Passe as fotos da câmera ou do cartão de memória mais rápido para o seu computador.

O aplicativo rapid-photo-downloader faz o que o nome promete.
Quando o programa está no ar, basta conectar um cartão de memória ou a sua câmera via USB para ver na tela todos os thumbnails das suas fotos.

Dali pra frente, é só selecionar o que você quer transferir. Por padrão, todos os arquivos já ficam selecionados.
Sim. O programa tem suporte a imagens RAW.

Pode ser instalado a partir dos repositórios oficiais da sua distro GNU/Linux.
Abra o app de instalação de programas (a lojinha da sua distro) e procure por ‘rapid-photo-downloader’.

Na imagem, acima, tela de instalação do aplicativo no POP Shop.

Se preferir usar a CLI, abra um terminal e instale, com o apt (ou dnf, se você usa o Fedora):


sudo apt install rapid-photo-downloader

Uma vez instalado, pressione a tecla Super e procure pelo ‘rapid-photo…’

Quando estiver carregando, insira o seu cartão de memória ou conecte sua câmera.
O aplicativo também irá detectar que seu celular está conectado — mas precisa estar no modo de transferência de fotos (PTP).

O Rapid Photo Downloader se diferencia de outros aplicativos do gênero por ser bem mais rápido que os outros.
Ele reconhece e importa rapidamente todo o seu set de imagens.
Pode ser usado para renomear um grande conjunto de arquivos.
Este é mais um dos programas, para Linux, desenvolvido por fotógrafos para fotógrafos.

Site do aplicativo: http://www.damonlynch.net/rapid/index.html.

Por que e como você deveria fazer backup dos arquivos que mantém na nuvem.

A segurança tem várias regras e dicas. Mas a regra do backup é a mais importante.
Se os arquivos não têm um segundo backup redundante, ou seja, backup do backup, sua segurança está incompleta.

Vale lembrar que “nuvem” não é nada além do “computador dos outros”, ou seja, é um local aonde as suas regras não se aplicam.
Serviços gratuitos, se você não leu o contrato de uso, podem ter cláusulas draconianas e que desoneram o provedor de qualquer responsabilidade sobre os seus arquivos.

Se você não está pagando para usar o serviço, então está usufruindo de “um favor” da empresa. Portanto, não é injusto ela se esquivar de responsabilidades sobre os seus arquivos.

Sobre este ponto eu aconselho:

  1. analisar os valores dos planos de armazenamento dos seus arquivos na nuvem e optar por um plano pago.
    O Google Photos não é o único. Há o Dropbos, o pCloud (eu uso esse!)etc.
  2. Faça o seu backup redundante. Adquira uma mídia de armazenamento do tamanho do espaço que você tem na nuvem.
    Se pretende continuar usando o plano básico do Google Photos (15 Gb), compre um pendrive com este tamanho. Descarregue periodicamente suas fotos para o seu pendrive de backup.

Leia sobre como baixar suas fotos do Google Photos.
Esta plataforma tem 2 planos básicos gratuitos:

  1. um que armazena até 15 Gb de fotos, no tamanho e qualidade original.
  2. e outro, ilimitado, que aplica um “certo nível” de compressão — que a empresa chama de “alta qualidade”.

google photos plano básico de armazenamento

Acesse o site do pCloud e crie sua conta gratuita: https://www.pcloud.com/welcome-to-pcloud.

Se você se preocupa em armazenar suas imagens com a máxima qualidade, ou seja a qualidade original — mas ainda quer a gratuidade — o plano limitado a 15 Gb é para você — mas vai ter que apagar suas imagens, de vez em quando, para liberar espaço para as novas.
O outro plano vai implicar em uma pequena perda da qualidade original das fotos — mas, se você se dá por satisfeito com o resultado das suas fotos no Instagram, este plano vai te dar mais tranquilidade.

Leia mais sobre o pCloud.

Quais as diferenças entre o modo portátil e o modo de armazenamento interno, no Android?

Alguns aparelhos, dependendo das escolhas feitas pelos seus fabricantes têm suporte ao modo de armazenamento interno, em adição ao modo tradicional de armazenamento.
android robot and an SD card in black and white picture
Dezenas de dúvidas sobre o modo de armazenamento interno (também chamado, em inglês, de adoptable mode) foram sanadas no artigo perguntas e respostas sobre o modo de armazenamento interno no Android — sugiro fortemente a sua leitura.

Neste post, vamos abordar o assunto por outro ponto de vista: o da escolha por um ou outro método de armazenamento em smartphones ou tablets Android.

Ao inserir um cartão novo no seu celular Android, a partir da versão 6.0 Marshmallow — se o dispositivo tiver suporte ao recurso — o dono se depara com a pergunta sobre se deseja usá-lo sob um dos 2 modos de armazenamento.
inserting an SD card in a reader
Quando é mais conveniente usar um ou outro, é o assunto neste artigo.
Neste sentido, espero que a tabela, abaixo, ajude você a identificar exatamente em que grupo se encontram as suas necessidades e como você pode aproveitar melhor o seu cartão de memória:

Armazenamento portátil Armazenamento interno
Selecione o modo portátil se você costuma guardar, em um mesmo cartão SD, arquivos de mais de um dispositivo (entre câmera, laptop, celular etc.) ou o usa apenas para armazenar mídia (fotos, músicas, vídeos etc.) Selecione o modo de armazenamento interno se você quer estender completamente o espaço de armazenamento do seu dispositivo e vai precisar do cartão para gravar aplicações grandes, jogos e dados de jogos.
Se você tem um cartão de memória não muito atual, de classe 2, 4 ou 6, opte pelo modo portátil. Se tem um cartão de alta velocidade (high-speed), UHS-1 ou classe 10, é possível optar pelo modo interno, sem sofrer com lentidão.
Se você costuma ou tem a pretensão de trocar cartões de memória com frequência ou usá-los para transferir conteúdo entre dispositivos. Se você planeja manter o cartão sempre dentro do dispositivo, baixar jogos pesados e está sempre tendo problemas de falta de espaço — use um cartão de grande capacidade e formate-o no modo interno.
Se os seus aplicativos junto com seus dados são sempre armazenados na memória interna e não podem ser transferidos para o cartão, opte pelo armazenamento tradicional. Se você sabe que os seus aplicativos favoritos podem ser transferidos para um cartão, junto com seus arquivos de dados.
Em tempo, quem decide se os aplicativos e/ou seus dados podem ser transferidos para o cartão é o desenvolvedor.
Se o cartão vai ser usado e lido por outros dispositivos (outro telefone, desktop (Mac ou PC), câmera digital. Se você planeja manter o cartão sempre dentro deste aparelho.
Se você não quiser criptografar o cartão. Se você não se importa de criptografar o cartão.
O modo portátil não requer a formatação automática do cartão. Para usar este modo, o cartão terá que ser formatado e criptografado.

Leve também em conta que a Lenovo/Motorola recomenda formatar seu cartão no modo interno quando o seu dispositivo tem 8 GB ou menos espaço na memória interna nativa dele.
samsgung 64 GB PRO card
Para ter mais informações, antes de decidir, não se esqueça de ler os artigos:

  1. Perguntas e respostas sobre o armazenamento interno.
  2. Como formatar o cartão no modo interno.
  3. Passo a passo para formatar o seu cartão SD no modo interno (explica a mesma coisa que o segundo artigo, com uma abordagem diferente).

Use também a caixa de busca do site, para obter mais informações sobre o assunto.

Como criptografar um dispositivo Android da Lenovo/Motorola.

Este tutorial foca o procedimento de criptografia de smartphones e tablets Android a partir da versão 5.1 Lollipop.
Os meus exemplos foram executados em um aparelho com Android 7.0 Nougat (Moto G4 Plus) — mas tudo funciona da mesma forma nas versões entre 5.1 e 7.0.
Se você usa um dispositivo com uma versão anterior do Android, leia este post.
Se você tem dúvidas sobre o impacto na performance do seu aparelho, depois do procedimento da criptografia, leia este artigo.
Pessoalmente, não percebi diferença na performance do aparelho, após a codificação.
Existem alguns pontos a considerar, antes de realizar o procedimento:

  • Previna-se de possíveis incidentes e faça backup de seus arquivos antes de começar.
  • O processo é “um pouco” demorado, portanto, separe aproximadamente uma hora, durante a qual o seu aparelho irá ficar indisponível.
    Você vai ter que ter paciência para esperar.
  • A criptografia é feita para proteger os seus dados e arquivos, dentro do aparelho. O processo não protege as suas comunicações, nem a transferência de arquivos para outro local.
    Ou seja, o recurso é eficiente para proteger suas informações e seus arquivos em caso de roubo, perda ou uso não autorizado do smartphone.
  • Se seu aparelho criptografado sofrer um acidente, pode ser impossível recuperar os dados dentro dele. Portanto, incorpore à sua vida, uma rotina de backup consistente.
  • Você pode ficar “trancado do lado de fora” do seu aparelho se perder a senha de acesso. Este é o objetivo da criptografia: não permitir o acesso a quem não tem a senha. Portanto, não perca sua senha e, não menos importante, use senhas fortes.

Em aparelhos atuais, com os novos processadores 64 bit, a criptografia não traz impactos significativos à performance do sistema — e eu mostrei isto aqui.

Os processadores modernos já são projetados para realizar as extenuantes tarefas de codificar e decodificar informações.
Se você não usar criptografia no seu smartphone, estará desperdiçando recursos que já estão lá, pelos quais você pagou e que provavelmente não serão usados para outra coisa.

Como criptografar o seu aparelho Android

O procedimento, como eu disse, pode ser um pouco demorado — mas é muito simples.
Basta seguir estes passos:

  1. Abra o menu de Configurações e selecione a opção Segurança.
  2. Role e toque na opção Criptografia e depois, em Codificar telefone.
    Em algumas marcas de aparelhos as opções de criptografia ficam sob a opção Armazenamento.
    lenovo motorola android criptografia segurança
  3. Leia atentamente as informações exibidas na tela e prossiga.
    Como já avisei, o processo pode demorar um bocado e o aparelho irá reiniciar algumas vezes.
    Apenas aguarde.

android criptografia tela de andamento

Como comprimir arquivos no Linux, usando o comando gzip

O comando gzip oferece um dos meios mais eficientes de comprimir arquivos, no Linux.
O gzip faz uso do Lempel-Ziv ou lz77 que, além de ser eficaz na redução do pacote final, promove uma metodologia de compressão lossless, ou seja, sem perda de informações.
gzip oficial logo

O LZ77 e o LZ78 são dois algoritmos de compressão lossless, publicados por Abraham Lempel e Jacob Ziv, em 1977 e 1978.
São também conhecidos por LZ1 e LZ2, respectivamente. Ambos formam a base para outras variações, o que inclui os LZW, LZSS, LZMA etc.
Além da influência no meio acadêmico, estes algoritmos formaram a base de vários importantes e ubíquos esquemas de compressão, tais como o GIF (imagens) e o algoritmo deflacionário usado nas imagens PNG.

O gzip é um comando muito usado na compressão de arquivos e diretórios no Linux — diretamente ou dentro de scripts (de backup, por exemplo). Com toda certeza, vale a pena conhecer melhor o seu uso.
Ao final do artigo, há um link para o site data-compression, onde é possível obter mais informações sobre o algoritmo.
A animação, que segue, demonstra a aplicação do método LZ1/LZ2 de compressão:
lempelziv animation
Além disto, entre os programas de (de)compressão, este é padrão e costuma estar presente em quase todas as distribuições GNU/Linux.

Como usar o gzip, na linha de comando do Linux

Como comportamento padrão, quando comprimimos um arquivo ou pasta, usando o comando gzip, o resultado será um arquivo com o mesmo nome, acrescido da extensão .gz.
Para comprimir um simples arquivo, use o gzip na linha de comando, assim:

gzip arquivo

O mesmo vale para um arquivo do LibreOffice:

gzip documento.odt 
ls doc*

documento.odt.gz

Como você pode ver, no exemplo acima, o nome do arquivo foi acrescido da extensão .gz, logo após sua original .odt.
Alguns arquivos irão ter taxas de compressão melhores do que outros.
Documentos de texto, imagens bitmap, arquivos de áudio WAV e FLAC, entre outros, costumam alcançar boas taxas de compressão.
Por outro lado, arquivos de compressão lossy, que já sofreram perda de dados, como imagens JPEG e áudio MP3, terão péssimas taxas de compressão. Na verdade, o resultado final pode acabar sendo um arquivo maior — uma vez que passarão a carregar informações adicionadas pelo gzip.

Como descomprimir arquivos gzip

Se você tem um arquivo que já tenha sido comprimido via gzip, use o comando acompanhado da opção ‘-d’ (descomprimir) para reverter o processo anterior.
Veja um exemplo:

gzip -d documento.odt.gz 
ls doc*

documento.odt

Como forçar o gzip a comprimir um arquivo

Quando não houver ganho na compressão de algum arquivo, o gzip pode “se recusar” a fazer o serviço.
Se você pretende insistir na tarefa, use a opção ‘-f’ para forçar o gzip a prosseguir.
No exemplo, que segue, acompanhe o que é feito, através dos comentários, precedidos pelo símbolo #:

# Verificação do tamanho original do arquivo BackCover.jpg.gz
ls -l BackCover.jpg.gz 
-rw-r--r-- 1 justincase justincase 76646 Ago 29 18:22 BackCover.jpg.gz

# Ao tentar comprimir o arquivo o programa avisa que ele já tem a extensão .gz
gzip BackCover.jpg.gz 
gzip: BackCover.jpg.gz already has .gz suffix -- unchanged

# Para prosseguir, use a opção -f
gzip -f BackCover.jpg.gz 

# Note que o arquivo final passou a ter 50 bytes a mais
ls -l BackCover.jpg.gz.gz 
-rw-r--r-- 1 justincase justincase 76696 Ago 29 18:22 BackCover.jpg.gz.gz

Se quiser, faça suas próprias experiências, antes de prosseguir.

Como manter o arquivo original e aplicar a compressão a uma cópia

Para manter o arquivo original e criar um novo arquivo comprimido, use a opção ‘-k’:

gzip -k cartaz.jpg
ls -l cartaz.*
-rw-r--r-- 1 justincase justincase 76965 Ago 29 18:22 cartaz.jpg
-rw-r--r-- 1 justincase justincase 76643 Ago 29 18:22 cartaz.jpg.gz

Como obter estatísticas de compressão do gzip

O objetivo de se comprimir arquivos é economizar espaço de armazenamento e/ou obter transferências mais eficientes, na rede.
Seria interessante, portanto, obter algumas estatísticas sobre a eficiência de compressão sobre os arquivos.
Para ter uma idéia da eficiência da compressão de um arquivo, use a opção ‘-l’:

gzip -l cartaz.jpg.gz 

O que se vê, como resultado, é o tamanho original do arquivo, seu tamanho comprimido, a taxa de compressão obtida pelo gzip e, por fim, o nome original do arquivo:

         compressed        uncompressed  ratio uncompressed_name
              76643               76965   0.5% cartaz.jpg

Dá para comprimir pastas com o gzip?

Se você quiser comprimir uma pasta inteira, para dentro de um único pacote, o ideal é usar o comando tar — por que o gzip irá comprimir cada arquivo, individualmente, não a pasta inteira, como um pacote.
Além disto, ele não aceita compactar o diretório. Veja:

gzip textos/
gzip: textos/ is a directory -- ignored

Para compactar os arquivos dentro do diretório – recursivamente, portanto –, é necessário usar a opção ‘-r’:

gzip -r textos/

O resultado é o que segue:

ls -l textos/
total 20
-rw-r--r-- 1 justincase justincase 145 Ago 30 11:18 texto1.txt.gz
-rw-r--r-- 1 justincase justincase 145 Ago 30 11:20 texto2.txt.gz
-rw-r--r-- 1 justincase justincase 145 Ago 30 11:20 texto3.txt.gz
-rw-r--r-- 1 justincase justincase 145 Ago 30 11:20 texto4.txt.gz
-rw-r--r-- 1 justincase justincase 145 Ago 30 11:20 texto5.txt.gz

Como verificar se o gzip obteve sucesso no procedimento

Se você usa o gzip, dentro de um processo de backup, pode verificar a integridade de cada arquivo comprimido com a opção ‘-t’:

gzip -tv textos/*
textos/texto1.txt.gz:    OK
textos/texto2.txt.gz:    OK
textos/texto3.txt.gz:    OK
textos/texto4.txt.gz:    OK
textos/texto5.txt.gz:    OK

Note que adicionei o ‘v’ às opções do comando. Do contrário, ele não retornaria resultados, a menos que houvesse erros. Isto seria útil dentro de um script.
Por fim, é possível controlar a taxa de compressão, adicionando um valor númerico, como opção — de 1 a 9.
Para obter a taxa de compressão máxima, use o valor 9.
Na “brincadeira”, abaixo, o arquivo foi compactado com a opção ‘-1’, primeiro (que é a taxa de compressão mais baixa) e depois, com a taxa de compressão mais alta. Enquanto isto, foi verificada a estatística de compressão de cada um, com a opção ‘-l’:

# compactando com a taxa mais baixa
gzip -1 documento.odt 
# obtendo estatísticas
gzip -l documento.odt.gz 
         compressed        uncompressed  ratio uncompressed_name
                159                 685  81.5% documento.odt

# descomprimindo o arquivo
gzip -d documento.odt.gz 
# compactando com a taxa mais alta
gzip -9 documento.odt 
# obtendo estatísticas
gzip -l documento.odt.gz 
         compressed        uncompressed  ratio uncompressed_name
                158                 685  81.6% documento.odt


Não use o programa gzip com arquivos ZIP. Para este tipo de arquivo, existem aplicativos apropriados: o zip e o unzip, por exemplo.

Referências

https://en.wikipedia.org/wiki/LZ77_and_LZ78.
http://www.data-compression.com/lempelziv.html.
http://linux.about.com/od/commands/fl/Example-Uses-Of-The-Linux-gzip-Command.htm?utm_content=7489444&utm_medium=email&utm_source=exp_nl&utm_campaign=list_linux&utm_term=.