Como reparar danos na lente da câmera do seu smartphone

Alguns aparelhos recentes tem recebido críticas dos usuários (e dos reviewers) relacionadas ao fato de a câmera traseira estar mais exposta a arranhões e possíveis quebras.
O que acontece — mais notadamente nos aparelhos Lenovo/Motorola Moto G4, Moto G5 e Moto Z — é que a câmera é levemente projetada para fora. Com isso, ela fica mais vulnerável à situações corriqueiras, do dia a dia — como simplesmente pousar o telefone sobre uma mesa.
Ao contrário da tela principal, a lente da câmera da maioria dos aparelhos não é à prova de arranhões.
Há várias situações em que você pode causar danos severos e irreversíveis a esta peça:

  • manter chaves ou outros objetos contundentes, ao lado do celular no bolso,
  • derrubar o aparelho,
  • repousá-lo sobre uma superfície dura ou áspera etc.

lente arranhada camera

Eu sou da turma que detesta usar bumpers e “capinhas” protetoras em celular. Aliás, sou super cuidadoso com minhas coisas.
Mas nestes casos específicos, acredito que a necessidade está acima dos meus conceitos particulares de estética.

Uma vez danificado, o vidro externo poderá causar um comportamento “errático” da câmera.
O sistema de autofoco pode “pensar” que um simples risco é um objeto próximo — e, consequentemente, irá acionar a função macro. Com isso, a imagem de objetos “não-próximos” ficará borrada ou desfocada.
Você pode contornar este comportamento, desligando o foco automático ou apontando sobre a imagem o local em que o foco precisa estar, claro.

Há soluções para se livrar dos arranhões da lente da câmera do celular?

A resposta curta é “não tem jeito”.
Mas não significa que você precisa trocar o celular, para resolver problema.
Veja como sair desta situação:

  1. Como paliativo, se os arranhões forem mínimos ou se tratar apenas de um risco superficial, é possível usar um método que já foi muito usado no tempo dos CDs e DVDs.
    Ele consiste em:

    • passar uma pequena quantidade de pasta de dente sobre a superfície arranhada do vidro.
    • esfregar levemente com o dedo e depois limpar cuidadosamente, para não permitir a entrada de água no dispositivo (o que pode piorar definitivamente a situação)
    • remova os resíduos de pasta de dente e seque o vidro com um lenço de papel
  2. Se você tem talento e ferramentas adequadas para realizar o trabalho, pode substituir o vidro por um novo.
    É possível adquirir a peça online por aproximadamente US$ 4.00.
  3. Leve o aparelho à assistência técnica e peça para um profissional resolver o problema

Como lidar com um celular com o botão Power quebrado

Dos poucos botões físicos presentes em um smartphone ou tablet, o botão Power ou Iniciar é um dos mais importantes.
Ele é responsável pelo desbloqueio/bloqueio, por desligar/ligar o aparelho.
Se ele deixar de funcionar, a situação pode ser complicada.
O ideal, nestes casos, é levar o aparelho à assistência técnica.
As soluções abordadas, neste post, não têm a pretensão de serem definitivas — mas apenas tentar melhorar a situação temporariamente.

Reinicie pelo terminal

Se você tem um aparelho rooteado, pode usar o terminal para facilmente reiniciá-lo.
Se ainda não tiver, instale um aplicativo de terminal no seu dispositivo móvel.
Abra o terminal e digite o comando reboot e aguarde.
Se você usa alguma versão anterior ao 4.2.2 do Android, é possível que este método funcione sem rooting.

Aplicativos que reinicializam o sistema

Há vários aplicativos na Play Store Android.
Android Play Store Screenshot
A (quase) totalidade deles requer que seu aparelho seja rooteado, contudo.
Uma das exceções é o Real Reboot.
Este aplicativo promete reinicializar dispositivos sem root que usem Android, nas versões anteriores ou iguais a 4.2.1 — leia suas instruções de uso com cuidado.

Técnicas para ligar o celular sem usar o botão de início

Para quem está com problemas no botão de ligar o aparelho, o ideal é não desligá-lo nunca — ou, pelo menos, até conseguir resolver definitivamente o problema.
Para resolver esta situação, há alguns métodos, que variam em função das diversas marcas e modelos. Vamos abordar, a seguir, algumas destas técnicas.
Se o botão Power estiver completamente danificado, o próximo hack não irá servir para você.
Caso o problema do botão seja apenas mau contato, que impede de mantê-lo pressionado pelo tempo necessário para conseguir ligar seu aparelho — mas você ainda consegue ter alguns “resquícios” de contato, esta abordagem pode resolver o seu problema.
Outra coisa: eu não sei se funciona em outros aparelhos desta ou de outra marca. Eu só testei esta solução no Motorola (Lenovo) Moto G 3 e G 4 plus.
Siga o passo a passo:

  1. Com o aparelho desligado, conecte o cabo de força e simultaneamente, pressione o botão de diminuir o volume por alguns segundos.
  2. Vai aparecer a tela do bootloader, que permite realizar diversas operações que podem ser selecionadas com os botões de aumentar/diminuir o volume.
  3. A que queremos realizar é a operação START padrão.
    Para conseguir selecionar esta opção será necessário ter um mínimo (um “restinho”…) de contato no botão Power do aparelho.
    Vá apertando o botão em várias direções, com calma, até conseguir o contato.

Motorola Moto G 3 menu de serviços
Se tudo der certo, o seu aparelho irá iniciar graciosamente.
Se você tem um Samsung Galaxy, o método que segue pode funcionar para você.
Siga os passos:

  1. Com aparelho desligado, remova a capa traseira, deixando exposta a bateria do aparelho;.
  2. insira o cabo de força nele e aguarde aparecer o ícone de carregamento da bateria;
  3. quando a tela acender, exibindo o ícone da bateria, remova o plugue de força do celular rapidamente;
  4. imediatamente depois, remova a bateria, o suficiente para desencostá-la dos conectores de metal e a recoloque imediatamente no lugar de novo

Após alguns segundos, o aparelho deverá começar a carregar.
Esta técnica exige um pouco de destreza e você talvez precise praticar um pouco antes de conseguir realizá-lo corretamente.
Você deve ter o cuidado de garantir que a bateria esteja totalmente carregada, antes de iniciar o procedimento.
Veja o vídeo abaixo, para ter uma ideia de como fazer:


Leia outros artigos relacionados à bateria em dispositivos Android

Abra o aparelho e tente limpar as conexões do botão

Caso o aparelho esteja fora da garantia e você não queira gastar dinheiro com a assistência técnica, pode tentar abrir o smartphone para ter acesso ao conector do botão de início.
Eu não recomendo esta solução para quem não tem prática em abrir e consertar equipamentos eletrônicos — embora eu acredite que esta seja a solução mais lógica para o problema.
Se você quiser se arriscar, faça-o por sua própria conta e risco ou leve à assistência técnica (que é mais seguro).

Como desbloquear a tela sem o botão Power

Esta situação parece mais complicada do que realmente é.
O problema é que, comumente, precisamos apertar o botão de desbloqueio para chegar a tela de autenticação — onde você introduz um desenho, uma senha, um número PIN etc.
De certa forma, há 2 desbloqueios a serem feitos — o primeiro é feito com o botão Power.
Se você está com o celular nestas condições, sugiro desativar qualquer senha de acesso.
Este primeiro desbloqueio pode ser feito de outras formas:

  1. Ativando a câmera com um gesto ou através de um botão específico (que esteja funcionando). Depois disto, basta sair da câmera para usar o celular.
  2. Pedindo para alguém te ligar. Neste caso basta recusar a ligação para usar o aparelho.

Use nossa página de busca para encontrar mais artigos sobre o Android

Instalar um aplicativo desenvolvido para desbloquear o celular

Na linha de aplicativos de desbloqueio físico, há alguns que usam os sensores do aparelho para desbloqueá-los e permitir que o usuário se autentique.
Um deles é o Gravity Unlock.
Veja o vídeo para entender como ele pode ajudar a “despertar” a tela do celular:
.
Espero que algumas (ou pelo menos uma) destas soluções sejam úteis para resolver seu problema.
Se você quiser compartilhar outra solução conosco, sinta-se à vontade para comentar ali embaixo.

Como mover apps da memória interna para o cartão SD

Uma das melhores coisas em um smartphone é a possibilidade de ampliar o seu espaço de armazenamento com mídias externas e removíveis — como os cartões de memória SD.
Entre os tipos de arquivos que mais ocupam espaço estão as fotos e os vídeos em alta resolução.
Aplicativos também consomem uma grande quantidade de memória.
Aparelhos mais populares costumam vir com menos de 8 GB de espaço interno para armazenar o sistema operacional, apps e arquivos.
Se descontar o espaço ocupado pelo Android, junto com aplicativos irremovíveis (bloatware), o que sobra para o usuário instalar seus próprios apps e guardar seus arquivos é muito pouco — não passa de 4 GB, em muitos casos.
Um cartão de memória parrudo pode resolver boa parte destes problemas — mas não todos.

Embora o Android permita ter aplicativos rodando a partir de uma mídia externa, nem todos os aplicativos podem ser movidos — isto depende do desenvolvedor do app.

Como mover um app para o cartão

Aparelhos rodando com Android 5.0 Lollipop, Android 6.0 Marshmallow ou superior permitem que você mova facilmente seus aplicativos da memória interna para o cartão — sem necessidade de rootear o aparelho ou instalar aplicativos de terceiros (não tenho nada contra).
Siga o passo a passo:

  • Abra o menu de configurações e selecione Aplicativos.
  • Em seguida, corra a tela para o app que você deseja mover e selecione-o.

As instruções que seguem, baseiam-se no mapa da figura abaixo.
android passo a passo para mover app para cartão SD
Com o painel de informações do app, que você deseja mover para o cartão SD, na tela, siga o passo a passo:

  1. Toque em Armazenamento para poder ver e editar as opções deste menu.
  2. Note que no canto superior direito da tela, o painel informa qual o local em que o aplicativo se encontra armazenado: Interno.
    Toque em Alterar para mudar isto.
  3. Agora, escolha o novo local de armazenagem: Interno ou Cartão SD.
  4. Leia o aviso com atenção e, se concordar, toque em Mover.
  5. Aguarde, enquanto o sistema reorganiza os arquivos.
  6. Quando o processo termina, ele volta ao painel de Armazenamento.
    Note que, no canto superior direito, ele atualizou o local em que o app se encontra guardado: Cartão SD.

Casos específicos e exceções

O aparelho usado nos testes que ilustram este post, é um Motorola Moto G 3, com Android 6.0 e com o cartão de memória formatado no adoptable mode.
O que vou dizer agora, vale para aparelhos Motorola — mas talvez se aplique a modelos de outras marcas.
Se você usava o Android Lollipop e fez o upgrade (via OTA) para o Marshmallow, as aplicações que você já tinha movido ou instalado no cartão SD, através do recurso padrão da Motorola continuarão a rodar do cartão.
Contudo, não será mais possível, no Android 6.0, mover novos apps para o cartão — e nem a Play Store irá fazer este tipo de instalação.
Para poder fazer este procedimento, será necessário formatar o cartão como armazenamento interno antes.

Quando o aplicativo não aceita ser movido para o cartão SD

Muitos apps não aceitarão ser movidos para o cartão.
Se você está com problema de falta de espaço, a coisa pode ficar ainda mais chata.
Alguns players de música, como o Tunein, Spotify, Deezer, Google Play Music etc. armazenam as músicas em formato criptografado dentro da memória principal — como procedimento padrão.
O problema disto é óbvio: a memória se esgota mais rápido — principalmente se você optou por baixar para ouvir offline ou desconectado da Internet.
Para poder ter o controle de enviar as músicas para o cartão, pode ser necessário adquirir a versão paga do aplicativo.

Como acessar dados do smartphone Android via USB

O acesso a dispositivos Android via USB segue alguns padrões e tem algumas opções ou parâmetros que, por vezes, confundem os usuários iniciantes.
Neste texto, vou abordar as formas mais comuns de acessar um smartphone (ou tablet) Android, a partir do PC, através de uma conexão USB.
Antes de começar, vou esclarecer o leitor sobre os equipamentos e os softwares envolvidos nos meus testes.
marshmallow girl android logo stay puft
No lado do smartphone, trata-se de um Motorola Moto G 3, com o Android 6.0 Marshmallow.
Mesmo que o seu smartphone não seja desta marca e/ou modelo, as informações deste texto são genéricas o suficiente para cobrir a grande maioria dos dispositivos.
Quero acrescentar que o aparelho usa o cartão SD no modo interno de armazenamento — o acesso à memória interna não é possível nesta configuração, portanto.
Do lado do PC, estou usando um notebook com o Debian Linux 8.3 Jessie e a interface padrão Gnome 3 — muito semelhante ao Ubuntu.
Ainda que você use outro sistema operacional, acredito que este post possa ser útil para você, caso você esteja tendo dificuldades básicas para entender como conectar o celular ao PC.

As diferentes formas de acessar o smartphone Android via USB

Do lado do smartphone Android, é importante que você selecione o modo de conexão — o seu computador vai reagir a esta escolha.
Para isto, arraste a barra de status de cima para baixo e toque no ícone de opções de conexão USB, conforme você pode ver na tela 1, abaixo:
android-conexao-usb
Em seguida, você deve selecionar uma das opções de conexão USB, na tela 2.
As opções são usar USB para:

  1. Carregamento apenas — quando você não deseja conexão alguma e quer apenas dar uma carga no seu aparelho.
    O artigo Como melhorar a eficiênica da carga da bateria do seu celular ou tablet aborda este assunto com mais profundidade.
  2. Transferir arquivos (MTP) — O Media Transfer Protocol ou protocolo de transferência de mídia permite que o sistema operacional do seu PC inquira o dispositivo Android e ele responde, oferecendo a lista de arquivos e executando as ações pedidas.
    Este protocolo não permite que o Windows, o Linux ou o Mac tenha acesso direto ao conteúdo do dispositivo Android.
    Esta abordagem é que permite que você possa acessar um cartão formatado (em ext4) e criptografado de qualquer sistema operacional — o que inclui o Windows, que não tem suporte a este sistema de arquivos mais avançado.
    Você deve usar quase sempre este protocolo — principalmente se quiser ter mais liberdade de escolha na transferência de arquivos.
  3. Transferir fotos (PTP) — O Picture Transfer Protocol é voltado para fazer a transferência mais eficiente de imagens e vídeos.
    O MTP é um protocolo baseado no PTP, com a adição de recursos.
  4. MIDI — esta opção de conexão é voltada para uso com teclados externos e outros dispositivos, como amplificadores, microfones, speakers etc.

O ajuste do lado do PC

Do lado do PC, os ajustes são mínimos.
O máximo que você precisa fazer é clicar para montar o dispositivo — quando isto não for automático.
montar e abrir dispositivo USB no Gnome 3
Com a minha configuração (no Android), só será possível enxergar os dados através dos protocolos MTP e PTP.
Ao selecionar o segundo protocolo de acesso (no telefone), as pastas específicas de imagens e vídeos serão apresentadas.
Captura de tela de 2016-03-17 16:49:26
O protocolo MTP, em dispositivos que usam o cartão no modo portátil ou portable mode, irá exibir uma tela com acesso à memória de armazenamento interno e ao cartão SD.
Em dispositivos com o cartão formatado como “adopted mode“, internal mode ou modo interno, só é possível acessar o cartão.
Acesso ao cartão de memória via USB

Guia de uso da câmera do Moto G

Este guia tem como referência a câmera do smartphone Motorola Moto G da 3a. geração (de 2015), com o Android 6.0 Marshmallow instalado.
Ainda assim, as instruções do guia se aplicam a outros modelos atuais da marca — ressalvadas algumas pequenas diferenças.

O foco deste texto se restringe ao aplicativo de câmera nativo da Motorola — embora haja várias outras boas opções no Google Play Store.
Neste guia, faremos abordagem a alguns problemas e soluções comuns. Veremos também algumas dicas sobre como fazer o melhor uso dos recursos presentes no app.
Motorola - a Lenovo Company

O som do obturador do app da câmera do Moto G

Se o que eu disser aqui não for o suficiente para você, leia post sobre Como silenciar a câmera do celular — onde o tema é abordado de maneira mais abrangente.
Existe uma tendência mundial dos fabricantes para suprimir a opção de silenciar o obturador.
Motorola Moto G 3a. geração
O fato é que há leis neste sentido, em alguns países (como a Coréia do Sul) — em defesa da privacidade das pessoas ao redor.
Sai mais barato para os fabricantes manter a uniformização dos aparelhos — ou seja, vender o mesmo projeto no mundo todo.
Futuras atualizações dos aplicativos de câmera poderão vir sem a opção de remover o som de click ao tirar uma foto.
Eu sei que é chato e que nem todo mundo é “sem noção” ou usa a câmera com desrespeito. Pagam os justos pelos pecadores, infelizmente.
Portanto, se isto é um problema para você, claramente não é um defeito do aparelho — e há várias maneiras de solucioná-lo, conforme o link acima.

Uma solução simples para este problema é ajustar o volume geral do seu aparelho. O obturador da câmera costuma seguir o ajuste do volume da mídia.

Como ativar a câmera no Moto G

Há várias maneiras de ativar a câmera no seu dispositivo.
As mais comuns são as seguintes:

  1. O quick launch consiste no uso de um movimento com a mão: torça o punho 2 vezes com o celular na mão.
    Depois que você dominar este movimento, este é, de longe, o método mais rápido para iniciar o app de câmera da Motorola.
    Este recurso era exclusivo do Moto X e foi incorporado ao Moto G 3, em 2015.
    Motorola Quick Launch Demo
  2. Na tela de bloqueio, arraste o ícone da câmera, do canto inferior direito, para o centro da tela.
    Android - Tela de bloqueio.

  3. Toque no ícone da câmera na tela principal.

O movimento de punho não pode ser atribuído a outro aplicativo de câmera — ele é exclusivo do app da Motorola.

A interface do app de câmera do Moto G

Uma vez iniciada a câmera do Moto G, ela já está pronta para uso.
Tal como nas versões anteriores do aparelho e do aplicativo da Motorola, não existe o “botão” para acionar o obturador.
Para tirar uma foto instantaneamente, basta tocar na tela — em qualquer lugar.
Na parte inferior da interface da câmera, há os ícones para trocar entre a lente dianteira e traseira do aparelho.
À direita, há um ícone para iniciar a gravação de vídeo instantaneamente.
Se você usava um aparelho de outra marca, talvez tenha que se acostumar com esta característica do app: ele já inicia pronto para tirar fotos ou começar a gravar.
Se achar mais confortável, você também pode disparar o obturador, pressionando o botão de volume.
Há outras formas de acionar recursos na interface do app. Você pode arrastar o dedo na tela:

  1. para cima ou para baixo, para ajustar o zoom.
  2. do canto esquerdo para o centro, para ativar o menu giratório de configurações.
  3. do canto direito para o centro, para ir para a galeria de fotos recentes.

Veja outros comandos de toque que você pode dar na tela do app da câmera (viewfinder):

  1. Arraste “o alvo” ou “a mosca” para o ponto, na imagem, que você deseja focalizar.
    Se houver um objeto mais próximo e outro mais distante e você deseja que o segundo tenha melhor foco, arraste o alvo para cima dele.
  2. Ao ativar o alvo (com um toque), é possível mover o ajuste de brilho, que fica ao redor dele.
  3. Se mantiver o dedo pressionando a tela, o app vai entender que você deseja tirar várias fotos sequenciais. Modo ideal para fotografar animais, que não param quietos.

Como dica adicional, é possível travar o foco ao manter o dedo pressionado, por alguns segundos, sobre o alvo.
Um pequeno ícone de cadeado irá indicar que o foco estará fixo naquele local.
Mesmo que você movimente a câmera, o objeto sobre o qual você travou o foco, continuará sendo o alvo.
Câmera - travamento do foco.

Os ajustes da câmera Motorola

Como foi dito acima, ao arrastar o dedo do canto esquerdo para o centro, o app exibe o menu de configurações da câmera.
ajustes de menu da câmera do Motorola Moto G 3
Segue os detalhes de cada item da configuração, de cima para baixo:

  • HDR — Liga/desliga a função HDR ou High Dynamic Range, que permite obter melhores imagens em ambientes externos, em condições de luminosidade baixa (ou desafiadora).
    Se tiver curiosidade sobre este modo, leia mais aqui.
  • Flash — Liga/desliga o flash do aparelho, para a câmera principal (traseira).
    No caso da câmera frontal, a iluminação vinda da tela, costuma ser o suficiente para melhorar as condições de tirar uma selfie.
  • Modo noturno — Ativa algumas funções automáticas para melhorar a captura em baixas condições de luminosidade.
  • Modo de captura de vídeo — Permite usar a gravação em 1080p ou Full HD ou em câmera lenta, com resolução HD padrão (720p).
  • Formato da imagem — Ajusta o aspecto ou o formato da foto — 4:3 para monitores CRT antigos e impressão ou 16:9, para monitores atuais. O app irá utilizar a máxima resolução possível para cada formato.
  • Contador — Inicia o contador para tirar a foto.
  • Panorama — Ativa/desativa o modo de foto panorâmica.
  • Localização ou geo tagging — Ativa/desativa a inclusão de dados da sua localização (por GPS) ao tirar a foto.
  • Gravar no cartão SD — quando você tem um cartão SD instalado no aparelho ou não o está usando como armazenamento interno, é possível fazer esta escolha.
  • Som de captura — Ativa/desativa o som do obturador.
  • Gesto para câmera instantânea — Ativa/desativa o uso de gesto para iniciar o app da câmera.

Note que, ao ativar algumas funções, outras podem ser desativadas automaticamente. Um exemplo disto é a função Panorama — que desativa o modo noturno, o HDR e o Flash. Nenhuma destas 3 funções faz realmente sentido, quando se quer tirar uma foto em panorama.
Por fim, saliento que as imagens usadas neste texto não servem como parâmetro para julgar a qualidade da câmera do Moto G 3 — uma vez que foram todas editadas e tiveram sua resolução reduzidas para se adequar à web.
Além disto, nem todas as imagens foram tiradas deste aparelho…