Use o tails-installer para rapidamente obter um pendrive com o sistema operacional Tails.

O sistema operacional Tails é uma das formas mais cômodas de se usar um computador e navegar na Internet com mais segurança.
Baseado no Debian GNU/Linux, o Tails vem pré-configurado e acompanhado de ferramentas que ajudam a usar a rede anonimamente — preservando a sua privacidade.
Neste artigo, apresento uma ferramenta que permite instalar o Tails em um pendrive, a partir de um computador com Linux.


Já abordamos outros métodos para instalar uma distro Linux em um flash drive (vulgo pendrive). Dentre estes métodos, o meu preferido é o que usa o comando dd — por que me parece mais simples e rápido. 😉
Neste post, vamos abordar o uso de uma ferramenta de instalação desenvolvida pela própria comunidade de desenvolvedores do Tails.
O tails-installer pode ser instalado a partir dos repositórios oficiais (do backports) do Debian ou via PPA para quem usa Ubuntu ou Linux Mint.

Se você pretende criar vários pendrives com o Tails instalado, este método é muito produtivo.
Mas se você tem a intenção de criar apenas um, sugiro usar um daqueles outros de que falei acima.

Uma outra vantagem do programa, é criar um espaço de armazenamento persistente no pendrive, já criptografado, para você armazenar seus arquivos pessoais, bem como, as suas configurações.
Em outras palavras, o sistema estará sempre pronto para você e não pode ser usado por outras pessoas, sem a sua autorização.
Estranhos não poderão acessar seus dados pessoais, caso você perca seu drive, por exemplo.
O que você precisa ter:

  1. Os backports configurados no Debian.
  2. Instalar o tails-installer
  3. … e obter uma imagem do Tails no site oficial: https://tails.boum.org/index.pt.html.
    Sugiro clicar no link, acima, e já começar a baixar o Tails.

Como instalar o Tails a partir do Debian

No post Como configurar o Debian para os backports, explico com maior detalhamento o procedimento. Se tiver dúvidas, dê uma olhadinha nele!
Se você já tem alguma experiência com o Debian, tudo o que precisa fazer é adicionar a linha, abaixo, ao final do arquivo /etc/apt/sources.list:

deb http://ftp.debian.org/debian stretch-backports main

Em seguida, sincronize os repositórios:


sudo apt update

Instale o programa:


sudo apt install tails-installer

Supondo que já tenha baixado a imagem do Tails, do site citado acima, pode rodar o aplicativo.
debian gnome tails-installer
A tela inicial do tails-installer oferece, como opções, iniciar uma “nova instalação” (install) no pendrive ou atualizar (upgrade) uma instalação preexistente.
Opte pelo primeiro botão “Install“.
tails-installer instalação ou atualização
Indique aonde se encontra o arquivo-imagem, que foi baixado do site do Tails, em seu disco local (1).
Em seguida, indique CUIDADOSAMENTE o local do seu pendrive (2).
Fique atento: este procedimento apaga/remove todos os dados preexistentes no seu pendrive.
Verifique se tudo está correto e, finalmente, clique em “Instalar Tails” (3).
tails-installer
O processo de instalação pode ser um pouco demorado (não mais do que 15 minutos) e, ao final, irá pedir sua autenticação para realizar alguns procedimentos administrativos no seu pendrive.
tela autenticação debian gnome
Após a conclusão, já será possível remover o flash drive do computador e testar seu funcionamento.
instalação concluída
Veja como testar a sua nova instalação, com o QEMU, sem precisar reiniciar o sistema.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Use o QEMU para testar uma distro live instalada no pendrive.

Você não precisa reiniciar o seu computador para testar o Linux que você acabou de instalar em um pendrive ou, mesmo, em um CD/DVD.
O QEMU pode ser usado para criar uma máquina virtual a partir da sua instalação em mídia física externa.
Verifique aonde se encontra a sua mídia com o lsblk:


lsblk

NAME   MAJ:MIN RM   SIZE RO TYPE MOUNTPOINT
sda      8:0    0 465,8G  0 disk 
├─sda1   8:1    0   457G  0 part /home
└─sda2   8:2    0   8,8G  0 part [SWAP]
sdb      8:16   0  22,4G  0 disk 
├─sdb1   8:17   0  19,4G  0 part /
└─sdb2   8:18   0     3G  0 part [SWAP]
sdc      8:32   1   7,5G  0 disk 
└─sdc1   8:33   1   2,5G  0 part 

lsblk
Agora rode o comando abaixo, adequando-o à configuração que você possui aí:


qemu-system-x86_64 -hda /dev/sdc 

tails os qemu
Se o que você quer é testar uma imagem .ISO, a sintaxe do comando é a seguinte:

qemu-system-x86_64 -cdrom nome-da-imagem.iso

Veja um exemplo prático:


qemu-system-x86_64 -cdrom tails-amd64-3.1.iso

Leia mais sobre o QEMU, para conhecer outras opções de uso do programa.

Como alterar facilmente o tamanho de uma partição do seu sistema Linux

Em qualquer distro Linux é possível alterar o tamanho de suas partições no HD ou SSD, com o sistema em uso — ou seja, sem a necessidade de formatar dispositivo algum.
Qualquer que seja o seu objetivo – aumentar ou diminuir o tamanho – tudo o que você precisa é de um dispositivo inicializável, com Linux dentro — pode ser um pendrive, um CD/DVD etc.
O procedimento descrito, a seguir, foi realizado com uma distro Live Ubuntu. Mas você pode fazer o trabalho com qualquer outra.
Os Live CD costumam ter sempre um aplicativo de particionamento, para facilitar a divisão e organização dos dispositivos no ato da instalação.

No nosso exemplo, vamos usar o GParted, presente no Ubuntu.
Trata-se de um pacote de aplicativos GUI para editar partições, além de ser um frontend para vários outros aplicativos CLI Linux.
Se achar necessário, leia como gravar linux em um pendrive, para conhecer alguns métodos de como criar rapidamente um drive inicializável flash com a sua distro favorita dentro.


Vale ressaltar que os procedimentos relatados, neste artigo, podem danificar seu sistema de arquivos e causar perdas irreversíveis de dados.
Faça tudo com atenção, cuidado e (muito importante) tenha o backup sempre em dia.

Comece dando boot pelo CD ou pendrive recém criado

Com o sistema (do CD ou drive flash) no ar, você já poderá realizar os procedimentos sobre as partições do seu disco, com um mínimo de segurança.
Em alguns casos, pode ser necessário indicar no BIOS do sistema que você deseja inicializar a partir de um dispositivo USB.
Entre no modo Live de uso do do ubuntu (pule as opção de instalação) e, a partir do dash, encontre o “gparted”.
ubuntu gparted particionamento

Redimensionamento do disco com o GParted

As partições presentes no seu sistema serão apresentadas na tela principal do GParted.
A maioria dos sistemas de arquivos (inclusive o NTFS) pode ser redimensionada.
O SWAP também pode ser — mas você terá que desmontá-lo antes.
gparted debian ubuntu
Para ter acesso ao painel de redimensionamento, clique com o botão direito sobre a partição que você deseja alterar e selecione a opção Redimensionar.
gparted redimensionar tamanho da partição.
Dentro do painel de redimensionamento, você pode arrastar as bordas da partição ou indicar os novos valores de tamanhos que ela deve ter.
Você pode também criar novos espaços vazios, ao indicar o ponto a partir do qual a partição deverá iniciar.
Os espaços vazios, podem ser usados para conter novas partições, se você quiser.
Quando terminar de usar o GParted, Clique no menu principal GParted ou no botão de “aplicar” as alterações. As teclas “Ctrl + Enter”, também podem ser usadas para aplicar as alterações.
Se quiser desfazer alguma última operação, pressione “Ctrl + Z”, para desfazer a última.
Seja cuidadoso e (nunca é demais lembrar…) mantenha seus backups sempre em dia!

Como gravar Linux em um pendrive

Há várias maneiras de gravar o Linux em um flash drive ou pendrive, para ser executado posteriormente.
Mesmo tendo ele instalado em todos os meus laptops, também tenho alguns outros pendrives rodando algumas das minhas distribuições favoritas (ou necessárias).

O Tails é, na minha humilde opinião, a distribuição GNU/Linux mais indicada por quem deseja/precisa navegar na Internet com privacidade — Na sua casa, na dos amigos ou no cibercafé, o Tails oferece mais garantias de que a sua passagem por sites de bancos, governamentais, adultos etc. não será rastreada.
É o que faz dela uma das melhores distribuições para se ter em um (pen)drive portátil.

Outras distros são ótimas para quem trabalha com suporte técnico, pois permitem acessar todo o hardware do computador e fazer um diagnóstico mais preciso e, possivelmente, resolver problemas.
Em relação à mídias, como CD, DVD ou Bluray, o uso de uma mídia flash oferece várias vantagens — como a velocidade, a possibilidade de gravar várias outras vezes e poder ter um espaço para armazenar, dentro dele, seus arquivos pessoais.
Por fim, ter o Linux em um flash drive é uma das formas mais simples de instalar o sistema do pinguim em outros computadores ao seu redor.
Segue alguns dos métodos que eu mais uso para instalar Linux em pendrives ou cartões de memória flash (quando é possível dar boot com eles). Escolha o seu:

  1. Como instalar Ubuntu no pendrive
  2. Como criar um pendrive bootavel com Linux, usando unetbootin — tem a vantagem de fazer o download da sua versão Linux preferida e te entregar um pendrive pronto, ao final do processo. Vale experimentar.
  3. Como instalar o Linux em um pendrive com o comando dd — se você não tem medo da CLI (linha de comando), este pode ser o método mais simples, rápido e seguro.
  4. Como criar um pendrive bootavel com o openSUSE.
  5. Via Windows — há vários aplicativos para Windows que facilitam a instalação do Linux em um pendrive.
    Este é o único caso que eu não testei (não uso Windows há mais de 10 anos) e portanto continuo não sabendo como as coisas funcionam (ou não) por lá.
    Entretanto, fiz uma tradução livre do site Pendrive Linux e a postei em Como instalar Ubuntu em um pendrive via Windows. Faça o teste e nos conte como foi!

Os artigos contém links para outros textos ou tags do site, que podem ajudar a entender melhor um ou outro assunto específico.
Você usa algum outro método? Prefere fazer de outro jeito? Conte para a gente, nos comentários.

Como gravar o openSUSE em um pendrive

O openSUSE, ou SUSE para os íntimos, é uma distro tradicional, ao lado do Red Hat, do Slackware e do Debian.
Na verdade, suas origens remontam à Alemanha em 1992 e, no começo, era baseado no próprio Slackware — e só tinha a pretensão de ser uma versão localizada deste.
opensuse oficial logo
Com o tempo, a comunidade de usuários e desenvolvedores do SUSE construíram sua própria história.
Tal como qualquer outra distro GNU/Linux, o openSUSE pode ser instalado em inúmeras mídias — flash drives (pendrives), Blu-ray, DVD, CD etc.
Existe, ainda, a possibilidade (por que não) de ser instalado via rede (netinstall), como o Debian e Ubuntu.
Neste texto, vou mostrar como é simples instalar o sistema em um pendrive.
Recomendo a leitura de Como gravar o Linux em um pendrive, para tirar dúvidas e obter algumas dicas extra — especialmente se você nunca usou o comando dd ou gravou o Linux em um pendrive.
dispositivos de armazenamento de massa padrão

Onde baixar o openSUSE

Tal como outros sistemas operacionais GNU/Linux, o openSUSE também tem várias versões para escolha.
Este post é baseado no openSUSE 13.2 e vou baixar e gravar no pendrive a versão openSUSE Leap 42.1.
Você pode encontrar a versão desejada do seu openSUSE aqui.

Como gravar o openSUSE em um pendrive

Se você estiver usando outra versão do Linux ou pretende instalar outra versão do openSUSE, o procedimento que segue é o mesmo para todos. Só tome o cuidado de adaptá-lo nos nomes e nas versões das imagens dos sistemas operacionais.
Abrir o terminal e executar o comando dd é o meio mais rápido de realizar a tarefa.
O passo a passo, que segue, deve ser executado com privilégios de superusuário — portanto, seja cuidadoso(a).
O comando dd vai apagar todos os dados do disco no qual for executado. Por isto, você deve se certificar de que está executando-o no disco certo (no pendrive, por exemplo).
Conecte o seu pendrive à porta USB e não o monte.
Para saber a localização exata do seu pendrive, use o comando lsblk.

lsblk 

Se aparecer opções, como ‘sdb1’, ‘sdb2’, por exemplo, não os use.
Neste caso, faça referẽncia ao endereço raiz do dispositivo: apenas ‘sdb’.

NAME   MAJ:MIN RM   SIZE RO TYPE MOUNTPOINT
sda      8:0    0 465,8G  0 disk 
├─sda1   8:1    0  18,6G  0 part /
├─sda2   8:2    0 440,5G  0 part /home
└─sda3   8:3    0   6,6G  0 part [SWAP]
sdb      8:16   1   3,7G  0 disk 
└─sdb1   8:17   1   3,7G  0 part 
sr0     11:0    1 303,5M  0 rom

Uma vez determinado o endereço correto do seu pendrive, execute o seguinte procedimento nele:

# substitua o /dev/sdb pelo correto, no seu sistema:
sudo dd if=./openSUSE-Leap-42.1-DVD-x86_64.iso of=/dev/sdb bs=4M; sync

Aguarde alguns segundos (ou minutos).
Quando o terminal ficar livre novamente, remova o pendrive ou apenas dê um reboot no sistema.
Não esqueça de ajustar o BIOS, para ele dar boot pelo pendrive.
Os passos que seguem são opcionais.
Se preferir, antes de gravar a distro no pendrive, é possível fazer backup dele, antes de iniciar o processo que irá apagar todo o seu conteúdo:

sudo dd if=/dev/sdb of=./conteudo-pendrive.backup bs=4M; sync

Mais tarde, você poderá restaurar o conteúdo no pendrive, invertendo o comando acima:

sudo dd if=./conteudo-pendrive.backup of=/dev/sdb bs=4M; sync

Se quiser ler mais, confira nossos outros artigos sobre o openSUSE.