debian cfdisk

Qual o melhor sistema de arquivos para usar dentro de uma máquina virtual

Dentro de uma máquina virtual, você provavelmente terá um ou mais discos virtuais. Cada qual, com uma ou mais partições.
Quanto mais for otimizado uso dos recursos de hardware/software, melhor será o desempenho do trabalho e das tarefas executadas dentro das VMs, lógico.
Este assunto pode suscitar várias dúvidas — por isto sugiro, dar uma olhada na tag #sistema-de-arquivos, deste blog — onde você poderá encontrar artigos complementares.

É um tema muito vasto e eu não sou o dono da verdade — por isso, sinta-se à vontade para comentar sobre a sua experiência no assunto.

Neste post, vou discutir especificamente qual o mais recomendado para formatar os discos rígidos (ou SSD) virtuais usados em máquinas virtuais (ou VMs).
No contexto deste artigo, uso algumas máquinas virtuais Debian 9 “Stretch” testing. O drive físico, em que se encontram instaladas, é um HDD (disco rígido).


Se você está com pressa e usa Linux, a resposta rápida (e mais segura), para a pergunta do título, é: formate com o ext4! 😉
Caso você tenha 2 ou 3 minutos (a depender da velocidade com que você consegue ler), posso explicar melhor as vantagens e desvantagens do ext4 e de outros sistemas de arquivos — e isto pode levar a outras respostas…

Em que casos o ext4 é perfeito para formatar um HD dentro de uma máquina virtual

O ext4 está para ser substituído, no universo GNU/Linux, há um bom tempo.
Este processo está em curso há mais ou menos uma década e pode levar outra para ser concluído. Sistema de arquivos é uma coisa séria e precisa de muitos testes para se provar confiável, seguro, eficiente.
O ext4 ou fourth extended filesystem (quarto sistema de arquivos extendido) teve sua primeira versão estável lançada em Outubro de 2008 — o que lhe dá, aproximadamente, 10 anos de estrada.

É o mais jovem (e, possivelmente, último) de uma linhagem, iniciada em 1992, com o ext — criado pelo desenvolvedor Francês, Rémy Card.

Este fato eleva o tempo de experiência do sistema, como um todo, para aproximadamente 25 anos.
Por isto é que o ext4 satisfaz as condições de segurança e eficiência.
Ele incorpora, inclusive, recursos modernos e avançados para manipular dados eficientemente em unidades SSD.

Se você tem dúvidas e precisa decidir rapidamente, opte pelo ext4.

virtualbox snapshot list
A falta de suporte nativo a snapshots no ext4, dentro do contexto de uma máquina virtual, pode ser um ponto a favor: por que o torna mais leve.
Para quem pretende rodar máquinas virtuais dentro do Virtual Box ou qemu, por exemplo, o suporte já está incluído no programa — o que o torna dispensável dentro do sistema de arquivos hóspede.

Outro argumento a favor do ext4: se o host (máquina hospedeira), já usa um sistema de arquivos com suporte a snapshots (como o BTRFS ou o ZFS), não há necessidade para a redundância.

O que os outros sistemas de arquivos oferecem a mais

Testar outras opções é sempre o melhor caminho para descobrir o que se adequa às suas necessidades.
Se as VMs estão em um host com SSDs, certamente é mais benéfico usar um sistema de arquivos construído do zero para este tipo de tecnologia.
Os sistemas de arquivo BTRFS e ZFS podem oferecer melhor performance dentro das seguintes situações, entre outras:

  • As VMs estão em um host equipado exclusivamente com SSDs.
  • Por alguma razão, você necessita do suporte a snapshots dentro do sistema de arquivos hóspede.
  • Os sistemas de armazenamento dos hóspedes são realmente grandes, você pretende usar RAID, pools etc.

Referências

Publicado por

Elias Praciano

Autor de tecnologia (livre, de preferência), apaixonado por programação e astronomia.
Fã de séries, como “Rick and Morty” e “BoJack Horseman”.
Me siga no Twitter e vamos trocar ideias!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *