Instale centenas de fontes do Google Fonts no Linux

O repositório de fontes Google Fonts disponibiliza gratuitamente quase 900 fontes, que podem ser usadas no GIMP, no seu editor de textos ou para personalizar todo o seu sistema, do jeito que você quiser.
Para ser exato, na última vez que olhei, havia 850 fontes disponíveis — o pacote tem 380 Mb, aproximadamente.

Se preferir, vá até o site e baixe apenas as que gostar.
Neste post vou mostrar como baixar todas de uma só vez.

O Google Fonts é um dos principais locais de hospedagem de fontes “opensource”, na web.
O repositório contém centenas de famílias de fontes disponíveis para download individual ou em um único pacote.

Já abordei este assunto, anteriormente, em um post voltado para o Ubuntu.
Neste texto, quero falar do assunto de maneira mais genérica, para que possa servir a qualquer distribuição GNU/Linux.
Me acompanhe.
google fonts

Prepare o sistema

O script original de instalação foi desenvolvido por Michalis Georgiou.
O que segue, abaixo, é uma reedição da versão modificada pelo Andrew do Webupd8.
Só alterei 2 coisas:

  1. Traduzi para português e
  2. removi a linha de instalação do wget, para tornar o script mais enxuto e universal. Assim ele pode ser executado em qualquer distro, sem precisar ser editado.

Como consequência, você terá que instalar o wget por conta própria, antes de rodar o script.

No Debian e no Ubuntu, use o apt:


sudo apt install wget

No Fedora, use o dnf:


sudo dnf install wget

O script de instalação

Se tiver interesse em dar uma olhada ou baixar o script original, vá até o site no Github: https://raw.githubusercontent.com/hotice/webupd8/master/install-google-fonts

Segue a minha edição:


# Original author: Michalis Georgiou 
# Modified by Andrew http://www.webupd8.org 
# Traduzido para português por Elias Praciano https://elias.praciano.com

_wgeturl="https://github.com/google/fonts/archive/master.tar.gz"
_gf="google-fonts"

# certifica que não há outro arquivo com o mesmo nome
rm -f $_gf.tar.gz

echo "Conectando ao servidor Github. Aguarde...."
wget $_wgeturl -O $_gf.tar.gz

echo "Extração do arquivo baixado..."
tar -xf $_gf.tar.gz

echo "Criação do diretório /usr/share/fonts/truetype/$_gf folder"
sudo mkdir -p /usr/share/fonts/truetype/$_gf

echo "Instalação das fontes .ttf em /usr/share/fonts/truetype/$_gf"
find $PWD/fonts-master/ -name "*.ttf" -exec sudo install -m644 {} /usr/share/fonts/truetype/google-fonts/ \; || return 1

echo "Atualização do cache de fontes..."
fc-cache -f > /dev/null

# Limpeza. Remove o arquivo .tar.gz. O usuário poderá ainda precisar da pasta
rm -f $_gf.tar.gz

echo "Pronto."

Lembre-se, o script depende do programa wget e vai dar erro, se este não estiver instalado.
Copie o código acima e cole dentro do seu editor de textos favorito.
Em seguida, salve o script e saia do editor.
Eu salvei o meu script com o nome gfinstall.sh
Para torná-lo executável, use o chmod:


chmod +x gfinstall.sh

Agora, rode o seu script:


./gfinstall.sh 

Conectando ao servidor Github. Aguarde....
--2018-03-22 10:57:37--  https://github.com/google/fonts/archive/master.tar.gz
Resolvendo github.com (github.com)... 192.30.253.112, 192.30.253.113
Conectando-se a github.com (github.com)|192.30.253.112|:443... conectado.
A requisição HTTP foi enviada, aguardando resposta... 302 Found
Localização: https://codeload.github.com/google/fonts/tar.gz/master [redirecionando]
--2018-03-22 10:57:38--  https://codeload.github.com/google/fonts/tar.gz/master
Resolvendo codeload.github.com (codeload.github.com)... 192.30.253.120, 192.30.253.121
Conectando-se a codeload.github.com (codeload.github.com)|192.30.253.120|:443... conectado.
A requisição HTTP foi enviada, aguardando resposta... 200 OK
Tamanho: não especificada [application/x-gzip]
Salvando em: “google-fonts.tar.gz”

google-fonts.tar.gz                                 [                                               <=>                                                    ]  33,27M  3,72MB/s               


2018-03-22 10:59:21 (3,76 MB/s) - “google-fonts.tar.gz” salvo [405548495]

Extração do arquivo baixado...
Criação do diretório /usr/share/fonts/truetype/google-fonts folder
[sudo] senha para justincase: 
Instalação das fontas .ttf em /usr/share/fonts/truetype/google-fonts
Atualização do cache de fontes...
Pronto.

Terminado o processo de download e instalação, você já pode se servir das novas fontes no sistema.
Experimente abrir as configurações de tema do GNOME ou o seu aplicativo favorito, para ver as novas possibilidades.
fontes google no GNOME

Como fazer buscas via grep dentro de arquivos texto .doc

Arquivos .doc, do Microsoft Office são arquivos binários, com muito pouco conteúdo em texto e, portanto, imunes à leitura pelo comando grep.
Mas você pode contornar facilmente o problema com o uso de uma ferramenta adicional, o catdoc.

Geralmente, o utilitário não costuma vir instalado, por padrão.
Mas ele está disponível nos repositórios oficiais da maioria das distribuições GNU/Linux. É só ir lá e pegar…

No Debian ou no Ubuntu, faça a instalação via apt:


sudo apt install catdoc

O catdoc tem limitações.
A partir do programa, é possível realizar um cat “normal” em cima de qualquer arquivo .doc comum.
Já o conteúdo de arquivos criptografados ou do tipo .docx infelizmente não pode ser visto ou pesquisado pelo aplicativo.
catdoc grep

O utilitário, combinado com o comando grep, dará o resultado desejado.
Segue um exemplo:


catdoc Documentos/Guia\ do\ ubuntu.doc | grep -i ubuntu

Leia mais sobre o comando grep.

Prepare suas imagens para a web com este plugin do GIMP

Imagens para a web, geralmente usadas em blogs e sites precisam ter boa qualidade.
Ao mesmo tempo, é importante ter a preocupação com “o peso” da imagem

Imagem muito “pesadas”, ou seja, de tamanho muito grande, penalizam o seu site ao demorar pra carregar.
Se você costuma ter muitas visitas por dia, servir várias imagens pesadas, de várias páginas, pode se tornar um problema para você.

Alguns provedores cobram a mais pelo tráfego, outros penalizam quem ultrapassa o limite preestabelecido no contrato de adesão.
Mesmo quem usa um provedor sem limites de tráfego precisa se preocupar com a velocidade com que seu site chega à sua audiência — ou seja, a velocidade de conexão do seu visitante.
O pior mesmo é que o visitante pode ir embora, por que seu site demora muito para carregar.

Neste post, vou mostrar como tratar e gravar suas imagens, rapidamente, para a web.
É mais ou menos o que sites de redes sociais, como Facebook, Twitter, Instagram etc. fazem automaticamente com suas fotos.
Mesmo que você as tire usando uma câmera com capacidade de 40 megapixels, esta qualidade não será servida pelo Instagram, para citar um exemplo.
Pelo contrário. Assim que você faz o upload da sua imagem ou vídeo, ela é tratada para ser exibida com a melhor qualidade possível, porém com menor quantidade de informações.

Faça com o seu site ou blog a mesma coisa que o Instagram faz: trate as imagens, para que fiquem com menor tamanho, mantendo a maior qualidade possível.

Tudo isto pode ser feito, usando as opções padrão do GIMP, mas a extensão Save for web, agrupa todos os ajustes em uma única tela.
Para estes casos, existe uma extensão (ou add on), presente no pacote gimp-plugin-registry.
Expliquei como instalar aqui.
O pacote contem o plug in “Save for web” (ou “Salvar para web”), que automatiza o trabalho para você.
Salvar imagem para web

Depois de instalado, você pode gravar suas imagens para a web, a partir do menu arquivo:
Selecione Arquivo/Salvar para web.
salvar para web

O painel permite selecionar o tipo de arquivo e uma série de recursos que ajudam a reduzir o tamanho final do arquivo.
Fique atento ao tamanho do arquivo, na barra de status do painel e à qualidade visual dele, na sessão de preview.

O que você precisa fazer, aqui, é ter em mente a maneira como as suas páginas são visualizadas.
O pessoal do Instagram trabalha com uma audiência predominante de celular (e tablets, eventualmente) — então não faz sentido mostrar imagens com larguras superiores a 4096 pixels, por exemplo.
Se a maioria dos seus leitores usa celular, você também pode reduzir consideravelmente o tamanho das suas imagens.
Use a janela de pré-visualização, à direita, para verificar se o comprometimento da qualidade está aceitável em relação ao “peso” da imagem.

Como trabalhar com presets no GIMP

No mundo dos softwares proprietários, estão trocando e distribuindo presets a torto e a direito… e no GIMP?!
Como posso criar e usar presets no GIMP?

O GIMP cria presets automaticamente e ainda permite gerenciar seus ajustes personalizados de inúmeras formas.

O que são presets?

Ao editar imagens dentro do GIMP – ou qualquer outro editor – você sempre vai querer obter os melhores resultados.

Às vezes apanhamos um pouco (ou muito) para conseguir obter aqueles ajustes perfeitos de tons/tonalidades para determinados tipos de imagens.
Não é um trabalho fácil.

Como criar presets no GIMP?

Geralmente, os ajustes necessários para obter o melhor tom costumam ser o balanco de cores, saturação, matiz, curvas etc.
No GIMP, tais ajustes ficam agrupados no menu Ferramentas/Ferramentas de Cores.
gimp - ferramentas de cor

Ao editar fotos relativamente similares, pode se beneficiar de aplicar o mesmo conjunto de ajustes que funcionou em uma delas, nas outras.
Preset, quer dizer pré-ajustado.
Com este recurso, não é necessário memorizar tudo o que foi feito na imagem anterior.
Os presets, permitem usar os ajustes aplicados à imagem anterior em qualquer outra.
menu de presets

Se você tem um conjunto de 10 fotos de flores, só precisa fazer os ajustes de tons na primeira e reaplicá-lo nas outras fotos.
É para isto que servem os presets — é para poupar o seu tempo.

Outra forma de usar os presets, é aplicar efeitos prontos em suas imagens, semelhantes aos dos filtros do Instagram, Flickr, Google Photos etc.

A cada vez que você realiza um ajuste nas ferramentas de cores (exceto a “dessaturação”, “posterizar” e outros plugins prontos), o GIMP já salva automaticamente, como um preset — pronto para ser usado outras vezes.
Como padrão, cada preset é gravado com um título, que inclui a data e a hora de sua criação — mas você pode (e deve) usar nomes que ajudem a entender melhor o que aquele “pré-ajuste” específico faz.
nome do preset

Você também pode gravar seus presets favoritos em arquivos, para levá-los a outro computador ou compartilhar com outras pessoas.

Como gravar seus presets em arquivos

Para alguns fotógrafos ou editores excepcionais, os presets podem ser valiosos.
É comum distribuírem seus pré-ajustes entre seus clientes ou seguidores na rede social.
Alguns profissionais vendem seus presets, para Lightroom, por exemplo.
Não há qualquer impedimento para você vender os que criou no GIMP.
Como eu disse antes, dá para gravar seus presets em arquivos — para guardar, distribuir, comercializar etc.
Para isso, selecione um dos seus presets do menu dropdown e clique sobre o símbolo de menu, à direita do painel de ajustes.
Em seguida selecione “Exportar configurações para arquivo”.
gimp exportar preset

Você pode salvar o seu arquivo aonde quiser.
Para ter um acesso mas fácil a seus presets, sugiro usar uma pasta específica, no seu sistema, para eles.
gravar presets no GIMP

Como ativar o mouse no editor Vim

Ativar e usar as funções básicas de um mouse, dentro do editor Vim é bastante fácil.
É possível ativar o dispositivo para a sessão atual ou incluir o parâmetro de ativação no arquivo de configuração, para mantê-lo ativo permanentemente.

Ok. Usar o mouse no editor Vim pode parecer um contrassenso – e realmente é.
O editor foi concebido por pessoas que se deram conta de que usar o mouse durante o trabalho de escrever é extremamente contraproducente.

Mas, se você precisa, é muito fácil ajeitar isto.
Dentro do Vim, tecle ESC para ir para a linha de comando e rode


:mouse=a

Para desativar o dispositivo, dentro do Vim, execute:


:mouse=""

Para desativar o mouse apenas no modo comando, use ‘-=c’:


:mouse-=c

Foi difícil?! 😉
Para quem usa o GVim algumas outras opções de ajuste do mouse.