Como instalar o Spotify fácil no Debian

Ao adicionar o repositório do aplicativo Spotify, no Debian, fica fácil instalar e manter o software sempre atualizado no seu sistema.
Recentemente, mostrei como realizar a instalação em qualquer distro com o uso do gestor de pacotes Flatpak, neste link — e pode ser uma ótima opção, para manter o seu sistema sempre atualizado.
Quem usa Ubuntu, pode fazer a instalação do Spotify via SNAP, se quiser.
Voltando ao Debian (versão 9, no caso deste post), adicione (com privilégios administrativos) a seguinte linha ao arquivo /etc/apt/sources.list:


###Spotify
deb http://repository.spotify.com stable non-free

arquivo /etc/apt/sources.list
Adicione a linha ao final do arquivo.

Quando terminar a edição do ‘sources.list’, adicione a chave GPG necessária:


apt-key adv --keyserver ha.pool.sks-keyservers.net --recv-keys 13B00F1FD2C19886

Agora sincronize sua distro com os repositórios:


apt update

Por fim, instale o cliente de conexão ao Spotify:


apt install spotify-client
Spotify, Linux, Ubuntu, Debian, Multimidia, screenshot, captura de tela
Clique para ampliar.

Instale o Spotify no Linux através do Flatpak

Se você já tem o Flatpak instalado no seu sistema, pode usar este método para rapidamente baixar e pôr para funcionar o Spotify Web Player.
Se você é usuário do Ubuntu (ou derivado dele), sugiro usar o Snap para fazer a instalação —. Dá para usar o Flatpak no Ubuntu também, mas… pra quê complicar?
Se você anda não tem o Flatpak instalado no seu sistema, leia como fazer isto aqui.
Abra um terminal e execute os seguintes comandos:

 flatpak remote-add gnome https://sdk.gnome.org/gnome.flatpakrepo

 flatpak install --from https://s3.amazonaws.com/alexlarsson/spotify-repo/spotify.flatpakref

Está feita a instalação. Quando quiser rodar o cliente Spotify, execute o seguinte comando:

 flatpak run com.spotify.Client

Uma outra forma de conduzir a instalação, é através de um click no botão abaixo.
Execute o comando abaixo e, depois, clique no ícone de instalação:

 flatpak remote-add gnome https://sdk.gnome.org/gnome.flatpakrepo

install icon
Use o método que for melhor para você.

Referências

https://asciinema.org/a/90608.
https://github.com/flatpak/flatpak/issues/96.

Como instalar fácil o Spotify no Ubuntu

Instalar o spotify no Ubuntu é muito fácil e pode ser feito com um clique, se você quiser.
A despeito de tudo o que já escrevi antes sobre como instalar o Spotify, o SNAP chegou para jogar o meu trabalho fora — ainda bem! 😉
Ubuntu logo
Sim! A partir do Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus, já é possível instalar o Spotify através do snap.
Isto vale para as distribuições derivadas dele também. Os exemplos deste artigo foram testados no KDE Neon 5.8 (derivado do Xenial).
Veja, a seguir, 2 métodos para instalar o Spotify Web Player através do snap: o primeiro envolve a instalação com um simples clique no seu navegador. No segundo, mostro como instalar através do terminal.
Fica a seu critério escolher o que achar melhor.

Instale o spotify com o comando snap

Para instalar o aplicativo, abra um terminal e execute o seguinte comando:

sudo snap install spotifywebplayer

É o suficiente para ter instalada a versão stable do aplicativo.

Como instalar o Spotify com 1 clique

Certifique-se de estar usando a versão mais atual do seu navegador.
No meu exemplo, o procedimento foi executado através do Google Chrome “Versão 56”.
Basta clicar na imagem abaixo, para fazer a instalação:
install icon
se aparecer uma janela de confirmação, selecione “Abrir xdg-open”.
chrome xdg open snap
Ao finalizar a instalação, é possível executar o player através do terminal ou pelo dash do Ubuntu — ou no menu do KDE!
Se preferir rodar o aplicativo a partir do terminal, execute o comando:

spotifywebplayer

spotify welcome screen

Como ajustar o cache do VLC Player

Ajustar o cache ou o buffer do seu player de áudio e/ou vídeo pode ajudar a resolver problemas que estejam causando lag ou “engasgue” durante a reprodução de se seus arquivos multimídia.
Todos os players de áudio/vídeo possuem ajuste de cache ou buffer.


Conceitualmente, cache e buffer são duas coisas distintas. Em comum, há o fato de que se trata de uma área de armazenamento temporária de informações — com o objetivo de agilizar ou dar mais eficiência ao fluxo de dados.
Os dois recursos divergem na metodologia de sua implementação, entre outras distinções.
Eu poderia discorrer prazeirosamente sobre o assunto, mas…


Aplicativos de linha comando (CLI), normalmente são ajustados na própria linha de comando, antes da sua execução — ou podem ser permanentemente configurados através de um arquivo-texto de configuração.
O VLC, contudo tem uma interface gráfica (Graphic User Interface ou GUI) completa e com inúmeras possibilidades de ajuste.
Para acessar a parte específica sobre caching, siga estes passos:

  1. Tecle Ctrl+P ou clique no menu “Ferramentas” e selecione “Preferências”
  2. Em seguida, localize a seção “Exibir configuração” (canto inferior esquerdo do painel) e selecione “Detalhado”
  3. Agora, localize na lista à esquerda a seção “Entrada/Codificador”
  4. Role a parte à direita do painel, até encontrar a seção “Avançado”

vlc codec preferencias
A seção “Avançado” contém as opções de ajuste do cache do VLC Player.
Seja conservador nos ajustes.

Ao usar o mpg123 player em um netbook, com recursos muito limitados de hardware, ajustar o buffer para 16 kb resolveu definitivamente o problema de engasgos ao executar arquivos de áudio MP3.

Se você usar valores excessivos na configuração do cache, pode aumentar o fast forward lag — ele vai demorar mais a recomeçar a reprodução quando você pedir para avançar o vídeo ou a música.
Se você passar o ponteiro do mouse sobre cada item de ajuste do cache, vai ver uma pequena explicação sobre o que cada um faz:

  • memória para arquivo — tamanho do caching, em milissegundos para arquivos locais. Comumente, se refere a arquivos presentes no disco rígido.
  • cache de disco — valor do cache para as mídias óticas.
  • cache de rede — valor referente a reproduções através da rede.

Conheça o CMUS, um player de áudio bonito para a linha de comando do Linux.

O Linux tem vários players de áudio, com uma grande variedade de recursos visuais.
Alguns são bastante leves e outros, um pouco mais pesados.
É justamente na relação entre funcionalidade e consumo de recursos do sistema que residem algumas das principais reclamações de usuários.
Sabemos que decodificar arquivos de áudio comprimidos, como é o caso de formatos como MP3 e OGG, é uma tarefa voraz em recursos de processamento (principalmente em hardware antigo).

O termo audio CODEC, frequentemente se refere à tarefa do processador de comprimir e descomprimir dados de áudio.
A tarefa é executada por quase todos os aplicativos de multimídia e consiste de algoritmos de computação intensiva, para processar sinais de áudio.
Processadores atuais são capazes de fazer o processamento em paralelo de sinais digitais de áudio, o que evita sobrecarregar o sistema.

Neste texto, vamos abordar um player de audio para a CLI (Command Line Interface) ou Interface de Linha de Comando — o CMUS.
Esta categoria de players pode ser usada por quem tem hardware muito limitado ou gosta de ouvir música, enquanto faz suas atividades no computador, mas prefere que seus recursos de hardware sejam usados, predominantemente, pelos seus programas de trabalho.
linux cmus player

O CMUS player

O cmus tem uma interface visualmente agradável e, depois que se aprende a usá-lo, ele é bem intuitivo.
Contudo, é bom dizer que existe uma “curva de aprendizagem” a ser percorrida, que pode ser um pouco acentuada para alguns usuários.
O cmus organiza seus arquivos de áudio, ou pelos títulos das músicas, ou pelos dos álbuns.
É possível carregar suas playlists e usar a função de busca, presente no programa.
A gente acessa o programa através de diferente formatos de layout.
Quem já é usuário do vi, o editor de textos, vai se sentir em casa — uma vez que são usados atalhos de teclados e comandos inspirados nele.
Por exemplo, é possível adicionar as músicas contidas na sua pasta ~/Música com o comando :add ~/Música — ele carregará a pasta toda de arquivos (recursivamente) e você pode percorrer os itens com as teclas ‘j’ e ‘k’ ou com as setas direcionai. Fica à sua escolha.

Os layouts do cmus

O player pode usar um entre sete layouts ou modos de exibição disponíveis.
Para fazer a seleção de modo, pressione uma das teclas entre 1 e 7.
Conheça cada um deles:

  1. Library view ou modo de visualização de biblioteca — no qual as trilhas são organizadas por árvore de artista/álbum.
    A organização por artista é feita alfabeticamente.
    Quando a organização se dá por álbum, ela é ordenada por ano.
  2. Sorted library view, exibe o mesmo conteúdo que o modo anterior, mas como lista simples, organizada de acordo com os critérios do usuário.
  3. Playlist view exibe lista de músicas editável, com ordenação opcional.
  4. Play Queue view exibe a fila de trilhas de áudio a ser tocada, na sequencia.
  5. Directory browser neste modo de visualização, as músicas podem ser adicionadas ou para a biblioteca, ou para uma playlist ou para a fila.
  6. Filters view, lista os filtros definidos pelo usuário.
  7. Settings view lista atalhos de teclado (keybindings), comandos diversos e opções do aplicativo.
    Você pode remover bindings com ‘D’ ou ‘Del’.
    Pode alterar atalhos de teclado e variáveis com a tecla ‘Enter’ e ‘Espaço’.
    Use esta tela, sempre que tiver esquecido algum comando e queira saber como fazer alguma coisa.

Comandos do cmus player

Tudo, no cmus, é implementado como comandos que podem ser fornecidos na linha de comando do próprio aplicativo, logo abaixo da barra de status.
Para acessar esta seção e começar a digitar, tecle ‘:’. Ao terminar, tecle ‘Enter”, para executar.
Os comandos também podem ser atribuídos a teclas — de forma que você mesmo pode criar suas próprias teclas de atalho.
Veja algumas teclas ou atalhos úteis, que podem ser usados na linha de comando do cmus:

  • ‘Esc’ ou a combinação ‘Ctrl C’ — cancela um comando em digitação
  • :quit ou :q — encerra o player e volta para a linha de comando do sistema
  • ‘TAB’ — tal como no Bash, pode ser usado para completar automaticamente os seus comandos e poupar digitação
  • :clear — limpa a visualização atual — o que inclui a exibição da biblioteca, a playlist e a fila de arquivos de áudio esperando para tocar

Mas para frente, vamos abordar mais alguns comandos para o cmus.

Como buscar e encontrar suas músicas, com o cmus

Use a linha de comando para fazer buscas no cmus e encontrar álbuns, artistas ou nomes de músicas.
Para iniciar uma busca, tecle ‘/’, seguido da string que você deseja pesquisar e tecle Enter.
Veja um exemplo:

/tribo de jah

Depois de dar ‘Enter’, é possível navegar pela músicas usando ‘n’ para a próxima (next) ou ‘N’ para a ocorrência anterior.
Você pode usar ‘?’ para inverter a ordem da busca.
Funciona tal como no comando man (do manual do sistema).
Nos layouts 1 a 4, as palavras da sua busca são comparadas aos nomes dos artistas (ou bandas), aos nomes dos álbuns e aos títulos das tags.
Nos modos de visualização 2 a 4, tecle //palavras-da-pesquisa ou ??palavras-da-pesquisa para pesquisar apenas artistas e álbuns – ou títulos, nos layouts 2 a 4.
Veja alguns exemplos de comandos:
Altere o plugin de saída de áudio:

:set output_plugin=oss

Para iniciar a lista de música, basta pressionar a tecla ‘x’ ou usar o comando:

:player-play

Se você estiver dentro de um dos modos library, playlist ou play queue, use este comando para limpar a lista:

:clear

Como você deve ter percebido, o player é complexo (no sentido de ter várias opções de operação e ajuste).
Você pode levar algum tempo para dominar o seu uso.
Na minha opinião, o tempo dispendido para conhecer os recursos deste aplicativo valem a pena.
Não deixe de conhecer, também o player mpg123 — também é para CLI e permite alguns recursos avançados, como equalização de áudio.