5 motivos para começar o seu blog sobre Linux!

Se você gosta muito do Linux, pode ter vários motivos para escrever sobre o assunto.
Na verdade, só o fato de gostar, já é o suficiente para se escrever sobre algo… mas eu posso listar outros motivos para você começar ainda hoje!

Neste post, vou reunir algumas das minhas dicas iniciais para quem estiver precisando de “um empurrãozinho” para começar a escrever, escrever, escrever… sobre Linux, claro! 😉

Se deseja aprender sobre alguma coisa, coloque no papel!

Uma das formas de fixar o aprendizado é registrá-lo em um caderno. Um blog (ou um vlog!) também podem trazer o mesmo benefício.
Um ponto adicional é o fato de que você pode ajudar outras pessoas com o que acabou de aprender.

Um blog é uma ótima forma de registrar o que você não gostaria de esquecer

Ei, foi assim que eu comecei! 😉

Eu usava papel e lápis para anotar os meus procedimentos. Assim, quando precisasse de novo, não precisaria repetir todo o processo de pesquisar e perguntar a outras pessoas sobre como fazer aquilo. Bastava consultar minhas próprias anotações.

O que acontece é que, no Linux, depois que se faz uma configuração, dificilmente se vai precisar fazê-la de novo. Ou seja, você pode demorar meses ou anos para voltar a precisar daquela anotação novamente.
Guardar um caderno de notas, durante este tempo, pode ser um grande desafio para mim.

Anotar o meu aprendizado em um blog é uma forma de mantê-lo sempre à mão, em qualquer lugar acesso à Internet.

Ajudar outras pessoas é bom para a sua reputação

Durante alguns anos eu ajudava as pessoas em fóruns, internet a fora.
Se você se sente melhor ajudando as pessoas em um fórum, como o Viva o Linux, por exemplo, eu o(a) encorajo fortemente a fazer isso. É também uma ótima forma de construir sua reputação.

Pessoalmente, não gosto de grupos em redes sociais, como o Google Plus ou o Facebook.
Redes sociais, na verdade, são péssimas ferramentas para fazer pesquisas por assunto e as perguntas repetitivas são verdadeiros testes para a sua paciência.

Por um lado, são um excelente meio de se tornar reputável, ajudando os outros, mas… também acho que são fonte de sofrimento (e perda de tempo) desnecessário.
Redes sociais simplesmente não foram projetadas para isso.

Os fóruns, em geral, são orientados às dúvidas de outras pessoas.
Já o seu site é orientado às suas próprias dúvidas e ao que você desejar escrever.
É o melhor lugar para você organizar problemas e soluções para o seu dia a dia, na medida em que vão surgindo.

Já existe muito site sobre Linux…

Não. Não existe.
Na verdade, existe muito site sobre Windows — e ainda não vi ninguém reclamando de “saturação”.
Há muito espaço, portanto, para você começar o seu próprio blog sobre o Linux.
Pode escrever sobre o que quiser.
Um blog sobre Linux, não precisa abrigar apenas artigos técnicos.
Muitos outros assuntos podem ser abordados. Por exemplo:

  • As novidades que surgiram na indústria, relacionadas ao sistema operacional do pinguim.
  • A sua opinião sobre as novidades.
  • Se você leu algum artigo, provavelmente formou alguma opinião sobre o que leu. Pois escreva sobre isso.
  • Se sabe inglês, francês, italiano etc. pode traduzir artigos de autores nestes idiomas para o português. Desta forma, você pode ajudar os seus leitores a obter uma outra perspectiva sobre um assunto.
  • Você pode escrever sobre personalidades (líderes, desenvolvedoras(es) etc.) da comunidade do software livre.
    Pode, até mesmo, entrevistá-los(as) e publicar conteúdo exclusivo de grande relevância.

Viu? Não vai faltar assunto! 😉

Um blog ajuda você a se tornar um profissional melhor

Um blog exige que se organize melhor as ideias e que se escreva de maneira que outras pessoas o entendam.
Se você precisa apresentar relatórios, por escrito ou verbalmente, manter um blog atualizado é um ótimo exercício profissional.
Vai ajudar a sua escrita a se destacar entre outros profissionais que não fazem este exercício.

Escrever sobre o que se está aprendendo é legal. Escrever sobre o que se domina, é melhor ainda!

Não guarde seu conhecimento somente para si.
Compartilhe-o com outras pessoas. Você cresce imensamente ao fazer isto.
Se você sabe usar bem os softwares de edição e manipulação de imagens, como o GIMP, o Darktable etc. escreva sobre eles!
Se há excelentes blogs sobre Linux, há algumas lacunas a serem preenchidas sobre temas específicos.
Escolha um software que você domina e ocupe o espaço que existe para falar sobre ele.
Os fóruns podem ser um ótimo lugar para encontrar temas (dúvidas) a serem desvendados e, eventualmente, responder às pessoas com um link para um artigo seu sobre o assunto da dúvida.

Ganhar dinheiro com o seu blog…

Este ponto é contraditório — eu poderia citá-lo como motivo para não escrever blog nenhum.

Embora eu tenha uma renda vinda do meu site, o dinheiro não foi o motivo pelo qual eu comecei e, até este momento, não é o que me move e me faz ficar horas do meu dia estudando e escrevendo.

É a paixão que me move.
Eu não teria chegado até aqui se não fosse a minha paixão pelo software livre e pelo imenso bem estar que sinto dentro desta comunidade maravilhosa.

Você pode demorar anos para começar a obter algum retorno financeiro pelo seu trabalho no blog.

Ganhar dinheiro com o seu site tem outro lado, de que pouco se fala.
Algumas empresas que trabalham com monetização de espaço publicitário em seu blog irão passar você para trás, te enganar, te roubar etc…
Não é uma regra, mas acontece.
Nem todas são desonestas, mas é uma realidade que você pode vir a enfrentar.
E você não vai ter para quem reclamar, até por que não existe contrato entre você e elas.

Portanto, acredite em mim: se você não gostar do que está fazendo, vai sofrer muito e é bem provável que nunca chegue a sentir que valeu a pena.
Com muito trabalho e esforço, é bem possível que seu blog se torne rentável, com o tempo.
Mas não faça deste o objetivo maior desta jornada.

Conclusão

A expectativa de gerar renda, através de um blog ou de um vlog (no YouTube, por exemplo) é um assunto um pouco mais complexo que talvez eu ajude a desvendar melhor em outro post.
O que você achou dos outros motivos, até agora?
São suficientes para te convencer?! Sinta-se á vontade para comentar ou fazer perguntas abaixo, na sessão de comentários. 😉

Encontre e assista a seus vídeos favoritos no YouTube com este aplicativo.

O SMTube é um aplicativo GUI de busca de conteúdo no YouTube.
Faz parte da biosfera de softwares que envolvem o SMPlayer, mas é totalmente independente dele para ser executado.

Em outras palavras, você pode encontrar e escolher seus vídeos através do SMTube e reproduzi-los com um dos reprodutores que já tem instalado aí (VLC, Totem, GNOME-MPlayer, mplayer etc.)

Procure por ‘smtube’ na loja de aplicativos da lojinha do sua distribuição GNU/Linux Favorita. As imagens que você vê no artigo são da distro Debian 10 Buster — mas você vai encontrar o programa em qualquer outra distro.
Debian Ubuntu Instalar programas

No Debian, é possível encontrar o app nas sugestões de instalação do próprio dash, como se vê na imagem abaixo.
dash debian

Você também pode fazer sua pesquisa direto na loja de aplicativos da sua distro.

debian loja oficial
1- faça a busca dentro da loja; 2- clique em instalar.

Usuários Windows poderão encontrar uma versão para seu sistema operacional no site oficial do aplicativo.

Como usar o SMTube

O aplicativo funciona parecido a um navegador, com opções de reprodução no painel de configurações. Acesse-o pelo menu: View/Settings.
smtube rodando no Linux

E, sim! Ele vai além do YouTube!

Acessei outros sites de vídeos (inclusive “sites adultos”) e tudo funcionou maravilhosamente.
Na minha experiência, o SMTube foi mais leve e ágil para mostrar os vídeos do que os meus navegadores (Firefox ou Google Chrome).

Já pensou em ter dispositivos específicos para as funções que usa mais no celular?

Uma das ideias, deste post, é gastar (beeeeem) menos na aquisição do seu próximo celular e se sentir tecnologicamente muito mais bem servido.
O principal ponto é deixar que ele realize melhor as funções básicas do dia a dia, sem esquentar ou sobrecarregar o seu orçamento.

Já para aquelas funções específicas, que você mais aprecia, gaste o dinheiro restante para adquirir um equipamento de verdade.
Este post tem alguns links com sugestões de compra.
Se, eventualmente, você decidir fazer alguma através deles, vai me ajudar a ganhar uma pequena comissão. 😉

Mas antes disso, deixa eu te dar algumas dicas que podem ser bem interessantes e facilitar um pouco mais a sua vida.
Ao final do post, conto como eu mesmo aplico os conceitos discutidos aqui, no meu cotidiano.

Por que diabos eu deveria andar com outro aparelho, além do meu celular?

Acredite ou não, conheço gente que anda com 3 celulares no bolso…

Celulares são projetados para atender a uma enorme gama de tarefas e necessidades de seus usuários:

  1. Atender a chamadas telefônicas (… e eu quase não uso mais para isso).
  2. Acessar sites na Internet.
  3. Ler livros, gibis, revistas, jornais, blogs etc.
  4. Ver filmes, séries, documentários, tutoriais e “aleatoriedades” no YouTube.
  5. Ouvir seus podcasts favoritos.
  6. Jogar videogames.
  7. Tirar fotos, gravar vídeos, áudios etc.
  8. Acessar as suas redes sociais.
  9. Realizar serviços de Internet banking, controlar cartões de crédito etc.

… eu sei! A lista é bem mais extensa do que isto.

O primeiro problema é que a bateria não dura o dia todo, rodando a maior parte destas funções.
Outro problema é o sobreaquecimento do aparelho, que reduz drasticamente sua vida útil — e pode levar para “a lata do lixo”, em pouco menos de um ano, um aparelho que te custou uma “pequena” fortuna.

Estou escrevendo este post por que acredito que este dinheiro pode ser melhor gasto 😀

Pense na possibilidade de comprar equipamento específico para as funções que usa mais

A ideia, aqui, é não sobrecarregar um aparelho projetado para servir a múltiplas funções, com apenas uma ou duas.
A lógica é simples: é impossível o aparelho atender a todas as necessidades dos usuários do mundo.
Se você gosta muito de jogar, várias horas por dia, pense na possibilidade de comprar um videogame portátil.
Parece que é mais caro… mas pode não ser!
Um console de videogame portátil custa menos que um smartphone high end (ou topo de linha).
Você duvida? Veja algumas opções:

  1. Nintendo DS,
  2. Nintendo Switch
  3. ou um Playstation Vita.

Outras atividades também mantém a tela ligada por muito tempo — como a leitura ou assistir vídeos.
A leitura pode ser melhor satisfeita com um leitor digital — os modelos mais baratos são aparelhos pequenos, leves e podem ser transportados junto com o celular — seja no bolso ou na bolsa 😉

Se você é do tipo que prefere ver vídeos, pense em adquirir um Kindle Fire, da Amazon ou um tablet barato só para esta função.
Todos os modelos de console de videogame portáteis, citados acima, suportam apps de streaming de vídeos (Hulu, Amazon Prime, Netflix, YouTube etc).

O meu cotidiano

Eu também uso o celular para ouvir músicas, ver vídeos em serviços de streaming (YouTube, Netflix, Amazon Prime e Vimeo).
Eventualmente, também jogo no celular e tenho o app do Kindle instalado para ler meus ebooks.
Contudo, prefiro assistir ao streaming na SmartTV e jogar no Playstation.
O aparelho que carrego é sempre o Kindle básico — é fino e cabe no mesmo bolso que o celular.
Adoro fotografar e tenho minha câmera DSLR mas, usualmente, o celular é o que está sempre à mão.
Para esta função, já pensei em optar pelo Moto Z2 Play com um snap Hasselblad, mas os reviews me desencorajaram… 😉

E você? Quais são as funções do seu celular que acredita que poderiam ser melhor realizadas por outro dispositivo específico?

Baixe vídeos do YouTube com o app YouTube Go

O YouTube Go é um aplicativo desenvolvido pelo Google.
O app permite assistir e baixar (não todos) os vídeos da plataforma.

Depois de baixado, um vídeo pode ser compartilhado nas redes sociais ou via Bluetooth.
O app foi pensado até mesmo nas pessoas que têm conexão lenta, pois permite escolher entre 3 opções de qualidade (baixa, média e alta) para fazer download.
Além disto, você pode escolher se quer armazenar seus vídeos no espaço interno do aparelho ou no externo (cartão SD).
youtube go screenshot

Se você pretende compartilhar o vídeo nas redes sociais ou apenas assistir na tela do smartphone, a opção de menor tamanho quase sempre será a ideal.
Leve em conta que a qualidade do áudio também sofre alguma redução, nestes casos.

youtube go screenshot

Baixar nossos vídeos abre várias possibilidades.
Se você está prestes a ir a uma consulta ou a qualquer outro lugar em que vai precisar ficar sentado(a) esperando, pode baixar antecipadamente seus vídeos — tutoriais, documentários, vlogueiros que você gosta etc.
Também pode fazer o contrário: se não tem uma conexão de banda larga em casa, pode baixar o conteúdo em outros locais com conexão mais rápida.

Para mim, que gosto muito de ver conteúdo sobre fotografia, astronomia, resenhas de filmes… o YouTube Go ajuda bastante a passar o tempo, quando tenho que ficar esperando em algum local.

É importante dizer que, no momento em que escrevo este post, o app ainda está em Beta e pode não estar disponível para download para todos os usuários.
Ele é estável e funciona muito bem. Contudo, se você não gosta de usar software, ainda neste estágio, convém aguardar um pouco.

Segue o link para download: https://goo.gl/kwHSQq.

Como baixar vídeos do Youtube no celular

O Youtube está repleto de vídeos, para todos os gostos.
Eu, mesmo, não tenho tempo de ver tudo o que gostaria e, quando tenho, muitas vezes estou em algum local em que não há conexão Wi-Fi ou ela é muito lenta.

Nas salas de espera — com as costumeiras revistas chatas e TVs ligadas em programas depressivos — é onde melhor se aproveita o tempo vendo uma palestra de nosso interesse, uma videoaula, o último upload do nosso youtuber favorito etc.
Só não esqueça de usar fones de ouvido… 😉

Já mostrei como fazer download de vídeos do Youtube para o seu PC/laptop, com o uso do youtube-dl — uma ferramenta superflexível a ponto de permitir baixar vídeos de muitos outros sites.
Também ensinei como instalar o YouTube Go, que também é um app de download de vídeos para Android — não esqueça de ler!

Baixe e configure o Youtube Cacher

Como o próprio nome indica, o aplicativo vai usar o cache do próprio app do Youtube (que você precisa ter já instalado no seu celular) e convertê-lo para um formato que possa ser lido por outros players, além de gravá-lo em algum outro local do seu sistema de armazenamento — uma vez que o app do Youtube sempre apaga o cache, para liberar espaço.

  1. O primeiro passo é baixar o aplicativo a partir do repositório do F-Droid.
    Se você ainda não tem o F-Droid, veja como instalá-lo aqui.
  2. Em seguida, procure pelo app e clique em “Instalar”.
    youtube cacher download
  3. Após a instalação, é possível encontrar o Youtube Cacher na relação de apps instalados no seu aparelho, Basta procurar por “youtube”.
    Para baixar seu vídeo, cole a URL dele na caixa de download:
    baixar vídeos do youtube no Android