Bluetooth stack

bluez-btsco/xenial 1:0.50-0ubuntu6 amd64
  Bluez Bluetooth SCO tool

bplay/xenial 0.991-10 amd64
--
  jQuery plugin that plays and controls audio files in a webpage

jquery-jplayer-bluemonday/xenial,xenial 2.7.0-1 all
  Blue Monday skin for jPlayer

Como exibir informações sobre pacotes antes de instalar

Se você quiser obter informações específicas sobre algum destes pacotes, use o comando ‘show’:

apt show bplay
Package: bplay
Version: 0.991-10
Priority: optional
Section: universe/sound
Origin: Ubuntu
Maintainer: Ubuntu MOTU Developers <ubuntu-motu@lists.ubuntu.com>
Original-Maintainer: Carlos Laviola <claviola@debian.org>
Bugs: https://bugs.launchpad.net/ubuntu/+filebug
Installed-Size: 73,7 kB
Depends: libc6 (>= 2.6.1-1)
Download-Size: 18,8 kB
APT-Sources: http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu xenial/universe amd64 Packages
Description: Buffered audio file player/recorder
 The bplay package provides a simple command-line utility for playing
 and recording audio files in raw sample, VOC and WAV formats.
 .
 To use this program you need a soundcard of some kind and the
 appropriate driver configured into your kernel.
 .
 When run the program creates two processes which share a memory
 buffer.  It does reading/writing on the disk and the sound device
 simultaneously, in order to be less liable to `pause' because the
 disk is too slow or too busy.

Os comandos ‘apt search’, ‘apt show’ e ‘apt list’, entre outros, não requerem privilégios administrativos para serem executados.
Somente aqueles capazes de produzir alterações no sistema, irão pedir seu “crachá de superusuário”.

Como listar pacotes disponíveis para instalação nos repositórios

Você pode obter uma lista completa de pacotes através da opção ‘list’.
Se você quiser encontrar os pacotes relacionados ao PHP 7, use o comando desta forma:

apt list 'php7*'
Listing... Done
php7.0/xenial,xenial 7.0.4-5ubuntu2 all
php7.0-bcmath/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64
php7.0-bz2/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64
php7.0-cgi/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64

...

php7.0-sqlite3/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64
php7.0-sybase/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64
php7.0-tidy/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64
php7.0-xml/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64
php7.0-xmlrpc/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64
php7.0-xsl/xenial,xenial 7.0.4-5ubuntu2 all
php7.0-zip/xenial 7.0.4-5ubuntu1 amd64

ubuntu 16.04 list php7 packages
Esta forma é equivalente à opção combinada ao comando grep:
apt list | grep php7. A opção é sua.

Jogue fora o lastro, para voar mais alto

Remova os pacotes de bibliotecas e aplicativos desnecessários do seu sistema.

Em computadores e carros: não basta ter potência. Tem que ser leve!

Tirar tudo o que não se precisa, é a chave para ter um sistema rápido e seguro.
O ‘autoremove’ ajuda a enxugar o seu sistema, removendo pacotes de bibliotecas instaladas (por que eram necessárias para a instalação de outros programas), que não são mais requeridas por nenhum outro pacote.
Pode ser usado para encontrar e remover versões antigas do kernel (que ocupam espaço considerável) no seu sistema.
Veja como usar:

apt autoremove

Uma opção mais completa (radical) é a seguinte:

apt --purge autoremove

Como editar as fontes dos pacotes

Se você sabe o que está fazendo pode editar as fontes dos repositórios — de onde o sistema irá baixar seus softwares.

sudo apt edit-sources 

Ubuntu 16.04 edit sources