Os meus 5 primeiros ajustes pós-instalação do Ubuntu 18.04

Para os meus padrões de uso, o Ubuntu 18.04 já vem pronto pra batalha — isso, por que sempre instalo a versão mínima do sistema, para ir adicionando sob demanda, à medida do necessário, o software que preciso para trabalhar.
O GIMP, o DarkTable, o Audacity, o VLC etc… tudo é instalado depois, com calma, quando chega o momento da necessidade (ou do desejo).

Nem lembro se o módulo de ajustes avançados — também conhecido como GNOME Tweak Tools — já vem instalado por padrão na versão completa do Ubuntu. Contudo, ele será necessário aqui.
Se não vier, é fácil encontrar e instalar o pacote, conforme as imagens abaixo.

Ubuntu ajustes do gnome

A ferramenta de instalação vem em pacote compacto e de rápida instalação.
Ubuntu painel de instalação

O utilitário de ajustes do GNOME

O GNOME Tweak Tools — ou “Ajustes do GNOME” — é um painel completo de possibilidades de configuração para o ambiente gráfico GNOME.

Neste post, vou fazer um rápido tour por algumas das seções do utilitário, aonde faço alguns dos meus ajustes iniciais — apenas o suficiente para garantir mais eficiência ao início do meu fluxo de trabalho.
janela sobre o ajustes do gnome

Sinta-se à vontade para fazer os seus próprios ajustes e, se quiser, recomendar ou dar suas dicas nos comentários.

As minhas sugestões de ajustes se aplicam ao meu notebook de trabalho — em que escrevo posts para o site e alguns scripts. Me acompanhe! 🙂

Configurações da barra superior da interface do GNOME

A seção de ajustes da “barra superior” se refere à parte superior da tela, onde ficam os ícones do relógio, data, status de conexão etc.

Ajustes da barra superior

Aqui, gosto de deixar ligados a exibição do “menu de aplicativos” e da “porcentagem da bateria” — para não ser pego desprevenido pela descarga da bateria no laptop.

Em seguida, ligo a exibição completa da data.

Os espaços de trabalho do GNOME

Como comportamento padrão, o GNOME vai criar os espaços de trabalho sob demanda — ou seja, à medida em que se vai precisando, novas áreas de trabalho virtuais são oferecidas pelo sistema.

Eu prefiro ter um número estático/fixo de 2 espaços de trabalho virtuais — para poupar memória e bateria, além de me forçar a ser mais organizado.

configuração de áreas de trabalho virtuais no GNOME

Configuração dos botões e das ações das janelas do Ubuntu

Eu prefiro manter esta seção da interface o mais limpa possível.

Minimizar e maximizar janelas, não faz parte do meu workflow no laptop e, portanto, estes 2 botões são os primeiros a cair.
Além disso, é possível configurar o GNOME para realizar estas ações com toques ou gestos no touchpad.

ajustes gnome janelas

O primeiro ajuste realizado aqui é direcionar o “clique no botão do meio” do mouse (ou toque simultâneo de 3 dedos no touchpad) para ação de minimizar a janela. Com 2 toques na barra de títulos, é possível maximizar uma janela.

Em seguida, eu “desligo” a exibição dos botões correspondentes às ações de maximizar e minimizar.

O terceiro ajuste é deslocar os botões de ações das janelas para a esquerda.

A área de trabalho

Esta é uma das partes do sistema operacional que quase nunca vejo — pois sempre há janelas abertas e, usualmente, maximizadas.

Para manter esta área limpa e economizar um pouco mais de memória do sistema, costumo desligar a exibição de todos os itens desta seção.
ajustes da área de trabalho

Esteticamente, acho o posicionamento de elementos na área de trabalho do sistema operacional “um tanto demodê”… (a cara do Windows 3.11)

É claro que ainda farei vários outros ajustes na interface do sistema, mas estes são aqueles principais — sem os quais, nenhum trabalho pode ser feito.

Todo o restante pode ser configurado on the go, ou seja, durante o uso diário do laptop.

Os 4 primeiros ajustes avançados a fazer no GNOME depois da instalação

O Debian e o Ubuntu são duas das distribuições GNU/Linux mais usadas, que usam o GNOME como ambiente desktop completo.
Se instalou recentemente o seu sistema com o GNOME, acompanhe a minha rápida lista de ajustes.

Para este post, vou fazer uso do GNOME Tweak Tools ou apenas “ajustes”, que já vem instalado por padrão. Embora, atualmente, eu use o Ubuntu 18.04 no notebook, no desktop estou com o Debian 10 instalado — e é baseado nesta configuração que este texto foi concebido.
gnome dash ajustes

Os botões das janelas

Como mencionei, uso Ubuntu no outro computador de trabalho e, como sabemos, lá o padrão do botão “fechar” é à esquerda da janela.

Eu concordo que este é um arranjo que tira melhor proveito do espaço e da tela.

Para facilitar a minha vida, prefiro que tanto no Debian quanto no Ubuntu, ambos fiquem no mesmo lugar. Por isso, no Debian gosto de configurar estes botões para o mesmo lado que ficam no Ubuntu.

No painel de Ajustes, selecione o item “Barra de título da janela”, à esquerda e selecione o posicionamento que achar mais conveniente para você.

Nesta mesma seção é possível acrescentar os botões Maximizar e Minimizar, se achar que são importantes.

Também dá para configurar as Ações do clique do mouse sobre a barra de título das janelas. Usualmente, deixo tudo do jeito que está e só altero o “Posicionamento” (o último item).
gnome ajustes barra de títulos

As informações da barra superior

Nesta seção costumo incrementar um pouco mais a minha interface.

Para o meu fluxo de trabalho, acho importante ter um “Menu de aplicativos” e a “Data” completa, ao lado do relógio.

No notebook, eu certamente ativaria também a exibição da “Porcentagem da bateria”.
gnome ajustes barra superior da interface gráfica

Limitando e fixando os espaços de trabalho

O padrão do GNOME, no Debian é a criação de “Espaços de trabalho dinâmicos” — ou seja, eles vão sendo criados sob demanda, à medida em que você vai necessitando deles.

Os espaços de trabalho, ou áreas de trabalho virtuais, podem ser um verdadeiro “dreno” para a sua memória. Por isso gosto de limitar ao tanto que realmente uso: 2.

Eu ligo também a última opção (veja imagem abaixo) “Espaços de trabalho se estendem por telas” — que quer dizer que o recurso não se restringirá apenas a um dos monitores (caso você use mais de um).
GNOME ajustes de espaços de trabalho

Inclusão de um menu de gestão de dispositivos removíveis

Na seção “Extensões”, eu só ativo o “Removable drive menu“, que permite montar e desmontar rapidamente pendrives, cartões de memória, HDs e SSD externos etc.

O “Places status indicator” não é uma prioridade, mas é um item que eu gosto — por que permite mais agilidade para chegar a qualquer drive ou pasta dentro do sistema — através de um menu posicionado no topo da tela, à esquerda.
painel de controle de ajustes de extensões do GNOME

Conclusão

Se você já é mais experiente, provavelmente tem suas próprias dicas de configuração — Por favor, conte mais, na sessão de comentários! 😉

No meu caso, esta é uma lista de “ajustes de urgência”, apenas para poder começar a trabalhar no computador.

No decorrer dos dias, à medida em que o vou usando e com o tempo, costumo fazer outros ajustes.

A maneira mais rápida de checar a saúde dos discos no Linux é esta.

Se o HD está fazendo barulhos estranhos (como estalos), você provavelmente está em maus lençóis.
O GNOME tem um aplicativo de gestão de dispositivos de armazenamento, que permite realizar diversas operações em pendrives, HDs, SSDs etc.

Neste post rápido, vou mostrar como obter dados básicos e rápidos a partir do Gerenciador de discos padrão, presente no Debian 10 e Ubuntu 18.04.

Encontre o aplicativo de gestão de dispositivos de armazenamento — Sim. Ele serve para pendrive, cartão de memória, SSD etc também.

Para chegar lá, acesse o Dash (use a tecla Super) e digite “disco”.
Ubuntu dash discos

Dentro do app de gestão de discos, selecione — à esquerda do painel — o dispositivo de armazenamento que você deseja diagnosticar — e a esta altura o diagnóstico já ocorreu e está sendo exibido na tela do painel, em Avaliação.
Disco rígido OK no Ubuntu

A mesma tela contém outras informações sobre o dispositivo de armazenamento selecionado, tais como Temperatura, tipo de sistema de arquivos etc.

Se você tiver algum problema no disco rígido, como setores defeituosos, ele será exibido na “Avaliação”.
Se, ainda, quiser realizar testes mais extensos e, eventualmente, corrigir problemas relacionados aos dispositivos, use o fsck.

Configure o DuckDuckGo como buscador padrão no Firefox

O Firefox já é um navegador mais amigável aos usuários que desejam ter mais privacidade online.
Ao fazer buscas mais “sensíveis” (conteúdo adulto, por exemplo), é comum as pessoas desejarem mais segurança e sigilo em relação aos seus dados e preferências de navegação.

O DuckDuckGo, como buscador, não permite rastreamento dos termos que você está usando. Claro que ele precisa de inserção de propagandas para financiar o projeto, mas apenas os termos da pesquisa são usados para determinar o tipo de comercial que será exibido. Seus dados pessoais ou os que permitam localizá-lo(a) não são colhidos.

Como configurar o Firefox para usar o DuckDuckGo como mecanismo de pesquisa padrão no PC ou no laptop

O Firefox já tem uma caixa de busca bastante democrática, que permite selecionar entre várias opções.
Firefox caixa de busca

Como comportamento padrão do Firefox, a última opção de busca se torna a padrão do navegador.

Quando o item não se encontra na lista, o jeito é configurar a ferramenta do navegador.
Você pode acessar o menu de configurações (ou preferences) através do botão de menu, no canto superior direito do navegador.
Uma outra forma de chegar lá (e talvez mais rápida) é através do endereço about:preferences#search (basta clicar ou tocar neste link).

Se o DuckDuckGo ainda não estiver aparecendo como opção, procure por ele em “Find more search engines” (encontre mais mecanismos de busca), na parte inferior da tela.

Isto é o suficiente para ter o DuckDuckGo como opção de buscas. É só usar.

Como configurar o Firefox para usar o DuckDuckGo como padrão no celular Android

O FireFox para dispositivos móveis (Android), no momento deste artigo, ainda é pouco amigável com o “buscador do pato pato”.

O que realmente funciona é instalar a extensão do DuckDuckGo, a partir do repositório oficial de extensões do Mozilla Firefox.
Extensão oficial DuckDuckGo para Firefox

Para isso, vá ao endereço https://addons.mozilla.org/pt-BR/firefox/addon/duckduckgo-for-firefox/ e selecione a instalação.
Extensão oficial DuckDuckGo para Firefox

Após a instalação, você poderá fazer suas pesquisas no motor do DuckDuckGo, através do menu do app Firefox. É o último item da lista.
Extensão oficial DuckDuckGo para Firefox

Como estabilizar vídeo com o ffmpeg

Estabilização de imagens em vídeo pode ser feita de diversas formas, com diferentes métodos. Com frequência, é possível combinar os métodos de estabilização e obter resultados ainda melhores.
O melhor método é aquele feito pelo hardware de filmagem, que compensa as tremidas ou movimentos involuntários da mão de quem está segurando o equipamento.

Ainda assim, ele não é 100% perfeito e pode ser complementado com uma estabilização via software — e é sobre isso que vamos falar neste post.

Métodos para estabilizar imagem de vídeo

A estabilização do vídeo pode ser realizada de diversas formas, como afirmei no começo.
Quando ela é mecânica (física) ou via hardware:

  1. O sistema (motor) de estabilização pode ficar embutido no corpo da câmera ou filmadora. Neste caso, é comumente chamado IBIS (In Body Image Stabilization, ou estabilização de imagem dentro do “corpo”, em uma tradução livre) ou, ainda, ICIS (In Camera Image Stabilization).
  2. Alguns fabricantes optam por colocar o sistema de estabilização da imagem nas lentes da câmera. O resultado é o mesmo, mas permite vender câmeras mais baratas e os usuários compram lentes estabilizadas apenas se necessitarem.
  3. Existe também a opção de usar estabilização tanto na câmera quanto na lente. Os dois sistemas podem trabalhar em conjunto para obter resultados ainda melhores.

A estabilização por software é muito usada em câmeras mais baratas e em celulares (onde não há espaço para embutir um sistema de estabilização físico).

Há também métodos externos bastante eficientes para obter filmes com imagens estáveis e sem tremores indesejados — por exemplo, gimbals, tripés ou apenas apoiar a câmera sobre uma superfície estável.

Neste post, vamos abordar a técnica de estabilização por software. Embora exista programas GUI (de interface gráfica) plenamente capazes de fazer “a mágica”, vamos abordar o procedimento via CLI, com o ffmpeg.

O procedimento é rápido e muito eficiente… mas se você não gosta de digitar comandos, este artigo não é para você.

A estabilização de imagens em vídeo, via software, é realizada através de um corte (cropping), o que vai dar em uma perda na qualidade do resultado final.
Claro que você pode fazer uma estabilização leve e ter menos perda.
Se achar que o impacto na qualidade é aceitável, pode optar por uma aplicação mais pesada do recurso.
A escolha é sua.

Equipamento físico usado na minha filmagem

Só por curiosidade, o equipamento usado na minha filmagem é uma câmera Canon T6 (ou 1300D), com uma lente Canon EF-S 55-250mm f/4-5.6 IS STM.

Neste caso, trata-se de uma lente que possui mecanismo de estabilização de imagem.

O problema é que ao usar o extremo da lente, a estabilização nunca é perfeita. E eu achei que poderia refinar o resultado, acrescentando estabilização por software.

Meu software de estabilização de imagem

Como já ficou claro no título, vamos usar os recursos presentes no ffmpeg, presente na maioria das distribuições Linux e que já tem compilado, dentro de si, a biblioteca para estabilização de imagens de vídeo, libvidstab.

O processo funciona com um recorte na imagem, que cria margem para os lados “absorverem” os movimentos mais abruptos.
O zoom é um dos “efeitos colaterais” do uso deste recurso.

Veja um exemplo de um dos quadros do vídeo original, abaixo:

Imagem original de vídeo ffmpeg
Vídeo original: beija1.mov

Veja um exemplo do mesmo quadro do vídeo após a estabilização:

Imagem de vídeo com estabilização cropada
Vídeo final: beija1-stab.mov

Percebeu a diferença (e o recorte)? Tenha isso em mente: quanto mais estabilização você aplicar, via software, maior será o recorte da imagem em vídeo.

Como aplicar estabilização de imagem a vídeos com o ffmpeg com a biblioteca libvidstab

A ferramenta de edição e manipulação de vídeos, ffmpeg, possui diversos recursos para melhorar o seu trabalho.
Para obter estabilização, use a opção ‘-vf’ com o parâmetro ‘vidstabtransform’.

Este método usa a biblioteca de estabilização do ffmpeg, libvidstab. Se a sua versão não tiver esta biblioteca compilada, vá para o próximo tópico (abaixo), aonde explico uma outra maneira de fazer o procedimento.

Para obter melhores resultados, contudo, recomendo rodar primeiro a detecção de estabilização. Com este procedimento, é criado um pequeno arquivo ‘transforms.trf’, no diretório local, em que os parâmetros e as variáveis de trabalho são registradas.

Veja como eu criei um arquivo transforms.trf em relação ao arquivo de vídeo ‘beija1.mov’ (substitua este nome pelo do seu arquivo, aí):


ffmpeg -i beija1.mov -vf vidstabdetect -f null -

Aguarde o andamento do processo e, em seguida, rode o procedimento de estabilização:


ffmpeg -i beija1.mov -vf vidstabtransform=smoothing=30:input="transforms.trf" beija1-stab.mov

Acima, substitua o nome do arquivo final ‘beija1-stab.mov’, pelo que você achar melhor.
Se não ficar satisfeito com o resultado da estabilização, altere o valor de ‘smoothing=30’ para um número mais alto. Tente 60, 120 etc.

Use o deshake para estabilizar com o ffmpeg

O filtro “deshake” também pode ser usado, como método de estabilização. É bem fácil!

Veja um exemplo:

ffmpeg -i video-original.mp4 -vf deshake video-estabilizado.mp4

No comando, acima, substitua os nomes “video-original.mp4” e “video-estabilizado.mp4” pelo que for mais adequado para o seu caso.Eu falei que era fácil.

Se achar interessante, pressione Ctrl+D para guardar esta página nos seus favoritos, para uma futura referência sobre o assunto.

Leia mais dicas:

  1. Dicas de uso do ffmpeg: https://elias.praciano.com/?s=ffmpeg+vídeo
  2. Dicas de edição de vídeo: https://elias.praciano.com/tag/edicao-de-video/
  3. Dicas de edição de imagem: https://elias.praciano.com/tag/edicao-de-imagem
  4. Dicas relacionadas à câmera Canon T6 ou EOS 1300D: https://elias.praciano.com/tag/canon