Como mudar o hostname no Ubuntu

No momento em que você instala o seu sistema pela primeira vez, é perguntado qual vai ser o nome do computador dentro da rede em que ele estará sendo instalado – ainda que não haja rede fisicamente, o computador tem que ter um nome. Se você se arrependeu do nome dado inicialmente, veja aqui como trocar.

Como mudar o hostname via linha de comando

Para realizar os procedimentos abra um terminal (Ctrl + Alt + T) e execute o comando hostname, para ver o nome atual da sua estação de trabalho:

hostname

Wintermute-server

Vamos alterar o hostname para Matrix-Server e verificar se deu certo:

sudo hostname Matrix-Server
hostname

Matrix-Server

Convém verificar o arquivo /etc/hosts e, se for o caso, alterar alguma linha que faça referência ao hostname antigo:

sudo nano /etc/hosts
127.0.0.1	localhost
127.0.1.1	Wintermute-server

Se houver alguma referência ao hostname antigo neste arquivo, altere-o para o novo nome.

127.0.1.1	Matrix-Server

Em seguida, grave o arquivo com Ctrl + O e saia do editor com Ctrl + X.
Agora, para que as mudanças tenham efeito em todo o sistema, você precisa reiniciar o computador. Se você quiser, contudo, pode apenas reiniciar o hostname, deste jeito:

sudo /etc/init.d/hostname stop
sudo /etc/init.d/hostname start

Como tornar o seu sistema Android mais eficiente — ajuste do I/O scheduler.

Neste artigo, vamos tratar dos ajustes do I/O scheduler – que, numa tradução livre, quer dizer agendador ou programador de E/S (Entrada/Saída de dados), que também ajuda a melhorar a performance geral do aparelho — se você conseguir ajustá-lo ao seu perfil de uso.
Diferente dos governors, os schedulers não atuam nos processadores, mas direcionam as prioridades no fluxo de dados do seu dispositivo.

O que é I/O Scheduler

De acordo com a Wikipedia, é o método que os sistemas operacionais usam para decidir em que ordem os blocos de E/S serão submetidos aos dispositivos de armazenamento — motivo pelo qual são chamados, às vezes, disk scheduling (agendamento de disco).

Os perfis de I/O Schedulers

Android CPU Painel de controle
clique para ampliar

Como já foi dito, este gestor determina as prioridades do fluxo de dados no seu aparelho em relação às mídias de armazenamento. Há diversos perfis possíveis de gestão que visam alcançar estes 4 propósitos:

  • Minimizar o uso do disco rígido, cartão etc;
  • Priorizar as requisições de E/S vindos de processos;
  • Reservar largura de banda para rodar processos nas mídias de armazenamento;
  • Garantir que certas requisições sejam satisfeitas antes que “prescrevam”.

Portanto, de forma resumida, o Kernel controla o acesso aos dispositivos de armazenamento usando o scheduler, que tenta se pautar pelas seguintes diretrizes:

  • Justiça – permitir que cada processo tenha o seu tempo de acesso aos dispositivos de armazenamento;
  • Performance – tenta atender as requisições mais próximas à posição atual de leitura/gravação na mídia, uma vez que ali a busca será mais rápida;
  • Tempo real – tenta garantir a rapidez para atender cada requisição, no momento em que ela chega.

Dito isto, vamos analisar cada perfil do scheduler e a que eles se propõem, além de suas vantagens e desvantagens. De posse destas informações, você poderá escolher aquele que mais se adéqua ao seu estilo pessoal de uso do smartphone.

Anticipatory

noop deadline android schedulers
Clique para ampliar

Baseia-se no fato de que a velocidade de acesso aos dispositivos de armazenamento é muito lenta, que as operações de escrita podem ocorrer a qualquer momento e há sempre um processo querendo realizar uma operação de leitura.

Portanto, prioriza as operações de leitura em relação às de escrita. Ele antecipa operações de leitura síncrona.

Vantagens
  • As requisições para leitura nunca ficam “morrendo à míngua”;
  • Tão bom quanto o noop quanto à performance de leitura em mídias flash;
Desvantagens
  • O seu trabalho de “adivinhação” nem sempre é confiável;
  • Reduzida velocidade de escrita em discos de alta performance.

BFQ

Em vez de fatias de tempo alocados pela CFQ, a BFQ propõe “orçamentos”. O disco é oferecido a um processo ativo até que seu orçamento (número de setores alocados) expire. O BFQ determina grandes previsões de recursos a tarefas que não são de leitura. O orçamento associado a um processo varia de acordo com seu comportamento.

Vantagens
  • Há usuários que concordam que é muito bom para transferência de dados via USB;
  • Acredita-se que seja o melhor scheduler para gravação de videos de alta definição e streaming de video;
  • É considerado um I/O scheduler acurado;
  • Atinge cerca de 30% mais rendimento.
Desvantagens
  • Não é o melhor para benchmarking;
  • Orçamento mais elevado atribuído a um processo pode afetar a interatividade e aumento da latência

CFQ

Sigla para Completely Fair Queuing, é um scheduler que mantém uma fila de E/S escalável por processo e procura distribuir o fluxo igualmente entre todas as requisições.
No Linux, o CFQ é o scheduler padrão, desde a versão do kernel 2.6.18 (setembro de 2006).

Vantagens
  • Conhecido por oferecer uma performance de E/S balanceada;
  • Mais fácil de ajustar;
  • Se destaca em sistemas multiprocessados;
  • Depois do deadline, é o melhor sistema para lidar com bancos de dados.
Desvantagens
  • Alguns usuários têm reportado que as buscas nos dispositivos de armazenamento tomam mais tempo, com o uso do CFQ – o que pode ocorrer em função do scheduler atribuir a mesma prioridade a todas as operações de E/S e, portanto, nenhuma prioridade seria concedida à buscas nas outras mídias;
  • O Jitter (pior caso de atraso) pode ser bastante alto, por causa do número de tarefas competindo pelo acesso ao disco.

SIO

Sigla que corresponde a Simple I/O scheduler. Corresponde a um perfil que tem como objetivo produzir o mínimo de sobrecarga ao sistema para manter baixo o nível de latência para servir as requisições de E/S.

Vantagens
  • Simples – confiável, portanto;
  • Um mínimo de requisições que “morrem de inanição”.
Desvantagens
  • Comparado a outros schedulers, a velocidade de leitura aleatória é baixa em drives flash;
  • A leitura sequencial em drives flash também não muito boa.

V(R)

A diferença deste schedulers para outros é que as requisições síncronas e assíncronas não são tratadas separadamente. Em vez disto, um prazo “imparcial” para sua execução é imposto. A próxima requisição a ser executada é a que estiver mais próxima.

Vantagens
  • Há casos em que é melhor para benchmarking.
Desvantagens
  • Flutuações na performance pode resultar em desempenho abaixo da média;
  • Menos confiável/Mais instável.

Na próxima página, vamos falar sobre os 2 últimos e mais usados schedulers: o Noop e o Deadline.

Como usar o tasksel para instalar softwares no seu sistema

O tasksel é um dos aplicativos mais eficientes para instalar vários softwares de uma só vez nas distribuições baseadas no Debian — o que inclui Ubuntu, Linux Mint etc.
O programa pode ser usado para determinar um perfil de uso de um computador: você diz para quê vai usar a máquina e o tasksel baixa e instala todos os softwares que correspondem àquele perfil de uso. E, sim! Você pode selecionar mais de um perfil para o seu sistema.
Em outro artigo, ensinei como usar o tasksel para instalar um servidor web (Apache), MySQL e PHP de maneira simples.

Como instalar o tasksel

O aplicativo é parte integrante do Debian. No Ubuntu, você precisa instalá-lo antes de usar.
Abra um terminal (Ctrl + Alt + T) e digite o comando, a seguir:


sudo apt-get update

sudo apt-get install tasksel

Aguarde enquanto os pacotes são baixados e instalados.
feito isto, rode o tasksel:


sudo tasksel
Tasksel no debian 7.0
Clique para ampliar

Quais são os perfis possíveis para instalação pelo tasksel?

A resposta a esta pergunta vai depender da distro utilizada. São muitos.
Contudo, a partir de uma pequena distro, como mini CD Debian, as opções são bastante limitadas inicialmente. Em uma distro tradicional Ubuntu a lista de perfis é bem maior – onde é possível trocar todos os pacotes instalados para Ubuntu/unity por Ubuntu/KDE, com dois toques no teclado.

Exemplos de uso do tasksel

Você pode listar os perfis possíveis de instalação ou ordenar a instalação diretamente via linha de comando, sem a necessidade de acessar a tela principal do aplicativo.
Para ver os perfis disponíveis:


sudo tasksel --list-tasks

Para ver os softwares que compõem o perfil de um servidor de impressão — e que serão instalados, se você o selecionar:


sudo tasksel --task-packages print-server

tasksel para instalar servidor dns
Clique na imagem para ampliar

Para instalar diretamente, da linha de comando, todos os pacotes que compõem o UbuntuStudio-photography (versão Ubuntu voltada para uso e produção de multimídia, com ferramentas profissionais de edição de fotos):


sudo tasksel install ubuntustudio-photography

Experimente e veja com seus próprios olhos como é fácil!
Fonte: Wiki Debian.

Como instalar o MySQL no Ubuntu

O MySQL é o banco de dados mais usado na web. Há estatísticas que o colocam como a escolha de quase 90% dos maiores sites.
Neste post, vamos ensinar como instalar a versão mais atual de um servidor de banco de dados MySQL no Ubuntu. Se você tiver interesse em instalar um servidor mais completo, com Apache e PHP, este artigo pode ser mais útil para você.

Instalação do MySQL

O primeiro passo é abrir um terminal (Ctrl + Alt + T, no Ubuntu)
Antes de instalar, vamos começar por (re)sincronizar os índices dos pacotes. Em seguida, vamos dar início à instalação:

sudo apt-get update
sudo apt-get install mysql-server

O processo pode levar alguns instantes, dependendo da velocidade de sua conexão. Se tudo correr bem, o Ubuntu irá baixar os pacotes de instalação e fazer a configuração básica do sistema para você e o deixará rodando, pronto para receber as suas primeiras ordens.

Usando o MySQL

Talvez você queira, neste momento, verificar se o seu servidor MySQL está funcionando. Você pode verificar isto através do netstat. Veja como:

sudo netstat -tap | grep -e mysql

O resultado deve ser semelhante ao que vocẽ vê na imagem abaixo

netstat mysql
Clique para ampliar.

POSTS RELACIONADOS

Como atribuir uma nova senha ao administrador no MySQL

Durante o processo de instalação, o sistema pede para cadastrar uma nova senha pro administrador. Se você não se lembra de qual era, pode recadastrar a senha agora:

mysqladmin -u root password novasenha

Como você pode ver, no Ubuntu este tipo de trabalho é bem fácil de ser realizado. Divirta-se!
PS.: Não esqueça de dar uma olhada em nossos outros artigos sobre MySQL.

Como adicionar ou criar um novo usuário no Linux

Elias Praciano - Tux Ninja - The Linux AdministratorEste post não pretende esgotar o assunto a ponto de deixar um administrador de sistemas totalmente satisfeito. Mas vamos tentar fazer a felicidade de usuários comuns, simplificando tudo, com o “jeito universal” de criar novos users.

No terminal

Aprender a criar novos usuários no terminal é útil por que você não fica dependente de variações nas interfaces gráficas dos diversos sabores Linux disponíveis. Desde que você tenha acesso a um terminal e privilégios administrativos, tudo sempre vai dar certo pra você.
Abra um terminal (Ctrl + Alt + T, no Ubuntu) e digite o comando:

sudo adduser ericclapton
Adicionando o usuário `ericclapton' ...
Adicionando novo grupo 'ericclapton' (1002) ...
Adicionando novo usuário `ericclapton' (1002) ao grupo `ericclapton' ...
O diretório pessoal '/home/ericclapton' já existe. Não copiando de '/etc/skel'.
Digite a nova senha UNIX: 
Redigite a nova senha UNIX: 
passwd: senha atualizada com sucesso
Modificando as informações de usuário para ericclapton
Informe o novo valor ou pressione ENTER para aceitar o padrão
	Nome Completo []: Eric Patrick Clapton
	Número da Sala []: 
	Fone de Trabalho []: 
	Fone Residencial []: 
	Outro []: 
A informação está correta? [S/n]

Depois que você forneceu a nova senha do usuário e a confirmou, ele já estará criado. As informações que são pedidas, em seguida, são opcionais. Não é fácil?
Isto já é o suficiente para você adicionar todas as pessoas que precisam ter acesso a um determinado computador em sua casa, na empresa, na escola etc.