Review do YouTube Music para Android

Aproveitando o período do final do ano, resolvi experimentar gratuitamente, por 30 dias o serviço de streaming de músicas (do Google) YouTube Music.

O serviço não é tão bom, ainda, quanto o do Spotify, do qual também sou assinante, mas o seu uso foi interessante o suficiente para me fazer estender um pouco mais o período de análise.

Depois de quase 3 meses de doce procrastinação, decidi, finalmente, fazer o review e contar o que achei do YouTube Music.

A interface gráfica do YouTube Music

Até o momento, o serviço só pode ser acessado via web, pelo endereço https://music.youtube.com — ou pelo app no dispositivo móvel.

Ainda não há aplicativos para o desktop.

Este post se baseia no app do YouTube Music para Android, que pode ser baixado na loja oficial do Google Play.

A interface pode impressionar os novatos, que estão começando a usar este tipo de serviço. Usuários experientes do Spotify, entre outras plataformas de streaming, vão perceber que ainda há muita coisa para ser feita.

De cara, salta aos olhos a falta de espaço para a sinopses e descrições completas das bandas e dos álbuns.

Eu espero que, quando você estiver lendo este texto, muitas coisas tenham melhorado, contudo.

A presença do ícone Hotlist, no rodapé do aplicativo, leva a uma página cheia de “hits do momento”. Acho isso um desperdício completo de espaço no aplicativo — pois creio que a maioria dos assinantes de serviços de streaming de música está fugindo do jabaculê (jabá) ou das porcarias que estão saturando as rádios.

Vai por mim, você provavelmente não vai querer tocar ali…

Catálogo e buscas de títulos no YouTube Music

Alguns usuários (entre novatos e avançados) têm o hábito de reclamar das plataformas, quando não encontram exatamente as músicas que desejam.

Isso não resiste a um exercício básico de lógica: é interesse da plataforma oferecer a maior quantidade de títulos possível, incluindo todos aqueles de que você gosta.

Mas, aqui e ali, vão esbarrar nas restrições mais estapafúrdias da indústria dos direitos autorais — tem música que pode tocar em uma região e em outra não — qualquer que seja o motivo.

Tem clipes que você pode ver tranquilamente no YouTube normal, mas não consegue encontrar a música (o áudio) no app.

Nestes casos, o YouTube consegue contornar o problema, permitindo ouvir apenas o áudio do clipe (poupando, inclusive, a banda da sua conexão).

Do lado da qualidade do áudio, pode deixar a desejar para os ouvidos mais sensíveis ou exigentes, por enquanto.

O mixtape

O recurso que eu mais gostei foi o “mixtape”.

Trata-se de uma seleção feita pelo app, baseado no seu gosto. No meu caso, o mixtape quase sempre acertava, trazendo títulos incríveis, que eu ainda não conhecia.

O mixtape é renovado a cada 24h, desde que você esteja conectado e fica disponível offline, para você ouvir a qualquer momento.

E este é um dos principais motivos de usar serviços de streaming, para mim: conhecer artistas (entre novos e antigos) que ainda não conheço

Conectividade

Este é um dos itens mais importantes a analisar, principalmente se você vai ouvir suas músicas (ou podcasts) no carro ou em outro dispositivo de som — via bluetooth, inclusive.

O app não tem recursos de conectividade próprios, mas tem suporte a Apple AirPlay e ao Google Chromecast, além do bluetooth do seu próprio celular ou tablet.

Eu tive dificuldades para conectar ao bluetooth do carro, no começo, por que os apps de música do meu celular ficavam “brigando entre si”, pela atenção da conexão.

Se você pretende fazer a sua própria análise do app não se esqueça — de contar o que achou, ali embaixo! — desativar ou desinstalar os outros aplicativos concorrentes.

Vale a pena pagar pelo serviço?

Na mesma faixa de preço dos concorrentes, o produto ainda é imaturo e, na versão que usei, ainda era um pouco instável.

Se você pretende começar a pagar por um serviço de streaming, pode ser uma boa opção, se adquirido dentro do plano YouTube Premium, por que vai te livrar das propagandas em todas as sessões do YouTube, além de dar acesso a conteúdo exclusivo.

Mas não concordo que, no momento, valha a pena sair de outros serviços concorrentes para adotar este, para quem só quer streaming de músicas.

Publicado por

Elias Praciano

Autor de tecnologia (livre, de preferência), apaixonado por programação e astronomia. Fã de séries, como "Rick and Morty" e "BoJack Horseman". Me siga no Twitter e vamos trocar ideias!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.