Dell XPS 13 é o melhor laptop para programadores Linux?

A linha de notebooks Dell XPS é uma das mais caras da empresa e, provavelmente, do mercado.
Com acabamento e componentes “de primeira”, contudo, estes equipamentos são as alternativas da Dell aos concorrentes da Apple ou da Sony/Positivo (Vaio), entre outros.

Leves, os notebooks XPS podem ser facilmente carregados de um canto a outro (em casa ou no escritório) — o que favorece as pessoas que gostam ou precisam trabalhar em ambientes diferentes.

Em artigo recente, no LinuxJournal, o colunista Petros Koutoupis fez uma análise do Dell XPS 13 Developer Edition Laptop, um produto do projeto Sputnik da Dell.

O projeto não tem correspondente no Brasil, mas o notebook está lá, presente nos canais de venda da empresa — com algumas diferenças.

O modelo testado por Koutoupis, vendido nos EUA, vem com 16 Gb de memória RAM e Ubuntu 18.04 LTS pré-instalado. No Brasil, a Dell insiste em vender uma máquina incrível como essa, com um sistema operacional ruim (você sabe qual…) — o que significa que vamos ter o (delicioso) trabalho de formatar e instalar o nosso SO preferido.

O review do Dell XPS 13

Sob o ponto de vista do colunista do LinuxJournal, o equipamento apresenta alguns pontos negativos. E vamos falar deles primeiro:

  • Não é um grande problema, mas é desagradável ainda se deparar com a tecla “windows” (tecla Super). Talvez não seja tão caro a Dell nos fazer a gentileza completa, substituindo o layout desta tecla por algo mais agradável.
  • A sensibilidade do touchpad e do touchscreen irão pedir um tempo para você se acostumar. No caso da tela sensível ao toque, pode acontecer de ativar o Dock do Ubuntu involuntariamente, ao ajustar a tela. O mesmo vale para a proximidade das teclas direcionais com as teclas PgUp e Pgdn — pedem um tempo para se acostumar.
  • A posição da câmera, na parte inferior da tela, oferece um péssimo ângulo (de cima para baixo) para você se mostrar para as pessoas. E, se você se preocupa com a privacidade, neste local, não é tão fácil tapar a câmera.
  • Além da entrada para fones de ouvido e cartão microSD, o resto é USB-C. Portanto, planeje a compra de adaptadores, caso pretenda conectar equipamentos antigos ao laptop.
  • Por fim, o autor relatou alguns problemas com o modo hibernação — a maquina não voltava, obrigando-o a desligar e ligar novamente o sistema. Isto significa que você provavelmente terá que fazer alguns ajustes: desligando a hibernação ou estendendo o período antes da suspensão.

Entre os pontos positivos, o autor destacou os seguintes:

  • O design externo — linhas simples e leveza do produto.
  • Tela sensível ao toque, extensa e suporte a 4K.
  • O áudio é de ótima qualidade — o que inclui um microfone que permite realizar videoconferências com total clareza.
  • O consumo de energia é muito bom. Além disso, o laptop permite checar o nível da bateria através de indicadores de led, na parte lateral, sem a necessidade de ligar ou sair do modo de suspensão. O autor deu nota máxima para este quesito.
  • A performance é tudo o que se espera deste produto da Dell — ou seja, é excelente.

conclusões

Koutoupis relatou ter tido uma experiência muito positiva com a máquina &mdash: “é poderosa e plenamente capaz de lidar com todo tipo de situações encontradas por desenvolvedores”.

Por ser leve, oferece mobilidade facilitada, permitindo que você o carregue para todos os lugares e retome o seu trabalho de maneira muito eficiente.

O sistema operacional Ubuntu brilha e mostra perfeita integração ao hardware.

Vale o investimento, de acordo com Petros.

Referências

Artigo de Petros Koutoupis: https://www.linuxjournal.com/content/review-dell-xps-13-developer-edition-laptop.
Página da Dell no Brasil: https://www.dell.com/pt-br/shop/notebooks-dell/novo-xps-13/spd/xps-13-9370-laptop.
Informações sobre o projeto Sputnik: https://elias.praciano.com/2017/06/conheca-o-projeto-sputnik-uma-parceria-entre-a-canonical-e-a-dell-para-oferecer-laptops-com-ubuntu-para-desenvolvedores/.
Outros posts sobre produtos Dell: https://elias.praciano.com/?s=dell+notebook.
Página da loja Dell na Amazon: https://amzn.to/2PuiyuQ.

Qual a diferença entre o Ubuntu que vem instalado nos equipamentos da DELL e o da Canonical?

A Dell e a Canonical trabalham em conjunto para prover os melhores drivers e a máxima compatibilidade entre seus produtos nos laptops e PCs que vêm com o Ubuntu pré-instalado.
Se você quiser ter certeza de que o seu novo equipamento Dell terá compatibilidade com o Ubuntu da Canonical, antes de comprar, verifique a página de certificações oficial da Canonical, no endereço abaixo:
https://certification.ubuntu.com/certification/make/Dell/
Nesta página da Internet, a Canonical exibe os detalhes de hardware (GPU, HDD/SSD, placa de rede etc.) de cada modelo certificado e sua situação em relação ao Ubuntu.
Acontece que equipamentos Dell, certificados pela Canonical, são vendidos com uma versão customizada do Ubuntu pré-instalado — trata-se de uma versão certificada que, garantidamente, irá funcionar naquele equipamento.
de fazer o que quiser com as coisas que comprou.
Este direito se estende, naturalmente, ao seu computador.

O Ubuntu 16.04 LTS Trusty Tahr, que você pode baixar do site da Canonical, não é “exatamente” o mesmo que vem embarcado nos computadores da Dell.
As diferenças estão nos detalhes da configuração do sistema, no kernel e nos drivers que vêm junto.

Em resumo, há diferenças significantes entre os 2 sistemas operacionais:

  • Ubuntu certificado pela Canonical ou Dell OEM Ubuntu para rodar em equipamentos específicos da Dell.
    A Canonical também certifica e modifica o Ubuntu para a instalação em equipamentos de outras fabricantes — como a HP, IBM, Lenovo, Acer etc.
    Entre as várias configurações específicas, o /etc/apt/sources.list aponta para alguns repositórios da Dell.
  • Ubuntu padrão, que baixamos direto da página oficial da Canonical, com configurações genéricas.
    É possível usá-lo em qualquer equipamento, mas você pode ter que se dedicar bastante para conseguir fazê-lo rodar perfeitamente em seu notebook ou laptop Dell.

Para alguns modelos da Dell, a Canonical claramente adverte que não irão funcionar ou irão funcionar mal com a versão padrão do Ubuntu (ou não-certificada).
Nestes casos, não é recomendado trocar o sistema operacional.

Durante a primeira inicialização dos computadores da Dell, com o Ubuntu, o sistema irá pedir um pendrive para gravar o sistema de recuperação.
Com isso, será possível testar outros sistemas e, se você não ficar satisfeito com as mudanças, sempre poderá voltar ao padrão da fábrica.

Veja a animação da pré-instalação do Ubuntu 14.04 LTS em laptops Dell

Conclusão

É da natureza do usuário do Linux querer sempre mais e não se satisfazer com o básico.
Acredito que você tem o direito de instalar o sistema operacional que quiser em seu computador.
Mas prepare-se para ter um trabalho extra para configurar o seu sistema, caso não queira fazer uso do Ubuntu que veio pré-instalado nele.

Proteja o disco rígido do seu notebook Linux contra quedas

Quando um laptop cai no chão, da altura de uma mesa ou da sua cintura, vários de seus componentes pode ser danificados.
Um dos componentes mais sensíveis é o disco rígido (HDD).
O maior problema, neste caso, não são os danos físicos, uma vez que ele sempre pode ser substituído por outro.
O maior problema, ao danificar um HD, é perder todos os seus dados.
O disco rígido é composto de várias peças e partes móveis, como sabemos. Após a queda, quando ele chega ao chão, estas peças funcionam como armas — umas contra as outras.
O braço mecânico e a ponta da cabeça de leitura, podem destruir uma quantidade significativa de dados gravados nos discos, durante o processo de desaceleração brusca — sem qualquer chance de recuperação.
O software que vou apresentar, neste post, trabalha na detecção de situações típicas de queda e “ordena” que o sistema recolha imediatamente os braços de leitura/gravação dos discos rígidos.
A partir daí, as possibilidades de recuperação dos seus dados podem ser bem maiores.
Mesmo que o HD não funcione mais, se os discos ainda estiverem inteiros, ainda será possível entregá-los a uma empresa de recuperação de dados, para tentar extrair e salvar as informações de dentro deles.

O que é o hdapsd

O acrônimo significa Hard Drive Active Protection System — Sistema Ativo de Proteção ao Disco Rígido.
De acordo com a descrição oficial, o HDAPS é um daemon voltado para laptops de diversas marcas que possuam sensores de movimento (motion sensor).
Sua função é proteger o disco rígido do seu sistema, com o monitoramento constante dos valores de aceleração.
Assim que o daemon detecta uma queda ou um deslizamento brusco do seu notebook, ele age, fazendo com que as cabeças de leitura/gravação “estacionem” (parking).

Verifique no manual do seu produto ou pergunte ao vendedor se o seu equipamento possui sensor de movimento. Sem isso, o hdaps é inútil.

A versão atual (20141203) do hdapsd tem suporte às seguintes interfaces:

  • IBM/Lenovo ThinkPad (HDAPS)
  • Apple iBook/PowerBook (AMS)
  • Apple MacBook/MacBook Pro (APPLESMC)
  • HP (HP3D)
  • Dell (FREEFALL)
  • Toshiba (ACPI and HAPS)
  • Acer (INPUT)

No Debian/Ubuntu, é possível obter estas informações (lista, acima), bem como da versão do hdapsd, com o comando apt, antes de instalar:

apt show hdapsd

Se você tem um Lenovo Thinkpad, é recomendado usar o módulo hdaps, que já vem no pacote tp-smapi-dkms ou tp-smapi — que consome menos energia e tem compatibilidade com uma quantidade maior de equipamentos da linha Thinkpad.


Como instalar e usar o hdapsd

O daemon começa a funcionar logo após a instalação.
Para instalar no Debian/Ubuntu, use o apt:

sudo apt install hdapsd

O arquivo de configuração padrão, pode ser encontrado em /etc/hdapsd.conf.
Dentro dele, podemos indicar exatamente qual o dispositivo (sda, sdb etc.) a ser protegido e qual a sensibilidade desejada para a interface do sensor (sensitivity).
O valor padrão de sensibilidade é 15. Se quiser que ele seja mais sensível (recomendado!), use um valor mais baixo.

Como detectar se você está usando um desktop ou notebook

O aplicativo laptop-detect pode ser útil para usar dentro de scripts e disparar ações específicas para cada ambiente em que ele é executado.
Desenvolvido por Franklin Piat, o utilitários lê os arquivos /proc/acpi/battery e /proc/pmu/info para obter informações que o levem a determinar se está sendo executado em um laptop ou um desktop PC.
linuxlogo-slackware-logo-ascii3
Por padrão, ele retorna os seguintes resultados:

  • 0 — provavelmente sendo executado em um laptop
  • 1 — provavelmente NÃO sendo executado em um laptop
  • 2 — erro de uso

Se você o quiser executar na linha de comando, fora de um script, pode usar a opção ‘–verbose’, para obter algum resultado visível:

sudo laptop-detect --verbose
We're a laptop (ACPI batteries found)

Como você pode ver, por ter encontrado referência à uma bateria existente no dispositivo, dentro do arquivo /proc/acpi/battery, o utilitário concluiu que está sendo executado em um ambiente de laptop.