O que você precisa para ter um estúdio de edição de fotos profissional no Linux.

O sistema operacional Linux tem diversas ferramentas importantes, desenvolvidas por fotógrafos e para outros fotógrafos.
O GIMP é o principal software de edição e manipulação de imagens — e costuma vir instalado em algumas distribuições.

Quando este não é o caso, é fácil instalar ele e muitos outros programas e utilitários para este tipo de aplicação.
O GIMP tem uma história semelhante à do Photoshop — ambos são oriundos de trabalhos acadêmicos desenvolvidos por estudantes universitários.
Basicamente, fotógrafos usam um computador para armazenar, catalogar, editar etc. suas imagens.
Este post vai lançar uma luz sobre os programas voltados à catalogação e edição de imagens.
Só para contextualizar, este artigo é baseado no Debian.
Se você usa o Ubuntu ou qualquer outra distro baseada nele, recomendo complementar esta leitura com o post Configure o ubuntu para ser um estúdio profissional de fotografia.

Distribuições GNU/Linux prontas para edição de imagens

Existem distribuições que já podem ser baixadas (quase) prontas para começar a trabalhar com suas fotos.
O único problema das opções listadas, abaixo, (EMHO) é que elas podem vir com uma grande quantidade de itens a mais — ainda assim, boa parte do que você precisa, já vai estar lá, pronto para ser usado.
São opções voltadas para o design e criação de conteúdo multimídia, ou seja, vai vir muita coisa que você provavelmente não precisa.

A única pessoa que vai saber qual a melhor opção ou distro Linux para você, é você mesmo(a).
Portanto, recomendo experimentar.
A maioria roda como Live, direto do seu pendrive e, portanto, não haverá necessidade de formatar e instalar absolutamente nada para ter uma ideia do que cada uma faz.

Nenhuma distro é perfeita. Você vai precisar buscar e instalar (ou comprar) uma ou outra ferramenta.
Se é do tipo que gosta de uma instalação leve e limpa, vai também remover o que não precisa.
A grande vantagem, aqui, é poder começar com metade do caminho já percorrido.

O Projeto Fedora Labs tem, entre suas opções, uma distro chamada Design Suite, com vários softwares voltados para o design.

Se você prefere o jeito da Canonical de fazer as coisas, pode ficar feliz e satisfeito com o Ubuntu Studio.
Para a fotografia, a distro destaca o Darktable e o Shotwell.

Além destas, destacam-se a io GNU/Linux e IRO OS.
Ambas são voltadas criação e produção de conteúdo multimídia (imagens, áudio e vídeo).
O IRO OS é feito pensado na portabilidade, ou seja, para rodar de um pendrive. Mais pra baixo, explico por que não gosto desta opção, mas… enfim, trata-se de uma opção.

No resto deste post, vou falar sobre como configurar a sua distro atual, instalando apenas os programas que você vai precisar.

O estúdio de fotografia pronto

Existe muita coisa nesta área que pode ser encontrada direto nos repositórios da sua distro.
Segue uma relação de pacotes de softwares, sugeridos:

  • Argyll — “Sistema de Gerenciamento de Cores, calibrador e perfilador.”
    Trata-se de software ainda experimental e é compatível com o ICC.
    Dá suporte “à criação precisa de perfis ICC para scanners, impressoras CMYK, filmadoras e calibração e perfilamento de displays.
  • Dispcalgui — Interface gráfica para o Argyll
  • icc-profiles-free — Editor de perfis ICC.
  • Darktable e RawTherapee — Softwares de edição de imagens RAW. Saiba mais sobre eles aqui (DarkTable) e aqui (RawTherapee).
  • Entangle — Voltado para fotógrafos que gostam de trabalhar em tethered mode, ou seja, controlar a câmera e a sessão de fotos a partir do computador.
  • GIMP, gimp-data-extras, gimp-gap, gimp-plugin-registry, gimp-ufraw — Editor de fotos GIMP e vários plugins.
  • Phatch — Utilitário GUI para processar fotos em lote. Tem suporte a todos os formatos de imagem mais comuns.
    Pode ser usado para redimensionar, rodar, aplicar perspectiva, sombras etc. em inúmeras fotos, de uma só vez.
  • Rapid Photo Downloader — Aplicativo para importar grande quantidade de fotos de múltiplas câmeras, cartões de memórias e outros dispositivos de armazenamento.

Na linha de comando, rode o comando apt (Debian), para instalar:


sudo apt install argyll, darktable, dispcalgui, entangle, gimp, gimp-data-extras, gimp-gap, gimp-plugin-registry, gimp-ufraw, icc-profiles-free, phatch, rapid-photo-downloader, rawtherapee

Se você usa o Fedora, rode o dnf:


sudo dnf install argyll, darktable, dispcalgui, entangle, gimp, gimp-data-extras, gimp-gap, gimp-plugin-registry, gimp-ufraw, icc-profiles-free, phatch, rapid-photo-downloader, rawtherapee

Como encontrar mais

Há muitas outras opções de softwares.
Alguns são redundantes em relação a estes.
Outros são complementares.
No Debian e no Fedora, rode o seu gerenciador de pacotes padrão (apt ou dnf) acompanhado da opção ‘search’:


sudo apt search photography

A busca também pode ser feita na GUI.
Abra o gestor gráfico de instalação de aplicativos para obter mais opções de software para instalar.
pop shop photography search

Acima, captura de tela do gerenciador do POP OS (POP Shop), com a busca pelo termo ‘photography’.
Use outros termos, para encontrar conteúdo relevante para você.

Configure o Ubuntu para ser um estúdio profissional de edição e manipulação de suas fotografias

Entre os diversos sabores do Ubuntu, a Canonical distribui uma versão chamada Ubuntu Studio, voltada para a criação multimídia.
A depender do que você pretende fazer, esta pode ser a melhor opção para você

Os links de download estão agrupados, na sessão de referências, ao final do texto.
O “problema” do Ubuntu Studio é que você pode sentir que “tem coisas demais” dentro dela.
Por exemplo, softwares e bibliotecas gráficas para criar e manipular conteúdo de áudio ou vídeo, se não pretende usar, vão apenas ocupar espaço inútil no seu sistema e podem, até mesmo, torná-lo um pouco mais lento.

A distro vem equipada com o kernel de baixa latência (low latency), para otimizar a produção de conteúdo multimídia.

O Ubuntu Studio é semelhante ao Fedora Design Suite que também oferece um ambiente completo de criação.

Neste post, contudo, vou mostrar como instalar no seu Ubuntu apenas o set de ferramentas para fotografia, do Ubuntu Studio.
Desta forma, todas as distribuições GNU/Linux, baseadas nesta distribuição (POP OS, KDE NEON, Linux Mint etc) podem receber estes pacotes voltados para a produção fotográfica.
Escrevi sobre o Ubuntu 18.04 e como instalar softwares de edição rapidamente, neste post. Por favor leia também! 😉

O metapacote ubuntustudio-photograpy

Você pode instalar um a um os itens do metapacote, através da interface gráfica (GUI), ou pode abrir um terminal e rodar o apt:


sudo apt install ubuntustudio-photography 

Este comando irá instalar os seguintes pacotes no seu sistema:

argyll, darktable, dispcalgui, entangle, gimp, gimp-data-extras, gimp-gap, gimp-plugin-registry, gimp-ufraw, icc-profiles-free, phatch, rapid-photo-downloader, rawtherapee.

Merecem destaque os seguintes itens:

Fora deste metapacote, recomendo a instalação também do Shotwell, que pode facilitar subir suas fotos para o seu site pessoal ou para as suas redes sociais, além de ajudar a catalogar e organizar seus arquivos de imagens.
instalar shotwell

Faça uma busca por ‘photography’ ou ‘fotografia’ no programa de instalação de aplicativos da sua distro, para descobrir mais opções.

Referências

Site de download do Ubuntu Studio: https://labs.fedoraproject.org/pt_BR/design-suite/.
Site de download do Fedora Design Suite: https://ubuntustudio.org/download/.
Mais textos sobre fotografia e edição de imagens no Linux: https://elias.praciano.com/?s=imagem+raw+fotografia.

Plug ins para lidar com imagens RAW no GIMP

O GIMP tem suporte padrão a imagens RAW, mas sabemos que este tipo de arquivo pode variar suas especificações em função da marca e modelo da câmera. Alguns fabricantes se recusam a compartilhar informações sobre a forma como gravam seus arquivo em formato bruto, o que dificulta criar condições de leitura para os softwares mais atuais.
Usuários Windows, podem encontrar plug ins ou extensões disponíveis no site do registry.

Quem usa Linux, encontra tudo nos repositórios oficiais da sua distro.
Neste post, vou me referir especificamente a 2 destes plug ins: gimp-ufraw e gimp-dcraw.

O gimp-dcraw

Desenvolvido por David Coffin, o plug in permite carregar fotos digitais RAW (imagens brutas ou “cruas”) da sua câmera, para serem manipuladas dentro do GIMP.
É o mesmo autor do dcraw e gphoto2.
O plug in (bem como o utilitário dcraw) suporta imagens brutas das câmeras das marcas Canon, Kodak, Olympus, Nikon, Fuji, Minolta e Sigma.
Visite o site http://www.cybercom.net/~dcoffin/dcraw/index_pt.html (em portuguẽs) para obter mais informações sobre o software.
O site http://www.cybercom.net/~dcoffin/dcraw/index.html#cameras tem uma lista de câmeras suportadas pelo dcraw.
Se a sua não estiver listada, o autor recomenda tentar acessar as fotos brutas mesmo assim.
A minha não está listada (Fuji Finepix SL 1000) e funcionou sem problemas pra mim.

O gimp-ufraw

Baseado no plug in anterior, é uma ferramenta de “importação de dados não processados (em inglês, “raw”) de câmeras digitais de ponta”.
O nome quer dizer “Unidentified Flying Raw” (UFRaw), ou seja “RAW Voador Não-identificado” (bem humorado, não é?). 😉
Sua função é converter e permitir ao GIMP manipular imagens brutas de câmeras digitais.
Também pode ser usado como aplicativo independente, em vez de extensão do GiMP.
Veja abaixo, como fazer a instalação independente do aplicativo.
O UFRaw “lê a maioria dos formatos não processados existentes usando o utilitário de conversão de dados não processados DCRaw de Dave Coffin e dá suporte ao gerenciamento de cores básicas usando Little CMS, permitindo ao usuário aplicar perfis de cores”.
Se você é usuário Windows, pode fazer o download neste site: http://ufraw.sourceforge.net/Install.html.

Instalação para Linux

O pessoal do Linux, pode baixar os plug ins e/ou aplicativos dos repositórios oficiais de suas distribuições.
No Debian e no Ubuntu, use o apt, para fazer a instalação:


sudo apt install gimp-dcraw gimp-ufraw

Se preferir (opcionalmente) usar os softwares fora do gimp, como aplicativos separados, instale os seguintes pacotes:


sudo apt install dcraw ufraw

O melhor programa de edição de imagens pode estar bem embaixo do seu nariz. E de graça!

Muitas pessoas não sabem, mas a sua câmera nova vem com um CD/DVD contendo, além dos drivers para o sistema operacional, alguns programas utilitários para usar com a sua câmera.
Se você perdeu o CD/DVD ou adquiriu um equipamento usado, refurbished ou reembalado, os softwares podem ser baixados do site do fabricante, como irei mostrar no decorrer deste texto.

Muitos fabricantes distribuem programas de edição de imagens que permitem, às vezes, trabalhar muito melhor as imagens RAW de suas câmeras.
É bem verdade que estes softwares não são completos, como o Photoshop, o GIMP etc.

Por outro lado, eles têm uma grande vantagem: uma vez que falam a linguagem nativa da sua câmera, oferecem alguns recursos de manipulação ou leitura das imagens RAW que não estão presentes nos grandes softwares, que são genéricos — para atender as demandas de vários formatos, marcas/modelos e necessidades de usuários.

Como usuário Linux, não tenho o hábito de procurar programas em “sites da Internet”.
Só baixo softwares dos repositórios (“lojinhas” de apps) específicos da minha distribuição ou dos sites oficiais dos fabricantes/desenvolvedores.
Quase sempre são gratuitos, mas não tenho problemas para pagar pelos meus softwares, desde que os valores sejam racionais.

Veja o que a fabricante da sua câmera, reservou de graça para você, a seguir.
Infelizmente, não pude encontrar softwares de manipulação de imagens dos fabricantes para Linux.
Portanto, este é o primeiro post do site voltado apenas a usuários Windows e MacOS. Espero que, pelo menos, seja útil. 😉

Canon e o programa profissional de edição de imagens

A Canon oferece em DVD/CD ou para download em seu site o Digital Photo Professional (DPP), desenvolvido pela própria empresa para manipular imagens RAW (especialmente .CRW, .CR2 e, provavelmente, .CR3).
O software é equipado com funções de ajuste de imagem, no formato do Picture Style (outro programa da empresa).

O próprio Picture Style pode ser usado para edições mais rápidas, se quiser. O primeiro, contudo, é o mais completo.

Onde baixar:

Infelizmente, não encontrei os programas para baixar no site da Canon Brasil (e precisa?). Se você tiver alguma informação sobre isso, por favor me avise nos comentários.

Nikon Capture NX-D

Depois que passei “horas” no site da Canon (Brasil, Portugal e USA), procurando por softwares, fiquei muito feliz em encontrar (em menos de 1 minuto) a sessão de download de softwares da Nikon.

O Capture NX-D é uma aplicação de processamento de imagens RAW não-destrutiva, que faz uso de um sistema sidecar, para gravar os ajustes feitos em arquivos .NEF ou .NRW.
Por ser não-destrutivo, você sempre poderá reprocessar suas imagens, a partir das originais.

Onde baixar:

“O software de processamento de fotografias Capture NX-D permite que você realize todo o potencial da sua câmara digital e lentes Nikon, produzindo imagens com a qualidade inultrapassável idealizada pelos desenvolvedores da Nikon.
Oferece funcionalidades concebidas especificamente para pós-processamento de imagens RAW num formato intuitivo e de fácil utilização.
Além de processar RAW, pode ser usado para melhorar as imagens TIFF e JPEG tiradas com câmeras digitais da marca através de ajustes do brilho, contraste, curvas de tom e muito mais.”

Outra surpresa boa, no site, foi ver que os softwares têm atualizações periódicas — sendo que a última vista foi há 2 semanas atrás (em relação à data deste post).

Olympus Viewer

Apesar do nome, o programa é bem mais do que um “visualizador” de imagens.
Trata-se de um aplicativo avançado para fotógrafos profissionais.
Tem todas as funções de edição encontradas em aplicativos desta categoria — rotação, inversão, correção automática de tons, curva de tons, gamma, balanço de cores etc.
Inclui recursos de edição de arquivos em lotes e trabalha com as imagens RAW da sua câmera.
olympus viewer3

Para fazer o download, vá até o site oficial e registre a sua câmera. Em seguida, basta clicar no botão “Baixar”.

Sony e Capture One

Este aplicativo não é desenvolvido pela Sony, custa US$ 20,00/mês ou US$ 299,00 para aquisição… mas, para proprietários de câmeras da marca, o preço pode ficar em apenas 50 dólares.
O programa Capture One Sony é um editor de imagens adaptado para conversar com as câmeras Sony e, por isso, disponibilizado para os clientes da empresa.
Neste caso, trata-se de um aplicativo que “conversa nativamente” (exclusivamente) com uma determinada marca de câmeras, como os outros de que falei anteriormente
Infelizmente, não é grátis.
Antes, verifique aqui, se sua câmera é suportada pelo software.

Onde baixar:

O site oferece uma versão trial, gratuita por 30 dias, do Express. Após este período, é sugerido que se faça um upgrade.
Enfim, se você tem uma câmera Sony atual e pretende adotar uma solução profissional, como o Lightroom ou Photoshop, o Capture One pode ser uma opção bem melhor e com um custo benefício imbatível.

Se levar em conta que esta alternativa dispensa a compra de outros softwares, pode-se dizer que representa uma economia significativa de dinheiro, com certeza.

Conclusão

Como já havia explicado no post GIMP: O primeiro passo na edição de imagens, antes de começar a gastar dinheiro, vale a pena explorar as alternativas gratuitas — principalmente, quando muitas delas já estão ao nosso redor e prontas para o uso.

Racionalize os seus gastos e obtenha resultados melhores.

Se você se satisfaz com as edições básicas, presentes no Instagram, por exemplo, com certeza não irá precisar gastar seu tempo com uma “curva de aprendizagem” acentuada em manipulação de imagens.
Basta transferir as fotos para o celular e subir para o Instagram.

Leia também Como transferir imagens do seu PC direto para o Instagram.

Instale o Darktable para trabalhar profissionalmente com suas fotos

Como mesa de luz e sala escura virtual para fotógrafos, o Darktable gerencia seus negativos digitais em uma base de dados e, ainda, permite que você as veja por uma mesa de luz com zoom.

O programa trabalha com imagens “brutas” ou “cruas” (RAW), com opções de edição.
Dispõe, ainda, dos modos mapa para geotagging, tethering, impressão e show de slides.
O Darktable suporta a maioria das câmeras modernas — a melhor maneira de descobrir se a sua funciona é experimentar.

Junto com o Shotwell, o GIMP e o RawTherapee, o programa ajuda a compor uma máquina voltada ao uso profissional de um fotógrafo.
“A interface é construída usando cache eficiente de metadados de imagens e mipmaps, todos armazenados numa base de dados.”
Mesmo que a imagem ainda não tenha sido carregada completamente, em sua máxima resolução, o usuário já pode começar a interagir com o que já estiver apresentado na tela.

O Darktable tem recursos de edição não destrutiva e opera apenas sobre os buffers e não sobre as imagens propriamente.
Na exportação, as edições são gravadas na imagem, para ser salva em disco.

A interface é escrita em gtk+/cairo com o uso de banco de dados sqlite3.
Tem suporte a HDR (High-Dynamic Range), bem como a formatos e arquivos populares, como o JPEG.
O carregamento das imagens brutas fica por conta do rawspeed.

O Darktable é indicado para uso de fotógrafos profissionais, para imagens científicas e saída de renderizadores.

Instalação do Darktable

Se você usa Windows, pode encontrar o instalador aqui: https://github.com/darktable-org/darktable/releases/download/release-2.4.1/darktable-2.4.1-win64.exe.

As principais distribuições Linux tem a versão estável disponível nos seus repositórios.
Portanto, o aplicativo pode ser encontrado na “loja de apps” da sua distro GNU/Linux favorita.

darktable linux install

Se preferir instalar pela CLI, abra um terminal e digite (Debian/Ubuntu):


sudo apt install darktable

darktable linux