Linux tux

Como ripar seus CDs de áudio no Linux

O RipIT é um aplicativo para ripar CDs de áudio. Ele permite fazer cópias de segurança, preservando a qualidade original do som.
A ferramenta é simples e flexível o suficiente para gerar vários padrões de arquivos simultaneamente, prontos para serem levados ao smartphone, para o cartão SD, para o pendrive do carro etc.
É uma ferramenta em modo texto, de linha de comando, para ser executada num terminal.
É, também, muito fácil de ser usada.
Basicamente, tudo pode se resumir a digitar o comando e dar enter para todas as perguntas (usualmente duas) que ele fizer e ir fazer outra coisa enquanto ele trabalha.
Mas eu não viria até aqui só para escrever isto, não é?
A instalação é fácil, pois o aplicativo está disponível nos repositórios oficiais de todas as grandes distribuições GNU/Linux.
Se você usa o Ubuntu, pode instalar clicando no botão abaixo:

Instalar Ripit

Tal como muitas ferramentas que podem ser executadas na linha de comando, o ripit é extremamente flexível e oferece um grande poder ao usuário na sua configuração.
O seu arquivo de configuração fica em ~/.ripit/config e é auto explicativo e simples (pra quem sabe inglês). Se você domina o idioma, divirta-se e tenha juízo!
Se você ainda está aqui é por que deseja que eu facilite um pouco mais as coisas pra você. Vamos a isso!
A lista de comandos que costumo usar é a seguinte:

ripit --coder lame --bitrate 320 --lowercase --underscore --verbose 5 --comment "meu backup pessoal" --eject --save

Estas opções têm o seguinte significado:

  • --coder lame: pede para usar um determinado codificador. Este aí, gera os arquivos mp3. Se você preferir um formato livre/aberto, pode usar oggenc no lugar de lame. Eu costumo usar mais o oggenc.
  • --bitrate 320: define a “qualidade” dos arquivos. O valor 320 é exagerado para a maioria dos casos e vai contribuir para os arquivos de saída se tornarem muito grandes. Contudo, como não temos a intenção de fazer upload deles, mas guardá-los, pode ser interessante usar este valor. Caso queira compartilhar os seus arquivos, use um valor mais baixo. Um bitrate de 128 kbps é ótimo.
  • --lowercase e --underscore: fazem com que os_asrquivos_de_saída_tenham_os_seus_nomes_escritos_em_minúsculas e com_palavras_separadas_por_sublinhas.
  • -verbose 5: liga o modo “tagarela” do ripit no máximo. Ele vai informá-lo de tudo que estiver fazendo. O nível padrão é 3. Se você não quer saber de nada ou não entende inglês, pode desligá-lo, usando o nível 0.
  • --comment “meu comentario”: entre aspas, sinta-se à vontade pra dizer alguma coisa sobre os arquivos.
  • --eject: ao final de todo o processo, ejeta o seu CD.
  • --save: grava todas estas configurações no arquivo ~/.ripit/config. Assim, na próxima vez em que você executar o ripit, só precisará citar o seu nome. Ele vai buscar o restante das configurações no arquivo.

Desta forma, você pode brincar um pouco com as opções do ripit e gravar no arquivo de configuração as suas opções preferidas. Depois de ter gravado as suas preferências no arquivo de configurações, você só precisará usar o comando desacompanhado de qualquer parâmetro.

Outras opções interessantes de uso do ripit

Os aparelhos móveis atuais já têm uma quantidade de memória suficiente para não nos obrigar a ouvir músicas gravadas com baixa qualidade.
O padrão de compressão MP3 surgiu em um momento em que os arquivos de áudio tinham que ser minúsculos — para que se pudesse ter um pouco mais de uma centena de músicas dentro de um CD de 650 MB.
Esta limitação não existe mais.
A maioria dos sons automotivos pode reproduzir CD-RW de 700 MB e “pendrives” com capacidades superiores a 64 GB.
Além disto, é possível conectar o seu reprodutor pessoal de mídias ou smartphone a quase todos os tipos de sistemas de som via entrada auxiliar ou bluetooth.
Estas possibilidades reduzem a obrigação de comprimir excessivamente os arquivos de música — o que implica diretamente na perda da qualidade sonora.
Se você tem bastante espaço disponível, então não precisa, de forma alguma, abrir mão da qualidade do som.
Você pode, até mesmo usar arquivos .FLAC — fiéis à qualidade original do áudio e podem ser reproduzidos em qualquer smartphone Android.
Veja a linha de comando abaixo:

ripit --coder 0,1,2 --quality 0,10,0 --bitrate 320 --protocol 5 --verbose 4 --disable-paranoia 2 --eject

Lista de músicas do álbum as 4 estações de Legiao Urbana
Recomendo usar o FLAC. Se você precisa de argumentos para isto, leia este artigo.
Seguem os motivos de ter escolhido estas opções:

  • --coder 0,1,2 — o aplicativo permite que eu especifique mais de uma codificação. Isto é ótimo!
    Assim, eu não preciso repetir o processo para obter os arquivos em .FLAC ou qualquer outro formato.
    Com estas opções, separadas por vírgulas, o ripit irá criar e gravar os arquivos em MP3 (0), OGG (1) e FLAC (3). O Google Music Player, padrão no Android, lê todos estes 3 formatos.
    Com um processador atual, o tempo de execução da tarefa não irá aumentar mais do que alguns minutos, ou seja, 20 – 30% a mais.
  • --quality — novamente, separei as opções de cada formato de arquivo por vírgulas. Aqui, ficou definida a máxima qualidade (e mínima compressão), respectivamente, para os formatos MP3, OGG e FLAC.
    Neste caso, os arquivos FLAC irão para o meu backup pessoal, em Blu-Ray, em função da qualidade superior — a partir deles, poderei criar arquivos em MP3 ou OGG a qualquer momento.
  • --protocol 5 — A variável protocol level ativa o suporte às fontes UTF-8. O valor padrão desta variável é 6.
    Se você estiver tendo problemas com a acentuação nos nomes das músicas ripadas de um álbum nacional, use o valor 5 (como no meu exemplo).
  • --disable-paranoia 2 — este parâmetro desabilita o recurso paranoia em caso de erro na leitura de uma trilha. O programa, então, irá repetir a leitura sem o paranoia, retomando-o na próxima trilha.

Publicado por

Elias Praciano

Autor de tecnologia (livre, de preferência), apaixonado por programação e astronomia.
Fã de séries, como “Rick and Morty” e “BoJack Horseman”.
Me siga no Twitter e vamos trocar ideias!

2 thoughts on “Como ripar seus CDs de áudio no Linux”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *