Como remover aplicativos da inicialização automática, no Ubuntu.

Diferenças entre o Ubuntu 12.04 e a versão 12.10

Este é um dos itens que mudou. Nas versões anteriores, este aplicativo era acessível através do Power Menu, no canto superior direito da tela:
Diferenças no Power Menu
Como você pode ver, na figura acima, o item Startup Applications ou Aplicativos da Sessão (no quadro à esquerda) deixou de existir no Power Menu do Ubuntu 12.10 (no quadro à direita).
Para acessar este aplicativo, você precisará buscar por ele no Dash:

Observe, na figura acima, que é possível encontrar o aplicativo ao fornecer apenas parte do seu nome.

Selecione os aplicativos cuja inicialização você deseja desativar, clicando no quadrinho à esquerda de cada um.
É importante ter cuidado aqui: desative apenas os aplicativos cujo funcionamento você conhece e se tiver certeza do que está fazendo – ou o seu sistema poderá ficar inoperante. Você foi avisado.
obs.:Os aplicativos que estiverem selecionados podem também ser removidos – mas esta opção exige cuidados redobrados. Não faça nada sem ter certeza.

Personalize “ao extremo” o visual do Ubuntu 12.10

Mesmo tendo um visual legal, como padrão, é possível personalizar inúmeros detalhes da interface gráfica Unity no Ubuntu 12.10 (Quantal Quetzal). Há várias ferramentas disponíveis para realizar tarefas como configurar a área de trabalho, temas, ícones, fontes, tela de login, comportamento do launcher, efeitos visuais, aplicações com início automático, etc…
Para Ubuntu há basicamente duas: MyUnity e Ubuntu Tweak.
Tecle Ctrl + Alt + T para abrir um terminal e digite (ou copie e cole):
Para instalar o Ubuntu Unity:

sudo add-apt-repository ppa:myunity/ppa
sudo apt-get update
sudo apt-get install myunity

Para instalar o Ubuntu Tweak:

sudo add-apt-repository ppa:tualatrix/ppa
sudo apt-get update
sudo apt-get install ubuntu-tweak

Divirta-se! 🙂

Como adicionar e configurar um segundo monitor ao seu notebook

Sim, serve para adicionar mais de um monitor. Vamos ao trabalho? 😉
Neste tutorial, vamos trabalhar com o ARandR – embora haja outros aplicativos que também fazem o serviço.
Caso ele não esteja instalado no seu sistema, abra a Central de Programas do Ubuntu e faça uma busca por “arandr”. Quando o encontrar, clique em Instalar.

Captura de tela - Ubuntu - by Elias Praciano
Central de Programas do Ubuntu – ARandR já instalado.

Uma vez instalado o ARandR vamos invocá-lo através do Dash

É possível que o ARandR detecte de cara todos os monitores que estejam conectados e ligados. Caso isto não ocorra, clique em Saídas e ative cada monitor. Isto deve ser o suficiente.
Quando tudo estiver pronto clique em Aplicar (no canto superior à direita).
Você pode guardar as configurações para o caso de querer usá-las novamente. Ao clicar em Salvar Como (último botão, da esquerda pra direita), as suas configurações serão salvas em um arquivo, dentro de uma pasta chamada “.screenlayout”.

Como copiar e assistir DVDs protegidos no Ubuntu?

Existe um repositório, chamado Medibuntu, que inclui codecs e aplicativos  multimídia e de entretenimento no Ubuntu. Por questões legais, ele não pode vir configurado na distro padrão.
Caso você deseje assistir aos seus filmes em DVD (protegidos) ou, até mesmo, fazer cópias legais para evitar perdas irrecuperáveis, será necessário instalar alguns pacotes deste repositório.

Instale o medibuntu

Tecle Ctrl+Alt+T para abrir um terminal. Nele digite os comandos que seguem, para adicionar o repositório medibuntu ao seu sistema. Junto, vamos adicionar a chave GPG do medibuntu ao seu chaveiro, necessária para autenticar seus pacotes:

sudo wget http://www.medibuntu.org/sources.list.d/$(lsb_release -cs).list --output-document=/etc/apt/sources.list.d/medibuntu.list
sudo apt-get update
sudo apt-get --yes -q --allow-unauthenticated install medibuntu-keyring
sudo apt-get update

Se quiser que alguns aplicativos do repositório medibuntu apareçam na Central de Programas do Ubuntu e informar o bugtracker do medibuntu sobre erros nos programas, você deve instalar os seguintes pacotes:

sudo apt-get --yes install app-install-data-medibuntu apport-hooks-medibuntu

Note que, no comando acima, pode ser necessário usar o parâmetro –force-yes em vez de –yes para garantir a instalação dos pacotes.
A seguir, vamos permitir a instalação de vários codecs para execução de arquivos multimídia. Se você usa um sistema 32bits, digite o seguinte comando:

sudo apt-get install w32codecs libdvdcss2

Se o seu sistema for 64bits, use o seguinte:

sudo apt-get install w64codecs libdvdcss2

Feito isto, já será possível assistir a DVDs protegidos e rodar programas para ripar/copiar seus discos.

Como encriptar um Shell Script com SHC

Neste texto, vou ensinar a baixar, instalar e usar SHC, um programa que encripta o código do seus scritps.
Antes de mais nada, preciso dizer que encriptar seus códigos não é uma prática recomendável. O ideal é documentar todo o script, de forma que qualquer pessoa o possa entender facilmente. Códigos fonte devem ser o mais acessíveis possível — já a informação com a qual eles lidam, é que deve ser restringida.

Se você precisa usar informações, usualmente confidenciais, como senhas, de forma automática, então deve procurar outra solução.
Hmmmm… você ainda está aqui?

Tenha em mente, contudo, que um script codificado através do SHC pode não ser legível para usuários comuns (creio que este seja o seu objetivo) — Contudo, uma pessoa que tenha conhecimento do seu funcionamento pode extrair o código criado pelo software.
Em tempo, SHC quer dizer SHell script Compiler.

Download e instalação

O software de que vamos tratar aqui, foi desenvolvido por Francisco Javier R. Garcia e você vai encontrar sua versão mais atualizada aqui.
Vamos começar com o download do código fonte do programa:


wget http://www.datsi.fi.upm.es/~frosal/sources/shc-3.8.9.tgz

Uma vez baixado, desempacote e instale:


tar xvfz shc-3.8.9.tgz
cd shc-3.8.9
make

Verifique se tudo correu bem:


./shc -v

shc parse(-f): No source file specified
shc Usage: shc [-e date] [-m addr] [-i iopt] [-x cmnd] [-l lopt] [-rvDTCAh] -f script

Crie um shell script de exemplo

Para testar, você pode usar seu próprio script ou pegar este aqui:

#!/bin/bash
echo -n "Quantos numeros aleatorios voce deseja gerar? "
read max
for (( start = 1; start
do
echo -e $RANDOM
done

rode o script:


./alea.sh

Quantos numeros aleatorios voce deseja gerar? 3
24682
1678
491

Encriptando o seu shell script com shc

Use o comando, a seguir, para fazer o trabalho:


./shc -f alea.sh

isto deverá gerar os seguintes arquivos:


ls -l alea*.*

-rwxrw-r--. 1 user group 149 Mar 27 01:09 alea.sh
-rwx-wx--x. 1 user group 11752 Mar 27 01:12 alea.sh.x
-rw-rw-r--. 1 user group 10174 Mar 27 01:12 alea.sh.x.c

Dos quais:

  • alea.sh é o seu script original
  • alea.sh.x é o seu script em formato binário e encriptado
  • alea.sh.x.c é o código fonte do script original em linguagem C

Após transformar o código do seu script, originalmente escrito em Bash para um script em C, o shc o compila, gerando o executável alea.sh.x.
Veja como testar:


file alea.sh

alea.sh: Bourne-Again shell script text executable

file alea.sh.x

alea.sh.x: ELF 64-bit LSB executable, x86-64, version 1 (SYSV), dynamically linked (uses shared libs), for GNU/Linux 2.6.18, stripped

file alea.sh.x.c

alea.sh.x.c: ASCII C program text

Execute o seu script encriptado


./alea.sh.x

Quantos numeros aleatorios voce deseja gerar? 3
7489
10494
29627

Determine uma data de expiração pro seu script

Com o uso do shc, é possível evitar que o seu script seja executado após uma certa data. Se for feita a tentativa de executar um script que já tenha expirado, uma mensagem de erro será exibida na tela.
Crie um novo script, usando a opção “shc -e“, que permite a entrada de uma data de expiração (que deve ser fornecida no formato dd/mm/yyyy:


./shc -e 31/12/2011 -f alea.sh

Veja o que acontece quando alguém tenta executar um script vencido:


./alea.sh.x

./alea.sh.x: has expired!
Please contact your provider

Você pode criar a sua própria mensagem de expiração, para o caso de redistribuir o seu script para pessoas que não falem inglês, por exemplo. Use a opção ‘-m’ para isto.