Ubuntu para computadores antigos e com poucos recursos – parte 2

Neste texto vou dar algumas dicas de instalação e configuração do Lubuntu (que podem ser aplicadas a outras distro relacionadas também), no sentido de adequá-lo ainda mais a situações de hardware com recursos (muito) limitados.
Não dá para fazer milagres. O objetivo é apenas melhorar a situação e trazer melhores condições de usabilidade à sua máquina.
Recomendo fortemente ler a primeira parte deste artigo, onde a distro Lubuntu GNU/Linux é apresentada e são mostradas algumas boas razões para usá-la tanto em máquinas antigas como nas atuais com hardware parrudo. O texto ainda explica em que casos o Lubuntu não vai ter serventia para você.
Se quiser se aprofundar um pouco mais em algum assunto, clique nos links dentro do texto ou ao final, nas referências.
Neste post, vou focar a instalação e a configuração do Lubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus. O objetivo é tornar possível o seu uso em um netbook, com procesador Intel Atom N270, 1,60 GHz e 1 GiB de memória RAM.
As dicas podem ser adequadas a outras distribuições GNU/Linux.
É desejável que você já tenha alguma experiência prévia com a instalação do Ubuntu.

Onde fazer o download do Lubuntu

A distro pode ser baixada do site oficial, na sua versão integral, pronta para ser gravada em um pendrive ou em um CD.
Neste mesmo site, é possível encontrar a versão Alternate, que faz a instalação do sistema operacional em modo texto — que pode ser mais adequada para o tipo de máquina que estamos focalizando aqui.
Não se preocupe. Ao final, a instalação Alternate entrega um ambiente gráfico para você (se tudo correr bem). É só a instalação que corre no modo texto.
O Ubuntu alternate CD vai oferecer também a opção de instalar apenas a versão CLI (Command Line Interface) ou Interface de Linha de Comando, tal como você poderia obter através do Lubuntu Alternate e Ubuntu Minimal.

Como instalar o Ubuntu em linha de comando

O foco deste post é uma instalação Ubuntu (ou Xubuntu, Lubuntu etc) em linha de comando, ou CLI — a partir da imagem Alternate.
Vamos abordar as possibilidades de remoção de módulos e da interface gráfica padrão, entre outras ações para tornar a distro mais leve.
ubuntu install cli
Para instalar o Ubuntu em modo CLI, tecle F4 na tela preliminar da instalação e selecione Instalar um sistema de linha de comando.
Siga em frente, com atenção — nem todos os diálogos estão traduzidos para português.
Se você pretende particionar o disco principal da nova instalação, sugiro ler este texto sobre o swap, onde há uma tabela com as recomendações sobre o tamanho ideal da partição de swap para o seu hardware.

Configurações pós-instalação do Lubuntu

Uma vez instalado o novo sistema, vamos ver o que pode ser feito para ajudar a torná-lo mais leve.
Veja algumas medidas que você pode adotar no console:

  1. A documentação oficial da Canonical recomenda, nestes casos, inscrever alguns módulos do sistema na “lista negra” ou blacklist.
    Por exemplo, para não carregar o módulo do sistema de arquivos ‘reiserfs’, acrescente a seguinte linha ao arquivo ‘/etc/modprobe.d/blacklist.conf’:

    blacklist     reiserfs

    Descobrir quais módulos (dentre os que estão carregados) que você não precisa, pode ser um “trabalho de formiguinha”.
    Para obter a lista de módulos carregados atualmente no seu sistema, use o comando lsmod.
    Via de regra, o Linux só carrega o que é necessário. Portanto, se não tiver certeza, não mexa.

  2. Se você não usa o recurso de hibernação, desabilite-o, comentando o conteúdo do arquivo ‘/etc/initramfs-tools/conf.d/resume’. Em seguida execute o comando:
    sudo update-initramfs -u

    Se preferir, você pode apenas alterar o nome do arquivo.
    A documentação oficial diz que você pode até removê-lo, mas acho isto muito agressivo (vai que você muda de idéia depois).

  3. Se você não está usando um notebook, remova os acpi e acpid:
    sudo apt remove acpi acpid
  4. Descubra quais pacotes de idiomas (language) estão instalados no seu sistema e remova os que não são necessários.
    No exemplo, abaixo, apenas os pacotes em Português se encontram instalados:

    sudo apt search language-pack | grep -i installed
    [sudo] password for justincase: 
    WARNING: apt does not have a stable CLI interface. Use with caution in scripts.
    
    language-pack-gnome-pt/xenial,xenial,now 1:16.04+20160415 all [installed]
    language-pack-gnome-pt-base/xenial,xenial,now 1:16.04+20160415 all [installed,automatic]
    language-pack-pt/xenial,xenial,now 1:16.04+20160415 all [installed,automatic]
    language-pack-pt-base/xenial,xenial,now 1:16.04+20160415 all [installed,automatic]
    

Use o tasksel para remover o ambiente gráfico

Ao instalar a versão alternate ou minimal do Lubuntu, você dispõe do aplicativo tasksel — a partir do qual, é possível selecionar para remoção/instalação de sets ou conjuntos inteiros de pacotes de softwares.
Se você não pretende usar algum ambiente gráfico, pode desmarcar e clicar em OK.
No exemplo (imagem abaixo), desmarquei o Lubuntu Desktop.
tasksel in Lubuntu
Para voltar atrás, rode de novo o tasksel, selecione novamente o item desinstalado e clique em OK.
Se o tasksel não estiver disponível, é possível instalá-lo:

sudo apt install tasksel

Referências

https://elias.praciano.com/2016/05/ubuntu-para-computadores-antigos-e-com-poucos-recursos
http://cdimage.ubuntu.com/lubuntu/releases/
https://help.ubuntu.com/community/Installation/MinimalCD

Como impedir que o Ubuntu ajuste o brilho ao máximo, quando ligar o notebook

Alguns usuários reclamam de que os ajustes de brilho da tela do computador se perdem, quando reiniciam o sistema.
Este site tem várias dicas de ajuste do brilho, do contraste e da temperatura do monitor, para Ubuntu (e que funcionam tranquilamente na maioria das outras distros GNU/Linux) — mas alguns leitores retornam dizendo que seus ajustes foram “pulverizados” quando desligaram/ligaram o sistema.
Obviamente, isto não acontece quando você faz uso de um arquivo de configuração ou de um aplicativo que é disparado toda vez que a sua sessão no Linux inicia.
Conheço várias abordagens para este problema. Pelo menos 3 delas são universais (funcionam em qualquer distro) e são de simples aplicação.
Como sempre, caso não saiba o que está fazendo, não faça.
Se for fazer, faça por sua própria conta e risco e não brinque em equipamentos de produção.
Você foi avisado(a).

Inscreva o módulo de ajuste do vídeo na lista negra

Parece radical, mas é simples.
Eu experimentei esta solução em um notebook Samsung Ativ Ultra, rodando Ubuntu 14.04 LTS e em um netbook STI Infinity 1093g, rodando o Trisquel Linux Belenos (excelente distro, por sinal!).
blacklist-video-linux-lista-negra-
Se você tiver algum efeito colateral, é muito fácil desfazer as alterações — e tudo volta ao normal.
Use o seu editor de texto favorito (para editar códigos) e abra o arquivo /etc/modprobe.d/blacklist:

sudo editor etc/modprobe.d/blacklist

Ao final do arquivo, acrescente as linhas:

# Para impedir o sistema de autoregular o brilho da tela
blacklist video

Agora, você pode ajustar o brilho, com a sua ferramenta favorita. Ao desligar e ligar novamente o computador, os ajustes tenderão a ainda estar lá (espero).
Se algo der errado, ou nada acontecer, remova o texto acrescentado ao arquivo etc/modprobe.d/blacklist e tente outra abordagem.

Inscreva a linha de configuração nos aplicativos de sessão

Há vários aplicativos para regular o brilho, o contraste e outros atributos da imagem do seu monitor.
Os principais são o xcalib e o xbacklight — se você não os conhece, clique nos links, para saber como funcionam.
No Ubuntu, use o Dash para encontrar o painel de aplicativos de sessão:

como iniciar os aplicativos de sessão a partir do Dash
Clique para ampliar

Em seguida, inclua uma entrada com o comando xbacklight ou o xcalib, grave e feche.
configurar aplicativos sessão
Clique para ampliar

Clique em adicionar e forneça o comando completo. No exemplo, da imagem, o comando xbacklight -set 40:
captura de tela - configurar aplicativo de sessão no ubuntu
Clique para ampliar

Na próxima vez em que você iniciar a sessão, o comando será executado logo após o login.

Use um aplicativo completo de ajuste do LED ou LCD do seu monitor

Aplicativos, como o Redshift ou o X.Flux, são voltados para regular a temperatura das cores do seu monitor. O objetivo é proporcionar, no decorrer do dia ajustes suaves e automáticos, em função da hora e da iluminação ambiente, mais conforto visual ao usuário.
Esta é minha solução preferida. Eu uso o Redshift para ajustar automaticamente vários atributos da imagem do monitor, ao longo do dia — temperatura, gamma, contraste, brilho etc.
Em outras palavras, com esta solução, é possível ajustar uma quantidade bem maior de itens relativos ao seu display e de maneira dinâmica.
Leia mais sobre o Redshift, aqui. Sobre o X.Flux, leia mais aqui.

Ajuste o rc.local

Esta solução é muito dependente do hardware em questão. Portanto, se você não encontrar os arquivos de configuração, aqui descritos, esta solução não é para você.
Se você tiver o xbacklight presente no seu sistema, use-o para alterar o brilho mais uma vez, como no exemplo:

xbacklight -set 10
xbacklight -get
9.473684

Se estiver presente no seu sistema, é possível verificar o valor atual do brilho do monitor no arquivo /sys/class/backlight/acpi_video0/brightness

cat /sys/class/backlight/acpi_video0/brightness 

O valor é exposto na forma arredondada:

9

O “truque” trata de reajustar o valor do brilho em um dos arquivos de inicialização do sistema.
O reajuste do valor do brilho será feito no arquivo /etc/rc.local — e você precisa de privilégios administrativos para ajustar este arquivo.
Abra-o, com seu editor favorito e copie para dentro dele (antes da linha exit 0) a seguinte linha:

echo 20 > /sys/class/backlight/acpi_video0/brightness

Sinta-se â vontade para usar outro valor, diferente de 20.
Tome cuidado para não usar valores muito baixos, que podem deixar a sua tela toda preta — o que vai dificultar a correção do problema.
Veja, na imagem, como ficou pra mim:

Captura de tela do arquivo rc.local
Clique para ampliar.

Esta solução foi descrita na página de bugs do Ubuntu: https://bugs.launchpad.net/ubuntu/+bug/849091.

Conclusão

É importante que se diga, caso uma das dicas não funcione para você, tenha em mente que hardwares diferentes demandam soluções diferentes.
Tenho certeza de não ter esgotado o assunto — e de que há muito mais para ser dito sobre como regular a imagem de um display no Linux. Sinta-se à vontade para propor sua solução favorita, nos comentários ou como tudo funcionou para você.