Baixe e instale o novo Firefox Nightly no Linux.

Sempre que a Mozilla disponibiliza uma nova versão do Firefox, a tendência é que a sua distro Linux, seja qual for, a incorpore automaticamente na sua próxima atualização.
Para verificar a versão atual do seu Firefox, clique em Ajuda/Sobre o Firefox ou Help/About Firefox:
about firefox nightly
Se você estiver sempre atualizando o seu sistema e não tiver pressa, em alguns dias, a nova versão do navegador já estará sendo automaticamente instalada em seu sistema pela atualização normal — mais um motivo para manter tudo atualizado.
Neste post, vamos falar da versão nightly ou noturna do navegador Firefox.
Ela tem este nome por que é resultado de todo o trabalho feito durante o dia, pelos desenvolvedores.
Teoricamente, no fim de cada expediente, o sistema é empacotado e disponibilizado para quem quiser testar.

O que é o Firefox Nightly?

Este artigo é para quem “gosta de viver no limite” — seja no Linux, no Android ou qualquer outra plataforma.
Conheça as diferenças entre as versões do Firefox: Stable, Aurora e Nightly
A versão Nightly de um software costuma ser a sua última versão disponível, ou seja, a mais atual.
Costuma incorporar os últimos avanços implementados pelos desenvolvedores. Estes recursos, poderão (ou não) estar presentes na próxima versão estável do aplicativo, uma vez que se trata de uma versão de testes.
E é importantíssimo que eu diga, aqui, não espere estabilidade da versão Nightly do Firefox

  1. Não use para fazer coisas sérias, para trabalhar etc.
  2. Não é recomendado usá-lo em máquinas de produção.
  3. Sim, você pode usar outras versões, junto, no mesmo computador: a nightly convive bem com as outras versões mais estáveis.

Quero enfatizar que esta versão pode funcionar bem em alguns dias e em outros não.
Quando não funcionar, tudo o que você pode fazer, é esperar pela versão do dia seguinte.

Você foi avisado. Siga por sua própria conta e risco.
firefox nightly background

Como baixar e instalar o Firefox Nightly

Você pode baixar a sua versão do navegador Firefox neste site: http://nightly.mozilla.org/.
Escolha a versão mais adequada à sua plataforma (sistema operacional).
O Nightly tem edições para Windows, Linux, Android etc. Este post se baseia na instalação da versão para Linux 64 bits — portanto, se sua plataforma for outra, adeque os procedimentos descritos às especifidades da sua situação.
O arquivo baixado terá um nome semelhante a firefox-XX.0a1.en-US.linux-x86_64.tar.bz2.
Abra um terminal (no Ubuntu, use Ctrl + Alt + T) e vá para o diretório onde o pacote de instalação foi baixado.
Descompacte o arquivo e entre no diretório criado:

tar xvvjf firefox-49.0a1.en-US.linux-x86_64.tar.bz2
cd firefox

Antes de executar o binário do Firefox, feche qualquer outra versão do navegador que estiver aberta no seu sistema… e boa sorte!

./firefox

Se, mais tarde, quiser remover o programa, basta apagar o diretório que foi criado.

O que esperar da versão nightly do Firefox

Você pode esperar qualquer coisa da nightly build ou development edition de qualquer software — inclusive nada, ou seja, que ele simplesmente nem funcione.
Se este for o caso, faça o download no dia seguinte — as atualizações saem a cada 24h.
Nesta fase do desenvolvimento o aplicativo recebe atualizações diárias e o que não funcionou num dia ou funcionou mal, pode funcionar linda e maravilhosamente no outro — é prudente não ser otimista.
Se isto te incomoda, software em desenvolvimento não é para você.
firefox nightly sreenshot

Motivos para usar a versão nightly

Há basicamente 2 motivos para usar softwares alfa, beta ou nightly:

  1. Conhecer e testar as novidades antes de todos os seus amigos e colegas.
  2. Ajudar os desenvolvedores a melhorar os aplicativos que você gosta — no caso do Firefox, ele envia aos desenvolvedores informações sobre o seu uso e possíveis crashes para que possam melhorar o produto.

O que fazer depois de instalar o Firefox Nightly

Instale os add on do Nightly Tester Tools:
Encontre a ferramenta aqui: https://addons.mozilla.org/en-US/firefox/addon/nightly-tester-tools/.
screenshot firefox nightly tools
Portanto, se baixar o espírito aventureiro e quiser experimentar, sinta-se à vontade para compartilhar a sua experiência nos comentários e dizer o que achou.

Como testar o sistema de som no Linux?

Mesmo um computador usado, jogado no canto da casa, pode estar escondendo uma placa de som de boa qualidade.
Recentemente, descobri algumas coisas bem interessantes no meu notebook Samsung Series 5 Ultra, brincando com a placa — com o objetivo de ver o que dava para extrair dela.
A surpresa foi agradável.
Vamos o que você tem por aí?
Abra um terminal e me acompanhe.
Notebook Samsung Ultra series 5

Como descobrir a capacidade do seu hardware de som

Há várias formas de obter informações sobre o hardware de uma máquina no Linux. Neste caso, uma das mais simples é usar o comando aplay.
Com ele é possível ver a relação de dispositivos de som e os recursos disponíveis no seu sistema.
Veja como:

aplay -L

Esta é a minha lista resumida:

default
    Playback/recording through the PulseAudio sound server
null
    Discard all samples (playback) or generate zero samples (capture)
pulse
    PulseAudio Sound Server
sysdefault:CARD=PCH
    HDA Intel PCH, ALC269VC Analog
    Default Audio Device
surround50:CARD=PCH,DEV=0
    HDA Intel PCH, ALC269VC Analog
    5.0 Surround output to Front, Center and Rear speakers
surround51:CARD=PCH,DEV=0
    HDA Intel PCH, ALC269VC Analog
    5.1 Surround output to Front, Center, Rear and Subwoofer speakers
surround71:CARD=PCH,DEV=0
    HDA Intel PCH, ALC269VC Analog
    7.1 Surround output to Front, Center, Side, Rear and Woofer speakers

...

Como você pode ver, o sistema do exemplo acima pode reproduzir até em 7.1 surround.
Claro que isto não é possível a partir das caixas de som do próprio notebook — não vamos nos iludir 😉
Para usufruir de todo este desempenho da placa de áudio é necessário ligar o notebook a um receiver 7.1 via HDMI.
Ou seja, você precisa ter um equipamento de home theater para se conectar a ele.
configuração da placa de som no Linux

Como testar o sistema de som no Linux

No painel de configurações de qualquer distribuição, é possível abrir a sessão de configuração do som e iniciar um teste.
Mas você pode fazer isto no terminal também. Veja:

speaker-test -c 6 -l 1

Este comando testa os 6 canais de som (5.1) presentes no seu sistema. Você pode testar menos ou mais canais, basta alterar o valor de ‘-c 6’.

Playback device is default
Stream parameters are 48000Hz, S16_LE, 6 channels
Using 16 octaves of pink noise
Rate set to 48000Hz (requested 48000Hz)
Buffer size range from 32 to 349525
Period size range from 10 to 116509
Using max buffer size 349524
Periods = 4
was set period_size = 87381
was set buffer_size = 349524
 0 - Front Left
 4 - Center
 1 - Front Right
 3 - Rear Right
 2 - Rear Left
 5 - LFE
Time per period = 11,028587

O último item ‘LFE’ se refere ao subwoofer, caso você tenha um presente no sistema.
Se prefir ouvir voz humana durante o teste, experimente usar o parâmetro ‘-t’:

speaker-test -c 6 -l 1 -t wav

Por fim, faça a experiência com seus fones de ouvido. O fone padrão do Motorola Moto G 3 consegue simular razoavelmente o som surround.

Experimente o novo Ubuntu Xenial Xerus 16.04 LTS

O Ubuntu 16.04 já está disponível para download e você já pode experimentar a próxima versão estável do seu sistema operacional preferido — Sim! Ele é LTS!
(veja link de download ao final do texto)
Ubuntu 16.04 LTS screenshot
Dentro do objetivo de usar as redes sociais (e escrever este post), o Ubuntu 16.04 não revelou problemas de instabilidade.
No momento em que o usei, o suporte ao idioma português (Brasil) ou PT-Br não estava 100% completo — compreensível e esperado nesta fase do projeto e em uma distro live.
Portanto, fiquei por conta do corretor nativo do Firefox, enquanto escrevia este texto.
Como se trata de uma daily version, os problemas encontrados hoje, podem estar perfeitamente corrigidos amanhã — se quiser continuar usando, é importante manter o seu sistema atualizado.
Ubuntu 16.04 screenshot details

Como é uma versão LTS, o Xenial Xerus terá suporte prolongado de 5 anos, com direito a atualizações de software, de segurança e correções de erros — além de habilitação a novos componentes de hardware que surjam neste período.

Desempenho e instalação

Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus captura de tela screenshot
A prometida otimização do Unity 7 fez valer todos os recursos do hardware antigo, presente no meu notebook de testes — um Toshiba Satellite A200, com 2 Gb de memória RAM e um processador Intel Core 2 Duo T8300 (64bit), rodando a 2.4GHz.
Acrescente-se que o teste foi feito de um pendrive (a máquina não possui HD nem SSD).
Nestas condições, não deu para esperar um bom desempenho ao executar aplicações mais pesadas — e nem me arrisquei, com medo de perder parte do meu trabalho… 😉

Sob o ponto de vista do desempenho, a surpresa não poderia ter sido melhor.
A máquina de testes tem aproximadamente 8 anos de idade e o Ubuntu esta rodando de um flash drive.
Os desenvolvedores estão fazendo um bom trabalho, sem dúvida!

Já que não não me aventurei com aplicativos mais pesados, me dei por satisfeito em poder executar o navegador e abrir varias abas e janelas e executar alguns aplicativos básicos — de configuração e de captura de telas.
Os bons resultados que estão sendo alcançados pelas equipes de desenvolvimento da Canonical são reflexo e consequência da sua integração com as equipes do Debian, que também estão fazendo um trabalho primoroso, do seu lado.
A instalação no pendrive seguiu os passos relatados neste artigo, caso você queira obter mais detalhes.
Depois do Download, portanto, eu logo já estava com o sistema pronto para testar.

Calendário do desenvolvimento do Ubuntu 16.04

Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus screenshot
A versão em analise, neste texto, é “pre alpha” — sob hipótese alguma deve ser instalada em ambiente de trabalho ou de produção.
O que mais se pode esperar em uma versão de desenvolvimento é que tenha um comportamento errático e que dê (muitos) problemas.
Usar versões Alpha e Beta dos seus softwares preferidos é uma excelente forma de ajudar as equipes de desenvolvimento — para isto, deixe ligados todos as opções para enviar feedback aos programadores sobre o comportamento do seu sistema.
Ate a data prevista para lançamento da versão final do Xenial Xerus, 21 de Abril, há muito trabalho a ser feito.
O calendário prevê, 2 versões Alpha, 2 Beta e um release candidate. Veja as datas de lançamento:

  • Alpha 1 – 31 de Dezembro de 2015.
  • Alpha 2 – 28 de Janeiro de 2016.
  • Feature Freeze — 18 de Fevereiro de 2016 — a partir desta fase os desenvolvedores param de adicionar recursos ao sistema.
  • Beta 1 – 15 de Fevereiro de 2016.
  • UI Freeze — 10 de Marco de 2016 — a partir desta fase os desenvolvedores param de incluir recursos na interface gráfica, ou User Interface (UI).
  • Beta Final– 24 de Marco de 2016.
  • Kernel Freeze — 07 de Abril de 2016 — a partir desta fase os desenvolvedores param de introduzir mudanças no kernel.
  • Release Candidate – 14 de Abril de 2016
  • Ubuntu 16.04 LTS Final – 21 de Abril de 2016 — Data prevista para lançamento do produto.

Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus – o X da questão

Esquilo terrestre africano Xerus Inauris
A versão anterior do Ubuntu (15.10 Wily Werewolf) fazia referência a um simpático animal, cujo nome começa com `W` —
A letra subsequente é o `X`.

`Xenial` é um adjetivo, cujo significado é hospitaleiro, amigável — friendly.
`Xerus`, é o nome de uma espécie de esquilo africano.

Os Xerus são esquilos terrestres (que não vivem nas árvores) africanos. São das criaturas mais sociáveis que habitam a África do Sul, em relação a seus vizinhos.
Enquanto muitos mamíferos têm natureza competitiva (e, por vezes, sangrenta), os Xerus sempre preferem a colaboração e a cooperação — mesmo entre espécies diferentes.
Outra razão pela qual o `X` é importante nesta versão do Ubuntu é que esta será a última versão a vir com o servidor X instalado.
A partir da próxima versão do Ubuntu, a Canonical irá empacotar o seu próprio servidor, o Mir, junto com o Unity 8.

Referências

Onde fazer o download do Ubuntu 16.04 LTS Daily (versão de desenvolvimento): http://cdimage.ubuntu.com/daily-live/current/.
Como instalar no pendrive: https://elias.praciano.com/2015/11/como-instalar-o-linux-em-um-pendrive-com-o-comando-dd/.