Livrarias online nos Estados Unidos

Se você lê bem em Inglês ou gostaria de melhorar a sua leitura neste idioma, adquirir livros pode ser uma boa pedida.
Neste texto, trago o resultado da minha modesta pesquisa de sites de livrarias norte-americanas, que têm sites de venda online.

O assunto não se esgota com este post, por que a quantidade é enorme.
Claro que a maioria das pequenas e médias livrarias luta para sobreviver na concorrência com as gigantes Amazon, Barnes and Noble etc.
Muitas delas, se unem e formam um único site de vendas online, como estratégia para se manter no mercado.
Vale a pena conhecê-las e passar algum tempo em seus sites — onde é possível encontrar muitos tesouros ávidos pela sua descoberta.

Não deixe de ler meu post sobre as livrarias britânicas online.

Não estabeleci muitas regras para que a loja pudesse figurar na lista. Mas disponibilizar entrega para o Brasil é uma regra óbvia.
Você mesmo(a) pode checar esta possibilidade procurando por international delivery ou shipping, no site de qualquer uma delas.
Em geral, estas informações se encontram em páginas ou FAQs acessáveis por links no rodapé da página principal.

Se cometi algum engano, por favor, use a seção de comentários para avisar (a mim e aos outros leitores).
Aproveite também, se quiser, para sugerir outros sites, nos Estados Unidos, de onde podemos importar livros com a segurança de que vamos receber. 😉

Barnes and Noble

Esta é provavelmente a livraria que compete mais fortemente com a gigante Amazon, dentro e fora dos Estados Unidos.
A loja tem a vantagem de aceitar vários cartões de crédito e o PayPal.
Barnes and Nobles site

Como um grande conglomerado, tem seus próprios formatos de ebooks (nook) e uma linha de leitores digitais para lê-los.
É claro que você pode usar um aplicativo Android ou IOS, para ler qualquer formato no tablet ou no celular — caso não consiga ou não queira adquirir um leitor específico.
Há também aplicativos para PC, que leem o formato nook.

DeseretBooks.com

Imagem do site Deseret books

A empresa pertence a uma denominação religiosa e, portanto, espere encontrar vários artigos nesta “direção”.
As publicações oferecidas seguem a visão religiosa dos líderes da igreja.
No meio disto tudo, é possível encontrar ofertas de autores clássicos da língua inglesa.
Se isto é importante pra você… A loja não aceita PayPal, até o momento.

Link: https://deseretbook.com/.

AbeBooks.com

Imagem do site Abe books

Tal como outros sites, é formado por várias pequenas lojas que vendem seus artigos no Abe Books. Algumas destas lojas aceitam PayPal.
A rede tem subsidiárias, no Reino Unido, na Itália, na Alemanha etc.

Link: https://www.abebooks.com/.

HudsonBooksellers.com

Imagem do site Hudson books

Nos Estados Unidos, o Hudson Group trabalha com uma rede de livrarias e restaurantes (fast food).
Suas lojas podem ser encontradas, principalmente em aeroportos e estações de trem.
Desde 2008, a rede pertence à companhia suíça Dufry.

Link: https://www.hudsonbooksellers.com/

Powells.com

Imagem do site Powells bookstore

A rede de livrarias Powell’s Books é sediada em Portland, Oregon.
Seu inventário chega a 4 milhões de livros usados, novos e raros.
O site entrega para o Brasil e aceita pagamento com PayPal.

Link: https://www.powells.com/.

BetterWorldBooks.com

Imagem do site BetterWorld Books

A livraria BetterWorld tem entrega (inclusive gratuita) para o Brasil.
Na verdade, só tem esta modalidade de entrega internacional, que não tem possibilidade de rastreamento (tracking).
Como “as coisas” não andam muito confiáveis, do lado de cá, ultimamente, não arriscaria fazer compras de grande volume.
Tem suporte a vários métodos de pagamento, incluindo o PayPal.
Fiquei bem impressionado sobre a documentação do site — as informações que eu precisava foram fáceis de encontrar.

Link: https://www.betterworldbooks.com/.

Quais são as suas sugestões?!

Livrarias online britânicas alternativas à Amazon

Então, prefere evitar a Amazon ou apenas gostaria de conhecer lugares diferentes para comprar seus livros?
Se você também não tem problema em ver opções e alternativas em língua inglesa, este post é para você.

Eu também compro livros na Amazon e tenho um lindo Kindle para tornar meus momentos de leitura ainda mais agradáveis.
Mas também gosto de comprar de outros lugares, tanto os itens físicos, quanto os digitais (ebooks).

Se você tiver pressa para receber seus livros, recomendo procurar sites de livrarias nacionais (que costumam ter livros importados no estoque).
Livros (de papel), comprados no exterior, podem demorar meses para chegar às suas mãos.
São direcionados à Alfândega, assim que tocam o solo brasileiro (antes de chegar aos Correios, portanto), onde os pacotes sorteados para inspeção passam por um processo de busca e análise.

Livros físicos (de papel) são isentos de impostos, de acordo com o artigo 150, inciso VI, letra “d”, da Constituição Federal.
Mesmo assim, tem que passar pela inspeção…

Os ebooks (livros digitais) podem ser uma opção mais interessante a ser considerada.
Você paga e recebe na mesma hora.
Vale ressaltar que este item (até aonde sei) não é isento de impostos e nem todos os sites vendem ebooks para o Brasil.

Cuidados ao comprar livros no exterior

Não vejo problemas na idoneidade das lojas, em questão.
Os cuidados que você tem que ter são bem óbvios, mas podem escapar no “calor da emoção” de ver o livro que você tanto quer:

  1. Ficar atento às moedas e fazer a conversão, ainda que aproximada, para Real. Nem todas as lojas fazem isto automaticamente.
    Um valor que “parece baixo” em Real ou Dólar, pode ser bem mais alto, quando expresso em Libras Esterlinas.
  2. Se for comprar livros físicos, verifique se a loja faz entregas internacionais (international ou worldwide delivery), novamente, fique atento(a) ao valor do frete.
    Este tipo de informação costuma estar em uma FAQ ou página em separado. Você pode encontrar o link, em geral (não é uma regra), no rodapé da página, sob o nome shipping ou delivery.

Leia também o meu post sobre livrarias online nos Estados Unidos.

As grandes livrarias online no Reino Unido

Independente da distância geográfica, contudo, já sabemos quem é, eventualmente, responsável pela demora na entrega…
E, se você optar por obter uma cópia digital, este fator se torna totalmente insignificante.

Nem todo mundo simpatiza (alguns, com razão) com a empresa do Jeff Bezos. Para estas pessoas, vamos analisar algumas alternativas.
online uk bookstores

Talvez por causa disto, o jornal britânico, Independent, fez sua relação de livrarias online:

  • Hive.co.uk — Trata-se de uma rede de mais de 360 livrarias e você pode, se quiser, escolher uma delas, para fazer a compra.
    Infelizmente, na última vez em que olhei, eles não estavam vendendo ebooks para fora o Reino Unido.
  • Wordery.com — Esta livraria faz competição séria com a Amazon e chega ter opções de frete grátis internacional.
  • Bookbutler.co.uk — Rede de 51 livrarias (incluindo a Amazon), localizadas em vários países europeus.
  • Bookdepository.com — opção de livraria tão boa quanto as outras e aceita pagamento via PayPal.
    Infelizmente, o envio para o “Brazil” está suspenso temporariamente. De acordo com o site “isto é devido a questões aduaneiras no país, que estão fora do nosso controle e estão afetando muito os serviços postais”.
    Acho que era isso que eu dizia, lá no começo… Enfim, esta foi a única referência ao problema, que eu encontrei.
  • Blackwells.co.uk — Este site detecta de onde você está conectando e, no meu caso, avisa que faz entregas no Brasil.
    blackwells site

    Originalmente, era apenas uma livraria acadêmica, com títulos de não-ficção.
    Atualmente, o acervo está bem mais variado, contudo.
    Se tiver tempo disponível, sugiro dar uma olhada na seção de livros raros (rare books) da loja.
    Nas buscas que fiz no site, percebi que ele é bem forte na área de conhecimento.
    Pode ser um bom lugar para encontrar os livros que você precisa para a sua faculdade ou carreira.

  • Waterstones.comTheWorks.co.ukFoyles.co.uk — Dentre várias livrarias ou redes menores se destacam estas 3.
    A Foyles entrega em até 3 dias, para Portugal.
    Tirando o Waterstones, até o momento deste post, os sites aceitam PayPal.

online uk bookstores

Livrarias em outros países de língua inglesa

Uma das boas possibilidades de acessar livrarias situadas, fisicamente, em outros países é comprar livros ou mídias exclusivas (de certa forma) daquele lugar.
Na Bookworm, por exemplo, é oferecido um livro de fotografias dos parques nacionais da Austrália — algo que pode ser difícil (ou não) de encontrar em outros locais.
Literatura produzida por autores regionais é certeza de que se vai encontrar, contudo.
A livraria Bookworm (Austrália) — Oferece a possibilidade de pagamento via PayPal e entrega para o Brasil.
Esta foi a 4a livraria, cujo site eu visitei. As outras 3 apenas faziam entregas dentro do território australiano e na Nova Zelândia — o que talvez já seja complicado o suficiente para eles.

Tire grandes fotos de paisagens com a lente do kit (18-55mm)

A lente do kit é aquela que já vem com a sua câmera, para dar uma opção de equipamento pronto para ser usado, tão logo você termine de desembalar o produto.
Tem limitações, é claro, mas é também a companhia perfeita para muitas situações.

Quando você quer sair para se divertir e fotografar paisagens a 18-55mm pode ser a sua melhor amiga — a menos que o seu melhor amigo também esteja ao seu lado, fotografando. 😉

Segue algumas dicas minhas, para tirar o melhor da sua objetiva e, ao final, um link para uma das várias galerias de fotos das comunidades que usam e se divertem muito com esta lente.

A objetiva 18-55mm, presente em kits e combos da Canon e Nikon, é uma lente padrão e de baixo custo de aquisição.
Como qualquer outra, ela não é perfeita.
O que você precisa, é conhecer melhor suas limitações para extrair o que ela tem de bom (e não é pouco!).

Não leve em consideração a qualidade das imagens que posto neste site — elas são tratadas para carregar mas rápido na web e, portanto, perdem qualidade substancial.
Apenas clique na imagem que deseja ver em tamanho grande, que eu te levo à versão original. 😉

Qual a importância dos equipamentos, para tirar boas fotos?

Cada vez mais, me convenço que os equipamentos não são essenciais para obter as melhores imagens.

Uma boa imagem… é uma boa imagem.
Não interessa como você a obteve.

Cartier-Bresson, Fan Ho e tantos outros grandes fotógrafos, ativos no século passado, tinham muitos menos nas mãos do que você tem hoje.
Mesmo assim, foram capazes de produzir fotos incríveis e inesquecíveis.

Flores em preto e branco.

Portanto, não dê atenção a quem fica insistindo na bobagem de que você tem que comprar equipamento melhor.
Procure melhorar a sua técnica e trabalhar a sua criatividade.
As suas próximas imagens irão refletir este esforço.

Eu gosto de chuva… mas só tiro o equipamento de dentro de casa, quando ela acaba.
Para lugares aonde há outros riscos, além de molhar minha câmera, prefiro sempre levar a minha lente mais barata.

O que garante fotos bonitas é tudo o que está ao redor do conjunto câmera+lente.
É você, seu espírito criativo e o ambiente, com sua luz e a paisagem a ser registrada.

banco em frente ao bosque

A distância focal

Para simplificar, caso você seja iniciante na fotografia, a distância focal é o zoom da sua objetiva.
Neste post falamos de um zoom compreendido entre os valores 18 e 55.

Você pode usar uma distância focal baixa (18mm, por exemplo) para obter uma imagem mais ampla.
Com este valor, é possível incluir muito mais elementos da paisagem na sua foto, tanto horizontal como verticalmente.
Com um valor de zoom máximo (55mm), já dá para obter mais detalhes de uma de uma parte da paisagem.

Não fique contando com a possibilidade de “cortar a imagem” no computador, mais tarde.
Ajuste o zoom e a sua composição e tire logo a foto daquilo que você quer.
Uma imagem recortada e ampliada não tem, nem de longe, a mesma qualidade daquela que você destacou usando o zoom.

A distância focal pode ter um impacto no efeito bokeh, é bem verdade. Mas este assunto vai ter que ser tratado com mais profundidade em outro post, claro.

Camadas e profundidade

Na fotografia de paisagem, é útil entender as camadas e a profundidade.
Os dois elementos, combinados, podem ajudar a dar mais corpo à sua paisagem.
Experimente compor objetos próximos com a paisagem ao longe.
O “objeto próximo” pode ser uma árvore, uma flor, uma pessoa…
Você pode experimentar focalizar num e noutro alternadamente.

Vista do Brooklyn.

Posicionamento

Mude sua posição em relação à paisagem.
Suba em uma árvore (se ainda tiver idade para isso…). Tente uma abordagem sentada(o) ou deitado(a) no chão.
Caminhar 50 metros para o lado ou para frente/trás pode mudar totalmente a perspectiva e o resultado final.

Já falei da composição?

Procure se ater às regras básicas da composição.
É claro que as regras são para serem quebradas — mas isto só vale para quem as conhece bem e já domina a fotografia dentro delas.
Tenha em mente a regra dos terços, por exemplo.
Tire fotos um pouco mais amplas, para poder ter espaço para cortar e recompor mais tarde na tela do PC.

Repassando as dicas

  1. Tire muitas e apague muitas fotos.
    Quando chegar em casa, use a tela grande do seu computador para analisar cada uma das suas imagens.
    Fique apenas com as melhores e apague todo o restante.
    Se você está usando a resolução máxima da sua câmera ou registrando em RAW, pode acabar com o disco abarrotado de arquivos em pouco tempo.
    Por isso, é importante apagar tudo o que ficou duplicado ou não ficou bom.
  2. Tire fotos com um ângulo mais aberto e distância focal mínima e também com o zoom máximo, da mesma paisagem.
    Mais tarde, você pode escolher qual ficou melhor.
  3. Use o zoom da lente para destacar uma parte da paisagem, que você julgou interessante.
    Ao deixar para recortar depois, no PC, haverá perda significativa da qualidade.
  4. Procure compor a foto da paisagem com um objeto próximo. Isto ajuda a dar uma dimensão e, até mesmo, dramaticidade à sua foto.
  5. Use seus pés. Caminhe e experimente tirar fotos da mesma paisagem, só que de lugares e ângulos diferentes.
  6. Se você é iniciante, siga as regras de composição e se esforce para dominá-las, antes de cogitar quebrá-las.

Você tem mais dicas para fotografar com uma 18-55mm?! Compartilhe com a gente, nos comentários.

Uma imagem vale mil palavras…

Para finalizar, segue uma seleção de imagens, no Flickr de comunidades que fotografam com a 18-55mm.
Você vai encontrar vários grupos dedicados às lentes 18-55mm, na rede social.
Alguns destes grupos são voltados especificamente a determinadas marcas, que produzem estas lentes.
Veja a relação geral: https://www.flickr.com/search/groups/?text=18-55mm.
Uma das mais numerosas, dos usuários Canon, conta com mais de 120 mil inscrições: https://www.flickr.com/search/?group_id=556573%40N24&view_all=1&text=landscape.

Ainda não tem uma câmera?
Veja aonde comprar a sua.
Nikon com lente 18-55mm: https://amzn.to/2uL7mjD.
Canon com lente 18-55mm: https://amzn.to/2uRpKYd.
Fujifilm com lente 18-55mm: https://amzn.to/2Iyg2vR.

Se quiser adquirir apenas a lente:
Objetiva Nikkor 18-55mm: https://amzn.to/2GE6mDu
Objetiva Canon EF-S 18-55mm: https://amzn.to/2JmEpOj.
Objetiva Fujifilm 18-55mm: https://amzn.to/2GDateW.

Como pedir a Richard Stallman para analisar o seu Linux.

O vrms é um pequeno utilitário, para a CLI, que faz uma análise do conjunto de pacotes, presentes no seu computador, que faz um relatório dos pacotes componentes instalados das árvores contrib e non-free.

Chamado vrms — Virtual Richard Matthew Stallman (RMS) — em alusão ao nome do fundador do Movimento pelo Software Livre , verifica se você está usando apenas softwares 100% livres e avisa quando houver algo destoando.

De acordo com a auto-descrição do pacote, “em alguns casos, as opiniões de Stallman divergiram das do projeto Debian”.
Nestes casos, a comunidade Debian segue as diretrizes do Debian Free Software Guidelines ou Contrato Social Debian.

O aplicativo vrms não se limita a sistemas Debian e nem ao Linux.
Pode ser executado em qualquer sistema operacional.
Apenas, neste texto, estou me baseando no Debian.

Há previsão para, futuramente, permitir ao vrms exibir textos do RMS, mostrando porque o uso de cada pacote non-free pode causar problemas morais a membros da comunidade do Software Livre.

Use o apt, para instalar:


sudo apt install vrms

Após a instalação, ele pode rodar sob privilégios normais. Veja os meus resultados:


vrms

    Non-free packages installed on ultra

firmware-iwlwifi                    Binary firmware for Intel Wireless cards
firmware-realtek                    Binary firmware for Realtek wired/wifi/BT adapters

    Non-free packages with status other than installed on ultra

tome                                ( dei)  single-player text-based roguelike dungeon sim

    Contrib packages with status other than installed on ultra

spectemu-common                     ( dei)  Fast 48k ZX Spectrum Emulator (common files)

  3 non-free packages, 0.1% of 2067 installed packages.
  1 contrib packages, 0.0% of 2067 installed packages.

Aonde eu me surpreendi:

  • Pra começar, achava que iria ter mais softwares não livres no meu sistema (por que instalo, realmente, muita coisa).
    Enfim, foram apenas 3.
  • Os firmwares, “pra variar”, não surpreendem ninguém… Mas vejo que só preciso de um deles e, portanto, o outro vai sair voando pela janela, claro.
  • O jogo tome, também é uma surpresa que não seja 100% livre. Ao passo que o emulador do Spectrum ZX, em função de algumas ROMs, não me surpreende por se encontrar neste “estado deplorável” de não ser completamente livre.

Você não é obrigado a desinstalar nada do seu sistema.
O utilitário apenas fornece um feedback, para satisfazer a curiosidade do usuário.
É claro que acaba por ser muito útil a quem gostaria de remover o máximo de softwares não livres de seu sistema e, o que é melhor ainda, questionar os desenvolvedores ou as empresas responsáveis pelo código que não se encaixa nestas condições.

Me conta quais foram os seus resultados e o que pretende fazer em relação a eles. 😉

No meu caso, deixei apenas os firmwares proprietários instalados. Fiquei com um resultado de 99.9% de softwares livres instalados no meu sistema.
Mas, com a colaboração da Intel e da Realtek, poderia ser 100%! 😉

Qual a melhor lente do kit para tirar retratos de pessoas? A 18-55mm ou a 75-300mm?

Muitas câmeras são vendidas acompanhadas de uma ou duas lentes, em um kit (ou combo), para ajudar quem está adquirindo seu primeiro equipamento DSLR ou Mirrorless a começar a fotografar, logo depois de desembalar seu novo produto.
Por causa disso, são chamadas de kit lenses ou lentes do kit.

Contudo, para manter os preços baixos, os fabricantes tendem a escolher as lentes mais baratas, para integrar o kit ou a combo box.

Este é um site para geeks autênticos e não para quem sofre de consumismo desenfreado. Desculpe.
O objetivo, aqui, é sempre procurar tirar o máximo do que temos em mãos, em vez de sair por aí, que nem maluco, para comprar coisas novas.

lentes canon
Lentes Canon EF-S 18-55mm e EF 75-300mm, fotografadas de um celular comum.

Eu poderia passar horas explicando por que o consumismo excessivo não vai ajudar a tirar fotos melhores — mas, se você ainda está aqui, acho que já concorda com este ponto.

Vamos à resposta e, ao final do post, clique nos links para as galerias de imagens, com vários retratos tirados com estas lentes.
Espero que isto ajude a tirar suas próprias conclusões. 😉

A objetiva 18-55mm

A Canon, entre outros grandes fabricantes, tem comercializado 5 modelos desta lente.
Alguns vêm com o STM (motor silencioso) para autofoco e estabilização de imagem.
Outras vêm sem estes recursos e, por isto, podem ser adquiridas a preços bem mais em conta.
Outra diferença comum é que as mais atuais possuem abertura máxima de 4 a 5.6, enquanto as anteriores podiam entregar até 3.5 (um ganho de aproximadamente 20% a favor das antigas).
Segundo a Canon, as lentes mais atuais possuem um sistema de estabilização melhorado, que pode compensar esta “perda” e entregar a mesma qualidade de imagem — por que permite que se use um tempo de exposição maior.
De maneira geral, é voltada para tirar fotos de paisagens (entre 18-35mm) e retratos (acima de 35mm).
Também atende à fotografia macro.

A objetiva 75-300mm

É uma das linhas tradicionais de algumas marcas e tem evoluído no decorrer dos anos.
A versão Canon EF 75-300mm III, é comercializada desde 1999, sucedendo a versão II (de 1995). Tem documentação atualizada e, portanto, é uma boa opção de compra entre as lentes mais baratas.

De modo geral, as pessoas podem ter bons resultados para retratos na distância focal entre 75 e 135mm. Se tiver o recurso de estabilização de imagem (Image Stabilization (IS) ou Vibration Reduction (VR), na Canon e Nikon, respectivamente) ou com o uso de um tripé, dá para ir além desta distância, sem perder a nitidez.

Por que estas lentes não são excelentes para retratos?

Ambas são listadas na categoria general photography (fotografia geral), em sites de fabricantes e cobrem parte das distâncias focais preferidas por fotógrafos de retratos (portrait photographers).

Para conseguir capturar uma imagem dentro de uma profundidade de campo razoavelmente curta — ou seja, uma pequena área com nitidez, enquanto o restante fica desfocado — é melhor usar lentes com capacidade de abertura entre f/1.2 e f/2.8.
Valores menores de abertura permitem focalizar um objeto ou uma pessoa enquanto todo o resto “desaparece” em um grande borrão. E este não é bem o caso aqui.

Se o que você quer é um bokeh, ainda é possível obter o efeito, com um pouco de técnica e jogo de cintura.
Afaste a pessoa, que você deseja fotografar, o máximo possível do fundo e chegue você mais perto dela.
As duas objetivas fazem o trabalho.

Como benefício adicional, as lentes com melhor capacidade de abertura, permitem usar tempo de exposição menor e ISO mais baixo — o que se traduz em imagens bem mais nítidas e menos ruído.
Infelizmente, as duas lentes de que estamos falando, neste post, são incapazes de obter tais valores de abertura.

Adicional ao problema da profundidade de campo, você também precisa ter em mente que a distância focal delas pode não ser ideal para retratos.
Quando você clica em valores inferiores a 35mm, as lentes produzem distorções desagradáveis para fazer retratos de pessoas — por exemplo, os narizes podem ficar mais largos em relação ao restante do rosto.
Cachorros ficam lindos assim, mas as pessoas, não.

Por outro lado, distâncias superiores a 150mm, tem o efeito contrário nos rostos das pessoas — deixando-os mais achatados ou afinados.
Muitos fotógrafos profissionais tendem a usar uma faixa de distância focal intermediária, entre 50mm e 135mm (usando sensores full frame, como referência).

Ok. Eu perguntei “qual é a melhor”…

Se tiver que escolher uma delas, eu iria com a segunda – 75-300mm – com o uso de um valor de abertura f/4 e me manteria na distância focal entre 75mm e 150mm — optando por usar um tripé, para aproveitar melhor a luz natural, se não tiver estabilização.

Uma imagem vale 1000 palavras

Para finalizar, veja algumas galerias de retratos no Flickr, referentes às lentes de que falamos neste post:

Nikkor 18-55mm (Nikon): https://www.flickr.com/search/?group_id=2301759%40N21&view_all=1&text=headshot.

Canon EF 75-300mm: https://www.flickr.com/search/?group_id=86282991%40N00&view_all=1&text=headshot.

Você ainda não tem uma lente? Gostaria de ter uma ideia dos preços? Veja aonde encontrar, abaixo:

  1. 18-55mm: https://goo.gl/2ft33r (Nikon)
      https://amzn.to/2Gx0pZ5 (Canon)
  2. 75-300mm: https://amzn.to/2GCNznK (Canon)
      https://amzn.to/2GyBMLm (Nikon)

E então? 😉
Você acredita que dá para tirar boas fotos com as lentes do kit?