Como rodar o FreeBSD em uma máquina virtual QEMU.

Se você já teve o desejo de conhecer o FreeBSD e aprender um pouco sobre o ele, mas ainda não tem um PC ou laptop disponível para instalar e testar o sistema, sugiro começar a experimentá-lo em uma máquina virtual.
Pôr no ar uma máquina virtual QEMU, rodando uma imagem atual do FreeBSD é bastante fácil e, dependendo da sua conexão á Internet, pode ser bastante rápido também.
freebsd logo full
Isto se deve ao fato de que você pode baixar várias imagens do site oficial (veja links ao final) prontas para uso — voltadas para mais de uma arquitetura de hardware.

Requisitos de hardware para rodar o FreeBSD

As versões mais atuais do FreeBSD não são “famintas” por recursos. O sistema é bastante enxuto e pode ser executado em condições bastante modestas:

  • Memória — Os requisitos mínimos de memória começam em 64 MiB. Um sistema especializado, deve começar em 128 MiB. Se você estiver pensando em uma instalação desktop completa, 4 GiB garantirão mais conforto para trabalhar.
  • Armazenamento em disco — O mínimo aceitável é 1,5 GiB, para ter um sistema funcional, mas com pouquíssimo espaço livre para trabalhar.
  • Arquitetura e processador — O FreeBSD pode ser executado sob várias arquiteturas. O suporte a PCs 64-bit começa em AMD Athlon™64, AMD Opteron™, Intel® Xeon™ multi-core e Intel® Core™ 2.
    No que tange a arquitetura 32-bit, qualquer 486 ou superior faz o serviço.

Instale o QEMU

No Debian, Ubuntu e derivados, use o apt para instalar o qemu:

sudo apt install qemu

Usuários do Opensuse, podem usar o Zypper:

sudo zypper install qemu

Baixe a imagem do FreeBSD

Há vários lugares de onde você pode baixar imagens do FreeBSD. O site oficial é um deles.
Você pode usar o utilitário wget para fazer o download rapidamente:

wget ftp://ftp.freebsd.org/pub/FreeBSD/releases/VM-IMAGES/10.3-RELEASE/amd64/Latest/FreeBSD-10.3-RELEASE-amd64.qcow2.xz

Veja, ao final do texto, link para o site de download, onde você poderá encontrar outras versões, que podem ser mais adequadas.
A seguir descompacte o arquivo:

unxz FreeBSD-10.3-RELEASE-amd64.qcow2.xz

Como rodar a imagem do FreeBSD

Não há nada errado em usar o VirtualBox, se você o preferir. A imagem baixada provavelmente rodará bem nele.
Neste texto, contudo, o nosso foco será o QEMU.
Para rodar a imagem em uma máquina virtual com 256 MiB, use a seguinte linha de comando:

qemu-system-x86_64 -hda FreeBSD-10.3-RELEASE-amd64.qcow2 -m 256M -cpu qemu64 -name 'FreeBSD 10.3 64 bit'

freebsd 10.3 screenshot boot


O que o comando acima faz?
Vamos responder por partes, a partir do comando ‘qemu-system-x86_64’, as opções usadas são as seguintes:

  • -hda FreeBSD-10.3-RELEASE-amd64.qcow2 — roda a imagem baixada em um disco virtual (hda).
  • -m 256M — determina a quantidade de memória da máquina virtual.
    Você pode experimentar usar outros valores.
  • -cpu qemu64 — faz uso da cpu padrão, de 64 bit, do qemu.
  • -name 'FreeBSD 10.3 64 bit' — coloca um nome bonito no título da janela do emulador.
    Escreva o que quiser entre as aspas.

Se você acha o comando para executar a sua imagem muito grande, experimente criar um mini-script para ele, assim:

echo "qemu-system-x86_64 -hda FreeBSD-10.3-RELEASE-amd64.qcow2 -m 256M -cpu qemu64 -name 'FreeBSD 10.3 64 bit'" > freebsd.sh
chmod +x freebsd.sh
# para executar, rode o script assim:
./freebsd.sh

Fácil, não é?
Se você tem interesse em copiar e colar entre a janela da máquina virtual do FreeBSD e as outras do seu sistema hospedeiro, inclua a opção ‘-display curses’:

qemu-system-x86_64 -display curses -hda FreeBSD-10.3-RELEASE-amd64.qcow2 -m 256M -cpu qemu64

Neste modo, a opção ‘-name’ não tem efeito. Mas ele permite, por exemplo, que você copie comandos de tutoriais e os cole direto na janela do FreeBSD.

Como logar e criar um novo usuário no FreeBSD?

Assim que chegar à tela de login, autentique-se como root (a senha estará em branco, por enquanto).
Após a autenticação, crie uma nova senha para o usuário root e um novo usuário com privilégios normais:

passwd
adduser

Depois de criar o novo usuário saia do root:

exit

… e autentique-se com novo o nome de usuário criado.
E, que comece a brincadeira! 😉

Referências e downloads

Download da versão 10.3: ftp://ftp.freebsd.org/pub/FreeBSD/releases/VM-IMAGES/10.3-RELEASE/amd64/Latest/.
Página oficial de downloads: https://www.freebsd.org/where.html.

O que fazer depois de instalar o Debian

Debian é uma das distros mais importantes atualmente e serve de base para outras, também importantes — o Ubuntu é uma delas.
Diferente desta última, Debian focaliza a instalação e a compatibilidade geral com várias arquiteturas que sequer são consideradas pela Canonical.
Se você instalou Debian em sua máquina e sentiu que ela é uma distro um tanto “crua”, que estão faltando algumas coisas… você não sentiu errado.
É comum, depois de instalarmos o Debian, ainda ter muito o que fazer para deixar o GNU/Linux “redondinho” e pronto para trabalhar.
Neste texto, vou estabelecer o foco no Debian 8.4 Jessie non-free com o ambiente desktop GNOME, que já vem carregado com uma série de firmwares não-livres (proprietários).
debian badge
A máquina em que estou baseando este texto é uma Dell Inspiron 14 série 5000 5448, com processamento gráfico (GPU) híbrido Intel/AMD. Já veio com o Ubuntu 14.04 LTS instalado.
Nos meus testes, o openSUSE Leap 42.2 foi a distribuição GNU/Linux que melhor rodou nesta máquina.
No Debian, contudo, ela pediu uma atenção especial para a configuração da placa de rede wireless, do touchpad e da placa gráfica — o que não será abordado neste texto, que tem o propósito de ser bem genérico.

As sugestões dadas no texto não são mais do que meras sugestões — você pega as que quiser.

Leia o texto na íntegra, antes de decidir o que fazer.
Note que uso o aptitude, no Debian, em vez do apt-get (mais comum no Ubuntu). Isto também é opcional. Use o que você quiser.
Para saber mais sobre o assunto, leia o post sobre o aptitude para usuários do Ubuntu.
Links para fazer os downloads estão no final e, no decorrer do post, há links para outros artigos onde o assunto em questão será abordado com mais profundidade.

Comece por atualizar o sistema

Nada é mais importante do que isto.
O processo de atualização baixa e instala uma séries de drivers e módulos, bem como remove outros que não são necessários para as especificidades do seu hardware.
Portanto, abra um terminal e…

su -c 'aptitude update'
su -c 'aptitude full-upgrade'

Lembre-se: a senha pedida pelo comando su é a do superusuário e não a sua.
Se quiser ler um pouco mais sobre as diferenças entre o su e o sudo, clique aqui.

Configure o sudo para o seu usuário

Já que tocamos no assunto, você pode configurar o sudo para o seu usuário com uma simples linha de comando, enquanto o sistema é atualizado:

su -c 'adduser nome-de-usuário sudo'

Após este procedimento, será necessário encerrar a sessão ou se autenticar de novo para que os grupos a que você pertence sejam carregados.
Se a atualização, pedida anteriormente, já terminou, é uma boa ideia reiniciar o sistema.

su -c 'shutdown -r now'

Leia mais sobre os métodos de adição de usuários ao sudoers, aqui.

Edite o sources.list no Debian

O arquivo sources.list é onde o Debian irá encontrar a lista de endereços das fontes e repositórios para baixar os programas que você quer instalar.
Aqui, sugiro remover a fonte que aponta para o CD/DVD/Blu-Ray (ou pendrive) do qual você fez a instalação e não é mais necessária. Isto fica na primeira e segunda linha.
No meu arquivo de configuração, adicionei os repositórios “non-free” e “contrib” às listas de repositórios e comentei (#) as linhas que começam com “deb-src”.
Ao final, adicionei o repositório “multimedia”, que contém codecs e algumas bibliotecas para melhorar a experiência de uso do sistema.

sudo nano /etc/apt/sources.list

As linhas que começam com # são comentários e não são lidas pelo sistema:

# deb cdrom:[Debian GNU/Linux 8 _Jessie_ - Official Snapshot amd64 LIVE/INSTALL$
#deb cdrom:[Debian GNU/Linux 8 _Jessie_ - Official Snapshot amd64 LIVE/INSTALL $

deb http://ftp.br.debian.org/debian/ jessie main non-free contrib
#deb-src http://ftp.br.debian.org/debian/ jessie main non-free contrib

deb http://security.debian.org/ jessie/updates main contrib non-free
#deb-src http://security.debian.org/ jessie/updates main contrib non-free

# jessie-updates, previously known as 'volatile'
deb http://ftp.br.debian.org/debian/ jessie-updates main contrib non-free
#deb-src http://ftp.br.debian.org/debian/ jessie-updates main contrib non-free

# jessie-backports, previously on backports.debian.org
deb http://ftp.br.debian.org/debian/ jessie-backports main contrib non-free
#deb-src http://ftp.br.debian.org/debian/ jessie-backports main contrib non-free

#Multimedia
deb http://www.deb-multimedia.org jessie main non-free

Quando terminar a edição, salve o arquivo (Ctrl + O, Enter, Ctrl + X) e atualize o cache apt:

sudo aptitude update

Atualize o seu kernel

Usar uma versão mais atual do seu kernel pode trazer benefícios, principalmente no suporte ao seu hardware.
Para saber quais versões do kernel estão disponíveis, use o comando search:

aptitude search linux-image
i A linux-image-3.16.0-4-amd64                                                                        - Linux 3.16 for 64-bit PCs                                                                                  
p   linux-image-3.16.0-4-amd64-dbg                                                                    - Debugging symbols for Linux 3.16.0-4-amd64                                                                 
p   linux-image-4.4.0-1-grsec-amd64                                                                   - Linux 4.4 for 64-bit PCs, Grsecurity protection                                                            
p   linux-image-4.5.0-0.bpo.2-amd64                                                                   - Linux 4.5 for 64-bit PCs                                                                                   
p   linux-image-4.5.0-0.bpo.2-amd64-dbg                                                               - Debugging symbols for Linux 4.5.0-0.bpo.2-amd64                                                            
i   linux-image-amd64                                                                                 - Linux para computadores de 64 bits (meta-pacote)                                                           
p   linux-image-amd64-dbg                                                                             - Debugging symbols for Linux amd64 configuration (meta-package)                                             
p   linux-image-grsec-amd64                                                                           - Linux image meta-package, grsec featureset                                                                 

A sua lista pode ser diferente da minha, portanto tenha cuidado na sua escolha.
Se você tem dúvidas sobre o assunto, leia o post Como fazer upgrade do kernel no Debian, antes de decidir sobre este procedimento.
No meu caso, para instalar o kernel 4.5, uso o seguinte comando:

sudo aptitude install linux-image-4.5.0-0.bpo.2-amd64

Quando você reiniciar o sistema, já estará usando o novo kernel.
Para se certificar disto, use o comando uname:

uname -r

Configure o touchpad no GNOME

gnome painel de configuração do mouse e touchpad
Donos de laptops, podem ter que configurar o “clique com um toque” no painel de configurações do seu touchpad (pra mim, foi necessário).
A opção a ser marcada é a penúltima ou a que fica no canto inferior esquerdo do painel de configuração.
gnome - touchpad - toque para clicar

sudo aptitude install -f

Instale o navegador do Google, Chromium

O Chromium pode ser instalado direto dos repositórios, assim:

sudo aptitude install chromium

Se quiser saber mais, leia sobre as diferenças entre o Google Chromium e o Google Chrome.

Aplicativos multimídia que podem ser úteis

Muitos usuários querem ter um ambiente pronto para ver filmes, séries etc.
O Debian já vem com um player, mas é comum a opção pelo VLC, em função de seus recursos:

sudo aptitude install vlc

Para facilitar a conexão com dispositivos de câmera e smartphones — para fazer downloads das suas fotos e vídeos, instale o Shotwell:

sudo aptitude install shotwell

Instale alguns codecs para reprodução de seus arquivos multimídia:

sudo aptitude install libavcodec-extra
sudo aptitude install gstreamer0.10-plugins-ugly gstreamer0.10-plugins-bad gstreamer0.10-fluendo-mp3 gstreamer0.10-pulseaudio
sudo aptitude install libgstreamer-perl libgstreamer-interfaces-perl

Instale um pacote com protetores de tela ou screensavers extra:

sudo aptitude install xscreensaver-gl

Suporte flash para os navegadores

Eu não costumo mais adicionar suporte ao flash nas minhas instalações.
Se você precisa do suporte, use o seguinte procedimento para o Iceweasel:

sudo aptitude install flashplugin-nonfree

e este para o Chromium:

sudo aptitude install pepperflashplugin-nonfree

Se você pretende instalar o Google Chrome, não faça o procedimento acima.

Conclusão

Isto é só o começo.
O que fizemos, até aqui, foi deixar o sistema pronto para começar a crescer com a adição de novos pacotes de programas, de acordo com as suas necessidades.

Referências

Onde baixar o torrent do Debian 8.4 Jessie: http://cdimage.debian.org/cdimage/unofficial/non-free/cd-including-firmware/8.4.0-live+nonfree/amd64/bt-hybrid/.
Onde baixar o Google Chrome Stable: https://www.google.com/chrome/browser/desktop/index.html?platform=linux.


http://linoxide.com/how-tos/install-debian-8-0-screenshots-things-to-do-after/.
http://linuxgeekar.blogspot.com.br/2015/05/things-to-do-after-installing-debian.html

10 coisas para fazer depois de instalar o openSUSE Leap 42.x

Após a instalação do openSUSE, como em qualquer outro sistema operacional, sempre falta alguma coisa para deixá-lo redondinho e pronto para o uso do dia a dia.
Neste post, vamos procurar ajustar a máquina ao uso geral e, como o título sugere, nos baseamos no openSUSE> — e, para ser mais específico, na versão Leap 42.1.
Os procedimentos sugeridos são apenas isso: sugeridos. Leia o que cada um faz e decida se é o que você gostaria realmente de fazer.
Lembre-se que um computador rápido é um computador “leve”.
Só para citar um exemplo, se você não navega em sites que usam Adobe Flash, não acrescente o flash. Você mantém a leveza do seu navegador e não abre esta porta de insegurança.
open-suse-welcome

Verifique se o sistema está atualizado

A primeira coisa a fazer, antes de instalar, remover qualquer programa ou fazer algum ajuste é verificar se o sistema está atualizado.
Os comandos abaixo, executados no terminal, “refrescam” e sincronizam os caches locais em relação aos repositórios remotos. Em seguida, verifica se há algo a ser atualizado:

sudo zypper refresh

sudo zypper update 

Os mesmos comandos, acima, podem ser abreviados da seguinte forma:

sudo zypper ref

sudo zypper up

Abaixo, o meu resultado do “zypper up”:

Recuperando os metadados do repositório 'openSUSE-Leap-42.1-Update' .[CONCLUÍDO]
Construindo o cache do repositório 'openSUSE-Leap-42.1-Update' ......[CONCLUÍDO]
Carregando dados de repositório...
Lendo os pacotes instalados...

Nada a fazer.

Esta é a única dica obrigatória neste texto.

Saiba mais sobre gestão de pacotes e repositórios no openSUSE

Não somente neste post, mas em quase todos os outros sites em que você vai buscar informações sobre como instalar ou remover aplicativos, irá encontrar comandos de manipulação dos repositórios (de onde você baixa os seus softwares).
No texto Gestão de pacotes no openSUSE, há uma explicação bem sucinta e um glossário resumido no final, que ajudam muito a entender estes procedimentos.
Recomento a leitura! 😉
opensuse oficial logo

Habilite novos repositórios

O openSUSE vem configurado para encontrar seus aplicativos em alguns repositórios oficiais. Você pode adicionar outros repositórios, de acordo com suas necessidades ou desejos.
Veja, a seguir, alguns repositórios que você pode adicionar. Eles fazem parte do Packman:

  1. Essentials — provê codecs de audio e vídeo para aplicações de reprodução de mídias.
  2. Multimedia — contém muitas aplicações relacionadas a multimídia.
  3. Extra — repositório adicional com aplicativos não relacionados a multimídia (a maioria é relacionada a redes).
  4. Games — oferece pacotes de jogos.

O que você tem a fazer, para ter todos, é habilitar o Packman repository.
Para isto, substitua no comando abaixo a versão do OpenSUSE, pela que você está usando, se for a mesma:

sudo zypper ar http://ftp.gwdg.de/pub/linux/packman/suse/openSUSE_Leap_42.2/ Packman
sudo zypper refresh

Instale codecs para reproduzir mais arquivos multimídia

No passo anterior, ao adicionar o repositório Packman, vários codecs multimídia são incluídos no seu sistema, permitindo que você instale o que precisa para reproduzir bem mais do que arquivos de MP3.
Abaixo, segue alguns codecs importantes para gravar CDs de audio, converter e ripar arquivos MP3.

sudo zypper install k3b-codecs ffmpeg lame phonon-backend-vlc phonon4qt5-backend-vlc vlc-codecs

Se te interessa ver DVDs neste computador, dê este comando também:

sudo zypper install libdvdcss2

Instale o Flash player

Você costuma visitar sites de vídeos flash?
Então você provavelmente irá precisar deste plugin rodando no seu navegador.
Comece pela instalação do player:

sudo zypper install flash-player

Baixe a chave pública, adicione o repositório e, por fim, instale o plugin:

sudo rpm --import /etc/pki/rpm-gpg/RPM-GPG-KEY-adobe-linux

sudo zypper addrepo -f http://linuxdownload.adobe.com/linux/x86_64/ adobe-flash-plugin

sudo zypper install flash-plugin

Instale o Google Chrome Browser

Se o navegador padrão (Firefox), que já vem instalado, não é o que você gosta, experimente instalar o Google Chrome Stable ou Beta, entre outros.
Sugiro a leitura deste artigo, para saber as diferenças entre o Google Chrome Stable e Beta.
Para instalar o Stable, comece pelo download da sua chave pública:

wget https://dl.google.com/linux/linux_signing_key.pub

sudo rpm --import linux_signing_key.pub

Adicione o repositório que contém o aplicativo:

sudo zypper ar http://dl.google.com/linux/chrome/rpm/stable/x86_64 google-chrome

Dê um refresh no sistema e instale-o:

sudo zypper refresh

sudo zypper install google-chrome-stable

Caso prefira instalar o Google Chrome Beta, comece fazendo seu download neste site.
Em seguida, baixe a chave pública:

sudo rpm --import https://dl-ssl.google.com/linux/linux_signing_key.pub

E faça a instalação do pacote baixado:

sudo zypper install Downloads/google-chrome-beta_current_x86_64.rpm

Instale estes aplicativos e utilitários

Veja, abaixo algumas sugestões de softwares que você pode instalar aí:
Para reproduzir músicas e, principalmente, vídeos, o VLC Media Player é uma boa pedida:

sudo zypper install vlc

Se você usa o Dropbox para armazenar arquivos na nuvem — do seu celular, por exemplo — pode mantê-los sincronizados no seu notebook ou desktop PC com este aplicativo:

sudo zypper install dropbox

Quer adquirir jogos (pagos e gratuitos) para a plataforma steam? Instale o aplicativo oficial:

sudo zypper install steam

Vale a pena ler Como preparar o openSUSE para instalar jogos, se você tiver esta intenção.
Se vai rodar programas para Windows, instale o wine:

sudo zypper install wine

Mais sugestões de softwares para openSUSE

Estes outros softwares não estão disponíveis nos respositórios oficiais do openSUSE e nem no Packman repository.
O primeiro da nossa lista, é o Skype.
Se você prefere a versão mais atual do aplicativo, veja como baixar e instalar o Skype via flatpak.
Se você se contenta com a versão estável (e, provavelmente, ultrapassada), este procedimento resolve o problema:

wget http://download.skype.com/linux/skype-4.3.0.37-suse.i586.rpm

Agora, desempacote e instale o aplicativo, bem como as suas dependências

sudo zypper install skype-4.3.0.37-suse.i586.rpm

Se você usa o Viber, o procedimento é semelhante:

wget http://download.cdn.viber.com/desktop/Linux/viber.rpm

sudo zypper install viber.rpm

Se você prefere a versão stable do Telegram, leia estes procedimentos.
Já quem prefere a versão alpha, leia este post.

Instale outros ambientes desktop

Não há problema algum em instalar todos, para conhecer os diversos ambientes de desktop gráficos disponíveis para o GNU/Linux.
O openSUSE Leap 42.2 oferece 5 opções de ambientes ou desktops gráficos padrão, já na instalação.
Naquele ponto, só é possível escolher um. E se você quiser experimentar outros?
Vou mostrar como instalar outros ambientes gráficos no openSUSE, neste tópico.
É bom estar a par do fato de que cada ambiente, vem junto com seus utilitários de configuração e aplicativos nativos de todos os tipos.
Além disto, são instaladas diversas bibliotecas que garantem o funcionamento do seu ambiente.
As bibliotecas só serão carregadas na memória quando o ambiente gráfico a que se referem forem usadas. Fora desta situação, o espaço que ocupam é apenas no sistema de armazenamento principal.
Abaixo, segue a relação de comandos para instalar cada um deles.
Para quem está usando a edição do openSUSE com GNOME e deseja conhecer o KDE:

sudo zypper install -t pattern kde kde_plasma

Se você optou pelo KDE, e deseja ter também o GNOME:

sudo zypper install -t pattern gnome

Para instalar o Cinnamon, baseado no GNOME 2:

sudo zypper ar -r http://download.opensuse.org/repositories/X11:/Cinnamon:/Current/openSUSE_Leap_42.1/X11:Cinnamon:Current.repo

sudo zypper ref

sudo zypper install -t pattern cinnamon

Para instalar o Mate:

sudo zypper ar -r http://download.opensuse.org/repositories/X11:/MATE:/Current/openSUSE_Leap_42.1/X11:MATE:Current.repo

sudo zypper ref

sudo zypper install mate-desktop

Para instalar o XFCE:

sudo zypper install patterns-openSUSE-xfce

Para instalar o LXDE:

sudo zypper install patterns-openSUSE-lxde

Para instalar o Enlightenment

sudo zypper install patterns-openSUSE-e17

Por fim, o mais leve (ocupou apenas 1 MiB no meu sistema), i3:

sudo zypper install i3 dmenu i3status

Cabe dizer que o i3 é gerenciador de janelas para usuários com nível superior ao iniciante.
Você pode ler mais sobre ele aqui.

Instale o JAVA

Essencial para rodar certos programas no Linux, o Java pode ser instalado com a linha comando abaixo:

sudo zypper install java-1_8_0-openjdk

Instale drivers de placas gráficas

O processo de instalação de drivers extra para a sua placa gráfica, pode trazer consequências desagradáveis. Portanto, recomendo fazer isto apenas se estiver experimentando algum problema com a configuração atual.
Se tudo estiver ok, não mexa.
Ao final do texto, há o link para página de drivers para placas gráficas da comunidade do openSUSE.
São drivers proprietários, com licenças restritivas, para as seguintes arquiteturas, plataformas, e modelos:

  1. NVIDIA
    1. Geforce 400 series e posterior
    2. Geforce 8 series e posterior
    3. Geforce 6 series e posterior

    Os drivers servem para as seguintes versões do openSUSE:

    • openSUSE Leap 42.x
    • openSUSE 13.x
  2. AMD Catalyst/fglrx
  3. Há drivers para as seguintes versões do openSUSE 64-bit e 32-bit:

    • openSUSE Leap 42.x
    • openSUSE 13.x
    • openSUSE Tumbleweed

O único driver que eu testei foi o AMD Catalyst/fglrx para a plataforma openSUSE Leap 42.2 64-bit — e funcionou razoavelmente para mim.
Tal como todas as outras dicas, deste site ( ou de qualquer outro ) siga por sua própria conta e risco.

Referências

Drivers para placas gráficas: http://opensuse-community.org/.
http://www.2daygeek.com/top-things-to-do-after-installing-opensuse-leap-42-1/.
http://opensuse-guide.org/codecs.php.

Como instalar o Ubuntu a partir do mínimo

Muitas pessoas desejam usar a última versão do sistema operacional Ubuntu, mas ficam frustradas com a lentidão, causada pela grande quantidade de recursos incorporada à distribuição.
O Ubuntu, bem como outras distribuições GNU/Linux, tem a versão Minimal CD para download em seu site (veja links, ao final e no decorrer do texto).
Esta opção tem aproximadamente 50 MiB de tamanho, no formato ISO.
ubuntu logo black and white
Pode ser baixada e gravada em um CD/DVD ou em um pendrive, em questão de minutos (a depender da sua conexão).
Esta versão do Ubuntu entrega uma distro instalada sem o ambiente gráfico e, consequentemente, sem todos aqueles aplicativos que você está acostumado a ver.

Se compararmos o tamanho do arquivo ISO da distro completa (ubuntu 16.04 LTS) com o do minimal, fica bem obvio que muitos aplicativos e recursos ficaram de fora.
O primeiro “pesa” aproximadamente 1,5 GiB e o segundo apenas 50 MiB.

A grande vantagem de usar a instalação mínima é que ela permite aos usuários mais avançados, instalarem apenas o que desejam — como se construíssem, a partir de uma base bem simples, uma distro Ubuntu sob medida para si.
Algumas pessoas, após a instalação da distro completa, tomam um tempo para remover tudo o que não precisam.
O minimal oferece a abordagem contrária: você começa com “quase nada” e vai instalando o que precisa/deseja.
Neste texto, vou mostrar que o procedimento pode ser adotado por qualquer usuário — inclusive os iniciantes.
O processo de baixar o arquivo ISO, gravá-lo em um pendrive e, finalmente, instalar a distro tende a ser rápido.
ubuntu minimal cd package selection

Como configurar o Ubuntu minimal, depois da instalação

A recomendação geral é que se verifique se o sistema está atualizado e sincronizado com os repositórios, logo após a instalação:

sudo apt-get update
sudo apt-get dist-upgrade
sudo apt-get clean

A brincadeira começa neste ponto — somente com os utilitários de sistema padrão (veja imagem acima) e nada mais.
O objetivo não é reconstituir uma distro tradicional Ubuntu, mas obter uma versão final enxuta e rápida — contendo o mínimo de aplicativos e recursos.
Portanto, siga os passos deste artigo, de acordo com o que você achar conveniente.
Pule a parte em que abordamos a instalação de uma interface gráfica, se você não precisa deste recurso, por exemplo.

Execute o tasksel para selecionar o que será removido ou instalado

O aplicativo tasksel não está presente na instalação padrão do Ubuntu, mas se encontra disponível na instalação Minimal.
A partir dele é possível escolher, por grupos de pacotes, o que você deseja instalar no sistema.
Leia mais sobre o procedimento neste post.
Para quem está focado em obter um resultado o mais enxuto possível, o tasksel talvez não seja a melhor solução — já que ele vai instalar muito software que você provavelmente não irá usar.

Instale aplicativos de performance

Qualquer performance a mais será bem vinda.
Alguns aplicativos podem ajudar a melhorar a eficiência no uso dos recursos do sistema. Veja alguns:

  1. preload
  2. ureadahead
  3. zram

Os dois primeiros atuam na “predição” de quais binários serão executados pelo usuário e tentam carregá-los antecipadamente. O último faz a compressão do conteúdo da memória RAM, o que ajuda a diminuir a pressão sobre o cache e sobre o swap (leia mais sobre isto, aqui).
Se quiser saber mais sobre o zswap, o assunto foi abordado aqui.
Se quiser ver quanta memória está sendo usada e quanta está livre, use o comando free, na linha de comando:

free -hm

memory free
Posso dizer que, baseado na figura acima, minha instalação Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus, só está ocupando 15 MiB de memória física. É um bom resultado.
Se quiser saber, neste momento, quanto espaço está sendo ocupado por sua distro, use o comando:

sudo du -h /

… e para saber quanto espaço livre há:

sudo df -h /

Como instalar o ambiente gráfico

Se houver necessidade de um ambiente gráfico para rodar alguns programas importantes, mas gostaria de ainda manter o sistema “magro”, há opções que ajudam neste sentido.
Lembra do tasksel?
É possível selecionar todo o ambiente gráfico a partir dele.
Na minha instalação, estão disponíveis os seguintes ambientes gráficos, incluindo os gerenciadores de display (display managers), responsáveis pela autenticação:

  1. Lubuntu Desktop — que vai instalar o LXDM, como display manager e o LXDE como Desktop Manager.
  2. Lubuntu minimal installation — que converte a instalação Ubuntu atual para uma instalação Lubuntu Minimal.
  3. etc.

Se você acredita que alguma destas opções é adequada para a sua situação, vá em frente.
Eu vou abordar um outro procedimento, neste post, para instalar um ambiente gráfico mínimo.
Neste passo a passo, vou suprimir a instalação de um display manager. Apenas o ambiente desktop será instalado.
Desta forma, sempre que você iniciar o computador, ele virá para tela em modo texto e iniciará o modo gráfico apenas quando você executar um comando para isto.
Instale o ambiente gráfico base, o X:

sudo apt-get install xorg

Depois disto, já será possível iniciar o ambiente gráfico com o comando startx:

startx

Mas isto não é o suficiente ainda.
Você precisa de um gerenciador do desktop gráfico ou um window manager.
A quantidade de opções, neste quesito é grande. Sugiro pesquisar na Internet, antes de decidir.
O Fvwm-Crystal, o IceWM e o LXDE são destaque em gerenciadores atuais, com visual moderno, leves e não são carentes de recursos.
O gerenciador de janelas i3 é uma opção leve, moderna e eficiente — mas pode exigir um esforço maior de adaptação.
Para instalar o primeiro, rode o apt-get (ou o apt):

sudo apt-get install fvwm-crystal

Se quiser removê-lo, mais tarde, use os seguintes comandos:

sudo apt-get purge fvwm-crystal
sudo autoremove

Use o mesmo procedimento para instalar ou remover os outros gerenciadores.
Se você está acostumado com as funções da interface gráfica do Ubuntu tradicional, pode precisar de um tempo para estudar e aprender a fazer as coisas na nova interface.

Se, por um lado, o visual ficar semelhante ao dos anos 90, também será parecido com o que se vẽ em “filmes de hackers”.
Além disto, é mais configurável que o próprio Unity.

A opção pela instalação do display manager xdm pode prover um login gráfico extremamente leve, se você prefere usar predominantemente a interface gráfica no seu recém instalado sistema.

sudo apt-get install xdm

Quando o sistema for reiniciado, o xdm irá assumir antes da autenticação.
Daqui para frente, comece a instalar o que você precisa no seu sistema — de preferência, buscando alternativas mais leves
fvwm on Ubuntu 16.04

Referências

https://help.ubuntu.com/community/Installation/LowMemorySystems.
https://elias.praciano.com/2015/11/como-instalar-o-linux-em-um-pendrive-com-o-comando-dd/.
https://help.ubuntu.com/community/Installation/LowMemorySystems.

10 exemplos de uso do comando APT no Debian e Ubuntu

Você pode usar o comando apt para instalar novos aplicativos no seu sistema Ubuntu, Debian e distribuições derivadas.
A ferramenta trabalha com o gestor de pacotes padrão do Debian, dpkg, e é usada também para manter o seu sistema atualizado.
O apt tem as mesmas funcionalidades que o aptitude e a apt-get.
Este texto se baseia na versão 1.2.9, presente no Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus. Vale destacar que o desenvolvimento do apt é um trabalho em progresso — e funcionalidades podem ser acrescentadas, modificadas ou retiradas em versões futuras — mas acho que isto vale para qualquer software.
Há 2 bons motivos para usar o apt, em vez das outras duas mais conhecidas:

  1. Você pode digitar menos, se optar pelo apt, na linha de comando.
  2. Esta será uma ferramenta padrão no Ubuntu, a partir da versão 16.04 LTS Xenial Xerus e no Debian.

A sigla APT, quer dizer Advanced Package Tool — ferramenta de pacotes avançada, numa tradução livre.
É constituída de uma séria de ferramentas, que fazem parte do núcleo do sistema Debian e Ubuntu.
O comando apt provê uma interface limpa e bonita, na linha de comando, com barra de progresso e cores para identificar itens da interface.

Use a ferramenta para instalar e atualizar aplicativos ou todo o sistema

A sintaxe do comando apt

Se você já conhece e usa o aptitude e o apt-get, será fácil se adaptar a esta ferramenta.
A sintaxe básica se resume a:
apt opções comando nome-do-pacote
ou (caso queira instalar mais de um pacote)
apt opções comando nome-do-pacote1 nome-do-pacote2
É possível usar curingas, para instalar múltiplos pacotes, com o mesmo prefixo:
apt install nome-do-pac*

O conjunto de ferramentas do APT, para realizar tarefas administrativas, requer privilégios. Portanto, você precisa se autenticar como superusuário (root) ou usar o sudo para executar o utilitário apt.

Se quiser entender a diferença entre o su e o sudo, leia este artigo.
Vamos aos exemplos práticos.

Como sincronizar pacotes com o apt

Para baixar informações sobre pacotes de todas as fontes configuradas, use apt update:

apt update

Este procedimento é recomendável antes de iniciar uma instalação ou um upgrade. Ou seja, antes de executar um install, use um update, conforme o exemplo anterior.
Ao final do relatório do comando, é possível localizar uma linha falando quantos pacotes (packages) há para ser atualizados.

Get:1 http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu xenial InRelease [247 kB]
Hit:2 http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu xenial-updates InRelease             
Hit:3 http://security.ubuntu.com/ubuntu xenial-security InRelease       
Hit:4 http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu xenial-backports InRelease    
Get:5 http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu xenial/universe amd64 Packages [7.392 kB]
Get:6 http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu xenial/universe i386 Packages [7.373 kB]
Get:7 http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu xenial/universe Translation-en [4.299 kB]
Fetched 19,3 MB in 10s (1.911 kB/s)                                            
Reading package lists... Done
Building dependency tree       
Reading state information... Done
156 packages can be upgraded. Run 'apt list --upgradable' to see them.

Como atualizar o sistema com o apt

Use o comando ‘upgrade’ para realizar a atualização de todos os pacotes atualmente instalados em seu sistema (desde que haja atualizações disponíveis).
Este comando segue algumas regras:

  • Ele instalará pacotes adicionais, que sejam requeridos para satisfazer as dependências.
  • Pacotes já existentes e instalados, não serão removidos pelo processo de upgrade.
  • Não instala a nova versão de algum pacote se houver a necessidade de remover outro pacote conflitante ou desatualizado.
apt upgrade

Se você preferir, pode optar pelo uso do ‘full-upgrade’ — que remove pacotes instalados, caso seja necessário para atualizar o sistema como um todo.

apt full-upgrade

A opção ‘full-upgrade’ é necessária para atualizar, por exemplo, o Ubuntu 16.04 para 16.04.1.
Ele não vai atualizar a sua distro de 16.04 para 16.10, contudo.
Se quiser apenas obter uma lista de pacotes que podem ser atualizados no seu sistema, use o comando assim:

apt list --upgradable

Como instalar novos pacotes de aplicativos

O comando ‘install’ realiza a instalação de novos pacotes no seu sistema.
Para instalar o editor de áudio Audacity, use o seguinte comando, por exemplo:

apt update
apt install audacity

Como remover pacotes de aplicativos do sistema

Para remover, use o ‘remove’:

apt remove audacity

ou

apt purge audacity

O ‘purge’ desinstala, além dos pacotes, seus arquivos de configuração.

Como encontrar o pacote de aplicativos que eu quero

Se você não sabe exatamente qual o nome de determinado pacote ou aplicação, use o mecanismo de busca do apt.
Com o comando ‘search’ é possível fazer busca por palavras dentro das descrições dos pacotes nos repositórios.

apt search audio

Você pode combinar o comando grep, para obter uma busca mais refinada:

apt search audio | grep -C 2 -i blue
WARNING: apt does not have a stable CLI interface. Use with caution in scripts.

  Bandlimited wavetable-based oscillator plugins for LADSPA hosts

bluedevil/xenial 4:5.5.4-0ubuntu1 amd64
  KDE Bluetooth stack

bluez-btsco/xenial 1:0.50-0ubuntu6 amd64
  Bluez Bluetooth SCO tool

bplay/xenial 0.991-10 amd64
--
  jQuery plugin that plays and controls audio files in a webpage

jquery-jplayer-bluemonday/xenial,xenial 2.7.0-1 all
  Blue Monday skin for jPlayer

Como exibir informações sobre pacotes antes de instalar

Se você quiser obter informações específicas sobre algum destes pacotes, use o comando ‘show’:

apt show bplay
Package: bplay
Version: 0.991-10
Priority: optional
Section: universe/sound
Origin: Ubuntu
Maintainer: Ubuntu MOTU Developers <ubuntu-motu@lists.ubuntu.com>
Original-Maintainer: Carlos Laviola <claviola@debian.org>
Bugs: https://bugs.launchpad.net/ubuntu/+filebug
Installed-Size: 73,7 kB
Depends: libc6 (>= 2.6.1-1)
Download-Size: 18,8 kB
APT-Sources: http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu xenial/universe amd64 Packages
Description: Buffered audio file player/recorder
 The bplay package provides a simple command-line utility for playing
 and recording audio files in raw sample, VOC and WAV formats.
 .
 To use this program you need a soundcard of some kind and the
 appropriate driver configured into your kernel.
 .
 When run the program creates two processes which share a memory
 buffer.  It does reading/writing on the disk and the sound device
 simultaneously, in order to be less liable to `pause' because the
 disk is too slow or too busy.

Os comandos ‘apt search’, ‘apt show’ e ‘apt list’, entre outros, não requerem privilégios administrativos para serem executados.
Somente aqueles capazes de produzir alterações no sistema, irão pedir seu “crachá de superusuário”.

Como listar pacotes disponíveis para instalação nos repositórios

Você pode obter uma lista completa de pacotes através da opção ‘list’.
Se você quiser encontrar os pacotes relacionados ao PHP 7, use o comando desta forma:

apt list 'php7*'
Listing... Done
php7.0/xenial,xenial 7.0.4-5ubuntu2 all
php7.0-bcmath/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64
php7.0-bz2/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64
php7.0-cgi/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64

...

php7.0-sqlite3/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64
php7.0-sybase/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64
php7.0-tidy/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64
php7.0-xml/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64
php7.0-xmlrpc/xenial 7.0.4-5ubuntu2 amd64
php7.0-xsl/xenial,xenial 7.0.4-5ubuntu2 all
php7.0-zip/xenial 7.0.4-5ubuntu1 amd64

ubuntu 16.04 list php7 packages
Esta forma é equivalente à opção combinada ao comando grep:
apt list | grep php7. A opção é sua.

Jogue fora o lastro, para voar mais alto

Remova os pacotes de bibliotecas e aplicativos desnecessários do seu sistema.

Em computadores e carros: não basta ter potência. Tem que ser leve!

Tirar tudo o que não se precisa, é a chave para ter um sistema rápido e seguro.
O ‘autoremove’ ajuda a enxugar o seu sistema, removendo pacotes de bibliotecas instaladas (por que eram necessárias para a instalação de outros programas), que não são mais requeridas por nenhum outro pacote.
Pode ser usado para encontrar e remover versões antigas do kernel (que ocupam espaço considerável) no seu sistema.
Veja como usar:

apt autoremove

Uma opção mais completa (radical) é a seguinte:

apt --purge autoremove

Como editar as fontes dos pacotes

Se você sabe o que está fazendo pode editar as fontes dos repositórios — de onde o sistema irá baixar seus softwares.

sudo apt edit-sources 

Ubuntu 16.04 edit sources