i3 window manager com múltiplos monitores

O gerenciador de janelas i3 foi concebido para ambientes com múltiplos monitores.
Para quem tem apenas uma tela, tudo é mais simples — mesmos para os usuários mais avançados, que sabem como usar as várias áreas de trabalho virtuais (virtual workspaces) no Linux.
Para quem tem 2 ou mais monitores conectados a uma estação e já configurados, o i3 cria uma área de trabalho para cada um.

linux configuração de múltiplos monitores
Clique para ampliar.

O primeiro monitor da sua configuração fica na área de trabalho 1, o segundo fica na 2 e assim por diante.
Quando você muda para outra área de trabalho, o i3 muda pro monitor correspondente — assim, você não precisa usar teclas de atalho duas vezes.
Desta forma, não é preciso lembrar onde você colocou uma determinada área de trabalho.
ajuste do brilho da tela no LinuxNovas áreas de trabalho serão abertas no monitor atual (o que detém o foco) — não sendo possível ter um monitor sem uma área de trabalho.
A ideia de tornar as áreas de trabalho globais é baseada na observação de que muitos usuários têm um set muito limitado de áreas de trabalho em seus monitores adicionais — comumente subutilizados em tarefas específicas (shell (console), navegador etc) ou no monitoramento de diversas outra atividades (correio, IRC, syslog etc).
Assim sendo, ter uma área de trabalho em um monitor e o restante distribuído em outros monitores, faz sentido.
Contudo, uma vez que você pode criar um número ilimitado de áreas de trabalho no i3, cada qual, correspondendo a telas específicas, você pode ter a abordagem tradicional , com várias áreas de trabalho por tela (com algumas mudanças na sua configuração).

Como configurar seus monitores

Este assunto se torna mais facilmente compreensível quando partimos para a prática.
Vamos ver como configurar cada um dos seus monitores, usando o comando xrandr.
Se você tiver interesse em entender melhor o funcionamento do xrandr, leia este artigo.
Ao executar o xrandr, em um terminal, ele vai mostrar a configuração atual da sua tela. Veja um exemplo:

xrandr
Screen 0: minimum 320 x 200, current 2048 x 768, maximum 4096 x 4096
LVDS1 connected 1024x600+0+0 (normal left inverted right x axis y axis) 0mm x 0mm
   1024x600      58.59*+
   800x600       60.32    56.25  
   640x480       59.94  

Se você tiver outros monitores conectados ao sistema, eles serão listados, junto com suas respectivas configurações.
Se um deles tiver listado como disconnected, verifique se os cabos de conexão estão ok.
A primeira linha Screen 0 mostra as resoluções possíveis — a mais baixa (320 x 200), a atual (2048 x 768) e a máxima (4096 x 4096).
A resolução se refere a todos os monitores conectados e somados. Usualmente, é possível obter resoluções maiores do que esta, alterando o arquivo /etc/X11/xorg.conf
Se você conectar um outro monitor ao sistema, pode configurá-lo com o xrandr, assim:

xrandr --output VGA1 --auto --left-of LVDS1

O que se fez, na linha de comando acima, foi indicar um segundo monitor (VGA1), com configurações auto detectadas, à esquerda (left-of) do atual (LVDS1).
Veja as informações atualizadas do xrandr:

xrandr
Screen 0: minimum 320 x 200, current 2048 x 768, maximum 4096 x 4096
LVDS1 connected 1024x600+1024+0 (normal left inverted right x axis y axis) 0mm x 0mm
   1024x600      58.59*+
   800x600       60.32    56.25  
   640x480       59.94  
VGA1 connected 1024x768+0+0 (normal left inverted right x axis y axis) 304mm x 228mm
   1024x768      60.00*+  75.08    75.03    70.07  
   800x600       72.19    75.00    60.32    56.25  
   640x480       75.00    72.81    60.00    59.94  
   720x400       70.08 

LEIA MAIS

  • Mais monitores — Saiba como instalar e configurar monitores adicionais no Linux, usando o xrandr.
  • Teclas de atalho — Saiba mais sobre teclas de atalho nos diversos ambientes desktop do Linux.
  • i3 window manager — Leia mais sobre o gerenciador de janelas i3.

i3 Window Manager: como configurar início automático de aplicativos

Começar a sua sessão de trabalho, no Linux, já com alguns aplicativos importantes rodando é importante para ter um ambiente mais produtivo.
Para isto, é preciso configurar o sistema para rodar automaticamente estes programas, em algum momento da inicialização.
Cada sistema tem o seu método de configuração. Usualmente, isto não é complicado.
O gerenciador de janelas (window manager) i3 tem um arquivo de configuração simplificado, dentro do qual, é possível adicionar e configurar facilmente as suas teclas de atalho e outros aspectos do comportamento das janelas e do gerenciador, em geral.
No meu caso, especificamente, tenho 2 scripts para iniciar automaticamente:

Os arquivos de configuração do i3

O i3 precisa apenas de um arquivo de configuração.
No Debian e em outras distro baseadas nele, você pode encontrar o arquivo principal em /etc/i3/config.
O arquivo que você pode editar é o ~/.i3/config
Vá até o final do arquivo e acrescente a keyword exec para iniciar a instrução, que pode ser um aplicativo, um script ou uma sequência simples de comandos a ser executada na inicialização.
Note que os comandos exec não serão disparados ao reiniciar o i3, através dos atalhos de teclado.
Se você precisa que determinados comando sejam executados na reinicailização, o exec_always é a keyword indicada.
De acordo com a documentação oficial, esta é a sintaxe:

exec [--no-startup-id] command
exec_always [--no-startup-id] command

Exemplos:

### comando para executar na inicialização
exec redshift
exec xterm
exec_always ~/.screenlayout/myscreen.sh

O parâmetro no-startup-id é opcional e serve para desabilitar o suporte à notificação de início ao comando exec, em questão.
Há outros artigos sobre o gerenciador de janelas i3, neste site. Digite “i3”, na caixa de pesquisa, no canto superior direito e tecle Enter, para ver outros posts úteis sobre o assunto.

Teclas de atalho do i3

Conheça as teclas de atalho padrão do i3 e veja como é fácil personalizar e criar os seus próprios atalhos de teclado, neste incrível gerenciador de janelas, voltado para desenvolvedores e usuários avançados.
Concebido para maximizar a produtividade e minimizar os efeitos especiais e outras “perfumarias”, o i3 é um gerenciador de janelas que convive bem com o seu mouse… mas você pode fazer muito mais, se dominar os truques de teclado.
O i3 é simplesmente perfeito para uso em sistemas com múltiplos monitores, no Linux.
Sua instalação é fácil e o aplicativo é rápido e leve.

Teclas de atalho básicas do i3

Ao iniciar o i3 pela primeira vez, é perguntado ao usuário se deseja usar a tecla Win ou Alt como tecla modificadora.
Eu optei pela primeira.
Se esta não foi a sua opção, basta usar a segunda, no lugar da primeira, ao seguir/ler as instruções deste artigo.
Se você quiser saber como definir sua tecla modificadora, leia este artigo.

Tal como o wmii (um outro gerenciador de janelas), o i3 usa um sistema de controle similar ao do editor de textos vi.
Como padrão, o foco nas janelas é controlado pela tecla Alt ou Win (depende da sua configuração) em conjunto com outras teclas.
A movimentação das janelas, é controlada pela tecla modificadora em conjunto com a tecla Shift e mais uma terceira tecla.

As teclas de atalho podem ser alteradas no arquivo .i3/config — tal como a documentação proclama, não é necessário ser programador para entender e alterar a configuração.

Combinação de teclas Efeito
Mod1 + Enter Abre uma nova janela com um terminal dentro
Mod1 + A Focaliza a janela pai
Mod1 + S Muda o layout pro modo Stacked
Neste modo, apenas a janela com foco é exibida.
A barra superior exibe uma lista das janelas (com os nomes dos respectivos aplicativos)
Mod1 + W Muda o layout pro modo Tabbed
Este layout usa o mesmo princípio do Stacked.
A lista de janelas, no topo, contudo, consiste em apenas uma linha
Mod1 + E Muda o layout pro modo padrão Standard — cada nova janela ganha um novo espaço, igual ao das outras — a tela é dividida igualmente para todas as janelas.
A cada vez que você pressiona, o i3 alterna o layout para organizar as janelas horizontalmente/verticalmente
Mod1 + barra de espaço Foca o ladrilhamento/flutuação (tiling/floating)
Mod1 + D dmenu (no topo)
Mod1 + →↓↑← Move o foco para próxima janela, de acordo com a direção da seta pressionada.
Se não for possível usar as setas, use as teclas l (para cima), k (para baixo), j (para esquerda) e ; (para direita)
Mod1 + shift + Q Fecha a janela atual
Mod1 + Shift + E Fecha o i3
Mod1 + Shift + C Recarrega o arquivo de configurações sem reiniciar
Mod1 + Shift + R Recarrega o i3 com as alterações que você fez no arquivo de configurações
Mod1 + Shift + →↓↑← Movimenta a janela atual (a quem detém o foco) na direção da seta
Mod1 + Shift + Barra de espaçamento Alterna entre ladrilhamento/flutuação de janela
Mod1 equivale à tecla modificadora Alt ou Win — depende da configuração do seu sistema.

Como alternar entre áreas de trabalho

Faz parte do processo de se tornar um usuário mais hábil do Linux, aprender a usar as diversas possíveis áreas de trabalho virtuais, uma das melhores maneiras de se organizar o ambiente de trabalho num computador.
Se você usa muito as áreas de trabalho (workspaces) virtuais, abaixo segue a relação de teclas de atalho:

Atalho Efeito
Mod1 + 1 Área de trabalho 1
Mod1 + 2 Área de trabalho 2
Mod1 + 3 Área de trabalho 3
Mod1 + 4 Área de trabalho 4
Mod1 + 5 Área de trabalho 5
Mod1 + 6 Área de trabalho 6
Mod1 + 7 Área de trabalho 7
Mod1 + 8 Área de trabalho 8
Mod1 + 9 Área de trabalho 9
Mod1 + 0 Área de trabalho 10
Mod1 + Shift + 1 Move o conteúdo sob foco para a área de trabalho 1
Mod1 + Shift + 2 Move o conteúdo sob foco para a área de trabalho 2
Mod1 + Shift + 3 Move o conteúdo sob foco para a área de trabalho 3
Mod1 + Shift + 4 Move o conteúdo sob foco para a área de trabalho 4
Mod1 + Shift + 5 Move o conteúdo sob foco para a área de trabalho 5
Mod1 + Shift + 6 Move o conteúdo sob foco para a área de trabalho 6
Mod1 + Shift + 7 Move o conteúdo sob foco para a área de trabalho 7
Mod1 + Shift + 8 Move o conteúdo sob foco para a área de trabalho 8
Mod1 + Shift + 9 Move o conteúdo sob foco para a área de trabalho 9
Mod1 + Shift + 0 Move o conteúdo sob foco para a área de trabalho 10

Como criar seus próprios atalhos

Criar atalhos é fácil, no i3.
Tudo o que você precisa é abrir o seu arquivo de configurações e inserir seus atalhos dentro dele — tomando o cuidado para não inserir combinações de teclas que irão conflitar com as já existentes.
No exemplo, abaixo, eu vou tirar uma cópia de backup do arquivo de configuração e depois abri-lo no editor de textos Nano.

cp ~/.i3/config i3-config.backup
nano ~/.i3/config

Finalmente, para associar o atalho Mod1 + i ao navegador Firefox, vou adicionar o seguinte código ao final do arquivo de configuração:

###################################
##          Meus atalhos         ##
###################################
bindsym $mod+i exec firefox

Agora reinicie o i3 com a sua nova configuração: Mod1 + Shift + C e experimente o novo atalho Mod1 + i.
Acho isto mais simples do que em alguns outros gerenciadores de janelas.
Se você tem alguma dica adicional, compartilhe-a nos comentários com os outros leitores. Você pode também compartilhar este artigo nas redes sociais, para que mais pessoas conheçam o i3 e como ele pode ser configurado.
Para facilitar a memorização, clique e salve a imagem abaixo, com os atalhos de teclado do i3:

i3 window manager reference card and keyboard shortcuts.
Clique, para ver detalhes.

Instale e use o gerenciador de janelas i3

O i3 é um gerenciador de janelas ultra leve e rápido.
Escrito em C, é voltado a desenvolvedores e usuários avançados.
Ele organiza as novas janelas de aplicativos lado a lado e as distribui naturalmente entre vários monitores.
O i3 abriga o conceito do Dash, incorporado ao Unity (Ubuntu), de encontrar aplicativos digitando seus nomes em vez de percorrer menus, submenus etc.

i3 screenshot captura de tela
Clique, para ver detalhes.

O segredo para dominar este gerenciador de janelas (window manager) é o de sempre: dominar as teclas de atalho.

Como instalar o i3

Baixar o código e compilar é sempre a melhor opção, eu sei… mas é possível baixar e instalar mais rápido através dos repositórios da sua distro favorita.
A página de downloads do i3, cita pelo menos 13 grandes distros que têm o gerenciador dentro de seus repositórios.
Desta forma, se você usa o Ubuntu, pode instalar com o apt-get:

sudo apt-get install i3

Note como o tamanho do pacote é pequeno.
Quem usa o Debian, pode instalar com o aptitude:

aptitude install i3

Usuários do fedora, têm o yum:

yum install i3

Quem usa o openSUSE, pode instalar com o zypper:

sudo  zypper install i3 dmenu i3status

Instale o i3 direto dos repositórios dos desenvolvedores

Se você usa Debian Stable ou Ubuntu, há pelo menos 3 motivos para usar os repositórios do i3:

  • No caso de você estar usando o Debian, a última versão do i3, vai estar pra chegar aos repositórios do Debian Testing e vai tomar um tempo até chegar ao Stable.
    Ou seja, a versão disponível nos repositórios do Debian Stable é provavelmente velha — embora seja mais estável.
  • Usuários Ubuntu podem obter a versão mais nova, adotando o repositório Ubuntu do i3.
  • Qualquer outra distro baseada no Debian ou no Ubuntu também deve usar o repositório Debian do i3, para obter as versões mais novas do software.

Para ter acesso ao repositório Ubuntu com as últimas versões estáveis do i3, execute os seguintes comandos, no terminal:

echo "deb http://debian.sur5r.net/i3/ $(lsb_release -c -s) universe" >> /etc/apt/sources.list
sudo apt-get update
sudo apt-get --allow-unauthenticated install sur5r-keyring
sudo apt-get update
sudo apt-get install i3

Como começar a usar o i3

Você vai precisar de algumas instruções iniciais para entrar e começar a conhecer o i3.
Depois de instalar o window manager, você vai precisar “deslogar”, ou seja encerrar a sessão.
Ao voltar à tela de login, escolha o i3, como gerenciador de janelas, antes de autenticar no sistema.

Ubuntu seleciona gerenciador de janelas i3
Clique, para detalhes.

Depois de autenticar, você verá apenas o fundo de tela padrão e uma fina barra de status embaixo.
Ao centro da tela, você verá uma caixa de diálogo perguntando se você deseja usar, como tecla modificadora, a tecla Win (que tem o logo do Windows) ou a tecla Alt.
Sugiro usar o padrão, que é a tecla Win.
O sistema irá querer saber se você deseja criar um arquivo de configuração — eu sugiro que você aceite, teclando Enter novamente.

Teclas básicas de atalho

Vou partir do pressuposto de que você escolheu usar a tecla Win como tecla modificadora. Se você escolheu a tecla Alt, adéque as instruções à sua situação específica.
Os botões do mouse não têm qualquer função programada, por padrão.
O i3 faz uso intenso das teclas de atalho.
Para abrir um terminal, use a tecla modificadora em conjunto com Enter — Win + Enter.
Segue uma curta relação de teclas de atalhos úteis, para iniciar.

  • Win + Enter — abre um terminal. A partir dele é possível realizar qualquer outra operação no sistema.
    O i3 é feito por quem não precisa de mais nada além de um terminal para realizar suas mágicas.
  • Win + D — Abre uma barra de menu de programas (dmenu), no topo da tela. Esta barra tem função semelhante ao Dash, na interface Unity.
    Você pode começar a digitar o nome do programa desejado, enquanto o sistema o procura.
  • Win + ←↓↑→ — A tecla modificadora em conjunto com as direcionais permite trocar a janela em foco.
    Quem precisa de mouse, aqui…
  • Win + F — Amplia a janela em foco (atual) para a tela toda. F, quer dizer fullscreen. Ao repetir o comando, a janela volta ao seu tamanho anterior.
  • Win + Shift + E — Termina o i3 e volta à tela de autenticação do sistema.

Conheça as outras teclas de atalho do i3.

Conheça mais

O site do projeto traz mais informações e capturas de tela, que ajudam a ter uma ideia melhor do funcionamento do i3.
O projeto é bem documentado (em inglês). Se você prefere ler em português, digite “i3” na caixa de busca, no canto superior deste site, para ler outros artigos sobre o assunto.

Adicione mais entretenimento ao Linux, com o pacote de emulação zsnes

Com emuladores, é tecnicamente possível jogar qualquer jogo, de qualquer plataforma. Este tipo de aplicativo ajudou a derrubar as fronteiras entre plataformas de hardware e software.
Neste post, pretendo mostrar como tirar o máximo do emulador Super Nintendo (ou SNES), ZSNES, para você poder aproveitar, por horas a fio, o entretenimento e as descobertas da sua plataforma preferida.

Sinta-se à vontade para fornecer suas próprias dicas ou descobertas aos outros leitores na seção de comentários.
Clique nas imagens, para obter mais informações sobre algum assunto específico.

O que é o SNES?

Console snes 16-bit
Clique, para detalhes.
O Super Nintendo Entertainment System (SNES), faz parte da quarta geração de videogames.

O SNES foi a resposta da Nintendo ao crescimento repentino da SEGA no mercado. — Foi lançado nos EUA em 23 de Agosto de 1991. Só chegou (oficialmente) ao Brasil 2 anos depois.
O SNES foi um console campeão em sua era e continua tendo uma grande quantidade de fãs de seus jogos.

Mesmo com a chegada da tecnologia 32-bit, o console continuou vendendo muito, mostrando que tinha fôlego e jogos de qualidade — todo gamer sabe: jogo bom não tem tempo de validade.

Especificações técnicas do SNES

O design de 16-bit do aparelho, incorpora a capacidade de produzir gráficos de alta qualidade e simular efeitos 3D, com uma incrível paleta de cores de 32K e 8 canais de áudio.

SNES processador Ricoh
Clique, para ver detalhes.
A unidade de processamento gráfico (GPU), conta com 64Kb de memória SRAM para armazenar dados de vídeo.

O placa de áudio, 8-bit, consiste de um sistema Sony SPC700, um processador de sinais digitais de 16 bits e outros 64Kb de memória SRAM. É quase completamente independente do restante do sistema.
Assim, a memória do aparelho é composta de 128Kb de memória RAM principal, 64 Kb RAM para vídeo e outros 64 Kb pro sistema de som.

Sim. A capacidade de hardware do SNES pode ser melhorada com o uso de cartuchos específicos.

Travas regionais do SNES

Falando em cartuchos, a empresa comercializou diferentes formatos para diferentes mercados, como forma de dificultar contrabandos.
Internamente, foram introduzidos chips que impediam aparelhos NTSC serem usados em sistemas PAL.
Obviamente, as pessoas descobriram meios para burlar todos estes estratagemas.
Switches PAL-M/NTSC foram muito populares no Brasil para permitir que se pudesse usar aparelhos importados (não somente videogames) nas TVs nacionais.

Emuladores para a plataforma da Nintendo

Atualmente, é possível encontrar emuladores SNES em diversas plataformas — o que inclui os aparelhos Android, iOS, Sony Playstation Portable etc.
Disponível para várias plataformas — o que inclui o Windows, DOS, Linux, FreeBSD, Mac, Xbox etc.
A maioria das dicas deste artigo, podem ser aproveitadas em qualquer plataforma que você esteja usando.

Sobre o emulador zsnes

De acordo com a documentação do programa, o ZSNES foi criado em 1997 e vem atraindo mais desenvolvedores e outros contribuidores desde então.
O fato é que se trata de uma plataforma de emulação estável e atual — escrita em assembler, C e C++.
Por conter código escrito em x86 assembler, o programa requer um sistema de hardware 100% compatível com processadores x86 — o que provavelmente já deve ser o seu caso.
Embora ele possa ser executado em um simples Pentium II, alguns recursos podem exigir uma máquina mais robusta — como a gravação do vídeo/áudio do seu jogo ou uso de resoluções de tela mais altas.

Como instalar o zsnes

A página de downloads (link ao final deste artigo), tem várias opções de downloads, para várias plataformas.
No Ubuntu e no Debian, a instalação pode ser feita com o apt:


sudo apt install zsnes

Fazer o download do código fonte, como sempre, é a melhor opção — embora seja um pouco trabalhoso.
Se desejar desinstalar o aplicativo mais tarde e não souber como, leia este artigo.

Controles do zsnes

Joystick do SNES
Clique, para detalhes.

Você pode jogar com várias pessoas, simultaneamente, o mesmo jogo, com um mesmo teclado.
O emulador vem com a configuração pronta para até 2 jogadores — mas é possível acrescentar mais.

A opção mais confortável para jogar com outras pessoas é usar o modo network game.
Veja, na tabela abaixo, a correspondência entre os botões do controle e o teclado (para 2 players).

Botão no ZSNES Teclado – player 1 Teclado – player 2
D-Pad p/cima Seta p/cima J
D-Pad p/baixo Seta p/baixo M
D-Pad p/esq. Seta p/esq. N
D-Pad p/dir. Seta p/dir. ,
Start Enter Ctrl esq.
Select Shift dir. Alt esq.
A X Home
B Z End
X S Insert
Y A Delete
L D Pg. Up.
R C Pg. Dn.
Esta é a tabela de controles básicos do SNES. Como há teclados diferentes, pode ser interessante alterar a configuração do seu aplicativo para você ter mais conforto durante os jogos.
Selecione Config/Devices para alterar as configurações do seu teclado.

Use o mouse para jogar na plataforma de emulação snes

É possível usar o mouse como controle:

Super Scope Button Botão correspondente no mouse/teclado
Atirar (fire) Botão esquerdo do mouse/touchpad
Botão modo cursor Botão direito do mouse/touchpad
Ativar tiro automático (auto-fire) =
Pausa Backspace

As teclas do emulador

O próprio emulador tem suas teclas de controle — também configuráveis.
Muitas destas teclas podem ser usadas durante o jogo e servem para ajustar o hardware, gravar o estado do jogo etc.

Tecla Função Menu onde personalizar
Esc Quando um jogo é carregado, ativa a interface gráfica de usuário (GUI) — serve para pausar a emulação, sem tirar a GUI de visibilidade. Não pode ser alterado.
F1 Abre o menu rápido F1 Não pode ser alterado
F2 Grava o estado atual, do jogo, no slot atual. Menu Config/Saves
F3 Abre a caixa de diálogo de seleção de estados gravados (save states), onde você pode escolher pra que ponto de algum jogo deseja voltar. Config/Saves
F4 Carrega uma situação gravada do slot atual Config/Saves
F5, F6… F12 Ativa os canais de som 1, 2 até 8 Misc./Misc Keys
1, 2, 3, 4 Altera o fundo da tela Misc./Misc Keys
5 Ativa a camada de objeto/sprite Misc./Misc Keys
6 Panic key — esta é a tecla de “pânico”.
Reinicializa todos os switches para o modo padrão.
Isto inclui: modo Offset, modo janela, camadas de fundo, canais de som, desativa os dispositivos adicionais e a emulação de speed throttle
Misc./Misc Keys
8 Ativa o motor de gráficos novo. Pode não funcionar com todos os jogos. Quando funciona, é mais eficiente. Misc./Misc Keys
9 Ativa o windowing Misc./Misc Keys
0 Ativa o modo offset Misc./Misc Keys
T Ativa a janela de bate-papo (chat), quando você estiver jogando em modo de rede (network) Misc./Misc Keys
~ Fast Forward Config/Speed
P Faz uma pausa na emulação Config/Speed

Consulte o menu de configuração da GUI, para conhecer outras teclas de função do ZSNES.

Como salvar os seus jogos

A documentação do programa adverte para usar os controles de gravação/salvamento internos de cada jogo.
Você pode usar o controle de gravação do emulador, mas não deve confiar 100% nele.

Onde encontrar mais informações

Abaixo, estão a página de downloads e página de documentação oficial do emulador.
Havia uma versão em português, mas foi retirada pelo autor quando saiu a nova versão do ZSNES — ele provavelmente sentiu que estaria desatualizada.

Há inúmeras páginas que falam detalhadamente sobre o equipamento, o emulador e sobre os jogos especificamente — além das páginas de download das ROMs, sem as quais, não é possível jogar.
Leia também sobre a emulação do SNES no Android.

Linha de comando

Há alguns parâmetros de execução que podem ajudar a ter um melhor desempenho na jogabilidade.
Use a ajuda do programa, para conhecer as opções de execução:


zsnes -?

Após baixar uma ROM, é possível executá-la direto da linha de comando, sem passar pela GUI do emulador:


zsnes -m TopGear.zip

Divirta-se!