Como fazer o Vim ajustar o tema de cores automaticamente, de acordo com a hora do dia

O editor de textos Vim permite escolher entre uma dezena de esquemas de cores, ou temas, pre-instalados.
Com este pequeno código, introduzido no arquivo de configuração do Vim, você pode fazer com que ele varie automaticamente, em função da hora do dia.

Se você já tem alguma pequena experiência com conceitos básicos de programação (em qualquer linguagem) não vai ter dificuldades para alterar o script, para atender às suas necessidades.
Se quiser, pode apenas copiar e colar o código. Ele vai simplesmente funcionar, como se espera.

Script para trocar o esquema de cores no Vim

O script, que segue, é desenvolvido na linguagem de programação interna do Vim — o vimscript.
O código deve ser inserido ao final do arquivo de configurações ~/.vimrc e será executado toda vez em que o programa for iniciado.
Ao rodar o Vim, o script irá checar a hora e aplicar o esquema de cores apropriado.

Abra um terminal e edite o arquivo de configurações:


vim ~/.vimrc

Acrescente o código seguinte ao final do arquivo:

" Verificação progressiva do horário
" e ajuste do esquema de cores do Vim.
" A adição de 0 para garantir que 
" retorno da função seja numérico.

if strftime("%H") < 6 + 0
        colorscheme darkblue
        echo "selecionado tema DARKBLUE"
elseif strftime("%H") < 12 + 0
        colorscheme morning
        echo "selecionado tema MORNING"
elseif strftime("%H") < 18 + 0
        colorscheme shine
        echo "selecionado tema SHINE"
else
        colorscheme evening
        echo "selecionado tema EVENING"
endif

As linhas com o comando 'echo', infelizmente interromperão a inicialização do Vim, toda vez, para passar a mensagem entre aspas.
Inicialmente, elas são interessantes para ajudar a verificar se tudo está correndo bem e se o Vim está lendo adequadamente cada linha de código.
Depois, você pode remover, para deixar a execução do editor mais fluida e o .vimrc mais enxuto.

Finalmente, quando terminar de editar, basta sair do Vim e entrar de novo.

Como instalar o emulador de terminal com visual retrô, cool-retro-term

O aplicativo cool-retro-term é um emulador de terminal, para Linux, projetado para exibir um visual dos anos 80.
Sua aparẽncia imita um antigo monitor de raios catódicos ou CRT, muito comum até quase duas décadas atrás. E foi projetado para ser ajustado e oferecer amplas possibilidades de personalização.
linux on a crt monitor
No Brasil, a tecnologia de monitores CRT prevaleceu até meados dos anos 2000. Ou seja, muita gente ainda vai lembrar como eles eram.
Só que o cool-retro-term, vai um pouco mais longe no passado. O aplicativo, nas suas diversas configurações e perfis de ajuste, pode dar a clara e nítida sensação de estar usando um computador do início dos anos 80.
As telas em fósforo verde ou branco foram as mais comuns em toda a história da computação. As de fósforo ambar, foram moda durante algum tempo, no fim dos anos 80.
A partir dos anos 90, as telas coloridas foram se tornando mais populares — até a chegada dos LCD nos desktops.
Vamos falar mais da personalização do cool-retro-term, de seus variados perfis de monitores e um pouco de nostalgia em outro post.
Aqui, vamos nos concentrar em como instalar (é fácil!) o aplicativo.

Como instalar o cool-retro-term no Ubuntu

No Ubuntu, é possível adicionar uma PPA, para fazer download dos pacotes necessários, para a instalação do programa:

sudo add-apt-repository ppa:noobslab/apps

Alternativamente, vocẽ pode usar este outro repositório:

add-apt-repository ppa:bugs-launchpad-net-falkensweb/cool-retro-term
This PPA Contains Applications for Ubuntu/Linux Mint from different sources but debianized by http://www.NoobsLab.com
More info: https://launchpad.net/~noobslab/+archive/ubuntu/apps
Press [ENTER] to continue or ctrl-c to cancel adding it

gpg: keyring `/tmp/tmpnbvw_acl/secring.gpg' created
gpg: keyring `/tmp/tmpnbvw_acl/pubring.gpg' created
gpg: requesting key F59EAE4D from hkp server keyserver.ubuntu.com
gpg: /tmp/tmpnbvw_acl/trustdb.gpg: trustdb created
gpg: key F59EAE4D: public key "Launchpad PPA for NoobsLab" imported
gpg: no ultimately trusted keys found
gpg: Total number processed: 1
gpg:               imported: 1  (RSA: 1)
OK

Agora atualize/sincronize os repositórios e faça a instalação:

sudo apt update
sudo apt install cool-retro-term

Para rodar o aplicativo, execute o comando ‘cool-retro-term’.
7-crt-monitors
Não esqueça de conferir este post, para obter detalhes de configuração avançada do terminal retrô.
Se quiser remover, mais tarde, use a seguinte sequencia de comandos:

sudo add-apt-repository remove ppa:noobslab/apps
sudo apt purge cool-retro-term

Como baixar e compilar o código

Se vocẽ prefere, baixar o código fonte e compilar o programa, também é uma opção.
Veja o procedimento:

sudo apt install build-essential qmlscene qt5-qmake qt5-default qtdeclarative5-dev qtdeclarative5-controls-plugin qtdeclarative5-qtquick2-plugin libqt5qml-graphicaleffects qtdeclarative5-dialogs-plugin qtdeclarative5-localstorage-plugin qtdeclarative5-window-plugin
git clone --recursive https://github.com/Swordfish90/cool-retro-term.git
cd cool-retro-term
qmake && make
./cool-retro-term

Como instalar o terminal retrô no openSuse

O jeito mais fácil (me avise, se não der certo!) é o one-click install.
Você pode encontrar a versão mais adequada para você nesta página: https://software.opensuse.org/package/cool-retro-term.
Quem usa o openSuse Leap 42.2, pode usar também este link direto: https://software.opensuse.org/ymp/home:mnhauke/openSUSE_Leap_42.2/cool-retro-term.ymp?base=openSUSE%3ALeap%3A42.2&query=cool-retro-term.

Como instalar no Debian e outras distros

Para Debian, as opções são instalar via git, descrita acima ou baixar e instalar o pacote deb.
O pacote .deb adequado à sua versão, pode ser encontrado e baixado no site https://launchpad.net/~bugs-launchpad-net-falkensweb/+archive/ubuntu/cool-retro-term/+packages.
Já, no Arch Linux, no Antergos e no Manjaro, use o pacman:

sudo pacman -S cool-retro-term

Referências

http://www.noobslab.com/2016/04/cool-retro-term-is-great-mimic-of-old.html.

Como adicionar temas ao Openbox

Usar um gerenciador de janelas leve como o Openbox tem várias vantagens.
Ele é leve justamente por que vem com menos “recursos” do que outros gerenciadores de janelas.
A maioria destes recursos, contudo, pode ser adicionada, à medida em que você vai precisando deles.
O Openbox é recomendado para quem deseja dar um sopro de vida nova a um PC ou laptop antigo.
Se você tem um hardware atual e poderoso, pode usar um sistema operacional como Ubuntu ou o Kubuntu, cheio de efeitos especiais ou reservar os recursos preciosos da sua máquina para seus jogos, seus aplicativos 3D etc.

O Openbox é uma ótima opção também para quem deseja fazer um uso mais eficiente de hardware de última geração.
Com ele, os recursos de hardware são mais dedicados a seus aplicativos do que ao sistema operacional.

Ser leve não significa ser feio ou “castrado”.
O Openbox tem amplas possibilidades de configuração visual e admite instalar fácil novos temas, caso você não esteja satisfeito com os que já existem na instalação padrão.
Neste texto vou mostrar como escolher temas e como instalar novos.
Ao final, estão relacionados alguns sites que contém temas para Openbox, onde você poderá procurar os que lhe agradam.

Use o obconf para escolher os temas do Openbox

O aplicativo obconf é o indicado para configurar visualmente o Openbox.
Você pode executá-lo direto do terminal ou através do menu principal, clicando sobre ObConf.
openbox configuration tool obconf
Selecione o item Temas, à esquerda.
Na janela da direita, escolha o tema desejado.
O tema escolhido costuma ter efeito imediato, alterando as fontes, as cores dos textos, das bordas, das janelas etc.

Como adicionar novos temas ao Openbox

Os temas do Openbox vem agrupados em arquivos .obt e podem ser baixados de várias localidades na Internet (veja links ao final do texto).
Uma vez baixado o pacote .obt, ele já pode ser usado de imediato na tela de seleção de temas:

  • Na tela de configuração de temas, clique sobre Instalar um novo tema …
  • Vá para a pasta para a qual foram baixados os arquivos .obt e selecione um dos temas
  • O tema vai ser aplicado na hora e o sistema volta para a tela principal de escolhas

openbox com tema Windows 3.11

Como instalar pacotes de temas tar.gz

Este tipo de pacote não é reconhecido automaticamente pelo Openbox. Mas é fácil fazer a conversão com o uso de ferramentas disponibilizadas pelo próprio gerenciador.
Após o download do pacote .tar.gz, descompacte-o, de acordo com o exemplo:

tar xzf 83033-pixelstyle.tar

Verifique se no diretório criado há pacotes .obt — Se houver, volte para a seleção de temas do ObConf e escolha o seu pacote .obt recém baixado.
Se não houver qualquer pacote .obt dentro do diretório criado, volte a tela de seleção de temas do ObConf e toque no botão Criar um pacote de tema (.obt)….
Em seguida, selecione o diretório criado após a extração do pacote .tar.gz e está feito.

Referências

http://lx-pup.weebly.com/openbox-themes.html.
https://www.box-look.org/browse/ord/latest/.
http://browse.deviantart.com/customization/skins/linuxutil/winmanagers/openbox/?order=9.

Use o LS_COLORS para alterar as cores dos arquivos por tipos, nas listagens com ls.

Quem usa o terminal, no GNU/Linux pode se beneficiar das listagens, com o comando ls, que mostrem os arquivos colorizados por tipo. Nomes de diretórios, links (para diretórios), nomes de arquivos de imagem etc. cada qual com sua própria cor — diferenciando-os dos demais.
Por um lado, há o argumento irrefutável da estética: é elegante e agradável trabalhar em um terminal colorido.
Por outro lado, ver a diferença visual entre um nome de arquivo e um link, entre outras situações, pode prevenir remoções acidentais.
Captura de tela da listagem do diretório
Este assunto foi abordado no artigo Como alterar as cores dos nomes dos diretórios no terminal — leia-o para complementar as informações deste artigo.
Estas cores são controladas pela variável de ambiente LS_COLORS, controlada pelo comando dircolors e você pode alterar todas a seu critério.
Entre os motivos para mudar o esquema de cores do LS_COLORS, está a visibilidade quando você deixa de usar um terminal com fundo preto e muda pro fundo mais claro (branco, por exemplo).
Este artigo aborda um método de configuração que te permita ver os nomes de arquivos diferenciados por cores, em função de seu tipo.

Como configurar o seu perfil para ver listagens coloridas

Normalmente a configuração já vem pronta, em qualquer distro GNU/Linux. Se você usa o comando ls no terminal e não vê arquivos em cores diferentes, é possível que a configuração não esteja ativada.
Tente o comando ls assim:


ls --colors

Se os arquivos forem listados em cores diferentes (diretórios, são tradicionalmente em azul), tudo está pronto no seu sistema.
Para facilitar a sua vida, crie um alias (apelido) para o comando ls --colors:


alias ls="ls --color -Nx"

As opções ‘-Nx’, acima, servem apenas para reorganizar a listagem, para você ver uma quantidade maior de arquivos na tela — não tem nada a ver com este artigo, portanto. Você pode removê-las quando terminar de testar as configurações.
A solução, acima, é temporária. Quando você reiniciar sua sessão Linux, o valor do alias será perdido.
Para tornar o alias permanente, abra o arquivo ~/.bashrc e retire as “#” (marcas de comentários) do início das seguintes linhas:


alias ls='ls --color'

LS_COLORS='di=1:fi=0:ln=31:pi=5:so=5:bd=5:cd=5:or=31:mi=0:ex=35:*.rpm=90'

export LS_COLORS

Se as linhas não existirem, acrescente-as ao final do arquivo.
Explicando o código:

  • alias ls='ls --color' — como já foi dito, esta linha faz com que o comando ls adquira o significado que se encontra entre aspas.
  • LS_COLORS='di=1:fi=0:ln=31:pi=5:so=5:bd=5:cd=5:or=31:mi=0:ex=35:*.deb=90' — define a variável de ambiente LS_COLORS com os valores entre aspas (que serão explicados depois). Recomendo fazer suas alterações nesta linha.
  • export LS_COLORS — armazena na memória os valores da variável.

Ajustar o LS_COLORS faz muito mais do que apenas melhorar o visual das suas listagens ls.
O visual melhora, com toda certeza — mas ajuda principalmente a identificar fácil e rápido os arquivos no seu sistema — principalmente quando estamos procurando por algo em diretórios que não costumamos frequentar.

Como personalizar as cores dos itens do diretório

Se você não está satisfeito com as cores padrão do sistema ou deseja impressionar os seus amigos com um terminal customizado, veja quais são os itens que você pode alterar (todos).
Os itens cujas cores podem ser personalizadas (eu só uso 5 destes) seguem listados abaixo:

  • di = diretório
  • fi = file ou arquivo comum
  • ln = link simbólico
  • pi = arquivo fifo
  • so = socket file
  • bd = arquivo especial de bloco (buffered)
  • cd = arquivo especial de caracteres (unbuffered)
  • or = link simbólico apontando para um arquivo não existente (órfão)
  • mi = arquivo inexistente apontado por um link simbólico (visível quando você usa o comando ls -l
  • ex = arquivo executável (que tenha ‘x’ nas suas permissões).
  • Você ainda pode acrescentar arquivos por suas extensões: *.pdf, *.deb, *.txt etc.

Através da tentativa (e erro) é possível chegar a uma configuração satisfatória.
Veja, abaixo, as cores e os efeitos possíveis:

  • 0 = cor padrão do sistema
  • 1 = negrito
  • 4 = sublinhado
  • 5 = texto piscando
  • 7 = campo revertido
  • 31 = vermelho
  • 32 = verde
  • 33 = laranja
  • 34 = azul
  • 35 = púrpura
  • 36 = ciano
  • 37 = cinza
  • 40 = fundo preto
  • 41 = fundo vermelho
  • 42 = fundo verde
  • 43 = fundo laranja
  • 44 = fundo azul
  • 45 = fundo púrpura
  • 46 = fundo ciano
  • 47 = fundo cinza
  • 90 = cinza escuro
  • 91 = vermelho claro
  • 92 = verde claro
  • 93 = amarelo
  • 94 = azul claro
  • 95 = púrpura claro
  • 96 = turquesa
  • 100 = fundo cinza escuro
  • 101 = fundo vermelho claro
  • 102 = fundo verde claro
  • 103 = fundo amarelo
  • 104 = fundo azul claro
  • 105 = fundo púrpura claro
  • 106 = fundo turquesa

Você pode achar estranho, mas algumas destas variações eram usadas nos antigos monitores de fósforo monocromático (verde, âmbar, branco etc) ou coloridos.
Em monitores monocromáticos, a única forma de fazer diferenciação entre os tipos de arquivos é através de recursos como diferenças na tonalidade, no fundo, uso de sublinha, negrito, invertido etc.

A dica para criar um visual retrô para o seu terminal é combinar vários destes recursos com apenas uma cor.

Ao usar uma combinação como di=5;31;42 você pode obter um efeito bem interessante (olhe a tabela, acima, para ter uma idéia).
O que você acha?
Use os comentários para compartilhar o seu esquema de cores favorito. 😉

Como instalar temas no PS3

Instalar novos temas no Playstation 3 é fácil e não pŕecisa custar nada, desde que você esteja atento a alguns detalhes (que alguns diriam) chatos.
Neste post, vou mostrar, passo a passo, como gravar seus temas no pendrive e, em seguida, instalá-los no seu PS3.
poster do jogo The Last of Us
Ao final do artigo, há alguns links para sites com galerias de temas para você baixar —. Guarde esta página nos seus favoritos, para ter acesso rápido à lista sempre que quiser.
Além disto, sinta-se à vontade para sugerir, nos comentários, novos sites com temas para a sua plataforma de videogames favorita. 😉

Como preparar o pendrive e copiar os temas

flash memory iconVocê vai precisar de um computador, para fazer o download dos seus temas e de um pendrive ou um HD externo USB.
O pendrive (ou qualquer outro dispositivo) precisa estar formatado no padrão FAT32. A plataforma do Playstation 3 não vai reconhecer outros sistemas de arquivos.
O próximo passo é criar a pasta que irá receber os seus novos temas.

  • Na raíz do pendrive ou do HD externo, crie uma pasta chamada PS3.
  • Dentro da pasta PS3, crie outra pasta chamada THEME.

Fique atento para usar todas as letras maiúsculas nos nomes das pastas, ou você poderá ter problemas para conseguir que o seu videogame reconheça os locais.
Agora, você só precisa copiar os arquivos de tema para dentro da pasta PS3\THEME\.
Os arquivos de temas têm a extensão .p3t:
arquivo_de_tema.p3t

Configuração de temas no PS 3

Desmonte o seu pendrive do PC e leve-o ao Playstation. Conecte-o a qualquer uma das entradas USB.
Entradas USB no playstation 3

  • No menu do Playstation 3, selecione a opção de Configurações.
  • Em seguida, selecione Configurações de Temas.
  • No menu Tema selecione a opção Instalar (no canto superior da tela)
  • Aguarde o sistema reconhecer o seu dispositivo USB.
  • Entre no dispositivo.
  • A relação de temas já estará disponível, na tela, para ser instalada a partir do seu dispositivo USB.

Espero que você se divirta (e compartilhe, claro!) 😉

Sites com temas para PS 3

23467-Resident_Evil_Revelations_2_Dynamic_Theme
Como prometi, segue uma relação de sites com temas para Playstation 3: