Meus 3 primeiros ajustes no app YouTube Music

Logo após a instalação, antes de conferir as novidades em títulos do serviço de streaming, gosto de ir às configurações do app, para fazer meus primeiros ajustes iniciais.

Estas dicas de configuração, tomam no máximo 1 minuto do seu tempo e podem enriquecer ainda mais a sua experiência de uso do aplicativo.

Tenha em mente que escrevo este post baseado na versão Android do app, mas creio que a do Apple deve ser bem parecida (ou igual). Me avise, nos comentário, se não for!

Conjunto de opções de economia de dados

Eventualmente, você achar interessante ouvir alguma coisa pela rede móvel (como os podcasts).

O problema é ser pego de surpresa, com gastos que você nem sabia que estava fazendo.

Por isso, você tem 3 ajustes importantes a serem feitos, no menu de configurações do aplicativo:

  • Streaming só por Wi-Fi — se estiver ligada, esta opção corta a possibilidade de conexão quando você não estiver usando um Wi-Fi. Neste caso, o app irá avisar que você está desconectado e você pode optar por se conectar à rede móvel mesmo assim ou apenas ouvir o conteúdo que já foi baixado.
  • Limitar o uso de dados da rede celular — Se você optar por seguir em frente, conforme a opção acima, o app só irá permitir fluxo de conteúdo em baixa definição.
  • Qualidade do áudio na rede móvel — Ainda, quando você tiver optado por prosseguir no uso da rede celular, o áudio será fornecido em baixa definição (qualidade de rádio).
Minhas configurações atuais sobre o fluxo de mídias no YouTube Music.

Qualidade do streaming de áudio do YouTube Music e opções de armazenamento

Ainda na seção anterior, seleciono a opção “Sempre alta”, dentro do item Qualidade do áudio no Wi-Fi.

Em seguida, cabe retirar o armazenamento da mídia da memória interna e passar tudo para o cartão SD (aqui vale a pena ter um cartão com 128 GB de capacidade de armazenamento ou superior).

Para isso, ligue a opção Usar cartão SD.

Se houver algum conteúdo na memória interna, o app vai levar algum tempo para fazer a transferência. Você pode seguir usando enquanto isso é feito.

Ligue a opção Fazer download somente por Wi-fi para se certificar de que a atividade não ocorrerá durante o uso da rede celular, acarretando gastos imprevisíveis para você.

Ajuste o item Qualidade do áudio para “sempre alta”, o que irá prevenir o app de baixar conteúdo de baixa qualidade para o seu dispositivo. Claro que isto trará um aumento na ocupação do seu espaço de armazenamento. Fique atento(a).

Minhas opções referentes a downloads e armazenamento.

Configure a sua mixtape

A mixtape é um recurso do aplicativo, para baixar uma série de músicas (de acordo com o que ele acha que vai te agradar), para você ouvir a qualquer momento.

Eu gosto do recurso.

O item Fazer o download de uma mixtape off-line garante que eu possa sempre ouvir músicas quando estou desconectado de qualquer rede Wi-Fi (no carro, por exemplo).

Configurações referentes à sua mixtape.

Conclusão

Estas opções podem ajudar a melhorar sensivelmente a sua experiência de uso do aplicativo de streaming de músicas do YouTube (Google).

Fique à vontade para compartilhar comigo e com os outros leitores as suas próprias opções no YouTube Music.

Review do YouTube Music para Android

Aproveitando o período do final do ano, resolvi experimentar gratuitamente, por 30 dias o serviço de streaming de músicas (do Google) YouTube Music.

O serviço não é tão bom, ainda, quanto o do Spotify, do qual também sou assinante, mas o seu uso foi interessante o suficiente para me fazer estender um pouco mais o período de análise.

Depois de quase 3 meses de doce procrastinação, decidi, finalmente, fazer o review e contar o que achei do YouTube Music.

A interface gráfica do YouTube Music

Até o momento, o serviço só pode ser acessado via web, pelo endereço https://music.youtube.com — ou pelo app no dispositivo móvel.

Ainda não há aplicativos para o desktop.

Este post se baseia no app do YouTube Music para Android, que pode ser baixado na loja oficial do Google Play.

A interface pode impressionar os novatos, que estão começando a usar este tipo de serviço. Usuários experientes do Spotify, entre outras plataformas de streaming, vão perceber que ainda há muita coisa para ser feita.

De cara, salta aos olhos a falta de espaço para a sinopses e descrições completas das bandas e dos álbuns.

Eu espero que, quando você estiver lendo este texto, muitas coisas tenham melhorado, contudo.

A presença do ícone Hotlist, no rodapé do aplicativo, leva a uma página cheia de “hits do momento”. Acho isso um desperdício completo de espaço no aplicativo — pois creio que a maioria dos assinantes de serviços de streaming de música está fugindo do jabaculê (jabá) ou das porcarias que estão saturando as rádios.

Vai por mim, você provavelmente não vai querer tocar ali…

Catálogo e buscas de títulos no YouTube Music

Alguns usuários (entre novatos e avançados) têm o hábito de reclamar das plataformas, quando não encontram exatamente as músicas que desejam.

Isso não resiste a um exercício básico de lógica: é interesse da plataforma oferecer a maior quantidade de títulos possível, incluindo todos aqueles de que você gosta.

Mas, aqui e ali, vão esbarrar nas restrições mais estapafúrdias da indústria dos direitos autorais — tem música que pode tocar em uma região e em outra não — qualquer que seja o motivo.

Tem clipes que você pode ver tranquilamente no YouTube normal, mas não consegue encontrar a música (o áudio) no app.

Nestes casos, o YouTube consegue contornar o problema, permitindo ouvir apenas o áudio do clipe (poupando, inclusive, a banda da sua conexão).

Do lado da qualidade do áudio, pode deixar a desejar para os ouvidos mais sensíveis ou exigentes, por enquanto.

O mixtape

O recurso que eu mais gostei foi o “mixtape”.

Trata-se de uma seleção feita pelo app, baseado no seu gosto. No meu caso, o mixtape quase sempre acertava, trazendo títulos incríveis, que eu ainda não conhecia.

O mixtape é renovado a cada 24h, desde que você esteja conectado e fica disponível offline, para você ouvir a qualquer momento.

E este é um dos principais motivos de usar serviços de streaming, para mim: conhecer artistas (entre novos e antigos) que ainda não conheço

Conectividade

Este é um dos itens mais importantes a analisar, principalmente se você vai ouvir suas músicas (ou podcasts) no carro ou em outro dispositivo de som — via bluetooth, inclusive.

O app não tem recursos de conectividade próprios, mas tem suporte a Apple AirPlay e ao Google Chromecast, além do bluetooth do seu próprio celular ou tablet.

Eu tive dificuldades para conectar ao bluetooth do carro, no começo, por que os apps de música do meu celular ficavam “brigando entre si”, pela atenção da conexão.

Se você pretende fazer a sua própria análise do app não se esqueça — de contar o que achou, ali embaixo! — desativar ou desinstalar os outros aplicativos concorrentes.

Vale a pena pagar pelo serviço?

Na mesma faixa de preço dos concorrentes, o produto ainda é imaturo e, na versão que usei, ainda era um pouco instável.

Se você pretende começar a pagar por um serviço de streaming, pode ser uma boa opção, se adquirido dentro do plano YouTube Premium, por que vai te livrar das propagandas em todas as sessões do YouTube, além de dar acesso a conteúdo exclusivo.

Mas não concordo que, no momento, valha a pena sair de outros serviços concorrentes para adotar este, para quem só quer streaming de músicas.

Controle recursos básicos e avançados de reprodução de vídeos com o painel do Youtube Control Center

O Youtube Control center é um plug in produzido pela inBasic (não é oficial do Google, portanto) que tem o objetivo de dar um pouco mais de controle ao usuário sobre o modo como seus vídeos tocam.
Eu testei o plug in usando o Google Chrome 70.0 beta (versão para desktop) — e tem versão para Firefox também. Links para download ao final do artigo.

Se você usa outra versão ou outro navegador e teve problemas ou algum outro tipo de comportamento do software, conta pra gente, nos comentários.

O que é o YouTube Control Center

O plugin é parte de um projeto de código aberto para melhorar a experiência de uso do Youtube para o usuário final (expectador), oferecendo mais controles para a reprodução de seus vídeos.

A interface é simples, leve e muito pouco invasiva.

Dá para ajustar a qualidade padrão ou mínima para a exibição dos seus vídeos, escolher a cor dos controles do player e da barra de progresso — bem como pular as propagandas (mas isto é ruim para os vloggers que você gosta).

O que o Youtube Control Center pode fazer por você

A lista de configurações permitidas pelo add on é grande.
Segue uma relação mais resumida:

  • Definir a qualidade de reprodução preferida para todos os vídeos
  • Definir o volume de reprodução de vídeo preferido para todos os vídeos [apenas na versão XUL]
  • Controlar o comportamento de reprodução automática do player do YouTube
  • Controlar o comportamento do autobuffer do player
  • Pausar automaticamente todos os players do YouTube quando um novo começa [apenas versão XUL]
  • Mostrar anotações de vídeo no player
  • Mostrar controles de vídeo no player [apenas na versão XUL]
  • Ocultar automaticamente os controles de vídeo depois que um vídeo começar a ser reproduzido [apenas na versão XUL]
  • Reproduzir um único vídeo no modo loop [apenas na versão XUL]
  • Alterar o tema do player de vídeo [apenas na versão XUL]
  • Ocultar / Mostrar painel “comentários de vídeo”
  • Ocultar / Mostrar painel “Informações de visualizações de vídeos”
  • Ocultar / Mostrar painel de “botões de ação” (“como”, “não gostar”, “compartilhar”, … botões)
  • Ocultar / Mostrar detalhes “painel (informações publicadas, comprar vídeo, …)
  • Mostrar controles de vídeo, mesmo no modo de tela inteira
  • Desativar a reprodução automática da próxima faixa da lista de reprodução

Algumas opções têm efeito imediato. Outras requerem que você recarregue a página do vídeo ou reinicie o navegador.

Referências

Você pode baixar e instalar o plugin/addon Youtube Control Center nestes links:

  1. Para Firefox: https://addons.mozilla.org/en-US/firefox/addon/youtube-control-center/
  2. Para Chrome: https://chrome.google.com/webstore/detail/youtube-control-center/boplfaeblpnpahldaijlikpgdbgdmhko

5 motivos para começar o seu blog sobre Linux!

Se você gosta muito do Linux, pode ter vários motivos para escrever sobre o assunto.
Na verdade, só o fato de gostar, já é o suficiente para se escrever sobre algo… mas eu posso listar outros motivos para você começar ainda hoje!

Neste post, vou reunir algumas das minhas dicas iniciais para quem estiver precisando de “um empurrãozinho” para começar a escrever, escrever, escrever… sobre Linux, claro! 😉

Se deseja aprender sobre alguma coisa, coloque no papel!

Uma das formas de fixar o aprendizado é registrá-lo em um caderno. Um blog (ou um vlog!) também podem trazer o mesmo benefício.
Um ponto adicional é o fato de que você pode ajudar outras pessoas com o que acabou de aprender.

Um blog é uma ótima forma de registrar o que você não gostaria de esquecer

Ei, foi assim que eu comecei! 😉

Eu usava papel e lápis para anotar os meus procedimentos. Assim, quando precisasse de novo, não precisaria repetir todo o processo de pesquisar e perguntar a outras pessoas sobre como fazer aquilo. Bastava consultar minhas próprias anotações.

O que acontece é que, no Linux, depois que se faz uma configuração, dificilmente se vai precisar fazê-la de novo. Ou seja, você pode demorar meses ou anos para voltar a precisar daquela anotação novamente.
Guardar um caderno de notas, durante este tempo, pode ser um grande desafio para mim.

Anotar o meu aprendizado em um blog é uma forma de mantê-lo sempre à mão, em qualquer lugar acesso à Internet.

Ajudar outras pessoas é bom para a sua reputação

Durante alguns anos eu ajudava as pessoas em fóruns, internet a fora.
Se você se sente melhor ajudando as pessoas em um fórum, como o Viva o Linux, por exemplo, eu o(a) encorajo fortemente a fazer isso. É também uma ótima forma de construir sua reputação.

Pessoalmente, não gosto de grupos em redes sociais, como o Google Plus ou o Facebook.
Redes sociais, na verdade, são péssimas ferramentas para fazer pesquisas por assunto e as perguntas repetitivas são verdadeiros testes para a sua paciência.

Por um lado, são um excelente meio de se tornar reputável, ajudando os outros, mas… também acho que são fonte de sofrimento (e perda de tempo) desnecessário.
Redes sociais simplesmente não foram projetadas para isso.

Os fóruns, em geral, são orientados às dúvidas de outras pessoas.
Já o seu site é orientado às suas próprias dúvidas e ao que você desejar escrever.
É o melhor lugar para você organizar problemas e soluções para o seu dia a dia, na medida em que vão surgindo.

Já existe muito site sobre Linux…

Não. Não existe.
Na verdade, existe muito site sobre Windows — e ainda não vi ninguém reclamando de “saturação”.
Há muito espaço, portanto, para você começar o seu próprio blog sobre o Linux.
Pode escrever sobre o que quiser.
Um blog sobre Linux, não precisa abrigar apenas artigos técnicos.
Muitos outros assuntos podem ser abordados. Por exemplo:

  • As novidades que surgiram na indústria, relacionadas ao sistema operacional do pinguim.
  • A sua opinião sobre as novidades.
  • Se você leu algum artigo, provavelmente formou alguma opinião sobre o que leu. Pois escreva sobre isso.
  • Se sabe inglês, francês, italiano etc. pode traduzir artigos de autores nestes idiomas para o português. Desta forma, você pode ajudar os seus leitores a obter uma outra perspectiva sobre um assunto.
  • Você pode escrever sobre personalidades (líderes, desenvolvedoras(es) etc.) da comunidade do software livre.
    Pode, até mesmo, entrevistá-los(as) e publicar conteúdo exclusivo de grande relevância.

Viu? Não vai faltar assunto! 😉

Um blog ajuda você a se tornar um profissional melhor

Um blog exige que se organize melhor as ideias e que se escreva de maneira que outras pessoas o entendam.
Se você precisa apresentar relatórios, por escrito ou verbalmente, manter um blog atualizado é um ótimo exercício profissional.
Vai ajudar a sua escrita a se destacar entre outros profissionais que não fazem este exercício.

Escrever sobre o que se está aprendendo é legal. Escrever sobre o que se domina, é melhor ainda!

Não guarde seu conhecimento somente para si.
Compartilhe-o com outras pessoas. Você cresce imensamente ao fazer isto.
Se você sabe usar bem os softwares de edição e manipulação de imagens, como o GIMP, o Darktable etc. escreva sobre eles!
Se há excelentes blogs sobre Linux, há algumas lacunas a serem preenchidas sobre temas específicos.
Escolha um software que você domina e ocupe o espaço que existe para falar sobre ele.
Os fóruns podem ser um ótimo lugar para encontrar temas (dúvidas) a serem desvendados e, eventualmente, responder às pessoas com um link para um artigo seu sobre o assunto da dúvida.

Ganhar dinheiro com o seu blog…

Este ponto é contraditório — eu poderia citá-lo como motivo para não escrever blog nenhum.

Embora eu tenha uma renda vinda do meu site, o dinheiro não foi o motivo pelo qual eu comecei e, até este momento, não é o que me move e me faz ficar horas do meu dia estudando e escrevendo.

É a paixão que me move.
Eu não teria chegado até aqui se não fosse a minha paixão pelo software livre e pelo imenso bem estar que sinto dentro desta comunidade maravilhosa.

Você pode demorar anos para começar a obter algum retorno financeiro pelo seu trabalho no blog.

Ganhar dinheiro com o seu site tem outro lado, de que pouco se fala.
Algumas empresas que trabalham com monetização de espaço publicitário em seu blog irão passar você para trás, te enganar, te roubar etc…
Não é uma regra, mas acontece.
Nem todas são desonestas, mas é uma realidade que você pode vir a enfrentar.
E você não vai ter para quem reclamar, até por que não existe contrato entre você e elas.

Portanto, acredite em mim: se você não gostar do que está fazendo, vai sofrer muito e é bem provável que nunca chegue a sentir que valeu a pena.
Com muito trabalho e esforço, é bem possível que seu blog se torne rentável, com o tempo.
Mas não faça deste o objetivo maior desta jornada.

Conclusão

A expectativa de gerar renda, através de um blog ou de um vlog (no YouTube, por exemplo) é um assunto um pouco mais complexo que talvez eu ajude a desvendar melhor em outro post.
O que você achou dos outros motivos, até agora?
São suficientes para te convencer?! Sinta-se á vontade para comentar ou fazer perguntas abaixo, na sessão de comentários. 😉

Encontre e assista a seus vídeos favoritos no YouTube com este aplicativo.

O SMTube é um aplicativo GUI de busca de conteúdo no YouTube.
Faz parte da biosfera de softwares que envolvem o SMPlayer, mas é totalmente independente dele para ser executado.

Em outras palavras, você pode encontrar e escolher seus vídeos através do SMTube e reproduzi-los com um dos reprodutores que já tem instalado aí (VLC, Totem, GNOME-MPlayer, mplayer etc.)

Procure por ‘smtube’ na loja de aplicativos da lojinha do sua distribuição GNU/Linux Favorita. As imagens que você vê no artigo são da distro Debian 10 Buster — mas você vai encontrar o programa em qualquer outra distro.
Debian Ubuntu Instalar programas

No Debian, é possível encontrar o app nas sugestões de instalação do próprio dash, como se vê na imagem abaixo.
dash debian

Você também pode fazer sua pesquisa direto na loja de aplicativos da sua distro.

debian loja oficial
1- faça a busca dentro da loja; 2- clique em instalar.

Usuários Windows poderão encontrar uma versão para seu sistema operacional no site oficial do aplicativo.

Como usar o SMTube

O aplicativo funciona parecido a um navegador, com opções de reprodução no painel de configurações. Acesse-o pelo menu: View/Settings.
smtube rodando no Linux

E, sim! Ele vai além do YouTube!

Acessei outros sites de vídeos (inclusive “sites adultos”) e tudo funcionou maravilhosamente.
Na minha experiência, o SMTube foi mais leve e ágil para mostrar os vídeos do que os meus navegadores (Firefox ou Google Chrome).