Marcos Lemos tem razão. Programas de afiliados exploram os blogueiros.

Em um post de 2012, que ainda reverbera fortemente e tem gerado críticas e apoios entusiasmados, Marcos Lemos questiona os programas de afiliados e sua forma de remunerar os blogueiros e donos de sites.
A pedido do Lemos, o Paulo Faustino deu sua opinião (contrária) sobre o assunto e isto acabou por gerar outros artigos na Internet, inclusive este, sobre o assunto.
Ao final deste texto, listo os links para os posts do Lemos e do Faustino.
O que me levou a escrever sobre o assunto, após a leitura (não somente) dos dois artigos citados e dos comentários (centenas) feitos pelos leitores, foi o fato de que Faustino não responde a contento a questão central apontada por Marcos Lemos.
imagem de 200 dólares.
Infelizmente, poucos comentários conseguem demonstrar terem compreendido este ponto.
Há 3 práticas básicas de remuneração:

  • CPM – alguém visita o seu site e visualiza a propaganda, a marca do anunciante, sua mensagem etc.
  • CPC – somente quando o leitor, clica na propaganda e vai saber o que o anunciante tem para oferecer em seu site.
  • CPA – neste caso, o leitor tem que visualizar, clicar e fazer uma compra, para que o dono do site possa, enfim, ser remunerado.
    • O CPM é a única forma de anúncio em outras mídias

      Na televisão, nos filmes, nas séries, nos jogos de futebol, nos videogames, nos outdoors da sua cidade etc. — os anunciantes pagam apenas para ter suas mensagens exibidas, visualizadas, pelas pessoas.
      Isto significa que as empresas anunciantes consideram terem recebido o serviço pelo qual pagaram às agências: exibir sua marca.
      Ninguém precisa comprar absolutamente nada do anunciante, pro dono do canal da TV receber alguma coisa. O dono da agência de publicidade também recebe o que lhe é devido, independente de qualquer ação do espectador.
      O ganho deles, aliás, é independente, até mesmo, da existência de espectadores. Paga-se pela mera “expectativa de haver espectadores”.
      Se você for ao banheiro, durante o intervalo do seu filme, os veiculadores dos anúncios ganham do mesmo jeito — ainda que você sequer tenha tomado conhecimento do que expuseram.

      Lemos mostra o quanto o CPA e o CPC são injustos

      O autor enfatiza que, ao exibir a mensagem do anunciante, já está prestando o mesmo serviço que o dono da emissora de TV/rádio e o dono do terreno em que se encontra “encaixado” o outdoor.
      Ainda que o espectador não compre agora, ele entrou em contato visual com a marca ou o produto.
      O dono da empresa anunciante e as agências de publicidade, bem como, os donos dos programas de afiliados sempre ganham com a exposição — só o blogueiro é que não.
      Este é o ponto que Faustino, na minha interpretação, não responde de forma convincente.

      Cabe ao blogueiro vender os produtos dos outros?

      Fui levado a crer, ao ler a resposta de Paulo Faustino, que sim.
      Com todo respeito, discordo veementemente — e por vários motivos.
      Cada blogueiro tem sua especialidade — o assunto que ele ou ela domina. E é para falar de suas especialidades que as pessoas criam blogs.
      Obviamente, não basta ter expertise em relação a um tema — é fundamental saber repassar o conhecimento de forma que outros o entendam e estar sempre se atualizando.
      Manter um blog com conteúdo de qualidade e que tenha valor para seus leitores, custa tempo e dinheiro.

      Se os programas de afiliados são parceiros, deveriam agir como tal

      Se o seu trabalho é pesquisar e estudar para entregar conteúdo de qualidade para os seus leitores, você não deveria gastar seu tempo promovendo os produtos dos outros — sobre os quais, muitas vezes, você não tem qualquer conhecimento.
      Anunciar e vender é trabalho para equipes de marketing e vendas, pagas pelos anunciantes e seus veiculadores.
      A ideia de reservar um espaço para anúncios no seu site é dar a eles o espaço que precisam para que deem o seu melhor.
      Em resumo, um parceiro de negócios não monta nas tuas costas — ele se dedica a fazer a parte dele, para que você possa fazer o que sabe fazer melhor do que ninguém.
      Portanto, é injusto você não ser remunerado pelo espaço ocupado na sua propriedade.
      É injusto (para não usar um termo mais forte), querer que você escreva artigos “promovendo” seus produtos ou querer que você “se mate” pra fazer com que seus leitores cliquem e comprem nos sites dos outros.
      No mínimo, esta relação é profundamente contraproducente para qualquer blogueiro sério.
      Quando um leitor não clica e não compra a partir dos anúncios expostos em seu site, a culpa não é sua — e, provavelmente, não é de ninguém.
      Estes são os termos pelos quais concordo com o Marcos Lemos — o uso dos recursos, do espaço, da sua propriedade, do tempo dos seus leitores, do seu tempo etc. para fins comerciais precisam, sim, lhe dar um retorno financeiro satisfatório.
      Um programa de afiliados que não respeite estes preceitos, provavelmente, estará desrespeitando a sua inteligência.

      Referências:

Publicado por

Elias Praciano

Autor de tecnologia (livre, de preferência), apaixonado por programação e astronomia. Fã de séries, como "Rick and Morty" e "BoJack Horseman". Me siga no Twitter e vamos trocar ideias!

2 comentários sobre “Marcos Lemos tem razão. Programas de afiliados exploram os blogueiros.”

  1. Muito obrigado pela referência.
    Este é um debate muito importante para nós blogueiros que levamos a sério nossos trabalhos. Ainda temos muito o que aprender e aprofundar.

    1. Obrigado pela sua presença, Marcos.
      Li os dois posts (o seu e o do Faustino) e mais um terço dos comentários de cada um (acho que chegam a 300).
      Fiquei impressionado como as pessoas ainda estão defendendo este modelo dos programas de afiliados que suga o trabalho e o esforço dos outros de foram irracional.
      Aí eu me lembrei das tais “pirâmides” dos programas de marketing multinível (telexfree etc) — quem está dentro defende de forma apaixonada e irracional. Um dia, contudo, costumam cair na real…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *