Como saber se o meu Android é 32 ou 64 bit?

Pode ser um pouco difícil descobrir se o kernel GNU/Linux, presente no seu aparelho Android suporta códigos e instruções em 64 bit ou apenas 32 bit.
Mas é possível achar evidências de que estamos usando uma arquitetura ou outra, se você procurar no lugar certo.
Android content of file /proc/cpuinfo
Há alguns arquivos de sistema que podem ser inquiridos ou lidos diretamente para obter estes dados.
De certa forma, tudo funciona mais ou menos como no Linux — 5 maneiras de saber se o sistema é 32 ou 64 bit.
As informações que são mostradas pela interface gráfica do Android (através do menu Configurações, normalmente não são muito elucidativas, neste sentido.
Os métodos que serão expostos, aqui, pedem que você tenha um emulador de terminal instalado no seu aparelho.

Use o comando uname

Se você tiver um aparelho rooteado, pode usar o comando uname, para inquirir o sistema:

uname -a

O resultado, em um Galaxy Tab S 3, foi o seguinte:

Linux localhost 3.4.34-850131 #1 SMP PREEMPT Wed Sep 25 20:39:09 KST 2013 i686 GNU/Linux

Procure, no seu resultado pelas sequências “amd64” ou “x86_64” — que indicam que você está rodando no modo 64 bit.
ARMv8 cpu
O comando uname -a exibe as seguintes informações, respectivamente: nome do núcleo do sistema, nodename, versão do kernel, máquina, processador, plataforma de hardware, sistema operacional.
É importante entender que o uname retorna informações tanto do seu software quanto do seu hardware. Mesmo tendo uma máquina 64 bit, ela pode estar rodando exclusivamente softwares 32 bit — acontece.

Método online

Este método não é perfeito… mas pode funcionar.
Visite o site WhatsMyOS, com o seu smartphone, para obter informações sobre o seu sistema operacional.
Versão do Linux Android
No caso (veja a imagem acima), aparelhos Android 4.1.2 não têm suporte a 64 bit.

Atualmente, as aplicações que se beneficiam de processadores 64 bit, são jogos, leitura de impressões digitais, reconhecimento facial, interação por fala — e a (cada vez mais necessária) criptografia.

Verifique o arquivo /proc/cpuinfo

No terminal do Android, execute o seguinte comando:

cat /proc/cpuinfo

Abaixo, há alguns indicadores da arquitetura presente no aparelho que estou usando como exemplo:

Processor       : ARMv7 Processor rev 1 (v7l)
processor       : 0
BogoMIPS        : 4.80

processor       : 1
BogoMIPS        : 4.80

Features        : swp half thumb fastmult vfp edsp neon vfpv3 tls
CPU implementer : 0x41
CPU architecture: 7
CPU variant     : 0x2
CPU part        : 0xc09
CPU revision    : 1

Hardware        : SAMSUNG GOLDEN
Revision        : 006a
Serial          : 4790096d5994b03c

A arquitetura 64 bit, só foi introduzida na versão 8 dos processadores ARM. O processador do exemplo, é um ARMv7 (32 bit, portanto).


Embora este método seja popular, é preciso estar atento ao usar o /proc/cpuinfo para detectar os recursos (features) em CPUs ARMv8 — uma vez que este arquivo reflete as características do kernel em uso, em vez das da aplicação em execução.
Na arquitetura 64 bit, dos processadores da família ARMv8 a seção Features apresenta os novos recursos “sha1”, “sha2” e “CRC32”:

Features        : fp asimd evtstrm aes pmull sha1 sha2 crc32 half thumb fastmult vfp edsp neon vfpv3 tls vfpv4 idiva idivt vfpd32 lpae

Em arquiteturas Intel ou AMD, 64 bit você vai encontrar, nesta linha, o recurso lm (long mode) — uma evidência clara de que se está usando um sistema 64 bit.
intel-atom-Z2460-medfield

Comandos Linux que ajudam a determinar se o sistema é 32 ou 64 bits

É possível determinar a arquitetura do seu sistema com 2 ou 3 cliques na tela, dependendo da versão do desktop gráfico que você estiver usando.
Neste artigo, vou mostrar como obter esta informação na linha de comando. O motivo disto é que esta informação poderá ser aplicada em qualquer sistema Linux, independente da sua versão ou tipo de ambiente gráfico que estiver sendo usado.

Intel Pentium M 1.4 Ghz Banias Core
Clique para detalhes.

Alguns destes comandos, podem ser aplicados, até mesmo, em um emulador de terminal de um celular ou tablet Android.

Saber extrair informações sobre a arquitetura do sistema é muito útil no momento de instalar ou compilar um novo software que vem empacotado para diversas arquiteturas — 32 bits, arm, 64 bits etc.

Saiba como verificar se o seu dispositivo Android é 32 ou 64 bit.

Como usar o comando uname para saber se o sistema é 32 bits ou 64 bits

A saída do comando UNAME varia intensamente de acordo com a arquitetura e a plataforma de hardware/software usada.
Uma das formas mais eficientes de usar o comando uname é em conjunto com o comando grep.
Se você usar o parâmetro -a, o uname irá exibir todas as informações que tiver sobre a máquina. Veja um exemplo:


uname -a

Linux VoYag3r 3.13.0-32-generic #57-Ubuntu SMP Tue Jul 15 03:51:12 UTC 2014 i686 i686 i686 GNU/Linux

No exemplo, acima, vê-se uma saída típica de uma máquina 32 bits (note a string i686):
Abaixo, segue um exemplo do resultado do comando uname -a, em uma máquina de arquitetura 64 bits.

Linux caddy.stratOS.com 2.6.9-5.0.5.EL #1 SMP Tue Jul 15 03:55:02 UTC 2014 ia64 ia64 ia64 GNU/Linux

A string ia64 — abreviatura para Intel Architecture 64 – indica que o processador é 64 bits.
Você também pode reduzir a quantidade de informações, para obter apenas a arquitetura da máquina, assim:


uname -m

i686

Use o conteúdo do /proc/cpuinfo

Há várias informações úteis sobre a sua CPU, neste arquivo.
Determinar a arquitetura da sua máquina, a partir do /proc/cpuinfo pode exigir um pouco mais de conhecimento.
Use o comando grep para filtrar as informações — neste momento, só interessa o que se encontra no item flags da saída do comando. Veja:


cat /proc/cpuinfo | grep flags

Procure na sua listagem o flag lm — abreviatura para longmode. Este item indica suporte a 64 bits.

cpuinfo informações sobre a arquitetura do pc no linux
Clique para ver detalhes.

Use o comando file para descobrir a arquitetura

Determine o tipo de arquivo do init, assim:


file -e elf /sbin/init | grep -i bit

A primeira linha, do resultado do comando, tende a mostrar se a sua máquina é 32 ou 64 bits.
A figura, abaixo, mostra um exemplo da saída do comando.

Captura de tela da saída do comando file
Clique para ver detalhes.

Use o comando arch

O comando arch retorna a mesma saída de dados e informações que o uname -m.
Esta é, talvez, a maneira mais direta de obter informações sobre a arquitetura do seu sistema. Veja:


arch

ia64

Use o lshw

Este método pode apresentar resultados bem interessantes, mas tem alguns pontos chatos negativos:

  • A grande quantidade de informações, disponibilizada pelo comando lshw, pode levar à desinformação, em vez de te fornecer dados mais precisos
  • Por exibir um fluxo muito grande de informações e inquirir cada peça do seu hardware, o comando é lento
  • Precisa ser executado com privilégios administrativos ou a listagem pode ficar incompleta — uma vez que os usuários comuns não têm acesso às informações e aos recursos de todos os dispositivos do sistema

Ainda assim, eu te encorajo a fazer alguns testes, para ver qual deles lhe retorna resultados mais relevantes.
Para aumentar a velocidade da listagem, direcione o resultado para um arquivo texto, assim:


sudo lshw > lshw.txt

Em seguida filtre as informações do arquivo lshw.txt, com o comando grep. Veja um exemplo:


cat lshw.txt | grep -A 5 "logicalcpu"

 *-logicalcpu:0
             descrição: CPU lógico
             ID físico: 0.1
             largura: 32 bits
             capacidades: logical
*-logicalcpu:1
             descrição: CPU lógico
             ID físico: 0.2
             largura: 32 bits
             capacidades: logical[/plain]

ou assim:


sudo lshw -class processor

*-cpu                   
       product: Intel(R) Core(TM) i5-2537M CPU @ 1.40GHz
       vendor: Intel Corp.
       physical id: 1
       bus info: cpu@0
       size: 1548MHz
       capacity: 2300MHz
       width: 64 bits
       capabilities: fpu fpu_exception wp vme de pse tsc msr pae mce cx8 apic sep mtrr pge mca cmov pat pse36 clflush dts acpi mmx fxsr sse sse2 ss ht tm pbe syscall nx rdtscp x86-64 constant_tsc arch_perfmon pebs bts rep_good nopl xtopology nonstop_tsc aperfmperf eagerfpu pni pclmulqdq dtes64 monitor ds_cpl vmx smx est tm2 ssse3 cx16 xtpr pdcm pcid sse4_1 sse4_2 x2apic popcnt tsc_deadline_timer xsave avx lahf_lm ida arat epb pln pts dtherm tpr_shadow vnmi flexpriority ept vpid xsaveopt cpufreq[/plain]

É preciso ser cuidadoso com a interpretação do comando lshw por que, mesmo em sistemas 32 bits, é possível ter vários componentes 64 bits (e vice-versa), como placas PCI etc.

Use o getconf

A função do getconf é inquirir sobre as variáveis do sistema. Uma destas variáveis é a LONG_BIT, que dá informações precisas sobre a arquitetura do seu sistema.
Observe:


getconf LONG_BIT

64

Conclusão

O objetivo do artigo é, além de apresentar uma solução para um problema comum a muitos usuários, mostrar alguns comandos Linux e como podem ser úteis ao caso.
Espero que você tenha se divertido tanto quanto eu e, se quiser, compartilhe o artigo com seus amigos nas redes sociais.
Se você prefere usar outras formas para detectar a arquitetura do seu sistema, fique à vontade para escrever nos comentários — assim, você pode ser útil a outros leitores.

LEIA MAIS

Qual Ubuntu escolher?

O Ubuntu é um sistema operacional, de código aberto, com mais de 20 milhões de usuários, ao redor do mundo.
Ao acessar o site de download do Ubuntu no Brasil ou o site internacional, uma versão do Ubuntu é apresentada por padrão. Mas, será que ela é a mais indicada para você?
qual ubuntu escolher
Este texto é orientado a ajudar as pessoas escolher a versão mais adequada do Ubuntu para instalar.

Qual o melhor Ubuntu para máquinas mais antigas?

A cada 6 meses, uma versão nova do Ubuntu é lançada – tradicionalmente, nos meses de Abril e Outubro. Desta forma, você sempre tem uma versão atualizada para instalar e usar.
Não importa se sua máquina é nova ou velha — instale sempre a versão mais atual do Linux. As versões atualizadas vem sempre com correções de erros e melhorias pro seu hardware. Se a sua máquina for antiga, há uma probabilidade crescente de ela ser contemplada com uma maior quantidade de melhorias e correções de erros conhecidos.
Se você acredita que os recursos visuais das novas versões tornam a máquina mais lenta, há meios para desligá-los. Não faz sentido optar por uma versão velha e ultrapassada do Linux.
Se a sua máquina tem recursos muito restritos, então você talvez deva considerar instalar outra distro Linux ou uma das variações do Ubuntu para máquinas com recursos limitados — mas siga a regra: opte sempre pela mais atual.

O que é Ubuntu LTS?

LTS, em inglês, quer dizer Long Term Support — “suporte prolongado“, em português.
Para quem usa um computador em produção, para trabalho e necessita de mais estabilidade e confiabilidade, há as versões LTS do Ubuntu, nas quais a Canonical refreia seu ímpeto para empacotar os softwares mais novos e que ainda não foram suficientemente testados.
As versões LTS são voltadas ao público corporativo, profissionais liberais ou qualquer outra pessoa que precise privilegiar a estabilidade e a confiabilidade.
A Canonical tem atualizado as versões LTS a cada 2 anos. Cada uma delas tem 5 anos de tempo de suporte. Ou seja, A LTS mais estável, hoje, é a 12.04 — com suporte previsto até 2017.
Desta forma, sempre haverá 2 LTS disponíveis: uma estável e outra mais estável ainda.
Se você acha que a estabilidade não é tão importante e prefere ter os programas mais atualizados instalados em sua máquina, vá para a versão mais nova que houver disponível no site, independente de ser LTS ou não.
Em ambiente de produção, a versão LTS mais estável é a mais recomendada.
Aqui a regra sobre optar pela mais atual deve ser quebrada, caso você tenha uma necessidade maior de estabilidade. Pela lógica, a versão LTS anterior (no caso, a 12.04) tem mais tempo de estrada que a 14.04 — e, portanto, é a opção recomendada.

Ubuntu Alpha e Beta

Estas versões são o oposto das LTS: são versões de teste, que usam as últimas versões dos softwares disponíveis e com muito pouca estabilidade.
Se você tiver mais de um computador, pode separar uma máquina exclusiva para testes — e, nela, pode experimentar a versão Beta ou Alpha do Ubuntu.
As versões Alpha precedem as Beta e são, portanto, mais instáveis.

Por que eu deveria instalar Ubuntu Alpha ou Beta?

Em primeiro lugar, você não deve instalar software beta em máquinas de produção. Neste estágio, os programas ainda são muito instáveis e podem atrapalhar mais do que ajudar.
Há basicamente 2 motivos para instalar versões de teste de softwares:

  • Conhecer o que há de mais novo no desenvolvimento daquele software. Quando a versão estável for lançada, você já terá mais intimidade com ele do que a maioria das pessoas;
  • Ajudar no desenvolvimento — os beta-testers são muito bem vindos na comunidade Ubuntu. Uma das melhores maneiras de ajudar a sua distro favorita é usar sua versão beta e dar retorno sobre o que achou, como funcionou, os problemas que teve etc.
    Alguns projetos dão créditos aos seus beta-testers mais ativos.

Ubuntu 32-bit ou 64-bit?

A versão 32-bit é a escolha mais segura para quem tem máquina com recursos limitados.
Os desenvolvedores já portaram seus softwares ou os tem reescrito para o ambiente 64-bit — que aproveita muito melhor a capacidade e os recursos de seu hardware.
Se o seu sistema de hardware é 64-bit e você não tiver algum “motivo especial” para usar uma versão 32-bit, vá de 64-bit.

Ubuntu, Kubuntu, Xubuntu ou Lubuntu

A relação de derivados ou spins do Ubuntu é bem grande.
Como é impossível um único sistema operacional satisfazer a toda a sua base de usuários, desenvolvedores criam customizações a partir da distro original, para atender a usuários com necessidades diferenciadas.
O assunto merece um post exclusivo — por isto, vou procurar ser o mais sucinto possível aqui.
Instalar uma distro Linux em um pendrive, para testar, é sempre um bom ponto de partida, para começar a conhecer as opções que você tem.
Tanto o Ubuntu quanto o Kubuntu são opções com bastante recursos visuais. O ambiente gráfico do Ubuntu usa o Unity, que tem uma concepção bem moderna e que se integra bem a dispositivos com tela de toque.

LEIA MAIS:

O Xubuntu e o Lubuntu são voltadas para quem prefere mais simplicidade, menos recursos visuais e um ambiente mais rápido e ágil. São ótimas para quem tem uma máquina mais antiga ou para quem usa netbooks.
Espero ter conseguido demonstrar as qualidades e as diversas possibilidades do Ubuntu. Se você tiver alguma dica ou experiência pessoal, sinta-se à vontade para compartilhar com a gente, nos comentários.