Linux tux

5 razões para atualizar o kernel do seu sistema.

Se você está usando um distro Linux, tal como o Debian, Ubuntu, Fedora etc., então estará (muito provavelmente) também usando um kernel Linux.
Este é o núcleo que faz da sua distro uma autêntica distribuição Linux.
Linux tux

Para quem está chegando do Windows, este sistema operacional também tem o seu kernel.
Mais o Linux tem uma característica modular mais forte e, portanto, o kernel pode ser tratado com uma das peças do sistema operacional — que pode, inclusive ser trocada.

Quando usuários (mais avançados) do Linux falam em “compilar o kernel”, estão falando de retirar de dentro do núcleo o que não é necessário e agregar o que é.
Esta é uma das formas de ajustar o kernel, com mais perfeição, ao hardware que se tem em mãos — como consequência, esta peça do sistema operacional poderá funcionar com muito mais eficiência, rapidez e estabilidade.
O comum, no entanto, é atualizar o kernel como um todo. Ou seja, você baixa um pacote genérico para a sua distribuição e o instala. Este site tem
alguns textos que ensinam a lidar com o kernel
.
Mais comum, ainda, é aplicar as atualizações periódicas da sua distro Linux — através das quais as atualizações de segurança, drivers e recursos são oferecidas.
Portanto, se você já mantém o seu sistema atualizado, então já está se beneficiando da maioria dos motivos de que vou falar neste post.
O texto é voltado para quem gostaria de se adiantar às atualizações programadas pela sua distribuição e deseja aplicar uma versão específica ou mais nova do kernel, mas ainda não se sente totalmente seguro(a) sobre se deve ou não fazer isto.
Espero que você saiba que este procedimento pode trazer grandes benefícios, mas também pode causar transtornos e contraria as recomendações para ter um sistema GNU/Linux estável.

Atualizações de segurança

Este motivo se refere à situação mais comum — das atualizações periódicas, programadas pela equipe de desenvolvedores da sua distro.
Tudo o que você precisa fazer, aqui, é aceitar, sempre que aparecer uma mensagem na sua tela avisando de que há atualizações disponíveis.
Se você estiver no meio de um trabalho importante e sentir que baixar as atualizações vai sobrecarregar a sua rede, procure fazer a atualização manualmente, assim que for possível.
Praticamente toda a atualização de kernel vai ter ajustes de segurança, que eliminam vulnerabilidades que foram descobertas.
Não saberia como frisar o suficiente, o quanto isto é importante.

Atualizações de drivers

O seu hardware é um conjunto de vários dispositivos de hardware — tais como, placa de rede ethernet, wifi, placa de vídeo, controladora de rádio Bluetooth etc.
Comumente, fabricantes ou a comunidade de desenvolvedores, em torno do dispositivo, libera atualizações de drivers.
Estes drivers podem vir em módulos acopláveis ao kernel, dentro do próprio kernel ou como simples arquivos de drivers (como se vê no Windows).
Quando adquiri um notebook Dell 5448, com placa gráfica híbrida Intel/AMD, não havia suporte completo a este tipo de dispositivo, entre as distribuições Linux.
Tampouco, o suporte à controladora de rede wireless Intel 7265 não era completo.
Tive que esperar um tempo para, de atualização em atualização, melhorar o suporte ao meu hardware no Linux.

A comunidade de desenvolvedores faz o possível; O Linux é um sistema operacional de código 100% aberto etc.
Estas condições são mais do que propícias para os fabricantes de hardware criarem drivers para seus dispositivos funcionarem perfeitamente no Linux.
Deixo registrada minha crítica a esta aparente falta de boa vontade em relação aos clientes que preferem usar software livre.

O fato é que, após uma atualização dos drivers, tudo pode funcionar bem melhor no seu sistema.
Como contraponto a este argumento, há o fato de que código novo pode trazer bugs novos.
Rodar um kernel que você ainda não experimentou, pode ameaçar a estabilidade do seu sistema.
Portanto, as atualizações em servidores ou desktops em produção, devem ser feitas com cuidado redobrado.
Já, para os usuários comuns, as possibilidades de ganho em desempenho e novos recursos superam as de as coisas darem errado.

Novas funções dentro do kernel

Ocasionalmente, as principais atualizações do kernel Linux, também trazem novas funcionalidades.
Entre estas, contam-se partes do kernel que os programas podem passar a usar para realizar algumas tarefas ou operações.
Claro que pode acontecer de algumas funções preexistentes terem seu funcionamento alterado ou serem simplesmente suprimidas. Isto pode deixar alguns de seus programas mais antigos sem funcionar adequadamente.
Se isto acontecer, procure por uma versão mais nova do programa ou reverta a atualização do kernel.

Um sistema mais eficiente

Por último – e não menos importante – muitas das principais atualizações do kernel têm o objetivo de melhorar a eficiência do sistema.
Algumas mudanças podem ser bastante sutis, outras podem ser um pouco mais evidentes e fazer uma grande diferença pro tipo de aplicação que você usa.
Como regra geral, atualizar o kernel traz um aproveitamento maior do seu hardware — e ter um computador mais veloz é sempre bem vindo.

Conclusão

Para concluir, vale a pena atualizar o kernel do Linux, sempre que possível — embora, tirando as atualizações da sua distribuição, não seja uma necessidade.
No meu caso, que não tenho ainda um hardware 100% suportado (por culpa da Dell, Intel e AMD), procurar o kernel stable mais atual é algo que eu encaro como uma necessidade.
Em ambientes de produção, como já disse, é preciso ser mais criterioso com esta opção.
Me conte sobre as suas próprias políticas de atualização do kernel. Qual a sua distribuição favorita? Você acredita que as atualizações feitas nela são o suficiente para as suas necessidades ou você prefere buscar sempre versões mais novas do seu kernel?

Publicado por

Elias Praciano

Autor de tecnologia (livre, de preferência), desenvolvedor web e geek, nos mais diversos assuntos. Entusiasta de software livre e hacker de LEGO, acredito em repassar meu conhecimento e ajudar as pessoas sempre que for possível.

Um comentário sobre “5 razões para atualizar o kernel do seu sistema.”

  1. Eu, salvo quando em testes utilizo o Kernel padrão. Tanto o Ubuntu como o Mint tem atualizações constantes e quando necessário o usuário é informado da atualização do Kernel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *