Qual é a distribuição Linux que tem mais pacotes em seus repositórios oficiais?

A resposta curta é: OpenSUSE, na data deste post!
No decorrer deste texto vou mostrar como obter suas próprias respostas e, com certeza, mais atualizadas.
No momento em que escrevo, a distro “do camaleão” é a que tem a maior quantidade de softwares disponíveis para a instalação — se você a sincronizar com todos os seus possíveis repositórios.
Por anos, a Debian foi a distro conhecida por ter a maior quantidade de pacotes em seus repositórios. Mas estas coisas mudam com mais frequência que a gente imagina.
Portanto, se quiser saber qual a distro Linux com mais aplicativos disponíveis, vai ter que fazer uma contagem.

Há alguma maneira “racional” de contar quantos pacotes de aplicativos estão disponíveis para uma distro?

Como contar os programas disponíveis em uma distribuição Linux

Esta pergunta pode ser respondida em 2 fases:

  1. primeiro você obtém a lista e
  2. depois, se estiver em formato texto simples, com um pacote relacionado a cada linha, basta contar as linhas da lista.

Não é difícil encontrar as listas de pacotes disponíveis para as distribuições, mas precisamos prestar atenção a algumas variáveis que as influenciam:

  • Versões alfa do sistema operacional podem ter uma lista num dia e outra em outro — softwares entram e saem todos os dias nesta fase de uma distribuição.
  • Diferentes plataformas demandam softwares específicos às vezes. Portanto a lista do Arch Linux para a plataforma ARM é uma e a lista do mesmo sistema operacional para a plataforma PC 64 bit é outra.

É difícil fazer comparações objetivas entre uma distro e outra, por que precisamos levar estes e outros fatores em conta.

A lista de softwares disponíveis para uma distro vai muito além dos repositórios oficiais. Elas aumentam significativamente, ao acrescentar outros repositórios, backports, PPAs etc.

Onde encontrar a relação de softwares do Ubuntu

A relação atual de softwares disponíveis, da distribuição Ubuntu que se encontra instalada no seu computador, depende dos repositórios incluídos no arquivo de configuração /etc/apt/sources.list.
Para obter a relação use os seguintes comandos:


sudo apt update
apt list | wc -l

WARNING: apt does not have a stable CLI interface. Use with caution in scripts.

69323

O resultado, acima, se refere à minha máquina Ubuntu 16.04 Xenial Xerus, com a minha configuração atual do sources.list.
O comando responde à pergunta sobre a quantidade de softwares disponível para a instalação local e atual do Ubuntu.
É importante dizer que a lista inclui 6 linhas de cabeçalho — que precisam ser excluídas da conta, para obter um resultado exato.


E se eu não tiver o Ubuntu instalado? E se eu quiser obter o número e a relação para uma versão diferente da que tenho instalada?
Quando a lista que você deseja não está presente no seu sistema, o jeito é buscar a informação online.
A lista de pacotes disponíveis para Ubuntu pode ser encontrada a partir do site http://packages.ubuntu.com/.
site com lista de versões do Ubuntu
O site permite escolher exatamente qual distro/versão ou repositório a ser pesquisado.
Para este artigo, vou escolher a relação allpackages do Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus.
Se você quiser, pode acessar a lista aqui: http://packages.ubuntu.com/xenial/allpackages?format=txt.gz.
O cabeçalho da lista tem informações importantes, como a data em que ela foi gerada — que ajuda a estabelecer se é atual.
Eu preferi baixar o arquivo compactado com o wget.
Depois de baixado, descompactei o arquivo e alterei o nome (apenas por comodidade). Veja os meus procedimentos:


wget http://packages.ubuntu.com/xenial/allpackages?format=txt.gz

gunzip allpackages?format=txt.gz

mv allpackages\?format\=txt xenial64bit-desktop.txt 

Se quiser “passear” dentro do arquivo, use o comando less:


less xenial64bit-desktop.txt

Como você pode ver, cada programa ocupa uma única linha. Basta determinar quantas linhas há no arquivo (subtraídas as 6 linhas do cabeçalho), para obter a minha resposta. Para isto, use o comando wc:

wc -l xenial64bit-desktop-allpackages.txt

69323 xenial64bit-desktop-allpackages.txt

A resposta, neste caso, é 69.317 pacotes de software no Ubuntu 16.04 LTS Desktop 64 bit — já descontadas aquelas linhas iniciais.

Como obter a relação de pacotes do Arch Linux

A lista oficial pode ser encontrada fácil no site da distribuição.
arch linux lista de pacotes do repositório
Por sorte, o site tem um contador, do lado esquerdo superior à relação.
Você encontra a informação atualizada neste link: https://aur.archlinux.org/packages/?O=0&SeB=nd&K=&SB=n&SO=a&do_Search=Go.

Como determinar a quantidade de pacotes do Debian

O procedimento para obter esta informação do Debian é semelhante ao Ubuntu.
Se você usa Debian, pode ir para o terminal e obter o número de pacotes disponíveis para instalação, de acordo com a configuração do sources.list.
No meu sistema Debian 9 Stretch, obtive o seguinte resultado:

apt list | wc -l

WARNING: apt does not have a stable CLI interface. Use with caution in scripts.

51750

Os sites contendo as relações de pacotes são https://packages.debian.org/testing/allpackages?format=txt.gz (testing) e https://packages.debian.org/stable/allpackages?format=txt.gz (stable).
Você pode salvar o conteúdo desta página, direto do seu navegador, com CTRL+S (o que te poupa o trabalho de descompactar e renomear o arquivo posteriormente).
Eu salvei a página (do stable) com o nome de Jessie.txt e executei o wc no arquivo:

wc -l jessie.txt 
57286 jessie.txt

De forma que a nossa resposta é: 57.280 pacotes — descontadas as 6 linhas do cabeçalho.
Para a lista online do Stretch, obtive o resultado seguinte:

wc -l stretch.txt 
68675 stretch.txt

… o que dá 68.669 pacotes.

Por curiosidade, fui verificar também a quantidade atual de pacotes no Sid ou unstable:

wc -l sid.txt 
103440 sid.txt

O número é expressivo mas, sabemos que nada é definitivo no unstable.

Quantos pacotes de software estão presentes no Trisquel Linux

Derivado direto do Debian, podemos usar um método semelhante para obter esta informação.
A página com a relação de pacotes do Belenos é esta: http://packages.trisquel.info/belenos/allpackages?format=txt.gz.

wc -l belenos.txt 
52753 belenos.txt

Como resultado, obtive, então 52.747 pacotes, nesta versão do Trisquel GNU/Linux.

Quantos pacotes há no Fedora?

O Fedora 26 alpha apresentava uma relação de mais de 57 mil pacotes, como é possível observar nos meus exemplos abaixo. Até o lançamento, o número deve mudar.
Na linha de comando, você pode inquirir os repositórios com o comando yum ou dnf.
fedora 26 alpha running under VirtualBox
Veja como fazer com o comando yum:


yum list | wc -l

57219

Antes de rodar o comando dnf, optei por atualizar/sincronizar o sistema com os repositórios — para obter um número mais atual, claro:


dnf update
dnf list | wc -l

57222

Como determinar a quantidade de pacotes de softwares disponíveis nos repositórios do OpenSUSE

O OpenSUSE permite o uso do yum — mas tem que ser instalado — nos mesmos moldes que já mostrei neste texto.
O ideal é usar o zypper para obter a informação.


zypper packages | wc -c

69367

Conclusão

A quantidade de softwares disponíveis para instalar e usar no seu sistema operacional é um fator de escolha importante para algumas pessoas ou empresas.
A outras, basta que tenha o que precisa ser usado (eu).
Quando temos a tarefa de indicar distribuições para outras pessoas, contudo, pode ser interessante levar em conta este número — principalmente se você não tem certeza sobre como a pessoa vai usar o computador.
Somado a isso, a lista de possibilidades é muito flexível em qualquer distro Linux.
É muito raro um aplicativo estar disponível para uma distro e “ser impossível” de instalar em outras. Se o código fonte estiver disponível, o impossível perde seu significado.
Por fim, a wikipedia tem um tópico comparativo entre as diversas distribuições e que vale a pena consultar sempre. Veja o link abaixo!

Referências

https://en.wikipedia.org/wiki/Comparison_of_Linux_distributions#Package_management_and_installation.

Conteúdo relacionado pelo Google

Como o uso dos SNAPS pode beneficiar você

O recurso de empacotamento de aplicativos em conjunto com toda a sua necessária biblioteca, pela Canonical, para uso (inicialmente) no Ubuntu 16.04 LTS se espalhou e se generalizou entre as várias outras distribuições Linux.
Qualquer que seja a sua distro GNU/Linux, desde que seja atual, é possível instalar aplicativos diversos através dos snaps.
laptop and coffee
Ao final do texto, há links para outros posts sobre o uso de snaps em diversas distribuições Linux. Lembre-se de dar uma olhada.
Clique também nos links, no corpo do texto, para se aprofundar mais sobre algum assunto abordado.


O que é um snap?

Um snap é um arquivo zip contendo uma aplicação junto com suas dependências.
O pacote inclui uma descrição de como rodar a aplicação em segurança no seu sistema. A descrição é voltada para o sistema operacional e outros softwares do sistema.
Os pacotes snap são projetados para oferecer mais segurança e isolamento aos programas em relação à estrutura do sistema e à outros programas.
Os snaps permitem uma instalação segura de qualquer software, de qualquer fornecedor e são opções pensadas para dispositivos de missão crítica, por exemplo.
A iniciativa da Canonical, hoje conta com a colaboração de inúmeros desenvolvedores, independente das distribuições que usem — formando uma comunidade em torno do Snapcraft.io.
O trabalho caminha no sentido de prover um mecanismo único para publicar softwares em qualquer ambiente Linux.
Importantes empresas de hardware também estão envolvidas, o que inclui a Dell, Samsung, a System76 etc.

Snaps tem o propósito de funcionar em qualquer lugar, em qualquer distro, em qualquer dispositivo.
São fáceis de instalar e de criar. Além disto, usam recursos de sandboxing que dão mais segurança à sua execução.

Pacotes snaps são complementares aos atuais sistemas de gestão de pacotes

Os atuais sistemas de gestão de pacotes (deb, rpm, yast, pacman, yum, dnf etc.) permitem instalar conjuntos complexos de pacotes de softwares, ocupando o mínimo de espaço e completamente adaptados ao seu sistema.
É inegável que evoluíram, no ambiente Linux, no decorrer dos anos e se encontram a anos-luz de distância dos métodos de instalação de um outro sistema operacional muito popular.
Infelizmente, não podem fazer tudo.
O snaps acrescentam, entre outras coisas, o sandboxing, que é a possibilidade de rodar um programa e toda a sua biblioteca “em separado”. Se algo der errado, o programa pode cair, mas o sistema permanece em pé e intacto.
Para os desenvolvedores, os snaps oferecem conforto e comodidade: empacota uma vez; instala e roda em qualquer distro.

O ecossistema de aplicativos serve a todos

O Ubuntu é uma distro muito popular. Ela se beneficia das dezenas de milhares de opções de softwares que já estão disponíveis para a distro Debian.
Nenhuma outra distribuição Linux tem tantos softwares em seus repositórios.
Com os snaps, todos, independente de distribuição podem baixar e instalar os mesmos pacotes de softwares. Tudo o que se precisa ter é suporte ao snapd.
Ao abandonar o Mir e o Unity, a Canonical está se dedicando a portar o snapd para mais e mais distribuições Linux e aperfeiçoar seu funcionamento dentro do Ubuntu.
Os snaps irão reduzir ainda mais as atuais diferenças entre as distribuições Linux.

Repositório comum: GitHub

O time de desenvolvimento do projeto snapcore, inclui desenvolvedores com ampla gama de interesses, do IoT à infraestrutura de nuvens – dos dispositivos móveis às aplicações desktop.
Os pacotes snap são criados facilmente, por desenvolvedores, com a ferramenta snapcraft.
O Github é o repositório onde os snaps são armazenados e disponibilizados para os usuários.
Os snaps podem ser montados ou construídos a partir de pacotes de distribuições, mas são mais comumente encontrados em código fonte — o que permite mais eficiência de tamanho e otimização de recursos.

Referências

Suporte ao snap no Ubuntu.
Adicione suporte ao snap no Fedora.
Tenha suporte ao snap no OpenSUSE.
https://snapcraft.io.

Conteúdo relacionado pelo Google

Baixe e instale o novo Firefox Nightly no Linux.

Sempre que a Mozilla disponibiliza uma nova versão do Firefox, a tendência é que a sua distro Linux, seja qual for, a incorpore automaticamente na sua próxima atualização.
Para verificar a versão atual do seu Firefox, clique em Ajuda/Sobre o Firefox ou Help/About Firefox:
about firefox nightly
Se você estiver sempre atualizando o seu sistema e não tiver pressa, em alguns dias, a nova versão do navegador já estará sendo automaticamente instalada em seu sistema pela atualização normal — mais um motivo para manter tudo atualizado.
Neste post, vamos falar da versão nightly ou noturna do navegador Firefox.
Ela tem este nome por que é resultado de todo o trabalho feito durante o dia, pelos desenvolvedores.
Teoricamente, no fim de cada expediente, o sistema é empacotado e disponibilizado para quem quiser testar.

O que é o Firefox Nightly?

Este artigo é para quem “gosta de viver no limite” — seja no Linux, no Android ou qualquer outra plataforma.
Conheça as diferenças entre as versões do Firefox: Stable, Aurora e Nightly
A versão Nightly de um software costuma ser a sua última versão disponível, ou seja, a mais atual.
Costuma incorporar os últimos avanços implementados pelos desenvolvedores. Estes recursos, poderão (ou não) estar presentes na próxima versão estável do aplicativo, uma vez que se trata de uma versão de testes.
E é importantíssimo que eu diga, aqui, não espere estabilidade da versão Nightly do Firefox

  1. Não use para fazer coisas sérias, para trabalhar etc.
  2. Não é recomendado usá-lo em máquinas de produção.
  3. Sim, você pode usar outras versões, junto, no mesmo computador: a nightly convive bem com as outras versões mais estáveis.

Quero enfatizar que esta versão pode funcionar bem em alguns dias e em outros não.
Quando não funcionar, tudo o que você pode fazer, é esperar pela versão do dia seguinte.

Você foi avisado. Siga por sua própria conta e risco.
firefox nightly background

Como baixar e instalar o Firefox Nightly

Você pode baixar a sua versão do navegador Firefox neste site: http://nightly.mozilla.org/.
Escolha a versão mais adequada à sua plataforma (sistema operacional).
O Nightly tem edições para Windows, Linux, Android etc. Este post se baseia na instalação da versão para Linux 64 bits — portanto, se sua plataforma for outra, adeque os procedimentos descritos às especifidades da sua situação.
O arquivo baixado terá um nome semelhante a firefox-XX.0a1.en-US.linux-x86_64.tar.bz2.
Abra um terminal (no Ubuntu, use Ctrl + Alt + T) e vá para o diretório onde o pacote de instalação foi baixado.
Descompacte o arquivo e entre no diretório criado:

tar xvvjf firefox-49.0a1.en-US.linux-x86_64.tar.bz2
cd firefox

Antes de executar o binário do Firefox, feche qualquer outra versão do navegador que estiver aberta no seu sistema… e boa sorte!

./firefox

Se, mais tarde, quiser remover o programa, basta apagar o diretório que foi criado.

O que esperar da versão nightly do Firefox

Você pode esperar qualquer coisa da nightly build ou development edition de qualquer software — inclusive nada, ou seja, que ele simplesmente nem funcione.
Se este for o caso, faça o download no dia seguinte — as atualizações saem a cada 24h.
Nesta fase do desenvolvimento o aplicativo recebe atualizações diárias e o que não funcionou num dia ou funcionou mal, pode funcionar linda e maravilhosamente no outro — é prudente não ser otimista.
Se isto te incomoda, software em desenvolvimento não é para você.
firefox nightly sreenshot

Motivos para usar a versão nightly

Há basicamente 2 motivos para usar softwares alfa, beta ou nightly:

  1. Conhecer e testar as novidades antes de todos os seus amigos e colegas.
  2. Ajudar os desenvolvedores a melhorar os aplicativos que você gosta — no caso do Firefox, ele envia aos desenvolvedores informações sobre o seu uso e possíveis crashes para que possam melhorar o produto.

O que fazer depois de instalar o Firefox Nightly

Instale os add on do Nightly Tester Tools:
Encontre a ferramenta aqui: https://addons.mozilla.org/en-US/firefox/addon/nightly-tester-tools/.
screenshot firefox nightly tools
Portanto, se baixar o espírito aventureiro e quiser experimentar, sinta-se à vontade para compartilhar a sua experiência nos comentários e dizer o que achou.

Conteúdo relacionado pelo Google

Use as versões mais novas de seus programas favoritos com os backports no Debian

Se você está rodando a versão estável do Debian, é por que prefere um ambiente seguro contra falhas, em detrimento de usar as versões mais avançadas dos seus softwares preferidos.
Tudo funciona bem, mas você sente que poderia se beneficiar de alguns recursos mais avançados, que só foram incluídos nas versões mais atualizadas de alguns aplicativos — mesmo que estes não sejam estáveis.
Uma das soluções é instalar a versão unstable ou testing do Debian, onde estão as versões mais novas dos seus aplicativos. — Mas, aí, você perde o argumento da estabilidade.
É para estes casos que existem os backports do Debian.
powered by Debian badge
Os backports são pacotes recompilados do canal de desenvolvimento testing e, em alguns casos, do canal unstable — para rodar sem as novas bibliotecas, onde for possível, dentro da distro stable.

A recomendação é ser conservador para escolher os softwares que você deseja manter atualizados “no limite”.

Neste texto, vou mostrar como configurar o recurso através da linha de comando — que é quase sempre o modo mais fácil e rápido, embora não seja muito bonito pra maioria das pessoas.
Para escrever este post, estou usando o Debian 8.2 “Jessie”, cuja fonte de backports é o Debian 9.0 “Stretch”. Procure adequar os procedimentos à versão da sua distro.
Se ainda restarem dúvidas, dê uma olhada nos links contidos neste texto e ao final, para obter mais informações.

Como configurar os backports

Segue o procedimento para incluir uma linha ao ‘sources.list’ (a começar pelo backup):

su -c 'cp /etc/apt/sources.list /etc/apt/sources.list.backup-2015-11-14'
su -c 'nano /etc/apt/sources.list'

Forneça a senha do root e adicione as seguintes linhas ao final do arquivo:

# Backports repository
deb http://http.debian.net/debian jessie-backports main contrib non-free

Agora, atualize os repositórios:

su -c 'apt update'

Como instalar um pacote de softwares do repositório backports

O repositório backports estará desabilitado — como procedimento padrão de segurança.
Para pesquisar dentro deste repositório ou instalar pacotes de softwares backported ou “backportados”, é necessário indicar explicitamente o seu desejo.
Veja um exemplo:

aptitude -t jessie-backports install nome-do-pacote

A opção ‘-t’ especifica que o jessie-backports é a versão alvo.
Com este comando, uma versão mais atualizada do nome-do-pacote será instalada, no lugar da versão padrão do Debian stablese houver uma disponível, claro.

Referências

Wiki Debian: https://wiki.debian.org/Backports.
Relação de pacotes do Jessie backports: https://packages.debian.org/jessie-backports/.

Conteúdo relacionado pelo Google

Como encriptar um arquivo no Linux com gpg

O GnuPG, ou GPG, é uma ferramenta completa e poderosa que permite encriptar e proteger suas informações e sua comunicação.
O software oferece um sistema versátil de gestão de chaves, bem como módulos de acesso para todos os tipos de diretórios de chaves públicas.
logo do GnuPG
Neste artigo, vou mostrar como usar as opções básicas de encriptar e decriptar arquivos, na linha de comando — muito embora ela possa ser facilmente integrada a outras aplicações gráficas.
Por ser software livre o GnuPG respeita sua liberdade, sua privacidade e tem código aberto a auditorias.
O Ubuntu 14.10 LTS vem com a versão clássica, que tem foco na portabilidade.

O aplicativo vem já instalado nas grandes distribuições Linux — o que inclui o Fedora, o Ubuntu, Linux Mint, Debian etc. — e segue os padrões definidos pelo OpenPGP

Contudo, é possível baixar outras versões estáveis e mais avançadas, com suporte a outros recursos, no site oficial (veja os links ao final do artigo).

Mesmo que você não tenha nada a esconder, o uso de encriptação ajuda a preservar a privacidade das pessoas com quem você se comunica e dificulta a vida dos burocratas que comandam sistemas de vigilância, mundo afora.

Se você tem informações importantes a esconder — tais como dados da sua empresa, você está em boa companhia. Este é o sistema usado por Edward Snowden para esconder documentos comprometedores da NSA.

Como encriptar com o gpg

O comando pode ser usado para encriptar e decriptar eficientemente arquivos no Linux, FreeBSD e outros sistemas operacionais. Pode ser usado, também para criar assinaturas digitais.
Abra um terminal (Ctrl + Alt +T, no Ubuntu) e experimente os exemplos que seguem.
Para simplesmente encriptar um arquivo no Linux, use o gpg com a opção -c.
No exemplo, abaixo, o gpg é usado para encriptar o arquivo historico.txt:

gpg -c historico.txt

Após fornecer a senha e confirmar, o sistema irá criar um segundo arquivo historico.txt.gpg criptografado — este é o arquivo seguro.
Se este arquivo tiver informações sensíveis, é prudente apagar o original.
gpg confirmar senha

Use senhas seguras para sua conta de usuário e senhas de frase para sua chave GnuPG secreta.
A sua senha é a parte mais frágil de todo o sistema de encriptação —. Programas de ataque por força bruta ou dicionário são fáceis de fazer e implementar.

Como decriptar um arquivo, com o gpg

Aproveitando o exemplo já dado, vou mostrar abaixo como recuperar os dados do arquivo encriptado historico.txt.gpg. É simples:

gpg historico.txt.gpg

gpg-password-decriptar-box
Diferenças entre um arquivo “normal” e criptografado:

ls -lah hist*
-rw-r--r-- 1 justincase henry 805 Jan 20 16:16 historico.txt
-rw-r--r-- 1 justincase henry 318 Jan 20 14:57 historico.txt.gpg

Se você esquecer a senha, será impossível reverter a criptografia.
O arquivo com extensão .gpg é um arquivo binário, em oposição ao original .txt.

Como usar o padrão ASCII

Você pode criar arquivos encriptados no padrão ASCII, em vez de usar o padrão OpenPGP (binário e mais seguro), com a opção -a.
Veja como:

gpg -ac historico.txt

O procedimento resultará na criação do arquivo historico.txt.asc, cujo conteúdo pode ser visto assim:

cat historico.txt.asc 
-----BEGIN PGP MESSAGE-----
Version: GnuPG v1

jA0EAwMCOg2umLcrybhgycBpiRafCJBUEyKIyDMfXzEfCd+PwJVxI/+63ypL8lFZ
7+0YgzmSee+sooLTplJGbvlAVz23Y2KCcgmOC3v0URvUkT+7qhCsWLqYP0J21Ikr
Ie3DpqYwWxi9jeZ6Ae8cQDu0tUNVDV4zyV4Oim/DQZk7WwpIXgwwjnbfHEtdLqX3
etfq5OD8FMJN2nPoigIwLF6oq3m+CWGC64BqRx8QS81qMk6W8qmssC9iFYk84Csp
jOebc98pPjnt/5tnkHuISMRicLjtWKvlok2P80Nmv6h6WjkfpMmMZ4vAlkM7GtLl
IHiU9rPp31djpwpQoNQQN8VzJxMq4IdR0JAMaOUSV/oY6Q3voJOW8NW4+sOgLqAr
Ur9Tzwn+WMOo2pxBdjZ0/xI4mG6txDy6YLlh
=Tp7M
-----END PGP MESSAGE-----

Referências

Conteúdo relacionado pelo Google