Experimente o gerenciador de arquivos (CLI) Ranger no Linux (ou no Mac)

O Ranger é um gestor de arquivos de linha de comando (CLI), escrito em Python.
O programa possui todas as funções presentes nos gestores mais usados, como o Nautilus, no Ubuntu.

Para quem não tem problemas com a CLI, como interface de execução de seus aplicativos, o Ranger ainda oferece a vantagem da velocidade de execução.

O programa permite executar tarefas relacionadas à gestão de arquivos com poucos toques no teclado, usando teclas simples ou composições de atalhos de teclado.

O uso do mouse é opcional.

Para ficar de acordo com a documentação oficial, no restante do texto, vou grafar o nome do utilitário em minúsculas.

Como instalar o ranger

Abra um terminal e execute o gestor de pacotes da sua distro, para fazer a instalação dele. Segue um exemplo, usando o apt (Debian/Ubuntu):


sudo apt install ranger

Junto com o utilitário, é instalado o navegador de Internet w3m — também com interface em modo texto ou CLI.

Outras extensões são instaladas e podem ser usadas à medida em que forem necessárias, como o rifle, para abrir arquivos.
As configurações permitem definir outros programas para executar tarefas específicas a partir do ranger.

Se precisar visualizar alguma imagem ou outro tipo de arquivo de dentro do ranger, ele abrirá o visualizador padrão do sistema.
Se você usa apenas o modo texto, no seu sistema, recomendo instalar o feh, para visualizar suas imagens.

Como usar o ranger

Ao rodar o programa, ele irá mostrar os arquivos dentro do diretório (pasta) atual.
Use as setas do teclado para percorrer os diretórios e pressione Enter, para realizar ações em relação aos arquivos.

Você pode sair do programa, a qualquer momento, pressionando a tecla ‘q’.

Configuração do ranger

O ranger cria um subdiretório com arquivos de configuração básica no home, ou seja, em ‘~/.config/ranger/’
Muitas configurações, contudo, continuarão a ser lidas nos arquivos principais, fora do seu diretório home.
Para ter acesso completo à configuração do aplicativo, copie todos os arquivos pertinentes ao seu diretório particular, com o seguinte procedimento:


ranger --copy-config=all

creating: /hem/justincase/.config/ranger/rifle.conf
creating: /hem/justincase/.config/ranger/commands.py
creating: /hem/justincase/.config/ranger/commands_full.py
creating: /hem/justincase/.config/ranger/rc.conf
creating: /hem/justincase/.config/ranger/scope.sh

> Please note that configuration files may change as ranger evolves.
  It's completely up to you to keep them up to date.

> To stop ranger from loading both the default and your custom rc.conf,
  please set the environment variable RANGER_LOAD_DEFAULT_RC to FALSE.

Os dois avisos, dados ao final da execução do comando, acima, dão conta de:

  1. Os desenvolvedores do programa podem introduzir eventuais modificações na forma como os arquivos de configuração funcionam ou na sua estrutura. Portanto, caberá a você fazer esta atualização.
  2. Para forçar o programa a carregar apenas as configurações personalizadas do usuário, altere o valor da variável de ambiente RANGER_LOAD_DEFAULT_RC para FALSE.
    Este procedimento pode ser feito assim, na linha de comando:

    
    RANGER_LOAD_DEFAULT_RC=FALSE
    
    

    Leia mais sobre variáveis de ambiente aqui: variáveis de ambiente no Linux.

Esquemas de cores do ranger

Ainda no diretório de arquivos de configurações do ranger, é possível alterar o esquema (ou tema) atual de cores do programa, caso você esteja insatisfeito com o que está vendo.

Para isso abra o arquivo ~/.config/ranger/rc.conf e localize a linha

set colorscheme default

Você pode usar uma das 4 opções: default (padrão), jungle, snowou solarized.
Pessoalmente, gosto do tema default. Mas o snow também é legal. (y)

Você pode criar novos esquemas e gravá-los em ~/.config/ranger/colorschemes.

Teclas de navegação dentro do ranger

O programa usa as mesmas teclas do editor Vim.

Basicamente, é isso aqui:

  • → ↓ ↑ ← as setinhas do teclado
  • h — para subir na hierarquia de diretórios
  • gg — para ir ao início da lista
  • G — para ir ao fim da lista

A linha de comando

O ranger tem uma linha de comando, a partir da qual, é possível executar comandos da shell.
Para acessar a CLI interna do ranger tecle ‘!’.

O utilitário possui também comandos internos, como o ‘du’ — que mostra o uso atual do diretório (tal como na shell).
Há outros comandos, que podem ser acessados a partir do pressionamento da tecla ‘d’. Experimente.

Use o entangle para controlar sua câmera a partir do computador

O Entangle é um aplicativo de tethering para Linux.
Sua função é dar acesso aos controles da câmera a partir do seu PC desktop ou laptop.

Usualmente, em estúdio, pode ser muito útil ter um laptop conectado à sua câmera DSLR.
Este método permite ver resultados imediatos na tela grande do computador e decidir se ficam armazenados no laptop ou não.
Com o tethering, o fotógrafo pode encurtar o caminho das fotos da câmera para o PC — onde será feito o pós-processamento.

Se o que você quer é apenas transferir imagens da câmera ou do cartão para o desktop, sugiro usar outros softwares, como o Shotwell — porque esta não é a função do Entangle.

O que o Entangle faz:

  1. Disparar o obturador da câmera a partir do computador.
  2. fornecer uma prévia da composição, antes do disparo, em tela grande.
  3. Permitir a visualização e o download automáticos das fotos, à medida em que forem tiradas.
  4. Prover acesso a todos os controles da sua câmera a partir do seu computador.

O último item da lista, acima, depende do modelo da sua câmera.
Eu testei, como você pode observar nas imagens deste post, com uma câmera Fujifilm Finepix SL 1000.
Este equipamento está na categoria bridge camera ou “câmera intermediária”, portanto, entre a categoria das câmeras DSLR e as point and shoot (ou câmeras compactas).
Enfim, na minha câmera não é possível usar o recurso de tethering.

Se o seu equipamento for uma DSLR, mesmo que seja um modelo de entrada, o seu resultado pode ser bem melhor do que o meu.
A melhor maneira de saber se vai funcionar com a sua câmera é testando.

Fique à vontade para nos dar um retorno, nos comentários, citando o modelo da sua câmera.

fuji finepix connection
O modelo Fujifilm Finepix SL1000 não permite capturar imagens via tethering.

Se algo (ou quase tudo, no meu caso) não der certo, não culpe a comunidade de desenvolvedores de software livre.
Infelizmente, alguns fabricantes não liberam especificações suficientes de seus produtos, para criar softwares mais eficientes.
Envie mensagens, pelas redes sociais e email, para o fabricante do seu equipamento pedindo para que colabore mais com a comunidade de desenvolvedores Linux — especificamente, com o desenvolvimento do Entangle.
O resultado pode ser positivo, se muitas pessoas fizerem isso.

Como instalar o Entangle para fazer tethering no seu sistema

Programas Debian Ubuntu

O Entangle pode ser encontrado na loja oficial da sua distro GNU/Linux e está disponível nos repositórios das principais distribuições.
Entangle camera tethering for linux

Quem prefere usar a CLI, para instalar o programa, pode rodar um dos seguintes comandos:
No Debian, Ubuntu e outras distribuições derivadas, use o apt:


sudo apt install entangle

No Fedora e no OpenSUSE, use o dnf ou o yum:


sudo dnf install entangle

No FreeBSD, use o pkg:


pkg install entangle

Se quiser saber mais sobre instalação de softwares no FreeBSD, leia este post.

Como fazer tethering com a sua câmera no Linux

Ao iniciar, a aplicação irá tentar detectar automaticamente a sua câmera, caso esteja conectada via USB ou rede.
Se houver múltiplas câmeras conectadas fisicamente ao seu computador, o programa fornecerá uma lista delas, para a sua escolha.

Se a sua câmera não aparecer, isto pode ocorrer em função do GNOME tê-la montado como dispositivo de armazenamento automaticamente.
Neste caso, é necessário desmontar o dispositivo antes de poder fazer tethering.
camera montada

Se a câmera tiver suporte a “live view“, vai ser possível acompanhar a composição, à frente da câmera, de dentro do aplicativo.
No painel Preferências, é possível selecionar várias abas de opções.
Na aba de opções Interface, você pode fazer alguns ajustes no modo de operação do programa. Inclusive ligar ou desligar a exibição do histograma linear.

O painel Image Viewer permite alterar o aspecto e a escala do “sensor virtual”, com a aplicação de uma máscara.
Além disto, pode aplicar as linhas guia da regra de terceiros ou outras.

O painel de configurações de captura, tem opções de configuração da nomenclatura dos arquivos de imagem, que serão gravados no computador.
Permite ainda ligar o descarte automático das imagens dentro da câmera.

O painel Color Management apresenta opções da gestão de cores para a sua sessão de fotografia.

Você pode adicionar plugins ou escrever os seus próprios, com o uso da linguagem Python.

Referências

Site oficial do Entangle: https://entangle-photo.org/.

10 exemplos de uso do comando find no Linux

O find é um utilitário incrivelmente flexível e muito usado na linha de comando do Linux/UNIX ou dentro de scripts.
Com ele é possível encontrar arquivos por tipo, por condição, por conteúdo etc. dentro do seu sistema e através de buscas recursivas.

O comando find já foi abordado em outros artigos, neste site.
Se você tiver interesse em complementar seu conhecimento sobre o tema, clique nos links no decorrer do texto ou use o sistema de busca do site.

Nestes exemplos, vou mostrar que você pode usar diversos critérios de busca com o comando find: permissões, pertencimento (ownership), por data/hora de alteração, por tamanho etc.

Por ser um comando padrão, no UNIX e no GNU/Linux, não há necessidade de instalar nada. Apenas abra um terminal (Ctrl + Alt + T, no Ubuntu) e comece a aplicar os exemplos.

O comando find é uma ferramenta essencial para o aprendizado de quem deseja se tornar produtivo na linha de comando do Linux ou do MacOS.

Exemplos de uso do find

O uso básico do find não precisa incluir qualquer opção ou parâmetro.
Ao executar o find no diretório (pasta) atual, ele irá perscrutar todos os subdiretórios, recursivamente, e exibir a lista completa de arquivos, inclusive aqueles que estão ocultos.


find

A depender do diretório atual, a execução pode ser um pouco demorada. Mas pode ser interrompida a qualquer momento com as teclas Ctrl + C.
Geralmente, é possível combinar o find ao comando grep, para refinar os resultados da busca:


find | grep -i "comando find"

./Documentos/Livros/Imagens/elias.praciano.com - featured/comando find.jpg
./.fotoxx/thumbnails/hem/justincase/Documentos/Livros/Imagens/elias.praciano.com - featured/comando find.jpg.jpeg

O comando acima é equivalente ao ls, conforme o exemplo abaixo:


ls -lahR | grep -i "comando find"

… o find costuma ser bem mais rápido, contudo. Faça as suas experiências.

O comando pode ser executado especificamente em um diretório:


find Imagens/2018/

Também é possível filtrar por nome ou extensão do arquivo que você deseja encontrar:


find Imagens/2018/*.ods

Imagens/2018/foapiso.ods
Imagens/2018/imagens2018_18-55mm.ods
Imagens/2018/imagens2018_75-300mm.ods
Imagens/2018/imagens2018_sigma30mm.ods
Imagens/2018/stat-imagens2018.ods

Com o parâmetro ‘-name’, é possível obter resultados mais precisos em sua busca.


find Imagens/2018/ -name "panoramas"

Imagens/2018/06/16/panoramas

O resultado da busca é sensível à caixa (maiúsculas/minúsculas) das letras.
Para desligar a sensibilidade (case sensitiveness), use ‘-iname’:


find Imagens/2018/ -iname "panoramas"

Use também os coringas entre as aspas:


find Imagens/2018/ -iname "*noram*"

Imagens/2018/05/01 ana maria/panorama_2242_2247.tif
Imagens/2018/05/01/darktable_exported/panorama_2242_2247.jpg
Imagens/2018/06/16/panoramas

Ao optar por fazer a busca no diretório raíz / todo o sistema será vasculhado, incluindo a rede e os dispositivos externos conectados (se estiverem montados).

A recursividade é padrão para o comando find. Se você quiser restringir a profundidade da busca, precisa definir isso claramente.
Com a opção ‘-maxdepth’ é possível determinar até quantos subdiretórios devem ser analisados.


find Imagens/ -maxdepth 3 -iname "*.cr2"

Imagens/Capture/capture000000.cr2
Imagens/Capture/capture000001.cr2
Imagens/Capture/capture000002.cr2
Imagens/Capture/capture000003.cr2
Imagens/Capture/capture000004.cr2
Imagens/Capture/capture000005.cr2
Imagens/Darktable/20180525_noname/20180525_0001.CR2
Imagens/Darktable/20180525_noname/20180525_0002.CR2
Imagens/Darktable/20180525_noname/20180525_0003.CR2

Para fazer a busca apenas no diretório atual, sem recursividade, use ‘-maxdepth 1’.

Também é possível inverter o filtro da busca.
Por exemplo, eu sei que dentro de Imagens/ há vários subdiretórios com arquivos .jpg e .cr2 (arquivos RAW da Canon). Mas também há outros tipos de arquivos.
Veja como excluir dos resultados da busca os arquivos .cr2:


find Imagens/ -not -iname "*.cr2"

Para facilitar, use ‘!’ no lugar de ‘-not’:


find Imagens/ ! -iname "*.png"

Use o operador ‘-o’ (OR) para restringir a busca a 2 ocorrências:


find Imagens/ -iname "*.txt" -o -iname "*.ods"Imagens/2018/aberturas.txt

Imagens/2018/distfocal.txt
Imagens/2018/distfocal_75-300.txt
Imagens/2018/maio2018.txt
Imagens/2018/stat-imagens2018.ods
Imagens/2018/imagens2018_18-55mm.txt
Imagens/2018/imagens2018_18-55mm.ods
Imagens/2018/imagens2018_75-300mm.txt
Imagens/2018/imagens2018_sigma30mm.txt
Imagens/2018/imagens2018_75-300mm.ods
Imagens/2018/imagens2018_sigma30mm.ods
Imagens/2018/imagens2018_sigma30mm-b.txt
Imagens/2018/imagens2018_Yongnuo35-50mm.txt
Imagens/2018/foapiso.txt
Imagens/2018/foapiso.ods

O operador AND pode ser invocado com a opção ‘-a’, embora seja um comportamento padrão:


find Imagens/2018 -iname "*.cr2" -a -iname "*.jpg" 

Combine com o operador ‘!’, para excluir exatamente aqueles 2 tipos de arquivos:


find Imagens/2018 ! -iname "*.cr2" -a ! -iname "*.jpg" 

Notou que os nomes de diretórios também são mostrados?
Pois é… Para o UNIX/Linux “tudo é arquivo”.

Se quiser filtrar mais ainda os resultados, para mostrar apenas arquivos “de verdade”, use a opção ‘-type f’:


find Imagens/2018 -type f ! -iname "*.cr2" -a ! -iname "*.jpg"

Use o comando wc, para contar quantos arquivos (no meu exemplo) não são .cr2 ou .jpg, na busca:


find Imagens/2018 -type f ! -iname "*.cr2" -a ! -iname "*.jpg" | wc -l

445

No exemplo simplificado, abaixo, veja como encontrar todos os estilos do DarkTable armazenados em uma pasta:


find Imagens/2018 -type f -iname "*.dtstyle" | wc -l

255

A sua pesquisa pode incluir mais de um diretório:


find Imagens/2018/06/ Imagens/2018/04/ -type f -iname "*.xmp"

Imagens/2018/06/02/img_4337.cr2.xmp
Imagens/2018/06/12/img_4667.cr2.xmp
Imagens/2018/06/15/img_4891.cr2.xmp
Imagens/2018/06/16/img_4996.cr2.xmp
Imagens/2018/06/16/panorama/img_5064.cr2.xmp
Imagens/2018/04/25/img_1536.cr2.xmp
Imagens/2018/04/28/break/img_1962.cr2.xmp

Espero que, com estes exemplos, tenha ajudado você a entender e usar melhor o comando find no seu sistema. 😉
Divirta-se!

Use o exiftool para descobrir como você fotografa

O exiftool é uma ferramenta CLI voltada para a obtenção de informações EXIF ou meta tags de arquivos diversos.
Se você usa MacOS ou Windows, baixe sua cópia do programa no site oficial (link ao final do artigo).

Se você usa Linux (que nem eu!), ele provavelmente já estará instalado aí, com suporte a aproximadamente 200 tipos de arquivos.

Neste universo de possibilidades, a ferramenta suporta a leitura de dados contidos em arquivos de imagens JPEG, bem como, em arquivos RAW de vários fabricantes.

O próprio Flickr usa o exiftools para manipular e analisar as informações das imagens de suas comunidades.

Neste post, vou mostrar como usar o programa para obter informações, de dentro dos arquivos. Vou, ainda, mostrar como associar o utilitário aos comandos grep e find, para refinar a sua busca e obter apenas resultados relevantes para o seu contexto.

Se você já tem dezenas de milhares de fotos e já usou várias lentes para produzir suas imagens, com estas ferramentas é possível montar algumas estatísticas sobre os seus hábitos ao fotografar.

Este tipo de informação pode ser muito útil para quem pensa em comprar uma nova lente, mas se encontra em dúvida sobre se o investimento irá ser realmente útil ou não.

Em outras palavras, faz sentido conhecer a distância focal que você prefere usar — mesmo nas lentes de zoom — antes de começar a analisar as opções disponíveis nas lojas.

Por exemplo, se você já se encontra há um ano usando uma das lentes que costuma vir com os kits de câmera e está pensando em qual poderia ser a próxima aquisição, seria muito interessante saber como você prefere trabalhar antes de tirar a carteira do bolso.

As lentes do kit costumam ser lentes de zoom, com distâncias focais variando entre 18-55mm, 55-250mm ou 75-300mmm (pelo menos, no caso da Canon).
Dentro da distância focal da lente do seu kit, você deve estar usando uma ou outra com predominância.

Isto quer dizer que, se você costuma fotografar frequentemente a aproximadamente 40mm, esta poderia ser a lente prime a ser sondada, na próxima compra.

As ferramentas descritas neste texto já foram abordadas com maior profundidade em outros posts, caso você queira saber um pouco mais sobre cada uma delas:

  1. O comando grep
  2. O comando find
  3. O comando exiftool

Execute o exiftool diretamente no arquivo

A ferramenta pode ser simplesmente aplicada a um ou vários arquivos de um diretório:


exiftool minhasfotos/img_2365.cr2

Para analisar todas os arquivos do diretório (ou da pasta), use-a assim:


exiftool minhasfotos/*.cr2

Altere os meus exemplos à sua realidade, aí.
Este segundo comando pode ser modificado para mostrar resultados mais específicos.
Veja como obter os valores das aberturas (aperture) usadas nas fotografias desta mesma pasta:


exiftool minhasfotos/*.cr2 | grep "Aperture" 

Note que os arquivos .cr2 correspondem aos “arquivos crus” das câmeras Canon. Se você tem arquivos com extensões diferentes, adeque o comando ao seu caso.
A tag (ou etiqueta) “Aperture” também pode variar em função das preferências do fabricante.
Se você fotografa sempre em JPEG, estas informações também estarão lá.
Fique atento.
Decida qual a meta tag mais importante para você e faça a sua busca.

O comando find pode ser usado para serviço mais pesado. No exemplo que segue, todas as pastas serão vasculhadas, recursivamente, a partir do diretório atual.

Neste caso, o resultado pode demorar bastante — vai depender da quantidade de imagens que você tem aí.
No meu caso, são milhares de imagens, dentro do diretório ‘Imagens’, espalhadas em vários subdiretórios. Decidi por todas as referências a abertura (Aperture) em um arquivo aberturas.txt — para verificar posteriormente, em separado. Ficou assim:


find ./ -name '*.cr2' -exec /usr/bin/exiftool {} \; | grep "Aperture" > aberturas.txt

O arquivo ficou com aproximadamente 8 mil linhas, embora sejam apenas 1564 arquivos de imagens RAW — mas a palavra “aperture” aparece, em média, mais de 4 vezes no resultado do exiftool de cada um.

Para saber quantas vezes usei a abertura 1.8, posso recorrer novamente ao grep:


cat aberturas.txt | grep "Aperture                        : 1.8"| wc -l

456

Este resultado mostra que o valor é usado em quase 1/3 das fotos.

Como descobrir a distância focal favorita nas suas fotos

Este é um dado bastante interessante, para quem pretende comprar uma lente nova — principalmente se for uma fixa (ou prime).
Saber qual a distância focal (ou focal length) que você mais usa nas suas sessões, pode ajudar determinar qual lente seria mais útil para você.
Para encontrar o meu resultado, novamente usei aqueles 3 comandos:


find ./ -name '*.cr2' -exec /usr/bin/exiftool {} \; | grep "Focal Length                    :" > distfocal.txt

No meu caso, o campo “Focal Length” se repete para cada foto em uma linha em que é dada uma distância focal equivalente. Para excluir esta redundãncia, acrescentei um “grep -v” ao final da linha de comando:


find ./ -name '*.cr2' -exec /usr/bin/exiftool {} \; | grep "Focal Length                    :" | grep -v "equivalent" > distfocal.txt

Desta forma, consigo obter um arquivo distfocal.txt com exatamente 1564 linhas — número igual ao de arquivos de imagens RAW .cr2.

Uso muito a lente do kit 75-300mm, e creio que seria interessante saber, exatamente, qual a distância focal mais usada dentro destes limites.
Esta informação pode ajudar a determinar qual lente prime seria mais útil para o meu caso: 85mm, 100mm, 135mm etc.

Conclusão

Por um lado, acredito que 1564 fotos pode ser um número muito pequeno para ser analisado, com o objetivo de determinar qual a sua distância focal favorita.
Isto varia de pessoa para pessoa.
Neste momento, acho os meus dados insuficientes para determinar “a minha maneira favorita” de fotografar.

Levar os dados obtidos para dentro de uma planilha é uma alternativa mais eficiente para obter informações sobre a maneira como você usa seu equipamento.

Eu prefiro sair para uma sessão de fotos, com apenas uma lente de zoom e brincar bastante.
Ao voltar, transfiro minhas imagens para o computador. Em seguida, rodo o exiftool, combinado com o grep, na pasta das fotos e observo as minhas estatísticas.

Me conte se você já descobriu qual a sua maneira favorita de fotografar e qual a sua lente ou distância focal preferida 😉

Link para o site oficial de downloads e documentação: https://sno.phy.queensu.ca/~phil/exiftool/.

Leia também meus outros artigos sobre o exiftool.

Obtenha frases aleatórias e divertidas no terminal do Linux

Se hackers gostam de usar a linha de comando (CLI), consistindo de um terminal com fundo escuro, também gostam de se divertir durante o uso.
O ‘fortune’ é uma das longas tradições do universo UNIX. Se você ainda não a conhece, ainda tá em tempo.

Consiste em um pequeno programa, acompanhado de um banco de dados de frases e sentenças.
As frases podem ser engraçadas ou podem exibir curtas dicas de uso do sistema operacional.
Estão disponíveis em vários idiomas, incluindo o português.
Instale o fortune, usando o seu gestor de pacotes favorito (yum, dnf, apt etc).
No Debian/Ubuntu, use o apt:


sudo apt install fortune

Uma vez instalado, já pode ser executado no terminal:


fortune

    "The glory of creation is in its infinite diversity."
    "And in the way our differences combine to create meaning and beauty."
        -- Dr. Miranda Jones and Spock, "Is There in Truth No Beauty?",
           stardate 5630.8

Acima, diálogo retirado da série Star Trek (1968).
Star Trek

Como controlar ou escolher as frases do fortune

Se quiser ver mais frases relacionadas ou contendo a string “Star Trek”, use a opção -m:


fortune -m "Star Trek"

Prefere o Doctor Who!?


fortune -m "Doctor Who"

Fique atento para a caixa (maiúsculas/minúsculas) das palavras procuradas. O Fortune é sensível à caixa.

Como obter frases ofensivas no terminal

As frases ofensivas são parte da tradição e da brincadeira.

Aviso: Por favor, só ligue esta opção se você estiver querendo, do fundo do seu coração, ser ofendido(a).

Na maioria das distribuições, contudo, o banco de dados de frases ofensivas não é instalado.
É necessário fazer a instalação manual, se quiser:


sudo apt install fortunes-off

Agora é só executar, com a opção ‘-o’:


fortune -o

Obtenha dicas de uso do Linux

Para ver frases mais construtivas (com dicas de uso do Debian, por exemplo), instale o pacote Debian Hints:


sudo apt install fortunes-debian-hints

E rode o programa:


fortune debian

ou


fortune debian-hints

Como obter a versão em português

Para ver frases selecionadas em português, é necessário instalar o arquivo fortunes-br:


sudo apt install fortunes-br

e rodar o programa assim:


fortune brasil

Como configurar para mostrar uma “fortuna” toda vez que abre um terminal

Este é o jeito que eu gosto de usar o fortune: com uma frase a cada vez que abro um terminal.
fortune quincas borba
Para isto, inclua o comando ‘fortune’, da maneira que achar melhor a sua execução, ao final do arquivo ~/.bashrc.