Use o exiftool para extrair detalhes sobre seus arquivos multimídia

O exiftool é uma ferramenta CLI, que pode ser usada para obter informações de diferentes tipos de arquivos de áudio, imagem e vídeo.
Pode também ser usado para alterar ou acrescentar novos dados meta em seus arquivos.

Neste post, vou mostrar como a ferramenta pode ser usada para extrair algumas informações.
Usarei como exemplo alguns arquivos de imagem RAW, mas os princípios são os mesmos para outros tipos de arquivos, tais como JPEG, MP3, FLAC, AVI, MPEG etc.

Consulte o manual (man exiftool) para obter uma lista de tipos de arquivos suportados — são aproximadamente 200.

Relação de tipos de arquivos suportados pelo exiftool
Clique para ver detalhes.

Quem tem vários arquivos de áudio (MP3, OGG, FLAC etc) pode editar nomes de autores, de álbum etc dentro dos arquivos. Estas informações (meta tags ou etiquetas meta), em geral, são lidas e exibidas no visor do seu MP3 Player.
Nas câmeras, estas informações são armazenadas nos arquivos “crus” ou nos JPEGS — e costumam dar informações importantes como data, local, distância focal da lente etc. relacionadas às suas fotos.

Canon JPEG meta tags
Clique para ver detalhes.

O acesso a estas informações ajuda o seu sistema a organizar arquivos de mídia a partir das informações contidas neles.

Como obter informações de arquivos de mídia a partir do exiftool

No gerenciador de arquivos Nautilus, estas informações podem ser obtidas sem o uso do exiftool. Para isso, selecione o arquivo e tecle Ctrl + Enter sobre ele. As meta tags costumam ser listadas na última aba do painel de informações do arquivo.

Na CLI (linha de comando), o programa oferece uma interface e um uso bem simplificado. Basta executá-lo, seguido do nome de um arquivo:


exiftool img_4380.cr2

No exemplo, acima, rodei o exiftool em um arquivo de imagem RAW da Canon.

O comando grep pode ajudar a refinar o resultado, listando apenas as informações que se deseja obter. No exemplo, a seguir, o comando é usado para extrair a informação sobre a duração de uma música, de um arquivo MP3.


exiftool ~/Música/Chico\ Buarque/Caravanas/04\ -\ Jogo\ de\ Bola.mp3 | grep -i duration

Duration                        : 0:02:51 (approx)

Para obter informações de arquivos de vídeo ou imagem siga a mesma lógica.
Abaixo, veja como obter informações sobre a lente usada para tirar uma foto:


exiftool ./06/05/img_4380.cr2 | grep -i lens

Lens Type                       : Canon EF 17-35mm f/2.8L USM or Sigma Lens
Lens Info                       : 30mm f/?
Lens Model                      : 30mm
Lens Serial Number              : 0000000000
Lens                            : 30.0 mm
Lens ID                         : Sigma 30mm f/1.4 EX DC HSM
Lens                            : 30.0 mm (35 mm equivalent: 47.2 mm)

A ferramenta pode ser usada também para levantar dados de arquivos remotos, em sites da Internet. Para isto, você usa o piping acompanhando o comando do curl, assim:


curl -s https://assets.ubuntu.com/v1/8dd99b80-ubuntu-logo14.png | exiftool -fast -

ExifTool Version Number         : 11.00
File Type                       : PNG
File Type Extension             : png
MIME Type                       : image/png
Image Width                     : 540
Image Height                    : 243
Bit Depth                       : 8
Color Type                      : RGB with Alpha
Compression                     : Deflate/Inflate
Filter                          : Adaptive
Interlace                       : Noninterlaced
SRGB Rendering                  : Perceptual
Background Color                : 255 255 255
Pixels Per Unit X               : 2834
Pixels Per Unit Y               : 2834
Pixel Units                     : meters
Modify Date                     : 2011:06:28 17:04:37
Image Size                      : 540x243
Megapixels                      : 0.131

3 maneiras de assistir ao Netflix no Linux

O grande problema do Netflix é a “necessidade” da companhia de proteger o conteúdo contra cópia ilegal.
Em virtude disto, ela cria uma série de dificuldades que, se não são intencionais, são consequência desta “paranoia antipirataria”.
netflix front page
No smartphone Android, a Netflix impede que tiremos screenshots da tela do app — o que dificulta que muitos usuários compartilhem o que estão vendo nas redes sociais.
Softwares com DRM criam situações de risco à sua segurança e você provavelmente deveria avaliar melhor se realmente precisa do Netflix para assistir ao seu conteúdo favorito.
De qualquer maneira, uma destas 3 opções deve servir para você:

  1. Google Chrome — este foi o primeiro navegador a adicionar suporte total a execução de mídias através do Netflix. Qualquer versão atual dele fará o trabalho.
  2. Mozilla Firefox — adicionou suporte ao Netflix após a versão 51.
  3. Use uma máquina virtual… — na minha opinião, esta é a opção mais complicada. Mas, se você já faz uso de uma máquina virtual para rodar o Windows dentro, não custa mesmo nada instalar o app nativo do Netflix para aquela plataforma.

Referências

http://www.makeuseof.com/tag/watch-netflix-linux-4-tricks/.

Como instalar codecs no Debian

Um codec é um dispositivo ou programa de computador que tem a capacidade de codificar ou decodificar sinais ou fluxos de dados digitais.
A palavra codec é um portmanteau para (em inglês) compressor-decompressor”.
Como um programa, um codec não deve ser confundido com um código, um formato de compressão ou um padrão.
Tecnicamente, um codec é um programa capaz de ler e alterar estes tipos de arquivos.
No dia a dia, contudo, nos referimos aos “codecs” como formatos de arquivos.
debian logo jessie

A instalação dos codecs

Muitos codecs são distribuídos envoltos em patentes ou licenças restritivas.
Por isto é que o Ubuntu, o Debian e vários outros sistemas operacionais, na instalação padrão, vêm sem estes itens.
O Debian é distribuído em várias versões e sabores.
A versão oficial do Debian Stable, contudo, só contém software livre.
Ainda assim, codecs para reprodução e gravação de MP3, AAC e H264 estão disponíveis em bibliotecas, tais como a libav e ffmpeg.
Ou seja, se você instalar players de áudio/vídeo como o Mplayer e o VLC, os codecs serão automaticamente baixados e instalados.

Resumindo, ao instalar um programa de reprodução de arquivos multimídia, a partir dos repositórios do Debian, diversos codecs serão instalados automaticamente, na medida em que forem requeridos pelo programa, cuja instalação você requisitou.

Qualquer codec que você for precisar, provavelmente já terá sido instalado pelo seu player favorito.
Se, ainda assim, houver algum que você precise e não esteja disponibilizado pelo seu media player, é possível instalar alguns pacotes extra, conforme é explicado, a seguir.

linux vlc player h.265 codec
O VLC Player é capaz de reproduzir, nativamente, vídeos codificados com os mais avançados métodos e codecs.

As instruções foram testadas em um sistema Debian 9 Testing (Stretch) e consistem na instalação da libavcodec-extra, uma biblioteca alternativa ao libav/ffmpeg, a que nos referimos anteriormente.
Os pacotes de codecs extra são os seguintes:

  • OpenCORE Adaptive Multi-Rate (AMR) Narrow-Band (AMRNB Encoder/Decoder)
  • OpenCORE Adaptive Multi-Rate (AMR) Wide-Band (AMRWB Decoder)
  • Android VisualOn AAC (AAC Encoder)
  • Android VisualOn Adaptive Multi-Rate (AMR) Wide-Band (AMRWB Encoder)

Você pode obter mais informações sobre o pacote, usando o comando ‘apt show’. Veja um exemplo:

apt show libavcodec-extra

Observe, na descrição abaixo, o pacote contém as bibliotecas do FFmpeg somado a outros codecs — o que dá suporte “aos formatos dos mais antigos e obscuros aos mais atuais”.

Package: libavcodec-extra
Version: 7:3.1.3-1
Priority: extra
Section: libs
Source: ffmpeg
Maintainer: Debian Multimedia Maintainers <pkg-multimedia-maintainers@lists.alioth.debian.org>
Installed-Size: 75,8 kB
Depends: libavcodec-extra57
Homepage: https://ffmpeg.org/
Tag: role::shared-lib
Download-Size: 42,1 kB
APT-Sources: http://ftp.br.debian.org/debian stretch/main amd64 Packages
Description: FFmpeg library with extra codecs (metapackage)
 FFmpeg is the leading multimedia framework, able to decode, encode, transcode,
 mux, demux, stream, filter and play pretty much anything that humans and
 machines have created. It supports the most obscure ancient formats up to the
 cutting edge.
 .
 This metapackage depends on the latest version of the libavcodec variant
 that offers additional codec support. Application packages can depend
 on it if they require or suggest this variant in a robust manner.

Use o apt para instalar o pacote:

apt-get install libavcodec-extra

Saiba por que não se deve instalar pacotes de codecs de terceiros

A documentação oficial do Debian não recomenda o uso destes pacotes. Use-os por sua própria conta e risco.

Você pode acabar com um sistema quebrado e o uso deste método é fortemente desencorajado pelo time de desenvolvedores do Debian.
A documentação oficial (link no final), elenca ainda mais motivos para evitar estes pacotes.
O conteúdo destes repositórios não passa por testes tão intensos quanto o que se encontra no arquivo oficial Debian.
Pacotes de terceiros podem ter os seguintes problemas (entre outros):

  1. Conflitos entre os pacotes de terceiros e os pacotes dos repositórios oficiais.
  2. Atualizações mal feitas entre uma versão do Debian e outra.
  3. Você pode ter dificuldades para remover pacotes de terceiros, após a sua instalação.
  4. Durante a remoção, pacotes não relacionados e importantes para o funcionamento de outros aplicativos podem ser removidos acidentalmente.
  5. Pacotes de terceiros frequentemente sobrepõem ou ignoram as configurações locais do seu sistema.

Portanto, se não sabe o que está fazendo, não prossiga.
Você foi avisado.


Ainda assim, sabemos que alguns codecs só podem mesmo ser encontrados em repositórios de terceiros — e pode haver variadas razões para não terem sido incluídos no Debian.
Problemas de licenciamento são os obstáculos mais comuns para a sua inclusão.

Como instalar pacotes de codecs de terceiros no Debian

Há, pelo menos um item extra disponível para as arquiteturas amd64 e i386 que não é disponibilizado no repositório Debian.
Para a arquitetura amd64, o pacote é o w64codecs. Para o i386, é o w32codecs.
Este pacote oferece suporte a poucos e raros codecs, usados unicamente pelo xine e o Mplayer.
Se você usa nenhum destes dois players, então você definitivamente não precisa destes itens.
Uma das formas de obtê-los é configurar o sources.list para buscar softwares no repositório deb-multimedia.org.
Muitos usuários têm reclamado de problemas ao instalá-lo por este método.
O método recomendado de instalação é através do download específico do pacote que contém o codec desejado.
Segue o procedimento para baixar e instalar na arquitetura de 64 bits:

wget http://www.deb-multimedia.org/pool/non-free/w/w64codecs/w64codecs_20071007-dmo2_amd64.deb
dpkg -i w64codecs_20071007-dmo2_amd64.deb

… ou na arquitetura de 32 bits:

wget http://www.deb-multimedia.org/pool/non-free/w/w32codecs/w32codecs_20110131-dmo2_i386.deb
dpkg -i w32codecs_20110131-dmo2_i386.deb

Não esqueça que o procedimento acima pede privilégios administrativos.

Referências

https://wiki.debian.org/MultimediaCodecs.

Instale a versão para Wayland do mplayer 2

Se você já está usando e testando o Wayland, pode querer experimentar algumas versões de programas específicas para este servidor gráfico.
Neste post vou mostrar como baixar o código fonte da versão escrita para Wayland, do mplayer2 — escrita por Alexander Preisinger.
wayland logo 640px
Traga o código do GIT:

git clone https://github.com/giselher/mplayer2-wayland.git

Agora, entre no diretório criado e rode o configure:

cd mplayer2-wayland
./configure --prefix=$prefix --enable-wayland --enable-debug --disable-x11

Faça a instalação:

make
make install

Agora teste o aplicativo instalado, rodando um dos seus filmes:

mplayer -vo gl $meufilme-favorito.mp4

Como informação de adicional, o procedimento descrito foi testado no sistema Debian 9 “Stretch” testing, rodando o GNOME sobre o Wayland.
Não havia outra versão do mplayer instalada no sistema — portanto, embora as duas versões devam conviver bem, eu não sei se isto realmente ocorre.
Boa sorte!

Grave seus DVD’s mais rápido no Ubuntu

Esta dica é para quem usa o Brasero, um dos aplicativos para gravação de DVDs do Ubuntu.
Se você já se perguntou por que o Brasero é um pouco lento para gravar os arquivos, a resposta é que ele é pré-configurado para realizar algumas tarefas que outros aplicativos gravadores de CD/DVD não realizam — Estou falando da criação e gravação da imagem checksum, que é feita durante o processo de gravação da mídia.
O checksum da imagem da mídia é criado para verificar e certificar que todos os dados transferidos e gravados sejam rigorosamente idênticos aos originais.
É formado por um número, resultado de um cálculo envolvendo os dados que serão gravados na imagem de disco (.ISO). Dados diferentes vão gerar resultados diferentes, chamados md5.
Assim, o checksum dos dados originais deve ter o mesmo número md5 que aquele tirado dos dados gravados na mídia ou na imagem .ISO — o que evidencia que ambos são iguais e que os dados foram transferidos/gravados corretamente, portanto.
Contudo, esta verificação, diante da precisão dos atuais gravadores, geralmente não é necessária.
Portanto, é seguro desabilitar esta função do programa, para ganhar uma redução do tempo de gravação, que pode chegar a 60%, para a maioria das suas tarefas de gravação de DVDs.
Se você quiser, pode habilitar o recurso quando estiver para gravar backups de arquivos mais importantes. Neste caso, é justo querer se certificar de que poderá contar com suas cópias de segurança, quando você mais precisar delas.

Como desabilitar a verificação do checksum no Brasero

Brasero edit plugins
Abra o menu Editar e selecione Plug-ins.
Em seguida, desabilite os plug-ins Arquivo de checksum e Checksum da imagem.
O primeiro é responsável pela criação do checksum e o segundo pela verificação.
Feito a desativação deles, clique em Fechar e experimente gravar seu próximo disco.