Experimente as novas distribuições Linux com o QEMU

Tem meses em que a comunidade do software livre está “em polvorosa”, com os lançamentos quase simultâneos de novas distribuições.
Haja DVD ou pendrive para gravar… 😉

Com uma plataforma de virtualização, como o VirtualBox, o VMWare, o QEMU etc. é possível experimentar qualquer distro live, sem a necessidade de ter que passar pelo processo da instalação — e você ainda preserva seus pendrives.
Neste texto, vou demonstrar o uso do QEMU, como minha plataforma favorita de virtualização para rodar uma distro brasileira, que eu acredito que vale a pena conhecer.
Os princípios são os mesmos para qualquer outra distro Linux — portanto, não se prenda às minhas opções.
O SimbiOS é um sistema operacional GNU/Linux (brasileiro) baseado no Debian testing.
Você pode encontrar uma ISO para instalação ou apenas para experimentar no site oficial: http://simbioslinux.weebly.com/.
O site SempreUpdate tem um review atualizado sobre a distro — link no final do texto. Não deixe de ler 😉

Como compor uma máquina virtual para rodar a minha distro favorita

Eu me sinto bastante confortável para usar ferramentas CLI (de linha de comando). Se este não for o seu caso, experimente uma das várias alternativas do QEMU para interfaces gráficas (GUI).
Neste exemplo, vou mostrar como rodar o SimbiOS em uma máquina virtual, nas seguintes condições:

  • Arquitetura básica de 64 bit
  • 2 GiB de memória RAM

qemu-system-x86_64 -enable-kvm -m 2048 -name 'SimbiOS 17 Light' -cdrom SimbiOS_17.0_light-amd64.iso -boot d

Entenda as opções:

  • -enable-kvm, habilita a virtualização completa com suporte ao módulo KVM.
  • -m 2048, determina a quantidade de memória RAM presente no hardware virtual.
  • O valor da opção ‘-name’ pode ser qualquer um à sua escolha.
  • Por fim, a opção ‘-boot d’ (opcional) força o boot pela unidade de cd-rom virtual.

Tenha o cuidado para usar o nome exato da ISO baixada do site, no comando acima.

Você pode usar um utilitário do pacote do QEMU para criar uma unidade de armazenamento virtual adicional, em que se pode instalar um sistema operacional.
Com isso, dá para ter uma melhor usabilidade.
Veja como rodar o qemu-img para criar uma unidade virtual de 30 GB:


qemu-img create -f qcow2 simbios17.qcow2 30G

Formatting 'simbios17.qcow2', fmt=qcow2 size=32212254720 encryption=off cluster_size=65536 lazy_refcounts=off refcount_bits=16

Note que eu usei o nome ‘simbios17.qcow2’.
Sinta-se livre para usar o nome/extensão que quiser para a sua unidade.
Agora, já dá para iniciar o sistema operacional a partir do arquivo ISO, com suporte à unidade de armazenamento virtual em simbios17.qcow2:


qemu-system-x86_64 -enable-kvm -m 2048 -name 'SimbiOS 17 Light' -cdrom SimbiOS_17.0_light-amd64.iso -hda simbios17.qcow2 -boot d

A partir daí, já é possível iniciar o processo de instalação, se este for o seu desejo, na unidade adicionada.
qemu Simbios 17
Ao fim do processo, desligue a máquina virtual e, na linha de comando, dispare o boot a partir da unidade que você criou:


qemu-system-x86_64 -enable-kvm -m 2048 -name 'SimbiOS 17 Light' -hda simbios17.qcow2

É quase certo que, desta maneira, vai rodar bem melhor do que a partir da ISO.
simbios linux boot menu

referências

Site oficial do SimbiOS: http://simbioslinux.weebly.com/

Downloads: http://simbioslinux.weebly.com/downloads.html

Review no SempreUpdate: https://sempreupdate.com.br/conheca-o-simbios-uma-distribuicao-baseada-no-debian-gnulinux/.

Use o QEMU para testar uma distro live instalada no pendrive.

Você não precisa reiniciar o seu computador para testar o Linux que você acabou de instalar em um pendrive ou, mesmo, em um CD/DVD.
O QEMU pode ser usado para criar uma máquina virtual a partir da sua instalação em mídia física externa.
Verifique aonde se encontra a sua mídia com o lsblk:


lsblk

NAME   MAJ:MIN RM   SIZE RO TYPE MOUNTPOINT
sda      8:0    0 465,8G  0 disk 
├─sda1   8:1    0   457G  0 part /home
└─sda2   8:2    0   8,8G  0 part [SWAP]
sdb      8:16   0  22,4G  0 disk 
├─sdb1   8:17   0  19,4G  0 part /
└─sdb2   8:18   0     3G  0 part [SWAP]
sdc      8:32   1   7,5G  0 disk 
└─sdc1   8:33   1   2,5G  0 part 

lsblk
Agora rode o comando abaixo, adequando-o à configuração que você possui aí:


qemu-system-x86_64 -hda /dev/sdc 

tails os qemu
Se o que você quer é testar uma imagem .ISO, a sintaxe do comando é a seguinte:

qemu-system-x86_64 -cdrom nome-da-imagem.iso

Veja um exemplo prático:


qemu-system-x86_64 -cdrom tails-amd64-3.1.iso

Leia mais sobre o QEMU, para conhecer outras opções de uso do programa.

Experimente o Debian com o kernel GNU/Hurd em uma máquina virtual

O GNU/Hurd é um microkernel, com quase 30 anos de estrada.
Apesar deste tempo, ainda não chegou a uma versão estável — ou seja, apropriada para um ambiente de produção.
gnu logo black and white
Há discussões, Internet afora, sobre o porquê deste projeto ainda não ter lançado uma versão estável — o que me dispensa de fazer esta discussão aqui. 😉

É possível experimentar este kernel dentro de distribuições, como o Debian e o Arch.

O Debian, é uma das distribuições GNU/Linux que oferecem opções de kernel alternativo. Por exemplo, o kernel do FreeBSD é também uma opção viável para usar no Debian.
Neste post, vamos manter o foco na versão do Debian, que roda com o kernel Hurd.
Parto do pressuposto de que você já tem o QEMU/KVM instalados aí.
Caso contrário, instale-os:


sudo apt install qemu qemu-kvm

Você pode fazer o download de uma imagem do Debian GNU/hurd, com o comando wget:


wget http://people.debian.org/~sthibault/hurd-i386/debian-hurd.img.tar.gz

Esta imagem pode ser usada dentro do QEMU ou do KVM, para iniciar uma estação com o Hurd dentro dela.
Feito o download, extraia a imagem:


tar -xz < debian-hurd.img.tar.gz

Em seguida rode a imagem com o kvm:


modprobe kvm

kvm -m 1G -drive cache=writeback,file=$(echo debian-hurd-*.img)

gnu hurd terminal
Para se autenticar, use o username "root", com a senha em branco.

Sua máquina virtual Hurd tem suporte a Python, Perl e Bash, sem precisar adicionar nada.
Você também pode instalar novos softwares através do apt.
Mesmo sendo "um pouco" limitado, ainda dá para brincar bastante com o ambiente.
O Hurd é comumente usado por estudantes de computação, como forma de aprender melhor sobre como construir um kernel.
Quando quiser finalizar a máquina virtual, use o comando 'shutdown -h now'.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Referências

https://www.debian.org/ports/hurd/.
https://www.gnu.org/software/hurd/.

Qual o melhor sistema de arquivos para usar dentro de uma máquina virtual

Dentro de uma máquina virtual, você provavelmente terá um ou mais discos virtuais. Cada qual, com uma ou mais partições.
Quanto mais for otimizado uso dos recursos de hardware/software, melhor será o desempenho do trabalho e das tarefas executadas dentro das VMs, lógico.
Este assunto pode suscitar várias dúvidas — por isto sugiro, dar uma olhada na tag #sistema-de-arquivos, deste blog — onde você poderá encontrar artigos complementares.

É um tema muito vasto e eu não sou o dono da verdade — por isso, sinta-se à vontade para comentar sobre a sua experiência no assunto.

Neste post, vou discutir especificamente qual o mais recomendado para formatar os discos rígidos (ou SSD) virtuais usados em máquinas virtuais (ou VMs).
No contexto deste artigo, uso algumas máquinas virtuais Debian 9 “Stretch” testing. O drive físico, em que se encontram instaladas, é um HDD (disco rígido).


Se você está com pressa e usa Linux, a resposta rápida (e mais segura), para a pergunta do título, é: formate com o ext4! 😉
Caso você tenha 2 ou 3 minutos (a depender da velocidade com que você consegue ler), posso explicar melhor as vantagens e desvantagens do ext4 e de outros sistemas de arquivos — e isto pode levar a outras respostas…

Em que casos o ext4 é perfeito para formatar um HD dentro de uma máquina virtual

O ext4 está para ser substituído, no universo GNU/Linux, há um bom tempo.
Este processo está em curso há mais ou menos uma década e pode levar outra para ser concluído. Sistema de arquivos é uma coisa séria e precisa de muitos testes para se provar confiável, seguro, eficiente.
O ext4 ou fourth extended filesystem (quarto sistema de arquivos extendido) teve sua primeira versão estável lançada em Outubro de 2008 — o que lhe dá, aproximadamente, 10 anos de estrada.

É o mais jovem (e, possivelmente, último) de uma linhagem, iniciada em 1992, com o ext — criado pelo desenvolvedor Francês, Rémy Card.

Este fato eleva o tempo de experiência do sistema, como um todo, para aproximadamente 25 anos.
Por isto é que o ext4 satisfaz as condições de segurança e eficiência.
Ele incorpora, inclusive, recursos modernos e avançados para manipular dados eficientemente em unidades SSD.

Se você tem dúvidas e precisa decidir rapidamente, opte pelo ext4.

virtualbox snapshot list
A falta de suporte nativo a snapshots no ext4, dentro do contexto de uma máquina virtual, pode ser um ponto a favor: por que o torna mais leve.
Para quem pretende rodar máquinas virtuais dentro do Virtual Box ou qemu, por exemplo, o suporte já está incluído no programa — o que o torna dispensável dentro do sistema de arquivos hóspede.

Outro argumento a favor do ext4: se o host (máquina hospedeira), já usa um sistema de arquivos com suporte a snapshots (como o BTRFS ou o ZFS), não há necessidade para a redundância.

O que os outros sistemas de arquivos oferecem a mais

Testar outras opções é sempre o melhor caminho para descobrir o que se adequa às suas necessidades.
Se as VMs estão em um host com SSDs, certamente é mais benéfico usar um sistema de arquivos construído do zero para este tipo de tecnologia.
Os sistemas de arquivo BTRFS e ZFS podem oferecer melhor performance dentro das seguintes situações, entre outras:

  • As VMs estão em um host equipado exclusivamente com SSDs.
  • Por alguma razão, você necessita do suporte a snapshots dentro do sistema de arquivos hóspede.
  • Os sistemas de armazenamento dos hóspedes são realmente grandes, você pretende usar RAID, pools etc.

Referências

Como instalar o VirtualBox no Linux

Ferramenta essencial para quem precisa trabalhar com virtualização, o VirtualBox é um programa de código aberto amplamente usado na área.
Inicialmente, o programa foi criado e lançado pela empresa alemã Innotek, em Janeiro de 2007. A mesma empresa foi adquirida pela Sun Microsystems em 2008 e esta última, pela Oracle, em 2010.
virtualbox ninja tux
O VirtualBox é, hoje, um software pertencente à Oracle, que manteve a licença de software livre relativa ao coração do projeto. As extensões do produto, contudo têm licenças mais restritivas.
A Oracle é conhecida por não se dar muito bem com software livre, diga-se de passagem.
Neste post, vamos abordar o método sugerido pela Oracle para a instalação do VirtualBox.
Outros métodos em outros sistemas podem ser encontrados aqui.
Há um texto específico sobre a instalação do programa no Oracle Linux, aqui e outro específico para Debian, aqui.

Como baixar e instalar o VirtualBox do site da Oracle

Por causa dos problemas das licenças, nem sempre é possível encontrar os pacotes de instalação nos repositórios oficiais das principais distribuições Linux.
Se você não estiver usando a distro oficial da Oracle, pode baixar os pacotes do site da empresa e, a partir daí, fazer a instalação em seu sistema.
Vá até o site da Oracle e pegue a versão mais apropriada para a sua distribuição: https://www.virtualbox.org/wiki/Linux_Downloads.
virtualbox site screenshot
Como você pode ver na figura, acima, selecionei o Debian 9 Stretch — minha distro de trabalho. Se você usa outra, não se preocupe, pois os procedimentos são parecidos.

Como instalar o pacote do VirtualBox no Debian

Opcionalmente (eu sempre faço isso), confira se o arquivo baixado não ficou corrompido, no caminho, com o md5sum:

md5sum Downloads/virtualbox-5.1_5.1.18-114002~Debian~stretch_amd64.deb ;echo "4984599e7e419be075c225f4308bac62"

Você vai encontrar a relação completa dos MD5SUM aqui.
Se tudo estiver bem, com a verificação, use o dpkg para fazer a extração e a instalação:

sudo dpkg --install Downloads/virtualbox-5.1_5.1.18-114002~Debian~stretch_amd64.deb

Não esqueça de alterar, no exemplo acima, o diretório de download e o nome do arquivo para a sua realidade, aí.
Se, mais tarde, quiser remover este software, use o dpkg assim:

dpkg --remove virtualbox-5.1 

Como instalar o pacote do VirtualBox no Fedora

Usuários do Fedora, podem fazer o mesmo procedimento de verificação do MD5SUM. Para instalar, podem usar o dnf:

dnf install VirtualBox-5.1-5.1.18_114002_fedora25-1.x86_64.rpm 

Note que a versão baixada, por mim, é para Fedora 25 64-bit. Portanto, não esqueça de adequar o comando à versão que você baixou aí.

Como instalar o pacote do Virtualbox no OpenSuse

O OpenSUSE Tumbleweed tem o VirtualBox nos repositórios.
Portanto, é possível instalar direto de lá:

zypper install virtualbox

Se você precisa baixar a versão do site, use o zypper sobre o arquivo obtido:

zypper install VirtualBox-5.1-5.1.18_114002_openSUSE132-1.x86_64.rpm