Minha análise sobre a hospedagem grátis PHP e MySQL do 000webhost

Web Hosting
Dos vários provedores de hospedagem grátis, que já experimentei, há alguns que merecem ser destacados em alguns posts. O 000WebHost ou FreeHosting.com é um deles.
Estabelecidos desde 2006 e, segundo o site, contam com mais de 60 mil clientes mundo afora. Oferecem vários planos, sendo que o básico (gratuito) conta com 1.5Gb de espaço e a promessa de 100Gb de transferência de dados mensal. O objetivo é conquistar o cliente do plano básico, é seduzi-lo para fazer um upgrade para uma conta paga, com mais recursos.

O ideal, é sempre contratar um plano sério e pagar pelos serviços recebidos. Mas há casos em que um provedor gratuito é a melhor opção: sites demo, de aprendizado etc.

Uma das boas surpresas do plano grátis é o suporte a PHP, Ruby, Perl, MySQL e PostgreSQL – com isto, praticamente qualquer projeto pode ser iniciado e, assim que você julgar necessário, partir para um dos planos pagos do provedor.

As restrições ao uso do PHP e do MySQL são mínimas (máximo de 5 contas no banco de dados). E o PHP tem suporte aos seguintes recursos:

  • função PHP mail() e Sendmail;
  • Curl, biblioteca GD2, XML, Zend e suporte a .htaccess;
  • fopen() e sockets PHP sockets;
  • safe_mode, desligado e upload de arquivos, ligado;
  • suporte ao Zend Optimizer, Ioncube etc;

Outros recursos oferecidos:

  • Sem publicidade. O serviço não impõe anúncios ao seu site;
  • Hospedagem do seu próprio domínio;
  • Se não tiver um domínio, o usuário pode escolher um dos subdomínios gratuitos do próprio site;
  • Contas de email POP3 e acesso web (webmail);
  • Mais de um tipo de gerenciador de arquivos Web e FTP.

Painel de controle cPanel

Um dos painéis de controle mais usados nos provedores e com vários recursos disponíveis, já nesta versão básica e gratuita do plano de que estamos falando é um atrativo pro serviço. Se você for iniciante, não vai ter dificuldades para realizar qualquer tarefa dentro deste painel.

Fantastico De Luxe, instalador automático de aplicativos

Aqui, os iniciantes ou quem tem pouco tempo para por uma solução no ar, têm uma ferramenta que permite instalar com poucos cliques mais de 40 aplicativos pro seu site, tais como Drupal, Geeklog, Joomla, Xoops, WordPress, b2evolution, Support Logic Helpdesk, phpBB2, SMF, OS Commerce, ViPER Guestbook, Coppermine Photo Gallery, PhpWiki, PHPauction, WebCalendar etc. – acesse o site e veja a lista completa.

Faça você mesmo o seu website

O SiteReptile, um dos aplicativos disponíveis, permite montar o seu próprio site, em poucos passos — é uma questão de dar os detalhes do seu cadastro, selecionar um entre os mais de 300 templates e mandar publicar (pra resumir).

Suporte

O que diferencia os diversos serviços online, costuma ser a qualidade do suporte. Não espere muito de uma hospedagem gratuita, neste quesito. Suporte é caro e eles precisam pagar as suas contas. Ainda assim, há uma boa quantidade de tutoriais e informações que podem ser lidas para ajudar a resolver a maior parte dos problemas que você encontrar pela frente.
Na versão paga, normalmente, um técnico resolve a maior parte dos problemas pra você. Isto é uma grande diferença.

POSTS RELACIONADOS

O serviço é para você?

Se você está iniciando um projeto de comunidade online, um blog ou site pessoal, pensa em começar pequeno para crescer aos poucos, sim.

Desvantagens do serviço

A hospedagem gratuita, como já era de se esperar, é claramente uma degustação. Não é feita para projetos que já passaram da fase inicial – neste caso, a experiência será decepcionante.
O suporte técnico, embora costumem responder agilmente, não se iluda, é voltado para clientes pagantes – portanto se prepare para resolver a maior parte dos problemas por sua própria conta.
Há limite de upload de arquivos (2mb). Não há acesso SSH/SFTP/SCP, nem suporte a SSL pro seu domínio, na versão grátis.
Abaixo, segue o banner “discreto” do serviço, para você clicar – o melhor julgamento, é que você mesmo faz.
Web hosting

Como usar o tasksel para instalar softwares no seu sistema

O tasksel é um dos aplicativos mais eficientes para instalar vários softwares de uma só vez nas distribuições baseadas no Debian — o que inclui Ubuntu, Linux Mint etc.
O programa pode ser usado para determinar um perfil de uso de um computador: você diz para quê vai usar a máquina e o tasksel baixa e instala todos os softwares que correspondem àquele perfil de uso. E, sim! Você pode selecionar mais de um perfil para o seu sistema.
Em outro artigo, ensinei como usar o tasksel para instalar um servidor web (Apache), MySQL e PHP de maneira simples.

Como instalar o tasksel

O aplicativo é parte integrante do Debian. No Ubuntu, você precisa instalá-lo antes de usar.
Abra um terminal (Ctrl + Alt + T) e digite o comando, a seguir:


sudo apt-get update

sudo apt-get install tasksel

Aguarde enquanto os pacotes são baixados e instalados.
feito isto, rode o tasksel:


sudo tasksel
Tasksel no debian 7.0
Clique para ampliar

Quais são os perfis possíveis para instalação pelo tasksel?

A resposta a esta pergunta vai depender da distro utilizada. São muitos.
Contudo, a partir de uma pequena distro, como mini CD Debian, as opções são bastante limitadas inicialmente. Em uma distro tradicional Ubuntu a lista de perfis é bem maior – onde é possível trocar todos os pacotes instalados para Ubuntu/unity por Ubuntu/KDE, com dois toques no teclado.

Exemplos de uso do tasksel

Você pode listar os perfis possíveis de instalação ou ordenar a instalação diretamente via linha de comando, sem a necessidade de acessar a tela principal do aplicativo.
Para ver os perfis disponíveis:


sudo tasksel --list-tasks

Para ver os softwares que compõem o perfil de um servidor de impressão — e que serão instalados, se você o selecionar:


sudo tasksel --task-packages print-server

tasksel para instalar servidor dns
Clique na imagem para ampliar

Para instalar diretamente, da linha de comando, todos os pacotes que compõem o UbuntuStudio-photography (versão Ubuntu voltada para uso e produção de multimídia, com ferramentas profissionais de edição de fotos):


sudo tasksel install ubuntustudio-photography

Experimente e veja com seus próprios olhos como é fácil!
Fonte: Wiki Debian.

Como instalar o MySQL no Ubuntu

O MySQL é o banco de dados mais usado na web. Há estatísticas que o colocam como a escolha de quase 90% dos maiores sites.
Neste post, vamos ensinar como instalar a versão mais atual de um servidor de banco de dados MySQL no Ubuntu. Se você tiver interesse em instalar um servidor mais completo, com Apache e PHP, este artigo pode ser mais útil para você.

Instalação do MySQL

O primeiro passo é abrir um terminal (Ctrl + Alt + T, no Ubuntu)
Antes de instalar, vamos começar por (re)sincronizar os índices dos pacotes. Em seguida, vamos dar início à instalação:

sudo apt-get update
sudo apt-get install mysql-server

O processo pode levar alguns instantes, dependendo da velocidade de sua conexão. Se tudo correr bem, o Ubuntu irá baixar os pacotes de instalação e fazer a configuração básica do sistema para você e o deixará rodando, pronto para receber as suas primeiras ordens.

Usando o MySQL

Talvez você queira, neste momento, verificar se o seu servidor MySQL está funcionando. Você pode verificar isto através do netstat. Veja como:

sudo netstat -tap | grep -e mysql

O resultado deve ser semelhante ao que vocẽ vê na imagem abaixo

netstat mysql
Clique para ampliar.

POSTS RELACIONADOS

Como atribuir uma nova senha ao administrador no MySQL

Durante o processo de instalação, o sistema pede para cadastrar uma nova senha pro administrador. Se você não se lembra de qual era, pode recadastrar a senha agora:

mysqladmin -u root password novasenha

Como você pode ver, no Ubuntu este tipo de trabalho é bem fácil de ser realizado. Divirta-se!
PS.: Não esqueça de dar uma olhada em nossos outros artigos sobre MySQL.

Como adicionar ou criar um novo usuário no Linux

Elias Praciano - Tux Ninja - The Linux AdministratorEste post não pretende esgotar o assunto a ponto de deixar um administrador de sistemas totalmente satisfeito. Mas vamos tentar fazer a felicidade de usuários comuns, simplificando tudo, com o “jeito universal” de criar novos users.

No terminal

Aprender a criar novos usuários no terminal é útil por que você não fica dependente de variações nas interfaces gráficas dos diversos sabores Linux disponíveis. Desde que você tenha acesso a um terminal e privilégios administrativos, tudo sempre vai dar certo pra você.
Abra um terminal (Ctrl + Alt + T, no Ubuntu) e digite o comando:

sudo adduser ericclapton
Adicionando o usuário `ericclapton' ...
Adicionando novo grupo 'ericclapton' (1002) ...
Adicionando novo usuário `ericclapton' (1002) ao grupo `ericclapton' ...
O diretório pessoal '/home/ericclapton' já existe. Não copiando de '/etc/skel'.
Digite a nova senha UNIX: 
Redigite a nova senha UNIX: 
passwd: senha atualizada com sucesso
Modificando as informações de usuário para ericclapton
Informe o novo valor ou pressione ENTER para aceitar o padrão
	Nome Completo []: Eric Patrick Clapton
	Número da Sala []: 
	Fone de Trabalho []: 
	Fone Residencial []: 
	Outro []: 
A informação está correta? [S/n]

Depois que você forneceu a nova senha do usuário e a confirmou, ele já estará criado. As informações que são pedidas, em seguida, são opcionais. Não é fácil?
Isto já é o suficiente para você adicionar todas as pessoas que precisam ter acesso a um determinado computador em sua casa, na empresa, na escola etc.

Use o gstreamer para fazer resampling de arquivos mp3 no Ubuntu

É possível reduzir ainda mais os tamanhos dos arquivos mp3, com pouca perda da qualidade. A utilidade deste procedimento é fazer com que uma quantidade maior deles caiba em dispositivos reprodutores antigos, com capacidade de armazenamento muito limitada.
Se você não se importa em ouvir toda a sua coleção de músicas em um dispositivo de som, com qualidade de rádio, esta é uma ótima ideia.

iPods mp3 player
Coleção de iPods

No primeiro post sobre este tema mostramos como fazer este trabalho através do LAME.
É claro que a redução tem um custo — a consequente redução da qualidade do áudio do arquivo. A gente aposta na possibilidade de esta queda na qualidade ser imperceptível para a maioria das pessoas e no aproveitamento mais eficiente do espaço na mídia de armazenamento. Houve caso de triplicar a quantidade de arquivos dentro de um pendrive antigo.
Atualmente, temos outras ferramentas que também podem fazer o trabalho e é possível criar um script de automação da tarefa bem menor e mais enxuto do que o do artigo anterior.
Vamos ver aqui como isto é possível.

Instalação das ferramentas de trabalho

Aqui vamos usar o GStreamer para fazer a conversão e resampleamento (resampling) dos arquivos mp3. A principal vantagem dele, em relação ao LAME, é que ele retém as informações id3 dos arquivos. Assim, podemos fazer um único script e menor.
Abra um terminal (Ctrl + Alt + T, no Ubuntu) e digite o comando que segue, para instalar gstreamer-tools:

sudo apt-get install gstreamer-tools

Aguarde alguns minutos enquanto o pacote é instalado e prossiga.

Como criar um script de conversão de arquivos de áudio mp3

Sugiro criar um diretório para scripts e programas no seu /home:

mkdir ~/bin
cd ~/bin

Agora abra o seu editor de textos preferido, copie e cole o script abaixo dentro dele:

#!/bin/bash
#
# gshrink - Um script para resamplear todos os arquivos mp3 do
# diretorio. Este script depende do pacote gstremar-tools
# Os créditos do script original:
# Elder-Geek --> http://elder-geek.blogspot.com.br
######################################################
# Lita os arquivos mp3 no diretorio atual
ls *.mp3 > mp3_list
ls *.MP3 >> mp3_list
# Analisa a lista de arquivos mp3 e substitui os espaços por caracteres de escape
sed -i 's: :\\ :g' mp3_list
# Verifica se o subdiretorio resample já existe. Se não, cria.
if
  test -e ./resample
then
  echo "diretorio/arquivo resample ja existe - apagar? (S/n)"
  read reply
  if
    [ "$reply" != "n" ]
  then
    rm -r resample
    mkdir resample
  else
    exit
  fi
else
  mkdir resample
fi
# Resampleia cada mp3 e grava as tags
# CBR bitrate bitrate=128
# VBR quality quality=9
  cat mp3_list |while read song
do
  echo "$song"
  gst-launch filesrc location= \"$song\" ! decodebin2 ! audioconvert ! lamemp3enc target=bitrate bitrate=128 ! id3v2mux ! filesink location=\"resample/$song\"
done
#clean up
if
  test -e mp3_list
then
  rm mp3_list
fi
if
  test -e tag2.txt
then
  rm tag2.txt
fi
exit

Uma última dica

Para quem fez backup de todos os seus CD’s e guardou cada coletânea e álbum em pastas diferentes, recomendo executar o script dentro de cada pasta de arquivos mp3 – o que vai criar um subdiretório adicional resample com os mesmos arquivos da pasta pai, só que resampleados e reduzidos, prontos para ir pra qualquer lugar.