Como melhorar a eficiência da carga da bateria do seu celular ou tablet

Todo carregador de smartphone, homologado pela Anatel, possui informações sobre o valor da corrente de entrada suportada e sobre os valores de saída.
Os mais comuns, tem valor de entrada ou input de 100 – 240V — ou seja, têm seleção automática dentro desta faixa e podem ser plugados em qualquer tomada residencial padrão no Brasil.
Já a saída ou output, costuma ter valor próximo a 5V (Volts) e alguns mA (miliamperes).
Como os carregadores são pequenos, estas informações costumam ficar dentro de um pequeno quadro, desenhado no corpo do dispositivo, em letras miúdas.
Se você tiver vários carregadores em casa, poderá notar que uma destas informações terá muitas variações, de um dispositivo de carregamento para outro: a saída em miliamperes.
Pessoalmente, tenho 5 carregadores de celular em casa e todos eles são diferentes neste sentido: de 0,350 mA a 2,1 mA.
Antes de continuar a leitura, tenha em mente que os testes que realizei funcionaram para mim e eu não posso dar qualquer garantia de que funcionarão para você. Portanto, só estou relatando a minha experiência e o que aprendi com ela e com a leitura que fiz sobre o assunto.

  • Aplique o conhecimento deste artigo, por sua própria conta e risco.
  • Leia o manual do seu aparelho e respeite as limitações que ele lhe impuser.
  • Se não souber o que está fazendo, não faça.

Se você quiser estar do lado seguro, use apenas o carregador padrão que veio junto com o seu aparelho.

As questões que pretendo analisar e responder (e com as devidas explicações) é se há alguma forma de carregar mais rápido o smartphone ou o tablet.
O processo pode ser mais eficiente, sem abrir mão da segurança?

As especificações da alimentação USB

Os notebooks atuais podem carregar uma bateria de celular, através de qualquer uma de suas conexões USB.
O tempo de carga varia em função do padrão usado:

  • O padrão USB 1.0 e 2.0 provê uma fonte de alimentação de 5 V, com um fluxo máximo de 500 mA.
  • O padrão USB 3.0 mantém a alimentação elétrica de 5 V, com a possibilidade de chegar a um fluxo de 900 mA.

O ampere é uma medida de fluxo, não de potência.
Uma analogia muito usada é a da torneira da sua casa. A água chega com uma determinada potência até a sua torneira.
O que a torneira faz é controlar o fluxo de água para você usar.
Da mesma forma um carregador inteligente determina qual o fluxo que ele pode receber da tomada e, de acordo com as necessidades da bateria, repassar para o seu celular.

A bateria do seu smartphone pode abrir a torneira de energia da porta USB do seu notebook livremente, desde que dentro dos limites de cada tecnologia, como foi dito acima.
O que pode acontecer é que um tablet, ao ser usado, consome energia em um fluxo maior do que a porta USB pode fornecer. Portanto, ou você para de usar o dispositivo enquanto o carrega ou vai ver a carga da sua bateria diminuir lentamente — apesar de estar carregando.
Portanto, se você precisa carregar um dispositivo pela porta USB, o ideal é que ele esteja desligado ou sem uso — ou vai demorar mais para carregar.

As especificações da alimentação por carregador

Os carregadores atuais trocam informações com a bateria do seu celular e não mantém o fluxo de carga contínuo.
Ainda que o carregador tenha capacidade de fornecer 3000 mA, ele não usará esta capacidade constantemente. Na verdade, costumam fornecer a carga a um fluxo baixo e lento, até chegar próximo a 80% de carga da bateria.
Entre 80% e 100%, ele “abre mais a torneira” e a carga ocorre mais rápido.
Quando chega aos 100%, o carregador diminui o fluxo e a carga se torna suave o suficiente apenas para manter a bateria próxima do nível da carga total.

Posso usar uma amperagem maior do que a do carregador padrão do meu aparelho?

Como já foi dito, na troca de informações entre bateria e carregador, fica determinado o fluxo de corrente a ser usado durante as várias etapas da carga.
Veja o exemplo:

  • 1 carregador de 5 Volts e 2000 mA
  • 1 bateria de 3,3 Volts e 700 mA

A bateria irá receber os 5 Volts. Mas só irá “abrir a torneira do carregador” até os 700 mA.
Veja bem, é a bateria quem determina o fluxo aceitável.
Um carregador com amperagem de 3000 mA continua útil, se você puder ligar mais de um aparelho nele. Dá pra carregar 3 Motorola Moto G, com folga e ao mesmo tempo, com um carregador desta capacidade.
Você poderá ter problemas nos seguintes casos:

  1. Usar carregador com voltagem (V) muito superior ao da bateria — Use sempre a mesma voltagem do carregador original. Na dúvida, consulte o manual ou o site do fabricante. Você pode explodir, queimar a bateria ou simplesmente reduzir sua vida útil, se não observar esta regra.
  2. Usar um carregador com voltagem abaixo da indicada pelo carregador original do aparelho — embora não cause danos, a carga pode não acontecer ou demorar muito mais.
  3. Usar um carregador com a mesma voltagem do carregador original (o que é correto), com amperagem muito inferior a da bateria ou à que se encontra indicada no carregador original — a bateria vai “puxar” um fluxo acima do que o carregador está preparado. Pode demorar mais para carregar ou não carregar e, de quebra, sobrecarregar e danificar o carregador.

Mesmo os carregadores de procedência “duvidosa”, encontrados nos camelôs, fazem cargas inteligentes — que começa lenta e termina rápida — suavizando após a carga total, apenas para manter o nível em 100%, evitando a sobrecarga.
Por este motivo, é seguro deixar o aparelho carregando na tomada, enquanto você dorme. Os fabricantes sabem que todo mundo faz isto e que todos gostamos de acordar e ver nosso aparelho “cheio de energia”.

Vale a pena adquirir um carregador portátil?

Às vezes chamados de bateria de backup ou Fast Charge Battery Pack, os carregadores portáteis são uma boa idéia. Costumam ter uma amperagem alta, para atender a um grande número de equipamentos e tipos de baterias.
Alguns fabricantes, chamam a “amperagem” de “velocidade de carga”.
Os conceitos estão relacionados, mas não são a mesma coisa, convenhamos.
Note que a unidade de medida dos carregadores é mAh — ou seja, miliamperes por hora.
Há, no mercado, carregadores portáteis com capacidade superior a 9000 mAh. Isto permite carregar um aparelho em meia hora ou menos, se a bateria aceitar este fluxo.
Alguns carregadores portáteis, permitem ser carregados ao mesmo tempo em que alimentam uma bateria ou mais.

O cabo USB pode influenciar?

Definitivamente, sim.
O cabo USB utilizado para conectar o PC/notebook ou o carregador “de parede” ao smartphone pode ter influência decisiva na eficiência de recarga da bateria.
Alguns cabos são de má qualidade ou simplesmente não são projetados para transmitir um fluxo de carga necessário para carregar a sua bateria.
Quando isto ocorre, o aparelho pode ficar “dias” conectado, sem carregar. Ele entra, no máximo, no modo de “transmissão de dados”.
Se isto acontecer troque o cabo por outro mais eficiente.

Conclusão

Use sempre o carregador original do seu aparelho e evite carregá-lo via porta USB. Se o fizer, use a porta USB 3.0 (ou superior).
A maneira mais rápida e segura de carregar seu dispositivo móvel é com ele desligado.
Na emergência, pode usar o carregador do seu amigo, mesmo que seja de outra marca, sem medo. É seguro. Só não é o ideal.

Como tirar fotos da lua com o smartphone

Muitas pessoas descobriram, na última lua cheia, o quanto é difícil tirar uma foto decente do nosso satélite natural.
A olho nu, ela está linda, enorme e mostrando, com bastante detalhes, suas maiores crateras e parte de suas formações rochosas.

Não dá pra resistir a tirar o celular do bolso para tentar registrar aquele momento para as redes sociais.

É interessante notar que a lua, enquanto objeto a ser fotografado, satisfaz algumas importantes premissas de uma boa fotografia: é linda e não emite luz — pelo contrário, reflete uma quantidade moderada de luz do sol.

Como tirar fotos da lua, usando o smartphone

Mas, nunca dá certo, não é?
Não posso prometer milagres, aqui.
Mas posso dar algumas dicas, que podem ajudar a obter melhores resultados (ou não).

Quais são os obstáculos para fotografar a lua de um smartphone?

O fato é que a câmera do seu celular usa lentes projetadas para tirar boas fotos de perto, em ambiente bem iluminado e de pessoas (rostos). Ao mesmo tempo, também cumprem o propósito de registrar paisagens, como as lentes “grande angular”.

Smartphones são ótimos para selfies e paisagens.

Tirar fotos da lua, passa muito longe do objetivo de qualquer smartphone (a menos que você esteja lá).

Quanto menos opções de controles manuais o seu aparelho tiver menores serão suas chances.

Parte do problema é aquele que você já conhece, ao usar flash muito próximo de quem você quer fotografar e a pessoa sair com “cara de fantasma”.

A lua ainda recebe muita iluminação vinda do sol, o que acaba por tirar o detalhamento do objeto a ser fotografado.
Por isto, o resultado costuma ser aquele minúsculo “globo iluminado”.

Este obstáculo é facilmente transponível com uma câmera que possua controles manuais e as lentes corretas.
supermoon-wite-red_3455452k

Ajustes que você deve procurar na câmera do celular para conseguir fotografar a lua

Os 3 controles básicos da fotografia, precisam estar presentes para melhorar o seu resultado. Verifique se o seu aparelho tem como controlar manualmente:

  1. Velocidade do obturador ou shutter speed
  2. Abertura do diafragma ou aperture
  3. ISO

Uma boa lente é fundamental para o trabalho, mas estamos falando de celulares aqui…

Se você não tiver como ajustar estes fatores, dificilmente vai conseguir algum resultado.

De qualquer forma, tente fazer o melhor com o que você tem (este é o espírito geek).
supermoon-rises-ab_3455417k

Como ajustar a câmera do smartphone para fotografar a lua

Comece por sair do modo automático. Entre no modo “manual” ou “profissional”, para poder configurar o obturador, o diafragma e o ISO independentemente.

Não esqueça de desativar o flash e o modo HDR.
Dentro dos recursos do seu aparelho, procure por estas opções:

  • Ajuste o ISO para o menor valor possível, para tornar o sensor menos sensível à luz — valores entre 50 e 100, podem ser o ideal. Eventualmente, tente o ISO 200.
  • Ajuste a velocidade do obturador, em função do ISO: 1/X, em que X é o valor que você usou pro ISO.

Feito isso, ajuste o sensor de luz ou brilho (light-metering sensor) para captar uma quantidade mais moderada de luz — e reduzir o efeito “coroa” de luz da lua.

Ajuste o foco manualmente para o infinito ou toque na tela, sobre a imagem da lua.
supermoon_glaso_3455317k

A estabilidade na hora da foto

Para este tipo de fotografia, muitos considerariam usar um tripé. Qualquer tremida, na sua mão, pode resultar em uma foto estragada e sem nitidez.

Fotos com zoom tendem a sofrer muito com a mínima instabilidade nas mãos do fotógrafo. Portanto, o uso de um tripé se faz necessário para tirar o melhor deste recurso.

Eu não uso tripé para tirar foto da lua.
Quando termino todos as configurações, ajusto o temporizador/contador da câmera para 3 ou 10 segundos e coloco o celular no chão ou sobre outra superfície estável (pode ser uma mesa ou cadeira) — e espero disparar o obturador.
Desta forma, consigo tirar fotos com a máxima nitidez, sem borrão de movimento.

Com raras exceções, câmeras de smartphones não possuem zoom óptico — mas se a sua tiver, use!

O zoom digital nada mais é do que “um recorte” ampliado da imagem original — e isto você pode fazer depois, no seu editor de imagens favorito.

Edição da sua imagem

Depois da foto, você vai precisar editar algumas coisas:

  1. Recorte a foto para que a lua ocupe um espaço maior no quadro.
  2. Use um editor de imagens que permita reduzir um pouco mais o brilho ou a exposição.
  3. Aumente um pouco as sombras e os tons de preto.

Você também pode fazer ajustes de realce — fica à sua escolha.

Fatores externos ao seu aparelho

Há alguns detalhes importantes que nada têm a ver com o seu celular:

  • O horário em que você fotografa — a lua vai ter uma aparência maior e mais dramática quando estiver próxima do horizonte. Portanto, você vai ter melhores chances de obter boas imagens uma hora antes do nascer do sol ou dentro de uma hora depois do pôr-do-sol.
  • O local em que você se encontrar pode ajudar ou atrapalhar muito também. Este tipo de foto vai ficar melhor fora da cidade e, portanto, livre do excesso de luzes e da poluição.

Faça várias experiências, alterando estes ajustes — fique à vontade para nos contar sobre o modelo do seu smartphone e quais ajustes você usou para obter melhores resultados, nos comentários.

Comandos de terminal para Android

Na maioria dos sistemas operacionais, é comum o uso do terminal (ou console), permitir rodar comandos com mais flexibilidade e opções de execução, além de poder determinar uma sequencia de tarefas a ser executada, mandar a estória toda para os bastidores e ir fazer outra coisa.
O Android não é diferente. Com acesso root (privilégios administrativos) ao seu dispositivo, dá pra “fazer chover” no seu terminal.
Logo Android sobre um terminal
Se você não tiver um dispositivo rooteado, não há problema. A maioria dos procedimentos descritos neste texto irão funcionar — outros são voltados para aparelhos rooteados de desenvolvimento.
O que não funcionar, você pode pular. No caso de aplicar o rooting, futuramente no seu aparelho, você pode voltar aqui e tentar os outros comandos.
Leve em conta que foram testados em aparelhos rodando versões do Android entre a 2.3 e 4.2.
Certifique-se de ter instalado um emulador de terminal para Android, em seu sistema para poder executar todos os comandos.
Outro software que pode ser valioso, se usado junto com o terminal, é o Hacker’s Keyboard. Recomendo a sua instalação.
É preciso ter cuidados ao executar comandos no seu terminal Android, principalmente se seu aparelho for rooteado — ou você pode causar danos aos seus dados.
Os comandos proibidos para Linux, valem aqui também. Além disto, o uso de fork bombs pode ter consequências desastrosas no terminal.
Siga por sua própria conta e risco (como sempre) e se não souber o que está fazendo, não faça.


Use nossa página de busca para encontrar mais artigos sobre o Android

O comando ls no terminal do Android

Este é provavelmente o comando mais usado para quem deseja navegar pelo sistema de arquivos e explorar os vários diretórios (pastas) do dispositivo.
Ao tentar executar o comando ls no diretório /sbin (e em outros, que sejam protegidos) de um telefone não rooteado, você vai obter uma mensagem de erro, informando que você não tem permissão para ler o conteúdo daquele diretório:

ls /sbin
opendir failed. Permission denied

O comando ls sozinho, irá revelar o conteúdo do diretório atual. Experimente.
O comando pwd (print working directory), mostra o caminho completo do diretório em que você se encontra.
É um comando útil para evitar fazer o que não deve no lugar errado: 😉

cd
pwd
/data/data/jackpal.androidterm/app_HOME
...

Para ver conteúdo de diretórios protegidos, como o /sbin, você precisa “invocar os poderes do root”, ou seja, adquirir privilégios administrativos em relação ao seu sistema.
Para se tornar superusuário, use o comando su.
Só para lembrar, o comando su só pode ser invocado em aparelhos rooteados.
Note que, ao se tornar superusuário, o shell prompt muda de ‘$’ para ‘#’, para indicar que você está acessando o aparelho como root (e pode causar danos ao sistema, se não for cuidadoso).
Para sair do modo de superusuário ou do terminal, use o comando exit:

exit

Você tem um aparelho Samsung? Leia outros textos que abordam smartphones e tablets desta marca.

O Android Activity Manager

No terminal, este aplicativo responde pelo comando am (Android Activity Manager) — Gestor de Atividades do Android.
Se ele for dado, sem opção alguma, irá mostrar o texto de ajuda do programa.
Você pode usar aplicativo para terminar os programas que estão rodando em background:

am kill-all
java.lang.SecurityException: Permission Denial: killAllBackgroundProcesses() from pid=13511, uid=10152 requires android.permission.KILL_BACKGROUND_PROCESSES
        at android.os.Parcel.readException(Parcel.java:1425)
        at android.os.Parcel.readException(Parcel.java:1379)
        at android.app.ActivityManagerProxy.killAllBackgroundProcesses(ActivityManagerNative.java:3280)
        at com.android.commands.am.Am.runKillAll(Am.java:556)
        at com.android.commands.am.Am.run(Am.java:116)
        at com.android.commands.am.Am.main(Am.java:81)
        at com.android.internal.os.RuntimeInit.nativeFinishInit(Native Method)
        at u0_a152@android:/data/data/jackpal.androidterm/app_HOME $com.android.internal.os.RuntimeInit.main(RuntimeInit.java:237)
        at dalvik.system.NativeStart.main(Native Method)

Obviamente, o comando só terá efeito naqueles processos sobre os quais você tiver privilégios de execução.

Os comandos Linux e UNIX no Android

Em princípio, os comandos UNIX e GNU/Linux básicos vão todos funcionar aqui (dentro daquelas limitações de que já falamos):

  • chmod
  • chown
  • date
  • rm, mv etc.

Há novos comandos, com funções específicas pro Android.
O comando dalvikvm é a máquina virtual dalvik, usada para rodar aplicações Android.
O comando df (disk free) pode ser usado para ver o espaço disponível dentro de um dispositivo de armazenamento.
Se for executado sozinho, vai mostrar todos:

df

Veja o meu resultado:

Filesystem             Size   Used   Free   Blksize
/dev                   402M   112K   401M   4096
/mnt/asec              402M  0.00K   402M   4096
/mnt/obb               402M  0.00K   402M   4096
/dev/shm               402M  0.00K   402M   4096
/system               1.15G  1011M   169M   4096
/modemfs              15.7M  4.34M  11.4M   4096
/cache                 826M  14.0M   812M   4096
/efs                  15.7M  4.53M  11.2M   4096
/preload               314M   106M   208M   4096
/data                 4.65G  2.44G  2.21G   4096
/mnt/.lfs: Function not implemented
/storage/sdcard0      4.55G  2.44G  2.11G   4096
/storage/extSdCard    14.8G   115M  14.7G   32768

Para obter informações específicas sobre o cartão de memória externo, basta citá-lo na linha de comando:

df /storage/extSdCard

segue o meu resultado…

Filesystem             Size   Used   Free   Blksize
/storage/extSdCard    14.8G   115M  14.7G   32768

O comando bootanimation pode trazer um resultado interessante (mas você possivelmente irá ter que dar um reset no aparelho, para sair deste aplicativo).
Para obter informações sobre processos em execução, use o comando ps.
Se achar que a lista é muito grande (provavelmente é), pode restringir a exibição aos processos em execução (running processes):

ps r

Este foi o meu resultado:

USER     PID   PPID  VSIZE  RSS     WCHAN    PC         NAME
radio     1670  1     12132  1964  ffffffff 00000000 S /system/bin/rild
system    2277  1678  474788 23892 ffffffff 00000000 S com.sec.android.app.twdvfs
u0_a139   3730  1678  503912 42364 ffffffff 00000000 S com.fitnesskeeper.runkeeper.pro
u0_a3     4225  1678  474564 27300 ffffffff 00000000 S com.sec.android.nearby.mediaserver

O vmstat exibe estatísticas da memória virtual do sistema. A linha, a seguir, exibe as estatísticas 5 vezes, num intervalo de um 1 segundo:

vmstat -n 5 -d 1

Se você não especificar qualquer parâmetro, o vmstat irá exibir (por padrão) as estatísticas da memória virtual a cada 1 segundo — até ser interrompido.
Se você estiver usando o Hacker’s Keyboard, será fácil parar o vmstat com o Ctrl+C.

Happy hacking! 😉

Como excluir a conta no Tinder

Acompanhe este passo a passo para rapidamente excluir sua conta no Tinder. É fácil e simples.
O principal motivo para excluir uma conta no Tinder é já ter iniciado um relacionamento e querer manter o foco. Nesta situação, o Tinder mais atrapalha do que ajuda.
Capa do artigo Tinder - como remover a sua conta.Siga as instruções:

  • Toque no ícone do aplicativo, para entrar no Tinder.
  • Agora, toque no ícone do canto superior esquerdo da tela do Tinder, para abrir o menu do aplicativo.
  • Selecione Configurações.
  • Menu principal do TINDER no Android
    Tinder: Menu principal do aplicativo no Android.
  • Role a tela até chegar ao último item e toque em Apagar conta
  • Menu de configurações do aplicativo Tinder para Android
    Tinder: Menu de configurações do aplicativo.
  • A seguir, confirme a remoção do seu cadastro do aplicativo.
  • Se você respondeu afirmativamente à pergunta anterior vai obter uma tela com um aviso de que se entrar no Tinder novamente, terá sua conta recriada.
    Por isto, é recomendado remover o aplicativo do seu smartphone ou tablet, depois de se cadastrar.
  • Aviso de conta removida no Tinder
    Aviso de “conta deletada” no Tinder.

O Tinder é um aplicativo decente e, até onde sei, não vai ficar incomodando ou atrapalhando a sua vida (como tantos outros), depois que você deixou claro que queria ser descadastrado.
Para voltar a usar o Tinder, basta abrir o aplicativo e conectar com o Facebook — e seja bem vindo de volta!

Como pôr uma senha no seu smartphone Android

Um dos piores dilemas das senhas de acesso a qualquer dispositivo é a relação entre a segurança oferecida e à dificuldade de acesso pelas pessoas que legitimamente precisam fazer uso dele.
Quando se trata de um smartphone, com tela inferior a 4 polegadas ou 10,16 centímetros, o uso de uma senha alfanumérica a ser digitada no teclado do aparelho pode ser muito incômodo.
Android-confirmar-bloqueio-feat300x200
Em alguns casos, contudo, isto pode ser realmente necessário.
Em dispositivos com Android 4.4.x ou anterior, a segurança por senha alfanumérica é a mais forte que você pode conseguir, como padrão de fábrica.
Outras medidas de segurança, como a encriptação dos seus dados no dispositivo, dependem da segurança por senha alfanumérica.
Ao encriptar os dados no seu aparelho, você pode dificultar significativamente o acesso não autorizado às suas informações — principalmente em caso de roubo.

Como bloquear o aparelho com senha

Acesse o menu de configurações do seu aparelho.
Selecione o submenu Tela de bloqueio.
A seguir, toque na opção Bloqueio de tela e selecione Senha (costuma ser a última).

Menu de configurações do Android.
Clique para ampliar.

Agora forneça uma nova senha de segurança e confirme.
Android confirmar senha de segurança
Na próxima vez em que você for desbloquear a tela do aparelho, ele irá pedir a sua senha de desbloqueio.
Tela de bloquio por senha no smartphone Android
Clique para ampliar.

O que acontece se eu esquecer a senha?

Caso você esqueça a senha, será necessário dar um reset de fábrica ou hard reset no seu aparelho, o que irá ocasionar a perda de seus dados — em caso de roubo, isto é desejável, até.
Desta forma, suas senhas para as redes sociais e outros aplicativos serão, bem como várias outras informações pessoais apagadas do aparelho — tal como se ele tivesse acabado de sair da loja.
Fotos e imagens, armazenadas no cartão de memória continuarão acessíveis, contudo — a menos que o cartão esteja encriptado.