Baixe e experimente a IDE CodeLobster, para desenvolver seus projetos.

Há várias IDEs para quem deseja usar o sistema operacional GNU/Linux para programar.
Algumas são específicas para algumas linguagens e outras são bem mais abrangentes.

O CodeLobster é uma IDE multiplataforma, voltada para a programação PHP, mas pode atender a outras linguagens também — tipo CSS, HTML, JavaScript etc. — como seria de se esperar de uma ferramenta voltada para desenvolvedores web.
Logo do CodeLobster e descrição do produto

Sua proposta inicial é ser leve e rápido (light-weight). Por isto, requer muito pouco espaço em disco para ser instalado.
O projeto foi desenvolvido a partir da construção de um editor de textos e evoluiu para um ambiente de desenvolvimento integrado.

Atualmente, há versões disponíveis para Windows, MacOS e Linux (Mint, Debian, Ubuntu e outros desta mesma ramificação).

Através de plug-ins o aplicativo pode ter funcionalidade estendidas para usar CMSs e frameworks populares — o que inclui o CakePHP, CodeIgniter, Drupal, Joomla, Symfony, Twig, WordPress, Yii, Node.js, JQuery, AngularJS, BackboneJS etc.

Download e instalação

Mesmo tendo versões voltadas a várias plataformas, neste artigo só irei abordar a sua instalação no Linux (Debian 10, para ser mais específico).
Instalação do CodeLobster via apt, na linha de comando

Faça o download da versão voltada à sua plataforma de trabalho, no site (link ao final do post) e abra um terminal para executar a instalação via dpkg. O procedimento é o mesmo em qualquer distro baseada no Debian, como é o caso do Ubuntu, do Mint etc.:


sudo dpkg --install ~/Downloads/codelobsteride-1.1.0_amd64.deb 

Feita a instalação. já é possível executar o programa — da linha de comando, no terminal ou na GUI.
codelobster via dash no GNOME do Debian

Primeiro uso e ajustes iniciais

Claro que não gostei da interface padrão do aplicativo…
Mas ele tem temas alternativos muito bonitos, principalmente com fundos escuros — os meus preferidos.
Sugiro dar uma olhada nestas opções, disponíveis em View/Visual Style.
Relação de temas do CodeLobster

Em seguida, altere o idioma da interface para o que achar mais adequado. O português (europeu) é o que está disponível na versão que usei.
Acesse a configuração pelo menu Tools/Preferences. Em seguida, localize a aba IDE, à esquerda e toque em General.
À direita, no painel, selecione o idioma (Interface Language) de sua preferência.
Painel geral do Codelobster

Preço do produto

O CodeLobster IDE é distribuído, no site, em uma versão gratuita – que expira em 30 dias.
A versão Professional pode ser adquirida no próprio site, por 99,95 dólares/ano. A assinatura dá direito ao uso em até 3 dispositivos diferentes.
codelobster logo

Referências

As versões dos pacotes de instalação do CodeLobster IDE para MacOS, Windows e Linux, podem ser baixadas neste site: http://www.codelobsteride.com/#download.

Use Ubuntu para programar em Python

O sistema operacional GNU/Linux é, na minha humilde opinião, o mais adequado para a programação de computadores.
Neste sentido, qualquer uma das principais grandes distribuições do Linux pode satisfazer plenamente um(a) profissional de desenvolvimento.

Já escrevi sobre qual a melhor distro para programar — clique no link para saber qual a minha opinião sobre o assunto.

Neste post, vou mostrar como preparar o Ubuntu 18.04 LTS Bionic Beaver para desenvolvimento na linguagem de programação Python.
É claro que o Ubuntu, já na instalação mínima, vem com interpretadores, de sobra, para você começar a programar em Python. Mas algumas ferramentas adicionais podem tornar o ambiente ainda melhor para quem já é profissional ou, mesmo, para estudantes.

Python 2 ou Python 3

O Python 2 vem caindo gradualmente em desuso, mas ainda há aplicações importantes do sistema, escritas nesta versão da linguagem.
Por este motivo, softwares (interpretadores, bibliotecas etc.) voltados para as duas versões ainda são encontrados.
Neste texto, vamos nos concentrar na versão 3 da linguagem, contudo.

Você pode verificar quais versões do interpretador Python há no seu Linux, digitando ‘python’ e pressionando a tecla Tab logo em seguida.
As versões disponíveis serão exibidas no terminal.
O comando ls também pode ser usado, para obter esta informação:


ls /usr/bin/python*

/usr/bin/python            /usr/bin/python3
/usr/bin/python2           /usr/bin/python3.6
/usr/bin/python2.7         /usr/bin/python3.6m
/usr/bin/python2.7-config  /usr/bin/python3m
/usr/bin/python2-config    /usr/bin/python-config

interpretadores Python no Ubuntu

Apesar da quantidade “expressiva de pythons”, há apenas 3 versões instaladas no meu sistema (python2, python3 e python 3m). O restante é link simbólico para o programa correspondente.

Use o parâmetro ‘–version’ para saber qual a sua versão padrão:


 python --version

Python 2.7.15rc1

A série 2.x é padrão justamente por causa dos vários scripts do sistema que ainda a usam — e você não deve mudar isto.
Ensinei como contornar a situação, para quem só quer usar a versão 3, neste post.

Instale IDEs gráficas para Python

Basicamente, qualquer uma das grandes IDEs pode ser usada para programar em Python. Se você já tem a sua preferida, pode relaxar e continuar a usá-la.
Se quiser experimentar algo novo, sugiro algumas IDEs feitas pela comunidade de programadores(as) Python, que podem trazer recursos e benefícios interessantes para quem usa esta linguagem predominantemente.

Pressione a tecla Super e procure o “Ubuntu software”, para entrar na loja (interface GUI para os respositórios) do Ubuntu.
instalar software no ubuntu

Dentro da loja faça uma busca (Ctrl + F) por ‘python ide’, para ver as opções específicas que você tem.
Atualmente, no meu sistema, há:

  1. A série de PyCharm, com IDEs voltadas para aplicações comerciais, científicas, educacionais etc. A PyCharm Pro é projetada para profissionais desenvolvedores(as).
  2. A Eric Python IDE, também projetada pelo pessoal que programa em Python. É uma opção leve e ágil. Falei mais dela aqui.
  3. Por fim, Thonny é uma IDE com recursos úteis para quem está estudando a linguagem. Vem com um depurador embutido, capaz de visualizar todos os passos conceituais da execução de um programa Python.

ide para python

Não se prenda a estas opções.
Experimente outras buscas, como ‘ide devel’, para encontrar bem mais opções.

Sugiro a leitura do artigo 5 IDEs para programar no Linux, para obter mais opções de ferramentas para desenvolvimento.

Instale o PIP

O pip (não é picture in picture) é um gerenciador de pacotes e serve para instalar novos softwares, bibliotecas e ferramentas para Python.
No Ubuntu, use o apt para instalar o gerenciador:


sudo apt install python3-pip

Mesmo especificando a versão “3” do Python, na linha de comando (acima), o procedimento ainda instala o pip para a versão 2 da linguagem.
Desta forma, você terá à sua disposição o pip2 e o pip3:

pip2 --version

pip 9.0.1 from /usr/lib/python2.7/dist-packages (python 2.7)
pip3 --version

pip 9.0.1 from /usr/lib/python3/dist-packages (python 3.6)

Instale o bpython

Isto não é obrigatório.
Estudantes da linguagem podem gostar de usar uma shell com recursos de realce de sintaxe.
ubuntu loja

O aplicativo pode ser encontrado na lojinha do Ubuntu, ou pode ser instalado via linha de comando.

Você tem experiência em programação Python?! Quais aplicativos adicionais sugere para instalação no Ubuntu?

A melhor distro Linux para desenvolvedores

No universo das dezenas de distribuições importantes, algumas delas são melhores ou piores para determinados tipos de aplicação.
Algumas distribuições GNU/Linux são especificamente organizadas para realizar determinados tipos de tarefa ou a atender um nicho profissional.

E os desenvolvedores, como nicho ou como público, devem usar qual distribuição?
No universo GNU/Linux distribuições “de nicho” são chamadas branches ou blends — para trabalhar com multimídia, para clínicas médicas, para ambiente educacional etc.

Este é apenas mais um dos meus artigos opinativos, que evito fazer…
A melhor opinião continua sendo a sua.
Cabe a você julgar o que lhe serve, ou não, dentro deste texto.

Deixe um comentário, logo abaixo, se quiser.

ubuntu flavours sabores

Os programadores são um público à parte.
Os desenvolvedores Debian tendem a usar o Debian Sid, O mesmo ocorre com os desenvolvedores das outras distros.

Isto é ‘meio’ óbvio, eu sei… se você tem intenção de se tornar um(a) desenvolvedor(a) OpenSUSE, vai ter que usar a versão em desenvolvimento específica desta distro.

Quem tem intenção de desenvolver para internet das coisas (IoT), pode usar distribuições específicas para a plataforma desejada, como o Raspbian ou Ubuntu Core para a plataforma Raspberry.

Para todas os outros tipos de desenvolvedores(as), na prática, qualquer distro serve.

Red Hat, CentOS e Fedora

A Red Hat, tem investido bastante na comunidade de desenvolvedores e tem disponibilizado uma versão do Red Hat Enterprise Linux (RHEL) pra download em seu site — voltado justamente para este público.

Para saber mais, leia como se tornar desenvolvedor(a) Red Hat.

Debian e Ubuntu

As duas distribuições são muito amigáveis com os(as) desenvolvedores(as) — mesmo os(as) que não programam diretamente para a distro.
Você pode “pegar” a versão principal da distribuição e transformá-la em uma plataforma de desenvolvimento completa, apenas instalando aplicações de programação específicas, por exemplo.

O assunto também foi abordado em 3 editores de código para Debian e Ubuntu e no post Ferramentas de programação para Debian e Ubuntu

OpenSuse

O OpenSUSE tem uma longa história (e vários artigos neste site) na linha do tempo do Linux. É uma plataforma GNU/Linux séria e, se você se sente confortável com o seu look and feel, não há razão para deixar de considerá-la para projetos de desenvolvimento de aplicativos.
No post Instalar um servidor LAMP no OpenSUSE, pode ser dado o primeiro passo para o desenvolvimento de aplicações web, por exemplo.
Além disto, todas as IDEs que você encontra nas outras distribuições, vai encontrar aqui também.

Conclusão

Este post, como a maioria das minhas análises opinativas, vai terminar sem dar uma resposta pronta para o questionamento do título. Sorry.

O ambiente Linux, de maneira geral, é muito fértil e aconchegante para trabalhar com desenvolvimento de software.
Você pode escolher qualquer distro (me conte qual! 😉 ) e vai encontrar tudo o que precisa para tocar os seus projetos — até mesmo para plataformas proprietárias.
Tudo o que você precisa é encontrar e juntar as ferramentas certas.

Compile programas em C de dentro do Vim

Programação comumente consiste das tarefas (cíclicas) de editar código, compilar, depurar etc.
Sair do editor de texto, apenas para realizar algumas destas tarefas é contraproducente.

… e um dos principais motivos de se usar o Vim é justamente obter o máximo de eficiência no trabalho.
Neste post, portanto, vou mostrar como compilar o seu código em C, sem precisar sair do editor.

Para a gente poder ir direto ao assunto, peguei o código do hello world da Wikipedia. Contudo, qualquer outro que tiver aí serve, claro.

Abra o editor Vim e digite o código:

#include 
main( )
{
        printf("hello, world\n");
}

Quando terminar, salve o arquivo:


:w hello.c

Agora compile, na linha de comando do próprio Vim:


:make hello

O Vim irá rodar o compilador padrão do seu sistema e exibir mensagens (de erro, de aviso etc.)
Se tudo correr bem, o hello deve estar presente no diretório atual, já como executável.

Leia mais sobre o editor Vim.

5 IDEs para programar no Linux

Os ambientes integrados de desenvolvimento (Integrated Development Environment> ou IDEs) são conjuntos de ferramentas que visam a oferecer ao desenvolvedor(a) tudo o que ele(ela) necessita para trabalhar: editor, corretor, debugger, compilador/interpretador etc.
O objetivo da IDE é proporcionar conforto, eficiência e desempenho a projetos de desenvolvimento de todos os tipos e tamanhos.

O Linux é muito rico em ferramentas para programação e é apontado como uma opção segura para profissionais sérios(as).
Neste post, vou me limitar a falar das opções disponíveis na interface de instalação Programas no Debian 10 “Buster” (testing edition).
Debian Ubuntu Instalar programas

Mesmo que a sua distro favorita seja outra, tenho certeza (quase) absoluta de que você vai encontrar todas estas opções lá também.
Para estar nesta lista, os itens precisam obedecer os seguintes requisitos:

  1. Precisa estar disponível no repositório oficial do Debian
  2. Precisa estar disponível na busca do painel de instalação Programas.
  3. Precisa ser uma ferramenta genérica, voltada para várias linguagens de programação e não apenas uma ou outra plataforma específica.

Use a sessão dos comentários, para me avisar (se não encontrou alguma coisa) ou para sugerir outras opções. 😉

Anjuta DevStudio

anjuta ide

Escrito, desde o inicio para o ambiente GNOME, o Anjuta DevStudio tem uma interface totalmente integrada.
Foi lançado em Dezembro/1999 e é, portanto, um projeto com aproximadamente 20 anos de estrada.
Entre seus principais atributos, o site oficial lista:

  1. Interface simplificada de usuário.
  2. Possui assistentes de projeto e modelos prontos.
  3. Tem suporte a C, C++, Java, JavaScript, Python e Vala.
  4. Integração total com o Glade, ferramenta de design de interfaces.
  5. GDB integrado, para depuração completa.
  6. DevHelp, como sistema de ajuda integrado e sensível ao contexto.

Code::Blocks

code blocks ide

A proposta do Code::Blocks é ser uma plataforma de desenvolvimento de código aberto, voltada para as linguagens C, C++ e Fortran.
Tem suporte a múltiplos compiladores, como o GCC, MSVC++, Clang Digital Mars etc.
O programa é especialmente projetado para ser estendido, através de plugins e receber variadas configurações.

Eclipse

eclipse ide linux

O projeto da IDE Eclipse já tem mais de 15 anos e começou dentro da IBM, em um projeto chamado VisualAge, voltado a construir ferramentas de desenvolvimento para os próprios projetos da empresa.
Atualmente, o Eclipse tem suporte a mais de 45 idiomas e a dezenas de linguagens de programação, como Ada, ABAP, C, C++, C#, COBOL, D, Fortran, Haskell, JavaScript, Julia, Lasso, Lua, NATURAL, Perl, PHP, Prolog, Python, R, Ruby (inclusive Ruby on Rails framework), Rust, Scala, Clojure, Groovy, Scheme, e Erlang.
O suporte a estas e outras linguagens é adicionado por meio de plugins.
Tal como o Code::Block, tem suporte a diferentes sistemas operacionais e, portanto, pode ser uma ótima opção para projetos multi-plataforma.

Geany

geany ide linux

O Geany é o queridinho entre desenvolvedores que apreciam o equilíbrio entre a quantidade de recursos e o bom desempenho de uma IDE leve.
O objetivo que guia este projeto é manter sempre este equilíbrio — que é alcançado, entre outras coisas, mantendo o mínimo de dependência de bibliotecas de terceiros.
Portanto, é indicado também para quem tem espaço limitado no computador de trabalho.
Tem suporte a C, Java, PHP, HTML, Python, Perl e Pascal.

Netbeans

Outra IDE desenvolvida por uma grande companhia, o NetBeans surgiu dos laboratórios da Sun Microsystems.
Inicialmente, o objetivo era prover um ambiente integrado aos desenvolvedores Java – dentro e fora da empresa.
Mas o projeto cresceu e adquiriu “vida própria”. Sobreviveu, até mesmo, a aquisição da Sun pela Oracle.
O projeto, hoje, tem suporte a dezenas de linguagens de programação (através de plugins) e pode ser usado até mesmo para desenvolver temas para WordPress.

Menções honrosas

Tive que conter o meu entusiasmo para não continuar escrevendo.
A lista ultrapassaria 10 itens, facilmente.
Apesar disso, faço questão de mencionar 3 IDEs e os motivos pelos quais ficaram fora desta lista.

  1. O Eric ficou de fora por ser um projeto exclusivamente voltado ao Python.
    Contudo, é um ambiente de programação fantástico e, se você é desenvolvedor Python, definitivamente recomendo que vá aos Programas conhecer esta opção.
  2. O Kdevelop também merece estar em qualquer lista de IDEs para a plataforma Linux e ele também pode ser encontrado no painel de instalação.
    Ficou de fora por ser voltado ao ambiente gráfico KDE — o que implicaria (para quem usa o GNOME, como ambiente padrão) em instalar uma enorme quantidade de bibliotecas para Qt e KDE.
  3. O Codelite, por pouco, não me fez aumentar a lista de 5 para 6…
    No Debian, ele pode ser instalado pela CLI, por que faz parte dos repositórios oficiais.
    O problema é que não consegui encontrá-lo no painel gráfico de instalação — e este seria o segundo pré-requisito para entrar na lista.
    Na sua distro, aí, é possível que ele esteja presente — dá uma olhada!
    Se não estiver e quiser conhecer o ambiente, use o apt (ou dnf):

    
    sudo apt install codelite
    

O exemplo do Codelite, aqui, mostra por que desenvolvedores não podem abrir mão da linha de comando, sob pena de deixar passar coisas importantes.
Se cometi algum erro ou alguma injustiça, por favor, me conte na sessão de comentários.