Aprenda a encontrar, instalar e remover pacotes SNAP, no Ubuntu.

A partir da versão 16.04, o Ubuntu passou a suportar um novo método de instalação — que complementa o apt.
Neste texto, vou mostrar alguns comandos simples, que podem ajudar você a usufruir melhor do sistema com o Snap.

Como encontrar aplicativos disponíveis pelo snap

Em analogia ao apt, o snap também permite pesquisar dentro dos repositórios, para “achar” o que você precisa.
Use o “find” para isso:

snap find music

No exemplo, acima, fiz a pesquisa pela palavra “music”. Veja o meu resultado:

Name                    Version      Developer     Notes    Summary
noson                   2.3.6-SNAP1  janbar        -        The essential to control music from your SONOS devices
deadbeef-vs             0.7.2-snap2  vs            -        The Ultimate Music Player
audovia                 3.4.1        songbuilder   -        Database application for making music using JFugue MusicStrings
gmusic                  0.5.0-1      matt-goodall  -        A collection of tools to manage your Google Play Music.
ktube-media-downloader  1            keshavnrj     classic  Browser, Download, Play Media from Youtube and other Sites
spotifywebplayer        1.0.35       quacky2200    -        Spotify Web Player for Linux
functy                  0.38         flypig        -        3D graph drawing with vivid and immediate results
vlc                     daily        videolan      -        The ultimate media player
filebot                 4.7.7        pointplanck   -        The ultimate TV and Movie Renamer / Subtitle Downloader

Na primeira coluna da lista, vem o nome do software relacionado ao termo da sua busca.
Na segunda coluna, o Snap lista a versão de cada item. Note que a versão do VLC é daily, o que significa que se trata de uma versão em desenvolvimento e, portanto, não estável.
A terceira coluna relaciona os desenvolvedores de cada projeto.
As 2 últimas colunas fornecem informações mais detalhadas de cada pacote de software.
Você também pode filtrar as informações do Snap com o comando grep:

snap find music | grep player
spotifywebplayer        1.0.35       quacky2200    -        Spotify Web Player for Linux
vlc                     daily        videolan      -        The ultimate media player

Como obter informações sobre pacote Snap

Use a opção “info”, para isto.
Veja um exemplo:

snap info vlc 

… e veja os detalhes do pacote:

name:      vlc
summary:   "The ultimate media player"
publisher: videolan
description: |
  VLC is the VideoLAN project's media player. It plays MPEG, MPEG-2, MPEG-4,
  DivX, MOV, WMV, QuickTime, WebM, FLAC, MP3, Ogg/Vorbis files, DVDs, VCDs,
  podcasts, and multimedia streams from various network sources.
  
commands:
  - vlc
tracking:    stable
installed:   daily (4) 120MB -
refreshed:   2017-01-19 23:14:08 -0300 BRT
channels:              
  stable:    daily (4) 120MB -
  candidate: daily (4) 120MB -
  beta:      daily (4) 120MB -
  edge:      daily (4) 120MB -

Novamente, você pode usar o comando grep para filtrar informações — como, por exemplo, a última vez em que o pacote foi atualizado:

snap info vlc | grep -i refresh


refreshed:   2017-01-19 23:14:08 -0300 BRT

Como instalar pacotes via Snap

Se você instalava pacotes via apt, vai achar esta fácil:

sudo snap install vlc

Como exibir os pacote que foram instalados via Snap

Quando quiser ver a relação de pacotes de software instalados no seu sistema, que chegaram através do Snap, use a opção “list”:

snap list
Name          Version              Rev   Developer        Notes
anatine       1.1.0-5-g2911f4d-X+  16    claudioandre-br  -
telegram-cli  1.4.1                1     caldav           -
ubuntu-core   16.04.1              1411  canonical        -
vlc           daily                4     videolan         -

Como atualizar um pacote individual

Use a opção “refresh” para buscar atualizações disponíveis para os seus pacotes:

sudo snap refresh telegram-cli 

Como remover programas instalados via Snap

Use a opção “remove”:

sudo remove vlc

Após a remoção, o Snap exibirá a mensagem (no meu caso, em inglês):

vlc removed

Introdução ao Flatpak

O Flatpak, como padrão de instalação de aplicativos no Linux está se tornando cada vez mais comum em várias distribuições Linux.
Você provavelmente já o tem instalado no seu sistema.
Abra um terminal e faça o teste:

flatpak

Se já estiver instalado, leia mais sobre o assunto aqui.
Caso não esteja, veja como instalar facilmente o Flatpak na sua distro Linux favorita.

O projeto “concorre” com o Snap, da Canonical — presente no Ubuntu, desde a versão 16.04.
Obviamente, os desenvolvedores dos 2 projetos colaboram entre si, como é comum em projetos de software livre.

Como instalar o Flatpak

O Flatpak tinha o nome de xdg-app (que ainda aparece em alguns aplicativos), até 2016.
Trata-se de um utilitário voltado para desenvolvimento, distribuição e empacotamento de softwares.
Além disto, tem utilidade na virtualização de aplicações em ambientes de computação Linux.
A tecnologia inclui um ambiente de “caixa de areia” (sandbox), chamada Bubblewrap, na qual é possível rodar aplicações isoladas do resto do sistema.

Após a instalação, pode ser necessário se reautenticar no sistema para poder fazer uso pleno da ferramenta.

Usuários do Debian 9 Stretch já o têm instalado no sistema e não precisam fazer nada. Nas versões anteriores, a instalação do Flatpak pode ser feita com o apt — mas antes você vai precisar habilitar os backports:

sudo apt-get install flatpak

No Fedora, a partir da versão 23, é possível baixar e instalar o Flatpak dos repositórios, com o dnf:

dnf install flatpak

fedora 25 terminal install flatpak
No openSUSE Tumbleweed, fiz a instalação com o zypper:

zypper install flatpak

opensuse tumbleweed zypper install flatpak

Flatpak para Ubuntu…

E quem usa Ubuntu, faz o quê?!
Não há conflitos entre snap e flatpak, no Ubuntu. Você pode usar os dois para instalar aplicativos no seu sistema.
De fato, é possível instalar o Flatpak, dos repositórios oficiais, a partir do Ubuntu 16.10.
Se você usa o Xenial Xerus (Ubuntu 16.04), pode fazer a instalação através de uma PPA:

sudo add-apt-repository ppa:alexlarsson/flatpak
sudo apt update
sudo apt install flatpak

Como girar um vídeo, usando o ffmpeg

O nicho de edição de vídeo, no Linux, está muito bem servido, obrigado.
Há, pelo menos, 10 grandes editores de vídeo GUI (Graphic User Interface), para usar no sistema operacional do pinguim. Cada qual é voltado para um público específico.
Ao contrário do que muita gente sabe, contudo, também é possível fazer edição de vídeo na CLI (ou linha de comando).

Se você tem apenas um pequeno ajuste a ser feito em um arquivo de vídeo, pode ser mais interessante executar um ou dois comandos no terminal — em vez de abrir um programa e ter que aguardar o seu carregamento antes de poder fazer qualquer coisa com ele.

O ffmpeg é um utilitário de edição de arquivos multimídia bastante conhecido.
É possível realizar inúmeras tarefas de edição de vídeo com ele.
Neste post, vou me concentrar em apenas uma destas tarefas: alterar a orientação do vídeo.
Esta é uma demanda razoavelmente comum para quem grava vídeos com o celular. Ao reproduzir o vídeo, você descobre que não ficou legal filmar o evento com o aparelho deitado (na horizontal).
Nos exemplos, que seguem, vou usar “origem.mp4” como nome do meu arquivo de entrada. O “destino.mp4” é o arquivo de saída, resultante da edição.
Substitua os nomes dos arquivos dos exemplos pelos seus.
Para alterar a orientação do vídeo verticalmente:

ffmpeg -i origem.mp4 -vf vflip -c:a copy destino.mp4

Para alternar horizontalmente:

ffmpeg -i origem.mp4 -vf hflip -c:a copy destino.mp4

Para girar 90 graus, no sentido horário

ffmpeg -i origem.mp4 -vf transpose=1 -c:a copy destino.mp4

Para girar 90 graus, no sentido horário

ffmpeg -i origem.mp4 -vf transpose=2 -c:a copy destino.mp4

Experimente o ambiente de desenvolvimento integrado GNOME-BUILDER

Toda ajuda é bem vinda para desenvolver os seus programas? Ou você é do tipo que prefere um editor básico (como o Vim), para escrever o seu código?
O GNOME-BUILDER ainda está em fase de desenvolvimento e pode não ser a IDE de programação mais adequada para muitos usuários.
Mas tenho certeza de que ele vale a tentativa, em função de algumas de suas excelentes características — a leveza, por exemplo.
Neste texto, quero apresentar esta IDE e mostrar como instalar no seu sistema.
Se você gostar (ou não), sinta-se à vontade para comentar posteriormente sobre o aplicativo.

O que é o GNOME BUILDER

O Builder é uma nova IDE (Integrated Development Environment ou ambiente de desenvolvimento integrado), voltada para o ambiente desktop GNOME.
Não há impedimento para rodar o aplicativo no KDE ou em qualquer outro lugar, claro. Mas ele é voltado para o desenvolvimento de softwares para GNOME.
Não tem a intenção de ser uma IDE genérica, portanto, mas específica para desenvolvedores de aplicações GNOME.

Se você gosta do GNOME e tem a intenção de desenvolver para este desktop environment, o projeto é para você.

As linguagens de programação padrão, por enquanto, são C, C++, Python e Vala.
gnome builder IDE
O ambiente também tem integração ao GIT e várias licenças padrão para você escolher antes de começar o seu projeto.
Chama a atenção também a presença de um simulador do GNOME, que permite testar seu trabalho em versões diferentes da que se encontra instalada em seu sistema.

Como instalar o GNOME BUILDER

Se você tem o desejo de usar a versão mais atual do programa, deveria considerar baixar o código fonte, compilar e instalar o aplicativo.
Neste caso, baixe a versão mais nova deste site: https://download.gnome.org/sources/gnome-builder/.
Usuários Debian (eu testei no Stretch) ou Ubuntu, podem fazer a instalação normal, a partir dos repositórios:

apt install gnome-builder

A IDE também está disponível nos repositórios das versões mais recentes do Fedora e do openSUSE.
opensuse cli zypper info gnome-builder
Para instalar no Fedora, use o dnf:

dnf install gnome-builder

No openSUSE, use o zypper:

zypper install gnome-builder

Referências

https://download.gnome.org/sources/gnome-builder/.
https://wiki.gnome.org/Apps/Builder.

Como instalar fácil o Spotify no Ubuntu

Instalar o spotify no Ubuntu é muito fácil e pode ser feito com um clique, se você quiser.
A despeito de tudo o que já escrevi antes sobre como instalar o Spotify, o SNAP chegou para jogar o meu trabalho fora — ainda bem! 😉
Ubuntu logo
Sim! A partir do Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus, já é possível instalar o Spotify através do snap.
Isto vale para as distribuições derivadas dele também. Os exemplos deste artigo foram testados no KDE Neon 5.8 (derivado do Xenial).
Veja, a seguir, 2 métodos para instalar o Spotify Web Player através do snap: o primeiro envolve a instalação com um simples clique no seu navegador. No segundo, mostro como instalar através do terminal.
Fica a seu critério escolher o que achar melhor.

Instale o spotify com o comando snap

Para instalar o aplicativo, abra um terminal e execute o seguinte comando:

sudo snap install spotifywebplayer

É o suficiente para ter instalada a versão stable do aplicativo.

Como instalar o Spotify com 1 clique

Certifique-se de estar usando a versão mais atual do seu navegador.
No meu exemplo, o procedimento foi executado através do Google Chrome “Versão 56”.
Basta clicar na imagem abaixo, para fazer a instalação:
install icon
se aparecer uma janela de confirmação, selecione “Abrir xdg-open”.
chrome xdg open snap
Ao finalizar a instalação, é possível executar o player através do terminal ou pelo dash do Ubuntu — ou no menu do KDE!
Se preferir rodar o aplicativo a partir do terminal, execute o comando:

spotifywebplayer

spotify welcome screen

Opções avançadas de conversão FLAC ou OGG para MP3 sob demanda com mp3fs

Quando comecei a usar o mp3fs, não imaginava que iria fazer tanto uso deste sistema de arquivos virtual.
O fato é que ele me permite manter backup de todos as minhas músicas apenas em FLAC ou OGG.
Quando eu preciso transferir músicas para algum outro dispositivo que só tem suporte a MP3, o mp3fs resolve o problema com a criação de um sistema de arquivos virtual e a conversão on the fly.

Isto me livra do peso da redundância — ou algo próximo de 50% de todo o espaço ocupado por músicas em meu computador.

Se você quiser saber sobre os recursos básicos do funcionamento do mp3fs e sobre como instalá-lo no seu sistema, leia o artigo como converter arquivos FLAC para MP3, sob demanda, com mp3fs.

Ajustes sobre a qualidade da mídia

Você pode especificar a qualidade da conversão sob demanda para todos os arquivos.
Veja as opções de codificação possíveis:

  • --quality — determina a qualidade geral das conversões.
    Os valores podem ir de 0 (qualidade máx.) a 9 (velocidade máx.).
    O padrão é 5 (caso você não especifique nada neste quesito).
    Quanto maior a qualidade, maior o impacto sobre a performance do sistema — em outras palavras, os arquivos .mp3 resultantes ficarão maiores e o processo de conversão é mais demorado.

    Se o seu hardware for razoavelmente atual, não vejo motivo para não usar a qualidade máxima.
    Por outro lado, o manual do LAME recomenda usar o valor 2.
    A decisão é sua.

  • -b — determina o bitrate dos seus arquivos MP3. Os valores possíveis são 96, 112, 128 (padrão), 160, 192, 224, 256 e 320
  • --gainmode — determina o modo de ganho para todos os arquivos.
    Escolha 0, para ignorar; 1, para preferir o ganho predeterminado do álbum ou 2 (padrão), para manter e uniformizar o ganho por cada trilha.
  • --gainref — determina o ganho em decibéis. Se nenhum valor for fornecido, o sistema usará 89 dB.

No exemplo que segue, montei um dispositivo de armazenamento externo WD Elements, com uma coleção de músicas em FLAC, fazendo uso de algumas das opções acima
O drive está montado em “/media/justincase/wdelements/music/”. A segunda pasta (vazia, por enquanto) é a do sistema de arquivos virtual, criado e usado pelo mp3fs:

sudo mp3fs -b 320 --gainmode=0 --quality=0 /media/justincase/wdelements/music/ /mnt/music/mp3/ -o allow_other,ro

No final da linha as opções de montagem, “-o allow_other,ro”, que serão abordadas no próximo tópico.

Opções de montagem

As opções de montagem podem ser obtidas através do comando

mp3fs --help

Você pode combinar várias delas, após o parâmetro “-o”, separadas por vírgulas. Segue algumas das mais comumente usadas:

  • -o allow_other — tal como usado no exemplo acima, permite a outros usuários, além do que montou o sistema de arquivos, terem acesso para executar as músicas.
  • -o ro — indica que o sistema de arquivos é apenas-para-leitura (read-only). É redundante, pois o mp3fs só tem a opção de montar o sistema de arquivos desta forma.
  • -o nonempty — monta também arquivos e/ou diretórios vazios.
  • -o fsname=NOME — nomeia o sistema de arquivos para NOME.
  • -o direct_io — usa entrada/saída direta.
  • -o kernel_cache — faz o caching através do kernel.
  • -o from_code=CHARSET — determina a codificação de caracteres original, caso você esteja tendo dificuldade para ver os nomes corretos dos arquivos.
  • -o to_code=CHARSET — determina a codificação de caracteres do sistema de arquivos destino. Nesta e na opção anterior, o padrão é UTF-8.

Leia mais sobre as vantagens do FLAC sobre o MP3.

Como instalar a IDE GNUCOBOL ou OpenCobol no Fedora

Se a sua versão do Fedora não possui pacotes da linguagem de programação COBOL disponível nos repositórios, ainda é possível ir ao site oficial e obter a IDE completa, que dá suporte à linguagem.
Para escrever este post, faço uso do Fedora 25.
Se você usa uma versão diferente do Fedora, pode tentar encontrar alguns dos pacotes do cobol com o dnf:

dnf search open-cobol, gnucobol, cobol

dnf search cobol packages
Se não encontrar, use o comando wget para baixar a versão mais atual da IDE do OpenCobol (GNUCobol).
Se achar mais confortável, você pode encontrar a versão mais atual da IDE no site https://launchpad.net/cobcide/+download.
Se preferir usar a linha de comando, para baixar e instalar, use o seguinte exemplo:

wget https://launchpad.net/cobcide/4.0/4.7.6/+download/OpenCobolIDE-4.7.6-1.noarch.rpm

Opcionalmente, faça a verificação do md5 (eu sempre faço…):

md5sum OpenCobolIDE-4.7.6-1.noarch.rpm

d290e1e28dc71f6c7ef35e9e7c756f39  OpenCobolIDE-4.7.6-1.noarch.rpm

Se tudo estiver bem, faça a instalação, com o dnf:

dnf install OpenCobolIDE-4.7.6-1.noarch.rpm

opencobol IDE on GNOME

Referências

https://launchpad.net/cobcide/+download.

Como ajustar o cache do VLC Player

Ajustar o cache ou o buffer do seu player de áudio e/ou vídeo pode ajudar a resolver problemas que estejam causando lag ou “engasgue” durante a reprodução de se seus arquivos multimídia.
Todos os players de áudio/vídeo possuem ajuste de cache ou buffer.


Conceitualmente, cache e buffer são duas coisas distintas. Em comum, há o fato de que se trata de uma área de armazenamento temporária de informações — com o objetivo de agilizar ou dar mais eficiência ao fluxo de dados.
Os dois recursos divergem na metodologia de sua implementação, entre outras distinções.
Eu poderia discorrer prazeirosamente sobre o assunto, mas…


Aplicativos de linha comando (CLI), normalmente são ajustados na própria linha de comando, antes da sua execução — ou podem ser permanentemente configurados através de um arquivo-texto de configuração.
O VLC, contudo tem uma interface gráfica (Graphic User Interface ou GUI) completa e com inúmeras possibilidades de ajuste.
Para acessar a parte específica sobre caching, siga estes passos:

  1. Tecle Ctrl+P ou clique no menu “Ferramentas” e selecione “Preferências”
  2. Em seguida, localize a seção “Exibir configuração” (canto inferior esquerdo do painel) e selecione “Detalhado”
  3. Agora, localize na lista à esquerda a seção “Entrada/Codificador”
  4. Role a parte à direita do painel, até encontrar a seção “Avançado”

vlc codec preferencias
A seção “Avançado” contém as opções de ajuste do cache do VLC Player.
Seja conservador nos ajustes.

Ao usar o mpg123 player em um netbook, com recursos muito limitados de hardware, ajustar o buffer para 16 kb resolveu definitivamente o problema de engasgos ao executar arquivos de áudio MP3.

Se você usar valores excessivos na configuração do cache, pode aumentar o fast forward lag — ele vai demorar mais a recomeçar a reprodução quando você pedir para avançar o vídeo ou a música.
Se você passar o ponteiro do mouse sobre cada item de ajuste do cache, vai ver uma pequena explicação sobre o que cada um faz:

  • memória para arquivo — tamanho do caching, em milissegundos para arquivos locais. Comumente, se refere a arquivos presentes no disco rígido.
  • cache de disco — valor do cache para as mídias óticas.
  • cache de rede — valor referente a reproduções através da rede.

Veja como fazer conversão sob demanda de arquivos de áudio FLAC e OGG para MP3.

Mesmo gostando de ouvir suas músicas com a máxima qualidade possível, às vezes é preciso fazer concessões à compatibilidade.
O fato é que muitos players de áudio não suportam uma grande variedade de padrões, além do velho MP3.
Já falei antes sobre a superioridade do FLAC em relação ao MP3, mas o segundo ainda é o mais suportado.
Em casa, fiz o backup de todos os meus CDs em FLAC, mas o som padrão do carro não suporta nada além de MP3, WMA ou WAV — todos proprietários.

Isto quer dizer que, ou ouço os FLAC do celular via Bluetooth ou os converto para um dos 3 formatos suportados para reproduzir a partir de um pendrive ou CD.
É chato… mas é o jeito.

Há inúmeras ferramentas para fazer este tipo de conversão — aplicativos GUI ou CLI, web apps etc.
Neste post vou abordar o uso de uma ferramenta CLI (Command Line Interface ou “interface de linha de comando”) — pensando nas pessoas que têm um número considerável (imenso) de arquivos para converter.
Outro ponto que levo em conta é que as ferramentas CLI costumam consumir menos memória — o que permite realizar o trabalho sem sobrecarregar seu sistema.
Se você estiver interessado em ripar CDs, leia meus artigos específicos sobre ripagem.

O que o mp3fs faz

O mp3fs é uma ferramenta que monta um sistema de arquivos virtual e transcodifica arquivos FLAC para MP3, on the fly.

Em outras palavras, o comando mp3fs permite montar um diretório virtual, com todos os seus arquivos áudio prontamente renomeados com a extensão .mp3.
A partir daí, basta começar a tocar ou copiar para outro lugar
À medida em que os arquivos são acessados, mp3fs faz a conversão.
Parece fácil, não é?
E é!

Trata-se um sistema de arquivos FUSE, protegido contra alterações, que transcodifica arquivos de áudio no momento em que são abertos ou lidos.
Ele permite usar sua coleção de músicas FLAC — mesmo que seu hardware/software não tenha suporte a este formato.

Se você quiser transferir os MP3 para um pendrive, pode fazer isto como se fossem arquivos normais — o sistema se encarrega de convertê-los durante a transferência.
Outra vantagem da conversão “sob demanda” é que este método não te obriga a ter mais espaço em disco.


Se, por outro lado, você optasse por converter seus arquivos FLAC para MP3, individualmente, teria que reservar um enorme espaço adicional para abrigar os arquivos duplicados, resultantes das conversões.
Em outras palavras, para cada arquivo.flac, seria criado outro arquivo.mp3 —— Imagine o espaço extra que você teria que ter para converter milhares de arquivos!

O mp3fs permite selecionar e copiar todos arquivos FLAC da origem e colar direto na pasta de destino. Eles serão convertidos para MP3 durante a transmissão.

Como instalar o mp3fs

Nas distribuições Linux que usam o gerenciador de pacotes APT (Debian, Ubuntu, Mint etc.), é possível encontrar o pacote de instalação nos repositórios oficiais.
Neste caso, use o APT:

sudo apt install mp3fs

Pra constar, instalei e usei com sucesso o mp3fs no Debian 9 “Stretch” e no KDE NEON (baseado no Ubuntu 16.04 LTS “Xenial Xerus”).

Como usar o mp3fs

A sintaxe do comando é bem simples.
Todas as minhas músicas, FLAC, OGG ou MP3, estão dentro do diretório “/home/justincase/music”.
Para facilitar, criei mais um diretório com o seguinte nome/caminho: “/mnt/music/mp3”
No exemplo, abaixo, vou montar o meu segundo diretório, com o mp3fs:

sudo mp3fs -b 192 /home/justincase/music/ /mnt/music/mp3 -o allow_other,ro

Se tudo der certo, já será possível visualizar os seus arquivos em /mnt/music/mp3 — todos já renomeados para mp3:

ls /mnt/music/mp3/

Experimente tocar um deles!
tribo de jah mp3 files
Na imagem, acima, todos os meus arquivos .flac estão com a extensão .mp3.

Referências

https://github.com/khenriks/mp3fs/blob/master/mp3fs.1.txt
https://khenriks.github.io/mp3fs/

Como ajustar o GIMP para iniciar sempre com sua ferramenta favorita

Das inúmeras ferramentas do editor de imagens GIMP, cada usuário tem as suas favoritas ou, pelo menos, as que mais usa.
No meu caso, a mais usada é a ferramenta de seleção retangular.
O problema é que, ao instalar o aplicativo — quando já não vem instalado… — a ferramenta padrão é o aerógrafo (que raramente uso).
Você pode acessar facilmente, através de atalhos de teclado, qualquer uma destas duas ferramentas:

  • Ctrl + b + r — ativa a seleção retangular
  • Ctrl + b + a — ativa o aerógrafo

Se você prefere que o GIMP já entre com a sua ferramenta preferida pré-selecionada, siga estes passos:

  1. Selecione a ferramenta que você deseja deixar sempre ativada no início
  2. Abra o menu de preferências do GIMP: Editar/Preferências
  3. Clique na aba “opções de ferramentas” ou “toolbox options” (na versão em inglês do aplicativo)
  4. Agora clique sobre o botão “Salvar opções de ferramentas agora”.
    Opcionalmente, você pode deixar marcada a caixa (acima do botão) “Salvar opções de ferramentas ao sair”

gimp preferencias das ferramentas
Com isto, nas próximas vezes em que o GIMP for executado, ele já irá iniciar com a sua ferramenta favorita ativa e pronta para uso.
gimp tela padrão
Happy gimping!