Altere o DNS do seu aparelho Android e drible alguns problemas da rede.

Alterar o DNS, através do qual o seu dispositivo se conecta à Internet, é um procedimento relativamente simples.
Trata-se de uma sigla para Domain Name System — ou seja, “sistema de domínio de nomes”, traduzido livremente.
Isto se refere a um sistema de nomeação de computadores, serviços ou outros recursos da rede, descentralizado e hierárquico.
O método consiste em associar diversas informações (como endereços IP) a nomes de domínios, atribuídos a cada nó presente em uma rede.
Para o cérebro humano, é mais fácil decorar um nome, como elias.praciano.com do que um número, como 192.168.1.0 (IPv4) ou, ainda, 2001:0db8:0000:0000:0000:ff00:0042:8329 (IPv6).

Portanto, é graças ao sistema de DNSs que você não precisa ficar digitando números incompreensíveis na barra de endereços do seu navegador, quando nos referimos a endereços IPv4.
Quando chegamos aos endereços que seguem o padrão IPv6, fica mais difícil ainda memorizar.

Serviços de DNSs podem ser pagos e oferecer alguns recursos úteis a seus usuários. o OpenDNS, por exemplo, permite filtrar conteúdo da Internet e obter estatísticas do seu fluxo de dados.
O Google tem um serviço de DNS gratuito (e tem uma versão paga também) que é muito popular entre usuários comuns e empresas.

Como configurar o DNS no Android

O melhor lugar para configurar o seu DNS é no seu roteador — de casa ou da empresa.
Mas no celular é mais fácil.
Seja cauteloso(a) com o procedimento, para não ficar sem acesso a Internet por ter entrado com informações erradas na configuração.
Comece por abrir a seção de configurações geraisdo seu dispositivo Android e abra o painel de configurações Wi-Fi.
android configuração da rede.
Em seguida, escolha uma das redes para configurar — pressionando-a até aparecer o submenu de configurações.
Selecione a opção “Modificar a rede”.
android configuração da rede.
Selecione “Opções avançadas”.
android configuração da rede.
As configurações de DNS ficam na parte inferior e você pode entrar com até 2 servidores DNS.
No meu exemplo (figura abaixo) usei servidores de DNS do Google.
google dns
Por fim, basta tocar em “Salvar” e navegar usando os novos DNSs.
Leia mais sobre DNS, no site ou sobre outras dicas de configuração da rede no Android.

Como configurar o Android para usar um endereço IP estático na rede Wi-Fi

Há alguns motivos bem fortes para usar um endereço IP estático em seu dispositivo Android, dentro da rede Wi-Fi (doméstica, da empresa etc.)
Alguns usuários relatam que a conexão fica mais consistente — embora eu não veja motivos técnicos o suficiente para isto.
Se você usa aplicativos servidores no seu aparelho, pode ser mais fácil para os aplicativos clientes se conectarem a ele, se o endereço IP sempre for o mesmo.
O procedimento descrito neste texto só vale para a rede a qual você está conectado neste momento. Para as outras redes, o Android continuará a usar as configurações padrão ou que já foram feitas.
android configuração da rede.
Abra o painel de configurações do seu dispositivo e selecione o item de configuração do Wi-fi.
Agora, siga o passo a passo:

  1. Mantenha o dedo pressionado sobre o nome da rede – cujas configurações você deseja editar – até que um menu pop up apareça.
    android configuração da rede.
    Selecione a opção Modificar a rede, para abrir um painel de configurações específicas.
  2. Altere a opção DHCP para Estático.
    android configuração da rede.
  3. Role até Endereço IP e digite o novo endereço que você deseja usar a partir de agora.
    Se é novo em configuração de redes e não entende muito do assunto, é seguro preservar as 3 primeiras partes do endereço e alterar apenas a última (à direita).
    android configuração da rede.
  4. Ao terminar, toque em Salvar, na parte inferior da tela.

Este procedimento é simples, mas pede que se tenha algum conhecimento básico sobre redes.
Se tudo der errado e você não souber como desfazer as modificações, você pode adotar um destes 2 procedimentos:

  • Volte ao segundo passo e selecione a opção DHCP e salve
  • ou volte ao primeiro passo e selecione Esquecer a rede e faça uma reconfiguração automática.

Leia mais sobre como resolver problemas de conexão no artigo Como resolver problemas comuns de conexão ao Wi-Fi.

Ajuste avançado da configuração do Wi-Fi, pode ajudar a resolver problemas de conexão no Android.

O Android tem várias possibilidades de configuração para facilitar a conexão sem fio.
Neste post, vou falar de um ajuste escondido nos aparelhos com Android 6.0 Marshmallow ou superior voltado para a configuração do Wi-Fi.

Trata-se do item “Usar cliente DHCP legado” ou “Use legacy DHCP client“, em aparelhos configurados para o idioma inglês.
O item fica dentro do painel do desenvolvedor — que precisa ser desbloqueado, para que você tenha acesso a ele.
android usar cliente dhcp legado
Como é possível visualizar, na explicação do item, ele faz com que o Android abra mão de usar os ajustes mais novos para voltar a usar os mesmos ajustes da versão 5.1 Lollipop.
Este procedimento pode ser eficaz para resolver problemas de conexão em que o aparelho não consegue passar da mensagem “tentando obter endereço IP” ou “obtaining IP address“.
Se o procedimento não resolver, clique na tag wi-fi ou use o sistema de busca deste site, para encontrar outros procedimentos relacionados à conexão no Android.

Como verificar quais portas estão abertas, com nmap

O nmap e o netstat são ferramentas tradicionais de monitoramento da rede no Linux e no UNIX.
O primeiro é comumente usado em filmes sobre hackers (ou crackers), por que tem uma “saída bonitinha” 😉
nmap list listening ports
Recentemente escrevi sobre como mudar a porta de escuta do servidor SSH, como medida bastante efetiva de segurança contra ataques. Neste caso, é útil saber quais portas estão em uso, para evitar conflitos entre serviços no seu sistema.
Neste contexto, o nmap e o netstat também podem ajudar a descobrir pontos vulneráveis do seu sistema.
Veja um exemplo de uso do nmap:


sudo nmap -sT -O localhost 

[sudo] senha para justincase:          

Starting Nmap 7.50 ( https://nmap.org ) at 2017-07-03 16:33 -03
Nmap scan report for localhost (127.0.0.1)
Host is up (0.000092s latency).
Other addresses for localhost (not scanned): ::1
Not shown: 998 closed ports
PORT    STATE SERVICE
22/tcp  open  ssh
631/tcp open  ipp
Device type: general purpose
Running: Linux 3.X|4.X
OS CPE: cpe:/o:linux:linux_kernel:3 cpe:/o:linux:linux_kernel:4
OS details: Linux 3.8 - 4.9
Network Distance: 0 hops

OS detection performed. Please report any incorrect results at https://nmap.org/submit/ .
Nmap done: 1 IP address (1 host up) scanned in 2.61 seconds

Destaquei, acima, o trecho em que se exibe as portas abertas (open). Aqui é mais adequado usar o comando grep, para filtrar e exibir apenas os números das portas abertas:


sudo nmap -sT -O localhost | grep -i open

22/tcp  open  ssh
631/tcp open  ipp

Entenda melhor o comando:

  • -sT — trata-se de uma opção inteira, como é possível ver no manual do comando (use ‘man nmap’, para ver mais).
    Esta opção manda o nmap fazer um rastreio da conexão TCP.
  • -O — faz a tentativa de detectar o sistema operacional sobre o qual está sendo pedida a varredura.
    A detecção permite habilitar testes específicos da plataforma analisada durante o processo.

Se acrescentarmos a opção -A, podemos obter detalhamentos da versão do sistema operacional e dos daemons:


sudo nmap -sT -O -A localhost | grep -i open

22/tcp  open  ssh     OpenSSH 7.5p1 Debian 5 (protocol 2.0)
631/tcp open  ipp     CUPS 2.2

Inclua as portas relacionadas ao protoclo UDP também:


sudo nmap -sT -sU localhost

Starting Nmap 7.50 ( https://nmap.org ) at 2017-07-03 17:26 -03
Nmap scan report for localhost (127.0.0.1)
Host is up (0.00017s latency).
Other addresses for localhost (not scanned): ::1
Not shown: 1994 closed ports
PORT     STATE         SERVICE
22/tcp   open          ssh
631/tcp  open          ipp
68/udp   open|filtered dhcpc
631/udp  open|filtered ipp
1900/udp open|filtered upnp
5353/udp open|filtered zeroconf

Nmap done: 1 IP address (1 host up) scanned in 2.81 seconds

Você pode combinar as opções do comando acima — com a obtenção do mesmo resultado – da seguinte forma:


sudo nmap -sTU localhost

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Como determinar quais portas estão escutando, no Linux, com o comando lsof

O comando lsof, presente no Linux e nos UNIX (o que inclui o MacOS), tem a função de listar arquivos abertos por processos em seu sistema.
Já mostrei como usar o lsof para detectar se algum arquivo aberto impede que você consiga desmontar o seu pendrive (ou qualquer outro dispositivo de armazenamento USB) — se tiver curiosidade, leia este texto.
Também explicamos rapidamente o funcionamento do lsof no post Comandos para obter informações sobre o Ubuntu.
lsof listening ports
O nome do comando é uma abreviação de list opened files — ou “lista arquivos abertos”, em uma tradução livre.
Por “arquivo aberto”, entenda-se um arquivo simples, um diretório, um arquivo especial de bloco, um arquivo especial de caractere, uma referência ao um texto ou a uma biblioteca, um fluxo de dados ou um arquivo de rede etc.
Neste texto vamos mostrar como o lsof pode ser usado para determinar que portas estão abertas e escutando (listening) por conexões.
Se você digitar lsof pura e simplesmente, vai acabar “soterrado” sob uma montanha de informações.
Se for executado sozinho, sem qualquer opção ou parâmetro, o lsof vai exibir todos os arquivos abertos por todos os processos do sistema — o que pode resultar em uma lista bem extensa.
Na maioria das vezes, portanto, é necessário acompanhar a ferramenta do comando grep, para filtrar e descartar dados que não interessaM na nossa listagem.
Veja um exemplo de uso:


sudo lsof -P | grep --color -i listen

[sudo] senha para justincase:          

lsof: WARNING: can't stat() fuse.gvfsd-fuse file system /run/user/1000/gvfs
      Output information may be incomplete.
sshd        508                   root    3u     IPv4              19120      0t0        TCP *:22 (LISTEN)
sshd        508                   root    4u     IPv6              19122      0t0        TCP *:22 (LISTEN)
cupsd     27424                   root    6u     IPv6             371198      0t0        TCP localhost:631 (LISTEN)
cupsd     27424                   root    7u     IPv4             371199      0t0        TCP localhost:631 (LISTEN)

Acima, os números das portas em uso podem ser vistos à esquerda de “(LISTEN)”.
A opção ‘-P’ tem a função de inibir a conversão dos números das portas para nomes de arquivos de rede.
Neste caso, é útil por que força a exibição do número da porta, em vez do serviço que a está usando.
Experimente dar o comando sem a opção ‘-P’, para ver do que estou falando.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.