Use o shotwell para transferir imagens da sua câmera para o computador

O aplicativo Shotwell faz parte dos repositórios oficiais de várias distribuições GNU/Linux e pode ser usado para visualizar, organizar e editar suas imagens.
De fato, ele pode vir pré-instalado apenas na versão “visualizador” em algumas distribuições.

Se você não o tiver instalado aí, use o gerenciador de pacotes da sua distro para encontrá-lo.
O visualizador básico, contudo, se já estiver presente, é o suficiente para quem apenas quiser transferir arquivos de imagens de um cartão de memória ou diretamente da câmera.
Shotwell install

Transferência de imagens

Usualmente, ao inserir um cartão (micro)SD no leitor do laptop, o Nautilus irá abrir o seu conteúdo e mostrar um botão de sugestão “para abrir as imagens no Shotwell”, conforme a imagem abaixo.
Shotwell botão no nautilus

Ao clicar no botão “Shotwell”, o visualizador irá exibir as últimas imagens importadas.

Para acessar o cartão de memória, o dispositivo de armazenamento externo ou a câmera, clique em “Mass storage…” dentro da aba lateral, à esquerda.

A depender da velocidade de acesso do dispositivo, pode demorar um pouco para exibir os arquivos de imagens disponíveis para transferência.
janela do shotwell

Neste ponto, eu costumo clicar em “Importar todas”, no rodapé (à direita) da janela do Shotwell.
Com esta opção, apenas os arquivos que ainda não foram transferidos, serão baixados.
Não se preocupe. Você não vai acabar com arquivos redundantes no seu computador.

Quando ele terminar a importação, irá perguntar se mantém os arquivos no dispositivo de armazenamento externo ou acoplado. É seguro selecionar “Apagar”, para liberar espaço.
Se houver arquivos redundantes, você será avisado também.
arquivos redundantes

Na aba “Última importação”, são mostrados os arquivos que você transferiu recentemente.

Você também pode ver os seus arquivos dentro do gerenciador de arquivos da sua distro. Como comportamento padrão, o Shotwell irá criar uma pasta com o ano constante nas informações de gravação de seus arquivos (2018, 2019 etc) dentro da pasta Imagens, no seu sistema.

Outras subpastas (subdiretórios) serão criados para os meses e dias relativos a cada imagem.

O Shotwell lida com seus arquivos RAW

Se você costuma fotografar em RAW, o Shotwell irá baixar suas imagens neste formato, sempre retirando a versão em JPEG, embutida (embedded) no arquivo “cru”.
Assim, o gerenciador de arquivos irá exibir as duas versões (RAW e JPEG) lado a lado na pasta.
Ubuntu Nautilus

Este comportamento torna mais ágil a análise das imagens, de outros visualizadores que só podem ler JPEG. Este formato é carregado muito mais rápido, o que permite fazer uma pré-seleção (i.e. jogar fora o que você não quer, por exemplo) muito mais eficiente e ágil.

Atualmente, o Shotwell tem suporte a edição das imagens RAW — não destrutiva, claro.

Ou seja, o Shotwell não modifica suas fotografias originais.
As edições (corte, ajuste de cores etc.) são guardadas em um arquivo à parte, enquanto o original permanece intocado.
Ao carregar a imagem novamente, o banco de dados de retoques será consultado para mostrá-la com as alterações que você fez.
Isto quer dizer que sempre será possível desfazer as alterações feitas em suas imagens, usando o Shotwell.

A tecla Shift também pode ser usada, para mostrar as imagens na tela, conforme estavam originalmente.

Transforme rapidamente o Ubuntu 18.04 em uma estúdio de edição de imagens.

Os repositórios (ou a lojinha) de aplicativos do sistema operacional da Canonical, Ubuntu, estão repletos de ferramentas de edição e manipulação de fotos e imagens.
Se deixei algo importante de fora, neste artigo, use a sessão de comentários para dizer o que você que precisa ter na sua estação de trabalho.

Comece por abrir a loja de aplicativos do Ubuntu, e vamos começar a aventura.
instalar software no ubuntu

RawTherapee

Com um visual assemelhado ao do Lightroom da Adobe, o RawTherapee é uma ferramenta poderosa para editar imagens de diversos tipos e formatos.
O principal, contudo, é que ela trabalha com as imagens em formato “cru” ou raw de diversos fabricantes de câmeras.
ubuntu instalar rawtherapee

Não deixe de ler os meus artigos sobre o RawTherapee.

Darktable

Para trabalhar com arquivos raw, eu sempre instalo os dois: RawTherapee e o Darktable. Tenho uma leve preferência pelo segundo (por que ele me parece mais rápido para carregar), mas acho o RawTherapee mais completo para alguns tipos de edição.
Novamente, use os comentários para dar a sua opinião (se tiver alguma) sobre as suas preferências em termos de softwares.
darktable ubuntu instalar

Note que é possível aparecer mais de uma versão do Darktable como sugestão de instalação.
Alguns são snaps — que variam de versões estáveis à versões beta. Convém verificar cuidadosamente qual a versão que você deseja instalar.
Eu optei pela última da lista, com 5 estrelas, de acordo com as informações realçadas pelas setas, nas imagens abaixo.

tela de instalação do Darktable para Ubuntu
Clique para ver mais detalhes.

Detalhes da versão do Darktable
Detalhes da versão do Darktable

Não deixe de ler os meus artigos sobre o darktable.

GIMP

Depois que termino de fazer ajustes básicos nas fotografias, é muito comum ir para o GIMP para fazer mais algumas edições.
Atualmente, o Ubuntu permite instalar a versão mais atual do GIMP (2.10.0, à época deste post) via snap. Mas a versão padrão ainda é a 2.8.x
Fica para você a decisão sobre isso.

Não deixe de dar uma olhada nos meus posts sobre o GIMP.

Shotwell

O Shotwell é um programa de visualização de imagens, com benefícios.
Entre os recursos adicionais, gosto (e uso) muito de:

  1. A possibilidade de baixar diretamente da câmera ou do cartão de memória as minhas fotos e organizá-las em diretórios.
  2. Poder ver as imagens em raw — ele ainda extrai o JPEG embutido nas imagens cruas, o que torna a visualização ainda mais ágil.
  3. E, sim, o Shotwell também permite fazer edições nas imagens raw.

O aplicativo ainda permite compartilhar suas imagens direto nas redes sociais, logo após a edição.
Para mim, este é essencial.

Também tenho alguns textos sobre o Shotwell.

Hugin para fazer panorama

Criar imagens panorâmicas ou em 360 graus, pede um programa poderoso como o Hugin.
Algumas câmeras e smartphones possuem este recurso, outras não.
hugin instalação
Quando quero um trabalho melhor, com mais qualidade, sei que o Hugin pode se beneficiar de um processador bem mais poderoso no laptop, para criar imagens incríveis.

Escrevi sobre ele aqui.

Polarr em todo lugar

instalar polarr

Eu já usava o Polarr Photo Editor no celular e, mais recentemente, descobri que ele pode ser instalado no Ubuntu (via snap).
É ótimo para fazer retoques nas suas imagens também.
Vale, pelo menos, experimentar. E leia mais sobre o Polarr, aqui.

Entangle para tethering

Se você quer transformar seu PC ou laptop em uma Workstation adaptada para fotografar através da sua câmera profissional, experimente instalar o Entangle.

Eu escrevi sobre a minha experiência com o Entangle através da Canon EOS Rebel T6 e sobre este método de fotografia. Confira os links!

Conclusão

Se você usar o recurso de busca (Ctrl + F) na loja de aplicativos do Ubuntu, vai descobrir que muita coisa ficou de fora.
Este texto cobre apenas o básico, que atende a todos, de maneira genérica.

Escrevi um pouco mais sobre como transformar o Ubuntu em uma estação de edição de imagens digitais neste post, com dicas voltadas para a linha de comando.

Como adicionar pincéis ao GIMP

Formatos novos de pincéis podem ser facilmente adicionados ao GIMP.
Os novos itens podem ser usados em ferramentas, como pincel, aerógrafo etc.

O pacote gimp-data-extras, acrescenta instantaneamente inúmeros formatos de pincel — também chamados brushes — para usuários Linux. Saiba mais aqui.
gimp brushes

Outra forma de adicionar itens ao seu painel de escolha e configuração de pincéis/aerógrafo é baixar da Internet.
Para isto basta abrir o seu buscador favorito e procurar (por exemplo) por “download gimp brushes“.

Geralmente, vários tipos e formatos de pincéis são agrupados em um único pacote (.zip, .7z, .tar.xv etc.)
O importante é que o conteúdo deste pacote tem que ser transferido para a pasta certa.
Para usuários Linux, a pasta correta é ~/.gimp-2.8/brushes.
Como é uma pasta escondida, pode ser necessário teclar Ctrl+H, para fazê-la aparecer no seu gerenciador de arquivos.
Na imagem abaixo, você pode ver a minha pasta pessoal brushes, com alguns itens já adicionados.

Onde encontrar mais brushes para o GIMP

Sites, como o DeviantArt, o Github e o Gnome-look costumam ter bastante opções.
Veja algumas sugestões que eu testei:
No DeviantArt: https://www.deviantart.com/resources/applications/gimpbrushes/popular-all-time/?offset=0
No textureMate: http://texturemate.com/content/brushpacks
No GNOME Look: https://www.gnome-look.org/browse/cat/191/ord/latest/.

Como adicionar temas ao GIMP

O GIMP, como muitos outros aplicativos GTK, aceita temas e personalização de ícones.
Já que o visual do programa, na sua instalação padrão, não se integra muito bem ao tema principal do sistema operacional, o usuário pode se sentir liberado para fazer outras escolhas estéticas.

Basicamente, tudo o que você precisa fazer é encontrar o pacote do tema desejado e extrair seu conteúdo para a pasta de temas do GIMP.
Sim, a instalação padrão do GIMP, já vem uma pasta própria para receber arquivos de temas.
GIMP Tema Dark

A instalação default oferece um tema com ícones pequenos, como alternativa para quem deseja melhorar o aproveitamento do espaço, enquanto trabalha com o aplicativo.

A pasta de temas fica em ~/.gimp-x.x/themes — em que “x.x” é a versão do GIMP.
No meu caso, o nome da pasta é ~/.gimp-2.8/themes.

É dentro desta pasta, que os arquivos dos temas devem ficar.

Conteúdo atual da minha pasta de temas GIMP 2.8
Conteúdo atual da minha pasta de temas GIMP 2.8

Os sites de temas costumam oferecer pacotes em tar.gz, tar.xv, .ZIP etc.
O importante é que você faça a extração do conteúdo de cada pacote na pasta de temas, que mencionei acima.

Para ver os temas adicionados, inicie o GIMP e abra o painel Preferências, dentro do menu Editar.
Em seguida, selecione a aba Tema.
Lista de temas para GIMP

Lembre-se de reiniciar o GIMP, para ver os novos temas adicionados à relação.

Onde encontrar temas para o GIMP

GIMP Tema Pro

Há vários sites com temas para aplicativos GTK/GNOME.
O Gnome-looks é um deles: https://www.gnome-look.org/browse/cat/268/.
Use o seu mecanismo de busca favorito, para encontrar temas. Veja alguns exemplos:

Temas no DeviantArt: https://duckduckgo.com/?q=gimp+themes+deviantart&t=h_&ia=images.
Temas no GitHub: https://github.com/search?utf8=%E2%9C%93&q=gimp+theme&type=.

O que você precisa para ter um estúdio de edição de fotos profissional no Linux.

O sistema operacional Linux tem diversas ferramentas importantes, desenvolvidas por fotógrafos e para outros fotógrafos.
O GIMP é o principal software de edição e manipulação de imagens — e costuma vir instalado em algumas distribuições.

Quando este não é o caso, é fácil instalar ele e muitos outros programas e utilitários para este tipo de aplicação.
O GIMP tem uma história semelhante à do Photoshop — ambos são oriundos de trabalhos acadêmicos desenvolvidos por estudantes universitários.
Basicamente, fotógrafos usam um computador para armazenar, catalogar, editar etc. suas imagens.
Este post vai lançar uma luz sobre os programas voltados à catalogação e edição de imagens.
Só para contextualizar, este artigo é baseado no Debian.
Se você usa o Ubuntu ou qualquer outra distro baseada nele, recomendo complementar esta leitura com o post Configure o ubuntu para ser um estúdio profissional de fotografia.

Distribuições GNU/Linux prontas para edição de imagens

Existem distribuições que já podem ser baixadas (quase) prontas para começar a trabalhar com suas fotos.
O único problema das opções listadas, abaixo, (EMHO) é que elas podem vir com uma grande quantidade de itens a mais — ainda assim, boa parte do que você precisa, já vai estar lá, pronto para ser usado.
São opções voltadas para o design e criação de conteúdo multimídia, ou seja, vai vir muita coisa que você provavelmente não precisa.

A única pessoa que vai saber qual a melhor opção ou distro Linux para você, é você mesmo(a).
Portanto, recomendo experimentar.
A maioria roda como Live, direto do seu pendrive e, portanto, não haverá necessidade de formatar e instalar absolutamente nada para ter uma ideia do que cada uma faz.

Nenhuma distro é perfeita. Você vai precisar buscar e instalar (ou comprar) uma ou outra ferramenta.
Se é do tipo que gosta de uma instalação leve e limpa, vai também remover o que não precisa.
A grande vantagem, aqui, é poder começar com metade do caminho já percorrido.

O Projeto Fedora Labs tem, entre suas opções, uma distro chamada Design Suite, com vários softwares voltados para o design.

Se você prefere o jeito da Canonical de fazer as coisas, pode ficar feliz e satisfeito com o Ubuntu Studio.
Para a fotografia, a distro destaca o Darktable e o Shotwell.

Além destas, destacam-se a io GNU/Linux e IRO OS.
Ambas são voltadas criação e produção de conteúdo multimídia (imagens, áudio e vídeo).
O IRO OS é feito pensado na portabilidade, ou seja, para rodar de um pendrive. Mais pra baixo, explico por que não gosto desta opção, mas… enfim, trata-se de uma opção.

No resto deste post, vou falar sobre como configurar a sua distro atual, instalando apenas os programas que você vai precisar.

O estúdio de fotografia pronto

Existe muita coisa nesta área que pode ser encontrada direto nos repositórios da sua distro.
Segue uma relação de pacotes de softwares, sugeridos:

  • Argyll — “Sistema de Gerenciamento de Cores, calibrador e perfilador.”
    Trata-se de software ainda experimental e é compatível com o ICC.
    Dá suporte “à criação precisa de perfis ICC para scanners, impressoras CMYK, filmadoras e calibração e perfilamento de displays.
  • Dispcalgui — Interface gráfica para o Argyll
  • icc-profiles-free — Editor de perfis ICC.
  • Darktable e RawTherapee — Softwares de edição de imagens RAW. Saiba mais sobre eles aqui (DarkTable) e aqui (RawTherapee).
  • Entangle — Voltado para fotógrafos que gostam de trabalhar em tethered mode, ou seja, controlar a câmera e a sessão de fotos a partir do computador.
  • GIMP, gimp-data-extras, gimp-gap, gimp-plugin-registry, gimp-ufraw — Editor de fotos GIMP e vários plugins.
  • Phatch — Utilitário GUI para processar fotos em lote. Tem suporte a todos os formatos de imagem mais comuns.
    Pode ser usado para redimensionar, rodar, aplicar perspectiva, sombras etc. em inúmeras fotos, de uma só vez.
  • Rapid Photo Downloader — Aplicativo para importar grande quantidade de fotos de múltiplas câmeras, cartões de memórias e outros dispositivos de armazenamento.

Na linha de comando, rode o comando apt (Debian), para instalar:


sudo apt install argyll, darktable, dispcalgui, entangle, gimp, gimp-data-extras, gimp-gap, gimp-plugin-registry, gimp-ufraw, icc-profiles-free, phatch, rapid-photo-downloader, rawtherapee

Se você usa o Fedora, rode o dnf:


sudo dnf install argyll, darktable, dispcalgui, entangle, gimp, gimp-data-extras, gimp-gap, gimp-plugin-registry, gimp-ufraw, icc-profiles-free, phatch, rapid-photo-downloader, rawtherapee

Como encontrar mais

Há muitas outras opções de softwares.
Alguns são redundantes em relação a estes.
Outros são complementares.
No Debian e no Fedora, rode o seu gerenciador de pacotes padrão (apt ou dnf) acompanhado da opção ‘search’:


sudo apt search photography

A busca também pode ser feita na GUI.
Abra o gestor gráfico de instalação de aplicativos para obter mais opções de software para instalar.
pop shop photography search

Acima, captura de tela do gerenciador do POP OS (POP Shop), com a busca pelo termo ‘photography’.
Use outros termos, para encontrar conteúdo relevante para você.