Experimente o ambiente de desenvolvimento integrado GNOME-BUILDER

Toda ajuda é bem vinda para desenvolver os seus programas? Ou você é do tipo que prefere um editor básico (como o Vim), para escrever o seu código?
O GNOME-BUILDER ainda está em fase de desenvolvimento e pode não ser a IDE de programação mais adequada para muitos usuários.
Mas tenho certeza de que ele vale a tentativa, em função de algumas de suas excelentes características — a leveza, por exemplo.
Neste texto, quero apresentar esta IDE e mostrar como instalar no seu sistema.
Se você gostar (ou não), sinta-se à vontade para comentar posteriormente sobre o aplicativo.

O que é o GNOME BUILDER

O Builder é uma nova IDE (Integrated Development Environment ou ambiente de desenvolvimento integrado), voltada para o ambiente desktop GNOME.
Não há impedimento para rodar o aplicativo no KDE ou em qualquer outro lugar, claro. Mas ele é voltado para o desenvolvimento de softwares para GNOME.
Não tem a intenção de ser uma IDE genérica, portanto, mas específica para desenvolvedores de aplicações GNOME.

Se você gosta do GNOME e tem a intenção de desenvolver para este desktop environment, o projeto é para você.

As linguagens de programação padrão, por enquanto, são C, C++, Python e Vala.
gnome builder IDE
O ambiente também tem integração ao GIT e várias licenças padrão para você escolher antes de começar o seu projeto.
Chama a atenção também a presença de um simulador do GNOME, que permite testar seu trabalho em versões diferentes da que se encontra instalada em seu sistema.

Como instalar o GNOME BUILDER

Se você tem o desejo de usar a versão mais atual do programa, deveria considerar baixar o código fonte, compilar e instalar o aplicativo.
Neste caso, baixe a versão mais nova deste site: https://download.gnome.org/sources/gnome-builder/.
Usuários Debian (eu testei no Stretch) ou Ubuntu, podem fazer a instalação normal, a partir dos repositórios:

apt install gnome-builder

A IDE também está disponível nos repositórios das versões mais recentes do Fedora e do openSUSE.
opensuse cli zypper info gnome-builder
Para instalar no Fedora, use o dnf:

dnf install gnome-builder

No openSUSE, use o zypper:

zypper install gnome-builder

Referências

https://download.gnome.org/sources/gnome-builder/.
https://wiki.gnome.org/Apps/Builder.

Conteúdo relacionado pelo Google

Faça chover no seu terminal com este script Python

A tarefa deste pequeno script Python é simular chuva no seu terminal.
O meu exemplo foi rodado com o Python 2, em uma máquina Debian Linux. Sinta-se à vontade para experimentar em outras plataformas contudo.

O script, abaixo, joga 100 “gotas” aleatórias de “chuva” no seu terminal e é um ótimo exemplo do uso da função random no Python.

Se você não tiver um compilador ou interpretador Python disponível, no momento, experimente um destes compiladores/interpretadores online.
python como fazer chover ou nevar no terminal
Veja o que mais o script faz:

  • o script usa o caractere “/” para representar as gotas de chuva. Mas você pode escolher qualquer outro.
    Se você trocar o caractere “/” para ” ‘ “, o efeito vai parecer que está caindo neve no seu terminal;
  • ao final da chuva, uma mensagem é exibida centralizada na tela.
  • roda em qualquer tamanho de terminal;

Segue o código:

import curses
import random
import time

myscreen = curses.initscr()
curses.curs_set(0) # no cursor please 
HEIGHT, WIDTH = myscreen.getmaxyx() 
RAIN = '/' # altere aqui a aparencia da sua gota de chuva 
TIME = 10 

def make_it_rain(window, tot_time, msg, wait_time, num_drops):
    """
    window    :: a janela no curses 
    time      :: duracao da chuva
    msg       :: mensagem exibida ao final da chuva
    wait_time :: tempo de espera entre cada quadro
    num_drops :: quantidade de gotas
    """
    for _ in range(tot_time):
        for i in range(num_drops):
            x,y=random.randint(1, HEIGHT-2),random.randint(1,WIDTH-2)       
            window.addstr(x,y,RAIN)
        window.refresh()
        time.sleep(wait_time)
        window.erase()

    window.refresh()
    window.addstr(HEIGHT/2, int(WIDTH/2.7), msg)


if __name__ == '__main__':
    make_it_rain(myscreen, TIME, 'IT HAS STOPPED RAINING!', 0.2, 100)
    myscreen.getch()
    curses.endwin()

Eu gravei o meu script com o nome de chuva.py
Compile, com o Python 2:

python2 chuva.py

Referências

http://codegolf.stackexchange.com/questions/107545/its-raining-in-terminal.

Conteúdo relacionado pelo Google

Instale a biblioteca pygame para Python no Linux via pip

A biblioteca pygame, é uma das várias feitas para tornar mais fácil o desenvolvimento de jogos — dos mais simples aos mais complexos — em Python, para desenvolvedores profissionais ou amadores.
O procedimento, que segue, pode ser realizado no Windows e em qualquer distro Linux, apesar do título — o fato é que só testei no Linux (Debian 9, para ser mais específico).
Devo acrescentar que os exemplos usam o Python 3 — mas é fácil adequá-los ao Python 2, se esta for a sua opção.
Há várias maneiras de instalar a biblioteca no seu sistema. Esta é uma das mais simplificadas e, por isto, vale a pena dar-lhe uma chance.
O texto pressupõe que você já tenha o pip instalado. Se não tiver, veja como fazer isso aqui (é fácil).
python pygames development logo
Não esqueça de realizar o procedimento de instalação com privilégios administrativos:

pip install pygame

Collecting pygame
  Downloading pygame-1.9.2-cp35-cp35m-manylinux1_x86_64.whl (9.4MB)
    100% |████████████████████████████████| 9.4MB 147kB/s 
Installing collected packages: pygame
Successfully installed pygame-1.9.2

No meu caso, o pip3 — para instalar aplicativos e bibliotecas para Python 3 — é o padrão do sistema.
Se tiver curiosidade, Leia mais sobre por que há mais de uma versão do Python, instalada no Linux.

Como testar se a biblioteca pygame está instalada e funcionando

Abra um editor de textos, copie e cole o seguinte código:

import pygame, sys
from pygame.locals import *

pygame.init()

DISPLAYSURF=pygame.display.set_mode((400,300))
pygame.display.set_caption("Hello World!")
while True: #principal loop
	for event in pygame.event.get():
		if event.type==QUIT:
			pygame.quit()
			sys.exit()
		pygame.display.update()

Grave-o com o nome ‘pygteste.py’ — ou qualquer outro nome que você achar melhor.
Em seguida, rode o código com o interpretador Python3:

python3 pygteste.py

Se uma janela preta, com nada dentro, aparecer, o programa funcionou bem. Parabéns!
python hello world pygame

Conteúdo relacionado pelo Google

Como instalar a ferramenta de gestão de pacotes Python, PIP

O pip é um sistema usado para instalar e gerenciar especificamente pacotes de softwares desenvolvidos em Python.
Além dos milhares de pacotes disponíveis no repositório oficial da sua distro favorita, você pode encontrar um número crescente de pacotes dentro do PyPI, ou Python Package Index.

Você usa o pip para instalar aplicações escritas para a série Python2 (Python 2.7.9 em diante) o pip3 para instalar as que foram projetadas para usar os recursos mais avançados do Python 3.4 em diante.
python logo
Leia também o nosso Guia de uso do pip.

Como instalar o pip no Linux

Se você já tem o Python, versão 2.7 ou 3.4 instalado, o pip já pode estar presente no seu sistema — se você baixou e instalou uma destas versões do Python a partir do python.org, então está.
— Neste caso, pule para o tópico da atualização, mais embaixo.
Caso contrário, faça o download do instalador:
https://bootstrap.pypa.io/get-pip.py.
Se preferir, faça o download com o wget, a partir do terminal:

wget https://bootstrap.pypa.io/get-pip.py

Em seguida, execute o instalador, invocando o interpretador Python (com privilégios administrativos):

python get-pip.py

Adicionalmente, você pode instalar a versão Python3 do pip, assim:

python3 get-pip.py 

Caso você faça a instalação adicional da versão python3, o pip padrão do seu sistema irá rodar nesta versão.
Novamente, não esqueça de usar privilégios administrativos para executar os comandos de instalação/update.
No meu sistema, foram baixadas e instaladas as seguintes versões do pip:

ls -1 /usr/local/bin/pip*
/usr/local/bin/pip
/usr/local/bin/pip2
/usr/local/bin/pip2.7
/usr/local/bin/pip3
/usr/local/bin/pip3.5

Para não fazer confusão, digite o nome do pip e versão específica que deseja executar. Por exemplo:

  • use pip2, para instalar aplicações desenvolvidas para Python2
  • use pip3, para instalar aplicações desenvolvidas para Python3

Ou use a versão padrão apenas.
Use a opção ‘–version’ para saber exatamente do que se trata:

pip --version
pip 9.0.1 from /usr/local/lib/python3.5/dist-packages
 (python 3.5)

Como atualizar o pip

Uma vez instalado, você precisa se certificar de que está usando a versão mais recente do instalador.
Para isto, faça a atualização na linha de comando:

pip install -U pip

Para saber mais, leia também o Guia de uso do pip.

Conteúdo relacionado pelo Google

Como alterar o sistema para usar a versão mais atual do interpretador Python no Linux.

Muitos sistemas operacionais atuais, vem com mais de uma versão do interpretador da linguagem Python instaladas e prontas para usar.
A versão padrão é normalmente a mais segura a ser utilizada e, provavelmente, não é a mais atual disponibilizada na sua instalação.
É possível ver quais as versões do interpretador instaladas digitando “python” na linha de comando e pressionando TAB, em seguida, para autocompletar.
Você pode também pedir a versão do interpretador padrão diretamente:

python --version

Python 2.7.12

Outro meio, é listar as versões disponíveis no diretório de programas:

ls -lah --color /usr/bin/python*

Na minha listagem, é possível notar que python, python2 são links, que apontam para o interpretador python2.7.

lrwxrwxrwx 1 root root    9 Jun  3 11:39 /usr/bin/python -> python2.7
lrwxrwxrwx 1 root root    9 Jun  3 11:39 /usr/bin/python2 -> python2.7
-rwxr-xr-x 1 root root 3,4M Jun 29 09:20 /usr/bin/python2.7
lrwxrwxrwx 1 root root    9 Jun  3 11:41 /usr/bin/python3 -> python3.5
-rwxr-xr-x 2 root root 4,3M Jul  5 11:20 /usr/bin/python3.5
-rwxr-xr-x 2 root root 4,3M Jul  5 11:20 /usr/bin/python3.5m
lrwxrwxrwx 1 root root   10 Jun  3 11:41 /usr/bin/python3m -> python3.5m

Isto quer dizer que, no meu sistema, ao digitar ‘python’ na linha de comando, o link irá me direcionar para o interpretador do Python 2.7.
Se você tiver as cores corretamente configuradas no seu sistema, os links estarão diferenciados dos binários.
python links default interpreter
Alterar o binário para o qual o link ‘python’ aponta é fácil, como você talvez já tenha percebido — mas não é seguro e nem recomendado.
O problema é que há algumas incompatibilidades entre as versões.
Alguns aplicativos importantes no seu sistema dependem da versão anterior e se referem a ela apenas como ‘python’.
Se você alterar o link, para que ele passe a apontar para a versão mais atual do interpretador, poderá acabar com um sistema quebrado.

O modo seguro de resolver

Muitos usuários querem executar seus scripts, da linha de comando, digitando apenas ‘python’ — e desejam que o interpretador executado seja o mais atual (3.5, por exemplo).
A documentação oficial (links no final do texto) recomenda alterar as variáveis específicas de cada perfil de usuário.
Esta solução resolve o seu problema, sem causar interferências no seu sistema.
Alternativamente, faça referência à versão do Python desejada dentro do seu script.
Vamos conhecer, a seguir, os detalhes de cada solução, de acordo com as sugestões das comunidades de desenvolvedores.

Use o alias para redefinir as suas preferências

Com o comando alias, é possível (re)atribuir qualquer comando ou conjunto de comandos a uma palavra ou “alias“.
Esta solução é simples e não interfere nas configurações do sistema:

### verifique a versão do interpretador python
python -V
Python 2.7.12
alias python=python3
### verifique a versão do interpretador python
python -V
Python 3.5.2

Se preferir, pode se referir ao nome completo do binário, deste jeito:

alias=/usr/bin/python3.5
### verifique a versão do interpretador python
python --version
Python 3.5.2

Este ajuste só terá validade durante a sessão atual. Se abrir outro terminal, o sistema voltará ao seu padrão.
Esta solução, permite que você use uma versão do interpretador em um terminal e outra versão em outro. Veja a figura abaixo.
python vrsions
Para tornar esta configuração persistente, adicione esta linha de comando ao arquivo ~/.bash_aliases ou ao ~/.bashrc:

### fazer backup, antes de alterar arquivos de configuração
cp .bash_aliases .bash_aliases.backup
### O operador '>>' adiciona uma linha ao arquivo. 
echo "alias python=/usr/bin/python3.5" >> .bash_aliases

Com este procedimento, daqui pra frente, novas sessões do seu usuário, apontarão para a versão do interpretador que você escolheu.

Indique dentro do script qual a versão do Python a ser usada

Esta outra solução é simples e, também, totalmente inofensiva para seu sistema.
Consiste em indicar dentro de cada script a versão do interpretador a ser usada.
Acrescente, na primeira linha, o código:

#!/usr/bin/env python3

ou

#!/usr/bin/python3

O env é mais adequado para uso misto em ambientes virtuais.

Referências

Há outras soluções relatadas, nos artigos e nos comentários, nos links que seguem.
As que testei e funcionaram para mim, estão descritas acima e, portanto, são as únicas que endosso. Elas também têm a vantagem de poder ser facilmente desfeitas.

http://askubuntu.com/questions/320996/make-default-python-command-to-use-python-3.
https://linuxconfig.org/how-to-change-from-default-to-alternative-python-version-on-debian-linux.

Conteúdo relacionado pelo Google