Como iniciar automaticamente programas e scripts no Openbox

O Openbox é um gerenciador de janelas extremamente configurável, poderoso e leve.
Pode ser instalado e usado em qualquer distro GNU/Linux e costuma ser recomendado para configurações de hardware mais limitadas ou para quem deseja gastar o mínimo de recursos com sistema operacional e liberar o máximo do poder de processamento para seus aplicativos.
openbox logo
O gestor de janelas Openbox está na categora stacking window mangager, ou seja, organiza as janelas (tal como a maioria, que você provavelmente já conhece) umas sobre as outras, à medida em que vão sendo abertas.
O Openbox pode ser usado dentro de ambientes de trabalho mais sofisticados, como o KDE, GNOME ou XFCE. Mas, para quem está mais preocupado com a economia de recursos, o usual é ter o ambiente do LXDE ao redor do Openbox.
Neste texto, uso o Lubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus, com LXDE e Openbox.
Pode haver pequenas variações na instalação do Openbox e no local em que se encontram seus arquivos de configuração, em função das diferentes distribuições Linux.
Mesmo assim, não é difícil se encontrar e fazer algumas pequenas adaptações.
lubuntu logo

Onde encontrar o arquivos de configuração do Openbox

O Openbox guarda os arquivos de configurações gerais (que valem para todos os usuários do sistema) dentro do diretório:
/etc/xdg/openbox/
Os arquivos de configuração que você deve editar estão dentro do seu /home, contudo.
No meu caso:
/home/justincase/.config/openbox/
O arquivo a configurar é o ‘autostart’, que não está presente no meu diretório pessoal de configurações. Portanto, vou copiar o do sistema para dentro da minha pasta de configurações pessoais:

cp /etc/xdg/openbox/autostart ~/.config/openbox/
### para verificar o conteúdo do arquivo
### recém criado:
cat ~/.config/openbox/autostart

Tudo o que precisa ser feito, agora é abrir o ‘autostart’ e incluir, no final do arquivo, os nomes dos programas ou comandos que você deseja executar a cada inicialização do Openbox.
No meu caso, acrescentei uma linha de comando com o xrandr, para ajustar o segundo monitor do meu sistema.
Veja, abaixo, como ficou o meu autostart:

cat .config/openbox/autostart 
#
# These things are run when an Openbox X Session is started.
# You may place a similar script in $HOME/.config/openbox/autostart
# to run user-specific things.
#

# If you want to use GNOME config tools...
#
#if test -x /usr/lib/i386-linux-gnu/gnome-settings-daemon >/dev/null; then
#  /usr/lib/i386-linux-gnu/gnome-settings-daemon &
#elif which gnome-settings-daemon >/dev/null 2>&1; then
#  gnome-settings-daemon &
#fi

# If you want to use XFCE config tools...
#
#xfce-mcs-manager &

# Configura o 2o. monitor
xrandr --output LVDS1 --under VGA1

Se quiser saber como configurar o papel de parede no autostart e como montar um script que escolhe suas imagens de fundo aleatoriamente, leia este artigo.

Como lidar com placas gráficas híbridas usando o PRIME

O processamento gráfico híbrido consiste em uma solução envolvendo 2 GPUs gráficas — cada qual dedicada a uma determinada tarefa.
O suporte a este tipo de solução ainda é experimental no Linux, mas está avançando a cada dia.
Se você tem um notebook com uma configuração deste tipo, sugere-se que você instale a versão mais atual do kernel ou use a versão mais atual da sua distribuição GNU/Linux favorita.

O PRIME GPU offloading e o Reverse PRIME são um conjunto de tentativas para dar suporte muxless a sistemas de processamento gráfico híbrido dentro do kernel Linux.
Se você tiver instalados o DRI2 e um kernel atual, provavelmente poderá usar o recurso.

Em notebooks, configurações híbridas de processamento gráfico tem várias utilidades. Uma delas é prover poder de processamento avançado em 3D quando o equipamento estiver ligado na tomada — uma vez que, nestas atividades, o consumo de energia é maior.
Quando você estiver em deslocamento e sem a possibilidade de usar o laptop conectado à rede elétrica, este se limita a fazer uso da GPU interna/integrada, com menos poder de processamento e, portanto, bem mais econômica.

A idéia é semelhante a dos carros híbridos movidos a combustíveis derivados de petróleo/energia elétrica.

Outro cenário é o uso predominante da GPU integrada que, além de mais econômica, esquenta menos. O calor interno é uma das maiores preocupações dos projetistas do seu notebook.
Quando a carga de trabalho aumenta, a segunda GPU é mais eficiente na execução das tarefas e no consumo.
A AMD, bem como a NVIDIA, oferece placas gráficas híbridas em conjunto com a Intel.
Uma dos efeitos indesejados de uma má configuração é as 2 placas ficarem ligadas simultaneamente, causando o sobreaquecimento e ruído excessivo, causado pela ventoinha (fan).
Como consequência do sobreaquecimento, o BIOS reduz o clock do processador, velocidade do disco rígido etc. para proteger o computador.
laptop dell inspiron 14 5000 special edition amd radeon and intel core i7 badge
Este post irá abordar a configuração de um hardware de processamento gráfico híbrido AMD/Intel em um notebook com a distro GNU/Linux Debian 9 “Stretch”, com kernel 4.5, com o GNOME (sem o Wayland).
Os procedimentos podem ser aplicados, com as devidas adequações, a outras placas de vídeo e a outras distros Linux — sem problemas! 😉
Clique nos links para obter informações mais detalhadas sobre o assunto em questão e dê uma olhada no final do arquivo para encontrar as referências deste texto.
Se você quiser compartilhar com os outros leitores, os detalhes de como está lidando com sua configuração híbrida, use a sessão de comentários.
O hardware examinado consiste em uma configuração de processamento gráfico híbrido, composta por uma placa Intel Broadwell U, com 256 MiB RAM e uma AMD/ATI Radeon R7 M260/265 com 2 GiB, que fazem parte de uma das edições do laptop Dell Inspiron 14 5000.

A GPU ou placa gráfica secundária é comumente chamada, também, de add-on card, discrete card, GPU secundária etc. Apesar do que estas nomenclaturas possam dar a entender, ela é, na maioria das vezes, a GPU mais poderosa.

Pôr este hardware para funcionar, sem usar software proprietário, vai ser algo muito difícil.
Mas vamos começar trabalhando com o que a gente tem — uma instalação padrão do Debian 9 “non-free”, que já vem com alguns firmwares e aplicativos proprietários mínimos para rodar o principal destas GPUs.
Para medir o desempenho do sistema, vamos fazer uso do glmark2 e do Unigine — este segundo é uma ferramenta de benchmarking que ajuda a levar a sua GPU ao stress extremo.

Como obter informações e diagnosticar suas placas gráficas

Com a ferramenta lshw, somado ao comando grep, é possível inquirir o seu sistema para obter dados dos seus componentes.
Veja alguns exemplos de funcionamento:

sudo lshw -short | grep display
/0/100/2                  display        Broadwell-U Integrated Graphics
/0/100/1c.4/0             display        Topaz XT [Radeon R7 M260/M265]

Pra ficar bem claro, a primeira (Intel Broadwell), é a placa integrada à placa-mãe. A segunda (Radeon), é a placa secundária, com recursos de renderização avançados 3D.
Tecnicamente, a segunda GPU é chamada discrete GPU.
Use a opção ‘-class’ para obter informações mais detalhadas, com o lshw

sudo lshw -class display
  *-display               
       description: VGA compatible controller
       product: Broadwell-U Integrated Graphics
       vendor: Intel Corporation
       physical id: 2
       bus info: pci@0000:00:02.0
       version: 09
       width: 64 bits
       clock: 33MHz
       capabilities: msi pm vga_controller bus_master cap_list rom
       configuration: driver=i915 latency=0
       resources: irq:50 memory:c1000000-c1ffffff memory:d0000000-dfffffff ioport:5000(size=64)
  *-display UNCLAIMED
       description: Display controller
       product: Topaz XT [Radeon R7 M260/M265]
       vendor: Advanced Micro Devices, Inc. [AMD/ATI]
       physical id: 0
       bus info: pci@0000:04:00.0
       version: 00
       width: 64 bits
       clock: 33MHz
       capabilities: pm pciexpress msi cap_list
       configuration: latency=0
       resources: memory:b0000000-bfffffff memory:c0000000-c01fffff ioport:3000(size=256) memory:c2000000-c203ffff memory:c2040000-c205ffff

Acima, o termo UNCLAIMED pode significar que o kernel não reconhece os drivers instalados da placa, que os módulos não estão carregados ou, simplesmente, que ela não está em uso.
O comando lspci pode dar uma pista sobre se os módulos relativos ao dispositivo estão carregados ou não:

sudo lspci -knn | grep -A 2 -i "display\|vga"

… e parece que sim.

00:02.0 VGA compatible controller [0300]: Intel Corporation Broadwell-U Integrated Graphics [8086:1616] (rev 09)
	Subsystem: Dell Broadwell-U Integrated Graphics [1028:0643]
	Kernel driver in use: i915
	Kernel modules: i915
--
04:00.0 Display controller [0380]: Advanced Micro Devices, Inc. [AMD/ATI] Topaz XT [Radeon R7 M260/M265] [1002:6900]
	Subsystem: Dell Topaz XT [Radeon R7 M260/M265] [1028:0643]
	Kernel modules: amdgpu

Note que a linha kernel driver in use está presente para a placa gráfica integrada Intel, mas não para a segunda placa.
O comando xrandr, tão útil para configurar o monitor, pode ser usado para listar os dispositivos provedores de gráficos:

xrandr --listproviders 
Providers: number : 1
Provider 0: id: 0x48 cap: 0xb, Source Output, Sink Output, Sink Offload crtcs: 4 outputs: 5
 associated providers: 0 name:Intel

Como você pode ver, o xrandr não consegue estabelecer contato com a segunda provedora gráfica, ou graphic provider. Ele só enxerga a primeira.
Neste caso, é necessário carregar o módulo de kernel ‘amdgpu’:

sudo modprobe amdgpu

Se o módulo amdgpu não estiver instalado, veja, a seguir, como fazer isso.

Como encontrar software de drivers, bibliotecas e módulos nos repositórios Debian para a minha GPU

Você pode usar o ‘apt search’ para fazer uma busca por itens instaláveis, nos repositórios para a sua placa.

apt search amdgpu

Você pode obter informações detalhadas sobre qualquer item, usando o comando ‘apt show’:

apt show firmware-amd-graphics

A linha de comando acima irá mostrar uma relação (bem extensa) de chipsets suportados pelos firmwares contidos no pacote.
Para instalar o pacote, use o apt:

sudo apt install firmware-amd-graphics

Reinicie o sistema, após a instalação para poder ver a segunda placa:

xrandr --listproviders
Providers: number : 2
Provider 0: id: 0x78 cap: 0xb, Source Output, Sink Output, Sink Offload crtcs: 4 outputs: 5 associated providers: 0 name:Intel
Provider 1: id: 0x4f cap: 0xf, Source Output, Sink Output, Source Offload, Sink Offload crtcs: 0 outputs: 0 associated providers: 0 name:TOPAZ @ pci:0000:04:00.0

Como direcionar a execução de programas para a placa gráfica secundária

Para continuar, é necessário mais um curto procedimento, com o uso do xrandr.
No resultado, logo acima, cada Provider tem um código id em hexadecimal (0x78 e 0x4f).
Esta informação é que será usada no comando abaixo:

xrandr --setprovideroffloadsink 0x4f 0x78

Agora é possível usar o glxinfo para obter informações sobre o segundo provedor gráfico:

DRI_PRIME=1 glxinfo | grep -i "opengl renderer"
_
OpenGL renderer string: Gallium 0.4 on AMD ICELAND (DRM 3.1.0, LLVM 3.8.0)

Se apareceu a palavra “AMD”, no meu caso, então o procedimento correu como esperado.
Daqui para frente, e possível direcionar a execução do glmark2 e de qualquer outro aplicativo para a discrete GPU, agregando o comando “DRI_PRIME”:

DRI_PRIME=1 glmark2
_

ou para a GPU integrada …

DRI_PRIME=0 glmark2
_

Avalie os scores.
Após o “DRI_PRIME”, é possível executar qualquer outro programa que necessita do processamento 3D, inclusive o steam:

DRI_PRIME=1 steam
_

Conclusão

Esta abordagem, por um lado, ajuda a obter controle sobre a GPU discrete.
Mas o resultado para mim não foi bom e traz o inconveniente de ter que repetir o processo ‘xrandr –setprovideroffloadsink’, a cada vez que eu reiniciar a máquina.
Se o resultado for bom para você, então é melhor colocar este comando na inicialização — isto resolve o inconveniente.
Você ainda pode elaborar scripts curtos que executem o “DRI_PRIME=1” junto ao comando de execução de seus aplicativos (jogos) que fazem uso de renderização 3D.
Se você não conseguiu resolver o seu problema, espero que este texto tenha te dado algumas ferramentas para entender melhor o seu hardware, para prosseguir pesquisando.

Referẽncias

https://wiki.debian.org/AtiHowTo#Supported_Devices

Como configurar 2 ou mais monitores no LXDE

O LXDE é o ambiente gráfico padrão de sistemas operacionais, como o Lubuntu.
Se, por um lado, ele vem acompanhado de menos recursos e “perfumarias” visuais, por outro lado, é mais leve e rápido.
Em máquinas mais modestas, com 2 GB ou menos de memória RAM, o LXDE pode ser o ambiente gráfico ideal.
Se você trabalha com um segundo monitor acoplado ou, eventualmente, conecta um projetor ou um datashow ao seu laptop, este artigo vai ajudar você a configurar este conjunto de equipamentos.

Use a configuração gráfica do LXDE para ajustar os 2 monitores

lxde monitor video conf
Ao ligar o laptop com os 2 monitores previamente conectados, quando o ambiente gráfico tiver subido, ambos já terão sido, provavelmente, reconhecidos.
O que pode incomodar é que a configuração padrão pode não ser a adequada para você.
A configuração padrão, com os 2 monitores espelhados, usualmente é a ideal para usar com um datashow ou um projetor.
Caso não saiba, o efeito “espelhado” se refere a ter a mesma imagem exibida no monitor LCD nativo do notebook e nos outros dispositivos conectados à placa gráfica.
Se você quiser que um monitor trabalhe como continuação do outro, vai precisar fazer um pequeno ajuste.
Comece por abrir o painel de configurações ou Preferências referente ao vídeo ou monitor.
Se quiser, é possível executar direto o aplicativo de configuração lxrandr. Tecle ‘Alt+F2’, digite lxrandr e tecle Enter.
Veja a figura:
LXDE - lxrandr - configuração do monitor
Se o segundo dispositivo de imagem estiver sendo reconhecido, o painel apresentará algumas opções de uso.
LXDE - configuração básica do monitor
Use o botão Aplicar, para experimentar as opções antes de Salvar.

O painel avançado de configurações de monitores

No painel avançado, ficam os ajustes finos referentes ao conjunto de equipamentos.
É possível definir a posição de cada dispositivo de exibição, em relação ao monitor nativo.
Você pode também configurar a resolução e a refresh rate de cada um dos monitores.
LXDE - configurações avançadas do monitor
Tal como no painel de configurações básicas, neste é possível Aplicar as configurações temporariamente, antes de Salvar permanentemente.

Como fazer os ajustes no terminal

O programa lxrandr, de que falei até agora, é um frontend ou uma interface gráfica para outro programa: o xrandr.
O xrandr vai funcionar melhor direto no terminal.
Abra um terminal com ‘Ctrl + Alt + T’ e experimente algumas linhas de comando.
Se for usado com a opção ‘–dryrun’, o xrandr não irá aplicar as alterações pedidas. Mas irá mostrar uma descrição do que o comando irá fazer, além de avisar sobre possíveis erros:

xrandr --dryrun --output LVDS1 --primary --output VGA1 --right-of LVDS1 

O comando acima pede para que o monitor LCD do notebook (LVDS1) seja o ‘primário’; que o monitor externo (VGA1) fique à direita do LVDS1.
O resultado, abaixo, mostra a nova disposição dos monitores:

crtc 0: disable
screen 0: 2048x768 540x202 mm  96.25dpi
crtc 0:     1024x600  58.59 +0+0 "LVDS1"
crtc 1:     1024x768  75.08 +1024+0 "VGA1"

Você adequar esta fórmula para a maioria das configurações desejada.
Use:

  1. --right-of— para posicionar o monitor VGA1 à direita
  2. --left-of— para posicionar o monitor VGA1 à esquerda
  3. --above— para posicionar o monitor VGA1 acima
  4. --below— para posicionar o monitor VGA1 abaixo

O comando xrandr dispõe do recurso de autocompletar, ou seja, você pode usar a tecla ‘TAB’ para obter dicas de uso, enquanto escreve.
Leia outros posts que abordam o uso do comando xrandr aqui.

i3 window manager com múltiplos monitores

O gerenciador de janelas i3 foi concebido para ambientes com múltiplos monitores.
Para quem tem apenas uma tela, tudo é mais simples — mesmos para os usuários mais avançados, que sabem como usar as várias áreas de trabalho virtuais (virtual workspaces) no Linux.
Para quem tem 2 ou mais monitores conectados a uma estação e já configurados, o i3 cria uma área de trabalho para cada um.

linux configuração de múltiplos monitores
Clique para ampliar.

O primeiro monitor da sua configuração fica na área de trabalho 1, o segundo fica na 2 e assim por diante.
Quando você muda para outra área de trabalho, o i3 muda pro monitor correspondente — assim, você não precisa usar teclas de atalho duas vezes.
Desta forma, não é preciso lembrar onde você colocou uma determinada área de trabalho.
ajuste do brilho da tela no LinuxNovas áreas de trabalho serão abertas no monitor atual (o que detém o foco) — não sendo possível ter um monitor sem uma área de trabalho.
A ideia de tornar as áreas de trabalho globais é baseada na observação de que muitos usuários têm um set muito limitado de áreas de trabalho em seus monitores adicionais — comumente subutilizados em tarefas específicas (shell (console), navegador etc) ou no monitoramento de diversas outra atividades (correio, IRC, syslog etc).
Assim sendo, ter uma área de trabalho em um monitor e o restante distribuído em outros monitores, faz sentido.
Contudo, uma vez que você pode criar um número ilimitado de áreas de trabalho no i3, cada qual, correspondendo a telas específicas, você pode ter a abordagem tradicional , com várias áreas de trabalho por tela (com algumas mudanças na sua configuração).

Como configurar seus monitores

Este assunto se torna mais facilmente compreensível quando partimos para a prática.
Vamos ver como configurar cada um dos seus monitores, usando o comando xrandr.
Se você tiver interesse em entender melhor o funcionamento do xrandr, leia este artigo.
Ao executar o xrandr, em um terminal, ele vai mostrar a configuração atual da sua tela. Veja um exemplo:

xrandr
Screen 0: minimum 320 x 200, current 2048 x 768, maximum 4096 x 4096
LVDS1 connected 1024x600+0+0 (normal left inverted right x axis y axis) 0mm x 0mm
   1024x600      58.59*+
   800x600       60.32    56.25  
   640x480       59.94  

Se você tiver outros monitores conectados ao sistema, eles serão listados, junto com suas respectivas configurações.
Se um deles tiver listado como disconnected, verifique se os cabos de conexão estão ok.
A primeira linha Screen 0 mostra as resoluções possíveis — a mais baixa (320 x 200), a atual (2048 x 768) e a máxima (4096 x 4096).
A resolução se refere a todos os monitores conectados e somados. Usualmente, é possível obter resoluções maiores do que esta, alterando o arquivo /etc/X11/xorg.conf
Se você conectar um outro monitor ao sistema, pode configurá-lo com o xrandr, assim:

xrandr --output VGA1 --auto --left-of LVDS1

O que se fez, na linha de comando acima, foi indicar um segundo monitor (VGA1), com configurações auto detectadas, à esquerda (left-of) do atual (LVDS1).
Veja as informações atualizadas do xrandr:

xrandr
Screen 0: minimum 320 x 200, current 2048 x 768, maximum 4096 x 4096
LVDS1 connected 1024x600+1024+0 (normal left inverted right x axis y axis) 0mm x 0mm
   1024x600      58.59*+
   800x600       60.32    56.25  
   640x480       59.94  
VGA1 connected 1024x768+0+0 (normal left inverted right x axis y axis) 304mm x 228mm
   1024x768      60.00*+  75.08    75.03    70.07  
   800x600       72.19    75.00    60.32    56.25  
   640x480       75.00    72.81    60.00    59.94  
   720x400       70.08 

LEIA MAIS

  • Mais monitores — Saiba como instalar e configurar monitores adicionais no Linux, usando o xrandr.
  • Teclas de atalho — Saiba mais sobre teclas de atalho nos diversos ambientes desktop do Linux.
  • i3 window manager — Leia mais sobre o gerenciador de janelas i3.

Como acrescentar e configurar vários monitores no Linux

As atuais distribuições Linux, voltadas para o desktop, já vem prontas para funcionar com vários monitores — qualquer que seja a quantidade e mesmo sendo monitores de marcas, modelos e resoluções diferentes.
Você pode acrescentar os monitores no painel de monitores.

LEIA MAIS

Monitores no Ubuntu — Ferramenta gráfica para configurar 2 ou mais monitores no Ubuntu, sem complicação.

Se você tentou conectar e configurar mais de um monitor, pelas ferramentas gráficas e não conseguiu, vou mostrar como fazer o trabalho através de outro método.
Você pode usar o xrandr para obter informações sobre os monitores conectados e configurá-los para funcionar do jeito que você quiser. Eu vou mostrar como isto é simples.
Abra um terminal! 😉

Instale o xrandr

O xrandr é um pequeno utilitário que já costuma vir instalado em algumas distribuições.
Se não vier na sua, instale-o (no Ubuntu):


sudo apt-get install xrandr

ou (no Fedora):


sudo dnf install xrandr

Como obter informações sobre os seus monitores com o xrandr

Antes de qualquer coisa, você pode usar o xrandr para obter informações sobre os seus dispositivos de vídeo conectados:


xrandr

No meu sistema, obtive a seguinte saída:

LVDS1 connected 1024x600+1024+0 (normal left inverted right x axis y axis) 0mm x 0mm
   1024x600       58.6*+
   800x600        60.3     56.2  
   640x480        59.9  
VGA1 connected primary 1024x768+0+0 (normal left inverted right x axis y axis) 304mm x 228mm
   1024x768       60.0*+   75.1     75.0     70.1  
   800x600        72.2     75.0     60.3     56.2  
   640x480        75.0     72.8     60.0     59.9  
   720x400        70.1

As duas linhas, destacadas da saída do comando, contém informações importantes, que serão usadas na configuração via xrandr. Vou listar e destacá-las abaixo:

  • Nomes dos monitores (output): LVDS1 e VGA1
  • Suas resoluções atuais (mode): 1024×600+1024+0 (LVDS1) e 1024×768+0+0 (VGA1)
  • Posição das imagens (pos): 1024×600+1024+0 e 1024×768+0+0

Como usar o xrandr para configurar 2 monitores

Mesmo que a ferramenta de configuração gráfica dos monitores não funcione, ela ainda é útil para dar informações dos dispositivos pra você usar com o xrandr.
O xrandr pode ser usado para configurar apenas um monitor. Neste exemplo, vou mostrar como configurar 2 monitores conectados ao seu sistema:


xrandr --output LVDS1 --mode 1024x600 --pos 1024x0 --rotate normal --output VGA1 --mode 1024x768 --pos 0x0 --rotate normal

Vamos entender melhor o comando acima:

  • Note que os parâmetros são repetidos, uma vez que estou configurando 2 monitores aqui
  • –output — no primeiro parâmetro eu informo a identificação do primeiro monitor LVDS1; no segundo eu informo a identificação de VGA1.
  • –pos — indica a posição em que a imagem do monitor deve começar a ser exibida.
    Aqui, estou usando os números fornecidos pelo próprio xrandr (acima):

    • LVDS1 connected 1024x600+1024+0 e
      VGA1 connected primary 1024x768+0+0

    Percebeu que usei na minha configuração os números destacados anteriormente? Rode o xrandr e para ver quais números são mais adequados pra você

  • –rotate — este parâmetro controla a orientação do monitor. Alguns monitores permite que o usuário o girem físicamente para exibir a imágina no formato A4. Isto pode ser uma solução para quem deseja escrever textos baseados em pesquisas exibidas em outra tela. As opções, aqui, são
    • normal, esta é a que eu vou usar, em ambos os monitores, ou seja, sem alteração alguma
    • left, para girar a tela no sentido anti-horário
    • right, para girar no sentido horário
    • inverted, para inverter, causando um efeito espelho

Simplificando o xrandr

O xrandr pode automatizar todo o trabalho para você. Com a opção --auto, ele detecta as melhores configurações possíveis para um determinado dispositivo. Veja como podemos aplicar isto ao exemplo anterior:


xrandr --output VGA1 --auto --left-of LVDS1 --auto

A opção --left-of, neste caso, tem o significado literal de "à esquerda de" — ou seja VGA1 ficará à esquerda de LVDS1.

Gerar um script executável

Este código pode ficar dentro de um script:

#!/bin/sh
xrandr --output VGA1 --auto --left-of LVDS1 --auto

Eu pus este código dentro de um arquivo chamado myscreen.sh. Em seguida, o tornei executável:


chmod u+x myscreen.sh

Assim, toda vez que eu quiser executar esta configuração, eu digito:


./myscreen.sh

Ponha o script na inicialização

No Ubuntu 14.04, encontre "Aplicativos de sessão" no dash e abra a janela de configuração, onde você pode fornecer as informações de inicialização automática do seu script. Veja a figura:

Ubuntu - configurar aplicativos de sessão
Clique para ver detalhes.

Conclusão

Há muita coisa interessante a se fazer com o xrandr. Uma vez entendido o seu funcionamento, configurar 1 ou 100 monitores, no Linux, é muito fácil.
Você pode obter mais informações, lendo o manual do comando: man xrandr.
Espero ter sido útil com este pequeno tutorial. Se este foi o caso, a melhor forma de agradecer é compartilhar e difundir o conhecimento com outras pessoas.
Divirta-se! 😉