Configure os repositórios no Debian testing para baixar e usar o Firefox beta

Se você não está satisfeito(a) com a versão do Firefox presente no seu sistema Debian… bem vindo(a) ao clube!
Estou usando a versão “testing” do Debian 10 Buster e não fiquei satisfeito com o Firefox-ESR, presente na distro.

O ponto forte da edição ESR é a estabilidade do navegador. Ele é, simplesmente, à prova de balas.
Mas eu gosto de usar também a versão Beta ou Nightly. Clique aqui, para saber as diferenças entre elas.

Vou mostrar como configurar o seu sources.list para obter a versão mais atual (experimental) do Firefox, no Debian “testing”.
Se você usa outra versão do Debian, por favor leia este artigo.
Tenha em mente que este tipo de alteração pode comprometer a segurança do seu sistema.
Se preferir usar apenas uma versão do navegador, remova a atual:


sudo apt remove firefox-esr

Agora edite o arquivo /etc/apt/sources.list, incluindo a seguinte linha ao final:

deb http://http.debian.net/debian experimental main

Em seguida, atualize o repositório:


sudo apt update

e instale o navegador:


sudo apt install -t experimental firefox

Agora, já é possível usar a nova versão do Firefox.

Referências

http://mozilla.debian.net/.

Como instalar pacotes em versão alpha no Debian testing

Se você usa o Debian testing, por que tem necessidade de (ou apenas quer…) usar as versões mais atuais dos seus softwares favoritos, dentro de condições de segurança razoáveis, ainda é possível avançar um pouco mais nestas águas profundas.

Usuários do Debian stable, podem usar o repositório backports para acessar versões mais atualizadas de seus aplicativos.
O pessoal do testing não tem como usar o backports, mas pode usar o experimental.

Por que você não deveria usar o repositório experimental

O Debian tem uma distro (que na verdade não é uma distro…) chamada unstable ou Sid, voltada especialmente para quem gosta de usar cutting edge softwares. Eu escrevi sobre ela aqui.
Partir para usar o Sid é mais seguro e dá menos dor de cabeça do que misturar repositórios na sua distro.

Além disto, eu poderia citar, pelo menos, 3 motivos fortes para não seguir em frente e não aplicar o procedimento que segue, abaixo:

  1. Este repositório, provavelmente, não é para você.
    Ele é voltado para desenvolvedores ou usuários envolvidos no projeto específico e que precisa dar feedback sobre o funcionamento destes programas, além de ajudar a corrigir erros (vai achar muitos!).
  2. Instalar pacotes de softwares a partir deste repositório vai quebrar o seu sistema, torná-lo inutilizável e obrigá-lo a instalar tudo de novo.
  3. Na maioria dos casos, não se trata de software “atual”, mas “em desenvolvimento”.
    Ou seja, se o seu objetivo é poder usar as versões mais novas de alguns programas, provavelmente irá “dar com os burros n’água”.
    Os recursos estão em teste nos aplicativos deste repositório e podem não ser mantidos nas suas versões finais.

Você ainda está aqui??!!
Ok… você foi avisado(a)!

Como configurar o Debian para usar o repositório experimental

inclua no arquivo /etc/apt/sources.list a seguinte linha (pode ser no final):

deb http://deb.debian.org/debian experimental main

Atualize…


sudo apt update

E voilá! Já pode pesquisar dentro do experimental.
Veja um exemplo:


apt search -t experimental firefox

Quando quiser instalar ou pesquisar algo de dentro deste repositório, use ‘-t experimental’, logo após o comando apt.
Por exemplo, para instalar o Gimp:


apt install -t experimental gimp

Como desfazer o procedimento

Pode ser difícil ou, até mesmo, impossível desfazer o procedimento, de modo geral.
“Voltar atrás” vai depender do que você fez e do quão longe você foi.
Reinstalar o Debian pode ser a opção mais segura.
Se não quiser seguir por este caminho, apenas desinstale os pacotes que instalou.
Em seguida, remova a linha que adicionou ao sources.list e rode novamente o apt update.

Seja cuidadoso(a) e tenha muito critério ao instalar qualquer coisa deste lugar.
Pode ser mais vantajoso começar a usar a versão unstable do Debian, do que fazer mix de repositórios.
Pense nisso.

Review do Kernel linux-libre no Samsung Ultra 5

O linux-libre é uma versão do kernel GNU/Linux tradicional, despido de código proprietário — entre outras porcarias obscuras.
Recentemente escrevi sobre como obter e instalar (é super fácil!) uma versão deste kernel. Clique aqui, se tiver curiosidade.
Samsung ultrabook linux
Este post complementa aquele, na medida em que pretende mostrar os possíveis problemas que você pode ter – ou não – com esta opção.

Apesar do título, este artigo não é exatamente um review do kernel e, definitivamente, não é um review de um notebook.

O Samsung Ultra 5 530U3C, como a maioria dos notebooks vendidos no Brasil, vem com alguns dispositivos internos proprietários — que necessitam drivers igualmente proprietários para funcionar.
Na minha experiência, com o kernel 4.12.2-gnu, no Debian 9, apenas a interface de rede wireless teve problemas para funcionar.
Outros dispositivos, que uso com bastante frequência não apresentaram qualquer problema para serem reconhecidos e usados pelo sistema:

  • dispositivo de áudio — tocou meus arquivos de áudio FLAC e MP3 100%.
  • rádio Bluetooth — foi possível reproduzir áudio em caixas de som remotas e fazer transferência de arquivos de um aparelho Android 7.0 Nougat.
    motorola bluetooth connections

Já, para resolver o problema da interface de rede sem fio, o que você precisa é do pacote proprietário ‘firmware-iwlwifi’, que contém os drivers que ela necessita para funcionar.

O ponto, aqui, é ter controle sobre o código não-livre que entra no seu sistema — ou seja, somente o essencial.

A instalação do novo kernel não sobrescreve ou desinstala o kernel presente no seu sistema.
debian kernel options
Como a imagem do GRUB mostra acima, você passa a contar com mais uma opção.
O menu do GRUB, permite a alternância entre todas as opções de kernel presentes no seu sistema.
E, se ficar insatisfeito e quiser desinstalar, o sistema volta o kernel anterior para o padrão do GRUB.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Já pensou em usar a versão unstable do Debian?! Veja como é fácil.

A versão instável ou unstable do Debian, também chamada de Sid, pode ser instalada agora mesmo, se você quiser.
Trata-se da versão que sucede à testing.
girl in sid shirt
Antes de continuar, recomendo a leitura do texto 5 razões para não chamar o debian unstable de instável. Daqui pra frente, vou entender que você conhece os pros e contras de usar esta versão.
Este post complementa o artigo Como baixar e instalar o Debian Unstable.
Neste artigo, vou mostrar como fazer a atualização de uma maneira mais simples, apenas com a edição do sources.list — sem precisar baixar um arquivo grande e gravar seu conteúdo em um pendrive ou DVD.

O procedimento de passar a atualizar o sources.list a partir de outro canal de desenvolvimento pode acarretar na instabilidade do seu sistema. Leia os artigos sugeridos nos links, para entender melhor em que terreno você está pisando.

Como atualizar o Debian para o unstable através do sources.list

captura de tela do terminal
Para passar a usar outro canal de repositórios para atualizar o seu sistema, basta alterar o arquivo “/etc/apt/sources.list”.
Eu demonstrei uma maneira muito simples e prática de se fazer isto neste artigo.
Comece por fazer um backup do arquivo:


cp /etc/apt/sources.list ~/sources.list.original

Em seguida substitua o conteúdo do arquivo por este:


#------------------------------------------#
# Repositórios oficiais do DEBIAN
#------------------------------------------#

###### Repos principais do Debian
deb http://ftp.br.debian.org/debian/ unstable main contrib non-free
deb-src http://ftp.br.debian.org/debian/ unstable main contrib non-free

#------------------------------------#
# Repositórios não-oficiais
#       (opcional)
#------------------------------------#

###### Repositórios de binários de terceiros 
###Debian Multimedia
deb http://www.deb-multimedia.org unstable main non-free

Note que não é necessário acrescentar a parte opcional do texto acima, a menos que você queira usar os mais novos softwares voltados para multimídia no Debian.
Neste caso, vai ser necessário, adquirir a chave GPG deste repo:


sudo apt-key adv --keyserver ha.pool.sks-keyservers.net --recv-keys 5C808C2B65558117

Aguarde alguns segundos (ele pode ser um pouco demorado para concluir).
Em seguida, sincronize o seu cache com os repositórios novos:


sudo apt update

Atingido:1 http://ftp.br.debian.org/debian unstable InRelease            
Obter:2 http://www.deb-multimedia.org unstable InRelease [22,2 kB]       
Obter:3 http://www.deb-multimedia.org unstable/main amd64 Packages [140 kB]
Obter:4 http://www.deb-multimedia.org unstable/main Translation-en [57,3 kB]
Obter:5 http://www.deb-multimedia.org unstable/non-free amd64 Packages [1.960 B]
Obter:6 http://www.deb-multimedia.org unstable/non-free Translation-en [1.154 B]
Baixados 223 kB em 11s (18,9 kB/s)                           
Lendo listas de pacotes... Pronto
Construindo árvore de dependências       
Lendo informação de estado... Pronto
155 packages can be upgraded. Run 'apt list --upgradable' to see them.

Como você pode ver, no meu caso, já há atualizações disponíveis.
Para começar a atualizar a sua distro, rode o “full-upgrade”


sudo apt --full-upgrade

… e voilá!
Se não leu, leia os artigos complementares, recomendados no início do texto e boa sorte (você vai precisar) no novo sistema!

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

7 lojas alternativas de onde você pode baixar milhares de apps para seu dispositivo Android

A Google Play Store é muito boa e recheada de opções de softwares incríveis.
Infelizmente, nem todos os desenvolvedores têm produtos que se encaixam dentro das regras do Google para expor na vitrine oficial da empresa.
Além disto, tanto a lojinha do Google quanto a da Apple (neste caso, ainda tem) já tiveram restrições à softwares livres, sob a licença GPL.
repositório loja android jogos apkpure
Por outro lado, algumas das lojas ou repositórios de softwares de que vamos falar neste artigo, têm restrições talvez até mais rígidas que as da Apple ou do Google para permitir a distribuição de apps. Por exemplo, não aceitar softwares com DRM — que traz sérios riscos de segurança aos clientes.

O problema das grandes lojas não é com o software livre per se. Mas com o fato de que a licença GPL não lhes permite adicionar mais restrições aos usuários.

Não se esqueça que é necessário liberar a instalação de APKs externos no seu smartphone antes de poder instalar qualquer coisa.

É seguro baixar apps de repositórios ou lojas alternativas?

A segurança é sempre relativa e eu não afirmo que é seguro baixar software de lugar algum.
Quando uma grande distribuidora de apps admite a presença de DRM ou, mesmo, softwares proprietários (não-livres) em seus repositórios, fica difícil alegar segurança.
A única maneira de saber se um software é seguro ou não para você, é analisar ou auditar seu código fonte — o que só pode ser feito em apps com licenças de código aberto ou livre.
Softwares proprietários não podem ser auditados.
Se você não vai perscrutar o código de um programa que adquiriu, então terá que confiar cegamente nas pessoas/empresas que o forneceram.

Em resumo, o problema da segurança (ou da falta dela) não está na loja ou no repositório de softwares — mas na possibilidade que você tem ou não de fazer auditorias nos apps que adquire.

Para usuários comuns esta questão pode ser trivial.
Empresários ou gestores de TI, contudo, só deveriam permitir a aquisição de softwares 100% auditáveis, contudo.
Poderíamos nos estender mais sobre o assunto, mas precisamos falar das outras lojinhas…
captura de tela loja repositorio

As grandes lojas de apps do mercado

Entre as grandes lojas do mercado, dá para citar algumas que você certamente, já conhece.
Ao comprar um smartphone ou tablet novo, você provavelmente se deparou com o ícone da lojinha oficial do seu fabricante e, diferente, do Play Store ou da App Store, comumente só são acessíveis através do próprio dispositivo com o app exclusivo. Ou seja, não dá para chegar lá pela web.

  • Samsung Galaxy Apps — loja voltada para todo o universo de aparelhos vendidos pela Samsung, o que inclui smartphones, smartTVs etc.
  • Lenovo/Motorola — na linha de celulares Moto G, o App Box substitui o repositório de apps nacionais (brasileiros), o BR Apps. Nele é possível encontrar muita coisa voltada para a realidade brasileira, especificamente.
  • Amazon — possui sua loja, que vai além de apenas livros digitais, filmes e músicas.

Como você já deve imaginar, LG, Philco e quase todas as outras marcas também têm seus repositórios de softwares para atender a seus clientes.
Além disto as lojas não atendem apenas a quem tem aparelhos com o sistema operacional Android — se estendem a usuários do Windows, WebOS, Bada etc.
O foco deste artigo, contudo, são lojas ou repositórios de apps Android.
Vamos conhecer algumas…

Repositório de apps F-Droid

O foco específico do F-Droid é fornecer softwares de código aberto ou livre, para a plataforma Android.
Os aplicativos são exibidos de maneira bem organizada e é possível fazer buscas dentro do repositório por softwares do seu interesse.
É possível encontrar uma enorme coletânea de apps que obedecem a exigências de não rastrear seus usuários, não exibir propagandas e não requerer dependências.
f-droid logo
A gente conta mais sobre ele e ensina como instalar neste artigo, aqui.
Com certeza vale instalar e conhecer melhor.

AppsLib

A biblioteca de aplicativos AppsLib, conta com aproximadamente 40 mil títulos. Muitos destes mantém seu foco nos clientes que possuem tablets Android.
appslib
Boa parte dos softwares desta loja online não se encaixa nos termos do Google Play Store.
Conheça a loja neste link: http://appslib.com/download,

APKPure

O APK Pure tem uma enorme coletânea de apps para Android — a grande quantidade de jogos é um dos destaques.
apkpure captura de tela web
Segue o link para o site APKPure: https://apkpure.com/apkpure-app.html

MoboGenie

Esta alternativa é interessante, entre outras coisas, por que oferece uma grande coleção de apps curados — de certa, forma selecionados para cada usuário.
O Mobogenie tem um mecanismo inteligente de recomendação de apps, que analisa suas preferências e é capaz (alegadamente) de fazer sugestões pertinentes.
captura de tela web mobogenie
Além de loja de apps, o Mobogenie oferece outros serviços:

  • Sistema de gestão de seus arquivos locais.
  • Permite baixar conteúdo, como papéis de parede, ringtones, livros e vídeos do youtube.

Você vai encontrar muitos apps que também estão presentes na Play Store — é interesse dos desenvolvedores divulgar e colocar seu trabalho a mostra em todos os lugares possíveis.
Uma surpresa agradável é ver que a interface foi traduzida para o português, o que pode ajudar você a selecionar melhor o que quer instalar.
Site do Mobogenie em português: http://www.mobogenie.com/pt/.

Conheça o Itch.io

Como mercado de games, que usa a plataforma web, oferece um espaço muito apreciado por desenvolvedores de jogos independentes (ou indie game developers).
captura de tela itch.io
Há uma área do site destinada exclusivamente a clientes Android, que facilita a aquisição de aplicativos para esta plataforma.
Use os filtros e a caixa de busca para encontrar mais rápido os tipos de games que você deseja obter.
Segue o site, para você conhecer: https://itch.io/.

O Slide Me tem tradição online

Trata-se de um dos mais antigos serviços de distribuição e venda de apps online — é anterior à Play Store, inclusive.
screenshot slide me
Tem maior flexibilidade de pagamentos e um grande acervo.
Visite o site: http://slideme.org.

GetJAR

Disponibiliza uma vasta gama de apps para downloads (pagos e gratuitos).
Fácil de fazer buscar ou de filtrar resultados. Infelizmente ou felizmente, muito do que se encontra aqui, também se encontra na Play Store.
getjar screenshot web
Se você tem algum celular mais antigo (com sistema operacional Symbian, por exemplo), este é o lugar para encontrar apps feitos em Java, para rodar no seu aparelho.
Conheça o site: https://www.getjar.com/mobile-apps/.

Mobile9

Junto com o Slide Me e o GetJar, o Mobile9 está há um bom tempo no mercado, oferecendo opções de papéis de parede, ringtones, apps para as mais diversas plataformas etc.
screenshot mobile9 site web
Atualmente, foi construída uma rede social em torno do site, de forma que se cadastrar nele e baixar o app da lojinha pode trazer uma boa fonte de entretenimento.
Não perca este site: www.mobile9.com.

Mobango, a força da Índia

Os apps não são necessariamente da Índia, apesar da reconhecida qualidade dos programadores daquele país.
mobango screenshot site web
Ele se destaca pelo grande acervo de jogos, separados por categoria (collections) e vídeos gratuitos para download.
O site é este: www.mobango.com.

Opera Mobile Store não é só para quem tem navegador Opera

A loja do Opera atende a, pelo menos, 7 plataformas — o que inclui o Android, com certeza.
screenshot opera10
Quem usa o navegador Opera dispõe das vitrines da loja de dentro do próprio aplicativo, claro.
Quem usa outros navegadores, pode acessar a loja pelo site: http://android.oms.apps.opera.com/en_br/

Referências

https://forums.developer.apple.com/thread/18922.
https://theappsolutions.com/blog/marketing/alternative-android-app-stores/.
https://www.androidpit.com/best-google-play-store-alternative-app-stores.