Os primeiros passos com o QEMU

O QEMU é uma plataforma de emulação ou virtualização de diversas outras plataformas.
Desenvolvedores podem usar a aplicação para verificar o comportamento de seus softwares em arquiteturas diferentes.

Um servidor, com hardware poderoso, pode hospedar dezenas de outros servidores virtuais, permitindo que diversas empresas ou usuários rodem aplicações independentes (servidores web, armazenamento de arquivos etc.)
O avanço da tecnologia de virtualização ajudou a reduzir os custos de hospedagem de sites, por exemplo.
Neste texto, vou mostrar como criar um espaço (drive) virtual para armazenar arquivos, como erguer uma máquina virtual e rodar um sistema operacional nela.
Na minha máquina física, eu rodo o Debian 10 testing (Buster).
O sistema operacional hospedeiro, usado no exemplo será o Ubuntu 17.10 (Artful Aardvark) 64 bit.
Você pode ir até o site https://ubuntu.com e baixar outra versão (provavelmente mais atual que a minha) ou usar qualquer outra imagem ISO de sistema operacional.
Os princípios explicados neste texto são os mesmos para qualquer distro Linux ou outro sistema operacional.
Se quiser, veja outros exemplos de virtualização com o QEMU, neste mesmo site.
E sempre clique nos links para obter mais informações importantes sobre algum tema.

Como montar uma máquina virtual

É bem fácil pôr no ar um PC ou servidor virtual completo, usando o QEMU.
Na verdade, é possível fazer isto em 5 minutos.
Mas, se você pretende experimentar um sistema operacional (uma distro GNU/Linux, por exemplo), baixada da Internet, em um arquivo ISO, é possível indicar em que máquina, especificamente, você deseja rodar o seu sistema operacional.
A minha ISO do Ubuntu pode ser experimentada com o seguinte comando:


qemu-system-x86_64 ubuntu-17.10-desktop-amd64.iso

Se você pretende usar outras vezes esta distribuição e gostaria que as mudanças feitas nela fossem persistentes, crie um espaço de armazenamento específico para ela, com o qemu-img:


 qemu-img create -f qcow2 ubuntu17.qcow2 50G

Formatting 'ubuntu17.qcow2', fmt=qcow2 size=53687091200 encryption=off cluster_size=65536 lazy_refcounts=off refcount_bits=16

O comando, acima, cria uma imagem no formato qcow2, com o nome ‘ubuntu17.10.qcow2’ e com espaço de armazenamento de 50 Gigabytes.
Sinta-se à vontade para usar outros valores, mais adequados para você.
Se quiser obter informações sobre a imagem recém criada, use a opção ‘info’:


qemu-img info ubuntu17.qcow2 

image: ubuntu17.qcow2
file format: qcow2
virtual size: 50G (53687091200 bytes)
disk size: 324K
cluster_size: 65536
Format specific information:
    compat: 1.1
    lazy refcounts: false
    refcount bits: 16
    corrupt: false

No comando, abaixo, vou acionar a recém-criada unidade (ubuntu17.qcow2) e rodar a imagem ISO, baixada, do Ubuntu 17.10, como se fosse de um CD-ROM:


qemu-system-x86_64 -hda ubuntu17.qcow2 -cdrom ubuntu-17.10-desktop-amd64.iso -boot d

Ao final da linha, a opção ‘-boot d’, informa que o meu sistema virtual deve iniciar a partir da unidade ótica (CD-ROM).
Vamos melhorar isto?!
A seguir, vou adicionar opções que (respectivamente) habilitam o kvm, estabelecem uma quantidade de memória de 2048 MB e inscreve o nome da distro no título da janela do QEMU:


qemu-system-x86_64 -enable-kvm -m 2048 -name 'UBUNTU 17.10' -boot d -hda ubuntu17.qcow2 -cdrom ubuntu-17.10-desktop-amd64.iso

Ubuntu 17.10 tela inicial
Se você decidir continuar a instalação, o sistema irá sugerir o unidade virtual, criada com o qemu-img.
Observe a imagem abaixo:
Instalação do Ubuntu 17.10
Depois de instalado, você pode dispensar o arquivo de imagem ISO e rodar o sistema operacional apenas da unidade de armazenamento virtual. Para mim, o comando é o seguinte:


qemu-system-x86_64 -enable-kvm -m 2048 -name 'UBUNTU 17.10' -hda ubuntu17.qcow2

Leia mais sobre o uso do QEMU, no Linux.

Publicado por

Elias Praciano

Autor de tecnologia (livre, de preferência), apaixonado por programação e astronomia. Fã de séries, como "Rick and Morty" e "BoJack Horseman". Me siga no Twitter e vamos trocar ideias!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.