Vale a pena encerrar um aplicativo Android com task killers? Entenda por que não.

android-logo
Sempre que o assunto é gerenciamento de memória no Android este tema vem à tona.
Task killers são programas que servem para fechar arbitrariamente outros programas. Quem usa Linux talvez conheça o xKill, que serve para fechar qualquer aplicativo, desde que ele tenha alguma janela em exibição na tela.

POSTS RELACIONADOS

Embora seja útil para desenvolvedores ou profissionais que estejam fazendo testes, entre outros, para o usuário normal fazer uso de um task killer (assassino de tarefas, em português) pode ajudar a bagunçar o seu sistema em vez de torná-lo mais leve e rápido, como te prometeram.

O que é RAM

RAM (Random Access Memory ou memória de acesso aleatório, em português) é uma área, no seu aparelho, para armazenar os seus dados, enquanto ele estiver ligado. Cada sistema operacional faz um uso da RAM do dispositivo em que se encontra instalado.
Como o seu dispositivo não tem HD (disco rígido), ele vai usar a RAM para as mesmas atividades, manter aplicativos e dados em local mais acessível para o processador, uma vez que este tipo de memória tem um tempo de acesso muito melhor do que o cartão SD. É aonde os dados que precisam ser acessados mais vezes ficarão armazenados temporariamente.

Aplicativos em execução

Não estou dizendo que aplicativos de monitoramento do sistema sejam ruins. Este tipo de ferramenta tem sido usado desde o início da popularização dos PC’s, na década 80 e ninguém morreu até agora. Veja aqui o modo hacker de checar o uso da memória no seu dispositivo.
O Android, tal como outros sistemas operacionais construídos sobre as raízes do Unix têm algo em comum, no que toca a RAM:

RAM não usada é RAM desperdiçada

O nosso Android, tal como o MacOS e o Ubuntu, deseja usar toda a memória RAM possível. Ele foi projetado para isto. Há ajustes (chamados “minfree“) que dizem ao sistema quanto de RAM deve ser deixado livre e disponível. Mas, para o resto, o sistema está programado para preencher o espaço mais rápido possível e manter-se assim.
Já se perguntou “com o quê ele preenche este espaço?”. É uma boa pergunta.
Depois que o sistema, em si, tiver sido carregado, junto com tudo o que ele precisa imediatamente para funcionar, o sistema continua a carregar os seus aplicativos à medida em que são usados, até que uma função interna diga para parar.
O aplicativo atualmente aberto estará, com certeza, na memória RAM, mesmo depois de fechado. O próximo também será armazenado lá e assim em diante. Quando o sistema precisar de mais memória para algum outro aplicativo, ele vai desocupar os lugares que não estiverem mais sendo usados.
Ainda que você tenha 100 apps em seu aparelho, só deve usar alguns com frequência. Há grande probabilidade de eles já estarem armazenados na RAM, o que torna a sua abertura mais rápida. Neste caso eles não precisam ser lidos do cartão SD, o que economiza seu tempo e sua bateria. Note que a leitura/escrita do cartão consome mais energia do que o acesso à RAM, além de ser mais lenta.
Veja bem. O que ele faz é manter o Google Talk (ou qualquer outro aplicativo) na memória RAM, depois de fechado, para abri-lo quase instantaneamente na próxima vez, já que não será mais necessário ler o cartão.
Por este ponto de vista é que não vale a pena eliminar o programa da memória. Caso você não o use mais e o espaço que ele ocupa se torne necessário para armazenar outras coisas, o sistema se encarregará de fazer isto. Caso contrário, ele irá abrir mais rápido para você depois.
Já imaginou ter que carregar o messenger do cartão a cada vez que chega uma notificação de nova mensagem?
Desta forma, acredito que tenha ficado claro que os aplicativos, na memória RAM, não estão consumindo espaço à toa. Estão poupando a sua bateria e não estão sequer importunando a sua CPU. Estão apenas prontos para carregar mais rápido na próxima vez em que forem requisitados.

Cada vez menos, estes problemas importam

Os aparelhos Android têm evoluído a uma grande velocidade, ainda enquanto estão sobre nossas mãos – Os softwares estão melhores, os aparelhos estão melhores e a galera que escreve os programas está se tornando melhor nisto. A evolução das ferramentas de programação, também merece destaque.
Alguns programas mais parrudos podem demorar para serem fechados, mas serão fechados – tenha nervos. Arme-se de paciência para lidar com isto ou os desinstale, até poder comprar um aparelho com mais memória e maior capacidade de processamento. Mesmo aplicativos bem escritos podem demorar para descarregar e limpar a memória dos dados usados durante a sessão.
Ao matar um aplicativo arbitrariamente, você pode “vê-lo” sumir da memória, mas podem continuar lá alguns sub-aplicativos ou plugins zumbis ou órfãos, que seriam fechados graciosamente pelas vias normais.
Para ter uma ideia do quanto isto é prejudicial ao sistema, desenvolvedores do kernel são enfáticos ao pedir que não se use task killers.

O cenário atual

Os aparelhos (celulares, tablets etc) estão vindo com uma quantidade mais decente de memória e capacidade de processamento capaz de fazer um netbook corar de vergonha. O gerenciamento de memória do Android acompanhou esta evolução do hardware. Há cada vez menos motivos para se confiar em task killers.

O melhor conselho

Deixe o Android fazer o seu trabalho, gerenciar a memória e os outros recursos do seu dispositivo. Pare de se preocupar com isto.

😉

Publicado por

Elias Praciano

Autor de tecnologia (livre, de preferência), desenvolvedor web e geek, nos mais diversos assuntos. Entusiasta de software livre e hacker de LEGO, acredito em repassar meu conhecimento e ajudar as pessoas sempre que for possível.

6 comentários sobre “Vale a pena encerrar um aplicativo Android com task killers? Entenda por que não.”

  1. Valeu Garoto !!!
    Seu “posts” clarearam muito minha ignorância sobre Android !
    Continue esse bom trabalho !
    Grande abraço !

  2. Adorei o texto …. Não sabia quão prejudicial eram esses “task killers”. Obrigado por compartilhar a informação 🙂

  3. Lendo isso hoje, dezembro de 2013, com meu android ics 4.0, vejo que o cenário não mudou muito.
    Dizer todo esse discurso teórico é ótimo, mas na prática, vez ou outra irá se deparar com um celular com bateria a zero, depois de 4 horas em stand by, e quando for mais a fundo, irá descobrir que um aplicativo em segundo plano, não deixou o telefone entrar em modo de espera, ficou consumindo bateria e internet, fazendo sei lá o que! Ainda tem muito que melhorar em gerencia de app. Quer a prova? Compare o desempenho e a duração de bateria entre um smart “novo” e um com diversos aplicativos instalados!

  4. comprei um celular com o android 4.1 e quando fui instalar o whatsapp apareceu a mensagem q eu possuo um task killer de terceiro instalado e q ele pode atrapalhar o funcionamento do app.. mas eu nao instalei nada e nao faço ideia do que fazer.. O que eu faço?

  5. nossa, muito obrigada! esclareceu várias dúvidas que eu tinha com relação ao gerenciador de tarefas e a utilização da bateria, procurarei visitar mais vezes esse site! parabéns

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *