gnome linux tux

Os 4 primeiros ajustes avançados a fazer no GNOME depois da instalação

O Debian e o Ubuntu são duas das distribuições GNU/Linux mais usadas, que usam o GNOME como ambiente desktop completo.
Se instalou recentemente o seu sistema com o GNOME, acompanhe a minha rápida lista de ajustes.

Para este post, vou fazer uso do GNOME Tweak Tools ou apenas “ajustes”, que já vem instalado por padrão. Embora, atualmente, eu use o Ubuntu 18.04 no notebook, no desktop estou com o Debian 10 instalado — e é baseado nesta configuração que este texto foi concebido.
gnome dash ajustes

Os botões das janelas

Como mencionei, uso Ubuntu no outro computador de trabalho e, como sabemos, lá o padrão do botão “fechar” é à esquerda da janela.

Eu concordo que este é um arranjo que tira melhor proveito do espaço e da tela.

Para facilitar a minha vida, prefiro que tanto no Debian quanto no Ubuntu, ambos fiquem no mesmo lugar. Por isso, no Debian gosto de configurar estes botões para o mesmo lado que ficam no Ubuntu.

No painel de Ajustes, selecione o item “Barra de título da janela”, à esquerda e selecione o posicionamento que achar mais conveniente para você.

Nesta mesma seção é possível acrescentar os botões Maximizar e Minimizar, se achar que são importantes.

Também dá para configurar as Ações do clique do mouse sobre a barra de título das janelas. Usualmente, deixo tudo do jeito que está e só altero o “Posicionamento” (o último item).
gnome ajustes barra de títulos

As informações da barra superior

Nesta seção costumo incrementar um pouco mais a minha interface.

Para o meu fluxo de trabalho, acho importante ter um “Menu de aplicativos” e a “Data” completa, ao lado do relógio.

No notebook, eu certamente ativaria também a exibição da “Porcentagem da bateria”.
gnome ajustes barra superior da interface gráfica

Limitando e fixando os espaços de trabalho

O padrão do GNOME, no Debian é a criação de “Espaços de trabalho dinâmicos” — ou seja, eles vão sendo criados sob demanda, à medida em que você vai necessitando deles.

Os espaços de trabalho, ou áreas de trabalho virtuais, podem ser um verdadeiro “dreno” para a sua memória. Por isso gosto de limitar ao tanto que realmente uso: 2.

Eu ligo também a última opção (veja imagem abaixo) “Espaços de trabalho se estendem por telas” — que quer dizer que o recurso não se restringirá apenas a um dos monitores (caso você use mais de um).
GNOME ajustes de espaços de trabalho

Inclusão de um menu de gestão de dispositivos removíveis

Na seção “Extensões”, eu só ativo o “Removable drive menu“, que permite montar e desmontar rapidamente pendrives, cartões de memória, HDs e SSD externos etc.

O “Places status indicator” não é uma prioridade, mas é um item que eu gosto — por que permite mais agilidade para chegar a qualquer drive ou pasta dentro do sistema — através de um menu posicionado no topo da tela, à esquerda.
painel de controle de ajustes de extensões do GNOME

Conclusão

Se você já é mais experiente, provavelmente tem suas próprias dicas de configuração — Por favor, conte mais, na sessão de comentários! 😉

No meu caso, esta é uma lista de “ajustes de urgência”, apenas para poder começar a trabalhar no computador.

No decorrer dos dias, à medida em que o vou usando e com o tempo, costumo fazer outros ajustes.

Publicado por

Elias Praciano

Autor de tecnologia (livre, de preferência), apaixonado por programação e astronomia. Fã de séries, como "Rick and Morty" e "BoJack Horseman". Me siga no Twitter e vamos trocar ideias!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.