5 motivos para começar o seu blog sobre Linux!

Se você gosta muito do Linux, pode ter vários motivos para escrever sobre o assunto.
Na verdade, só o fato de gostar, já é o suficiente para se escrever sobre algo… mas eu posso listar outros motivos para você começar ainda hoje!

Neste post, vou reunir algumas das minhas dicas iniciais para quem estiver precisando de “um empurrãozinho” para começar a escrever, escrever, escrever… sobre Linux, claro! 😉

Se deseja aprender sobre alguma coisa, coloque no papel!

Uma das formas de fixar o aprendizado é registrá-lo em um caderno. Um blog (ou um vlog!) também podem trazer o mesmo benefício.
Um ponto adicional é o fato de que você pode ajudar outras pessoas com o que acabou de aprender.

Um blog é uma ótima forma de registrar o que você não gostaria de esquecer

Ei, foi assim que eu comecei! 😉

Eu usava papel e lápis para anotar os meus procedimentos. Assim, quando precisasse de novo, não precisaria repetir todo o processo de pesquisar e perguntar a outras pessoas sobre como fazer aquilo. Bastava consultar minhas próprias anotações.

O que acontece é que, no Linux, depois que se faz uma configuração, dificilmente se vai precisar fazê-la de novo. Ou seja, você pode demorar meses ou anos para voltar a precisar daquela anotação novamente.
Guardar um caderno de notas, durante este tempo, pode ser um grande desafio para mim.

Anotar o meu aprendizado em um blog é uma forma de mantê-lo sempre à mão, em qualquer lugar acesso à Internet.

Ajudar outras pessoas é bom para a sua reputação

Durante alguns anos eu ajudava as pessoas em fóruns, internet a fora.
Se você se sente melhor ajudando as pessoas em um fórum, como o Viva o Linux, por exemplo, eu o(a) encorajo fortemente a fazer isso. É também uma ótima forma de construir sua reputação.

Pessoalmente, não gosto de grupos em redes sociais, como o Google Plus ou o Facebook.
Redes sociais, na verdade, são péssimas ferramentas para fazer pesquisas por assunto e as perguntas repetitivas são verdadeiros testes para a sua paciência.

Por um lado, são um excelente meio de se tornar reputável, ajudando os outros, mas… também acho que são fonte de sofrimento (e perda de tempo) desnecessário.
Redes sociais simplesmente não foram projetadas para isso.

Os fóruns, em geral, são orientados às dúvidas de outras pessoas.
Já o seu site é orientado às suas próprias dúvidas e ao que você desejar escrever.
É o melhor lugar para você organizar problemas e soluções para o seu dia a dia, na medida em que vão surgindo.

Já existe muito site sobre Linux…

Não. Não existe.
Na verdade, existe muito site sobre Windows — e ainda não vi ninguém reclamando de “saturação”.
Há muito espaço, portanto, para você começar o seu próprio blog sobre o Linux.
Pode escrever sobre o que quiser.
Um blog sobre Linux, não precisa abrigar apenas artigos técnicos.
Muitos outros assuntos podem ser abordados. Por exemplo:

  • As novidades que surgiram na indústria, relacionadas ao sistema operacional do pinguim.
  • A sua opinião sobre as novidades.
  • Se você leu algum artigo, provavelmente formou alguma opinião sobre o que leu. Pois escreva sobre isso.
  • Se sabe inglês, francês, italiano etc. pode traduzir artigos de autores nestes idiomas para o português. Desta forma, você pode ajudar os seus leitores a obter uma outra perspectiva sobre um assunto.
  • Você pode escrever sobre personalidades (líderes, desenvolvedoras(es) etc.) da comunidade do software livre.
    Pode, até mesmo, entrevistá-los(as) e publicar conteúdo exclusivo de grande relevância.

Viu? Não vai faltar assunto! 😉

Um blog ajuda você a se tornar um profissional melhor

Um blog exige que se organize melhor as ideias e que se escreva de maneira que outras pessoas o entendam.
Se você precisa apresentar relatórios, por escrito ou verbalmente, manter um blog atualizado é um ótimo exercício profissional.
Vai ajudar a sua escrita a se destacar entre outros profissionais que não fazem este exercício.

Escrever sobre o que se está aprendendo é legal. Escrever sobre o que se domina, é melhor ainda!

Não guarde seu conhecimento somente para si.
Compartilhe-o com outras pessoas. Você cresce imensamente ao fazer isto.
Se você sabe usar bem os softwares de edição e manipulação de imagens, como o GIMP, o Darktable etc. escreva sobre eles!
Se há excelentes blogs sobre Linux, há algumas lacunas a serem preenchidas sobre temas específicos.
Escolha um software que você domina e ocupe o espaço que existe para falar sobre ele.
Os fóruns podem ser um ótimo lugar para encontrar temas (dúvidas) a serem desvendados e, eventualmente, responder às pessoas com um link para um artigo seu sobre o assunto da dúvida.

Ganhar dinheiro com o seu blog…

Este ponto é contraditório — eu poderia citá-lo como motivo para não escrever blog nenhum.

Embora eu tenha uma renda vinda do meu site, o dinheiro não foi o motivo pelo qual eu comecei e, até este momento, não é o que me move e me faz ficar horas do meu dia estudando e escrevendo.

É a paixão que me move.
Eu não teria chegado até aqui se não fosse a minha paixão pelo software livre e pelo imenso bem estar que sinto dentro desta comunidade maravilhosa.

Você pode demorar anos para começar a obter algum retorno financeiro pelo seu trabalho no blog.

Ganhar dinheiro com o seu site tem outro lado, de que pouco se fala.
Algumas empresas que trabalham com monetização de espaço publicitário em seu blog irão passar você para trás, te enganar, te roubar etc…
Não é uma regra, mas acontece.
Nem todas são desonestas, mas é uma realidade que você pode vir a enfrentar.
E você não vai ter para quem reclamar, até por que não existe contrato entre você e elas.

Portanto, acredite em mim: se você não gostar do que está fazendo, vai sofrer muito e é bem provável que nunca chegue a sentir que valeu a pena.
Com muito trabalho e esforço, é bem possível que seu blog se torne rentável, com o tempo.
Mas não faça deste o objetivo maior desta jornada.

Conclusão

A expectativa de gerar renda, através de um blog ou de um vlog (no YouTube, por exemplo) é um assunto um pouco mais complexo que talvez eu ajude a desvendar melhor em outro post.
O que você achou dos outros motivos, até agora?
São suficientes para te convencer?! Sinta-se á vontade para comentar ou fazer perguntas abaixo, na sessão de comentários. 😉

GnuCash, um aplicativo de gestão financeira.

O GnuCash é um software de gestão de finanças voltado para uso corporativo, de pequenos negócios ou para uso pessoal.
Você pode organizar e acompanhar suas finanças em múltiplas contas. Há suporte a processamento de clientes, vendedores e funcionários.
O aplicativo tem versões para os principais sistemas operacionais, o que inclui o Android — o que te permite acompanhar suas contas em qualquer lugar, a qualquer momento.
gnucash splash screen - Screenshot

Como instalar o GnuCash

Como já foi dito, o aplicativo tem versões para as mais diversas plataformas.
Usuários Mac e Windows, podem fazer o download no site do produto
Quem usa Linux, pode instalar o programa confortavelmente dos repositórios de sua distro.
Usuários Ubuntu, podem fazer a instalação através do Software Center, clicando no botão abaixo:

Clique para instalar o aplicativo.
Clique para instalar o aplicativo.

Quem preferir o terminal, no Ubuntu, pode usar os seguintes comandos (copie e cole):

sudo apt-get install gnucash

No Fedora, é possível instalar pelo seu gerenciador de pacotes ou pelo terminal, com o yum:

sudo yum install gnucash

Você pode obter mais informações sobre o processo de instalação no Red Hat ou Fedora aqui.
No Android, é possível baixar e instalar o aplicativo pelo Google Play.
Contudo, neste post, irei abordar especificamente a versão para PC, do GnuCash.

Lá vem história…

Se achar melhor, você pode pular esta seção — mas acho que vale falar um pouco da trajetória deste aplicativo, que vem desde 1997 (falta pouco para fazer 20 anos!).
Começou voltado a usuários comuns e ganhou músculos e força para, em 2001 incorporar a capacidade de atender às finanças de pequenas empresas.
A versão para PC é escrita em C, com uma pequena fração dela, em Scheme. A versão Android é feita em Java.
O GnuCash para Android é um aplicativo diferente, que atua como complemento do que você usa no PC.
O site de análises Ohloh publicou um post mostrando que o código do aplicativo é estável, maduro e tem uma base de desenvolvedores ativos.

A interface

GnuCash - criar nova contaO visual do GnuCash se integra à interface do ambiente desktop que você está usando.
Inicialmente, ele é espartano — à medida em que você vai usando e necessitando o nível de complexidade vai gradativamente aumentando. Ou seja, ele não assusta os novatos e dá aos veteranos, em contabilidade ou finanças, os recursos que precisam.
A tela de criação de um nova conta – uma das primeiras ações de quem vai usar o aplicativo – permite fornecer diversas informações e inclui 13 tipos de contas (é possível alterar esta lista).
Novas contas podem ser criadas a partir de outras preexistentes, incorporando seu saldo e, também, podem ser ocultas.
As contas podem estar organizadas hierarquicamente — o que pode ser útil também para quem só quer organizar suas finanças pessoais.

Importar dados de outros aplicativos

Importar dados de outro aplicativo proprietário, pode ser uma dor de cabeça — algumas empresas dificultam a disponibilização dos dados do usuário que os deseja levar a outro aplicativo.
Ainda assim, com um pouco de esforço, você pode levar os dados do seu aplicativo anterior para dentro do GnuCash.
O GnuCash aceita importar arquivos

  • QIF, OFX e QFX;
  • Contas e transações CSV
  • e mais alguns outros.

Aliás, se você tem dificuldade de extrair os dados do seu aplicativo atual para levar para outro, você já está em maus lençóis e deveria considerar mais seriamente a mudança para outra plataforma que ofereça mais respeito com os seus dados e com a sua liberdade.

Conclusão

O GnuCash é uma excelente ferramenta quando você deseja apenas gerir suas contas pessoais.
Não faz sentido ficar “se matando” em cima de planilhas que, com o tempo, vão ficando pesadas em função da quantidade de dados e são difíceis de manusear.