Como instalar Wine no Debian.

O WINE é uma camada de compatibilidade capaz de rodar aplicações Windows dentro de vários sistemas operacionais baseados no POSIX — UNIX, OSX, BSD, Linux etc.
Em vez de tentar simular a lógica do Windows, tal como uma máquina virtual ou um emulador faria, o Wine traduz as chamadas da API do Windows para o POSIX on-the-fly, o que elimina as penalidades de memória e performance acarretadas por outros métodos.
Com este software, é possível integrar completamente as aplicações Windows à sua área de trabalho gráfica Linux.

WINE é um acrônimo para “Wine Is Not an Emulator” ou “Wine não é um emulador”.

Neste texto, vou mostrar como instalar o Wine em uma máquina Debian 8 “Jessie”. O processo é semelhante em outras distribuições derivadas do Debian (Como o Ubuntu, o Tails, o Linux Mint etc.)
No Ubuntu, você provavelmente vai querer usar o apt-get, em vez do aptitude. 😉
Só pra lembrar, você precisa ter privilégios administrativos para executar as tarefas de instalação. Portanto, use o su ou sudo, antes dos comandos.
Wine logo

Wine estável ou Wine em desenvolvimento?

Se você vai usar o Wine para rodar software de trabalho, em uma máquina de produção, a versão recomendada é a versão stable (estável).
Se você não se importa com alguns bugs e prefere ter os últimos recursos disponíveis pela equipe de desenvolvedores, pode experimentar a versão wine-development.
Os pacotes da versão de desenvolvimento estão disponíveis para download, no Debian estável, como backports — e sua instalação será abordada também neste texto.

O que são backports?

São pacotes recompilados (em sua maioria) do Debian testing e unstable e disponibilizados para a versão estável.
Aonde for possível, irão rodar sem as novas bibliotecas.
A documentação oficial do Debian, recomenda usar apenas os backports de que você necessita.
A minha sugestão é que, se for para instalar uma grande quantidade de software deste canal, pode ser mais interessante partir pra instalação completa do Debian testing ou Debian Unstable.

Apesar do seu nome, o wine-development é concebido também para usuários comuns. Além disto, é possível ter os dois sets instalados na sua máquina.

Como instalar o Wine estável no Debian

No Debian 8.x ou superior, é necessário preparar as coisas, antes da instalação.
Se você estiver usando uma arquitetura de 64-bit, precisa habilitar o multiarch, antes de instalar o software:

dpkg --add-architecture i386
apt update
apt install wine

Após o download dos pacotes e a instalação, você já pode começar a usá-lo.

Como instalar o Wine em desenvolvimento no Debian

No caso de você optar por usar o wine-development, no Debian stable, vai precisar habilitar também os seus backports, adicionando a linha
deb http://httpredir.debian.org/debian jessie-backports main ao arquivo
/etc/apt/sources.list.
Segue a sequencia de comandos (incluindo o backup) para adicionar os backports ao ‘sources.list’:

cp /etc/apt/sources.list /etc/apt/sources.list.backup
echo deb http://httpredir.debian.org/debian jessie-backports main >> /etc/apt/sources.list
dpkg --add-architecture i386
apt update
apt install wine-development

Como você pode ver, o processo de instalação não é complicado é dá para ter as duas opções instaladas.
Para usar o Wine estável, execute ‘wine’. Para executar a versão de desenvolvimento, use o wine-development.
No segundo caso, basta adicionar o sufixo “-development” a cada comando. Por exemplo: wine-development autocad.exe ou winecfg-development.

Como desinstalar o Wine

Para desinstalar o Wine stable, execute a seguinte sequencia de comandos:

apt remove wine
apt update

Para desinstalar a versão development:

apt remove wine-development
cp /etc/apt/sources.list.backup /etc/apt/sources.list
apt update

Se você removeu as duas versões do Wine, não esqueça de remover também o multiarch:

dpkg --remove-architecture i386

Referências

Site oficial do Wine: https://www.winehq.org/.
Saiba se seu aplicativo é compatível com o Wine: https://appdb.winehq.org/objectManager.php?sClass=application&sTitle=Browse%20Applications&sOrderBy=appName&bAscending=true

Como montar partições e drives NTFS no Linux

Qualquer distro Linux atual tem suporte completo a leitura e escrita em sistemas de arquivos Windows, o que inclui o NTFS.
Os exemplos que seguem, foram aplicados a uma máquina Ubuntu 14.04 LTS, mas valem para Debian, Fedora ou qualquer outra distro Linux popular e atualizada.
Como montar partição NTFS no Linux - capa do tutorial
Se você não estiver conseguindo realizar alguma operação com o drive, provavelmente falta algum módulo no seu kernel ou você não configurou algo adequadamente —. Neste texto, vou tentar mostrar algumas dicas de como montar partições NTFS, com todas as funções possíveis habilitadas.

Cuidados básicos ao montar drives ou partições NTFS ou FAT32

Uma vez montado o drive, o Linux irá mostrar arquivos e pastas (diretórios) que, no Windows, estariam escondidos — o que pode expor arquivos de sistema. Portanto, é importante ter cuidado para não apagar o que não deve.

O Windows 7 armazena o estado do sistema em um arquivo em disco, quando entra em hibernação.
Ao “acordar”, restaura seu estado a partir daquele arquivo.
Isto quer dizer que você pode perder alterações feitas, durante a hibernação, em um drive compartilhado em uma máquina Windows (versão 7 e superior). — Manual do Ubuntu.

Um típico HD Windows costuma ter uma partição chamada “SYSTEM“, com tamanho entre 100 e 200 megabytes. A menos que você saiba o que está fazendo, não há qualquer necessidade de montá-la no Linux. A mesma dica vale para partições de recuperação do sistema, que costumam ser chamadas de “RECOVERY“.

Sistemas de arquivos comuns no Windows

Basicamente, os sistemas de arquivos mais comuns em sistemas Windows são estes:

  • O Windows 7, Vista, XP 2000, antigos sistemas NT e o Windows Server 2003 e 2008, são formatados com NTFS. O FAT32 é raramente usado, como padrão, nestas versões.
  • As versões anteriores, raramente usam o NTFS — O padrão é o FAT32.
  • Drives e cartões flash (pendrives, cartões SD etc) são tipicamente formatados como FAT16. Em alguns casos, é usado o exFAT.

Você pode verificar quais sistemas de arquivos estão sendo usados nos drives e dispositivos conectados ao seu computador com o comando fdisk:

sudo fdisk -lu

A relação dos sistemas de arquivos conectados pode ser extensa. O exemplo abaixo, mostra informações de um pendrive, conectado em /dev/sdc1 (no meu sistema):

Disco /dev/sdc: 4009 MB, 4009754624 bytes
84 cabeças, 22 setores/trilhas, 4237 cilindros, total de 7831552 setores
Unidades = setores de 1 * 512 = 512 bytes
Tamanho do setor (lógico/físico): 512 bytes / 512 bytes
Tamanho da E/S (mínimo/ideal): 512 bytes / 512 bytes
Identificador do disco: 0x00054216

Dispositivo Boot      Início        Fim      Blocos   Id  Sistema
/dev/sdc1              62     7831551     3915745    7  HPFS/NTFS/exFAT

Use o comando grep para obter um resultado mais compacto:

sudo fdisk -l | grep -i ntfs
/dev/sdc1              62     7831551     3915745    7  HPFS/NTFS/exFAT

No decorrer deste artigo, vou usar este dispositivo como exemplo — não esqueça de adaptar os exemplos dados à situação do seu sistema.

Suporte a NTFS no Linux

O Linux usa o driver ntfs-3g para ler e alterar partições NTFS.
O driver vem pré-instalado em várias distribuições — no Ubuntu, ele é parte da distro desde a versão 11.10.
Se você estiver usando uma distro Linux atual, provavelmente não precisará fazer nada para trabalhar plenamente com dispositivos e partições NTFS.
Se você estiver tendo problemas para alterar dados em alguma partição NTFS, cheque se o pacote ntfs-3g se encontra instalado em seu sistema.

Configure o Linux para montar automaticamente os dispositivos e partições NTFS

Se você pretende manter o drive sempre conectado à sua máquina Linux e deseja que ele seja sempre montado na inicialização, configurar as opções de montagem no arquivo /etc/fstab é uma boa idéia.
Será necessário adicionar um linha para cada partição a ser montada, no arquivo fstab.
A documentação oficial do Ubuntu, enumera, pelo menos 3 razões para configurar o fstab, em vez de montar pelo seu gerenciador de arquivos (Nautilus, no Ubuntu):

  • Quando mais de uma conta de usuário estiver ativa durante uma sessão — com o uso do fstab, é possível montar uma vez só, para todo mundo poder usar.
  • Quando você tem softwares ou bibliotecas configurados para usar a partição ou o drive em questão, na inicialização, você vai querer que tudo esteja pronto para eles, sem a sua interferẽncia.
  • Conveniência de ter um procedimento a mais automatizado no seu sistema.

Como configurar o fstab

Uma das melhores formas de automatizar o processo de montagem de um drive ou partição no Linux é fazê-lo pelo seu nome de volume — isto é especialmente útil, quando se trata de um pendrive, que vai ser conectado/desconectado sempre.

Por ora, use o comando blkid, para saber mais sobre a localização das unidades que já se encontram conectadas ao seu sistema:

sudo blkid

No nosso exemplo, o dispositivo que interessa é o último da lista:

/dev/sda1: UUID="ce32e86c-e404-4f84-8125-74d0fc4897f7" TYPE="swap" 
/dev/sda2: UUID="a2ab821d-ae58-42fc-9384-f96dfcdc22cc" TYPE="ext4" 
/dev/sdb1: UUID="eb8e4cca-42c6-498d-b5ba-cd397096b3e9" TYPE="ext4" 
/dev/sdc1: LABEL="NTFS-FLASH" UUID="4D016F2B3DF4A3CE" TYPE="ntfs"

De acordo com a listagem, acima, a partição a ser configurada no fstab é a /dev/sdc1 que, neste caso, corresponde a um drive flash USB (pendrive) — note que o nome do volume (LABEL) é NTFS-FLASH e o seu UUID é 4D016F2B3DF4A3CE.
Comece por criar um ponto de montagem ou mountpoint para cada dispositivo, que você for configurar no fstab.
O ponto de montagem é um diretório, que pode ter qualquer nome. Eu gosto de usar um nome semelhante ao do volume a ser montado:

sudo mkdir /media/ntfsflash

A seguir, faça backup do fstab:

sudo cp /etc/fstab /etc/fstab.original

Agora, abra o fstab com o seu editor preferido (eu vou de nano:

sudo nano /etc/fstab

Agora adicione a seguinte linha ao arquivo do fstab, para montar o dispositivo pelo seu UUID:

UUID=4D016F2B3DF4A3CE  /media/ntfsflash  ntfs-3g  defaults,windows_names,locale=pt_BR.utf8  0 0

Não se esqueça de substituir o UUID e ponto de montagem /media/ntfsflash por valores adequados ao seu sistema.
Se o seu idioma não for português do Brasil, você vai precisar adequar esta variável também.
Use o comando locale para determinar qual o valor mais adequado para você:

locale | grep LANG

Quando terminar de editar o fstab, grave as alterações e feche o editor.
Para gravar as alterações no editor de textos nano, do Linux, use a combinação de teclas Ctrl+o. Para fechar e sair do editor, use Ctrl+x.

Exemplo de execução do comando blkid
Clique, para ver detalhes.

A nova configuração do fstab terá efeito na próxima inicialização do sistema.
Se você tiver pressa para ver o resultado, use o comando mount:

sudo mount -a

O comando, acima, monta todos (all) os dispositivos disponíveis que estejam citados no fstab.
Se quiser, use o comando mount, para verificar se o seu dispositivo foi montado:

mount
/dev/sdb1 on / type ext4 (rw,errors=remount-ro,discard)
proc on /proc type proc (rw,noexec,nosuid,nodev)
sysfs on /sys type sysfs (rw,noexec,nosuid,nodev)

...

/dev/sda2 on /home type ext4 (rw)
systemd on /sys/fs/cgroup/systemd type cgroup (rw,noexec,nosuid,nodev,none,name=systemd)
gvfsd-fuse on /run/user/1000/gvfs type fuse.gvfsd-fuse (rw,nosuid,nodev,user=justincase)
/dev/sdc1 on /media/ntfsflash type fuseblk (rw,nosuid,nodev,allow_other,blksize=4096)

Como montar uma partição NTFS como apenas-leitura

Uma solução fácil para montar uma partição NTFS com restrição a escrita é usar driver NTFS antigo.
Substitua a linha que você adicionou ao fstab por esta:

UUID=4D016F2B3DF4A3CE  /media/ntfsflash  ntfs  defaults,umask=222  0 0

Novamente, não se esqueça de adequar o exemplo ao seu caso.
O método preferível é usar o driver atual e especificar que a partição deve permanecer apenas para leitura.
Coloque a cláusula ‘ro’, logo após ‘defaults’:

UUID=4D016F2B3DF4A3CE  /media/ntfsflash  ntfs-3g  defaults,ro,windows_names,locale=pt_BR.utf8  0 0

Isto irá permitir que o acesso ocorra em condições maiores de segurança ao sistema externo.

Como montar um drive ou partição NTFS na linha de comando do Linux

Para montar um dispositivo NTFS, usando um comando no terminal, use o exemplo abaixo.
Não esqueca de substituir os valores do exemplo dado pelos que se adequam ao seu sistema:

sudo mount -t ntfs-3g /dev/sdc1 /media/ntfsflash/

Você pode montar o dispositivo, com detecção automática do sistema de arquivos:

sudo mount -t auto /dev/sdc1 /media/ntfsflash/

Referências

Como instalar Ubuntu em um pendrive via Windows

Ter o Ubuntu instalado em um pendrive, pronto para uso, pode ser de grande utilidade para proteger sua privacidade ao usar computadores de terceiros (na casa de um amigo, no cibercafé etc).
Há vários métodos e aplicativos disponíveis para realizar esta tarefa.
Neste texto, vou mostrar como instalar o Ubuntu (ou qualquer outra distribuição Linux) em um pendrive, com o aplicativo Universal USB Installer, ou UUI.
A minha recomendação, contudo, permanece sendo instalar o Linux em um pendrive, a partir de outra máquina Ubuntu. Se você tiver algum amigo que use Ubuntu, esta será uma tarefa muito mais fácil de realizar.
Usuários do Mac, podem usar o UNetbootin, também bastante simples.

O que você precisa ter

Para quem precisa fazer a instalação a partir de uma máquina Windows, será necessário ter um pendrive com, pelo menos, 2Gb de espaço livre. Ele deve estar formatado com os sistemas de arquivo Fat16, Fat32 ou NTFS. O seu PC ou notebook tem que ter suporte a dar boot via USB.
ubuntu install usb
Você vai precisar fazer o download destes itens:

  • Ubuntu — escolha neste site a versão que se adéqua às suas necessidades e clique em Iniciar download
  • UUI – Universal USB Installer — clique no link para baixar o Instalador Universal USB e execute-o no seu sistema

Havendo alguma dificuldade para baixar o UUI, vá até a página do PendriveLinux (em inglês) para baixar a mais nova versão e tirar alguma dúvida.

Preparando o pendrive

Depois de baixar o Ubuntu e instalar o UUI no seu sistema, execute o instalador.
Dentro do programa instalador selecione a distro Linux que você escolheu. Em seguida, indique onde se encontra o arquivo imagem (ISO) correspondente a ela.
create-usb-windows-2-12.10
Se o seu pendrive já se encontra conectado e reconhecido pelo sistema, você pode selecioná-lo. Depois, prossiga, clicando no botão “Create“.

LEIA MAIS
  • Instale qualquer Linux em um pendrive — o aplicativo UNetbootin, disponível para Windows, Mac e Linux, permite escolher uma entre dezenas de distribuições. Ele baixa e instala tudo pra você
  • Qual Ubuntu escolher — as dicas deste artigo, vão funcionar para outras distribuições Linux. Mas, se você optou pelo Ubuntu, conheça as diferenças entre as versões e qual pode ser mais interessante para você
  • O que fazer depois de instalar o Ubuntu — veja 10 dicas sobre o que fazer, logo depois de instalar o Ubuntu

Isto é o suficiente para iniciar o processo de instalação, que pode demorar alguns minutos.
Quando terminar, reinicie o computador, com o pendrive ainda conectado. Não esqueça de indicar na BIOS do seu sistema que deseja iniciá-lo pelo pendrive.
Divirta-se!

Readyboost no Ubuntu

Embora seja apresentado como readyboost no Linux, o cenário aqui descrito não tem muito a ver com o que a Microsoft propõe em seu sistema operacional – um sistema de cache do disco rígido em memória flash (pendrive). A única semelhança da solução demonstrada aqui é o uso do seu pendrive. Mas o propósito é outro: direcionar o swap para a memória flash, o que não tem qualquer coisa a ver com caching.
Sob certo ponto de vista, são duas coisas completamente opostas.

Vale a pena configurar o readyboost no Linux?

Não digo isto para desencorajar mas — sejamos realistas — O Linux funciona muito bem em sistemas com poucos recursos. Se a sua máquina foi adquirida depois de 2012, ela terá no mínimo 2 GB de memória RAM. Ainda que tenha apenas 1 GB de RAM, possivelmente nenhuma diferença será percebida na performance do sistema. O recurso do Readyboost usa memória de troca (swap) – Numa configuração como estas, o swap raramente é usado por um usuário normal.
Leia este artigo sobre como melhorar a performance do Ubuntu — o texto traz uma série de dicas e truques que, se aplicados juntos, podem dar uma “envenenada” na sua máquina (seja ela nova ou velha). A maioria das dicas vale para qualquer distro.

Como aplicar o readyboost no Linux

O Readyboost, no Linux, consiste em direcionar prioritariamente os dados que iriam pra partição dedicada ao swap, em seu HD, para o seu pendrive que, por não conter partes mecânicas, é mais rápido. Em um sistema com 512MB de memória RAM, ou menos, será possível notar diferença na performance. Uma advertência inicial: todo o conteúdo do seu pendrive será apagado durante este processo. Tire backup antes, portanto. Ao inserir o seu pendrive, o Ubuntu o montará e exibirá o seu conteúdo automaticamente. Clique sobre o ícone do pendrive na área de trabalho, com o botão direito do seu mouse e selecione Ejetar. Nós precisamos dele desmontado. Os comandos que seguem, partem do pressuposto de que o seu pendrive esteja conectado em /dev/sdb1. Adeque-os ao seu caso. Feito isto, abra um terminal com Ctrl+Alt+T e digite o seguinte comando:

sudo mkswap /dev/sdb1

Agora vamos direcionar o swap para o pendrive, com a máxima prioridade possível (32767):

sudo swapon -p 32767 /dev/sdb1

Para verificar se tudo foi feito corretamente, o comando a seguir mostra as partições swap em uso:

cat /proc/swaps

No meu caso, ele exibe o seguinte:

cat /proc/swaps
Filename				Type		Size	Used	Priority
/dev/sda1                               partition	1951740	0	-1
/dev/sdb1                               partition	249820	0	32767

A quarta coluna exibe o quanto está sendo usado do swap: 0 (zero).

LEIA MAIS

Existe uma técnica, para reduzir o uso do SWAP, que pode melhorar o desempenho do seu sistema Linux.
Leia mais sobre isto, aqui.

Considerações finais

A função do swap é servir de extensão à memória RAM.
— De forma resumida, quando esta fica saturada, os arquivos menos usados são realocados pro swap, que fica em um arquivo ou em uma partição exclusiva (recomendado). Este é o principal motivo pra solução descrita aqui não ter grande efeito em um sistema com grande quantidade de memória RAM, onde o swapping raramente é usado.
Contudo, ele tem outra utilidade, a de guardar todas as informações do estado atual do sistema quando este é posto pra hibernar. Neste caso, é possível experimentar melhor velocidade no processo de restabelecer o sistema. Neste caso, é necessário que o tamanho do espaço dedicado ao swap seja equivalente ao da memória RAM.