Conheça o sistema operacional POP!_OS da System76

Denver Colorado skyline
Vista da cidade de Denver, Colorado (EUA)
A System76 é uma empresa norte-americana, sediada na cidade de Denver, no estado do Colorado — no centro geográfico dos Estados Unidos, portanto.
A empresa fabrica e vende computadores e acessórios voltados para a comunidade de usuários de softwares livres.
Para ser mais específico, vende equipamentos pré-instalados com o sistema operacional Ubuntu.
Opcionalmente, é possível baixar os papéis de parede e o tema GTK da System76
O sistema operacional POP!_OS (não esperem que eu mantenha esta grafia…) é um passo a mais para personalizar os excelentes computadores da empresa.

Vamos conhecê-lo melhor e saber o que oferece.

O que é o System76 POP!_OS

De acordo com a empresa, o POP OS foi projetado para os proprietários de seus equipamentos e é baseado no sistema operacional Ubuntu.
Entre estes usuários se encontram designers, programadores, profissionais gráficos que precisam desenvolver modelos 3D sofisticados etc.
O propósito da interface POP é “ser invisível” e atrapalhar o mínimo possível o fluxo do trabalho do usuário, ao mesmo tempo que pretende oferecer possibilidades avançadas de customização.
Uma vez que é baseado no Ubuntu, o POP se beneficia da vastidão de softwares da plataforma, disponível em seus repositórios.

A proposta do POP!_OS sintetiza o que sempre pensei de uma boa interface gráfica: ser simples e não atrapalhar o meu trabalho.
Acredito que o melhor ambiente desktop é aquele que fica fora do nosso caminho, usa o mínimo de recursos e deixa o máximo livre para rodar os aplicativos.

Se o POP vai entregar ou não o que promete… é você quem vai dizer, se fizer o download e o testar.

Como baixar e instalar o POP OS

No momento em que escrevo este post, o produto ainda está em fase Alpha (baseado no Ubuntu 17.04) e tem previsão de lançamento para Outubro de 2017 — neste caso, provavelmente será baseado no Ubuntu 17.10.
O link para download é este: http://iso.system76.com/current/pop-os.iso.
Se preferir, use o wget para baixar a versão atual (current):


wget http://iso.system76.com/current/pop-os.iso

Outras versões (anteriores), podem ser encontradas neste site: http://iso.system76.com/.
A companhia, até agora, não liberou torrents, que costumam ser mais rápidos para baixar.
System76 Galápagos

O Linux precisa, mesmo, de um outro fork do Ubuntu?

Antes desta pergunta, poderíamos também questionar se a comunidade precisa também de mais um desktop gráfico.
E outro sabor do Linux, baseado no Ubuntu?!
Lançar e manter atualizado apenas um tema da empresa, não seria suficiente?

Eu também adoraria perguntar: « Não tinha um nome “mais complicado” para escolher?! »

É claro que o mundo do software livre é feito de diversidade de opções e esta é uma das coisas mais lindas que há, por aqui.
A gente é assim: ama personalizar o nosso ambiente.
Se o local de trabalho tiver centenas de computadores rodando Linux, nenhum será igual ao outro.
A diversidade faz parte deste espírito coletivo.
Mas, enfim, já temos o Linux Mint, Ubuntu (Mate, GNOME, Kubuntu, Neon, Deepin, Xubuntu etc.)
system76 laptop
A Dell também vende computadores com seu Ubuntu OEM pré-instalado. Por que a System76 não poderia personalizar uma distro para atender melhor a seus clientes?
Convenhamos que o pessoal da System76 demonstra muito mais paixão pelo Linux (especificamente, pelo Ubuntu) do que o pessoal da Dell…
A propósito, eu experimentei o POP OS no meu Dell 5448 e gostei. Creio que vou mantê-lo por algum tempo — depois eu volto para o Debian, como sempre… 😉
Comente. Dê sua opinião.

Referências

Site oficial do POP!_OS: https://system76.com/pop.
Site de ofertas de laptops da System76: https://system76.com/laptops.

O Tails é uma solução rápida para quem deseja privacidade e segurança ao usar o computador.

Baseado no sistema operacional Debian GNU/Linux, o Tails é uma distro voltada para quem deseja ter privacidade e se comunicar por meios criptografados.
Até esta década, as pessoas têm percorrido um longo caminho na direção indicada pelas grandes corporações, no sentido de obter muito mais conveniências e conforto — ao mesmo tempo em que abrem abrem mão da sua liberdade.
O Tails faz o contrário: te rouba um pouco de conforto e conveniência e dá mais liberdade.
Muitas pessoas preferem usar o Tails instalado em um pendrive ou CD/DVD-ROM. Desta forma, podem usar a Internet e lidar com informações importantes, em segurança, mesmo usando computadores de terceiros (ou públicos).
Mas é possível instalar o Tails em seu PC ou laptop pessoal também, caso você queira estar protegido o tempo todo.

Claro que a segurança de que falamos aqui não é absoluta. Mas eu não consigo pensar, hoje, em uma maneira mais eficiente de oferecer um ótimo nível de segurança para qualquer pessoa do que simplesmente passar a usar o Tails.
Atualmente, é a distribuição Linux recomendada por ninguém menos que Edward Snowden.

Depois de instalado, é possível (e desejável) melhorar ainda mais os seus níveis de segurança, com o Tails.
Sempre que se fala em não abrir mão da conveniência é importante também refletir sobre o quanto seria inconveniente a um jornalista ter reveladas as suas fontes ou apagados, à sua revelia, documentos importantes para uma investigação em andamento.
O quão desconfortável seria para um empresário ter seus planos e estratégias lidos por um concorrente? Quanto de seu trabalho estaria indo pelo ralo?
Quem pratica ativismo que atinja um governo ou grandes corporações também tem razões para se cercar de certos cuidados.
Este é o ambiente ideal para ver sites adultos com segurança.

Em um mundo ideal, não precisaríamos ter cercas, portas trancadas etc. Nós não vivemos em um mundo ideal, contudo.
Os ataques podem vir de criminosos “civis”, do Estado ou das corporações.

tails black theme

O que é e como funciona o Tails

O Tails é um sistema operacional GNU/Linux, com foco na privacidade do usuário.
É baseado no Debian 9.0 stretch — lançado em 2017 e com suporte garantido até 2023.

Contar com o suporte estendido do Debian é importante, por que garante atualizações de segurança que — como todo mundo sabe — costumam chegar no mesmo dia em que alguma vulnerabilidade é descoberta.
Além disso, o usuário conta com extensa documentação online disponível.

A versão atual é exclusiva para hardware de 64-bit.
A decisão dos desenvolvedores, ao cessar o suporte a 32-bit se deve a tirar partido do processamento mais avançado, por questões de segurança e confiabilidade.
Tecnicamente, para se proteger de certos tipos de exploits, é necessário que seu processador tenha suporte a recursos presentes somente nos processadores mais modernos — como NX bit, PIE, ASLR etc.

Onde baixar o Tails

A versão principal do sistema operacional é live, ou seja, pode rodar de um pendrive ou de um CD/DVD. Neste caso, você pode levar o seu Tails para onde você for.
Para instalar o Tails em um pendrive (de pelo menos 4 GB), escolha uma das alternativas deste texto.
O download pode ser feito do site oficial:

Leia mais sobre o assunto, clicando nas tags: tails, privacidade e criptografia.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Referências

Leia mais sobre Criptografia para jornalistas.

Leia mais sobre o Tails aqui: https://tails.boum.org/index.pt.html (texto em português).

Contribua com o desenvolvimento e manutenção do projeto: https://tails.boum.org/contribute/index.pt.html.

Já pensou em usar a versão unstable do Debian?! Veja como é fácil.

A versão instável ou unstable do Debian, também chamada de Sid, pode ser instalada agora mesmo, se você quiser.
Trata-se da versão que sucede à testing.
girl in sid shirt
Antes de continuar, recomendo a leitura do texto 5 razões para não chamar o debian unstable de instável. Daqui pra frente, vou entender que você conhece os pros e contras de usar esta versão.
Este post complementa o artigo Como baixar e instalar o Debian Unstable.
Neste artigo, vou mostrar como fazer a atualização de uma maneira mais simples, apenas com a edição do sources.list — sem precisar baixar um arquivo grande e gravar seu conteúdo em um pendrive ou DVD.

O procedimento de passar a atualizar o sources.list a partir de outro canal de desenvolvimento pode acarretar na instabilidade do seu sistema. Leia os artigos sugeridos nos links, para entender melhor em que terreno você está pisando.

Como atualizar o Debian para o unstable através do sources.list

captura de tela do terminal
Para passar a usar outro canal de repositórios para atualizar o seu sistema, basta alterar o arquivo “/etc/apt/sources.list”.
Eu demonstrei uma maneira muito simples e prática de se fazer isto neste artigo.
Comece por fazer um backup do arquivo:


cp /etc/apt/sources.list ~/sources.list.original

Em seguida substitua o conteúdo do arquivo por este:


#------------------------------------------#
# Repositórios oficiais do DEBIAN
#------------------------------------------#

###### Repos principais do Debian
deb http://ftp.br.debian.org/debian/ unstable main contrib non-free
deb-src http://ftp.br.debian.org/debian/ unstable main contrib non-free

#------------------------------------#
# Repositórios não-oficiais
#       (opcional)
#------------------------------------#

###### Repositórios de binários de terceiros 
###Debian Multimedia
deb http://www.deb-multimedia.org unstable main non-free

Note que não é necessário acrescentar a parte opcional do texto acima, a menos que você queira usar os mais novos softwares voltados para multimídia no Debian.
Neste caso, vai ser necessário, adquirir a chave GPG deste repo:


sudo apt-key adv --keyserver ha.pool.sks-keyservers.net --recv-keys 5C808C2B65558117

Aguarde alguns segundos (ele pode ser um pouco demorado para concluir).
Em seguida, sincronize o seu cache com os repositórios novos:


sudo apt update

Atingido:1 http://ftp.br.debian.org/debian unstable InRelease            
Obter:2 http://www.deb-multimedia.org unstable InRelease [22,2 kB]       
Obter:3 http://www.deb-multimedia.org unstable/main amd64 Packages [140 kB]
Obter:4 http://www.deb-multimedia.org unstable/main Translation-en [57,3 kB]
Obter:5 http://www.deb-multimedia.org unstable/non-free amd64 Packages [1.960 B]
Obter:6 http://www.deb-multimedia.org unstable/non-free Translation-en [1.154 B]
Baixados 223 kB em 11s (18,9 kB/s)                           
Lendo listas de pacotes... Pronto
Construindo árvore de dependências       
Lendo informação de estado... Pronto
155 packages can be upgraded. Run 'apt list --upgradable' to see them.

Como você pode ver, no meu caso, já há atualizações disponíveis.
Para começar a atualizar a sua distro, rode o “full-upgrade”


sudo apt --full-upgrade

… e voilá!
Se não leu, leia os artigos complementares, recomendados no início do texto e boa sorte (você vai precisar) no novo sistema!

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Como sair do editor vim

Sair do editor Vim, embora seja fácil, parece ser uma tarefa ingrata para muitos usuários novatos.
Tenho alguns textos sobre como usar e configurar o vim e, recentemente, me surpreendi com a quantidade de pessoas que perguntam justamente como se faz para finalizar o editor.
A resposta curta é a que segue.
Comece por teclar ‘Esc’, para sair do modo de inserção do editor. Em seguida:

  • tecle :wq e ‘Enter’, para gravar (write) e sair (quit) ou
  • tecle :q! e ‘Enter’, para sair arbitrariamente do editor — ele sequer vai pedir confirmação.

Como sair do editor vim

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.


Seja como for, não entre em desespero.
O método, no vídeo abaixo, é totalmente inadequado para terminar o vim… ou qualquer outro programa.

Conheça o projeto Sputnik: uma parceria entre a Canonical e a Dell para oferecer laptops com Ubuntu para desenvolvedores

Que a Dell vende laptops e PCs com Ubuntu, não é novidade.
Você pode adquirir, hoje, máquinas da linha Inspiron, com o Ubuntu pré-instalado, claro.
Dell XPS 13 Development Edition
O projeto Sputnik nasceu de uma proposta de Barton George, da Dell – ainda, em 2012.
Àquela época já era possível comprar máquinas low end (de baixo custo), da Dell com o sistema operacional Ubuntu 12.04 LTS instalado.
Dell XPS 13 Development Edition
Barton propunha levar o projeto a outro nível — o dos computadores da outra ponta ou high end.
Batizado de Project Sputnik, consistia da iniciativa transparente, de perguntar aos desenvolvedores sobre o que gostariam de ter em um laptop Linux.

Uma de suas primeiras descobertas foi que o público para este tipo de equipamento era maior do que se imaginava.

Em 2015, a linha Precision foi adicionada e os XPS já estão há 6 gerações dentro do projeto.
O Sputnik tomou um grande impulso e vem crescendo 100% a cada ano, desde 2015.
Dell XPS 13 Development Edition

O projeto Sputnik no Brasil

Dell XPS 13 Development Edition
Site da Dell, nos Estados Unidos, oferece 4 modelos do XPS 13 Development Edition com Ubuntu pré-instalado.
O cliente ainda pode optar entre as cores Silver (prata) e Rose Gold (rosa dourado).

A realidade pode ser um tanto desalentadora, uma vez que não há previsão de se estender o projeto ao Brasil.
O Dell XPS 13 modelo 9360 é vendido também na versão brasileira do site da empresa — mas com “outro sistema operacional”.
Ainda assim, nada o impede de instalar o seu próprio Linux.
O problema é que o Ubuntu padrão da Canonical nem sempre é o mesmo que vem instalado nos equipamentos Dell, como explico neste post.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Referências

https://insights.ubuntu.com/2017/06/14/project-sputnik-crazy-idea-to-community-driven-developer-systems/?_ga=2.122658699.1278648682.1497471045-1533849342.1497471045