Por que é importante fazer backup do seu site


Por Alan Medeiros.

Você certamente já ouviu falar por aí que é muito importante contar com um plano B. Pois bem, no caso de um projeto na internet, o backup do seu site é o plano B mais eficiente.

Saber como criar um site é importante para quem vai dar início a um projeto na web. A notícia boa é que diante das atuais plataformas, o processo de criação se torna rápido e fácil.

No entanto, não basta apenas colocar um site na web, é preciso contar com procedimentos que possam proteger os seus arquivos diante de algum imprevisto. E é aí que entra em cena a importância do backup.

Uma definição bem clara do termo pode ser a de que o backup é uma cópia extra, assegurando a você que caso ocorra algum problema, os arquivos e demais dados não serão perdidos.

O backup do seu site e a hospedagem de sites

Uma boa hospedagem de sites confere para o seu trabalho uma série de benefícios, tais como mais espaço em disco, mais de uma conta de e-mails e mais processamento de memória.

Dependendo dos objetivos do seu site, da empresa que oferece o serviço e do tipo de plano de hospedagem, o seu projeto poderá contar com os serviços de backups.

Geralmente os serviços de hospedagem Cloud ou hospedagem VPS possuem planos que oferecem backups semanais ou até diários.

Esses tipos de hospedagem são importantes para sites de grande porte e de lojas virtuais, por isso é importante que disponibilizem para os usuários a possibilidade de backup.

Além disso, caso o seu plano já não esteja aguentando a alta demanda de acessos e visitas, a mudança para um tipo de hospedagem com mais recursos se faz necessária.

Para evitar que qualquer problema possa trazer prejuízos para o seu site durante o processo de mudança de hospedagem, a realização de um backup é muito bem-vinda.

Erros de gerenciamento e o backup salvando seu dia

Saber como criar um blog ou um site implica no uso e no gerenciamento de determinadas plataformas. Apesar das facilidades que as atuais plataformas de criação oferecem, não é impossível que um usuário inexperiente delete arquivos importantes.

Até mesmo, devido a uma desatenção, é possível alterar alguma importante configuração, resultando assim em erros no seu projeto web.

Em tais situações, o usuário certamente vai erguer suas mãos aos céus e abençoar a presença do backup. Por meio dele, o trabalho de dias, quem sabe meses ou anos inteiros, poderá ser salvo.

E quando o assunto é CMS’s, as boas empresas de web hosting disponibilizam para os seus clientes a hospedagem WordPress, que é totalmente configurada e otimizada para essa plataforma.

Alguns planos mais avançados voltados para esse tipo de hospedagem disponibilizam a realização de backups diários entre os seus benefícios.

Além disso, qualquer site está suscetível a ser atacado por pragas virtuais espalhadas pela web. Um vírus ou um malware pode atingir o seu site, corromper arquivos, dados e prejudicar o seu trabalho.

Por isso, além de contar com meios de proteção eficientes, realizar backups periodicamente é uma ótima maneira para identificar e até prevenir esse tipo de imprevisto.

Backup – Quando fazer?

Muitos usuários se perguntam qual é a frequência ideal para a realização de backups. Será que backups diários são necessários? E seu eu fizer uma vez por semana ou, quem sabe, uma vez por mês?

As respostas para tais indagações vão depender do seu tipo de site e do propósito dele.

Se o seu projeto consiste em um site de grande porte, como, por exemplo, uma loja virtual, ou um blog que conta com muitos acessos e possui muitos dados de imagens, vídeos e textos, então backups semanais ou diários são altamente recomendados.

E não esqueça também que o backup bem feito inclui todos os arquivos fundamentais para que o site mantenha sempre um bom desempenho.

O armazenamento do backup

Ao realizar o backup de um site, a cópia deve ficar localizada em uma máquina diferente do servidor onde está hospedado o seu site.

Por isso, o método mais usual para a realização de backups é justamente efetuar uma cópia dos arquivos que estão localizados no servidor de hospedagem para o seu computador.

Nesse caso, a transferência pode ser realizada por meio do painel de controle cedido pela sua empresa de hospedagem de sites. Também há a alternativa de utilizar um programa de FTP, como o Filezilla, por exemplo.

Ao utilizar um programa de FTP a transferência de arquivos será feita de um modo mais rápido e com mais facilidade.

Conclusão

Vivemos na era digital e cada vez mais as profissões utilizam a internet. Por isso, não é exagero afirmar que em um site ou blog estão armazenados boa parte do seu dia a dia profissional.

Por fim, tão importante quanto ter um site, ter um nome de domínio e um bom serviço de hospedagem, é pertinente também providenciar o backup para evitar dores de cabeça.

Como instalar o WordPress em 5 minutos

O WordPress é um dos aplicativos web mais usados para criar sites e (principalmente) blogs.
Como CMS (Content Management System ou sistema de gestão de conteúdo), ele permite iniciar um site instantaneamente, pronto para receber conteúdo em imagens, textos, vídeos etc.

Neste texto, vamos tratar de um dos vários métodos de instalação do aplicativo — baseado nas instruções oficiais.

Não esqueça de clicar nos links, no decorrer do texto e na seção de referências (no final), para obter informações mais específicas sobre algum assunto.

Pré-requisitos para instalar o WordPress

O famoso passo a passo de instalação do WordPress em 5 minutos funciona e é verídico.

Só que há alguns poréns…

O procedimento, em si — caso você já tenha alguma experiência de instalação de aplicativos web PHP/MySQL/MariaDB anterior — pode ser realizado em poucos minutos.

Entretanto, se esta for a sua primeira vez a instalar um aplicativo deste tipo, não se preocupe com o tempo.

Na minha primeira vez, tive que começar de novo, depois de apagar todos os arquivos instalados, para que ficasse exatamente do jeito que eu queria.

Se preferir, muitos provedores oferecem o método de instalação “com um clique” (One-Click install) — é o ideal para novatos.

Neste sentido, eu recomendo a Hostinger.

Veja quais itens você precisa providenciar para agilizar o procedimento de instalação:

  • Além do servidor LAMP pronto para receber o CMS, é necessário ter uma conta no MySQL/MariaDB.
  • É necessário fazer o download do aplicativo, aqui: https://wordpress.org/download/
    Se preferir a última versão, clique aqui, para baixá-la.
    Outra opção, bastante cômoda, é baixar diretamente no local em que vai instalar, através do comando wget, como veremos adiante.

Procedimento de instalação do WordPress

Acompanhe este passo a passo:

  1. Crie um banco de dados para ser usado pelo WordPress, no seu servidor web, bem como o nome de usuário (MySQL ou MariaDB), com privilégios para alterá-lo.
    Se você não tem acesso ao servidor de banco de dados, obtenha estas informações com o administrador do sistema, informando que pretende usar o WordPress.
    Neste caso, as informações que você precisa são:

    • nome do banco de dados
    • nome do usuário do banco de dados
    • senha do usuário do banco de dados
    • o hostname (nome do servidor) em que se encontra o banco de dados e
    • (opcionalmente) o prefixo que irá acompanhar cada nome de tabela criado para uso do wordpress neste site.
  2. Dentro do local em que você deseja que o seu site WordPress fique, baixe e extraia o pacote do WordPress:
    
    wget https://wordpress.org/latest.zip
    
    tar xvzf latest.zip
    
    mv wordpress/* wordpress/.* .
    
    rmdir wordpress
    
  3. Agora, abra o seu website no navegador — se tiver sido extraído no local certo, o instalador irá aparecer.
    como instalar o WordPress

    Esta tela serve para informar sobre os dados que serão requeridos na sequência.

    As informações serão usadas para preencher o arquivo wp-config.php — que também pode ser editado manualmente.

  4. Na próxima tela, preencha o formulário com os dados que foram mencionadas no passo 1.
    como instalar o WordPress
  5. A esta altura o site já está instalado. Mas você vai precisar de um nome de usuário para poder acessar e administrar o seu site.
    como instalar o WordPress
  6. Esta é a última tela da instalação, onde é dado um feedback da criação do seu novo usuário.
    como instalar wordpress
  7. Este é o painel de administração do seu site WordPress.
    como instalar wordpress
    A partir daqui, já é possível inserir novo conteúdo, instalar novos temas, adicionar usuários ao sistema etc.

Referências

https://codex.wordpress.org/Installing_WordPress.

Teste o seu servidor para saber se ele suporta as últimas versões do WordPress

O sistema de gestão de conteúdo WordPress não é dos mais exigentes, em termos de recursos de hardware e software, mas para ter um desempenho melhor há algumas recomendações mínimas que o seu host precisa satisfazer.
Embora o hardware e a largura de banda disponível para o tráfego sejam fundamentais para o desempenho do WordPress, como CMS (Content Management System ou sistema de gestão de conteúdo), neste post vou me ater aos requisitos de software no servidor.
Se tiver dúvidas, em algum ponto, clique nos links ou nas tags no texto para obter maiores especificidades sobre algum tema.

O que você precisa ter para poder testar o seu servidor

Servidores podem ser testados à distância, online ou através de sites especializados neste tipo de tarefa.
Por questões de segurança, contudo, muitos administradores procuram esconder informações sobre as versões dos softwares instalados nos seus sistemas.
Entretanto, um dos requisitos para instalar o WordPress é ter acesso SSH ao servidor — a menos que você vá realizar todos os procedimentos em uma máquina local.
Portanto, neste texto, partimos do pressuposto de que você tem acesso SSH (Secure SHell) ao seu servidor, que é o suficiente para obter as informações de que necessita.

O sistema operacional

Você pode instalar tudo o que precisa, para dar suporte ao WordPress em uma máquina Windows, MacOS, UNIX (FreeBSD) etc.
O sistema operacional Linux, contudo é o mais usado — pelo baixo custo e pela confiabilidade.
Há alguns testes propostos neste artigo, que levam em conta uma instalação Linux.
Estes testes pode ser realizados em outros sistemas operacionais, com pouca ou nenhuma edição.

Em outras palavras, para o fim deste artigo, o sistema operacional que você tem aí, não é tão relevante.

Os requisitos de sistema

Localmente, você pode instalar, por conta própria, um servidor LAMP (acrônimo que corresponde a Linux, Apache, MySQL/MariaDB e PHP).
Se tiver interesse em montar um servidor deste tipo, veja alguns artigos que podem te ajudar:

De maneira resumida, Para rodar a versão mais atual do WordPress, com segurança e máximo desempenho, você precisa ter suporte aos seguintes softwares (e versões):

  • Servidor web Apache ou Nginx.
  • PHP na versão 7 ou superior.
  • Um destes 2 bancos de dados:
    • MySQL 5.6 ou superior
    • MariaDB 10.0 ou superior
  • suporte a HTTPS (não é obrigatório, mas é bom ter).

É possível usar outros servidores web (com suporte a PHP e MySQL/MariaDB), tal como o Lighttpd. Além disto, versões atuais do WordPress (na data deste post) ainda funcionam em versões anteriores do PHP.
Contudo, a melhor relação entre alta performance e segurança, só serão obtidos sob aqueles requisitos listados acima.
Vale ressaltar que as versões mais antigas do PHP e do MySQL já atingiram seus tempos de vida e já não recebem atualizações de segurança — o que pode expôr o seu site a vulnerabilidades e a ataques de crackers.
Por último – e não menos importante – este site usa e recomenda o DreamHost, como provedor de hospedagem.
O DreamHost faz uso das versões mais atuais dos softwares requeridos, tem suporte a HTTPS e dispõe de instalação automática do WordPress (one-click install), o que pode te poupar muito tempo.

Como verificar se as versões dos softwares requeridos estão presentes

Acesse o servidor localmente (com um terminal) ou remotamente (via SSH) e siga os procedimentos abaixo.
Para verificar o PHP e sua versão:


php --version

PHP 7.0.19-1 (cli) (built: May 11 2017 14:04:47) ( NTS )
Copyright (c) 1997-2017 The PHP Group
Zend Engine v3.0.0, Copyright (c) 1998-2017 Zend Technologies
    with Zend OPcache v7.0.19-1, Copyright (c) 1999-2017, by Zend Technologies

Para verificar se o MySQL está presente e sua versão:


mysql --version

mysql  Ver 15.1 Distrib 10.1.23-MariaDB, for debian-linux-gnu (x86_64) using readline 5.2

Acima, note que o comando ‘mysql’ exibe a versão do MariaDB.
Isto ocorre, por que é este último que se encontra instalado e não o MySQL.
Ainda assim, pelo motivo de facilitar a transição, o comando mysql ainda funciona em instalações de bancos de dados (exclusivamente) MariaDB.
Para conferir o MariaDB:


mariadb --version

mariadb  Ver 15.1 Distrib 10.1.23-MariaDB, for debian-linux-gnu (x86_64) using readline 5.2

Por fim, em sistemas Linux atuais (com o systemd) é possível conferir o status do Apache, como este comando:


systemctl status apache2

● apache2.service - The Apache HTTP Server
   Loaded: loaded (/lib/systemd/system/apache2.service; enabled; vendor preset: 
   Active: active (running) since Mon 2017-07-24 09:58:25 -03; 3 days ago
  Process: 16914 ExecReload=/usr/sbin/apachectl graceful (code=exited, status=0/
 Main PID: 597 (apache2)
    Tasks: 7 (limit: 4915)
   CGroup: /system.slice/apache2.service
           ├─  597 /usr/sbin/apache2 -k start
           ├─16930 /usr/sbin/apache2 -k start
           ├─16931 /usr/sbin/apache2 -k start
           ├─16932 /usr/sbin/apache2 -k start
           ├─16933 /usr/sbin/apache2 -k start
           ├─16934 /usr/sbin/apache2 -k start
           └─17106 /usr/sbin/apache2 -k start

Outra forma de verificar a versão do Apache, está descrita neste post.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Referências

Minha análise sobre a hospedagem grátis PHP e MySQL do 000webhost

Web Hosting
Dos vários provedores de hospedagem grátis, que já experimentei, há alguns que merecem ser destacados em alguns posts. O 000WebHost ou FreeHosting.com é um deles.
Estabelecidos desde 2006 e, segundo o site, contam com mais de 60 mil clientes mundo afora. Oferecem vários planos, sendo que o básico (gratuito) conta com 1.5Gb de espaço e a promessa de 100Gb de transferência de dados mensal. O objetivo é conquistar o cliente do plano básico, é seduzi-lo para fazer um upgrade para uma conta paga, com mais recursos.

O ideal, é sempre contratar um plano sério e pagar pelos serviços recebidos. Mas há casos em que um provedor gratuito é a melhor opção: sites demo, de aprendizado etc.

Uma das boas surpresas do plano grátis é o suporte a PHP, Ruby, Perl, MySQL e PostgreSQL – com isto, praticamente qualquer projeto pode ser iniciado e, assim que você julgar necessário, partir para um dos planos pagos do provedor.

As restrições ao uso do PHP e do MySQL são mínimas (máximo de 5 contas no banco de dados). E o PHP tem suporte aos seguintes recursos:

  • função PHP mail() e Sendmail;
  • Curl, biblioteca GD2, XML, Zend e suporte a .htaccess;
  • fopen() e sockets PHP sockets;
  • safe_mode, desligado e upload de arquivos, ligado;
  • suporte ao Zend Optimizer, Ioncube etc;

Outros recursos oferecidos:

  • Sem publicidade. O serviço não impõe anúncios ao seu site;
  • Hospedagem do seu próprio domínio;
  • Se não tiver um domínio, o usuário pode escolher um dos subdomínios gratuitos do próprio site;
  • Contas de email POP3 e acesso web (webmail);
  • Mais de um tipo de gerenciador de arquivos Web e FTP.

Painel de controle cPanel

Um dos painéis de controle mais usados nos provedores e com vários recursos disponíveis, já nesta versão básica e gratuita do plano de que estamos falando é um atrativo pro serviço. Se você for iniciante, não vai ter dificuldades para realizar qualquer tarefa dentro deste painel.

Fantastico De Luxe, instalador automático de aplicativos

Aqui, os iniciantes ou quem tem pouco tempo para por uma solução no ar, têm uma ferramenta que permite instalar com poucos cliques mais de 40 aplicativos pro seu site, tais como Drupal, Geeklog, Joomla, Xoops, WordPress, b2evolution, Support Logic Helpdesk, phpBB2, SMF, OS Commerce, ViPER Guestbook, Coppermine Photo Gallery, PhpWiki, PHPauction, WebCalendar etc. – acesse o site e veja a lista completa.

Faça você mesmo o seu website

O SiteReptile, um dos aplicativos disponíveis, permite montar o seu próprio site, em poucos passos — é uma questão de dar os detalhes do seu cadastro, selecionar um entre os mais de 300 templates e mandar publicar (pra resumir).

Suporte

O que diferencia os diversos serviços online, costuma ser a qualidade do suporte. Não espere muito de uma hospedagem gratuita, neste quesito. Suporte é caro e eles precisam pagar as suas contas. Ainda assim, há uma boa quantidade de tutoriais e informações que podem ser lidas para ajudar a resolver a maior parte dos problemas que você encontrar pela frente.
Na versão paga, normalmente, um técnico resolve a maior parte dos problemas pra você. Isto é uma grande diferença.

POSTS RELACIONADOS

O serviço é para você?

Se você está iniciando um projeto de comunidade online, um blog ou site pessoal, pensa em começar pequeno para crescer aos poucos, sim.

Desvantagens do serviço

A hospedagem gratuita, como já era de se esperar, é claramente uma degustação. Não é feita para projetos que já passaram da fase inicial – neste caso, a experiência será decepcionante.
O suporte técnico, embora costumem responder agilmente, não se iluda, é voltado para clientes pagantes – portanto se prepare para resolver a maior parte dos problemas por sua própria conta.
Há limite de upload de arquivos (2mb). Não há acesso SSH/SFTP/SCP, nem suporte a SSL pro seu domínio, na versão grátis.
Abaixo, segue o banner “discreto” do serviço, para você clicar – o melhor julgamento, é que você mesmo faz.
Web hosting