Edite suas imagens com o Polarr

O Polarr é um aplicativo multiplataforma, para edição e manipulação de imagens, impressionante.
Por multiplataforma, entenda-se que roda em Windows, MacOS, Android, ChromeOS, Linux (yeah!) e como webapp, ou seja, no seu navegador.

A última opção permite acessar o programa sem instalar absolutamente nada — ou seja, você pode continuar a usar quando estiver fora de casa e no computador dos outros.
A versão para Linux é instalável a partir de um pacote snap e vai rodar em segurança, dentro de um contêiner. Se você não usa o Ubuntu, pode precisar instalar suporte ao snap na sua distro.

Licença de uso

Infelizmente, não se trata de software livre. É proprietário e não há acesso ao código fonte.
É gratuito, mas os membros pagantes têm acesso a alguns mimos.
O valor da licença mensal é (na data deste post) US$ 2,49. Se você contratar por um ano, o valor cai para US$ 1,99.
A diferença é de US$ 29,88 (plano mensal) e US$ 23,88 (plano anual).

Como instalar o Polarr

Usuários Android podem instalar o app direto da loja Play Google.

Quem usa o iOS, pode ir à loja da Apple.

O pessoal que usa Ubuntu Linux, irão encontrar o snap dentro da loja da sua distro ou no site SnapCraft.
instalar polarr
Em qualquer distro Linux, com suporte a snap, é possível instalar o app da linha de comando:


sudo snap install polarr

polarr snap install

Por fim, se preferir usar o Polarr como webapp, acesse o site: https://photoeditor.polarr.co/.

Se você usa o Google Chrome, como navegador, pode acessar uma versão feita para o ChromeOS, como plataforma, no link https://chrome.google.com/webstore/detail/polarr-photo-editor/djonnbgfieijldcieafgjcnhmpcfpmgg.

Acho estas 2 últimas opções excelentes, por que não penalizam o desempenho do sistema e mantém a agilidade e a estabilidade do programa.
Só que trabalhar com imagens grandes online pode ser trágico durante o processo de transferência de dados. Apenas tenha isso em mente.
Contudo, pequenas imagens, para compartilhar nas redes sociais, não são causa para preocupação neste sentido.

Conclusão

polarr file formats

O aplicativo (testei a versão para Linux, no Debian 10 e a ChromeOS) grava arquivos no formato JPEG, PNG e TIFF.
É claro que estes formatos de arquivos são padrões e, pelo menos, o TIFF e o PNG permitem trabalhar, importar e exportar arquivos sem perdas significativas de qualidade.
A falta de suporte a arquivos RAW torna difícil encarar o uso do produto para fins profissionais, contudo. Mas isso é um mero detalhe.

Leia mais sobre fotografia e edição de imagens.

Instale o suporte ao snap no Debian, ainda hoje.

Se você não tem qualquer justificativa para não usar o recurso de instalação simplificada de softwares, proporcionado pelo SNAP, da Canonical, então por que não o instala?

Tradicionalmente, os softwares são disponibilizados em pacotes, nas distribuições GNU/Linux.
Geralmente, eles mantém registro de todos os outros softwares de que dependem — ou seja, ao instalar um pacote, este irá verificar se o sistema atual já tem os softwares e bibliotecas necessárias para o seu funcionamento.
Se não tiver, o gerenciador de pacotes vai avisar que precisa instalar também o software ou a biblioteca A, B, C etc. para que o novo pacote de softwares possa funcionar adequadamente.

Este processo funciona muito bem, mas os desenvolvedores de softwares para Linux, imaginaram que poderia fazer melhor ainda.
O sistema de empacotamento SNAPD e FLATPAK (vou escrever esses nomes em minúsculas, daqui para frente) oferecem uma metodologia de empacotamento diferente.
Resumidamente, os snapd ou flatpak empacotam todo o “software satélite” necessário para o funcionamento do programa principal, dentro das versões em que os desenvolvedores previram que iriam funcionar.
Todos os componentes de sistema também são empacotados — exceto os mais básicos, como os que permitem acesso a rede entre outros recursos inerentes ao sistema operacional.

Além disto os snaps são imagens de apenas leitura (read only) e trabalham em áreas seguras, isoladas de outros snaps — o que não quer dizer que não possam interagir. Só que mantém a independência.

Os snaps podem ser baixados e adquiridos de uma loja central ou repositório — um conceito com o qual você já deve estar acostumado, se já usa o Linux há algum tempo.

Aliás, do ponto de vista do uso, os snaps não diferem muito do que você já faz com o apt (Debian e Ubuntu) ou com o dnf (Fedora), para citar alguns poucos exemplos de gestores de pacotes.

Você simplesmente instala e desinstala da mesma forma que já fazia.

Não existe conflito ao continuar a usar o método de instalação atual com o que já está acostumado (e que continua a ser o mais indicado) e, quando entender que é mais vantajoso, usa o snap (ou o flatpak).

Neste post vou mostrar como instalar o snapd — um ambiente de gestão que cuida da instalação e da atualização dos seus snaps, com o uso do sistema transacional, bem como da coleta de lixo (garbage collection) de versões antigas de snaps.

O sistema de snaps é uma criação do pessoal do desenvolvimento da Canonical, com o objetivo de tornar os sistema de gestão de softwares ainda mais simples e seguro.

Como instalar o snapd

Uma vez que se trata de “uma cria” da Canonical, quem usa Ubuntu, não precisa se preocupar — por que ele já vem instalado e pronto para usar.
Se você usa o Debian (como eu!), precisa apenas instalar o snapd, assim:


sudo apt install snapd

A partir daí já é possível instalar os snaps que quiser.

Fica a recomendação para continuar a usar o apt normalmente para gerenciar seus softwares e usar o snapd para instalar versões mais novas ou específicas ou, ainda, exclusivas de programas.

Após a instalação, você pode buscar na loja (ainda no terminal) os programas, através de palavras-chave. Veja uma pesquisa por jogos:


sudo snap search game

Name                               Version                     Developer           Notes    Summary
node-games                         0+git.de4e610-dirty         m4sk1n              -        Three fun console games written using Node.
gamecake                           V18.302+git6.615ed9d-dirty  xriss               -        a single exe cross platform game engine
mahjong-game                       1.0                         1bsyl               -        Mahjong game, a one-player game. Based on SDL2
game-2048                          1                           dholbach            -        2048 puzzle game
sudoku-game                        1.0                         1bsyl               -        Sudoku 9x9 game
pingus-game                        0.1                         larryprice          -        Free Lemmings(TM) clone
qt-2048-snap                       1                           keshavnrj           -        Single-player puzzle game.
collision                          2.0.0-2                     brunonova  

...

A lista, acima, está resumida. Na realidade, ele é bem maior.
Você também pode fazer o mesmo procedimento com o comando ‘find’:


sudo snap find game

Para instalar um pacote de softwares (snap), use o comando ‘install’, seguido do nome do snap:


sudo snap install quake-shareware

Download snap "core" (4486) from channel "stable"             21% 3.19MB/s 22.5s
quake-shareware 0.3 from 'njmcphail' installed

… e para remover, use o ‘remove’:


sudo snap remove quake-shareware

snap store

Você pode encontrar loja online, aqui.

wolfendoom: baldes of agony

Foi fácil, não é?
Leia muito mais sobre os snaps, aqui.

Configure o seu navegador Firefox para acessar e instalar as extensões do GNOME

Há, pelo menos, duas coisas muito fáceis, que você já deveria ter feito, se usa o Linux com o ambiente gráfico GNOME.
A primeira delas é configurar o seu navegador Firefox para acessar a página oficial de extensões do GNOME, a partir da qual é possível entrar em contato com um universo de possibilidades incríveis para a sua interface gráfica.

A segunda é conhecer as extensões possíveis e começar a experimentar.
Este assunto foi abordado no post O que fazer depois de instalar o GNOME e vou procurar me aprofundar um pouco neste tópico, a seguir.

Se o seu navegador ainda não estiver pronto para deslanchar todo o potencial do GNOME Shell, uma advertência será exibida no topo da página de acesso, conforme a imagem abaixo.

Para chegar lá, clique no link:

https://extensions.gnome.org/.

Se a página estiver aparecendo em inglês para você, clique em “Click here to install browser extension“.
Clique na figura, abaixo, para obter mais detalhes.
gnome extension

Em seguida o navegador irá pedir mais 2 confirmações, conforme as próximas imagens:
permitir extensão.

Depois do download, a segunda permissão (para instalar) precisa ser dada:
Add extension.

Depois disso basta rolar a página para ver as extensões disponíveis.
As que você “ligar”, serão instaladas e ativadas.
Para remover, basta voltar à página e “desligar” a extensão.
Me conte quais as suas preferidas, depois de experimentar um pouco.

O que você precisa para ter um estúdio de edição de fotos profissional no Linux.

O sistema operacional Linux tem diversas ferramentas importantes, desenvolvidas por fotógrafos e para outros fotógrafos.
O GIMP é o principal software de edição e manipulação de imagens — e costuma vir instalado em algumas distribuições.

Quando este não é o caso, é fácil instalar ele e muitos outros programas e utilitários para este tipo de aplicação.
O GIMP tem uma história semelhante à do Photoshop — ambos são oriundos de trabalhos acadêmicos desenvolvidos por estudantes universitários.
Basicamente, fotógrafos usam um computador para armazenar, catalogar, editar etc. suas imagens.
Este post vai lançar uma luz sobre os programas voltados à catalogação e edição de imagens.
Só para contextualizar, este artigo é baseado no Debian.
Se você usa o Ubuntu ou qualquer outra distro baseada nele, recomendo complementar esta leitura com o post Configure o ubuntu para ser um estúdio profissional de fotografia.

Distribuições GNU/Linux prontas para edição de imagens

Existem distribuições que já podem ser baixadas (quase) prontas para começar a trabalhar com suas fotos.
O único problema das opções listadas, abaixo, (EMHO) é que elas podem vir com uma grande quantidade de itens a mais — ainda assim, boa parte do que você precisa, já vai estar lá, pronto para ser usado.
São opções voltadas para o design e criação de conteúdo multimídia, ou seja, vai vir muita coisa que você provavelmente não precisa.

A única pessoa que vai saber qual a melhor opção ou distro Linux para você, é você mesmo(a).
Portanto, recomendo experimentar.
A maioria roda como Live, direto do seu pendrive e, portanto, não haverá necessidade de formatar e instalar absolutamente nada para ter uma ideia do que cada uma faz.

Nenhuma distro é perfeita. Você vai precisar buscar e instalar (ou comprar) uma ou outra ferramenta.
Se é do tipo que gosta de uma instalação leve e limpa, vai também remover o que não precisa.
A grande vantagem, aqui, é poder começar com metade do caminho já percorrido.

O Projeto Fedora Labs tem, entre suas opções, uma distro chamada Design Suite, com vários softwares voltados para o design.

Se você prefere o jeito da Canonical de fazer as coisas, pode ficar feliz e satisfeito com o Ubuntu Studio.
Para a fotografia, a distro destaca o Darktable e o Shotwell.

Além destas, destacam-se a io GNU/Linux e IRO OS.
Ambas são voltadas criação e produção de conteúdo multimídia (imagens, áudio e vídeo).
O IRO OS é feito pensado na portabilidade, ou seja, para rodar de um pendrive. Mais pra baixo, explico por que não gosto desta opção, mas… enfim, trata-se de uma opção.

No resto deste post, vou falar sobre como configurar a sua distro atual, instalando apenas os programas que você vai precisar.

O estúdio de fotografia pronto

Existe muita coisa nesta área que pode ser encontrada direto nos repositórios da sua distro.
Segue uma relação de pacotes de softwares, sugeridos:

  • Argyll — “Sistema de Gerenciamento de Cores, calibrador e perfilador.”
    Trata-se de software ainda experimental e é compatível com o ICC.
    Dá suporte “à criação precisa de perfis ICC para scanners, impressoras CMYK, filmadoras e calibração e perfilamento de displays.
  • Dispcalgui — Interface gráfica para o Argyll
  • icc-profiles-free — Editor de perfis ICC.
  • Darktable e RawTherapee — Softwares de edição de imagens RAW. Saiba mais sobre eles aqui (DarkTable) e aqui (RawTherapee).
  • Entangle — Voltado para fotógrafos que gostam de trabalhar em tethered mode, ou seja, controlar a câmera e a sessão de fotos a partir do computador.
  • GIMP, gimp-data-extras, gimp-gap, gimp-plugin-registry, gimp-ufraw — Editor de fotos GIMP e vários plugins.
  • Phatch — Utilitário GUI para processar fotos em lote. Tem suporte a todos os formatos de imagem mais comuns.
    Pode ser usado para redimensionar, rodar, aplicar perspectiva, sombras etc. em inúmeras fotos, de uma só vez.
  • Rapid Photo Downloader — Aplicativo para importar grande quantidade de fotos de múltiplas câmeras, cartões de memórias e outros dispositivos de armazenamento.

Na linha de comando, rode o comando apt (Debian), para instalar:


sudo apt install argyll, darktable, dispcalgui, entangle, gimp, gimp-data-extras, gimp-gap, gimp-plugin-registry, gimp-ufraw, icc-profiles-free, phatch, rapid-photo-downloader, rawtherapee

Se você usa o Fedora, rode o dnf:


sudo dnf install argyll, darktable, dispcalgui, entangle, gimp, gimp-data-extras, gimp-gap, gimp-plugin-registry, gimp-ufraw, icc-profiles-free, phatch, rapid-photo-downloader, rawtherapee

Como encontrar mais

Há muitas outras opções de softwares.
Alguns são redundantes em relação a estes.
Outros são complementares.
No Debian e no Fedora, rode o seu gerenciador de pacotes padrão (apt ou dnf) acompanhado da opção ‘search’:


sudo apt search photography

A busca também pode ser feita na GUI.
Abra o gestor gráfico de instalação de aplicativos para obter mais opções de software para instalar.
pop shop photography search

Acima, captura de tela do gerenciador do POP OS (POP Shop), com a busca pelo termo ‘photography’.
Use outros termos, para encontrar conteúdo relevante para você.

Como pedir a Richard Stallman para analisar o seu Linux.

O vrms é um pequeno utilitário, para a CLI, que faz uma análise do conjunto de pacotes, presentes no seu computador, que faz um relatório dos pacotes componentes instalados das árvores contrib e non-free.

Chamado vrms — Virtual Richard Matthew Stallman (RMS) — em alusão ao nome do fundador do Movimento pelo Software Livre , verifica se você está usando apenas softwares 100% livres e avisa quando houver algo destoando.

De acordo com a auto-descrição do pacote, “em alguns casos, as opiniões de Stallman divergiram das do projeto Debian”.
Nestes casos, a comunidade Debian segue as diretrizes do Debian Free Software Guidelines ou Contrato Social Debian.

O aplicativo vrms não se limita a sistemas Debian e nem ao Linux.
Pode ser executado em qualquer sistema operacional.
Apenas, neste texto, estou me baseando no Debian.

Há previsão para, futuramente, permitir ao vrms exibir textos do RMS, mostrando porque o uso de cada pacote non-free pode causar problemas morais a membros da comunidade do Software Livre.

Use o apt, para instalar:


sudo apt install vrms

Após a instalação, ele pode rodar sob privilégios normais. Veja os meus resultados:


vrms

    Non-free packages installed on ultra

firmware-iwlwifi                    Binary firmware for Intel Wireless cards
firmware-realtek                    Binary firmware for Realtek wired/wifi/BT adapters

    Non-free packages with status other than installed on ultra

tome                                ( dei)  single-player text-based roguelike dungeon sim

    Contrib packages with status other than installed on ultra

spectemu-common                     ( dei)  Fast 48k ZX Spectrum Emulator (common files)

  3 non-free packages, 0.1% of 2067 installed packages.
  1 contrib packages, 0.0% of 2067 installed packages.

Aonde eu me surpreendi:

  • Pra começar, achava que iria ter mais softwares não livres no meu sistema (por que instalo, realmente, muita coisa).
    Enfim, foram apenas 3.
  • Os firmwares, “pra variar”, não surpreendem ninguém… Mas vejo que só preciso de um deles e, portanto, o outro vai sair voando pela janela, claro.
  • O jogo tome, também é uma surpresa que não seja 100% livre. Ao passo que o emulador do Spectrum ZX, em função de algumas ROMs, não me surpreende por se encontrar neste “estado deplorável” de não ser completamente livre.

Você não é obrigado a desinstalar nada do seu sistema.
O utilitário apenas fornece um feedback, para satisfazer a curiosidade do usuário.
É claro que acaba por ser muito útil a quem gostaria de remover o máximo de softwares não livres de seu sistema e, o que é melhor ainda, questionar os desenvolvedores ou as empresas responsáveis pelo código que não se encaixa nestas condições.

Me conta quais foram os seus resultados e o que pretende fazer em relação a eles. 😉

No meu caso, deixei apenas os firmwares proprietários instalados. Fiquei com um resultado de 99.9% de softwares livres instalados no meu sistema.
Mas, com a colaboração da Intel e da Realtek, poderia ser 100%! 😉