Como fazer o Vim ajustar o tema de cores automaticamente, de acordo com a hora do dia

O editor de textos Vim permite escolher entre uma dezena de esquemas de cores, ou temas, pre-instalados.
Com este pequeno código, introduzido no arquivo de configuração do Vim, você pode fazer com que ele varie automaticamente, em função da hora do dia.

Se você já tem alguma pequena experiência com conceitos básicos de programação (em qualquer linguagem) não vai ter dificuldades para alterar o script, para atender às suas necessidades.
Se quiser, pode apenas copiar e colar o código. Ele vai simplesmente funcionar, como se espera.

Script para trocar o esquema de cores no Vim

O script, que segue, é desenvolvido na linguagem de programação interna do Vim — o vimscript.
O código deve ser inserido ao final do arquivo de configurações ~/.vimrc e será executado toda vez em que o programa for iniciado.
Ao rodar o Vim, o script irá checar a hora e aplicar o esquema de cores apropriado.

Abra um terminal e edite o arquivo de configurações:


vim ~/.vimrc

Acrescente o código seguinte ao final do arquivo:

" Verificação progressiva do horário
" e ajuste do esquema de cores do Vim.
" A adição de 0 para garantir que 
" retorno da função seja numérico.

if strftime("%H") < 6 + 0
        colorscheme darkblue
        echo "selecionado tema DARKBLUE"
elseif strftime("%H") < 12 + 0
        colorscheme morning
        echo "selecionado tema MORNING"
elseif strftime("%H") < 18 + 0
        colorscheme shine
        echo "selecionado tema SHINE"
else
        colorscheme evening
        echo "selecionado tema EVENING"
endif

As linhas com o comando 'echo', infelizmente interromperão a inicialização do Vim, toda vez, para passar a mensagem entre aspas.
Inicialmente, elas são interessantes para ajudar a verificar se tudo está correndo bem e se o Vim está lendo adequadamente cada linha de código.
Depois, você pode remover, para deixar a execução do editor mais fluida e o .vimrc mais enxuto.

Finalmente, quando terminar de editar, basta sair do Vim e entrar de novo.

Como criptografar texto dentro de um script PHP

Neste post vou mostrar como usar a função crypt do PHP, para codificar em base64 um texto dentro de um script.
O exemplo pode ser facilmente adaptado ou readequado para ser usado em seus scripts do dia a dia.
O programa pega o texto “uma senha qualquer” e a criptografa.
Em seguida, exibe o resultado criptografado na tela.
O código tanto pode ser executado no seu servidor web (Apache) como no terminal.
No meu exemplo, uso um terminal.
Segue o código, com os comentários:


<?PHP
// senha em texto puro a ser criptografada
$senhaTextoPuro = 'uma senha qualquer';

// criptografa o texto dado acima
$senha = crypt($senhaTextoPuro, base64_encode($senhaTextoPuro));

// exibe a senha codificada
echo $senha;
?>

Eu gravei o códio em um arquivo chamado senha.php
Para rodar o script no terminal, invoque o interpretador PHP:


php senha

dWo4bd6Qavg2Q

Personalize ou crie comandos próprios no Linux com o alias

Mesmo que você não conheça o comando alias, ele provavelmente já está sendo usado em seu sistema.
Os arquivos de configurações pessoais .bashrc ou .bash_profile devem ter uma série de configurações com o uso do alias.

“Alias”, quer dizer apelido.
Sua função é dar nomes curtos para sequências grandes de comandos.

Por exemplo, você pode criar um alias para realizar a atualização do seu sistema, na linha de comandos (CLI):


alias atualiza="sudo apt update"

atualiza

[sudo] senha para justincase: 

O arquivo de configuração .bashrc, presente no seu diretório home (no Debian), já vem com alguns alias predefinidos:

 
cat .bashrc | grep alias

# enable color support of ls and also add handy aliases
    alias ls='ls --color=auto'
    #alias dir='dir --color=auto'
    #alias vdir='vdir --color=auto'
    alias grep='grep --color=auto'
    alias fgrep='fgrep --color=auto'
    alias egrep='egrep --color=auto'
# some more ls aliases
alias ll='ls -l'
alias la='ls -A'
alias l='ls -CF'

No meu caso, a maioria está relacionada ao comando grep e ls.

Armazene os apelidos em um arquivo externo

Opcionalmente, você pode adicionar todos os seus alias a um arquivo externo, chamado .bash_aliases (ou outro nome, à sua escolha). Para isto, acrescente ao arquivo de configuração pessoal do Bash (.bashrc), as seguintes linhas:

if [ -f ~/.bash_aliases ]; then
    . ~/.bash_aliases
fi

No Debian, estas linhas já estão presentes. De forma que é possível já criar e editar o arquivo .bash_aliases.
Não é obrigatório. Apenas pode ajudar a organizar melhor seus arquivos de configuração do sistema.

Sugestões de alias para usar no seu sistema

Se há sequências de comandos muito longas e usadas, elas podem ser encurtadas em apelidos.
As sequências de atualização do sistema, por exemplo:

alias sau="sudo apt update"
alias alu="apt list --upgradable"
alias saf="sudo apt full-upgrade"

Você pode adicionar apelidos para chegar mais rápido às suas pastas de arquivos mais acessadas:

alias documentos="cd ~/Documentos"
alias scripts="cd ~/scripts/python"
alias vid="cd ~/Vídeos"
alias down="cd ~/Downloads/"
alias mus="cd ~/Músicas/"
alias wallp="cd ~/Imagens/wallpapers"

Alguns comandos úteis para o seu sistema:

alias sair="exit" # para encerrar a sessão no terminal atual
alias reset="systemctl reboot" # para reiniciar o sistema
alias desligar="systemctl poweroff" # para desligar o sistema
alias suspender="systemctl suspend" # para suspender o sistema
alias hibernar="systemctl hibernate" # para hibernar

Obtenha outras sugestões de uso do alias, neste artigo.


Saiba mais sobre as diferenças entre suspender, hibernar e hybrid-sleep.
Use sempre alias para criar apelidos curtos para sequências de comandos grandes — mas que não são tão extensos, que justifique criar um script. 😉
Você tem outras sugestões?! Então, conta pra gente, na caixa de comentários.

Como criar um registro da sua linha de comando no Linux

Você pode querer registrar todos os comandos dados durante uma sessão, no terminal.
Usualmente, para depois analisar com calma e, se for o caso, criar um script a partir deles, para automatizar a tarefa.
Pode ser útil também em aulas, quando o professor deseja aplicar um teste. O aluno apenas envia para ele o arquivo resultado.
O utilitário script inicia automaticamente a gravação (no arquivo typescript) de todas os comandos executados no seu terminal.
Quando terminar e desejar sair da gravação, use o comando exit.
Veja um exemplo:


script


Script iniciado, o arquivo é typescript
justincase@ultra-5 

echo "Toda esta linha será gravada em um arquivo chamado typescript."

ls # esta também.

exit

Script concluído, o arquivo é typescript

cat typescript

linux script save
Se preferir, é possível indicar um outro nome para o seu arquivo:


script meuarquivo.log

Como comportamento padrão, o script sobrescreve o arquivo existente.
Use a opção ‘–append’ ou ‘-a’ para adicionar código a um arquivo preexistente.


script --append backup.sh

Como criar tabelas MySQL em um script PHP

Já expliquei anteriormente, no artigo como criar tabelas no MySQL como realizar esta mesma tarefa dentro da linha de comandos do MySQL.
Neste texto, vou mostrar como obter o resultado através de um script PHP.
Abra o seu editor de textos favorito e vamos ao código:

<html>
<head>
<title>Como criar tabelas com PHP</title>
</head>
<body>
<?php
/* substitua as variáveis abaixo pelas que se adequam ao seu caso */
$dbhost = 'localhost:3036'; // endereco do servidor de banco de dados
$dbuser = 'root'; // login do banco de dados
$dbpass = 'minhasenha'; // senha
$dbname = 'nomebanco'; // nome do banco de dados a ser usado
$conecta = mysql_connect($dbhost, $dbuser, $dbpass, $dbname);
$seleciona = mysql_select_db($dbname);
$sqlcriatabela = "CREATE TABLE contatos (nome VARCHAR(50), telefone VARCHAR(25));";
$criatabela = mysql_query( $sqlcriatabela, $conecta );

// inicia a conexao ao servidor de banco de dados
if(! $conecta )
{
  die("<br />Nao foi possivel conectar: " . mysql_error());
}
echo "<br />Conexao realizada!";

// seleciona o banco de dados no qual a tabela vai ser criada
if (! $seleciona)
{
  die("<br />Nao foi possivel selecionar o banco de dados $dbname");
}
echo "<br />selecionado o banco de dados $dbname";

// finalmente, cria a tabela 
if(! $criatabela )
{
  die("<br />Nao foi possivel criar a tabela: " . mysql_error());
}
echo "<br />A tabela foi criada!";

// encerra a conexão
mysql_close($conecta);
?>
</body>
</html>

Crie uma tabela temporária no MySQL

Ao usar o parâmetro TEMPORARY, a tabela seria criada e depois eliminada, ao final da sessão, com o comando mysql_close($conecta); na linha 39. Assim, a cada vez que a página é recarregada, a tabela é recriada e removida.
Altere o código, pratique e divirta-se!