Passo a passo para formatar um drive no Linux usando criptografia forte.

Qualquer drive, seja um pendrive, um cartão de memória ou um HD externo pode ser formatado facilmente no Linux, com as ferramentas de gestão de discos.
O programa pode ser disparado a partir do próprio Nautilus, se você usa alguma distro com o GNOME (Debian, Ubuntu etc.)

Se você tem interesse em conhecer melhor o utilitário, leia Como formatar um drive no Linux, onde o assunto é abordado de maneira mais extensa (e genérica).

Neste post, vou mostrar como realizar o procedimento de maneira rápida, usando o sistema de arquivos EXT4 com o LUKS.

Como formatar uma unidade com criptografia LUKS

Localize a unidade a ser criptografada no painel esquerdo do Nautilus.
seleção de volume no Nautilus

Em seguida, clique com o botão direito do mouse sobre a unidade escolhida e selecione formatar.
Formatar no Nautilus para Linux

Dê um nome ao volume a ser inicializado.
Opções de formatação

Se estiver com tempo para esperar, vale a pena selecionar a opção “Apagar”, que irá remover todos os dados do drive selecionado, em segurança. Fica o aviso de que esta opção é de execução demorada — a desculpa perfeita para ir tomar um café, se quiser.
Opções de formatação

A criptografia LUKS só pode ser selecionada para sistemas de arquivos EXT4, do Linux.

Se executar este processo em um drive externo USB, por exemplo, vai precisar instalar suporte a EXT4 e criptografia LUKS, para conseguir ler seu conteúdo no Windows.

Quando terminar de fazer seus ajustes nesta janela, clique em “Próximo”.

Na próxima tela, você terá que definir e confirmar a sua senha.
Se deixou a opção “Apagar” desligada, então o processo será bem rápido.
Senha para formatação com criptografia

Daqui para frente, toda vez que for usar o drive, a senha cadastrada será pedida.
Nautilus volume criptografado

Na imagem, acima, é possível notar que, antes de dar a senha e montar a unidade, nem o nome do volume será exibido no Nautilus.
A criptografia LUKS em unidades EXT4 é uma maneira segura e conveniente (fácil) de armazenar arquivos com informações sensíveis e confidenciais.

Use o Xarchiver para compactar arquivos no Linux

O Xarchiver é uma ferramenta gráfica (GUI) para comprimir arquivos e que pode facilitar o seu backup.
O utilitário pode ser usado para selecionar uma grande quantidade de arquivos ou diretórios (pastas) para compactação através de diversos métodos e algoritmos.
Neste artigo, vou mostrar algumas importantes opções de uso do aplicativo.

Xarchiver é uma interface GTK+ leve e independente de área de trabalho para manipulação de arquivos compactados nos formatos xz, 7z, arj, bzip2, gzip, rar, tar, zip, rpm e deb. Ele permite que você crie arquivos compactados e adicione, extraia e exclua arquivos a partir deles. Arquivos protegidos por senha nos formatos arj, 7z, rar e zip são suportados.

Como instalar o Xarchiver

Abra o gerenciador de aplicativos do seu sistema e procure pelo ‘xarchiver’.
xarchiver install
Proceda com a instalação, clicando no botão ‘Instalar’.
Se preferir usar a CLI, abra um terminal e instale o pacote de mesmo nome:


sudo apt install xarchiver


O exemplo acima se refere às distribuições derivadas do Debian (Ubuntu, Linux Mint etc.)
Se você usa outra, substitua o gestor de pacotes apt pelo padrão da sua distro (dnf, yum etc.)
O restante deste tutorial irá seguir com o uso da interface GNOME, padrão atual em várias distribuições GNU/Linux.
Se este não for o seu caso, não se preocupe, pois os procedimentos tendem a ser (com pouquíssimas variações visuais) os mesmos.

Como comprimir arquivos com o Xarchiver

É possível arrumar o seu gerenciador de arquivos ao lado do Xarchiver.
Em seguida, selecione os arquivos que serão compactados e arraste-os para dentro da janela principal do Xarchiver.
Esta é uma das formas de fazer um backup ou empacotar arquivos para enviar para outra pessoa.
Debian Gnome xarchiver & nautilus

Eu prefiro abrir apenas o Xarchiver e, a partir dele, selecionar os arquivos a serem compactados.
Segue um passo a passo:

  1. Clique em Pacote/Novo (ou use o atalho Ctrl + N).
  2. linux xarchiver backup tool
    Você pode clicar no ícone "Novo documento" para iniciar um novo backup.
  3. Dê um nome para o seu pacote de arquivos.
    Selecione, em "Tipo do Arquivo" (embaixo) o método de empacotamento/compactação desejado.
    O tar.bz2 é o que costumo usar para os meus backups.
    linux xarchiver backup tool
    Clique em "Criar" para voltar à tela inicial.
  4. De volta à tela principal clique Ação/Adicionar (Ctrl + D) para incluir arquivos no pacote.
    linux xarchiver backup tool
    O trabalho de compressão é iniciado logo após clicar no botão 'Adicionar', no canto inferior direito.
    linux xarchiver backup tool
    Note que, na barra de status, na parte inferior da janela do Xarchiver, é exibida a mensagem "Adicionando arquivos ao pacote, aguarde por favor...". Ao mesmo tempo, à direita da mensagem um círculo alterna sua coloração entre verde e vermelho, indicando atividade.
    linux xarchiver backup tool

Se o volume de arquivos, a compactar, ultrapassar 1 GiB — e a sua máquina não for das mais rápidas — o procedimento pode ser um tanto demorado. Tenha paciência.

Como descomprimir pacotes de arquivos a partir do gerenciador de arquivos (Nautilus)

O procedimento é simples e intuitivo.
xarchiver extract files

Abra o gerenciador de arquivos padrão do seu sistema e localize o pacote de arquivos que você deseja inflar (ou extrair arquivos de dentro dele).
Se quiser extrair todos os arquivos na pasta atual, clique sobre o nome do pacote com o botão direito do mouse e selecione 'Extrair'.
Se preferir indicar a pasta para a qual serão extraídos os arquivos do pacote, selecione 'Extrair para'.

Como extrair arquivos dos pacotes a partir do Xarchiver

Localize o pacote a ser descomprimido com o Nautilus.

  1. Clique 2 vezes sobre o nome do pacote.
  2. Selecione os arquivos que deseja extrair.
  3. Clique com o botão direito sobre a seleção clique sobre 'Extrair'.
    linux xarchiver backup tool

Em que casos você não deve usar o Xarchiver

As atividades de compressão/descompressão de arquivos podem ser vorazes em relação aos recursos do seu sistema.
Em outras palavras, se você tiver muitos arquivos grandes, totalizando um volume na casa dos GiB, o sistema pode ficar lento e, em alguns momentos, deixar de responder temporariamente — principalmente, em computadores mais antigos.
Apenas, tenha paciência e espere.
O ideal pode ser fechar outros aplicativos e deixar apenas o Xarchiver trabalhando em paz, enquanto você vai pegar um café.
Se você é do tipo que não gosta de esperar e quer usar o sistema durante um trabalho de backup intenso, a solução ideal é usar o tar/bzip2 no modo texto.
Para algumas pessoas, isto envolve perder o preconceito (ou medo) da CLI — que é o melhor lugar para se fazer serviço pesado.

Como acessar arquivos na nuvem com o WebDAV

Com o protocolo WebDAV, é possível acessar arquivos armazenados na nuvem de qualquer servidor compatível.
Neste post, vou usar, como exemplo, um servidor de aplicativos (e arquivos) na nuvem ownCloud, para mostrar como o acesso pode ser feito para copiar, criar, remover, alterar e compartilhar arquivos.
captura de tela do gerenciador de arquivos acessando um servidor WEBDAV

O protocolo WebDAV transforma a web em uma mídia passível de ser lida e escrita.
O WebDAV (Web Distributed Authoring and Versioning) é uma extensão do HTTP, que facilita a colaboração entre usuários na edição e manipulação de documentos e arquivos na Internet. (Wikipedia)

O meu servidor de arquivos na nuvem, fica no endereço http://localhost e os exemplos, que seguem serão baseados nestes valores — altere-os, para que o tutorial se adeque à sua realidade.

Acesse seus arquivos no servidor, usando qualquer gerenciador de arquivos

Atualmente, qualquer gerenciador de arquivos, no Linux, tem a capacidade de acessar um servidor via WebDAV — isto inclui: o Dolphin (KDE), o Nautilus (Ubuntu), o Thunar (Xubuntu) etc.
Basta ter o servidor funcionando e fornecer o endereço correto.
No meu caso, o endereço a ser acessado é o seguinte:
dav://localhost/owncloud/remote.php/webdav/
Nota: Se sua conexão ao servidor é HTTPS (segura), use davs:// em vez de dav://.
No Nautilus, clique em Arquivo e selecione a opção de Conectar ao servidor.
Forneça o nome de usuário e a senha, já cadastrados, para ter acesso aos seus arquivos.

Captura de tela do gerenciador de arquivos thunar com o submento de contexto aberto
Clique para ver detalhes.

Não se esqueça de adicionar o endereço aos favoritos ou marcadores para não precisar mais digitar tudo nas próximas vezes.

Clientes WebDAV

A Microsoft introduziu o suporte ao WebDAV no Windows 98, em um recurso chamado web folders.
O Mac OS X, a partir da versão 10, suporta o WebDAV, como um sistema de arquivos — o que permite ao montar diretórios remotos no servidor, usando o mecanismo tradicional do BSD.
Usuários Linux podem montar diretórios WebDAV com o uso dos módulos davfs2 e e fusedav, que os monta como sistemas de arquivos Coda ou FUSE.
O KDE tem suporte nativo ao WebDAV, o que permite acessar servidores remotos naturalmente com o Konqueror ou o Dolphin (a escolhe é sua) ou de qualquer outro aplicativo, com direito a interação direta e controle total.
Todas as outras aplicações, que fazem uso da GIO library, o que inclui o Nautilus, o Thunar (XFCE) etc. têm acesso ao WebDAV, com o uso do GNOME Virtual File System (GVFS) ou Sistema de Arquivos Virtual GNOME.

LEIA MAIS

Referências:

Como alterar o tamanho dos ícones na área de trabalho do Ubuntu 12.04 LTS

O Ubuntu 12.04 LTS tem suporte garantido pela Canonical até 2017, o que faz dele, até lá, a opção mais estável do Ubuntu. Contudo, ele não tem os mesmos recursos visuais que a versão 14.04 (que também é LTS), 2 anos mais nova, portanto.
Como sou dos que desincentivam instalar o Ubuntu Tweeks, entre outros aplicativos deste gênero, pelos motivos listados aqui, vou mostrar que não é difícil alterar detalhes visuais, como o tamanho dos ícones na área de trabalho.
O truque é feito dentro de qualquer janela do Nautilus — o gerenciador de arquivos padrão do Unity, no Ubuntu.
Com o Nautilus aberto, selecione a pasta da Área de Trabalho. Em seguida, clique em Editar/Preferências.
Na tela de configuração de Visualização, reduza o nível de zoom dos ícones para um valor que você considere mais adequado. No meu caso, 50%.

Tamanho dos ícones
Clique para ampliar.

Simples e rápido.